1. Spirit Fanfics >
  2. Chamado místico >
  3. Acelerando a guerra

História Chamado místico - Capítulo 320


Escrita por: Namelesigrir

Capítulo 320 - Acelerando a guerra


Caminhamos por um corredor de carne que eu nunca tomei antes, um que leva para outra das centenas de torres nessa ilha flutuante, enquanto conversamos casualmente.

-Hell você tem ideia o que acarretou após sua descoberta sobre a cura dos marcados?-

-Nem ideia- Surpreso com o tópico eu respondo com sinceridade enquanto a cauda de paimon se enrola em mim mais forte.

-Desde que a cura foi estabelecida e nós vendemos para os países vizinhos, a um movimento nas linhas demoníacas, eles parecem ter notado o que aconteceu e nos últimos meses eles começaram uma coleta de informação, suas fortalezas principais tambem mostraram indícios de acordar-

-O que significa que a cura dos marcados era sim necessária, era algum ataque nas sombras realizado por algum dos demônios- Entendo.

-Então a guerra santa..-

-Sim, provavelmente a guerra santa acelerou, a cura dos marcados matou vários demônios, pesquisas posteriores revelam que aqueles núcleos eram almas demoníacas, e o processo de curar os matou em si, dando as fileiras demoníacas incontáveis baixas em poucos dias-

Pelo menos uma bola dentro eu deveria ser premiado.

-O farol da noite tentou contata-lo atreves de nós mas você não queria velos então o ignoramos- Pobres monges, é uma pena que eu não vá nem um pouco com a cara deles.

-Sua cauda esta mais relaxada agora ela é tão macia que fofinho- eu mudo de assunto a pegando desprevenida apertando a região com carne enquanto levo ao meu naris para cheirar isso parece algo constrangedor, confirmado em seu comportamento .

-então...- Ela tossiu algumas vezes.

-A 10 dias todas as nações deram o alerta vermelho, e estamos nos preparando, o tempo é curto e pode ser que a qualquer momento nos próximos anos sejamos invadidos pelo portão norte-

Isso não seria legal, não seria legal mesmo.

-Então-meus dedos passam pela carne inferior macia e ela tenta retrair a cauda mas eu a pego e começo a alisar.

-Não podemos mobilizar tropas mais fortes para cuidar na fronteira do mar, cedo ou tarde teremos que abrir ou deixar alguma unidade militar ali de grau-0 e se não tivermos o imperio oriental vai conseguir passar e pode comprometer tudo o que fizemos até agora-

-Eu não queria te apressar quanto a isso, mas a situação é que com os sábios não entregando nada, agora estamos em risco sério de sermos invadidos, não só no sul, mas no norte leste e oeste, e a partir disso o estresse que vira com a guerra e as percas serão ainda maior-

Eu entendo isso, basicamente os efeitos colaterais da invasão interna de anos atrás ainda consiste esse local.

As montanhas dragão tem tecnologia de grau 1 acima.

Mas não de grau-0.

Porque durante mil anos seus sábios foram manipulados.

Basicamente eles não podem enviar técnologia de grau-1 para combater tecnologia de grau 0 ou especialistas mais fortes para isso.

Isso porque o inimigo pode simplesmente ignorar isso deixar a situação desgastar e usar os buracos dessa deslocação para alcançar a vitória.

A um buraco enorme na organização que precisa ser coberto esse buraco enorme pode ser coberto por mais velhos? Sim, mas deixaria mais buracos enormes na porra toda.

Chegamos em uma sala e paimon me apresenta um grande equipamento, era literalmente um submarino.

Havia um buraco no casco o que provavelmente o afundou.

Ela nem precisou falar nada, eu mesmo entrei e fui direto para sua caixa de força querendo entender o nucleo de energia disso.

O Dirigível tem uma forma cilindrica, uma barbatana na parte inferior e duas nas diagonais, imitando um peixe, a primeira coisa diferente que eu noto é a liga.

É um metal azul e esponjoso, com varias protuberâncias espalhadas pelo casco.

-Isso já era assim ou vocês deixaram?- Minha pergunta é respondida na hora.

-Todos os submarinos são assim-

-Entendo- pegando um fragmento já separado eu dou a ordem.

"Digitalize"-

[Tarefa iniciada....tempo necessário:10 horas....]

Depois disso eu perco o interesse na lataria e começo a focar nos outros metais tentando entender seus propósitos e registrando tudo o que vejo diante de mim.

O submarino é enorme, Quatro vezes o tamanho de uma larva, eu entro em suas instalações uma a uma, Banheiro, sala de jantar, corredores, quartos, essa coisa pode manter 20 a 30 pessoas.

-Tem modelos maiores?-

-Sim alguns modelos podem abrigar até 100 pessoas, mas a estrutura é a mesma-

-É a mesma? Vamos descobrir- Eu ainda mantenho a cauda de paimon na palma, me sinto um dono levando um cachorrinho para passear.

Logo chegamos a instalação principal.

É um corredor que fica na região inferior do submarino, a um grande cilindro na região inferior e região superior, o gerador de energia é esse grande cilindro.

Depois de olhar por um tempo eu estendo a mão e recebo uma caixa de chaves de paimon, a onde eu começo a desmontar lentamente o gerador com a maior calma possível.

E depois disso eu olho para uma forma bem familiar o gerador é dividido por dois polos um norte e outro sul, a um cristal na ponta de cada polo e suas paredes cilíndricas são vedatores.

"Inicie digitalização e mapeamento das formas e estruturas"-

-Eles não usam núcleos de energia como fonte motriz do modelo, eles usam o resultado da colisão de duas energias, o norte colide com o sul, e o resultante disso é coletado por essa maquina no centro- Eu aponto para uma haste com uma esfera na ponta.

-A reação das duas energias colidindo gera um efeito esse efeito é absorvido e controlado pelo resto do maquinário, gerando força mecânica ou de tração, o que são esses cristais?- Eu aponto querendo uma explicação.

-Cristais de foco, ele focaliza a energia em um ponto-

-Entendo, em forma de disparo? Ou linha?-

-dispara irregularmente- Difícil confirmar, não teria sentido se fosse assim, o que significa que esses olhos puxados sabem muito sobre esses cristais, mas o que os alimentaria?- Pegando a caixa de ferramentas tomado por minha curiosidade eu começo a desmontar a porra toda. E finalmente entendo como isso funciona.

-8-

-8?-

-Sim, é um ciclo infinito, dois polos de energia são acesos ao mesmo tempo, eles colidem em um padrão, e essa colisão gera energia, energia que é dividida entre esse coletor aqui, e é usada como fonte para movimentar o resto dos feixes até os cristais de foco.

-Basicamente eles estão manipulando o comportamento do QI fora do nucleo, depois que eles saem para o mundo, enquanto manipulo o nucleo diretamente nas formas metalicas, eu uso a energia interna das estruturas e eles as externas-

-a reação externa das duas energias colidindo gera um efeito em cadeia de produção constante, vamos ver vamos ver- depois de algum tempo eu abro um compartimento no norte e sul da estrutura revelando dois cristais já gastos e pequenos.

-Essas são as fontes de energia, nos usamos a mesma fonte, a diferença é que eles usam duas enquanto eu uso uma, sua produção de energia deve estar entre 30 graus a 40 graus, nada mal nada mal mas eu sou melhor, bastardos de pele amarela inúteis-

-Isso alimenta os cristais de foco, essa fonte de energia não é melhor do que minha fornalha espiritual portanto eu não vou usar, tenho outros planos para esse modelo que dispara energia externa- Hell encarou a maquina com um sorriso.

Um sorriso estranho e assustador.

-Se eu conseguir descobrir como moldar o feixe de energia eu posso forjar uma arma a distancia que dispara lasers, a onde esses cristais de foco são encontrados?-

-Na natureza, na verdade os cristais são parte de outro estudo na alquimia é necessário ter uma força espiritual madura para lidar com eles-

-Hmm...- Hell soltou um suspiro antes de perder o interesse pelo gerador, e depois disso se concentrou nos motores.

Paimon balançava a cauda de um lado para o outro, uma equipe de pesquisadores de Long-gui vieram aqui ontem eles observaram toda a estrutura e não deram nenhuma resposta certa apenas um "Precisamos coletar dados e fazer testes" com medo de tocar e cometer algum erro.

Era realista e funcional, mas lento demais lento para a emergência em que eles estavam agora.

Hell por outro lado subiu como um macaco de um lado para o outro abrindo varias caixas estranhas como se soubesse sua localização previamente, desmontando a maquina a dissecando na frente de paimon.

O gerador de energia foi desmontado em 10 minutos! Colocado na frente dela com peça por peça explicada e teorizada enquanto o motor foi desmontado em 30 minutos, antes dele perder o interesse e ficar entediado com um olhar desapontado bem claro em seu rosto.

-40 graus de energia produzido por segundo, usando uma colisão de feixes que alimentam o motor, é bonito tem luzes brilhantes mas é preguiçoso e falho, minha fornalha é feia, sim mas é muito melhor, mas para um bando de insetos que não tiveram apoio de uma técnologia superior eles foram bem deduziram a reação dos feixes de energia e o subproduto de sua colisão, assim como desenvolveram uma forma de coleta-la eles foram realmente bem mesmo eles até refinaram o processo mudando o design usando cálculos mais precisos-

-Então acha que consegue produzir algo assim?- Paimon perguntou, surpresa com o quão irritado o humano parecia chutando as peças como se fosse lixo.

Ela nunca viu alguem tão bravo antes.

-Mas porque não manipular a porra do nucleo bastardos inúteis, o metal esta la sozinho louco para virar uma engrenagem louco para ser combinado com seus iguais e rodar como eles fazem bem o nucleo é muito mais estável muito mais elegante-

-mas não, por ser difícil de manusear e projetar ele fica lá, sozinho e ignorado por causa da sua aparência e da sua complexidade, como a filha feia de uma familia, ignorada não entendida e não amada, já que sua beleza interior é complexa demais para ser notada! Sendo que ele só precisa de carinho e amor junto de investimento para virar uma musa!-

-"ovo dispara feixes aqui e drenar a energia é bonito e brilhante" Chupa meu [email protected]!%! Seus bandos de [email protected]%!%[email protected] Preguiçosos do @[email protected]!$!$ vocês colocam alguns equipamentos complexos no exterior quando o interior é apenas uma reação química ESTUPIDA! – ele começou a chutar o gerador de energia com um rosto zangado.

Antes de parar e começar a respirar pesadamente.

-O que essas coisas feias usam para se defender?- Ele perguntou para paimon que estava surpresa com o episódio de raiva, foi de longe a onde a maior expressão emocional que ele teve nos últimos meses.

-Elas usam raios a focalizadores a parte externa, dessa forma eles afastam todas as formas biológicas no mar, além disso eles disparam alguns cilindros verdes que explodem a explosão tambem é de raios-

-Torpedos-

-Acho que é isso-

-Uma enguia.....eles fizeram a porra de uma enguia, hee.... me leve para ver esses torpedos eu quero saber que tipo de sistema de combustão eles usam para o disparo- Minutos depois eles estavam em uma instalação bem estranha.

Era uma grande cadeira com um capacete acoplado a vários tubos, a vários misseis colocados lado a lado em uma grande prateleira cada um com um metro de comprimento e a grossura de uma perna.

-Um sistema de molas....- Antes que paimon percebesse langford já estava desmontando o cilindro, de disparo quase que deitado em cima do mesmo olhando para peças do interior com um olhar possessivo.

-Eles usam um sistema mecânico, essa aqui é a fonte da força...uma mola, uma MALDITA MOLA! Que estranho de qual metal é feito essa mola? Ela é estranhamente um condutor a plataforma interligada tambem é estranha....ohh- em menos de cinco minutos toda aquela estrutura estava desmontada.

-O capacete de alguma forma liga a consciência da pessoa com o sistema de disparo através desses fios aqui, dessa forma eles podem mirar como se fossem a sessão de disparo leve isso para meu laboratório eu vou estudar isso aqui esses cristais roxos nos misseis tambem acho que eles podem ser controlado por esse capacete de alguma forma- sua curiosidade parecia ter sido satisfeita enquanto ele olha para as horas.

-Sinto muito mas meu horário de refinamento corporal vai começar em breve, se importa se fomos?-

Paimon fez um gesto com as mãos.

-Então você acha que pode produzir algo parecido?- Ela perguntou enquanto ele parou e a encarou em reprovação.

-Somos amigos, e você ousa me insultar assim? Você acha que eu realmente tenho coragem de forjar uma aberração ridícula da natureza que não deveria ter nascido? Isso é um lixo! Isso esta longe de algo descente e você quer que eu faça um igual? Eu sou uma piada para você?-

Ele parece realmente ofendido.

Paimon ficou sem saber o que falar, a fonte de energia la atrás é motivo de discussão brigas e pesquisas em massa pelo resto do mundo, todos os países querem copiar o imperio oriental e forjar algo igual a eles.

Pesquisadores e mais pesquisadores deram suas vidas tentando copiar essa tecnologia.

Mas o humano na sua frente chamou de lixo sem sentido e até agrediu o submarino.

O humano agarrou seus ombros a olhando com um olhar louco, ele começou a balançar paimom de um lado para o outro.

-Eu vou fazer algo melhor, não a motivo para copiar lixo, esta ouvindo? Eu vou fazer algo tão foda que eles vão se cagar nas calças quando ver, entendeu? você acha que eu preciso copiar essa merda? Acha mesmo que eu dependo disso? A você vai ver eu vou criar algo tão bonito e funcional e majestoso que vocês vão fazer fila para chupar meu @!$%[email protected]

Paimon ficou desnorteada com varias coisas primeiro pela forma que ele a balançava de um lado para o outro fez se seus sentidos aguçados ficarem confusos, segundo pelas duas mãos tocando seus ombros o que foi de longe o maior contato que ela teve com o outro sexo nos ultimos 300 anos.

E ainda mais por usas palavras e pela forma como ele ficou histérico balançando a cabeça enquanto falava e cuspia saliva de um lado para o outro.

Hell parecia aqueles velhos histéricos que viveu por anos em reclusão, seu emocional parecia excêntrico e em alguns momentos ele agia de forma explosiva principalmente quando era relacionado a alquimia.

Depois de balança-la aqui e ali falando como ele era foda e como faria isso e aquilo ele a colocou no lugar e pareceu se arrepender, antes de leva-la para um abraço a onde seus pés foram levantados, e paimon viu um rosto deprimido e triste enquanto tinha seu cabeço e costas afagadas.

-Sinto muito por te balançar, eu acabei me soltando, como você faz para manter sua pele tão macia assim você é muito fofo, apesar de parecer magro a primeira vista você é uma versão grande de garen-

Paimon foi colocada no colo como um urso e teve seu couro cabeludo acariciado enquanto eles desciam do submarino.

Atualizando esse foi o contato mais próximo que ela teve com o sexo oposto nos ultimos 1,3 minutos.

-Hell quando chegarmos lá fora eu preciso que me coloque no chão, os outros não podem me ver nessa posição constrangedora-

Hell parou no meio do caminho, e parecia ter entendido que ela não era um urso, ele tossiu de forma constrangedora algumas vezes e a colocou no chão limpando sua roupa.

-Sinto muito por isso, as vezes eu tenho crise de abraços devido a depressão, é o que me impede de pular de uma ponte ou me afogar no banho, tenho tido picos de depressão assustadores recentemente- Paimon não desgostou, mas não falou nada sentindo apenas uma tristeza por não ter mais contato, foi realmente confortável ter sua pele tocada.

-quer Saber... somos amigos eu não me importo de ajudar- Ela falou estendendo os braços para cima como uma criancinha, enquanto o homem a encarou por alguns segundos, ele tentou lutar, vendo sua aparencia fofa sua expressão facial se torceu mas ele acabou não resistindo.

-Esta confortável assim?- A ajustando em seu colo ele falou enquanto paimon enrolou a cauda na cintura até as pernas e abriu ambas as pernas em seu peito colocando ambos os braços nos ombros sua barriga e peitoral fez contato total com os dela a fazendo sentir ardência e calor.

-Assim é confortável, é uma boa forma de tratar essa...depressão, acho que eu tambem tenho isso-

-Eu as vezes caço bestas famintas apenas para abraçar, as mais gordinhas, elas me mordem mas são tão fofinhas sabia~- Eles começaram a andar pelo corredor aninhados.

-Eu sei, você pode afagar as costas se quiser tambem, somos amigos é apenas uma ajuda mutua-

-Hmm assim?-

-Isso...assim...assim ...isso assim mesmo- Ela falou com uma voz abafada, enquanto seu corpo apertava mais fazendo mais contato.

-Coçar meu couro cabeludo tambem serve, eu gostei quando tocou-

-Assim?-

-Uhuun, a parte de trás ...isso na nuca na nuca-

-eu achei que você ficaria constrangida com algo assim, ou eu teria pedido mais cedo, o que você passa na sua pele? É muito macia-

-Somos amigos Hell, amigos podem se ajudar, não é um problema, você esta encarando isso como algo sexual?-

-Não não deve ser normal entre amigos-

-Sim normal entre amigos-

-Você quer tocar na minha pele? A sensação deve ser melhor em contato pele a pele-

-Eu estou realmente curioso, mas infelizmente eu preciso voltar para o treinamento, podemos fazer isso no café da manhã, marcado amanhã-

-Você pode alisar as pernas tambem, se importa se eu ter mais contato?-

- A não é um problema, aqui? Sua cocha é bem macia-

-Sobe mais, não a problema langford somos apenas amigos e isso é apenas um experimento para saber o melhor lugar para contato-

-Sim sim, e aqui, eu pensei que suas nadegas eram duras como rocha, mas elas são macias-

-Se eu contrair o musculo endurece a uma densidade assustadora-

-Entendo, então é isso-

-Você pode acariciar circularmente tambem, não é um problema isso assim, assim use mais força nos dedos e...assim assim meu rapaz bom, assim mesmo-

Eles se separaram ao chegar na ponte novamente, hell se sentiu bem melhor por ter algo macio para apertar paimon foi bem gentil nessa parte, depois de se despedir, ele voltou para seu quarto e iniciou sua sessão de tortura.

Ao remover seu roupão de banho hell derramou a essência já preparada na banheira e observou os pulsos elétricos saindo da agua....aquilo era realmente cruel.

Depois de tocar seus pés, ele sentiu o corpo entorpecendo, mas não como da ultima vez, o calor dos raios percorria seu corpo dos pés a cabeça mas alem de deixa-lo lento não o paralisava mais.

Os choques e das descargas caindo em sua pele deixavam marcas negras, mas não vaporizavam mais os músculos ou rachavam os ossos, quando hell submergiu na banheira todo seu corpo foi envolvido por um manto elétrico.

Manto que estava simplesmente devastando seu corpo e ele entrou lentamente em estado de cultivo, mas diferente das outras vezes seus pensamentos não foram afetados completamente.

"Eu aumentei a dosagem ao limite...mas parece que estou adquirindo realmente resistência a essa energia"- Hell tinha um olhar bem sério.

É apenas uma das 3 plantas espirituais que ele coletou e graças aos elixires, o processo de adaptação do seu corpo era muito mais rápido, agora que ele estava sendo nutrido com recursos de cultivo.

Acalmando sua mente ele afundou na banheira e continuou o temperamento corporal.

.........

Paimon voltou para sua ilha pessoal e caiu de joelhos no chão respirando pesadamente, sua respiração cada vez mais pesada enquanto seu corpo ficava em uma situação constrangedora.

Ela engatinhou até seu comunicador com fraqueza e tremores derramando fluidos por onde passava com sua cauda abanando para todos os lados, depois de pegar um token de metal, ela trouxe para si e falou com uma voz abafada e tremula.

-Vamos ter um café da manhã em família amanhã, traga seus irmãos Frederick- O comunicador ficou em silencio por alguns segundos enquanto paimon deitou no chão com o corpo em chamas.

-Oh... mãe?- uma voz veio do outro lado parecendo surpresa e cansada.

-Eu estou fazendo um experimento importante deu trabalho sequestrar um membro da corte imperial salron, eu preciso preservar sua consciencia ele tentou se matar 13 vezes até agora mãe não esta fácil eu o mantive paralisado até agora mas ele é bem astuto, a e eu receio que para entender sua origem de sangue não vá demorar muito replicar o processo de fotossíntese energética que o povo de salron tem em sua linhagem deve ser mais possível do que imaginávamos, eu só preciso de mais mil anos e alguns recursos..-

-venha hoje de madrugada!! Ou eu vou ae e vou te comer junto dos seus irmãos inúteis e tolos, mamãe tem um amigo para te apresentar, você deve ser gentil e não envergonhar a mamãe, mamãe vai preparar um café da manhã em família e apresentar vocês dois, você vai estar como responsável por essa pessoa em alguns anos-

-......Sim mãe, a algum problema? Nunca nos reunimos em família e quando nos reunimos é para punir alguem, eu não fiz nada! Eu juro que não fiz nada! Eu não tenho nada a ver com o sequestro daquelas crianças em zeldor eu juro, eu juro!-

Paimon sorriu.

-É apenas o café da manhã comum de uma familia, comum escuta aqui sua mãe solteira esta finalmente encontrando um amigo descente que não se importa com seus status, ele é tão jovem e fofinho...portanto vocês não devem envergonhar a familia, se ele fugir como os outros sua mãe vai morrer solteira você quer isso? nenhuma das cadeiras se interessa mais por mim e aqueles reis de santuário sempre encontram uma desculpa apara fugir e se você acha que eu vou passar o resto da minha vida sozinha jogada em um canto sombrio do mundo você entendeu?-

-sim mãe, então...sem apresentação de experimentos?-

-Oh isso não é um problema eu só não quero nenhum surto de violência, nada de instabilidade emocional ou discussões bestas por conta de coisas do passado, vamos ser uma família de pesquisadores renomados comum-

-Mas os experimentos pode afasta-lo a de cima cadeira fugiu depois de ver o catalogo e..-

-Já disse que não é um problema! Você será o mentor dessa pessoa então é melhor que ele se acostume com suas estranhezas-

-Tudo bem..- um suspiro soou do outro lado do token.

-Papai não respondeu minhas cartas, e quando eu fui visita-lo ele começou a fugir de mim, eu pensei que ele me daria feliz aniversario pelo menos, mas ele não se importa ele nem olha para mim, e fala para os outros que não é meu pai-

-Aquele dragão velho e inútil- Paimon rosnou com raiva.

-Não se preocupe querido você não precisa de nada disso esteja presente na hora certo? Certo? Arrumadinhos e bonitinhos, sem nada fora do lugar sera apenas por algumas horas- O olhar de paimon era assustador enquanto segurava o token.

-Sim sim sem problemas-



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...