1. Spirit Fanfics >
  2. Chamas Negras >
  3. 004

História Chamas Negras - Capítulo 4


Escrita por: e AylanWulfric_02


Notas do Autor


❛Desculpe-nos a demora…

❛Sabe, tentamos manter mais ou menos equilibrado as personalidades originais dos personagens com um pouco de alteração.

❛Parece que esta fanfic foi generalizada pelo Corona ksksksks (tema da fic: vírus).

Capítulo 4 - 004


-⊹⊱•••《 Sakura 》•••⊰⊹-

O que você quer dizer com isso, Hinata? Onde estão os seus modos? Vou fingir que isso não aconteceu. — A encaro seriamente. A mesma fecha os punhos e vem até mim. Trato de não desviar o nosso olhar. Hinata trinca o maxilar, ficando bem próxima a mim. Levanto o queixo, peitando ela. — Quero uma boa explicação, Hyuuga.

— E eu quero saber o porquê de você ignorar tudo o que te acontece ao redor. Anda achando que isto aqui vai ser algo contínuo… para sempre? — E então, a mesma bate a palma no mármore do balcão das pias sem desviar o olhar.

— Dá pra parar com esse showzinho? Eu nunca e jamais mostrei ser alguém ignorante, apenas mantenho minha pose superior e… — Senti minha pele lateral do rosto arder. Ela… — Hi-Hinata!? O-o que foi isso!? — Toquei meu rosto, assustada. — COMO OUSA, SUA INÚTIL!?

Seu peito era elevado rapidamente, mostrando o quão nervosa estava. Sua mão tremia leve e sus lábios entre-abertos secos estavam tentando dizer algo mas nada de sua boca saía; logo então, me olhou. Pude ver que em seus olhos estavam cobertos por lágrimas prestes a rolarem pelo seu rosto.

— NU-NUNCA MAIS DI-DIGA ISSO! SU-SUA… — Gritou apontando-me o dedo e respirando ofegante. Dei um passo para trás graças a sua aproximação que era cortante de limite pessoal.

Hinata continuava a desabafar palavras e acusações que eu nunca pensei que alguém diria isso diretamente a mim. Sem um motivo específico.

Pisquei lentamente tentando processar tudo o que dizia.

Enquanto dizia, eu era encurralada na divisória das portas de metal com o seu dedo tocando meu busto e me empurrando para o mesmo.

Seu olhar raivoso me deixava pasma, nunca pensei a imaginar que a doce Hinata fosse capaz de sentir tanta raiva. A mesma afastou-se de mim, indo para perto das pias, olhando o meu reflexo pelo espelho.

Ela chorava e deixava soluços escaparem enquanto puxava boas folhas do rolo de papel toalha que estava em cima do balcão das pias, limpando suas lágrimas e continuando a dizer sem rasgar eles, deixando ele cair na pia e molhando.

— Qual o motivo da senhora agir assim? Só por você que é sempre ganha em holofotes e palavras reconfortantes, acha que pode magoar os sentimentos dos outros à vontade?

Neste exato momento, desencostei da divisória de mármore, buscando encontrar seus olhos. Caminhei em sua direção e iniciei mantendo a voz firme:

— O que você quer dizer com isso? Não estou entendendo o porquê de você abrir este drama no banheiro e me acusar de ser egoísta. Entenda que eu sou…

— "Eu sou a sua superior. E como sua superior, ordeno que tenha respeito e faça as as minhas ordens na melhor perfeição possível.". Sim, Presidente, eu sei que devo manter o respeito, mas você sabe aonde eu quero chegar… não sabe? 


-⊹⊱•••《 Hinata》•••⊰⊹-


Ao dizer isso, lhe dei um olhar levemente sarcástico, mas mantendo minha raiva.

Eu não acredito no que estou fazendo, mas Sakura passou dos limites que eu mantinha guardado no fundo de meu corpo e alma. E eu jamais pensei que iria acabar assim, eu não estou acreditando nisso até agora!

Eu, Hinata Hyuuga, a Vice do Grêmio, estou brigando com a presidente sem um pingo de senso e do respeito que zelava à mesma.

Ai meu Kami…

Eu arranjei uma tremenda confusão com a Presidente. Perdi minha dignidade ao bater no rosto dela… agredir alguém… Wow, que intenso.

— Para de enrolações e diga de uma vez o que está querendo dizer, Hyuuga. Eu não estou brincando, isto é sério. — Sakura enrugou o cenho, dando passos curtos na minha direção. — Só saiba que… — Sentia meus seios roçarem leve nos dela. Inclinei meu peito para trás, Sakura estava perto até demais. — Você está fora do Grêmio Estudantil a partir de hoje. Acho que já esperava por isso, né? ah, e quando acabar de falar, quero que vá à minha sala e retire todas as suas coisas. E pode deixar que amanhã mesmo eu lhe enviarei os papéis para você assinar. Você agora é apenas uma garota do meio da multidão que perdeu o brilho que eu lhe proporcionava e com minha empatia e deixava ficar ao meu lado no palco. Mas parece que eu estava completamente enganada quando pensei que você estaria grata este tempo todo por eu te sortear como minha vice-presidente.

A olhei pasma, deixando à mostra o meu desespero.

Quero dizer, eu sabia desde o início que iria estar fora de sua equipe ao tratá-la de tal maneira como fiz agora, mas se eu não abrir minha voz, quem iria sair no final com o coração machucado seria o Naruto-kun e eu…

Respirei fundo e dei alguns passos pra trás, cortando nossa distância muito próxima.

— Sakura-chan… você pensa que está sendo empática com as pessoas, mas na verdade você pisoteia nelas e as chuta longe. Como está fazendo com o Naruto-kun, você só está se aproveitando da boa vontade e bondade dele para os seus bens. Não percebe que o jeito que age com os outros pode acabar atingindo nelas um ponto fraco e nisso confundir seus sentimentos e a deixá-la louca de amor por você? Não sabe, né? Talvez seja pelo seu egocentrismo que você chama de "superioridade" para os outros e ignorar  os seus sentimentos contínuamente. Ou estou mentindo?

Vi em seu rosto sua expressão mudar para surpresa. Eu também estou surpresa, mas minha angústia e nojo por ela é maior no momento.

— Hinata… você está apaixonada pelo Naru-

— SIM! EU ESTOU APAIXONADA E AMO O NARUTO-KUN COMO NUNCA AMEI NINGUÉM!

Ao gritar, soquei o vidro com força, fazendo um estalo no mesmo e eu ver uma rachadura e o espelho retangular dividir minha imagem em partes. Notei a ardência em minha pele e o sangue escorrer lentamente até cair dentro da pia branquinha e deslizar para o ralo.

— Hina…-chan… — Sakura diz com a voz arrastada e apavorada. — a-a su-sua… mão… me deixe ajudar!

A olhei confusa.

Via que estava seriamente preocupada comigo enquanto puxava meu pulso para debaixo da água morna da torneira, me fazendo arfar de dor baixinho. Minha mão estava avermelhada tanto pelo sangue, quanto pelo inchaço que ela teve por causa do soco. Ela estava nem um pouquinho brava ou sentia rancor das palavras rudes que eu disse à ela e mais o tapa que dei em seu rosto, sem querer. 

— Aqui, agora com cuidado… — Comentou um pouco embaralhada enquanto puxava de meu ombro a minha bolsa. Sakura retirou dele uma caixinha de primeiros-socorros e um rolo de ataduras limpas. Por fim, enrolou com delicadeza agora limpo minha mão.

A olhava surpresa pelo seu jeito carinhoso ao me ver com a mão com um corte sem estragos feios.

— Bom, quando chegar em casa hoje à noite, retire e reponha outra atadura, ok? E como não foi algo profundo e não entrou nadica de nada, isso vai sarar daqui alguns dias. É só ter cuidado. — E por fim, sorriu meiga. Ouvimos o sino da escola tocar. Era o horário da próxima aula. — Agora temos de ir para a sala, o professor está nos esperando para irmos fazer a pesquisa, né?

— Ah-ah… sim… é mesmo, hehe… — Cocei a nuca envergonhada. Peguei minha bolsa e saímos do banheiro. Vimos algumas aglomerações de adolescentes em um canto com as televisões ligadas ao vivo e passando algumas reportagens sobre o mesmo caso de que vi hoje mais cedo: o laboratório subterrâneo que foi descoberto e que utilizava cobaias humanas. Mas com o acrescento de agora que ele tinha uma parceria secreta com a OMS, e parece que alguma coisa deu errado.


-⊹⊱•••《 Naruto 》•••⊰⊹-


Estava no banheiro masculino da quadra com meus amigos, Kiba e Shikamaru.

Fumávamos e bebiamos falando sobre coisas que faríamos hoje a noite na festa que teria na velha fábrica.

Estávamos pensando em levar o aluno novo, Sai. Ele parecia ser legal, só tinha uns probleminhas para se enturmar, mas logo logo estaria tudo bem pra ele andar com a gente.

Kiba falava sobre estar gostando de uma garota da nossa sala, o que me rendeu risadas altas.

— Você está deserdado do meu bando então, suma da minha frente, escória apaixonada. — nós dois rimos altos, Shikamaru estava apenas fumando, deitado no chão. 

— Oh, Shikamaru, você não sabe ficar em pé? Cara preguiçoso da porra. — Kiba falou e deu um chute fraco nas costelas do Nara, o que o fez mandar o Kiba ir se foder. — Ei, Naruto, poderíamos chamar umas meninas, né? Eu queria chamar a Hinata, ela precisa de diversão. E quem sabe a Sakura queira ir com você. 

— Ela preferia cair num tanque de ácido do que ficar com o Naruto. — Shikamaru pegou a cerveja da minha mão e tomou um lonfo gole.

— Vai se foder, Nara. — Olhei com raiva pra ele mostrando o dedo do meio. E em resposta, só deu de ombros e continuou bebendo. — Então você tá gostando da Hyuuga, Kiba? 

— É, ela tem aquele jeitinho de gostosa fofa, sabe? Imagina ela gemendo… — ele sorriu, e provavelmente imaginando a cena que descreveu.

Kiba era um típico mulherengo galinha que depois de ficar com uma garota pra satisfazer seus fetiches ia atrás de outra. Mas ele parecia gostar mesmo dela.

— Ele só quer fuder a garota até perder o gosto. — Shikamaru fazia malabarismo com uma lata no pé, o que rendeu uma cara de "que merda" de Kiba e eu.

Ficamos rindo e bebendo por uma hora, mas já estava perto da hora de eu ter que ir naquela maldita excursão com o Uchiha-Babaca e as meninas.

Troquei as roupas que estavam com cheiro de fumo e escovei os dentes.

Me despedi dos caras e saí do banheiro, indo pegar meus materiais. Assim que peguei minha mochila vi Sakura entrar na sala com Hinata, a morena estava cabisbaixa com o pulso enfaixado e o meu amorzinho estava com o rosto vermelho.

O que houve com a Sakurinha?

Esperei elas na porta, não me direcionaram palavras ou olhares. Sem me importar andamos para fora da escola, o professor já deveria estar nos esperando.


-⊹⊱•••《 Sasuke 》•••⊰⊹-


Não estou nem aí para seus problemas, não estou afim desse trabalho, não me acharam por esses meses todos, e não estou afim de ser pego agora. — falava com uma pessoa muito desgraçada pelo telefone. — Fique longe de mim, não quero nada por enquanto. Posso viver sozinho… não sou mais criança. 

O áudio ficou mudo do outro lado, ele havia desligado a ligação. Massageei meus olhos buscando aliviar o estresse que sentia naquele dia.

Estava fazendo esse trabalho em campo apenas para ficar o mais afastado da cidade, já que ouvi por um informante que estavam atrás de mim e que tinham me achado.

Entrei no meu carro e coloquei minha magnum no fundo falso do porta-malas. Se quiserem a minha cabeça, é melhor estarem preparado pra sangrarem.

Sai do carro e vi os adolescentes se aproximando. Sakura estava ao lado de Hinata segurando na mão da morena que estava de cabeça baixa. Naruto vinha atrás, do seu modo mais desleixado e irritante possível. 

Mandei que entrassem no carro, Hinata e Naruto ficaram no banco de trás enquanto Sakura se sentou no banco do carona. 

Entrei no carro. Olhei pelo retrovisor vendo o Naruto e Hinata colocando o cinto, Sakura logo o fez também. Olhou para mim dando um sorrisinho envergonhad, acabei retribuindo seu sorriso de forma mínima. 

Seriam duas horas até o templo, que ficava interligado à uma antiga biblioteca onde poderíamos fazer a pesquisa melhor, voltariamos à cidade pela noite.

Tudo estaria bem, o que de mal poderia acontecer?


Notas Finais


Então, foi isso.^^

O que pode acontecer de errado, Sasuke? Também não sei, mas posso dizer que coisas boas e ruins estarão por vir no desenrolar desta estória, rs.

Algum comentário, leitores??


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...