1. Spirit Fanfics >
  2. Chamas Negras >
  3. Pegos em Flagrante

História Chamas Negras - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Ohoi!
Já tenho +5 capítulos prontos!^^
Entretanto, eles serão postados a cada 5 dias e dar mais tempo para a produção dos próximos. ;3

Obrigada por acompanharem a fanfic! ♥️

Capítulo 2 - Pegos em Flagrante


S A S U K E

  Eu nem precisei olhar para o rosto de Naruto e notar a sua expressão de espanto seguida de tédio.

  Estou trabalhando nesta escola há três meses desde fevereiro e, por incrível que pareça, Sakura Haruno e Naruto Uzumaki foram os únicos alunos com quem eu tive mais “contato” durante todo esse tempo trabalhando como professor.

  Algo muito estranho muito sério está acontecendo comigo… Eu não costumo lembrar absolutamente nada sobre alunos. O que tinha naquele expresso que tomei no caminho? Será que estou acordando de bom humor?

  Perguntas sem respostas aflitam-me por dentro.

  Respirei fundo e esperei pelas perguntas e reclamações, principalmente daquele loiro imbecil.

  — Senhor Uchiha, poderia me dizer o porquê deste passeio? E qual a finalidade disso? — Sakura levantou a mão com o olhar cheio de dúvidas.

  — Iremos recolher informações sobre a chegada de saqueadores europeus em templos, presidente.

  Sakura trincou os dentes e cerrou o punho pela forma que a chamei. Sabia muito bem que ela não gostava de ser chamada de modo formal quando não estava em seu horário. Patética, isso sim.

— Muito obrigada, professor. — agradeceu dizendo entre-dentes indicando a raiva.

Nada respondi verbalmente, apenas concordei com a cabeça.

Hinata, por sua vez, está quieta. Parece que as suas dúvidas foram sanadas graças a mim e a Haruno.

— Mas nem ferrando que eu vou nesse passeio de mongolóide! — Naruto reclamou se jogando na cadeira e bufando alto.

— Isso não é uma questão de querer, Naruto. Assim como você e as duas senhoritas são obrigadas a irem, isso são apenas ordens repassadas a mim — justifiquei mantendo a calma na voz. — E se eu fosse escolher alguns de vocês, com certeza que o seu nome nunca passaria de primeira na minha mente.

  Após isso, alguns da classe riram. Naruto me olhou com raiva.

— Cala a sua boca… seu bostinha! — Naruto bateu a palma na mesa e se levantou. Endireitei minha postura e ergui o queixo, peitando o seu desrespeito. — Queria saber de onde é que você vem ganhando toda essa sua confiança de vir me dizendo isso na frente de todos! — abriu os braços, indicando a sala.

A turma ficou em silêncio, apenas prestando atenção em nós dois.

— Sente-se de volta ao seu lugar, Uzumaki. Você não passa de um moleque, então não me enfrente se não quiser arcar as consequências — ameacei em um bom alto tom de voz, medindo a sua descompostura.

  E para a minha surpresa, Sakura falou também se levantando da carteira:

  — Desculpe-me interromper, mas como aluna, eu quero que parem de discutir, estamos no meio da aula e ninguém é obrigado a presenciarem esta baderna.

  A olhei sério. Naruto, por sua vez, lhe deu um olhar nervoso e tentou lhe passar tranquilidade.

— Sakura, minha linda, me perdoe! — Naruto clamou enquanto corria até ela se abaixando no chão e ficando com as palmas no piso olhando para os pés dela. A garota, por sua vez, o encarou desprezando a sua atitude.

— E ainda quer que eu saia com você… — disse mais para si mesma do que à qualquer outro.

— Não, minha querida… Eu perdi a cabeça, me perdoe! O nosso encontro ainda está de pé! Por favor, me faça ao menos ter uma única chance de estar conti-

— … E como presidente do Grêmio Estudantil desta escola, eu ordeno que mantenham as suas imagens limpas, principalmente você, professor Uchiha — proferiu com a voz grave e com seriedade. — Você está aqui só tem três meses, é fácil de eu ir na diretoria e falar sobre você estar se rebaixando e discutindo com um aluno. E enquanto a você, Naruto… — Neste momento, o loiro a olhou nos olhos rapidamente. — Saia da minha vista. O nosso encontro está cancelado!

Não pude ver a expressão de tristeza dele, mas creio que o seu coração tenha se despedaçado e deixado em estilhaços.

Mas Naruto é implicante demais. E com certeza quando der o horário deles de saírem das salas, irá correndo para os seus pés novamente.

É uma pena para Sakura saber que como estamos no meu horário de trabalho, eu posso muito bem mandá-la para a detenção agora mesmo e que ela arque as suas consequências com a diretora.



S A K U R A

Ok, eu não devo me preocupar com este passeio ridículo que tenho de ir obrigada junto do garoto que não larga do meu pé; com uma garota que vive às minhas custas e com o professor que vive me alfinetando e humilhando aos meus amigos.

Confesso que quando ouço falarem de que eu e aquele professor cinzento e sem emoções — exceto a rudeza, frieza, seriedade, indiferença, sarcasmo e a ignorância — estamos tendo um suposto caso, me sinto estranha e não sei o que responder ou o que contradizer. Nas primeiras vezes, era até fácil de responder, apenas dizia um óbvio de um não, mas… com a minha mania de não pegar ranço de um professor eu costumava buscar quais eram as suas qualidades, mesmo  com ele aparentando ser alguém péssimo.

Mas por que eu fui fazer isso logo com Sasuke Uchiha?

Sasuke Uchiha: as suas manias e defeitos são mais fáceis de serem descritos em um papel do que as suas qualidades, já que são poucas.

  E isso me fez gostar dele… e no mal sentido.

  Eu, Sakura Haruno, a presidente do grêmio estudantil, gostando romanticamente do seu novo professor de história.

  Há! Quanta ironia! Um casal que se passa com um homem de talvez trinta anos com a sua aluna de dezoito anos do terceiro ano juntos sem se importar com a idade.

  Sim, meus caros, eu sou uma jovem adulta que ainda está no ensino médio em vez da faculdade. Morava em Yokohama quando estava no meio do ano, e, por acaso, tive de me mudar de cidade com meus pais para Konoha, onde estamos atualmente. Mas acontece que as vagas das escolas fecharam e eu tive de refazer o terceiro ano.

  E sobre a idade de Sasuke, ele nunca revelou para nenhum de nós alunos — e duvido também que nem aos professores.

  Quando der o horário de saída irei na sala da diretora. Lá, obviamente contém a ficha dos intrutores, onde pegarei a de Sasuke e saber exatamente tudo desde o básico sobre ele, que, para nós, é um tremendo mistério.

  E depois eu vou vender em troca de doce escondido aos curiosos.

  Isso pode dar errado? Sim, muito errado, além de eu até poder perder o meu cargo de presidente, mas vocês não acham que eu já tinha preparado tudo isso anteriormente?

  Naruto e eu iremos descobrir juntos o mistério Uchiha, e planejamos isso há algumas semanas.

  Mas acho que agora vai dar um leve probleminha por causa desta discussão.

  O sino do horário da saída tocou.

  Que a missão comece.

 


H I N A T A

  Arregalei os olhos assim que o professor começou a falar que ele, Sakura, Naruto e eu iríamos a um templo religioso fazer uma pesquisa sobre os danos causados na cultura japonesa durante as chegadas europeias. Meu rosto ficou avermelhado assim que o Uchiha olhou pra mim. Sentia um arrepio quando aqueles olhos frios e intimidadores se direcionavam a mim, era como se ele entrasse na minha alma e começasse a investigá-la.

  Minha garganta secou naquele instante.

  Logo o meu choque causado pelo o seu olhar sumiu. E pelo o quê? Naruto Uzumaki tendo uma explosão de raiva e começando a discutir com o professor enquanto o mais velho retrucava com a sua expressão cada vez mais fechada. Pude ver até uma veia pronta para explodir em sua testa.

  Em poucos minutos de farpas trocadas, Sakura se meteu na discussão deles falando para que o encontro dela com o Uzumaki estava cancelado.

  Ao olhar rapidamente para o professor, vi que o seu semblante sério ficava ainda mais penetrante enquanto olhava a briga de casal no meio da sala.

  A pena e o deboche emanavam de todos os alunos ao ver o quanto Naruto era patético aos pés de Sakura. Mesmo ela estando naquela postura forte, o loiro continuava implorando para que ela lhe desse uma segunda chance.

  O sinal tocou, peguei minhas coisas e fui para fora da sala. Antes de sair, ainda vi a Haruno e o professor discutindo algo que não me interessava.



N A R U T O

  Saí da sala com uma cara nada boa. Aquele professor me paga!

  Andei apressadamente até o ginásio; a essa hora ele devia estar vazio. Chegando lá, fiquei deitado nas arquibancadas esperando  a minha atriz aparecer.

  Ouvi o som das portas se abrirem com um estalo da tranca. Quando  avistei a rosada vindo na minha direção, ela sorria maldosa:

  — Você até que se saiu bem — elogiou-me falou com as mãos na cintura. — Por um segundo eu pensei que ele ia descer a porrada em você.

  — Eu poderia cair, mas também quebraria a cara dele! — falei confiante me sentando e cruzando os braços. 

  — Aham, sei — Ela continuou em pé, ainda afastada de mim. — Quero que você arrume alguma outra confusão com ele e faça com que fiquem de olho em você. Leve-o para o mais longe possível da diretoria.

  — Por que você quer tanto fazer isso? — perguntei me levantando; era um pouco mais alto que ela.

  Sakura bufou e massageou as têmporas, parecia apressada demais para essa missão quase impossível.

  — Só faça o que mandei e aí eu penso em sair com você — disse séria e deu uma meia volta saindo da quadra.

  Minha mandíbula travou. Ela estava interessada demais nesse cara e eu não estou gostando nem um pouco disso. Maaas, se for para mostrar a ela que eu posso ser competente e assim ficar com ela, eu faço sem reclamar.

[...]

  — UZUMAKI! PARADO AÍ! — Os coordenadores corriam atrás de mim no maior estilo Bully.

  — Que merda… — falei entre dentes me esquivando dos alunos. Olhei para trás e lá estava Otário Uchiha com um olhar demoníaco por eu ter pisado no pé dele, três vezes.



S A S U K E

  Depois de muita correria, os coordenadores o pegaram e lhe deram um esporro.

  Gai teve que me segurar senão eu faria o pior com aquele moleque bardeneiro; boca-aberta; irritante; depravado; cachaceiro…

  Se concentre, Sasuke.

  Já o levavam para a detenção. Está tudo bem agora.

  Andei até a diretoria para que pudesse pegar alguns papéis para colocar o Uzumaki de castigo, mas assim que entrei encontrei uma aluna de cabelos rosados olhando um papel onde possuía uma foto minha.

  Meu maxilar travou de imediato.

  Com a maior sutileza fechei a porta e:

— O que pensa que está fazendo aqui, senhorita Haruno?

  Ela virou o rosto espantado para mim e logo se escorou na mesa com medo.


Notas Finais


Feedback?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...