História Chame por mim - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Ki Hyun, Show Nu
Tags 2hyun, Monsta X, Showki
Visualizações 37
Palavras 1.187
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Capítulo Três


Fanfic / Fanfiction Chame por mim - Capítulo 4 - Capítulo Três

Eles riram. Imitaram as falas dos personagens sem ao menos olhar para tela. Beberam vinho. Tudo isso em quase duas horas de filme. Kihyun estava mais leve, solto. Ainda estava triste, mas melhor.

As taças estavam vazias em cima da mesa de centro, e a garrafa de vinho pela metade. Nenhum dos dois estavam bêbados, precisavam de muito mais do que duas taças cheias para ficarem alterados.

Ambos observavam os créditos subirem quando Shownu ouviu, de novo, Kihyun chorar. Seu amigo realmente gostava do namorado.

— Ele é tão idiota! — Kihyun começou a xingar o ex sem cessar enquanto as lágrimas rolavam.

A tristeza se transformou em raiva, e depois logo se tornaria em inconformismo.

Shownu nunca foi bom com palavras e em expressar seus sentimentos, mas era bom com atitudes. Ele puxou Kihyun, e o abraçou enquanto concordava com cada um dos xingamentos que o amigo dizia sobre o ex. E ele realmente concordava. Changkyun não merecia ter aquele homem nos braços, e nem o amor que Kihyun lhe dava.

Os dois ficaram ali, abraçados, por vários minutos. Em um momento, Shownu começou a acariciar seus cabelos macios e afundou seu nariz por entre os fios. O cheiro de Kihyun e seu corpo estavam tão pertos. O que ele não daria para ficar assim com ele todos os dias, no sofá, abraçados, o beijando a noite inteira e cuidando dele.

Tudo. Ele daria tudo para viver assim com Kihyun.

Depois dos vários xingamentos e lágrimas, Kihyun se acalmou e se afastou um pouco do abraço dele. O amigo encarou seus olhos por alguns segundos, com olhos tristes e confusos, então ele foi pego de surpresa com os lábios do outro no seu.

Ele não se afastou, mesmo devendo se afastar, não moveu um músculo, um por estar em choque e outra por querer muito aquilo.

Os lábios de Kihyun eram macios como seda. E a sensação de suas bocas pressionadas era a maior maravilha que ele já havia experimentado. E Shownu não duvidava que sua pele fosse sedosa. E ele desejava com toda sua alma explorar o corpo de Kihyun. Mesmo tendo visto várias vezes, toda vez que tinha a oportunidade de ver novamente parecia à primeira vez. E ele era tão lindo.

Aquilo não estava certo. Aquele beijo não estava certo. E quando ele abriu a boca para dar-lhe passagem com a língua, Kihyun rapidamente se afastou e o encarou.

— Me desculpe. — Kihyun pediu. — Deve ser carência, ou sei lá.

De fato, podia ser isso, ou sei lá. Mas e daí? Ele havia experimentando os lábios dele depois de sonhar inúmeras vezes com aquele momento, perguntando-se em todas às vezes como seria beijá-lo. Sua consciência também dizia que não era certo dizer o que estava prestes a dizer, porém, se aquilo o ajudasse, se Kihyun quisesse, ele arriscaria e aproveitaria.

— Eu não ligo. — disse.

E realmente não ligava de ser usado por Kihyun aquela noite. Ele queria tê-lo, como nunca quis algo em toda a sua vida.

E tudo aconteceu muito rápido. Quando Shownu deu por si, Kihyun estava sentado em seu colo, com a língua dentro da sua boca, jogando o cobertor para longe e sentando bem em cima do seu pênis.

Lá fora estava fazendo frio, mas eles estavam ficando quentes como o inferno.

As mãos rapidamente tentavam se livrar de toda a roupa. Kihyun se levantou, e tirou tudo, ficando completamente nu e excitado na sua frente. Lindo. Shownu o admirava como se nunca o tivesse visto nu antes. E ele também apressou em se desfazer das suas roupas.

Quando Kihyun voltou para seu colo, roubando novamente seus lábios enquanto começava a esfregar sua bunda contra a sua ereção, ele lembrou.

— Kihyun… — ele tentava falar entre o beijo. — O lubrificante.

Shownu sabia que a menor pausa que eles fizessem a razão voltaria, e eles nunca continuariam com aquilo. Mas, ele não queria machucar Kihyun.

— Está tudo bem. Eu aguento no seco. — ele respondeu assim que seus pulmões buscaram por ar.

— Mas Ki…

Kihyun segurou seu pau, e ele arfou. As mãos pequenas e macias começaram a masturbá-lo não lhe dando a menor chance de responder. Ele pensou que ele o faria gozar, e assim pudesse o lambuzar bem, mas Kihyun logo parou com o vai e vem, e posicionou seu pau na sua entrada, sentando nele.

Era nítida sua cara de dor, e Shownu segurou sua cintura, impedindo-o de continuar. Não queria tê-lo daquela maneira.

— Shownu…

— Não assim, Ki.

— Shownu, eu preciso de você.

E aquilo foi o suficiente para ele largá-lo, e deixar que Kihyun fizesse o que quiser como ele. A maneira como ele havia pronunciado seu apelido, chamando por ele, doeu em seu coração.

Shownu o puxou para um beijo para de, alguma maneira, tentar distraí-lo da dor e do desconforto. Iria amá-lo apesar de toda dor. E ele o beijou com intensidade e doçura, depositando todo o seu sentimento naquele beijo e em seus toques.

A pele de Kihyun era tão macia como havia imaginado. Shownu acariciava suas costas, apertava sua cintura, coxas e a bunda. Fazia questão de passear com seus dedos por todo o seu corpo.

Assim que estava todo dentro de Kihyun, ele parou o beijo e o encarou. Céus, aquilo era real, estava mesmo fazendo amor com o seu melhor amigo.

— Tudo bem? — Shownu perguntou preocupado.

— Você consegue ser fofo até em uma hora dessas? — ele riu sem graça. — Eu não quero pensar, Shownu. Só vamos fazer isso.

Ele assentiu, e voltou a beijá-lo. Kihyun começou a se movimentar, e em pouco tempo, suas bocas se separaram para gemerem perto uma da outra.

Os movimentos ficavam cada vez mais rápidos e intensos. Eles se moviam em sincronia. Quente. Molhado. Forte. O suor de seus corpos se misturava enquanto seu membro atingia seu ponto sensível sem parar. Nada de pausas. Em nenhum momento diminuíram o ritmo para recuperem um pouco fôlego. Queriam se perder, esquecer quem eram, e apenas focar no agora, no sexo, no prazer. E céus, era maravilhoso.

Shownu nunca imaginou tê-lo daquela maneira. Sempre pensou que a primeira deles seriam algo especial. Mas a vida lhe provou mais uma vez que as coisas simplesmente acontecem quando você menos espera. 

Os gemidos de Kihyun, sua bunda afundando-se no seu pau, seu corpo suado, seus olhos fechados, seus lábios tão perto dos seus. Shownu se sentia no paraíso.

E quando os dois gozaram ao mesmo tempo, Shownu o puxou e o beijou. As palavras presas em sua garganta não podiam escapar. Havia muito tempo que um "eu te amo" estava sufocado ali dentro, mas ele não podia dizer. Não agora. E ele não fazia à mínima ideia de quando seria à hora certa ou se um dia essa hora chegaria. Mas, uma coisa ele sabia, naquele momento, não era à hora.

Kihyun tirou seu pau de dentro de si, e desabou em seu peito, cansado. Shownu pegou sua blusa ao lado dele e os limpou. Depois pegou de volta o cobertor, e os cobriu, envolvendo Kihyun em seus abraços. Nenhum dos dois trocaram uma palavra, apenas se renderam ao cansaço e dormiram daquele jeito, abraçados.


Notas Finais


E ai bês? Me digam o que estão achando, estou curiosa!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...