1. Spirit Fanfics >
  2. Chan, o Chantagista - Imagine Bang Chan >
  3. A proposta de Chan

História Chan, o Chantagista - Imagine Bang Chan - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Oioioi pacotinhos, suave? Vim com uma pequena fanfic do meu uttzinho perfeito. Espero que gostem!

LEIA OS AVISOS ANTES DE LER
⚠️ Terá muita, mas tipo, muita putaria KKK se não gosta, não leia. É uma fanfic bem mais hot.
⚠️ terá adultério, como perceberam
⚠️ O Chan é só um pouquinho fdp nessa fic KKK
⚠️ Os capítulos serão atualizados todos os dias, as sete horas. <3

Boa leitura e desculpe os erros.

Capítulo 1 - A proposta de Chan


Fanfic / Fanfiction Chan, o Chantagista - Imagine Bang Chan - Capítulo 1 - A proposta de Chan

Meus dedos batem contra a mesa de madeira lisa e escura. Meus olhos estavam fixos em meu amado marido Louis, que estava em frente ao maldito computador novamente. Eu simplesmente odeio o tempo que ele se dedica ao trabalho, a determinação dele para subir de cargo. Ele quase não sai comigo e quando sai é para alguma de suas festas da empresa, onde ele me chama para o acompanhar, mas chegando lá, fica conversando com seus colegas e esquece da minha existência naquele recinto.

Quando nos casamos, eu estava tão feliz, tão animada para começar uma família com Louis, viver em nossa própria casinha no interior, mas não! Esse miserável quer morar no centro da cidade lotada de poluição e luzes fortes.

— Amor. — chamei o de cabelos levemente grisalhos. Ele era uns cinco anos mais velho do que eu, tinha trinta e cinco e já tinha cabelos brancos em sua cabeça. Lhe deixava com um certo charme. — Você poderia me dar um pouco de atenção hoje, sim?

Me levantei daquela cadeira pequena, caminhando lentamente até meu marido que estava focado na tela em sua frente. O mesmo me olhou de soslaio e continuou o que estava fazendo.

— Huh, agora não vai dar amor. Tenho que terminar alguns arquivos e entregar para meu chefe até amanhã! — explicou-se, enquanto apertava aquelas teclas rapidamente, sem sequer olha-las.

E lá se vai outra desculpa. Poxa, até parece que não gosta de transar comigo! Será que eu sou ruim de cama? Huh...

— Mas amor! — fiz birra, puxando levemente sua camisa. — Só um pouquinho, faz tempo que não temos um momento só nosso. Você vive enfiado nesse computador! Gosta mais dele do que de mim?

O olhei, fazendo uma voz manhosa na intenção inútil de amolecer aquele coração desgraçado dele. O mesmo me olhou e finalmente, FINALMENTE, desligou o computador.

— Tem razão. Faz tempo que não curto minha linda esposa. — se levantou, pegando-me pela cintura.

Sorri vitoriosa. Ah céus, faz tanto tempo que não 'dava uma boa foda e aqueles brinquedos não eram de nada.

— Agora sim. — mordi o lábio inferior e o puxei para um beijo quente.

Senti os dedos de Louis subirem minha camisola. Seus dedos quentes se esfregaram em minha coxa, trazendo-me arrepios maravilhosos. Quando meus dedos buscam o cós de sua calça social, seu telefone toca. Louis se separa de mim rapidamente e pega o telefone, atendendo o mesmo.

Respiro fundo, inteiramente puta com aquilo. Eram praticam uma da manhã!

— Oi senhor Evans! Sim? Agora? — ele me encara e eu balanço a cabeça negativamente. Nem fodendo esse homem sai a essa hora pra fazer os caprichos daquele chefe mandão dele. — Claro, sem problemas. Vou sim!

Minha expressão muda de puta para extremamente puta.

— Você vai?

— Certo, tchau. — desligou o telefone e me olhou. — Amor, eu preciso mesmo ir.

— Você vai deixar sua esposa sozinha para ir atender aquele homem? — me afasto de Louis, cruzando os braços e andando de um lado para o outro.

Louis passou as mãos em seus cabelos, suspirando fundo. Tenho certeza que dentro daquela cabecinha ele está traçando um plano para ir de qualquer forma.

— Amorzinho, ele é o meu chefe e eu tenho que obedecer. Droga S/n, você nunca entende que quero dar do bom e do melhor para você! — pegou seu blazer que estava em cima da cadeira. — Espero que entenda.

— Vai dar pra ele então! Em mim você nunca mais vai tocar! — saio da sala chutando tudo que apareceu pela frente, até meu gato, que eu me arrependi profundamente e fui pegá-lo, abraçando e lhe fazendo carinho.

— Aí desculpa meu amorzinho. Mamãe não queria te chutar, juro! — o gatinho que ronronou e esfregou a cabeça em meu braço, parecia ter me desculpado e eu sorrio.

Ponho o mesmo no chão com cuidado e encho sua vasilha de ração para lhe deixar feliz. Vejo aquele embuste do meu marido passar por mim enquanto arrumava seus cabelos. Sigo o mesmo até porta.

— Desculpa amor, prometo ser rápido. Volto daqui a pouco! — Louis se aproxima de mim, para me dar um beijo mas eu o empurro. — Tudo bem, te entendo. Eu te amo.

— Vai pra casa do caralho! — gritei ao vê-lo ir, entrando no carro enquanto revirava os olhos.

Inútil, desgraçado, filho de uma boa mãe! Por que eu me casei com esse homem? Sério? Eu deveria ter casado com aquele gostoso da faculdade. Por que Deus, que eu tinha que ter escolhido justo esse filhote do capeta que sabe fazer nem um oral direito?

— Sim licença.

— O que? — gritei, me virando pro lado.

Vi meu vizinho me olhar com os olhos arregalados. Christopher Bang, um homem perfeitamente lindo, dono de um sorriso maravilhoso que me faz querer pular a cerca toda vez que lhe vejo.

— Desculpe Chan... — suspirei baixo, passando a mão em meu rosto.

— Ah, tudo bem! — deu um pequeno sorriso. — Eu te entendo. Problemas com o maridão?

— Muitos. Acho que deu para ouvir não é?

Nossas casas eram literalmente grudadas. Pelo que meu lembre, o quarto dele era do lado do escritório do meu marido, onde havíamos discutido.

— Um pouco. — riu baixinho, mordendo o lábio inferior levemente. — Por isso vim aqui. Queria falar um pouco com você. Podemos conversar lá dentro?

— Claro, vamos.

Caminhei com ele até minha casa. Lhe ofereci uma xícara de café e uns biscoitinhos que o mesmo aceitou de muito bom grado. Me sento de frente para ele na bancada da cozinha e mexo meu café com a colher.

— Bem, me diz o que foi? Estamos falando muito alto? Isso incomoda você? — perguntei um pouco preocupada. Pobrezinho, deve sofrer ao ouvir nossas discussões quase toda noite.

— Não é isso. Desculpe pela invasão de privacidade, mas eu quase sempre presto atenção nas brigas sabe?

— Ah, tudo bem. Impossível não prestar atenção.

Chan deu uma pequena risadinha e logo continuou:

— Enfim, por prestar atenção em algumas de suas discussões, percebi que ele não é um bom marido... Sabe? — seu olhar se tornou malicioso e eu me ajeito na cadeira. — Parece que ele te rejeita toda vez e eu sinceramente o acho um idiota.

— Como?

Chan se levantou daquela cadeira, caminhando até mim devagarzinho, como um predador. O mesmo ficou atrás de mim, muito perto.

— Ele é um idiota por não querer fazer amor com uma mulher linda que nem você. Eu entendo que é horrível não poder gozar com uma boa foda, ficar dias sem sexo é uma tortura, né? — se apoiou na minha cadeira e se inclinou, deixando seu rosto á centímetros do meu. Senti sua respiração bater em minha bochecha eu respiro fundo.

Senti minha preciosa se animar eu tive que cruzar as pernas para tentar aquietar a mesma. Droga, essa voz dele está me deixando louca. Ele está dando em cima de mim?

Claro sua burra. — a voz do além diz em minha mente.

— Por isso, eu vim aqui te fazer uma proposta. — sussurrou rente ao meu ouvido. — Quer ouvir?

— Quero. — respondi num fio de voz, bastante inquieta com aquela aproximação.

— Eu posso te levar ao céu, posso fazer tudo que seu maridinho não faz com você. Se você quiser, posso te foder a noite inteira e te chupar como ninguém chupou. — verbalizou rouco, me estremecendo por inteira. — Te faço gozar tantas vezes que até irá esquecer o nome dele e se lembrar apenas do meu. Você quer? Huh?

— C-chan... Eu...

— Hum, eu sei que você quer. Deve estar tão molhadinha agora. Nossa, só de imaginar eu fico tão duro.

Minha nossa senhora da Conceição de Macabu. Que homem minha gente, que homem. Além de gostoso é vidente. Eu tô até pingando de tão molhada que eu tô!

Hummm, você vai trair mesmo seu marido S/n? Isso é errado. — Voz da razão começa a martelar minha mente.

Hummm, dá pra esse homem logo mulher. Louis nem vai saber. Faz que nem o Michel Teló: “O Jeito é dá uma fugidinha com você.” Só que trocando o ‘fugidinha’ com ‘fodidinha’, sacou? Não? Okay. — a voz do foda-se pega uma britadeira e joga na minha mente.

Olhei para Chan que me encarava com um sorrisinho malicioso delineado naqueles lábios convidativos, esperando pela minha resposta.

Okay voz do Foda-se, você ganhou.



Notas Finais


Eu fiz esse cap de madrugada, então deve estar com um humor bem bosta, massss ok

Até amanhã às sete!

Terá no máximo 10 cap. :3 eu acho

Gostaram ou acharam uma bosta? KSKSK


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...