História Chance Jikook - Capítulo 21


Escrita por:

Visualizações 75
Palavras 2.062
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olaaa 💜💜💜💜

Boa leitura💜💜💜

Capítulo 21 - Twenty one


Fanfic / Fanfiction Chance Jikook - Capítulo 21 - Twenty one

Resiliência talvez seja a palavra que mais me defina na vida.

Já enfrentei vários percalços e ainda assim eu continuo firme, não tanto quanto eu gostaria, mas eu sempre tento me renovar, me reinventar. E as vezes eu mesmo admiro a minha capacidade, mas não é uma certeza de que sempre será assim. Algumas decepções são mais profundas, elas atingem um ponto que muitas vezes é necessário ser mais forte. E é disso que eu tenho medo, de não conseguir.

Eu sinto como se Jungkook fosse o meu sol que brilha durante todo o dia, a noite se esconde mas sempre volta ao amanhecer. Ele fez brotar em mim uma sensação de segurança, sim de proteção. Claro que não sou nenhuma pessoa indefesa, mas é como se ele tornasse os meus dias multicoloridos, quando antes eu insistia em enxergar somente as cores sombrias.

E bom, a noite fica mais escura quando está perto de amanhecer.

E foi com o clarão do dia que surgiu da porta do nosso quarto que eu levantei o olhar por cima do ombro de Jungkook e avistei uma Tzuyu com um olhar compenetrado e enfurecido em nossa direção.

— Eu não acredito! Eu não acredito! Me diz que isso não é verdade Jungkook!

Sobe o olhar próximo de Tzuyu, eu e Jungkook fomos acordando e tentando assimilar tudo que estava acontecendo.

— Eu juro que eu tentei impedir. Ela já chegou dizendo que ia entrar no quarto e não adiantava eu tentar fazer nada.

Tae tenta justificar a presença de Tzuyu em nosso quarto e logo depois nos deixa sozinhos.

Apesar de saber que estamos com um problemão ali, tanto eu quanto Jungkook procuramos agir com calma. Na verdade mais ele do que eu,  mesmo eu sabendo que os dois tem culpa, se é que podemos dizer assim.

Sinto Jungkook retirar completamente o seu corpo que estava ligeiramente sobre o meu, ficando sentado na cama.

— Vão ficar mudos agora? Que pouca vergonha é essa? Eu não acreditei quando encontrei o seu pai Jimin, e ele me contou tudo que estava acontecendo entre você e o meu namorado. Ele me falou pra vir ver com meus próprios olhos e eu vim. Que ódio! Tinha um motivo pro Jungkook ter mudado tanto, foi você quem o corrompeu.

Agora mais do que em nenhum dia da minha vida eu estava me segurando pra não dizer umas poucas e boas pra essa garota. Afinal de contas ela tem algum moral? Mas antes que eu possa se quer abrir a boca Jungkook o faz.

— Não é nada disso que você esta pensando Tzuyu.

Ele diz apertando os olhos em forma de desagrado.

Eu acabei não entendendo bem o sentido das suas palavras.

— Eu não estou pensando Jungkook, eu acabei de ver com meus próprios olhos.

Ainda meio relutante ele tenta argumentar.

— Não aconteceu nada entre eu e o Jimin.

Tudo bem o fiapo de esperança que se encontra no meu coração é que ele esteja falando sobre a noite de ontem, porque sim, ontem não houve nada demais entre nós.

Ela nos encara enfurecida, mas o seu olhar abranda quando ouve a próxima frase de Jungkook.

— Eu e o Jimin não temos e nunca teremos nada. Você sabe muito bem o que eu  e a minha família pensamos sobre sobre homem que se envolve com outro homem. Eu nunca teria coragem de me envolver com um, ainda mais com ele.

Em nenhum momento ele me encara ao falar, mesmo que  a todo momento eu tenha buscado por isso por estarmos ainda sentados juntos na cama.

— Jungkook pela primeira vez na vida eu estou tentando ser compreensivo, então eu vou te dar a oportunidade de contar tudo pra ela agora e ainda vou fingir que não ouvi o que você falou.

— De que verdade ele está falando Jungkook?

O olhar de Tzuyu que antes estava mais suave volta a ficar mais agressivo.

Jungkook se levanta ainda só de cueca boxer vai em direção a namorada e coloca as mãos em seu rosto.

— A única verdade que existe é a que eu te falei... acredita em mim amor. Não vamos brigar por besteira pode fazer mal pro bebê.

A minha cabeça está a mil...como o Jungkook pode fazer isso comigo? Ele disse que me amava... porque brincou tanto com meus sentimentos? Me dói saber o quão insignificante sou em sua vida e também por saber que eu fui a pessoa mais burra do mundo por acreditar nas suas palavras.

— Bebê?

Mesmo sendo nocauteado pelas palavras de Jungkook, que destroçaram qualquer vestígio dos meus sentimentos por ele, ainda consigo perguntar.

— O bebê que eu estou esperando do Jungkook. Nós vamos ser pais em breve. Acabei de descobri, não que isso seja da sua conta.

Pois é Jimin seu trouxa, enquanto você estava acreditando nas palavras de merda do Jungkook, ele estava transando com a namorada e perpetuando sua espécie. 

Meu sangue ferve de raiva, não dá criança que não tem nada a ver com isso. Mas do Jungkook, ele é um mentiroso do caralho e me fez de bobo, logo eu.

Mas as palavras de Tzuyu somada ao que ele provavelmente sabe  que estou pensando e multiplicada pela minha atitude faz com que Jungkook tenha um breve surto indo em minha direção.

Sou contido pelo braço de Jungkook quando tentava sair do quarto, porque aquela situação estava insuportável pra mim.

— Jimin deixa eu explicar por favor!

O encaro antes de falar.

— Você não me deve nenhuma explicação Jungkook. Afinal de contas nunca tivemos nada.

Puxo o meu braço com tanta força que fica dolorido.

— Deixa ele ir Jungkook, não faz sentido você tentar explicar nada pra ele. Ele não tem nada a ver com nossas vidas.

— Escuta a sua namorada Jungkook. Aliás, não só escuta, casa e aproveita e some daqui os dois.

Com o olhar vacilando por alguns minutos ele vem em minha direção e segura o meu braço mais uma vez.

— Não precisa ser assim Jimin. Podemos ser amigos, sempre foi essa a minha intenção com você. Me desculpa se te fiz pensar o contrário.

Além do tombo a queda, porque meu Deus, como o Jungkook tem coragem de falar tudo isso depois do que aconteceu entre a gente.

Em reação intempestiva, acerto um soco em seu rosto deixando uma marca vermelha enorme e sua pele branca. Até a minha mão ficou doendo tamanha força que usei.

— Olha aqui Jungkook, nunca mais dirija a palavra a mim. Eu odeio você, e tudo que está relacionado a você ouviu?

— Você é  sem noção garoto? Vou te denunciar pro agressão. — Diz Tzuyu ao se aproximar de Jungkook.

— Seja uma pessoa educada e nos deseje sorte, agora que vamos formar uma família precisamos de todo apoio das pessoas próximas a nós. 

Ela com certeza estava tirando uma com a minha cara só pode ser.

As palavras de Tzuyu parecem que perfuram a minha pele com uma bala de revólver.

— Eu sou educado, mas não sou hipócrita. Eu estaria mentindo se dissesse que desejo que sejam felizes, porque eu quero que vocês se explodam.

Mesmo notando o olhar de indignação dos dois, a minha fala foi a minha deixa pra ir embora, pego minhas roupas pra vestir na sala, deixando-os no quarto.

Eu queria matar o Jungkook, fazer picadinho dele, mas ao mesmo tempo queria morrer. Eu fui tão bobo, deveria ganhar um oscar de maior bobão do mundo.

É impressionante como as pessoas sentem prazer em pisar nos meus sentimentos, todos fazem. Deve ser um carma.

Será que eu sou uma pessoa tão ruim pra merecer isso?

Antes que eu conseguisse deixar o dormitório sou parado por Tae.

— Jimin, você é a melhor pessoa do mundo. Agora mais do que nunca eu sei disso. Você não merecia. Eu sempre vou esta aqui pro que você precisar.

Ele me abraça forte e apesar do meu corpo não demonstrar muita reação, acabo por retribuir mesmo que não seja na mesma intensidade.

— Obrigada Tae.

Deixo pra trás o abraço do meu amigo. Bom e quem diria que eu e Tae nos tornariamos tão amigos. Eu sinto que ele é verdadeiro comigo, as suas palavras são de conforto em um momento tão duro da minha vida, mas do que nunca preciso me reerguer como em todas as vezes que me derrubaram.

E sabe eu tenho uma vontade de dar um soco na minha própria cara pra ver se eu deixo de ser besta. Porque mesmo depois de tudo isso o que eu mais queria era que o Jungkook viesse atrás de mim e dissesse que nada do que me falou era verdade, que ele me ama. Mas não, isso não aconteceu, e creio que nem vá acontecer.

Mas também foda-se.

Entro na minha casa e encontro o meu pai já de saída.

Como eu não queria falar com ninguém naquele momento, tento passar reto, mas logico que ele não deixa.

— Antes tarde do que nunca. Hoje eu tenho muito serviço por causa da minha viagem amanhã, mas tive que voltar pra casa, meu filho não me ajuda e tenho que estar correndo atrás dele. — Eu paro eu fico de costas pra ele. — Tome um banho e se arrume, você tem aula. Daqui a pouco acaba o semestre e já era. Não pense que vai ter algum privilégio por ser meu filho.

Sinceramente eu não tinha nem forças pra responder a ele, quem dirá ir pra aula encarar o Jungkook e sua noiva, depois de tudo que aconteceu. Porque pro meu azar eu tenho as mesmas aulas que eles.

— Pai eu não quero discutir com o senhor, então por favor me deixa quieto.

Estou sendo sincero, eu não sou surdo, eu ouvi bem quando a Tzuyu disse que foi ele quem a mandou ir no nosso dormitório. Não o culpo por nada do que aconteceu, mas ele poderia ter evitado.

— Como estamos tentando nos dar bem, vou aliviar pra você hoje filho. Mas não vá se acostumando não.

Sem esperar por mais nenhuma palavra sua, eu corro pro meu quarto, entro e fecho a porta.

Eu levo bem a sério aquela frase de que chorar diminui a profundidade da dor, porque eu me derramo em lágrimas, de dor, raiva, desespero e principalmente de decepção.

E quanto mais eu lembrava dos momentos com Jungkook, das suas mentiras, mas intensas eram as minhas lágrimas.

Saio do meu quarto, vejo se o meu pai ainda está em casa. Como vejo que já saiu, vou até o bar que ele mantém na sala.

Pego uma garrafa do whisky mais quero que meu pai já comprou, nem ele ousa beber de tão caro que foi, um Odyssey.

Com o whisky e um copo em mãos eu volto pro meu quarto.

Quando abro a garrafa e observo bem aquele líquido.

Eu não precisava beber muito, só um copo talvez já aliviasse aquela tenção. Mas eu sabia bem que se eu o fizesse nunca ficaria em um copo só. E mesmo assim, se o meu pai descobrisse eu com certeza voltaria pra clínica e eu posso dizer que o Jungkook não vale um minuto meu naquela clínica, não merece.

Deixo o copo e a garrafa parcialmente de lado.

Mas a minha mente perturbada pela situação me incitava a ir pro caminho de onde foi tão difícil sair.

E pra quem já teve problema com álcool não tem isso de só um copo.

Eu chegava a tremer e não era só de raiva, eu sentia sim vontade de beber, mas eu não podia. Eu tinha que ser mais forte que isso. E eu fui.

Peguei todo o líquido do copo e a garrafa e fui pro meu banheiro.

Derramei todo o conteúdo na pia e escondi a garrafa no armário.

Entro no chuveiro com roupa mesmo e tomo um banho, eu não queria lavar só o meu corpo, queria também lavar a minha alma.

As vezes eu tenho raiva de viver, ser gente me cansa.

Sempre fui revoltado demais, malcriado demais, mas quando caía em mim e percebia o erro pedia desculpas. Embora agora a minha vida esteja esse caos.

São nesses momentos que nos entendemos melhor, que buscamos encontrar a nós mesmos.

Mas naquele momento eu decidi, nada e nem ninguém vai me deixar mais assim.


Notas Finais


Oiiii? Sorry kkkk... gente apesar de não parecer toda essa situação vai fortalecer ainda mais jikook... mas primeiro o Jimin vai judiar um pouco do Jeon... É a vida minha gente kkkkk e ah, a Tzuyu vai começar a colocar as asinhas de fora, e vai fazer uma maldades com o Jimin... já to revoltada de agora. Mas tudo vai ficar bem, eu acho?

Obrigada!!!!!!! Amo vocês!!!!! Até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...