1. Spirit Fanfics >
  2. Chance Jikook >
  3. Thirty four

História Chance Jikook - Capítulo 34


Escrita por:


Notas do Autor


Antepenúltimo capítulo 😭😭

Capítulo 34 - Thirty four



⬛⬜⬛⬜⬛




Pov. Jungkook


A luz do sol que entrava através das janelas me fizeram acordar antes do habitual. Na noite passada acabei adormecendo  rapidamente ao lado do Jimin, ele que por sinal não conseguiu dormir direito, estava inquieto.

Levanto com um jeitinho para  não acorda-lo e logo depois saio para preparar alguma coisa para  comer quando acordar, ele gosta de ser mimado por mim.

Estou me saindo um ótimo  namorado, ou ao menos tentando. Bom, o que vale é  a intenção.

Já ia atravessando todo o corredor mas aí  lembro que precisava falar com a Tzuyu sobre marcarmos uma consulta com um médico aqui  já que ela falou que tem sentido algumas dores.

Quando já me preparava  para bater na porta ouço  burburinhos vindo do quarto.

Eu não tinha o direito de ouvir conversa de ninguém, mas eu fiz pois um desses burburinhos  era a voz do irmão do Jimin.

Encosto meu ouvido totalmente sobre a porta.

" Não, mas me diga... naquela despedida de solteiro eu tava  doidão. Mas eu lembrei de você. Talvez porque tenha ficado marcada na minha vida."

Ouvia o que o Jihyun  falava e tentava assimilar.

" Muitas coisas, mudaram de lá  para cá"

Disse Tzuyu.

" É  verdade, você  está  grávida do namorado do meu irmão... aliás vocês  já namoravam naquela época que ficamos juntos?"

 
Tzuyu e Jihyun?

"Infelizmente, eu e  o Jungkook  namoramos desde muito cedo. Não por vontade minha, mas as circunstâncias me levaram a me envolver com o herdeiro da família  Jeon, essas coisas sabe?"

Talvez isso não tenha soado tão  ruim quanto deveria.

" Mas vocês vão  até  ter um filho... se sentia bem transando com alguém que não sente nada? Não  é  legal se prestar a isso."

Tzuyu  dá  uma risada alta quando ouve o que o ele  fala.

Que bom que a casa estava em completo silêncio...foi coincidência  ouvir aquela conversa no começo. Mas foi decisão minha permanecer ali.

" O Jungkook  é um idiota, o filho não  é  dele"

A minha boca se abre em formato de O.

" Mas nem me pergunte de quem é, pois eu nunca vou dizer, e depois se contar isso pro seu irmão  e ele eventualmente  contar por Jungkook eu vou negar até  a morte. Ele sempre acredita em mim... eu descobri que estava grávida no primeiro dia em que pisei os pés  naquela universidade, e venho escondendo esse bebê  desde então. Eu traía ele com quem eu encontrasse, nem escolhia. Traí  com o O Yoongi, com meninas  e meninos. Resumindo  eu pegava geral e ele nunca soube, só  sobre o Yoongi,mas porque foi um acaso.
O Jungkook  acha que é  o pai porque ele e o seu irmão  estavam separados e ele bebeu pra cacete, foi a minha oportunidade. Ele foi no meu dormitório, não falava coisa com coisa, tirei a roupa dele e o deitei na minha cama, só  que ele dormiu logo em seguida. Quando acordou estávamos  os dois pelados.
Falei que o filho era dele e ele acreditou, acha que eu estou grávida  de seis meses quando na verdade irei dar a luz em poucos dias."

Era muita informação  para minha cabeça.

" Eu vou te perguntar só  uma vez... tem chance desse filho ser meu? É  que a gente transou pouco tempo antes de você  ir pra universidade."

Aguardo a resposta de Tzuyu.

" Eu não vou responder nada, aliás  nem devia  ter te contado porque eu sei que vai correndo contar pro seu irmãozinho. Entenda isso como uma forma de retribuir o sexo de ontem a noite, mulheres grávidas ficam mais propícias ao sexo e ja fazia muito tempo desde então. Mas saiba que negarei até  a morte"

"  Eu só  te peço  que deixe o meu irmão  em paz, ele realmente ama o Jungkook. Eu não sabia que era você  a tal ex?"

" Não  se preocupe, eu meio que deixei de lado depois que descobri do prazo"

" O que sabe sobre isso?

" Tudo Jihyun, acabei pesquisando nos arquivos dos universitários, teria que saber com quem estava lidando,  então acabei descobrindo sobre um tal prazo e todas as restrições do seu irmão... até  não entendi com informações  como essas estavam lá, aliás nunca conte isso ao seu pai. Foi por isso que foi atrás  dele e  que agora estão morando juntos não  é  mesmo? "

" Esse assunto não te diz respeito!"

Jihyun acaba de ficar muito irritado com um assunto que tem a ver com o irmão.

" Ah para, eu não vou falar nada. Mas já que ama o seu irmão  deveria você  mesmo fazer... não  é  como se ele fosse morrer mais rápido por saber"

Como assim assim morrer?

Não espero um minuto  e adentro o quarto.

Os dois me encaram prontamente.

— Jungkook?

Diz Tzuyu  já levantando da cama onde os dois estavam deitados.

— Morrer? O que o Jimin  tem?

Jihyun me encara.

— Jung  você  estava ouvindo a conversa?

Ouço  a voz de Tzuyu  ecoar perto de mim.

— Não  importa!!!

Grito e me aproximo do Park  o segurando pela gola da camisa.

— Jihyun  me fala o que o Jimin  tem.

— Tzuyu, sai  que eu vou conversar com o Jungkook.

Ela sai em seguida apesar de não estar de acordo.

— Senta, dessa vez vou tomar o cuidado de falar baixo.

Faço  o que me pede.

— Sabe Jungkook eu amo tanto o meu irmão, sou capaz de qualquer coisa por ele  e não é de hoje.
Quando o Jimin  nasceu eu já tinha quatro anos. A minha mãe teve uma gravidez de risco, os médicos chegaram a dizer que provavelmente não conseguiria ter o bebê, que ele morreria antes disso, ainda falaram que ele tinha má  formação, dentre outras coisas.Eu ainda era muito pequeno, não tinha noção  direito o que aquilo significava, só  queria poder ter um irmãozinho.

Jihyun  neste momento já segurava o choro.

— Mas a minha mãe, ela não desistiu, ela lutou com unhas e dentes para defender aquele serzinho que estava em seu ventre mesmo quando o meu pai dizia para que ela não seguisse.
Com o passar dos meses aquela gravidez acabou trazendo risco de morte pros dois, a minha mãe  já foi pro hospital no dia que o Jimin nasceu sabendo que provavelmente  teriam que escolher entre a vida da mãe  ou do bebê. E ela sempre falava pro meu pai  que se ele tivesse a opção  e não escolhesse o bebê  nunca o perdoaria.
No dia  eu lembro bem estávamos  voltando  de uma visita à casa dos meus avós  e a minha mãe entrou trabalho de parto.
Os médicos disseram que só  poderiam salvar um dos dois, o meu pai escolheu a minha mãe mesmo sabendo que essa não era a vontade dela. Só  que na hora houve mais complicações  e a minha mãe  acabou morrendo antes que eles pudessem fazer qualquer coisa,  então tentaram e conseguiram salvar o bebê.
Apesar de antes falarem que o bebê não teria boa formação, ele acabou nascendo perfeitinho aparentemente. Mas depois de alguns exames  descobriram um tumor no cérebro.
Era preocupante, os médicos achavam  que ele  não sobreviveria, mas graças a Deus ele até  hoje  está conosco.
Mas no início  não foi fácil e nessa parte eu tenho que dar o braço  a torcer  e falar que o nosso pai foi forte, ele sempre amou e cuidou  muito bem do Jimin, passava de meses com ele no hospital e foi aí  que eu me perdi, me envolvi com tudo que não presta e eu me culpava por ser saudável e poder fazer o que queria e o meu irmão  não. Ele não podia correr, brincar como qualquer criança  quando pequeno, o nosso pai meio que criou uma bolha.
Com dez anos seria a primeira cirurgia, o Jimin  já era vencedor por estar ali, mesmo sem saber que tinha aquele problema. Ele sentia muitas dores de cabeça e  o meu pai inventava uma desculpa qualquer para não fazer o exame para saber a causa pois já sabíamos. Os médicos  deram um prazo para que contassemos, para que pudesse ser feita a cirurgia que era considerada de risco muito alto.
Mas a não ser pelas dores de cabeça, estava tudo bem, era saudável. Então o meu pai resolveu não contar e desistiu de fazer a cirurgia. A mesma coisa aconteceu quando ele tinha quinze, mas aí  ele já era um adolescente  e as coisas fugiram do controle do meu pai, e eu já não  era tão  presente em sua vida, acabei sendo preso por duas vezes.
O Jimin  conheceu o Minwoo e tudo desandou de vez, se envolveu com drogas o que tornou a situação  insustentável, por isso  o nosso pai tomou a decisão de interna-lo  em uma clínica  de reabilitação. Era para o bem dele, mas... porque a vida é  tão injusta? Eu fui lá  e assinei  a liberação  mesmo sem o consentimento  do nosso pai  que na época estava viajando.

Acompanho as lagrimas que corriam sobre o rosto de Jihyun.

— Ele fazia anualmente uma tomografia, mesmo sem saber o sentido daquilo. Em uma dessas intervenções uma boa notícia, o tumor havia regredido. Mas ainda sim  o melhor seria ainda a cirurgia.
Aí  veio  a fase mais preocupante, a decepção com o namorado, e o Jimin passou a se drogar mesmo escondido, e numa dessas teve uma overdose que o deixou em coma por pouco mais de uma semana, e logo isso ocasionou outras complicações. Ele estava morrendo, e eu me sentia culpado  por tê-lo  tirado daquela clínica e o meu pai não me deixou mais me aproximar dele, mesmo no momento mais difícil, e que precisávamos estar juntos. Eu fui embora.

Ele fica um pouco ofegante por causa do choro e eu apenas ouço  tudo em silêncio.

— Eu achei que o Jimin  não sobreviveria  por muito tempo, mas por um milagre ele se recuperou bem.
Meu pai se quer tocou mais no assunto cirurgia, decidiu que o Jimin viveria até o dia que  Deus  quisesse.
Daí ele conheceu  você e se apaixonou novamente. Eu sei que acredita nos sentimentos dele, mas mesmo assim eu preciso reforçar  que ele te ama  muito. Sei  até  que o meu pai quis separar vocês, aquele velho faz tanta besteira. Mas ainda sim é  compreensível, ele tinha medo que numa nova decepção o Jimin  não suportasse.
O problema é  que vinte e dois anos é o prazo final para uma cirurgia com mais chances de êxito. Eu liguei  pro meu pai pedindo para que ele procurasse o hospital para marcar a cirurgia, mas ele é  totalmente contra, então  eu decidi fazer o que eu achava correto, eu o trouxe para morar comigo e decidi que contaria a verdade e ele decide se vai fazer ou  não a intervenção  cirúrgica.

— O Jimin  faz vinte e dois  em menos de dois meses... Porque ainda não contou?

— Sim, só  que eu sinto que vou perder o meu irmão... sinto que não sobreviverá. Olha pra ele Jungkook... ele esta bem  não está? Ele nunca mais sentiu aquelas dores de cabeça, esta feliz com você.

— Quais são as chances  dele sobreviver sem fazer a cirurgia?

Era uma pergunta difícil de se fazer, mas eu precisava.

— Nenhuma, assim como são  poucas se ele fizer.

Aquilo me pegou de surpresa, então  eu levanto e começo  a andar de um lado para outro enquanto passava as mãos  pelos meus cabelos. As lagrimas que antes eu segurava começaram a rolar com força. O Jimin... ele estava morrendo, ele morreria de qualquer  jeito?

— Não  temos tanto tempo Jihyun, ainda que aja a mínima esperança  é  a ela que devemos nos agarrar. Ele vai fazer a cirurgia e nós vamos agora mesmo contar tudo para ele.

Eu estava tirando coragem só  deus sabe de onde, mas era preciso.

— Mas ele esta bem Jungkook, não sentiu nada durante  esse tempo que estamos aqui, ele pode estar curado.

— Deus  queira Jihyun, mas precisamos que ele saiba, e  que refaça  todos os exames. Não podemos optar pelo achismo. Precisamos  ter a certeza.  Não  deveriam ter escondido  isso dele.Vamos lá  agora.

Enxugo as minhas lágrimas e saio. Aguardo até  que Jihyun me acompanhe até  o quarto de Jimin.

Quando abro a porta ele estava se espreguiçando ainda deitado na cama. Sorri para nós  dois.

— Bom dia amor esta tudo bem, você  está  meio pálido?

Não  queria deixar a minha preocupação  assim tão  nítida, e talvez ele nem estivesse pálido, é que aquilo tudo estava em minha mente.

— Só  acordei com um pouco de dor de cabeça... mas isso é  normal. Pergunta  pro Jihyun como é  comum eu sentir dor de cabeça. E acho que foi porque dormir muito tarde  ontem. Mas me digam o porque dos dois homens da minha vida estarem juntos assim tão cedo?

Jihyun  se manteve em silêncio.

— A gente quer conversar com você.

Continua...


⬛⬜⬛⬜⬛







Notas Finais


As vezes escrever uma história como essa nos coloca em uma situação complicada... Não está sendo fácil escrever esse final. Mas espero não decepcionar vocês. Beijos e até o próximo.

Mas em compensação se é que posso dizer assim eu irei postar uma one-shot maravilhosa com a colab de um amigo. Ela é muito boa e será apenas um capítulo gigante. Contém incesto e é boa demais pronto kkkkkkk. Até!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...