1. Spirit Fanfics >
  2. Changbin sabor pistache >
  3. Aparentemente noivos e alianças falsas

História Changbin sabor pistache - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


EU VOLTEI
Não me matem, pessoas que leram minha fanfic flopada, aqui está mais um capítulo, pra compensar eu deixei ele mais longo, espero que gostem, boa leitura<3

Capítulo 3 - Aparentemente noivos e alianças falsas


A noite passada foi mágica, tipo, eu e Changbin depois de chegarmos na minha casa, ficamos sentados na calçada conversando, comendo e bebendo as coisas da loja de conveniência até ás duas horas da manhã.

 Nesse tempo com ele eu descobri várias coisas sobre Seo Changbin, como por exemplo, ele e o outro Félix terminaram porque Changbin tinha quedas por meninos sentimentais e inteligentes, que era o oposto do outro Félix, OOF (O outro Félix) não era muito inteligente e tinha um coração duro feito uma pedra, o que eu acabei questionando ele, porque não sentimos pelo coração e sim pelo cérebro, no final pedi desculpas, porque era um assunto não interessante de acordo com o Jisung.

Tivemos vários outros assuntos e no fim, pedi para ele dormir na minha casa, já que eram quase 3 horas da manhã, ele acabou aceitando, eu emprestei roupas que ficariam largas em mim para ele e uma cueca que nunca usei, dei uma toalha e ele foi tomar banho, eu fui no outro banheiro e tomei meu banho lá, eu sai do banho e lembrei que tinha esquecido da minha camiseta, fui até o quarto torcendo para que o Changbin não tivesse terminado o banho, mas não foi o caso, já que o mesmo estava deitado na minha cama mexendo no celular, passei por ele, tentando ignorar o olhar dele em mim, e peguei uma camiseta, vesti e por fim me deitei também.

- Por que você não ficou sem camisa?

- Pelo fato de eu ser muito magro e ter vergonha de ficar do seu lado sem camisa, já que você é todo musculoso e tals.

- Gostosão em outras palavras- eu coro e fico de costas para ele.

- Por ai mesmo...

- Sabe, Lix, seu corpo é perfeito do jeito que ele é, sua pele um tanto morena e suas pintinhas espalhadas pelo corpo... Céus, como é estranho eu falar isso...- eu me viro para ele e sorrio- esse sorriso perfeito também, é estranho, mas eu sinto que me apaixonei por você, Lix...- ele se aproxima, eu fico parado e fecho os olhos, ele se aproxima mais e por fim... Cai no sono.

Puta que pariu, ele quase me beijou, Deus, por que ele dormiu? Ele poderia ter dormido depois... 

Depois de aceitar que ele dormiu de verdade, eu fiquei olhando ele dormir, a respiração pesada e a expressão calma de Changbin, era como se eu olhasse uma obra de arte, seus traços eram angelicais e perfeitos. Ele realmente era bonito.

Por fim também caio no sono, no outro dia acordo com o celular tocando, desligo o alarme com uma certa dificuldade, já que no meio da noite Changbin me abraçou, não que eu esteja reclamando, longe de mim aliás, mas que foi difícil pegar o celular, foi.

Eram 7:30, o ônibus passava 8:00 e as aulas começavam 8:30, tinha bastante tempo ainda, mas do mesmo jeito acordei Changbin, já que não sabia a rotina escolar dele. Depois de um sacrifício, eu consegui acordar ele, que implorou por mais 30 minutos, que eu neguei e cedi 10 minutos, ele concordou, virou e dormiu, fui ao banheiro e tomei meu banho, escovei meus dentes e coloquei meu uniforme, fui ao quarto e vi Changbin num estado totalmente diferente do meu, cabelos bagunçados, roupas amassadas, rosto de sono e quase dormindo em pé, ele nem deve se lembrar do "beijo" que "demos" ontem a noite.

- Vai tomar banho, eu te dou uma carona pra sua casa, hoje eu vou de carro, posso te levar pra escola se quiser- ele assentiu e foi tomar banho.

Aproveitei o tempo sozinho no quarto e mandei mensagem para o Jisung, contando tudo o que aconteceu, até sobre o beijo falho, ele riu da minha cara e falou que Changbin caiu no sono por causa da conversa chata que eu poderia ter tido com ele, eu só mandei ele tomar no cu e ameacei de não dar carona para ele, que apenas não ligou, falando que do mesmo jeito ia dar carona pra ele porque eu era uma boa pessoa. E sou mesmo, deixando bem claro.

Depois desse meu drama, o Jisung me falou que também se encontrou com o Minho, da sorveteria, e, digamos, que a noite foi quente. Sim, o Jisung deu pro cara no primeiro "encontro", vulgo Jisung foi até a casa de Minho.

Após a extensa conversa detalhada sobre a transa do Jisung, o Changbin sai do banho, só de toalha amarrada na cintura, COM O ABDÔMEN EXPOSTO, ele quer me matar, puta merda.

- Você pode me emprestar alguma roupa?

- Claro- digo sorrindo e saindo do quarto correndo, logo voltando porque lembrei que meu guarda-roupa, infelizmente, fica no quarto- Err... deixa eu ver o que eu tenho- reviro minhas gavetas e finalmente encontro alguma coisa que caberia nele, uma jardineira, sim, Seo Changbin usando uma jardineira- Eu só tenho isso, isso e isso- entrego uma cueca que nunca tinha usado, uma camisa branca e a jardineira.

- Vai ficar bom- ele diz colocando as peças na frente do corpo- vou me trocar- e então ele tira a toalha, NA MINHA FRENTE, e se veste.

Eu coro e viro de costas.

- Por que tá com vergonha? Você é um menino, tem isso também.

- Eu sou gay Changbin, você sabe disso.

- Eu também sou, Lix- ele diz sussurrando no meu ouvido- Então quer dizer que você não quer meu corpo nú?

Me viro para ele- Não é essa a questão, é que eu não quero acordar coisas que não eram para ser acordadas agora.

- Agora? Então talvez outra hora?- ele diz sorrindo malicioso.

- Olha a hora, 8 horas, puxa vida, temos que ir- digo disfarçando meu constrangimento- vamos passar na sua casa pra você colocar o uniforme e pegar seu material e depois passamos para pegar o Han.

E então eu saio correndo do quarto, passo pela minha mãe e dou um beijo nela, pego a mochila e saio correndo para o carro, vejo o Changbin cumprimentar minha mãe e depois ele veio até mim.

- Sua mãe é legal, daria uma ótima sogra, você não acha?- ele entra no carro sorrindo.

Esse filha da puta quer acabar com o meu psicológico- Onde é a sua casa?

- É na frente da loja de conveniência. 

- Eu não acredito, tu saiu de um lugar que era na frente da sua casa pra poder me trazer pra minha?- ele assente.

- Você é mais importante do que uma atravessada de rua.

Ficamos em silêncio, até que ele liga o rádio, na minha rádio favorita.

- Você gosta disso?- eu falo um pouco alto, já que tava tocando Fancy do Twice.

- Quem não gosta?- ele sorri.

Puta merda, eu achei o homem perfeito.

Depois do Changbin trocar de roupa e pegar o material, nós fomos na casa de Han para dar uma carona.

Buzinei algumas vezes, até Jisung sair de casa gritando um "Misericórdia irmão, eu não sou surdo" ( Jisung não pode xingar na frente ou dentro da casa dele, ou onde é que seus pais possam escutar algum palavrão). Ele entra no carro emburrado, estava começando a andar com o carro, até que a porta se abre de novo, revelando o Minho entrando no meu carro.

- Oi, você pode me dar uma carona Félix? Claro que sim, entra ai- eu digo ironizando o fato de ele nem ter pedido carona.

- Ó grandíssimo Félix, eu poderia ter a honra de ter uma carona dada gentilmente para a escola?- ele finalmente diz, é claro que zoando com a minha cara.

- Deixa ele em paz, Minho- Changbin fala.

- Ele que começou. 

- E eu que vou terminar, claro que concederei uma carona a você, mero plebeu- digo rindo, logo ligando o carro e indo rumo à escola, consigo ver um sorriso incrédulo de Changbin e Minho, depois só ouço uma risada de Han.

Passamos o caminho conversando, rindo e cantando. Nisso eu descobri que o Minho é tipo uma velha dos gatos, o Changbin sabe cozinhar e ambos gostam de dançar. O que foi uma surpresa, nunca imaginei o Changbin dançando.
Chegamos na escola, eu e o Jisung ajudamos o Minho e o Changbin a achar a sala deles e depois fomos para a nossa.

- Então... Como foi quase beijar seu 14° Changbin?- Jisung disse rindo.

- E você, como foi dar no primeiro encontro sem a parte do encontro?- sorrio cínico e começo a andar mais rápido. 

- Vai se foder, Félix- ele grita e tenta me alcançar, eu olho para ele e me distraio, logo batendo de frente com alguém.

- Me desculpe, estava vendo meu amigo sedentário correr- falo ajudando a pessoa com alguns livros que ela derrubou- enfim, qual é o seu nome?

- Meu nome é Jeongin, sou novo aqui- ele diz sorrindo- obrigada por me ajudar com os livros.

- Não foi nada- sinto uma mão no meu ombro e vejo ser o Changbin- esse aqui é o Changbin, Changbin esse aqui é o Jeongin, ele é novo aqui.

- Oi Jeongin- ele sorri torto para o menino e depois vira pra mim- eu sou novo aqui também, me dá atenção?

- Idiota, já te dei atenção o suficiente por hoje, se quiser depois da aula a gente vai na loja de conveniência, compra algumas coisas e assiste um filme em casa, pode ser?- digo sorrindo para ele, que retribuiu o sorriso e assentiu- quer ir também Jeongin? Podemos ser seus amigos.

- Seria ótimo, vocês namoram, certo?- ele diz apontando para nós dois, eu olho para Changbin e ele me encara de volta, desvio o olhar e sorrio tímido- entendi... Estão quase lá, não sei se quero atrapalhar a noite de filmes de vocês. 

- Não vai atrapalhar nada, é só uma noite de filmes entre amigos- confesso que me doeu a palavra amigo, mas era a realidade- meu melhor amigo e o peguete dele também vão estar lá- ouço um "vão?" Do Changbin, que logo calo ele com uma cotovelada no estômago- vão sim, e então Jeongin?

- Eu poderia levar meus namorados?

- Plural?- Changbin pergunta para o menino de óculos. 

- A gente é um trisal, eu sei que é estranho, mas... Esquece, deixa pra lá- ele pareceu cabisbaixo com esse assunto.

- O que foi?- pergunto colocando a minha mão sobre o ombro dele.

- É que geralmente as pessoas não querem ser amigas de uma pessoa que namora dois caras, juntos, sabe?

- Sei e acho super normal, a vida é sua, e se você realmente gosta dos dois o problema não é meu, não se preocupe, vamos continuar sendo amigos- vejo um sorriso abrir no rosto dele.

- Obrigada...

- Félix, eu esqueci de dizer meu nome.

- Obrigada Félix- ela solta uma risada.

- E pode levar seus namorados, quanto mais gente, melhor.

O sinal toca, o Jeongin se despede e corre em direção de uma das salas, eu viro para Changbin e ia me despedir quando o mesmo me dá um selinho.

- Até daqui a pouco, Lix.

E então ele some do corredor.

Andei até a minha sala, ainda meio atordoado e bati na porta, dei graças a Deus que o prefessor ainda não estava lá.

Vou para o mesmo lugar de sempre e me viro para falar com o Jisung.

- Esquilo, aonde você tava?

- Eu tinha visto o Minho, então deixei você conversando com o menino novo e fui atrás dele.

- Vocês foram se pegar, não foi?- digo com uma sobrancelha arqueada.

- Sim, e foi muito bom- ele disse e então se levantou e andou até um menino e começou a conversar com ele.

Jisung tem muitos amigos, até porque ele é bonito, eu sou "estranho" aos olhos de homem ideal coreano, mesmo que eu não me ache feio, o Jisung ganha de mim fácil. E então ele vem com o menino e fez ele se sentar perto de nós. 

- Oi, me chamo Hyunjin, você deve ser o Félix, né?- assinto com a cabeça- meu namorado falou com você hoje mais cedo, não foi? 

- Quem?- digo confuso.

- Jeongin, meu namorado, você falou com ele, até chamou a gente pra ir em uma noite de filmes.

- Sim, fui eu mesmo- digo finalmente sorrindo- não sabia que um dos namorados dele estudava aqui.

-Namorados?- ele disse confuso, mas ao mesmo tempo aparentando estar bravo.

Eu gelei até a espinha.

- Vocês não namoram com mais um menino?- digo desmanchando o sorriso.

- Sim, tava querendo ver a sua reação- ele riu e eu suspirei aliviado- o Jisung me falou que você é tipo um gênio, é verdade?

- Mais ou menos, eu só sou um prodígio, por aí, porque gênios geralmente descobrem coisas novas, como um novo elemento químico ou um novo tipo de radiação, um novo teorema, um novo paradoxo ou até um...- sou cortado pelo Jisung.

- Isso não é interessante, garoto prodígio- olho para ele, que sorri ironicamente e se senta em seu lugar.

Paro de falar e vejo o professor entrar na sala, nos levantamos e fizemos a reverência. Aparentemente era um professor novo, já que ele se assustou com a quantidade de alunos fazendo a reverência. 

- Sentem -se, não precisa disso, pelo menos não na minha aula- ele diz sorrindo e parando no meio de um palquinho que tinha embaixo da lousa- Meu nome é Woojin, sou seu novo professor de Filosofia, como eu tenho praticamente a mesma idade que vocês, não precisa me chamar de senhor ou fazer a reverência, me tratem como qualquer outro aluno, ok?

A turma concorda e enfim ele começa a aula.

Me viro para o Jisung e sussurro para falar o que tinha acontecido no corredor mais cedo.

- Ele me beijou- falei baixinho, mas não adiantou muito, porque um Jisung já tinha levantado gritando um "Ele fez o quê?".

- Lee Félix, venha aqui, por favor- o professor me pediu e logo fui até ele, xingando o Jisung mentalmente- você poderia se sentar longe do seu colega? Já que ele não sabe responder baixo.

- Por mim tudo bem, me desculpe pela interrupção.

- Vamos fingir que nada aconteceu- ele sorriu e indicou uma cadeira vazia, sentei nela e comecei a fazer anotações.

" Não falar com Jisung sobre assuntos diferentes na aula do Sr. Kim"

E então a aula continuou normalmente durante uns 45 minutos, até que um aluno resolveu tacar bolinhas de papel em outro aluno, o resultado foi uma das bolinhas acertar as costas do professor.

- Isso é hora de brincadeira, sério?- ele pergunta com a bolinha na mão olhando para o aluno que havia jogado- isso vai cair na prova, se você não quer ter um futuro, não atrapalhe quem quer ter, simplesmente saia da sala e fique com o diretor- o aluno parecia estar suando frio- vai prestar atenção? 

- S-sim professor.
- Ótimo- ele sorriu indo para frente da lousa novamente- na próxima aula continuaremos com o conteúdo e- ele foi interrompido pelo sinal, indicando o final da aula- estão liberados, menos você Félix- o Jisung olhou para mim e sussurrou um "me desculpe" respondi ele com um tudo bem.

- O que foi professor?

- É você que está saindo com o Changbin, né?- eu arregalo os olhos e acabo engasgando- tudo bem, Félix, ele é meu irmão, eu só queria te conhecer, quando ele voltou da sorveteria da nossa mãe, ele parecia que tinha ganhado na loteria e eu sabia que tinha alguém por trás disso, depois ele dormiu fora de casa e...- eu fiquei vermelho na hora- ele me falou muito bem de uma pessoa que ele tinha conhecido, ai eu vi vocês se beijando no corredor e- ele foi cortado novamente.

- Para de constranger ele- olho para trás e vejo o Changbin- vamos logo Félix, quando ele começa a falar, ele não para- o Woojin ignorou ele e me perguntou se eu queria jantar na casa deles- Woojin, eu não vou falar de novo, deixa ele em paz.

- Eu só to chamando ele pra jantar com a gente Changbin, o Chan vai estar lá também, pare de ser chato.

- Chan? Bang Chan? O compositor?- falo e o Woojin assente.

- Meu namorado- fico animado e olho pro Changbin sorrindo.

- É o meu compositor favorito, binnie, eu posso ir?

- É, binnie, deixa- o Woojin diz debochando.

- Tá bom, a gente janta lá sexta que vem.

- Sexta?

- Sim, sexta- ele confirma.

- Então adia a nossa noite de filmes, já que vai me fazer esperar- sorrio convencido.

- Faz sentido, então jantar e noite de filmes sexta que vem?- olho para ele incrédulo, ele é burro ou só se faz?

- Pode ser- digo emburrado e por fim saio da sala.

Ando pelos corredores e vou até o meu armário, pelo alguns livros e vou até a sala da próxima aula. O Jisung sumiu de novo, ele me deixou sozinho... DE NOVO, não vou fingir que me surpreendo, mas mesmo assim, nem pra avisar que vai se pegar com o Minho em qualquer canto?

Sento no mesmo lugar de sempre e espero a aula começar, com a demora do professor eu resolvi ouvir um pouco de música e ler enquanto ele não chegava, inclusive recomendo "quem é você, Alaska?" Do John Green.

Saio dos meus pensamentos quando sinto meu fone ser puxado.

- Changbin?

- Oi Lix, pelo visto você está no nível avançado de inglês. 

- Eu sou Australiano, é meio impossível eu não estar no nível avançado- olho para ele com tédio- também está no nível avançado?- ele assente.

- O que aconteceu? Você parece estranho comigo, eu fiz algo de errado?

- Não foi o que você fez, foi o que você não fez- ele soltou uma risada- o que foi?

- Parece uma menina com esses tipos de fala- ele continuou rindo- então o que foi que eu não fiz?

- Não vou te falar, descubra sozinho- por fim coloco meu fone novamente e volto a ler meu livro.

Mais uma interrupção.

- Você vai ficar assim comigo?- não respondo ele- Qual foi, Félix, eu não fiz nada, eu não quero que você fique assim comigo, para com isso- olho para ele e coloco meu fone de novo- Tu não fez isso... Não é possível, Félix, eu vou gritar no meio da sala- continuo não respondendo ele.

Ele se levanta, vai para o meio da sala e começa a gritar.

- Atenção pessoal, aquele ali é o Félix, eu gosto muito dele, mas ele não está me dando atenção, então peço por favor que se alguém souber o que essa bixa chata que eu amo tem, venha falar comigo, desde já agradeço. 

E então ele volta para o mesmo lugar de antes, eu o olho incrédulo e o resto da sala parece que achou graça disso.

- Não é possível, Seo Changbin, você não pode deixar eu te ignorar por dez minutos? Você não fez nada, esse é o problema.

- Olha só, o milagre acontecendo, o mudo falando.

- Não começa- ele sorri e me joga um beijinho no ar- vai se foder.

A aula começa, fizemos a lição, aula prática e por fim duplas para trabalho que, por mais clichê que seja, o professor escolheu.

Infelizmente eu não cai na mesma dupla que o Changbin, que vai fazer com um menino do terceiro ano chamado Jongdae, ele parece legal, mas não fala muito também. Eu cai na dupla do Mark, um menino que nunca cheguei a falar com, mas pelo o que as pessoas me falaram, ele é um doce de pessoa e não tem muitos amigos, me senti feliz por fazer dupla com ele.

Saímos da sala depois da aula acabar e o Mark veio falar comigo.

- Oi, Félix, eu vou ser sua dupla no trabalho de inglês- assinto e ele continua com um sorriso fofo- eu soube que você não é coreano, eu também não sou, eu nasci na Califórnia, é estranho ser estrangeiro, mas eu me acostumei rápido. 

- Eu nasci na Austrália, eu me mudei pra cá faz alguns anos, precisamente 6 anos, 4 meses e 20 dias, eu demorei pra me acostumar, foi difícil com a cultura coreana, mesmo que grande parte da minha família fosse coreana, eles agiram como australianos durante minha vida toda- ele parecia me ouvir atentamente.

- Entendo, eu me acostumei rápido graças ao Jackson, ele é chinês, mas ele fala inglês muito bem, ele me ajudou desde que eu me mudei para a Coréia- os olhos dele brilham, ele parece gostar do tal Jackson- mas ele teve que visitar os pais dele, o pai dele ficou doente e ele teve que ir ajudar- o brilho sumiu e o sorriso fofo também- ele vai demorar pra voltar, mas eu sei que ele não vai me abandonar, eu espero- ele sussurra a última parte.

- Você gosta dele, né?- ele arregala os olhos- suas pupilas dilataram e os olhos brilharam, é um sinal de sentimento forte por uma pessoa.

- Você é inteligente, gostei de você, e sim, eu gosto do Jackson, e você gosta do menino que gritou no meio da sala, né?- eu engasgo com a minha saliva.

- Ele é um idiota, ele nem percebe isso e você sim- ele ri da minha cara- que foi?

- Ele saiu falando pra todo mundo que você é a noiva dele e que não é pra ninguém se aproximar de você, você é que não percebe.

Changbin seu sem noção, agora todo mundo vai achar que a gente namora, não que seje um problema, mas eu queria me fazer de difícil, meu plano caiu por água abaixo. 

- Quem é você?- ouço uma voz firme direcionada para o Mark, olho na direção da voz e vejo o Changbin.

- Eu sou a dupla de trabalho da sua noiva, eu já tenho um quase noivo, não precisa tacar a aliança invisível em mim- Mark disse rindo da minha cara.

- Pra quem eu conheci alguns minutos atrás você já tá com bastante liberdade, Mark Tuan- falo e belisco o braço dele.

- Ai Félix, você descobre o meu segredo que eu estava gostando do Jackson, fala isso na minha cara e eu não posso rir da sua?- ele diz e belisca.

- Jackson?- Changbin sussurra.

- Mas eu posso te beliscar, você não- dou outro beliscão nele.

- Eu já pouvi esse nome em algum lugar- Changbin sussurra novamente. 

- Direitos iguais, seu Markfóbico- ele me belisca de novo.

- Markfóbico? Eu- 

- Já sei, Jackson Wang, né?- Mark olha pra ele assustado e assente- ele era meu amigo de infância, mas ele teve que voltar pra China e ai não nos falamos mais, ele estuda aqui?

- Você conhece o Jackson?- pergunto, sendo totalmente ignorado em seguida.

- Ele está no mesmo ano que eu, na mesma sala também, só que ele voltou pra China pra cuidar do pai dele, eu não sei quando ele volta- Mark disse cabisbaixo.

- Quer sair daqui e fazer alguma coisa legal?- sussurrei para Mark

- Pode ser- ele sussurrou de volta.

Abraço ele de lado e puxo ele pelos corredores até quase sair da escola.

- Finge que está com dor de barriga.

- Por quê?- Mark me questiona.

- Demorou muito- dou uma cotovelada no estômago dele e ele se curva com dor, eu continuo o puxando- segurança, ele está passando mal, a mãe dele está esperando na outra rua pra levar ele no hospital.

- Tudo bem jovem, leva ele- o segurança abre o portão e nós dois passamos.

Ouvi o Changbin gritar o meu nome e depois sair correndo na direção contrária quando o segurança abriu a porta para mim e o Mark.

Estranho.

- Aonde você vai me levar?- ele diz ainda com a mão no estômago- E da próxima vez avisa antes de me dar uma cotovelada.

- Desculpa- soltei uma risada- você gosta de sorvete?


Notas Finais


Acabou, talvez amanhã ou depois de amanhã eu poste capítulo novo:)
Até logo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...