História Change Me - Capítulo 14


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Comedia, Drama, Romance, Suspense
Visualizações 22
Palavras 2.104
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oie, gente...Queria agradecer muito a quem favoritou a história e está lendo. Adoraria que comentassem para saber se estão gostando e como melhorar a história. Mas hoje as coisas vão ficar tensas no cap. e espero que gostem de ler...

Capítulo 14 - A tesão e a expetativa...


LETÍCIA

 

- Letícia, espera! Espera! – eu escutei o Leonardo gritando atrás de mim e num impulso ele me pegou pelo cotovelo e me girou de frente para ele.

- O que foi isso!? – ele disse sério com o rosto fechado.

- Nada. Eu acredito no que defendo. – eu disse nervosa e desviando o olhar do dele.

- Não. Aí tem mais. Muito mais, com certeza. – ele disse e fomos interrompidos.

- Meu amor! Você por aqui!? Ai que ótimo, ver você. – o Miguel disse nos interrompendo.

Senti o meu corpo gelar de verdade naquele momento.

- O que esse cara está fazendo com você!? – ele disse sério e a Catarina apareceu.

Eu estava ficando estranha, o meu estomago deu voltas.

- Dá para largar ela!? – o Miguel disse e segurou a minha cintura.

Eu to suando. Que merda! Estava tendo uma crise…Droga!

- Miguel…- eu sussurrei.

- Não percebeu que ela tem namorado!? – ele disse sério e magoado.

- Miguel…- eu chamei de novo.

Tava vendo tudo rodar e girar sem parar. Eu coloquei a mão fracamente no seu ombro. A minha respiração estava falhando e nem conseguia nem pensar. Que lugar é esse!? Os meus joelhos estavam tremendo.

- Um namorado, bem idiota. Que não cuida da sua namorada. Letícia, você está bem!? – era o Leonardo que estava perguntando.

- Merda! Letícia!? Deitem ela! Ela vai desmaiar. – a Caty parecia aflita.

Eu estava suando frio, senti o meu corpo tremer contra o chão.

 

MIGUEL

 

Ver a Letícia conversando com aquele cara me deixava louco. Eu me dirigi na sua direção e olhei dos olhos dos dois.

- Ela tem namorado. – eu disse irritado.

- Um namorado, bem idiota. Que não cuida da sua namorada. Letícia, você está bem!? – ele disse e eu virei o meu rosto na direção da Le.

- Letícia!? – eu a chamei e ela nem conseguia sustentar cabeça para me olhar.

Ela nem tinha forças para se segurar no meu ombro. Como eu nem prestei atenção nela!? Eu me senti aflito naquela situação.

- Merda! Letícia! Deitem ela! Ela vai desmaiar. – a Caty disse preocupada.

- Letícia!? Droga! – o Leonardo disse vendo o corpo dela tremendo contra o chão.

- Precisamos de ajuda. – ela disse e ao fundo vi o Steve aparecendo de carro.

O que ele estava fazendo aqui!? Ele se aproximou na nossa direção e apertou o passo quando percebeu que era a Le no chão.

- Meu deus! Acorda. – eu pedi baixinho. – O que você fez com ela!? – eu disse acusando o Leonardo.

- Não fiz nada. Mas a sua namorada precisa de um namorado de verdade. Ela estava te chamando e passando mal e você nem aí. Só queria saber de brigar comigo. Coisa de macho idiota! – ele disse.

- Letícia! – o Steve nos rodeou. – Catarina, o que aconteceu com ela!? – ele disse.

- Não sei ainda. Dá para ficarem calados todos vocês! Preciso entender e com vocês falando não consigo nem ver a pressão dela. – ela disse séria.

Todos nós ficamos calados e quietos.

- Queda de pressão. Pressão bem baixa. Dá para parar de pressionar ela!? Hein!? – ela disse séria. Que garota era essa!? Parecia outra pessoa! Séria e muito segura no que fazia. – Preciso de uma garrafa de água. – ela disse e ela me olhou enquanto eu pegava a garrafa.

- Segura ela em seus braços. Preciso refrescar o rosto dela. – ela disse e abriu a garrafa.

Ela tirou a blusa ficando apenas de sutiã na nossa frente.

- O que foi!? Até parece que nunca viram uma mulher de sutiã. Que idiotas! – ela disse e passou a blusa molhada no rosto da Le.

A Lê começou a se remexer nos meus braços lentamente.

- Tá acordando. – eu disse baixinho.

- Tá. Mas ela tá sobre muita pressão e você como namorado precisa apenas apoiar ela. E você! – ela disse apontando para o Leonardo. – Isso que a Letícia está fazendo, te ajudando, é mais do que pensa. Ela está indo contra a família dela para fazer isso. Por isso, escuta mais. – ela disse.

- E você! Cuida da sua prima! – ela disse para o Steve séria e se virou para a Lê.

- Lê, você lembra o que aconteceu!? – ela perguntou super focada.

- Eu…não sei…acho que falando com o Leonardo. Eu lembro alguma coisa. – ela disse lentamente.

- Eu posso leva-la para casa!? – eu perguntei.

- É o melhor. Leva ela em casa. Graças a deus, não saiu dirigindo assim. Precisa comer alguma coisa e descansar. Pede para tia Ava checar ela. – ela disse e eu assenti a pegando nos meus braços.

Eu começava a sentir arrependimento do que estava fazendo. Com cuidado sentei a Lê no banco do carro e coloquei o cinto de segurança.

- To zonza, Miguel. – ela sussurrou para mim baixinho.

- Eu sei, meu bem. Vou te levar em casa. – eu disse e beijei a sua testa.

Eu dei a volta ao carro e me sentei para começar a dirigir. Rapidamente chegamos em casa dela e eu parei o carro em frente da casa e voltei a pega-la no colo. Ela estava sem energia e cansada.

A Marta me abriu a porta e me olhou preocupada.

- Letícia, minha filha! Oh, meu deus! Vou chamar sua mãe. – ela disse e saiu correndo até a sala de jantar.

A tia Ava apareceu correndo com o marido preocupados.

- Eu vou deitar você no sofá. Sua mãe precisa te ver. – eu sussurrei para ela.

Eu a deitei com cuidado.

- O que aconteceu com ela, Miguel!? Pega as minhas coisas, Gustavo. – ela disse e ele saiu rapidamente.

- Desmaiou na rua. Ficou tremendo no meio do chão e suando muito. Eu estava brigando com o Leonardo e isso aconteceu. – eu disse preocupado.

- Me deixe te ver, meu amor. – ela disse preocupada e logo os irmãos dela entraram preocupados.

- O que fez com a minha irmã, Miguel!? – o David disse sério e fechando a cara.

- Nada. Ela passou mal na rua. Estou preocupado também. – eu disse.

- Tá suando ainda. Mas não tem febre. Eu…espera…o que estavam conversando quando ela ficou assim!? – ela perguntou e eu a olhei.

- A Letícia estava brigando com o Leonardo que ele não entendia nada e que ela sabia melhor do que ninguém o que essas meninas passavam e depois eu comecei a brigar por eles estarem ali. Ela me chamou e depois desmaiou.

- Entendo. – ela disse. – Estresse e pressão muito baixa. Anda comendo muito mal também e treina intensamente. Só podia acontecer isso. Miguel, preciso que adapte o plano dela. Ela não pode fazer todo esse esforço sem comer. – ela disse.

- Será difícil, Dona Ava. Ela quer sempre os treinos mais pesados. Mas posso controlar melhor o que come. – eu disse e ela assentiu.

- Precisa fazer programas de namorados com ela. Precisa tirar ela desse estresse. – ela disse preocupada.

- Minha filha!? – ela a chamou.

- To zonza e to enjoada. – ela sussurrou.

- Peguem alguma coisa para ela comer, por favor. – ela pediu e o David saiu para pegar.

Ele apareceu com uma barra de cereal e um lanche para ela. O pai da Letícia se sentou a suportando no seu peito e a ajudando a comer.

- Gustavo, se certifica que ela come tudo direitinho. Não pode sair para trabalhar assim, sem nem comer direito. – ela disse e o James e a mulher dele apareceram preocupados.

- Ava, o que essa menina tem!? – ele estava muito preocupado e muito estressado ao ver aquilo.

- Desmaiou, James. Estresse e sem se alimentar direito. – ela disse preocupada o olhando e ele respirou fundo preocupado.

- Minha princesa, está melhorando!? – ele perguntou.

A Lê o olhou e assentiu.

- Estou bem agora. Não foi nada. – ela disse sorrindo.

- Que susto que me deu! – eu disse preocupado.

- Está tudo bem, Miguel. Foi um pequeno mal-estar. – ela disse.

- Vocês são um casal muito esquisito. As garotas usam sempre aqueles apelidos carinhosos. – disse o Raul rindo.

- Não somos estranhos. – eu disse.

Ela me olhou e eu a olhei de volta.

- Só não gosto de fazer isso na vossa frente. – ela disse e eu a olhei de novo.

- Sua irmã, não gosta de mostrar isso na vossa frente. – eu disse sorrindo. – Ela é uma namorada muito carinhosa. – eu disse.

- Miguel! – ela disse me avisando.

E todos riram divertidos. A Letícia sentia dificuldade em fazer isso e ainda mais porque o nosso namoro nem era de verdade.

- Eu posso levar você para o quarto. – eu disse a olhando.

- Eu posso fazer isso, não precisa. – ela disse se levantando, sempre teimosa.

Ela perdeu o equilíbrio e o pai dela e o irmão a seguraram rapidamente evitando que cai-se.

- Eu posso levar, Gustavo. – o tio James disse a carregando no colo preocupado. – Está se sentindo melhor!? – ele disse.

- Estou. Só foi um mal estar, tio. – ela disse e ele contorceu a boca.

A forma como ele se preocupava era extrema e muito estranha. Era quase excessiva. Eu os segui até ao quarto e ele a deitou na cama.

- Por favor, fica por aqui se ela precisar. – ele disse.

- Claro que fico. Pode ficar tranquilo. – eu disse e me sentei do lado da cama.

A Le fechou os olhos respirando lentamente preocupada.

- Relaxa, vou cuidar de você. – eu disse acariciando os seus cabelos suados.

- To cansada. – ela disse e eu coloquei uma coberta sobre ela.

Em minutos dormiu tranquilamente e eu me sentei na cama acariciando os seus cabelos preocupado. O tio dela parecia mais o pai dela. Que coisa tão estranha. Eu achava estranho o jeito que ele tratava a Letícia. Se preocupava demais.

 

STEVE

 

- Dá para colocar uma blusa!? – eu disse sério fechando a cara.

- O que tem!? Estou te incomodando!? – ela perguntou sério se aproximando de mim.

Eu não conseguia tirar os olhos dela. Ela era linda, seios fartos, olhos enormes e penetrantes. Eu estava perdendo a noção de tudo. O meu desejo estava me enlouquecendo.

- Não, não está. Já vi muita mulher. Você sabe que tive várias namoradas e agora estou com a Sandra. – eu disse sério.

- Verdade mas também sei que não parece nada envolvido por ela. Se envolveu porque ela tem uma boa classe social e é filha do amigo do seu pai. Não sabe o que é estar apaixonado. Eu gosto de ser amada e de sentir que sou amada pelo meu namorado. – ela disse séria.

- Mas tá sozinha agora. – eu disse sério a olhando.

- To sim, mas porque não me apaixonei por ninguém especial. – ela disse.

- Especial!? – eu disse rindo e gargalhando.

- É especial. Qual é o seu problema com isso!? Sou eu que escolho com quem eu me envolvo e você nunca fez o meu género de garoto. To como a sua prima fala, tem falta de tesão em você. Falta de hummm….- ela disse séria me olhando nos olhos e se virou para sair dali. – Por isso só as garotas sem sal nenhum se interessam por você. Sem tesão. – ela disse.

Eu a virei de frente para mim e a olhei intensamente nos olhos.

- Falta de tesão!? – eu perguntei.

- Muita. Se envolve com qualquer uma. Não é corajoso o suficiente e homem suficiente para se apaixonar por uma mulher de verdade. Mas você nunca vai entender nada disso que estou falando, não é mesmo. – ela disse e se elevou em seus saltos e sussurrou no meu ouvido. – É muito frouxo. Falta de tesão. – ela disse provocadora. – Agora me solta. – ela disse.

Eu a puxei para mim e a beijei furiosamente e irritado. Parecíamos dois selvagens nos beijando. Eu a puxei para o meu colo a fazendo se erguer e envolver as pernas em volta da minha cintura. Eu me sentia muito excitado com ela me beijando daquele jeito provocador e batalhado com a língua na minha boca. Ela era intensa, a sua mão arranhando as minhas costas e eu a juntando cada vez mais ao meu corpo. Parecíamos dois loucos pegando fogo. Eu a olhei e ela riu divertida e debochada.

- Falta muito, para demonstrar tesão. – ela disse descendo do meu colo. – Boa sorte com a mosca morta da sua namorada. Espero que se divirta muito, com alguém tão sem sal. – ela disse gargalhando e saindo rebolando me deixando furioso.

- Catarina! CATARINA! Volta aqui! – eu disse sério e irritado.

- Boa sorte, querido. – ela disse.

Essa garota ia me enlouquecer, mas não ia perder por esperar pela minha vingança. Ninguém me chama de frouxo e fica por isso mesmo.


Notas Finais


Gente e aí!? O que acharam dessa preocupação do tio James!? E a situação entre Letícia, Miguel e Leonardo!? E Steve e Catarina!? Quero saber de tudooooo.....Bjs, :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...