História Changes - Jikook ABO - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, EXO
Personagens Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jisoo, Jungkook, Kai, Lisa, Personagens Originais, Rap Monster, Rosé, Suga, V
Tags Abo, Colegial, Gay, Got7, Holland, Idols, Jikook, Kard, K-pop, Lisoo, Namjin, Sope
Visualizações 35
Palavras 3.090
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Sobrenatural, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi oooi aproveitem o capítulo. E boa leitura. Segue uma frase motivacional.

"Nem toda mudança vem para o bem. Mas todas, de alguma forma, te fazem evoluir"

Capítulo 2 - BTS Fraternity


Fanfic / Fanfiction Changes - Jikook ABO - Capítulo 2 - BTS Fraternity

A Trinity era tudo o que eu esperava que fosse era o primeiro dia e havia muita gente pra todo lado, barraquinhas e stands armados em ambos os lados da trilha que levava ao prédio principal. A Universidade toda era composta por cinco prédios dedicados aos cursos e outros três adjacentes, dois de alojamentos e um de administração, e aos arredores do terreno ficavam as casas das fraternidades que eram comuns nas Universidades norte-americanas. Eu estava andando pela trilha de pedras brancas enquanto ouvia propostas para entrar em clubes, grupos academicos e fraternidades.

Não pretendia entrar em nada, e não achava que me encaixar em fraternidades, então eu ia pagar um quarto nos dormitórios pra eu ficar, não podia bancar um apartamento em Manhattan, eu tinha bastante dinheiro, porque meu pai me dava uma pensão boa equivalente a dois mil e quinhentos dólares por mês, isso sem contar o dinheiro da mensalidade dos meus dois cursos, mas não era o suficiente para manter um apartamento sozinho e Lalisa amava morar no campus. Devido ao meu super histórico escolar, a Trinity aceitou a minha proposta de fazer dois cursos no mesmo período de tempo que eu estivesse lá, então eu não precisava esperar o de fotografia terminar para fazer o de dança.

De início, meu pai se recusou a pagar pelos meus estudos porque ele queria que eu fizesse Medicina e Administração para trabalhar com ele na sua rede de hospitais famosos na Coreia por terem tecnologia de ponta, melhores instalações e tratamentos baratos. Mas então a minha mãe ameaçou ir até a imprensa e dizer que o tão generoso e bondoso doutor Park Jihyon se recusava a pagar pela educação profissional dos filhos, e ele não viu outra opção senão pagar. Mais uma vez Park Chin-Sun salva os sonhos do seu filho e é por isso que eu digo que ela é a melhor mãe do mundo, o meu anjo da guarda e a pessoa que eu mais amo em todo o universo.

Eu estava pensando na minha mãe, em como ela devia estar sozinha agora, e caminhando na mesma direção ignorando os veteranos que me estendiam pranchetas para entrar em clube do livro, xadrez, música, teatro e todas essas coisas que eu não quero fazer e ignorando também os alfas que assobiavam e me cantavam enquanto eu passava, até que um anúncio muito incomum me chamou a atenção. Veio na voz brincalhona, divertida e animada de um rapaz que não consegui enxergar até que ele subiu em um banquinho e se destacou entre o mar de stands no gramado. Ele já era alto, asiático, tinha os cabelos tingidos de roxo e era dono de um par de covinhas adoráveis falava em um alto falante potente.

"Você é gay? Está cansado dessa sociedade hipócrita e fraternidades cheias de enrustidos..." Um outro garoto alto bateu no ombro do de covinhas e ele revirou os olhos "Fraternidades cheias de pessoas que não tem coragem de assumir seus desejos sexuais diferentes dos considerados normais?" Perguntou ele outra vez, só que em um tom menos animado "Então a BTS é o seu lugar, anjo. Porque não aceitamos heteros na nossa fraternidade. Venha encontrar o que tem no final do arco-íris com a gente. Entre na BTS, esse ano com vaga para lésbicas também!" Ele terminou.

Eu não pude evitar abrir um sorriso gigante, uma fraternidade de gays, com um cara super fofo e gostosinho nela e de quebra me faria economizar uma grana e tanto, seria esse um sonho? Não pensei duas vezes antes de agarrar a minha mala e caminhar na direção do stand colorido e com uma enorme bandeira lgbt estendida sobre a bancada. Haviam quatro garotos junto com o das covinhas, o que bateu no braço dele antes, era um rapaz de cabelos castanhos, bem alto e também com uma cara fofa, tinham outros dois sentados, um platinado lindo que parecia um anjo e um ruivo com uma expressão simpática e acolhedora também muito bonito e por ultimo tinha um de cabelos azuis, cara de poucos amigos e no meu curto caminho até lá ele bocejou duas vezes, parecia um bebê de mau humor. Todos eles asiáticos, gays e lindos, havia lugar onde eu me encaixaria melhor naquele campus? Era simplesmente perfeito demais para ser de verdade.

- Por favor, me diz que isso aqui não é uma pegadinha - Sorri olhando para o garoto das covinhas.

- Talvez o seu maior sonho, mas pegadinha não. Jin, não permitiria uma coisa dessas - Ele sorriu para o garoto do seu lado e então estendeu a mão para mim, ele era um alfa, identifiquei pelo cheiro. - Sou Kim Namjoon, você é gay?

- De carteirinha - Respondi a pergunta dele e ele riu - Park Jimin - Me apresentei apertando a mão dele de volta.

- Não brinca! Park Jimin? O da televisão? Que beijou o juiz do decatlo acadêmico no ano passado? - O platinado perguntou parecendo impressionado.

- Culpado. - Respondi levantando as mãos.

-Cara, você é minha religião depois da Halsey - Ele brincou, sorrindo, era ainda mais bonito sorrindo - Kim Taehyung - Se apresentou. Ele também era um alfa.

- Desculpe por isso. Tae é meio inconveniente às vezes, mas é um anjo - O de cabelos castanhos, um ômega, falou para mim - Kim Seokjin, é um prazer, Park - Disse em um tom simpático e formal - O ruivo é o Jung Hoseok, e o branquinho de cabelo azul é o Min Yoongi - Apresentou os outros apontando para cada um deles.

- Oi, baixinho - Hoseok acenou para mim. Hoseok era lindo, um sorriso de deixar qualquer um tonto, ele era um beta.

- Oi - Yoongi nem olhou para mim, continuou olhando a movimentação do campus. Ele também era um ômega, mesmo não parecendo nada com um.

- Oi, ruivo. Oi, Min Yoongi. É um prazer conhecer vocês - Cumprimentei, gentilmente.

- Então, agora que conhece o pessoal, tem interesse na fraternidade? - Seokjin perguntou

- Se eu tenho interesse? Migo, eu to quase me ajoelhando aqui pra poder entrar - Falei rindo. Seokjin e Namjoon também riram. Jin estendeu uma prancheta para mim e uma caneta.

- Então assina aqui e sua alma está vendida - Seokjin brincou. Haviam outros três nomes na prancheta, mas não li eles.

- Vendido - Sorri.

- Ah! Finalmente, Jungkook, achei que teria que cavar um poço pra poder beber água - Taehyung exclamou, falando com alguém atrás de mim. Um cheiro novo, diferente e inebriante me atingiu

- Que exagero, TaeTae - O garoto riu.

E foi instantâneo, quando a voz dele chegou aos meus ouvidos, um arrepio percorreu meu corpo todo, e foi estranho, mas um estranho bom. Virei para trás e me deparei com o cara mais bonito que já vi na minha vida, um alfa, ele era mais alto que eu, tinha os cabelos pretos, lábios finos e um sorriso lindo com os dois dentes da frente grandinhos, parecia um coelhinho e eu quase me derreti com aquele sorriso. Porra ele era muito lindo. Jungkook olhou para mim e abriu um tipo diferente de sorriso, não era espontâneo como o que ele lançou para Taehyung, era simpático, mas contido, o tipo de sorriso que damos para desconhecidos e aquele não me afetou tanto quanto o outro e eu só queria saber quando ele ia sorrir daquele jeito para mim.

- Oi - Ele disse, simpático

- Oi - Respondi, meio sem jeito, seu cheiro estava me deixando doido e eu não queria demonstrar isso

- Vai entrar pra turma? - Perguntou, sem desviar o olhar e aqueles olhos amendoados eram muito lindos.

- Acabei de vender minha alma pra Seokjin - E foi a primeira vez que eu fiz ele rir, um riso contido, mas mesmo assim gostoso de ouvir

- Que ótimo. Seja bem vindo então, eu sou Jeon Jungkook - Ele até ia estender a mão para mim, mas se atrapalhou porque estava segurando uma caixa cheia de copos com água.

- Obrigado, Jeon. Sou Park Jimin - Falei acenando para ele como forma de cumprimentá-lo

- Park Jimin? Que beijou um cara hétero em um programa ao vivo? - Ele levantou uma das sobrancelhas.

- Todo o mundo viu isso? - Perguntei rindo.

- Todos os coreanos - Namjoon corrigiu.

- Vocês são todos da Coreia? - Olhei para o cara das covinhas.

- Todos coreanos, e tirando o Jungkook, geral aqui é de Seul - Ele explicou

- Você é de onde? - Voltei a olhar para Jungkook

- Nasci em Busan, mas morei um tempo em Seul, acho que uns dois anos só - Ele respondeu - E você? - Ele perguntou e, loucura minha ou não, ele parecia interessado em saber

- Busan também. Mas morava em Seul até ontem - Encolhi os ombros.

- Okay, Busan Boys. Vamos arrumar isso aqui, conseguimos os quatro que precisavam então nosso trabalho aqui está feito - Yoongi disse, num tom irônico e mal humorado no final.

- Ele foi o último? - Jungkook perguntou

- Sim, esse anjo caiu do céu porque o Namjoon já estava apelando. Ele usou o alto falante - Taehyung falou. Se levantou da cadeira e começou a guardar as coisas.

- Eu estava usando do meu charme vocal para chamar a atenção das pessoas - Namjoon explicou

- Charme vocal? - Seokjin perguntou sorrindo

- Fui atraído pelo charme vocal dele. Com todo o respeito, Seokjin - Falei brincando.

E minha brincadeira fez todos eles rirem, até mesmo Yoongi, o que me fez pensar que eu tinha falado alguma coisa errada.

- O que foi? - Perguntei, um pouco sem graça

- Nós... não temos nada - Namjoon disse, tão sem jeito quanto eu

- Ah! Me desculpe é que pareceu que...-

- Ta bom, esse stand não vai se desmontar sozinho, queridos - Seokjin falou para desviar do assunto - Vamos. Todo o mundo ajudando, você também, anjo - Ele olhou para mim.

- Sim, Omma - Hoseok falou, rindo baixinho.

- É melhor não fazer piadinhas, Hobi. Jin está certo, vamos arrumar isso - Namjoon começou a desmontar o stand, tirando a bandeira primeiro.

- Sim, Oppa - Hoseok respondeu e dessa vez eu ri com ele.

Eu deixei minhas malas em um lugar seguro e ajudei eles a guardar as coisas, vez ou outra olhando para Jungkook, tinha alguma coisa nele que me fazia querer olhar o tempo todo, observar seus movimentos, os sorrisos que nunca eram direcionados a mim e suas expressões que variavam entre concentração, animação e serenidade. Tudo nele era interessante pra mim, por que? Eu ainda não sabia, mas não ia demorar para descobrir.

Depois que terminamos de juntar tudo, levamos para os carros no estacionamento, a maior parte das coisas foi no carro do Seokjin, minhas coisas e o resto do stand ficou no carro do Namjoon. A turma ficou dividida nos dois carros, Yoongi e eu no carro do Namjoon e os outros no carro do Seokjin. Yoongi preferiu ir no banco de trás e dormiu ainda antes de Namjoon dar a partida no carro.

- Ei, me desculpa por aquilo antes eu realmente achei que você fosse o alfa do Seokjin, não foi provocação ou algo do tipo. Não vi que ele não tinha uma marca. - Falei para Namjoon e ele sorriu.

- Não precisa se desculpar, anjo, você não é o primeiro que pensa isso. Mas na verdade, eu e Jin somos só amigos, melhores amigos. Eu... gosto muito dele, é um cara incrível. Nós dois que tivemos a ideia dessa fraternidade. - Ele explicou, sorrindo a cada palavra. Eles podiam não ter um compromisso, mas certamente tinha sentimentos ali.

- Você gosta dele... - Sorri, negando com a cabeça - Sério? E como foi isso? - Perguntei curioso

- Anjo... não me coloca numa situação dessas - Ele riu antes de se apressar em responder a minha pergunta - Eu e Jin eramos alunos de intercâmbio, no nosso primeiro ano aqui ficamos muito deslocados e é claro que teve preconceito por causa da nossa sexualidade e muitas piadinhas porque dividimos o dormitório por um bom tempo, ele é um ômega, eu um alfa é incomum que sejamos só amigos. No segundo ano nós conhecemos o Yoongi e a nossa turma aumentou, nós alugamos um apartamento fora do campus e numa noite a gente tava comendo pizza e eu disse "A gente devia abrir um clube dos gays" aí o Jin  disse "Uma fraternidade só pra garotos gays sim seria legal" e a ideia surgiu assim. O nome foi no mesmo dia, Yoongi perguntou qual seria e eu pedi pra cada um escolher uma letra, Yoongi escolheu B de "bed"¹, Jin disse que gostava de T e eu escolhi S. Depois o Jin comprou uma casa desocupada no campus porque ele é rico pra caralho e abrimos a BTS - Ele terminou, já estacionando na frente da casa.

- Por que escolheu S? - Perguntei

- Porque amo Seokjin, satisfeito? - Confessou - Acorda o branquelo - Ele disse sorrindo e saiu do carro

Eu sorri com a resposta dele e coloquei na cabeça um objetivo para aquele ano, além de passar nas provas e essas coisas. Eu ia juntar um casal, tornar Namjin real, e isso me deixou instantaneamente animado, tudo naquele dia estava sendo incrível, eu tinha chegado no campus dos meus sonhos, da universidade dos sonhos, conheci o grupo de alunos mais legais daquele lugar, tinha feito amizade com o alfa mais fofo do mundo e também tinha conhecido o cara mais gato que já vi na vida, que pra melhorar estava em uma fraternidade gay, o que queria dizer que eu tinha uma chance de dar uns beijos nele.

Mas, tudo estava perfeito demais pra ser verdade, o dia de Park Jimin nunca era só maravilhas então eu devia ter desconfiado que uma bomba iria cair na minha mão. Quando eu saí do carro, depois de acordar Yoongi e descobrir que isso era punido com a morte quando ele não estava todo desconfortável, comecei a pegar as minhas coisas do porta malas para levar para dentro, eu estava com duas caixas, uma mala e uma mochila, a maioria das minhas coisas estava em casa na Coreia, tudo na verdade, eu tinha trazido só o mais essencial e básico. Não demorou muito para que a voz dele, que me arrepiou todo mais cedo, causasse o mesmo efeito quando ele ofereceu ajuda.

- Deixa que eu levo isso pra você - Jungkook pegou as duas caixas e sorriu, de novo o sorriso simpático.

- Obrigado - Falei, forçando um sorriso porque não gostava do jeito que ele sorria pra mim, gostava de como ele sorria para os outros

- Certo - Ele disse mais sério e entrou na casa com as caixas - Jin, onde o Park vai ficar? - Indagou

- Vai dividir o quarto com você, já que você está sozinho - Jin respondeu.

- Você também não tem um colega de quarto. E ainda tem um quarto sobrando - Jungkook comentou

- Eu sou o dono disso aqui, amor, e o outro quarto é para as garotas novas que chegam a noite. Você é hetero, não vou colocar você com uma garota.

- Uma garota lésbica, além disso uma delas é alfa não teria perigo algum e...

E eu não ouvi o resto da discussão porque estava em choque, Jungkook era hetero, ele era lindo demais mesmo para ser prefeito na mesma medida, mas eu não queria ter segurado essa bomba assim tão de cara, e foi assim que meu coração com um leve crush no coelhinho ficou despedaçado. Agora eu ia ter que voltar para o meu plano inicial e dar uma chance para o Hoseok.

- Anjo? Jimin! Heeei! - A voz de Jin me trouxe de volta ao mundo real

- Oi! Desculpa, o que foi? - Olhei para ele.

- Você se importa de dividir o quarto com o Jungkook? - Perguntou

- Oh! Não, ele que parece ter algum problema com isso. Eu fico onde der - Respondi sem olhar para Jungkook que estava do meu lado.

- Eu não tenho problema com isso eu... Ah, vamos logo - Ele deu as costas e caminhou na direção da escada.

Jin sorriu para mim de um jeito que eu não entendi, então eu segui Jungkook, nem prestei muita atenção na casa naquele primeiro momento porque estava tentando desarmar a bomba que jogaram no meu colo e totalmente focado na minha situação horrível naquele instante, com um crush num cara hétero que não me queria por perto, será que tinha como ficar pior? Claro que sim, na vida de Park Jimin as coisas sempre conseguem piorar. Quando chegamos no quarto ele colocou a minha caixa na cama desocupada e me ajudou com o resto das coisas.

- Olha, se você não foi com a minha cara e não quer que eu fique aqui, posso dizer para o Jin que você tem gases e ele me muda de colega.

- Não! Sério, Park eu não tenho nenhum problema com você. Nem gases e não ronco também - Ele explicou brincando - Eu só não estou acostumado com isso.

- Dividir o quarto com um cara gay? Eu não vou abusar do seu corpo gostosinho, fique tranquilo. - Provoquei, afinal, eu ainda podia me divertir.

A reação de Jungkook me fez querer rir muito, mas me controlei, até porque eu estava surpreso não é sempre que se vê um alfa corar. Ele ficou todo vermelho e sem jeito, tão fofo, tão adorável e hetero...

- Também - Ele respondeu a minha pergunta e eu não entendi essa resposta.

- O que um garoto hetero faz em uma fraternidade gay? Tipo... quem deixou você entrar aqui, Migo? - Brinquei e ele riu. Ouvir Jungkook rir era muito bom, de um jeito inexplicável.

- Acredite ou não, esses malucos são meus únicos amigos. Sou calouro também, entrei esse ano na Trinity. Vim pra fraternidade porque, além de serem meus melhores amigos, o reitor da universidade queria fechar a BTS por serem apenas cinco membros, ele disse que se Jin e Namjoon conseguissem pelo menos mais quatro eles podiam deixar eles continuarem. Faço parte do grupo há mais tempo, Tae é meu primo e, desde que vim morar com meus tios eu saio com esse monte de gente colorida - Ele explicou sorrindo - Então, eu quis ajudar e aceitei entrar na fraternidade. Eles abriram vagas pra garotas pra ver se batiam a meta e conseguiram. Você é um de nós agora, Park. Bem vindo a BTS - Jungkook estendeu a mão e sorriu outra vez

E porra, era aquele sorriso, o que eu queria que ele abrisse pra mim. E naquele momento eu vi que as coisas podiam sim piorar e que eu estava completamente ferrado.


Notas Finais


Conheçam um pouco mais do meu Jimin-ah! E no próximo capítulo também vai ter muito mais de Park para vocês. Uma dica: Park em dose dupla u.u


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...