1. Spirit Fanfics >
  2. Chantagem (Taekook) >
  3. Three

História Chantagem (Taekook) - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Hi Amis!
Eu estou muito agradecida por todos os favoritos e comentários, foi bem melhor do que eu esperava e vocês me deram muita força. Pretendia postar aos domingos, mas fiquei tão animada que esse capítulo saiu mais rápido do que eu imaginava.
Fiz com muito amor e espero que vocês gostem!
Interajam, dêem suas opiniões, me contém e eu estou fazendo um bom trabalho

Boa leitura!

Capítulo 4 - Three


- Ei! Ei! Ei! Muito cuidado com o meu lindo rosto! 
- Eu devia ter te colocado como sparing antes, Hobi! – Namjoon ri, e Hoseok tenta mostrar a linha para ele, mas acaba se atrapalhando em desviar de um Jab de Jeongguk e cai no chão. E agora Namjoon gargalha enquanto Hoseok geme no chão. Ele está parecendo um bolinho de tão almofadado, o capacete de proteção aperta suas bochechas, conferindo a ele uma aparência fofa e engraçada, mas nem isso faz com que Jeongguk perca sua concentração no dia de hoje. 
- Ah, qual é?  Você não pode estar mesmo com raiva de mim! – Hobi se levanta do chão e atira seu capacete na lona, mas o Jeon continua em posição de luta o olhando com indiferença. – Eu salvei o seu rabo, cara! 
Jeongguk suspira e sai do ringue tirando suas luvas. Ele não está zangado com Hoseok ou nada disso, na verdade lá no fundo ele é grato pela ajuda do amigo, mas nessa manhã ele achou outra das cartas com cobranças de dívidas no meio das toalhas de sua mãe. Ela claramente havia tentado esconder isso dele. 
- Não estou com raiva de você. – Ele por fim diz.
- Não foi o que pareceu quando você estava atacando ele como se fosse uma luta real, cara. - Namjoon diz, recolhendo o capacete de Hoseok do ringue e se aproximando para ajudar o Jung a se livrar de todo o material de proteção que mais cedo ele sabiamente aconselhou o dançarino a usar. 
- É sério. Eu só não 'tô em um dia bom. - Jeongguk se defende. 
- Acho bom mesmo, porque eu te arrumei um namorado muito gato e uma bolada! – Hoseok diz, tentando se livrar das espumas de proteção das pernas ainda com as luvas de boxe nas mãos, sacudindo-se com impaciência. Seu movimento faz Namjoon se desequilibrar um pouco e no processo rasgar a proteção do braço esquerdo de Hoseok que ele estava tentando ajudar a tirar.
A cena toda faz Jeongguk gargalhar e finalmente liberar toda a tensão que se prendeu em seus músculos quando ele viu aquela carta. Quando ele sorriu, lembrou que sempre poderia contar com seus amigos para tudo. Mesmo sem fazer esforço algum, aquelas pessoas melhoraram totalmente o seu dia, sendo lhe apoiando, lhe dando conselhos e lhe fazendo sorrir. Por isso, ele se sentiu mal com o modo que havia tratado seus hyungs por toda a manhã. E tão fácil como o sorriso veio, ele foi embora, afundado pelo seu arrependimento.
- Desculpa mesmo, Hobi. Eu não queria atacar você realmente, eu só...
- 'Tá tudo bem, Kook. Só espero que você vá pra cima do seu adversário da luta tão bem quanto foi 'pra cima de mim. - Hoseok sorri.
- Também não é como se você fosse lá um grande oponente, Hobi. - Namjoon zomba e leva um golpe com as luvas já removidas do dançarino. Por fim, Jeongguk se aproxima também para livrar o amigo do equipamento de proteção.
- Mas eai, seu namorado é tão bonito assim como o Hobi disse? - Namjoon pergunta quando eles já estão saindo da academia.
- Qual é a desse complô contra mim hoje, hein, Namjoon? Até parece que eu não sei julgar beleza - Os amigos riem do bico emburrado de Hoseok.
- Ele não é meu namorado de verdade! – Jeongguk se defende. - E além disso, não reparei muito nele, Hyung. Mas isso também não é muito importante. Meu foco é a grana. 
- Mentiroso! Eu bem vi você dando umas encaradas nele, e tenho certeza de que não tinha nada a ver com o dinheiro. - Hoseok provoca, dando olhares maliciosos ao Jeon. 
- Tudo bem, tudo bem. Eu admito que ele é bem... bonitinho sim. - Jeongguk sente suas bochechas esquentarem. Ele não é nenhum virgem rogado, mas realmente não tem experiências com relacionamentos e nunca conseguiu vencer totalmente sua timidez com certas coisas. E ele admitia, mesmo que não em voz alta, que Kim Taehyung era muito mais do que bonitinho. O garoto era atraente de todas as formas. Sua beleza era notável sim, mas ele tinha algo mais, alguma coisa na sua voz grave, seu jeito de andar e nos seus olhos. Principalmente nos seus olhos. Como se ele visse muito além da superfície, por baixo da pele e para dentro da alma.
- Eu sei que nós estamos levando isso tudo meio que na brincadeira, mas você tem que ter muito cuidado nessa situação, Kook. - Namjoon para de andar, e olha para os lados antes de prosseguir dizendo. - É muita grana envolvida e eu entendo que ela pode parecer chamativa na sua situação, mas por favor não se envolva muito. O que esse garoto pretende fazer ainda é chantagem, usando a imagem dele, sim, mas arrancar dinheiro de alguém dessa forma é crime. A lei não vai ligar se ele teria direito sobre isso no futuro e muito menos vão ligar pra você. Você seria cúmplice e talvez saia mais fudido dessa história. 
Um arrepio subiu pela coluna de Jeongguk. Ele já tinha pensado em tudo isso, mas com a preocupação gravada na face de Namjoon e o olhar sábio do amigo que sempre foi seu guia, amplificou a voz do seu medo.
Ontem a noite depois de ter aceitado a proposta de Taehyung, depois de estar em casa e por fim deitado em sua cama tudo veio à tona. Ele passou a noite em claro, hora se revirando inquieto na cama, hora olhando para o teto, pensando e pensando se tinha feito o certo.
5 mil dólares era muito dinheiro para um garoto como ele, e não aparecia fácil assim. O plano todo poderia soar muito inocente de fora: ajudar o garoto rico no seu teatro para conseguir o que quer dos pais. Mas tinha tantos riscos. Mexer com gente rica e poderosa como eles era um jogo perigoso, veriam ele como uma ameaça ao seu filhinho. Pessoas assim não lidam bem com ameaças à paz de suas vidas perfeitas.
Então, por toda a noite ele reafirmou e reafirmou em sua mente que seria fácil, que ele precisava disso para ajudar sua família, pagar as dívidas e talvez investir no seu sonho. Afastando toda a ideia de riscos.
E quando ele viu a carta essa manhã, só teve mais determinação. Lembrar do esforço da sua mãe de esconder dele a situação deles, as dívidas que não paravam de se acumular e todo o trabalho dela para mantê-los; e mesmo assim, estar sempre sorrindo, sempre cuidando dele. E com essa ideia, o Jeon resolveu assumir o risco.
- Eu vou tomar cuidado. - Ele afirmou, Namjoon balançou a cabeça e lhe deu um olhar tranquilizador, ainda cheio de preocupação, mas quase um incentivo. Uma marca de que ele confiava em Jeongguk, porém ainda assim temia por ele.
- Ai, vocês de repente ficaram muito sombrios, credo! - Hoseok bufou enquanto continuava a caminhar. - Vocês vão se encontrar hoje não é, Kook? Eu quero ir também.
- Sim, vamos. Ele vai me dizer bem o que eu preciso saber, tipo combinar as coisas na nossa história. 
- Eu vou também! - Hobi deu um sorriso animado. - Não quero perder nem um detalhezinho disso. É tão empolgante, parece um filme. - Ele bateu palminhas. Namjoon andando ao seu lado balançou a cabeça com um sorriso para toda a animação de Hoseok. Jeongguk resolveu só revirar os olhos e ignorar, mas não pôde porque logo Hobi começou a cantar a música tema de Uma Linda Mulher e o Jeon se viu obrigado a correr atrás dele para esbofeteá-lo.

                                ×.×.×.×

A lanchonete que Taehyung se encontraria com Jeongguk tinha uma fachada pintada em rosa claro acolhedora, um lugar pequeno e charmoso que destaca dos prédios meio malcuidados ao redor.  Quando ele entrou, o sininho da porta soou e uma voz melodiosa vinda do que ele imaginou ser a cozinha pediu que esperasse.  Olhando ao redor, ele percebeu que o Jeon não havia chegado, e uma centelha de nervosismo ascendeu nele. 
Ele se sentiu mais aliviado pelo clima aconchegante do lugar. Era pequeno, porém bem iluminado, com um cheiro maravilhoso flutuando no ambiente e uma música pop melódica tocando baixinho. Tirando ele próprio e um casal de idosos sentados em uma mesa próxima a janela, o restaurante estava vazio, então ele pôde escolher uma mesa que lhe pareceu mais discreta.
Taehyung odiava esperar. Era um tempo ocioso no qual ele não sabia como se comportar estando sozinho. Sempre ficava deslocado, principalmente se houvessem pessoas ao redor. Sempre achava que essas pessoas estavam o observando e julgando suas atitudes. Ele sentia como se tivesse que se ocupar com alguma coisa ou as elas o achariam estranho.
Porém, antes que puxasse seu celular para mandar uma mensagem para Jimin, mesmo sabendo que agora ele estaria treinando, ou só para rolar a time-line do Twitter e distrair-se do sentimento incômodo, ele se deparou com possivelmente o homem mais bonito que ele já viu.
- Em que posso ajudá-lo? - Ele falou com uma voz suave e um sorriso educado no rosto. Ele era alto e com ombros largos, e tinha o porte que Taehyung julgava que príncipes teriam. Tinha o cabelo cor de rosa como a fachada do restaurante, o que o fez pensar se isso era coincidência ou se ele tinha os pintado para combinar com o local. 
Em suas divagações, Tae acabou passando muito tempo em silêncio encarando embasbacado. O homem deu uma risadinha e negou com a cabeça. Ele devia estar acostumado a arrancar essa reação das pessoas.
- Eu... er... hã... estou esperando um amigo! Vou pedir quando ele chegar, tudo bem? - As palavras saíram incertas e mal atrapalhadas, e Tae quis bater com a mão na própria testa. Aparentemente, ele tinha perdido o dom da fala articulada e justo agora que ele tinha conhecido o homem mais bonito do mundo. Ele não tinha gay panic, ele causava gay panic, e isso o deixou ainda mais indignado consigo mesmo.
- O que você desejar. - O homem deu um último sorriso ladino e saiu. Taehyung não se envergonhava de dizer que teve pensamentos impróprios com aquela frase porque ele sabia que qualquer alma viva que estivesse em seu lugar faria o mesmo. 
Antes que ele pudesse pegar o celular esquecido sobre a mesa para mandar uma mensagem a Jimin, o sininho da porta voltou a soar e Hoseok e Jeongguk entraram no restaurante.
Eles eram um contraste e tanto juntos: Hoseok com suas roupas coloridas, tênis estranhos e sorriso brilhante, Jeongguk todo em preto e com cara emburrada. Ele andou a passos firmes até a mesa que Taehyung estava sentado e se acomodou na cara a sua frente.
- Jin Hyung! - Hoseok acena para o homem causador de surtos que agora está atrás do balcão do restaurante. - Venha conhecer o namorado do nosso precioso Maknae! 
- O que?? - O homem grita de volta. Ele se apressa para contornar a bancada e se juntar aos garotos na mesa. - Como você arranjou um namorado tão bonito, pirralho? - Jin dá um tapa na nuca de Jeongguk, que solta um chiado em protesto e passa a esfregar o local. 
Agora Taehyung tem Jin e Hoseok o encarando, e tem que se controlar para não soltar um riso nervoso. Ele olha para Jeongguk em busca de ajuda, mas ele só dá de ombros e revira os olhos para os amigos. Sem saber o que fazer, Tae só tenta sorrir de forma educada, mas acha que o sorriso pareceu mais uma contração estranha das suas bochechas.
- Então, Jeongguk... - Jin começa, apoiando suas mãos cruzadas sobre a mesa e olhando com sobrancelhas arqueadas para o Jeon. - Você não vai me apresentar o seu namorado?
- Ele não é meu namorado de verdade, Hyung. - Jeongguk bufa uma risada. - É uma longa história. Eu posso te contar depois? - O Jeon diz hesitante, já imaginando que o mais velho o fosse ignorar e seguir com seu escrutínio até conseguir todas as informações que deseja. E assim foi feito: Jin o ignorou e se virou para encarar Taehyung.
- Então, não namorado.... Qual o seu nome? 
Assim como antes, Taehyung demorou mais que alguns segundos para responder. Dessa vez, não embasbacado pela beleza de Jin, mas intimidado pelo olhar astucioso do mais velho.
- Kim Taehyung. - Ele respondeu cautelosamente, soando mais como uma pergunta do que como uma afirmação verdadeira.
- Ah! Mais um membro da grande dinastia Kim! - Ele sorriu novamente. - Sou Kim Seokjin, o dono desse amabilíssimo estabelecimento e o Hyung desses garotos aí. - Apontou para Hoseok e Jeongguk. - Quais são suas intenções com o meu pequeno Gguk?
Taehyung achou que a última parte pareceu muito como uma ameaça velada, e se sentiu como se tivesse diante do pai de Jeongguk prestes a pedir sua mão em casamento. Porém, foi salvo da resposta pela gargalhada de Hoseok que parecia estar se divertindo muito com toda a situação. Jin logo o acompanhou na risada, e Taehyung ficou ali sem saber como agir em frente a tudo aquilo.
Jeongguk já sem paciência e esperando acabar o mais rápido possível esse encontro, teve que esperar o acesso de riso dos amigos acabar para finalmente poder intervir.
- Hyungs, eu preciso conversar com ele. Será que vocês poderiam nos dar licença? - Apesar da frase aparentemente educada, seu tom ríspido indicava que o Jeon estava prestes a perder sua paciência. Os amigos, porém, o ignoraram e permaneceram sentados à mesa. Jeongguk respirou fundo. - O Hobi pode contar para você o que está acontecendo, Jin Hyung. Eu só preciso falar com esse garoto por um instante. 
Mesmo a contragosto, eles acabaram levantando com a promessa de que Jeongguk conversaria com eles depois. Foram para detrás do balcão, mas seguiram observando o casal. 
- Eles são divertidos... - Taehyung começou a falar, na tentativa de quebrar o silêncio que se estabeleceu com a saída dos amigos do Jeon. Jeongguk apenas se sentou mais ereto na cadeira e o encarou com sobrancelhas arqueadas.
- Então, o que você precisa que eu faça? - Ele disse simplesmente. Taehyung resolveu ser direto também para não prolongar o encontro.
- Eu pensei em armar um tipo de flagra para os meus pais, preciso que eles nos vejam juntos. Não precisa ser nada demais. Só uns beijos, uma pegação.... Talvez alguém sem uma peça ou outra de roupa.... Eles obviamente vão surtar. Eu vou dizer a eles que você é meu namorado e que vou levá-lo ao baile da empresa. Com certeza não vão querer que eu apareça com você em público, então vou negociar com eles por isso e conseguir a grana. 
Jeongguk seguiu encarando o garoto em sua frente com o olhar neutro. Taehyung achou que ele ia continuar a lhe encarar daquela forma que o fazia querer se remexer na cadeira, mas ele logo falou:
- Tudo bem. Eu posso fazer isso.
-Ótimo! - Ele se animou. - Então vamos! 
O Kim se levantou, e o Jeon o encarou antônimo. 
- O que? 'Pra aonde? 
- Escandalizar meus pais, oras. -Taehyung deu um sorriso quadrado, e Jeongguk pensou novamente se aquela maluquice valia a pena.


Notas Finais


PRETTY WOMAN, WALKIN DOWN THE STREET
PRETTY WOMAN THE KIND I LIKE TO MEET
PRETTY WOMAAAAAN
I DON'T BELIVE YOU, YOU'RE NOT THE THUTH
OOOOOOOOOH OOOOOH
PRETTY WOMAN!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...