História Charlie! (Remake) - Capítulo 16


Escrita por:

Visualizações 56
Palavras 4.403
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Científica, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Canibalismo, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 16 - Reconciliando


Fanfic / Fanfiction Charlie! (Remake) - Capítulo 16 - Reconciliando

No Shopping.

 

Joe – Pra que me trouxeram pra um Shopping? Ainda mais pra uma loja de roupas?

Terry – É que você estava parecendo um mendigo... que nem a Shishou!

Mike – Até o Will Smith tinha mais classe no início de Um Maluco no Pedaço. Pessoalmente eu sugeriria pra você que usasse algo mais extravagante.

Terry – Eu prefiro um pouco mais de punk.

Joe – Meninos? Crianças?

Mike – Extravagante.

Terry – Punk.

Mike – Extravagante.

Terry – Punk.

Mike – Extravagante

Terry – Vai ** *****!

Mike – Vai você! – Os dois cerram os punhos um pro outro.

Joe – Eí! Não tem como resolverem isso sem tanta apelação e baixaria?

Terry – É que quando você faz o que nós fazemos você acaba que lida com bastante estresse, então os palavrões se fazem extremamente necessários para que nós não fiquemos perdidos apenas no nosso estado de fúria. É melhor jogar pra fora, foi como aprendemos a lidar com isso

Mike – É preferível do que ficar com isso tudo acumulado dentro de você. Se você ficar com isso tudo acumulado, não vai conseguir pensar direito nas horas mais críticas e não vai conseguir saber como lidar melhor com a situação.

Joe – Por que não fazem Ioga? É muito mais recomendável.

Terry – Tá nos achando com cara de pacifistas?

Joe – Também não precisa me bater. – Joe aponta.

Mike – Você é um oportunista! Está se aproveitando das nossas fraquezas para ficar soltando essas piadinhas suas.

Joe – E você da debilidade dos outros.

(Terry (Isolada) – Uou!)

Mike – Eu nem fui tão mal assim.

Joe – Mesmo assim. Não deveria tratar a sua irmã daquela forma.

Mike – Ela faz pior.

Joe – Mesmo assim você tinha que ser o exemplo, sabe que ela demora mais pra perceber que está machucando os outros.

(Terry (Isolada) – Coitado do Mike, tá tomando lição de moral.)

Mike – O que estou dizendo é que nós lidamos de diferentes formas com o estresse do dia a dia.

Joe – O que eu quero dizer é que fazer piadas também ajuda a aliviar o estresse. Vejam a Sandy!

Terry – Por que será sempre utilizam a Sandy como exemplo?

Joe – Ela é super de bouaça, não há quem não goste dela.

Terry – Isso! Joga na nossa cara o quanto ela é perfeitinha. Por que não diz logo que ela é perfeita? Assim é mais fácil.

Joe – E também porque ela é perfeita.

Mike – Não estava com medo dela até pouco tempo atrás?

Joe – É que ela é muito parecida com a Maxine, quando ela diz algo ela faz mesmo. Isso me faz ter muito mais respeito por ela.

Terry – Não estou afim de falar de nenhuma das três grandes figuras da minha vida hoje.

Joe – O que eu estou dizendo é que vocês são os veteranos naquela casa, deveriam começar a demonstrar um pouco mais de exemplo às vezes.

Mike – Pode estar certo.

Terry – Isso me está parecendo muito com a história do Baka.

Joe – Ok! (...) Aí! Estão vendo aquele cara ali? A gente chamava ele de Carlinho sem Grama na época da escola. Eu e os parça enchemos ele de porrada uma vez na hora da saída.

Mike – Joe, sem sombras de dúvidas você é um grande exemplo pra nós. Por que será não seguimos a risca fielmente tudo aquilo que nos diz?

Terry – Aí Carlinho sem Grama!

Mike – Como vai cara?

Joe – Quanta mudança! Lembra daquela sua surra que a gente te deu uma vez?!!!

Carlinho Sem Grama – Vocês não tem nada melhor pra fazer não?

Joe – Ele é meio ressentido.

Mike – Ok, vai pegando as coisas aí e nós vamos dar uma olhada.

Terry – Aí, vamos fazer isso (passar instruções). – Para Mike.

Mike – O quê? Ficou maluca?

Terry – Vai por mim, eu sei o que estou fazendo.

Joe – O que acharam? – Visual estilo Country e Faroeste.

Mike – É bonitinho, mas não estamos indo rumo a um tiroteio.

Joe – E essa aqui?

Terry – Tem muito laranja.

Mike – E essa outra muito preto e branco.

Joe – O quê? Ficaram loucos, não estou usando nada assim.

Terry – É que confundimos a maneira como está se vestindo com a que imaginamos que deveria estar. – Para Mike. – Vai! Eu já cuidei da minha parte.

Joe – E agora? – Algo bem sofisticado.

Terry – Black égale bling-bling, c'est ça ? (Tradução : Por que todos os negros gostam de coisas caras ?) Não tem outra coisa aí não?

Joe – Eu sei falar francês.

Terry – Por que não pega uma camisa do Vasco?

Joe – E o que o Vasco já fez por gente como eu?

Terry – Racista!

Joe – Racista, fascista, pianista! Vou aqui experimentar outras roupas.

Terry – Mike!

Mike – Oi!

Terry – O que acha?

Mike – Que fizemos a coisa certa. Ele parece ter gostado bastante da camisa.

Terry – Não! Pega aqueles sapatos.

Joe – Então? Qual desses vamos levar?

Terry – Todos. Vamos! – Eles chegam na mulher do caixa.

Mulher Gorda e Loira – Dinheiro?

Mike – Não.

Gorda/Loira – Cartão de Crédito?

Terry – Toma.

Gorda/Loira – “Você quer morrer? Sim (  ) Não (  ).” Sinto muito, mas não serve.

Mike – Ah, sério?

Terry – A culpa é sua Mike, você que deveria se certificar desse tipo de coisa.

Mike – Está achando que eu sou o seu escravo?

Terry – Estou.

Joe – Meninos! Deixem que eu resolvo isso.

Mike – Vai lá.

Terry – Ele é um bandido profissional e com muitos anos de experiência, com certeza deve ter alguma maneira inteligente e bem bolada de sair dessa situação.

Joe – Aí Thu Thu! Quer sair com o negão?

Gorda/Loira – Tá achando que esse é aquele filme onde o neguinho fortinho chama a garota loira e gorda para sair?

Joe – Não gosto muito do final desse filme.

Gorda/Loira – Eu também, vaza!

Mike – Profissional e experiente?

Terry – Acho que é porque aquela mulher estava sugando todo o oxigênio do lugar. – Eles sentados num banco perto da entrada da loja.

Joe – Isso é uma pena! Gostava de verdade daquela camisa.

Mike – É, tudo culpa do ******* da Terry.

Terry – Não me force a ser ruim com você.

Joe – Eí! Chega! A culpa não é de nenhum de dois.

Terry e Mike – Desculpa!

Joe – O que diferencia uma pessoa má de uma boa é apenas uma decisão ruim. Lembro que era um tempo desses e vocês dois dividiam o mesmo berço. Não precisam ficar fazendo esse jogo um com o outro, vocês não tem mais ninguém no fim das contas, precisam saber aproveitar esses momentos que tem um com o outro.

Mike – É que não estamos acostumados quando as coisas dão errado pra nós.

Joe – Pode não ser hoje, mas um dia vão sentir falta disso. Quando perceberem já terá sido tarde demais.

Terry – Talvez esteja certo, acho que às vezes eu pego muito pesado com você Michael.

Mike – Está de boa! Todos sabem que esse é o seu jeito de demonstrar o que sente pelos outros. Não quero brigar com uma das minhas melhores amigas.

Terry – Você tem muitos outros, é uma das pessoas mais carismáticas que conheço. Eu apenas trato mal todos que se importam comigo. Você é muito especial pra mim.

Mike – Você também.

Joe – Viu? Assim não é melhor? Não precisam ficar se matando, de onde eu vim o trabalho em equipe sempre era muito essencial para executarmos as nossas tarefas.

Terry – Tem razão, e aquela mulher é uma grossa.

Joe – É assim que você fica depois do feminismo. – Terry ri.

Mike – Ela parece a Sandy depois de ter bebido toda a água do mar.

Joe – Eu é que não quero brincar de baleia azul, esse troço é perigoso.

Terry – Ela é única, as roupas que usa não vendem em nenhum outro lugar.

Joe – O que será que ela faz com os namorados quando passa fome? – Eles riem.

Mike – Não sei, será que ela conta dumbos antes de dormir.

Terry – Vi um vídeo de um garoto obeso tentando voar uma vez e ah... destendi.

Mike – Confesso que eu joguei um par de sapatos pela janela.

Terry – Eu cuidei das calças.

Joe – Eu joguei a camisa.

Terry – Vamos, antes que alguém acabe pegando. Depois o meu pai vem aqui pra se encarregar de pegar todo o resto.

Joe – Vocês são tudo lalau!

 

Dawson (Passado) – Joe?

Joe (Passado) – Oi maravilhosa!

Dawson (Passado) – Não podia ter usado a porta? Elas estão lá pra isso. – Ele entra pela janela e ela sorri pra ele.

Joe (Passado) – Foi mal branca de neve, é que sua mãe me dá medo. Acho que ela quer me matar e o seu pai me prender. – Ela ri.

Dawson (Passado) – Não, eu batia neles se quisessem de verdade fazer isso com você.

Joe (Passado) – É, mas acho que consegui chamar a sua atenção. – Ele tenta beijar ela.

Dawson (Passado) – Calma aí! É melhor não, meus pais podem aparecer a qualquer momento. Não é bom causar uma má impressão neles.

Joe (Passado) – Tem razão.

Dawson (Passado) – E você? Vai usar isso? Sabe que essa é uma ocasião bem especial. Se meus pais te verem jantando com isso...

Joe (Passado) – Ah, sei. Não sou bom o bastante.

Dawson – É! Você está certo! Sou eu quem faço caridade mesmo. – Eles riem um pro outro. – Sossega, por sorte eu tenho algo. – Ela pega uma roupa. – O que acha disso?

Joe – Não sabia que tinha algo assim, você é travesti por acaso... é que a gente... e... nunca dei uma boa olhada em outros lugares...

Dawson – É que eu quero casar virgem. Mas você tentou passar a mão uma vez.

Joe – Ah é! Só de leve. Como é que tem essa roupa super maneira?

Dawson – É do meu primo.

Joe – Seu primo?

Dawson – É que a gente trocava alguns favores umas vezes.

Joe – Favores? Como assim?

Dawson – Eu fazia o dever de matemática dele.

Joe – Ah sim... Espera?!

Dawson – Shiu! Para de fazer barulho, os meus pais vão achar que entrou algum ladrão aqui dentro do meu quarto... – Ela fica meio reflexiva.

Joe – Tudo bem. Só acho ela meio larga.

Dawson – É! Mas você vai crescer.

Joe – Valeu Lyris!

 

“Apesar de tudo acho que essa velha roupa sempre vai me trazer ótimas recordações”.

 

Goldhine (Parte de Fora)

 

Dawson – Oi!

Sandy – E aí? Estava me esperando? Podia ter entrado.

Dawson – Sabe que é? Melhor prevenir do que remediar.

Sandy – Deviam resolver logo essa palhaçada. A propósito, você disse que alguém estaria lá pra nos ver ontem durante a nossa apresentação.

Dawson – Disse?

Sandy – Alguém importante?

Dawson – Não sei, eu não sou vidente.

Sandy – Mas pra você era.

Dawson – Digamos que é a minha prioridade no momento.

Sandy – Sei, você parece estar muito ocupada. Desculpa, não quero mais atrasar a sua vida. – Sandy já vai querendo se retirar.

Dawson – Sandy!

Sandy – Por que veio?

Dawson – Precisava esclarecer algumas coisas, e com você. Falar sobre o passado.

Sandy – Bom, o meu passado não estava lá. Eu não te odeio, mas também não tenho nada contra.

Dawson – Sei que você está pensando porque eu não estava lá naquele momento e não fui atrás de você.

Sandy – E porque não foi? Me explica. Eu sou nova demais pra entender?

Dawson – Você ainda é a menina mais especial do mundo pra mim, desculpa se ainda eu não tinha te dito isso. Senta aqui! – Sandy retrocede e acata aos pedidos de sua tia.

Sandy – Por que eles se foram?

Dawson – Eu também nunca entendi. Achei que tinham dado um tempo.

Sandy – É, você parece estar certa. Eles realmente resolveram dar um tempo.

Dawson – Irônica como sempre.

Sandy – Sério? Ainda não tinha percebido. Acho que é um defeito meu.

Dawson – Considerando a sua linhagem, talvez não.

Sandy – Eu puxei mais pra quem dos dois?

Dawson – Diria que você é única, assim como o seu irmão.

Sandy – Aquele traste!

Dawson – O que foi que ele fez?

Sandy – Me magoou. Como sempre... acho que ele puxou pra você na família.

Dawson – Então temos 4 trastes.

Sandy – Está contando com a mamãe e o papai? Eba! Eu faço a diferença. – Dawson se emociona. – O que foi?

Dawson – Nada. É que eu sempre quis ficar próxima de você dessa forma.

Sandy – Você é a minha professora, me ensinou bastante. Sempre estivemos próximas.

Dawson – Não é o que eu quis dizer. Depois que os seus pais partiram, a Terry e o Michael estavam com o Ryan e a Charlie. E você com um Choi. Confesso que uma vez eu viajei pra Europa atrás de você, foi durante o concurso supervisionado em Berlim cujo maior parte do dinheiro lucrado ia para as pessoas portadoras de Autismo. Mas você parecia feliz com o que estava fazendo, então...

Sandy – Você decidiu voltar?

Dawson – Eu falei com o Choi sobre como poderíamos lhe ajudar. Pode parecer que não, mas eu sempre estive por perto.

Sandy – Desculpa. Acho que às vezes eu exijo demais de vocês 2.

Dawson – Ótima desculpa...

Sandy – Não, é que às vezes eu me sinto um fardo pras outras pessoas. Eu não sou como os outros.

Dawson – Mas você é você. E, sinceramente, a maioria deles sente muita inveja de quem você é. Sandy Walker, a garota mais popular que já passou pela Ryan School! – Sandy ri sem jeito.

Sandy – Para...

Dawson – Você conseguiu isso... e muito mais. O único fardo que você tem que carregar é o que as outras pessoas sentem quando estão perto de você.

Sandy – Ser popular não era o que eu queria, mas acho que isso me serve de consolo.

Dawson – Eu te amo! Sempre vou amar! Independente de qualquer coisa.

Sandy – Até mesmo se eu tiver dentro daquela casa?

Dawson – Menos se você tiver dentro daquela casa.

Sandy – Vamos lá, ela me disse que precisava alimentar os jacarés dela.

Dawson – Que mulher crua! Quem é que cria jacarés dentro de casa?

Sandy – Aparentemente ela cria barangas também.

Dawson – Sandy, respeita a filha dos outros! Eu também comprei um jogo novo pra vocês.

Sandy – O Mike quando perde uma partida para de jogar.

Dawson – Mesmo?

Sandy – Sim, é só ver ele jogando Clash Royale.

Dawson – Juízo!

Sandy – Nunca tive.

...

 

Mike em algum lugar.

 

Mike – Asilados? (Referência ao episódio número 9 da série) Espero que isso aqui sirva. – É um asilo, logo pra quem não entendeu. – Balanço? Isso me lembra de algumas coisas.

 

Flash Back (Mike)

 

Mike – Então quer dizer que os seus pais tiveram que trazer o seu avô pra cá hoje.

Criança – Acostume-se, é pra cá que nós vamos vir quando ficarmos mais velhos.

Mike – Não são essas as minhas pretensões com relação ao futuro.

??? (C.E.) – É mesmo, e quais seriam?

Mike – Acho que morar sozinho seria uma boa. Sem irmãs pra ficar te enchendo o saco ou ter que ficar dividindo as coisas.

??? (C.E.) – Eu não, eu queria ter a vida que você tem lá. Tudo do bom e do melhor.

Mike – Nãooo, o melhor nós já fazemos.

??? (C.E.) – Isso é meio sarcástico.

Mike – Quem sabe eu consiga o que eu quero.

??? (C.E.) – Ainda assim acho que os meus filhos vão me mandar pra cá. Acho que você vem me fazer companhia.

Mike – Não, eu não pretendo ter filhos.

??? (C.E.) – Sei não, ouvir dizer que a Emily gostaria de ter filhos.

Mike – Idiota! Além do mais parece que ela gosta de outra pessoa.

??? (C.E.) – Espero que não seja eu. Por você é claro.

Mike – Você é muito idiota.

??? (C.E.) – Mais idiota é quem anda comigo.

Mike – Pensei que o Adams fosse o seu melhor amigo.

??? (C.E.) – Diria que vocês dois são os meus melhores amigos. Sabe? Aconteceu uma coisa muito estranha com nós 3 esses dias. Conhece alguém que consegue manusear muito bem o arco e flecha?

Mike – Não.

??? (C.E.) – Sei não, não deu pra ver direito. Me parecia uma menina.

Mike – Pequena ou grande?

??? (C.E.) – De onde nós estávamos parecia pequena, desse tamaninho aqui. – Ele mostra com o polegar e o indicador.

Mike – Tá merecendo mesmo que eu te chame de idiota hoje. Mas agora me confundiu todo.

??? (C.E.) – Esquece então.

Mike – Idiota!

??? (C.E.) – Você está passando da cota do número de vezes que pode me chamar de idiota hoje.

Mike – Desculpa, às vezes me esqueço que você é a pessoa mais assustadora que eu conheço.

??? (C.E.) – Se eu não precisasse tanto de você eu com certeza tinha matado.

Mike – Relaxa, é só falar seu sobrenome pros vilões que com certeza eles vão começar a rir de você.

??? (C.E.) – Nossa, você é bom mesmo. Que ótimo plano de distração esse que você pensou.

Mike – Espero que você seja a única pessoa com quem eu tenha que trabalhar.

??? (C.E.) – Nunca se sabe, nesse trabalho que nós estamos eles sempre ficam mudando as duplas, de acordo com a necessidade. Mas enfim, somos especiais. Você é meus olhos e ouvidos, conto muito com você. Olha só, parece que eu já tenho que ir.

Mike – Com a mamãe e o papai você não pode lidar.

??? (C.E.) – Já que somos praticamente irmãos eu podia pedir pra eles te adotarem, o que acha? Os que tenho em casa me fazem eu me sentir um nada. Que nem você.

Mike – Não, não seria a mesma coisa sem ter a Sandy pra me atormentar todos os dias.

??? (C.E.) – Ela parece legal.

Mike – O que ela fez com vocês?

??? (C.E.) – Não sei, deixou uma impressão... é... preciso ir embora.

Mike – Jamais conseguiria lidar com ela.

??? (C.E.) – Té mais... parceiro! – Eles batem as mãos.

(Mike) – Sandy? Muitas coisas passaram e a verdade é que eu nunca aprendi a cuidar de outra pessoa que não fosse a Terry. Pelo menos até aqui. Eu não estive do seu lado na maior parte dos momentos e nem sei através de que forma você conseguiu lidar com a “ausência” deles. Desde que você chegou só tem me ajudado e parece que eu só ligo pros pontos negativos pra mim, e esse é um problema sério que eu tenho: pensar em mim mesmo acima dos outros, literalmente dar mais relevância ao que sinto. Não me leve a mal, mas de uma hora pra outra você acabou sendo a única ou uma das que sobrou dos nossos pais. Naquele tempo era novidade e ainda hoje tenho de lidar com situações as quais não estou acostumado. Me desculpa, por tudo! Somos o apoio necessário de que ela precisa, se não estivermos de bem um com o outro então mais nada estará. Isso é de um irmão que ainda precisa aprender muito.

 

* ??? (C.E.): Christopher Elizabete. Será melhor apresentado no episódio 21 da série.

 

“Os pais de Anthony e Choi Ryan! É aqui que é recomendável vir quando se precisa saber de algum fato ou acontecimento histórico. Ninguém conhece essas cidades melhor do que eles.”

 

Mike olha pra um punhado de folhas de papel por cima da outra.

 

“Hevistas. É como se chama a coleção deles. Jornais velhos, todo tipo de informações, eles são literalmente a Wikipédia viva do que precisam saber sobre essa cidade que antigamente já chegou a ser comparada a também fictícia Gotham City.”

“A Sandy me disse pra chamá-los de Marge e Homer, vai entender. Será que devo me sentir mal por fazer ela tirar informações do cara que criou ela? Se bem que ela faria de qualquer forma, mas foi necessário. Anthony e Choi eram os únicos que sabiam a localização deles, então não tinha como saber. Esse local aqui tem muita história, eu não sabia que tinham derrubado tudo há uns anos e transformado num asilo. Quem sabe num QG secreto pra eles, seria sútil. Já estou levando considerações das informações da minha irmã aliadas as minhas, sobre como todo esse lugar funcionava. Vamos precisar de toda mão de obra disponível, ou seja, nossos “reforços” pra decifrar esse grande enigma.”

 

Marge – Entendo, então era exatamente isso.

Mike – Sim. – Sorriso estilo Sai.

Homer – Vocês garotos gostam de brincar com coisas perigosas, ainda mais vocês que são mais jovens.

Mike – Eu tenho mais uma perguntinha. – Ereto estilo Sai. – Vocês não sabem nada sobre o “acidente”?

Homer – Não.

Marge – Essa é uma das duas únicas coisas que nós não sabemos nada.

Mike – Entendo. – “Essa mulher me lembra muito a Emily. Por que será que estou pensando nisso?” – Até mais. – Mike vai embora.

Homer – O que acha?

Marge – Que eles são seres muito inferiores aos do meu tempo.

 

Homecoming.

 

Kendall – O que está fazendo aí?

Sandy – Vim aqui me desculpar pelo irmão. – Diz Sandy com um sorriso, cara fechada, os braços pra trás e as mãos juntas, olhos fechados.

Kendall – Ah... ESPERA! Hãhãhaaã...

Sandy – Que foi?

Kendall – Esse...? Esse...? Por acaso não é...

Sandy – É.

Kendall – A continuação do primeiro jogo, Carlie Ano 2: Perdidos no Esquecimento!

Sandy – Isso aqui? – Sandy aponta. – Acho que acabei encontrando jogado em algum lugar. – Os olhos de Kendall brilham.

Kendall – Esse vai continuar a história do anterior a partir do 5° arco. O primeiro jogo é incrível! Os meus arcos favoritos foram o 2 e especialmente o 3 que foca na personagem Tendall, melhor amiga da protagonista.

Sandy – Huhum... – “Meninos? Ficam sempre tão animados com jogos.” – Bom, parando o falatório dizem que esse novo jogo só vai ser lançado lá pra Abril de 2018. Já que o meu irmão Mike não está aqui eu estava pensando em jogar com você. (Abrir bem a boca e colocar o dedo indicador perto dela, encostando nos lábios) Melhor? Por que que você não fica pra você? Como prova da nossa não amizade? Huum, o que acha?

Kendall – O que eu faço?

Sandy – É só esquecer o que o meu irmão Mike disse, hein? Ó o Jogu jogu muito bom! – Sandy se balançando. Kendall...

Kendall – Para... está fazendo tudo isso pelo seu irmão?

Sandy – Bem, nós temos as nossas rixas, mas no fundo a gente se ama. Nós somos família. – Sandy olha pra Kendall.

 

Kira – Está tudo bem?

Kendall – Hai! Hai! Hai! Umhá (Risada). ... Você parece estar bem pior do que eu, acho que você devia estar no meu lugar. (Kendall está numa cama) (Hospital).

Kira – Que bom.

Kendall – Já sei. Estava preocupada! Estava preocupada...!

Kira (Full Power) – Você é um I-IDIOTA! *Chute *Chute *Chute. – Ela fica em pé em cima da cama e começa a dar um monte de chutes nele.

Kendall – “Por que será que sempre sobra pra mim?”.

Finn – Será que dá pra vocês 2 pararem com isso?

Kira – Hum... então você estava aí?

Finn – Parece que demoraram pra me notar. De qualquer jeito.

Kendall – Não precisavam vim até aqui.

Kira – O quê? E eu só ter de ficar aturando esse mala pelos próximos dias?

Finn – Eu digo o mesmo.

Kendal – ... – “Que tranquilidade... ele é desse jeito mesmo, ela geralmente é alguém mais na dela.”

Kira – De qualquer jeito você devia parar de chamar a atenção com essas coisas idiotas e irresponsáveis. É o que pensamos.

Finn – Mas eu nem falei nada sobre o que pensava.

Kira – Não se faça de senhorzinho não sei de nada.

Fiin – Você acabou de queimar meu filme.

(Kendall) – Kira e Finn! Todo ano tentávamos fazer novos amigos e nos encaixar em algum lugar, mas acabava que não conseguíamos, então no final sempre terminávamos juntos. Tínhamos a nossa própria sociedade. Será que eu poderia me ajustar a minha nova vida?

Enfermeira – Muito bem senhora, é só preencher o prontuário.

??? – Certo!

Kendall – Dramaturge.

 

Sandy – E blá blá blá blá blá blá, nós somos família. Está tudo bem?

Kendall – Desculpa, é que esse ainda é um assunto meio delicado e recente pra mim. Tudo bem, eu perdoo o seu irmão. Por você é claro.

Sandy – É? Espero não incomodar e nem mais nada do tipo então. De certa forma, acho que o que eu e você sentimos meio semelhante.

Kendall – Não acho que sejamos parecidos.

Sandy – É porque você é arrogante para admitir. Não quero que nos demos bem, não pense assim.

Kendall – É, claro... – Sandy vai sair, mas se vira com um sorriso e...

Sandy – Até mais Sr. Vice-Presidente!

Kendall – Hum! – Impactar...

 

REC (Presente distante)

 

Sandy – Pode parecer que não, mas eu e o Kendall acabaríamos nos aproximando bastante. Afinal não éramos tão indiferentes com relação a tudo o quanto pensávamos. Aqui e agora já devem ser sei lá, tipo, uns dois meses desde tudo o que ocorreu naqueles dias, mas vamos lá voltar. Afinal eu acabei vindo em viagem com alguns amigos, praticamente todo mundo. Exceto pelo meu irmão, a Terry e o Charlie. Mas isso é uma história para um outro momento, o importante é mostrar como cheguei até aqui e todos os eventos que passaram. Mas vocês devem estar pensando, e a história? Sei que pode parecer coisa demais, mas a partir daí nossas vidas daria uma guinada.

 

Sandy – Quer saber? – Sandy em sua maneira de ser.

Kendall – Hum? – Kendall em sua maneira de ser.

Sandy – Não tem nenhum problema se eu ficar aqui com você e jogar um pouquinho.

Kendall – O quê?

Sandy – Anda! Mexe essa bunda pra lá.

Kendall – Mas você está no meu quarto...

Sandy – Uuuuuuu ¬_8

 

Joe – Valeu Terry! Fazia tempo que ninguém fazia algo assim por mim.

Terry – Não considere gentileza. Apareça amanhã de manhã, o Charlie vai começar com as suas aulas.

Joe – E onde está o Mike?

Terry – Ele disse que precisava ir em algum lugar.

Joe – Mesmo? Onde?

Terry – Não é da minha conta.

Joe – E você acha isso normal...

Terry – Pode parar.

Joe – Essa não parece você. Não a que todos veem... todos os dias. Está escondendo algo de você.

Terry – Se ele disse que precisava ir em algum lugar é porque era importante. É tudo o que eu preciso saber, confio totalmente em cada um deles. Nele e na Sandy.

Joe – ... – “Essa é a verdade: os dois cresceram juntos desde que estavam no berço. Eles sabem que podem contar um com o outro, o Mike sempre foi um cara muito cuidadoso. Principalmente com relação a você. É até compreensível não julgá-lo por ele não tratar todas as outras pessoas e com a mesma severidade na qual ele faz quando ele sabe que precisa dele. Bem lá no fundo... sempre estiveram juntos.”

Terry (Cansaço) – Mike... Sandy...

Joe – Até amanhã então Princesa do Punk!

Terry – Princesa do Punk?

Joe – Acho que Donzela Mortal combina mais com você. – Ele passa a mão no rosto dela e depois vai embora. Ela então passa a mão no próprio rosto.

Terry – A Dawson se importa muito com você.

Joe – ... Eu tenho que ir. – Charlie os observa mais ao longe. Ele olha para as suas próprias mãos.

Charlie – O que está acontecendo? Por que não quer mais falar comigo? – Mandando Áudio.

Ryan – Peguei. – Terry caí em seus braços.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...