História CHB e Camp Júpiter lendo HDO - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Atlas, Bianca di Angelo, Calipso, Caronte, Charles "Charlie" Beckendorf, Chris Rodriguez, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Cronos, Demeter, Dionísio, Frank Zhang, Grover Underwood, Hades, Hazel Levesque, Hefesto, Hera (Juno), Hermes, Hylla Ramírez-Arellano, Íris, Jano, Jason Grace, Júniper, Katie Gardner, Leo Valdez, Malcolm, Miranda Gardiner, Nêmesis, Nico di Angelo, Octavian, Percy Jackson, Perséfone, Personagens Originais, Piper McLean, Poseidon, Quíron, Rachel Elizabeth Dare, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Thalia Grace, Travis Stoll, Treinador Gleeson Hedge, Will Solace, Zeus
Tags Camp Júpiter, Hdo, Heróis Do Olimpo, Lendo, Percebeth, Percy Jackson
Visualizações 140
Palavras 3.211
Terminada Não
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - VII Jason


ASSIM QUE JASON VIU A CASA, ele soube que era um homem morto.

- Aqui estamos nós! - Drew disse alegremente - A Casa Grande, quartel-general
do acampamento..

Ela não parecia ameaçadora, só uma mansão de quatro andares pintada de azul
bebê com acabamento branco. A varanda tinha cadeiras de descanso, uma mesa de cartas, e uma cadeira de rodas vazia. Sinos de vento formavam ninfas se transformando em árvores quando batiam. Jason podia imaginar velhinhos vindo aqui para férias de verão, sentados na varanda e bebendo suco de ameixa enquanto assistiam o pôr-do-sol. Entretanto, as janelas pareciam olhar para ele como olhos irritados. A grande entrada parecia
pronta para engoli-lo. Na aresta mais alta, um cata-vento de uma águia de bronze girava
no ar e apontava direto na sua direção, como se dissesse para ele dar meia-volta.
Cada molécula no corpo de Jason lhe disse que ele estava em território inimigo.

- dramaaa - disse Annabeth revirando os olhos

- Eu não devia estar aqui -  ele disse.

Drew enroscou seu braço no dele.

- Ah, por favor. Você é perfeito aqui, querido.
Acredite em mim, eu já vi vários heróis.

Alguns gregos começaram a tossir, e muito

- de longe só se for - disse Katie revirando os olhos

Drew cheirava como o Natal uma estranha combinação de pinheiro e noz-moscada. Jason queria saber se ela sempre cheirava assim, ou se era algum tipo de perfume especial para os feriados. Seu delineador rosa era realmente distrativo. Toda hora que ela piscava, ele se sentia obrigado a olhar para ela. Talvez aquele fosse seu objetivo,
exibir seus belos olhos castanhos. Ela era linda. Sem nenhuma dúvida disso.

Drew sorriu. Piper bufou levemente

Mas ela fez Jason se sentir desconfortável.
Ele puxou seu braço do modo mais gentil que pôde.

- Olhe, eu não.....

- É aquela garota? - Drew fez beiço - Ah, por favor, me diga que você não está namorando a Rainha do Lixo

- humm.....não - disse Piper fazendo careta pelo apelido. Até porque era verdade ela e Jason não tinham nada. Jason a encarou.

- Você quer dizer Piper? Hã...

Jason não sabia como responder. Ele nem pensava se vira Piper mais cedo, mas ele se sentia estranhamente culpado por isso. Ele sabia que não deveria estar nesse lugar. Ele não devia fazer amizades com essas pessoas, e certamente ele não deveria namorar nenhuma delas. Entretanto... Piper estivera segurando sua mão quando ele acordou naquele ônibus. Ela acreditava que era sua namorada. Ela estivera brava no céu, lutando com aqueles ventus, e quando Jason a pegara no meio do ar e eles se seguraram
cara-a-cara, ele não podia fingir que ele não estava um pouco tentado a beijá-la. Mas aquilo não estava certo, ele nem sabia sua própria história. Ele não podia trocar emoções com ela assim.

Drew rolou os olhos.

- Deixe-me te ajudar a decidir, querido. Você merece coisa melhor. Um garoto com o seu rosto e talento óbvio?

Ela não estava olhando para ele, porém. Ela estava olhando para um local bem acima da sua cabeça.

- Você está esperando um sinal - ele supôs - Como aquele sobre a cabeça do
Leo.

- O quê? Não! Bem... sim. Digo, do que ouvi, você é bastante poderoso, certo?
Você vai ser importante no acampamento, então calculo que seu pai irá lhe reclamar a qualquer momento. E eu amaria ver isso. Eu quero estar com você a cada passo do ca-
minho! Então é seu pai ou sua mãe o deus? Por favor me diga que não é sua mãe. Eu odiaria se você fosse um filho de Afrodite.

- Por quê?

- oh meus deuses - disse Thalia dando um tapa na testa pela lerdeza do irmão

- Porque você seria meu meio-irmão, bobo. Você não pode ficar com alguém do seu próprio chalé. Eca!

- Mas todos os deuses não são relacionados?- Jason perguntou - Então todos
aqui não são seus primos ou alguma coisa?

- Como você é fofo! Querido, o lado divino da sua família não, exceto pelo seu pai. Então qualquer um de outro chalé eles são jogo limpo. Então quem é seu parente olimpiano  mãe ou pai?

Como normalmente, Jason não tinha uma resposta. Ele ergueu os olhos, mas nenhum sinal brilhante apareceu sobre sua cabeça. No topo da Casa Grande, o cata-vento
ainda estava apontando na sua direção, aquela águia de bronze olhando como se falasse,
Dê meia-volta, criança, enquanto ainda pode.
Então ele ouviu passos na varanda da frente. Não  não passos, cascos.

- Quíron!- Drew chamou - Esse é Jason. Ele é totalmente incrível!

Jason recuou tão rápido que ele quase caiu. Contornando o canto da varanda estava um homem nas costas de um cavalo. Exceto que ele não estava nas costas do cavalo ele era parte de um. Da cintura para cima ele era humano, com cacheados cabelos
castanhos e uma barba bem-cortada. Ele vestia uma camiseta que dizia Melhor Centauro do Mundo, e tinha um arco e uma aljava amarrados nas costas. Sua cabeça era tão alta que ele precisava se abaixar para não bater nas luzes da varanda, porque da cintura
para baixo, ele era um garanhão branco.
Quíron começou a sorrir para Jason. Então a cor drenou do seu rosto.

- Você...-  Os olhos do centauro arregalaram-se como os de um animal sendo apertado - Você devia estar morto

Thalia franziu o cenho

- Quiron - disse Annabeth risonha - precisamos ter uma conversa sobre puxar assunto com pessoas

O centauro riu com muitos

* * *

Quíron ordenou para Jason bem, convidou, mas soou como uma ordem
entrar na casa. Ele falou para Drew voltar ao seu chalé, o que fez Drew não parecer feliz.
O centauro trotou para a cadeira de rodas vazia na varanda. Ele se desfez da sua aljava e arco e recuou-se na cadeira, que abriu como uma caixa de mágica. Quíron cuidadosamente abaixou-se nela com suas pernas traseiras e começou a se apertar num espaço que devia ser muito pequeno. Jason imaginou barulhos inversos de um caminhão
— bip, bip, bip —

Percy gargalhou

- ja imaginei isso também - disse ele

.....enquanto a metade de baixo do centauro desaparecia e a cadeira ajustou-se, fazendo aparecer um conjunto de pernas humanas falsas cobertas por um cobertor, de forma que Quíron parecia ser um mortal normal numa cadeira de rodas.

- Me siga -  ele ordenou - Temos limonada

A sala de estar parecia que fora reprimida por uma floresta tropical. Videiras curvavam-se pelas paredes e pelo teto, o que Jason achou um pouco estranho. Ele não
achava que plantas crescessem assim, do lado de dentro, especialmente no inverno, mas
essas eram frondosas e verdes e cheios com cachos de uvas vermelhas.
Sofás de couro encaravam uma lareira de pedra com o fogo estalando. Apertado num canto, um fliperama de Pacman antigo fazia bip e piscava. Montada nas paredes havia uma coleção de máscaras  como de teatro grego, sorridentes/tristes, máscaras
Mardi Gras emplumadas, máscaras de carnevale venezianas com grandes narizes parecidos com bicos, e máscaras esculpidas em madeira da África. Videiras cresciam entre suas bocas parecendo que elas tinham línguas frondosas. Algumas tinham uvas vermelhas inchando pelo buraco dos olhos.
Mas a coisa mais esquisita era a cabeça do leopardo estofado sobre a lareira. Parecia tão real, seus olhos pareciam seguir Jason. Então ele rosnou, e Jason quase saltou
de sua pele.

Todos riram

- Ora, Seymour -  Quíron repreendeu - Jason é um amigo. Comporte-se

- Essa coisa está viva!-  Jason disse.

Quíron remexeu no bolso lateral da sua cadeira de rodas e tirou um pacote de biscoitos. Ele jogou um para o leopardo, que o abocanhou e lambeu os lábios.

Percy franziu o cenho

- pra onde vai a comida?- perguntou ele fazendo alguns rirem. Depois levou um tapa de Annabeth

- Você precisa desculpar a decoração - Quíron disse. - Tudo isso era um presente de despedida do nosso antigo diretor antes de ser chamado ao Monte Olimpo. Ele achou
que iria nos ajudar a lembrá-lo. O Sr. D tem um senso de humor estranho.

- eu nem sabia que ele tinha senso de humor - disse Travis rindo

- Sr. D -  Jason disse - Dioniso?

- Uhhumm - Quíron derramou limonada, embora suas mãos estivessem tremendo um pouco - Como por Seymour, bem, o Sr. D o liberou de uma venda de garagem
em Long Island. O leopardo é o animal sagrado de Dioniso, entende, e o Sr. D ficou
aterrorizado que alguém empalhasse tal nobre criatura. Ele decidiu concedê-lo a vida,
numa hipótese que a vida como uma cabeça pendurada era melhor do que nenhuma vida, afinal. Devo dizer que é um destino mais bondoso do que o antigo dono de Seymour teve.

Seymour exibiu suas presas e cheirou o ar, como se procurasse mais biscoitos.

- Se ele é só uma cabeça-  Jason disse - para onde vai a comida quando ele come? 



Todos gargalharam 

Percy abriu os braços


- exatamente o que quero saber - disse ele enquanto Jason ria


- Melhor não perguntar-  Quíron disse - Por favor, sente.

Jason pegou um pouco de limonada, apesar do seu estômago estar agitado.
Quíron reclinou-se na sua cadeira de rodas e tentou um sorriso, mas Jason podia dizer que era forçado. Os olhos do velho homem estavam tão profundos e escuros quanto poços.

- Então, Jason - ele disse - você se importaria caso me dissesse...er... de onde você é?

- Queria eu saber - Jason lhe contou toda a história, de acordar no ônibus até cair no Acampamento Meio-Sangue.

Ele não escondeu nenhum detalhe, e Quíron era um bom ouvinte. Ele não reagiu à história, nada a não ser assentir animadoramente por mais.
Quando Jason acabou, o velho homem deu um gole na limonada.

- Entendo -  Quíron disse - E você deve ter perguntas para mim.

- Só uma - Jason admitiu. - O que você quis dizer quando falou que eu deveria estar morto?

- ótima pergunta - disse Jason fazendo careta

Quíron o estudou com preocupação, como se esperasse que Jason explodisse em chamas.

- Meu garoto, você sabe o que essas marcas no seu braço significam? A cor da sua camisa? Você lembra de algo?

Jason olhou para a tatuagem no seu antebraço: SPQR, a águia, vinte linhas retas.

- Não - ele disse - Nada

- Você sabe onde está? - Quíron perguntou - Você entende o que esse lugar é, e quem eu sou?

- Você é o centauro Quíron - Jason disse - Suponho que seja o mesmo das histórias antigas, que costumava treinar os heróis gregos como Hércules. Esse é um acampamento para semideuses, filhos dos deuses olimpianos.

- Então você acredita que esses deuses ainda existem?

- Sim - Jason disse imediatamente - Digo, não acho que devíamos adorá-los ou sacrificar galinhas por eles ou qualquer coisa, mas eles ainda estão por perto pois são
uma poderosa parte da civilização. Eles vão de país em país conforme o centro do poder
se desloca como eles foram da Grécia Antiga para Roma.

- bom pelo menos lembro do básico - disse Jason coçando a cabeça

- Não podia ter dito melhor - Algo na voz de Quíron mudou - Então você já sabe que os deuses são reais. Você já foi reclamado, não foi?

- Talvez - Jason respondeu - Não tenho total certeza

O leopardo Seymour rosnou.
Quíron esperou, e Jason percebeu o que acabou de acontecer. O centauro havia mudado para outro idioma e Jason entendera, automaticamente respondendo na mesma
língua.

- Quis erat ...- Jason vacilou, então fez um esforço consciente para falar inglês.

- O que foi aquilo?

- Você sabe Latim - Quíron observou -A maioria dos semideuses reconhecem
algumas frases, naturalmente. Está no sangue deles, mas não tanto quanto Grego Antigo. Ninguém pode falar Latim fluentemente sem prática.

- até porque tirando os romanos ninguém mais fala latin - disse Annabeth

- peraaaaa......Quiron como voce sabia sobre o Jason?- perguntou Thalia confusa - eu nunca contei nada dele pra ninguém, nem para a Annabeth nem para o.....como voce sabe?

O centauro estudou o chão

Jason tentou envolver a mente no que aquilo significava, mas vários pedaços da sua memória estavam perdidos. Ele ainda tinha a sensação que não deveria estar aqui.
Era errado e perigoso. Mas pelo menos Quíron não metia medo. Na verdade o centauro parecia preocupado com ele, com medo pela sua segurança.
O fogo refletia nos olhos de Quíron, fazendo-os danças agastadamente.

- Eu ensinei o seu xará, você sabe, o Jasão original. Ele teve um caminho duro. Eu vi vários heróis ir e vir. Ocasionalmente, eles têm finais felizes. Na maior parte, não. Isso quebra
meu coração, como perder um filho sempre que um dos meus pupilos morre. Mas você ... você não é como qualquer pupilo que eu já ensinei. Sua presença aqui poderia ser um
desastre.

- se os romanos descobrirem que Jason esta em um camp grego - disse Piper sentindo um leve arrepio - bem, paz com certeza não iríamos ter

- se bem que, até recentemente a gente pensava que os gregos nem existiam mais - disse Reyna passando o dedo em seu anel - com certeza seria a nossa última opção. Mas é. Não seriamos exatamente pacíficos

- Obrigado - Jason disse - Você deve ser um professor inspirador.

Os gregos riram

- muito - disse Annabeth rindo

- Desculpe, meu garoto. Mas é verdade. Eu esperava que depois do sucesso do Percy ....

- Percy Jackson, você se refere. O namorado da Annabeth, o que está sumido.

Quíron assentiu.

- Esperava que depois que ele tivesse sucesso na Guerra dos Titãs e salvasse o Monte Olimpo, pudéssemos ter alguma paz. E eu poderia ser capaz de
desfrutar um triunfo final, um final feliz, e talvez uma retirada discreta. Eu devia ter me informado melhor. O último capítulo se aproxima, assim como foi antes. O pior ainda
está por vir.

- pretende pedir aposentadoria Quíron? - perguntou Clarisse franzindo o cenho

- pretendia - corrigiu Quiron suspirou

No canto, o fliperama fez um triste som pa-pa-pa-pa, como se o Pacman tivesse
morrido.

- Ok...- Jason disse - Então último capítulo, aconteceu antes, pior ainda por
vir. Soa divertido, mas podemos voltar à parte onde eu devia estar morto? Não gosto
dessa parte.

Annabeth negou com a cabeça, o quanto Jason era parecido com Percy

- Tenho medo que não possa explicar, meu garoto. Jurei pelo Rio Styx e por todas as coisas sagradas que eu nunca..
- Quíron franziu a testa - Mas você está aqui, em
violação do mesmo juramento. Isso também, não deveria ser possível. Eu não entendo.
Quem faria tal coisa? Quem...

O leopardo Seymour berrou. Sua boca congelou, meio aberta. O fliperama parou de fazer bip. O fogo parou de estalar, suas chamas endurecendo como vidro vermelho.
As máscaras olhavam para Jason silenciosamente com seus olhos de uva grotescos e
línguas frondosas.

- Quíron? - Jason perguntou - O que está aconte...

O velho centauro congelara, também. Jason pulou do sofá, mas Quíron continuou olhando para o mesmo lugar, sua boca aberta no meio de uma afirmação. Seus olhos
não piscavam. Seu peito não se mexia.

Jason, uma voz disse.
Por um horrível momento, ele pensou que o leopardo falou. Então névoa escura evaporou da boca do Seymour, e um pensamento ainda pior ocorreu a Jason: espíritos de tempestade

- hummm acho que não - disse Annabeth franzindo  cenho

Ele pegou a moeda de douro do seu bolso. Com um rápido arremesso, ela se transformou numa espada.
A névoa tomou a forma de uma mulher em robes negros. Seu rosto estava encapuzado, mas seus olhos brilhavam na escuridão. Sobre seus ombros ela usava uma capa de pele de cabra. Jason não tinha certeza de como sabia que era pele de cabra, mas ele a
reconheceu e sabia que era importante.

- Hera?- perguntou Thalia confusa

- Juno talvez - disse Annabeth revirando os olhos

Você atacaria seu patrono? A mulher repreendeu. Sua voz ecoou na cabeça de
Jason. Abaixe sua espada.

- Quem é você? - ele exigiu. - Como você....

- Nosso tempo é limitado, Jason. Minha prisão cresce mais forte a cada hora. Me
tomou um mês inteiro para reunir energia o suficiente até para trabalhar com a menor magia entre seus grilhões. Eu consegui trazer você aqui, mas agora não me resta muito tempo, e até menos energia. Essa pode ser a última vez que eu fale com você.

- Você está numa prisão?
- Jason decidiu que talvez ele não baixaria sua espada- Olhe, eu não te conheço, e você não é meu patrono

- Você me conhece, ela insistiu. Eu conheço você desde o seu nascimento.

Thalia engoliu em seco e se ajeitou na cadeira

- Eu não lembro. Eu não lembro de nada

- Não, você não lembra, ela concordou. Isso também foi necessário. Tempos
atrás, seu pai me deu sua vida como presente para apaziguar minha raiva. Ele lhe nomeou como Jason, por causa do meu mortal favorito. Você pertence a mim.

Thalia xingou em grego antigo

- é claro que tinha que ter o dedo dela nessa história - disse ela socando a mesa e fazendo Percy pular de susto

- Uou - Jason disse- Eu não pertenço a ninguém

Agora é a hora de pagar sua dívida, ela disse. Encontre minha prisão. Me liberte, ou o rei deles irá erguer-se da terra, e eu serei destruída. Você nunca reaverá sua
memória.

- primeiro Léo, depois Piper e agora Jason - disse Annabeth bufando

- É uma ameaça? Você pegou minhas memórias

- Você tem até o pôr-do-sol no solstício, Jason. Quatro pequenos dias. Não me fa-
lhe.

- 4 DIAS?- barraram muitos

A mulher obscura dissolveu, e a névoa girou para a boca do leopardo.
O tempo descongelou. O berro do Seymour veio numa tosse como se tivesse engolido uma bola de pelos. O fogo estalou para a vida, o fliperama fez bip, e Quíron disse,

-... ousaria trazer-lhe aqui?

- Provavelmente a mulher na névoa - Jason propôs.

Quíron olhou em surpresa.

- Você não estava sentado... por que você tem uma espada na mão?

- Odeio lhe dizer isso - Jason disse - mas eu acho que seu leopardo comeu uma deusa.

Ele contou para Quíron sobre a visita congelada-no-tempo, a obscura figura nevoenta que desapareceu na boca de Seymour.

- Ah, meu caro - Quíron murmurou - Isso explica muito.

- Então por que você não explica muito para mim?-  Jason disse - Por favor

Antes que Quíron pudesse dizer alguma coisa, passos ecoaram na varanda do lado de fora. A porta da frente abriu com uma batida, e Annabeth e outra garota, uma ruiva, entraram explodindo, arrastando Piper entre elas. A cabeça de Piper folgava como se
estivesse inconsciente.

- O que aconteceu? - Jason apressou-se - O que há de errado com ela?

- Chalé de Hera - Annabeth ofegou, como se tivessem corrido por todo o caminho -Visão. Mau

- provavelmente corri - disse Annabeth - aliás a gente demorou muito pra chegar

A garota ruiva olhou para cima, e Jason viu que ela estava chorando.

- Eu acho...- A garota ruiva tragou - Eu acho que posso ter matado ela

- ok - disse Rachel um pouco preocupada vendo a cara de Piper- talvez eu tenha dado uma exagerada messa parte 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...