1. Spirit Fanfics >
  2. Cherry Bomb - Imagine Lee Taeyong (Nct) >
  3. O demônio veste terno

História Cherry Bomb - Imagine Lee Taeyong (Nct) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Olá galera! Eu gostaria de pedir desculpas pela demora, esse mês a escola pegou pesado e tive provas online, foi bem complicado e acabei ficando sem tempo pra escrever.
Enfim, boa leitura ❤

Capítulo 2 - O demônio veste terno


Fanfic / Fanfiction Cherry Bomb - Imagine Lee Taeyong (Nct) - Capítulo 2 - O demônio veste terno

Ele me olha incrédulo, assim como eu também o via com o mesmo olhar.

Parecia inacreditável.

— Eu preciso sair daqui — Falo a meu pai, saindo imediatamente daquele lugar e indo para a piscina que havia no fundo de casa — Seria o último lugar que meu pai me acharia.

Suspiro fundo e dou voltas e voltas, incrédula sobre oque havia acabado de acontecer.

Estava escuro, a única luz era a da piscina e do luar.

— Acabou o show do seu pai? — Escuto uma voz rouca do outro lado da borda da piscina. Era Taeyong. Ele estava com um cigarro nos dedos — Isso de casar filhos é tão anos 50 — Joga o cigarro na piscina.

— Procurar moradia na casa da irmã é tão clichê — Cruzo os braços. Não estava afim de arrumar confusão, precisava me preocupar com outras coisas agora.

— Esperta até — Sorri irônico — Seu pai sabe que já dormiu com seu noivo antes do casamento? — Quesriona. Arregalo os olhos e fico confusa. Como ele sabia? 

— Como sabe? — Questiono irritada 

— Minha irmã é uma megera, fez isso pra ver se você desistia do casamento, e assim desistir de partes da empresa. Ela quer isso só pra ela. Só não esperava que seu pai te subornasse com seu sonho.

— Agora... Tudo faz sentido — Falo a mim mesma.

— Eu posso te ajudar a conseguir esse sonho se você me ajudar também — Se levanta, indo até mim com um olhar cínico — Eu te ajudo a conseguir dinheiro para ir morar com a sua mãe — Fica frente a frente comigo. Podia sentir sua respiração pesada.

— Como posso confiar em você? — Questiono.

— Você se casa, fica com a empresa de seu pai, pega o dinheiro necessário para viver com sua mãe, e depois passa a empresa no meu nome. Você pode confiar em mim, só terá que convencer seu pai a eu ficar nesse tempinho até resolvermos isso — Dá de ombros — Acha que vim aqui atoa, mas não mesmo — Sorri irônico — Agora, vai de você se prefere viver uma vida chata casada com um cara que provavelmente vai te chifrar quando tiver na meia idade, ou viver livre sendo uma artista de sucesso — Fico confusa — Eu vou deixar você pensar até amanhã — Se retira.

Como posso saber se isso não é nenhuma armação? 

Ele ficaria com a empresa, algo que não quero, e eu com a vida livre que sempre sonhei. É tentador. Eu só não espero fazer um trato com o diabo.

Saio daquele lugar pensativo e volto para o salão de festas.

Papai estava me esperando com meu noivo.

— Me desculpa fugir, precisava tomar um ar para absorver isso tudo — Falo para meu pai — Prazer, S/n — Me apresento a ele como se nunca tivesse o conhecido antes.

— Jung Jaehyun — Sorri forçado.

— Vou deixar que os dois se conhecam melhor, enquanto isso vou procurar sua mãe — Se retira.

Ele insiste em falar para todos que aquela megera é minha mãe.

— Não me olhe como se nunca enfiou seu lindo pau em mim — Cruzo os braços o olhando com raiva — Já sabia disso? — Questiono.

— Sim... — Fala de cabeça baixa — Só não imaginaria que a noiva seria você — Me olha de cima a baixo. Provavelmente olhando minha roupa inapropriada para um momento formal.

— E como sabia estava ficando com outra garota? A não, essa garota era sua noiva — Falo irônica. Ele revira os olhos.

— Digo o mesmo pra você — Vira minhas palavras contra mim — Pensei que tivesse mais educação para alguém de família... — Fica pensativo para não dizer "rica" — De bens preciosos 

— Eu não quero que nossa primeira DR seja por eu ser uma rica de educação baixa — Brinco para aliviar a tensão. Aliás ele era bem gato — Desculpa ter te ignorado hoje cedo, não imaginei que nos encontrariamos novamente — Falo de cabeça baixa.

— Tudo bem — Sorri de lado. Pelo jeito ele também não queria estar ali.

— Qual sua história? É óbvio que não queria estar aqui. Me conte vai, tem alguma mulher em especial que é apaixonado? — Questiono — Está triste e isso é óbvio — Ele sorri irônico.

— Estou triste por ter que me casar estando no auge da minha juventude com alguém de carácter duvidoso — Responde seco, sem nem ao mesmo pensar.

— Já fui chamada de coisas piores — Dou de ombros.

— Quando seu pai te descreveu imaginei que fosse uma garota inocente, loira e que usa vestidos rodados — Ele diz. O olho com reprovação no mesmo momento.

— Eu sou o tipo de garota que você gosta de pegar a noite? Estou certa? — Questiono irônica.

— Não. Só não é o tipo que eu me casaria.

— É uma pena — Dou um sorriso irônico.

— Por que? — Questiona

— Você é um idiota, do jeito que eu pensava — Suspiro fundo — Eu vou para o meu quarto invés de ficar nessa cerimônia recebendo foras de alguém que eu já peguei — Reviro os olhos, dando as costas a Jaehyun — Afinal, quem precisa de alguém pra crescer aqui é você, não eu — Comento. Logo em seguido me retiro indo até meu quarto.

Me deito em minha cama e apago a luz do abajur, ficando apenas com a luz do luar da janela aberta.

Foi um dia longo. Não consigo processar tanta informação ao mesmo tempo.

Oque mais me vêm a mente é sobre Taeyong dizer aquelas coisas. Querendo ou não é uma ótima idéia, e isso me faria morar com a minha mãe e ter a vida que sempre sonhei. Mas obviamente pra isso eu terei que conquistar Jaehyun, e não vai ser uma tarefa fácil.

Entre tudo, isso pode dar errado de várias maneiras. 

— Prefiro me arrepender do que passar vontade — Sussuro a mim mesma.

Eu tenho até amanhã cedo pra pensar. E se eu fizer alguma merda, não vai ser nenhuma novidade.

Em meio meus pensamentos sem sentido, ouço alguém bater na porta.

Devia ser Jisung me perguntando sobre como tudo tinha sido.

Me levanto de minha cama, acendo as luzes e vou abrir a porta.

— Eu tô com sono Jisung, amanhã eu te explic... — Me interrompo ao ver Taeyong em minha frente — Eu ainda não tomei uma decisão se quer saber — Reviro os olhos.

— Hnn sei — Adentra em meu quarto sem permissão alguma.

— Não entra no meu quarto dessa maneira. Menino estranho — Reclamo — Saia eu quero dormir.

— Eu pensei em ficar aqui até você se decidir — Se joga em minha cama.

Ele está desesperado por um "sim".

— Meu pai vai pensar que estamos tendo um caso. Saia daqui — Falo educadamente.

— Eca! Você não faz meu tipo — Me olha com reprovação. 

Ele sabe como provocar alguém.

Pra mim, o pior tipo de fora.

— Eu podia te responder e te provocar como estou acostuma com a maioria das pessoas. Mas sinceramente, estou exausta pra isso — Reviro os olhos.

— Só me de a resposta logo — Se levanta, indo até mim.

— Eu disse que vou pensar — Suspiro fundo — Se continuar me provocando desse jeito pode ter certeza que a resposta será não — Começo a perder a paciência,o empurrando da minha frente.

— Se for assim, eu saio do seu quarto — Sorri cínico. Se retirando do meu quarto.

Assim que ele sai, me deito e minha cama estressada e confusa.

Péssimo dia para ser eu.

Manhã seguinte 

Já estou acordada a um bom tempo. Mas não saí  do meu quarto nem sequer para tomar café. Não quero ver a cara de ninguém nesse momento.

Minha cabeça latejava por ter que processar tanta informação em pouco tempo.

Meu estômago se revira ao ponto de não querer tomar café.

De qualquer maneira, não posso ficar o dia inteiro nesse quarto.

Me levanto e crio forças para aguentar mais um dia.

Coloco meu chinelo, faço um rabo de cavalo e vou para a cozinha tomar pelo menos um copo de leite.

Assim que pego o copo de leite, vou para a varanda tomar um pouco de ar.

Quando chego na varanda, me deparo com meu pai conversando com Jaehyun enquanto estavam sentados na mesa da varanda.

— Até que enfim acordou — Meu pai comenta — Jaehyun estava te esperando. Pelo jeito a conversa de ontem rendeu bastante pra vocês dois — Sorri.

— Sua filha é incrível — Jaehyun comenta com um sorriso falso no rosto — Eu queria saber se posso levá-la ao shopping para nos conhecermos melhor — Meu pai concorda com a cabeça — Ótimo!

— Eu tô com dor de cabeça e enjoos, prefiro ficar em casa — Respondo em seco.

— S/N! — Meu pai exclama meu nome — Não rejeite esse convite. Isso é rude — Ele se levanta — Vou deixar vocês dois a sós, quem sabe Jaehyun te convencê a ir — Se retira do local.

Assim que ele sai, olho bem fundo nos olhos de Jaehyun e digo:

— Nem Judas foi tão falso como você.

— Isso é rude — Imita meu pai. Reviro os olhos e dou de costas — Eu não vou sair com você — Cruzo os braços antes de sair.

Ele vai atrás de mim e me puxa pelo braço até ele. Não de forma grosseira, mas de uma forma que não me machucasse  ou deixasse marcas.

— Eu acho que... — Me solta assim que me viro pra ele — Devia aceitar. Sinceramente seu pai ia odiar saber que está beijando seu querido "tio" — Me deixa em choque. Afinal, oque ele dizia era mentira — Eu vi ele saindo do seu quarto ontem a noite.

Facilmente manipulada por homens bonitos.

 Infelizmente não posso dizer a verdade pra ele, então prefiro deixar ele acreditar.

— O diabo veste terno — Falo irônica o olhando de cima a baixo — Me encontre aqui,vou colocar uma roupa descente.

— Tudo bem — Sorri vitorioso.

Okay Jaehyun, agora isso virou algo pessoal.

Se esse contrato com o Taeyong for ferrar com a sua vida, eu aceito.

Subo até o quarto de Taeyong e bato na porta, ao abrir ele sorri.

— A resposta é sim — Falo com raiva, logo em seguida saindo e indo até meu quarto.

Eu sinto que a partir de hoje isso não vai ser nada fácil.

Continua...










Notas Finais


Obrigada por ler e me perdoem a demora ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...