1. Spirit Fanfics >
  2. Chica Vampiro - O Retorno ao Mundo Mortal >
  3. A Reunião (Parte 1)

História Chica Vampiro - O Retorno ao Mundo Mortal - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoal! Mil desculpas em ter parado a história. Estou surpresa por vocês terem se mantido na espera, e mais ainda pelos novos leitores! Muito Obrigada pela força! O capítulo que eu estou escrevendo decidi quebrar em partes, assim posso renovar a leitura para vocês também!
Novamente, obrigada por não desistirem!! Tentarei continuar e concluir essa fanfic por vocês!

Capítulo 15 - A Reunião (Parte 1)


-Eu tenho que ir mesmo? - perguntou Isabella ao irmão. Os dois esperavam seus pais na sala.

-É, eu preferiria ficar em casa jogando do que arriscar esse lindo pescoço num covil de vampiros! - respondeu Diego, e então sussurrando. - E outra… se eu vir aquele Mirco eu dou um soco nele!

-Hum, é mesmo? Você estava todo amigo dele quando ele te ajudou naquele trabalho da escola! - zombou Isabella, dando uma ombrada no irmão.

-Ele se acha muito! E outra… ele só ficava perguntando da mamãe! Ai dele se fizer nossos pais se separarem! - respondeu Diego, dando um soco na própria mão.

-Que tal montarmos a operação “Anti-Vampiros”? Assim evitamos que ele ou qualquer um deles se intrometa na vida da mamãe e do papai! - sugeriu Isabella, estendendo a mão para o irmão, que prontamente a aceitou e fechou o acordo - Não sei ainda o que fazer, mas não vamos deixar eles voltarem principalmente para a vida da mamãe! 

-Conta comigo! De vampiros já basta os da série da mamãe! - concordou Diego.

- O que vocês dois estão cochichando, posso saber? - perguntou Lucia, descendo as escadas com Benjamin.

-Sobre a série da TV a Cabo que estamos acompanhando juntos! - disfarçou Isabella, levantando e puxando o irmão para levantar junto - Vamos logo que eu quero acabar o quanto antes com isso!

A família Godoy saiu de casa com Lucia dando sermão nos filhos para que se comportassem e fossem simpáticos, “Nada de comentários inoportunos, ouviu Isabella?”, disse Lucia, chamando a atenção da filha.

Do outro lado do bairro, a família Herrera se encontrava na mesma situação, saindo de casa para ir à reunião. Marilyn quase fez todos pararem na porta e voltarem, quando estava a ponto de desistir, mas sua curiosidade de ver como seus antigos colegas estavam falava mais alto, mesmo com todo medo que estava sentindo. Por via das dúvidas, colocou uma quantidade suficiente de dentes de alho na bolsa para distribuir aos filhos caso fosse necessário.

-Querida, se não tem certeza mesmo de ir nessa reunião dos seus colegas, podemos ficar em casa sem problemas. - disse Miguel, parando Marilyn quando ela lhe entregava uma cabeça de alho.

-Sim, Mamãe! Eu estou com medo de ficar entre vampiros, eu aceito ser a desculpa, vamos falar que fiquei doente! - exclamou Lupita

-Não! Não! Eu não vou dar para trás e dar o gostinho para a Daisy O’Brien, e para todos eles! - respondeu Marilyn, brava. - Quero que me vejam, que saibam que dei a volta por cima e que eu tenho uma família que me ama e me aceita…

-Mãe, mãe, calma! - pediu Rafael, abraçando Marilyn. Ele era o filho que tinha o poder de trazê-la de volta si, e Marilyn se sentia eternamente grata por ele. - O seu passado não importa para nós, e se importa para eles, então eles são uns imbecis.

-Sim, vida eterna presa à lembranças antigas, quem quer uma vida dessas? - completou Miguel, esfregando as costas da esposa.

“Eu bem que queria vida eterna.” comentou Eleonora, sendo apoiada pelo irmão mais novo, Alfonso. “Shu, Shu vocês dois! Vamos logo antes que eu desista mesmo”, exclamou Marilyn, saindo à frente e guiando sua família.

Marilyn e Lucia, com suas respectivas famílias, chegaram juntas à casa de Daisy. Os adultos se comprimentaram educadamente, enquanto que os jovens como eram amigos, montaram suas respectivas “panelinhas”. Lucia e Benjamin tomaram a frente e lideram o caminho até chegar a porta de entrada. Antes mesmo que pudesse tocar a campainha, Daisy já estava abrindo a porta e jogando os braços em Lucia, dando um abraço apertado na amiga.

-Ai que bom que vocês vieram mesmo! Eu estava com tanto medo de darem para trás! Estamos tentando marcar esse encontro faz tanto tempo! - exclamou Daisy.

-Daisy! Deixa a Lucia respirar! E aí, Benja, como está? - cumprimentou Max, saindo a porta e estendendo a mão para Benjamin. - Você mudou hein!

-Hã… e você está mais pálido. - respondeu Benjamin, sentindo-se estranho de ver Daisy e Max jovens, praticamente da idade de seus filhos, apesar do visual mais maduro.

-Hum… Marilyn, que bom que você também pode vir. - cumprimentou Daisy, finalmente percebendo a ex-inimiga parada logo atrás de Lucia. Olhando para os demais, reconheceu Isabella e Diego, e os demais jovens que deveriam ser os filhos de Marilyn. Olhando a que deveria ser a filha mais velha, sentiu como se estivesse vendo a própria ex-inimiga 35 anos atrás, mesmo que com o passar dos tempo a fisionomia de Marilyn não tivesse mudado tanto, exceto pelas rugas. - Por favor, entrem. A Belinda e família já estão aqui.

Daisy e Max abriram passagem para que os mortais que restavam entrassem na casa. Lucia sentiu uma onda de nostalgia, mesmo que toda a decoração e estrutura do primeiro andar tivesse sido alterada após reformas. “Tantas coisas que vivi aqui…”, pensou. Ela e Benjamin cumprimentaram Belinda e os filhos, e então começaram a cumprimentar os vampiros. Além dos residentes da casa, Mirco, Alejandro e Junior, se juntaram à reunião também os pais de Max e de Daisy e Zaira.

-Lucia! Que bom te encontrar! Você está tão linda! - exclamou Ana, abraçando Lucia - O tempo fez bem a vocês, nunca ia imaginar que o Benjamin se tornaria um cinquentão tão bonito. Deu sorte, hein!

-Obrigada, Sra O’Brien! O sortudo mesmo sou eu. - respondeu Benjamin, trocando um olhar caloroso com Lucia, enquanto que do outro lado da sala Mirco fechava a cara.

-Bella, Diego, venham aqui conhecer os O’Brien! - chamou Lucia, fazendo olhar ameaçador para a cara de desânimo dos filhos.

-Uau, sua filha lembra muito você, Lucia! E o Diego é sua cara, Benjamin! - comentou Ulisses, enquanto trocava aperto de mãos com os filhos de Lucia - Vocês não tem com que se preocupar, aqui, Ok? Estou percebendo que estão pouco à vontade.

-Ah, é… pois é. - respondeu Isabella, sem graça, cruzando os braços.

-Marilyn, uau! Quatro filhos e manteve o corpo em forma? Qual o segredo que eu não descobri quando era mortal, hein? - perguntou Lynette, sendo a primeira vampira a conversar com Marilyn.

-O segredo foi exatamente esse, quatro filhos, tempo nenhum para comer e só tempo de correr com a vida. - respondeu Marilyn, fazendo Lynette rir, e sentindo-se um pouco mais a vontade - O vampirismo te caiu bem né?

-Ah sim, querida! Uma pena que eu não fui transformada jovem, mas fazer o que! - respondeu, ajeitando o cabelo.

-Marilyn, nos apresente sua família, que tal? - sugeriu Daisy, fazendo todos prestarem atenção em Marilyn.

-Hum, bem, esse é meu marido Miguel Herrera - começou Marilyn, segurando o braço do esposo, que cumprimentava todos na sala sem graça, e então apontando para cada filho conforme apresentava cada um deles - E meus filhos Rafael, Eleonora, e os gêmeos Lupita e Alfonso.

Assim como o pai, os filhos de Marilyn apenas acenaram com a cabeça,visivelmente tímidos. Eleonora trocou olhares com Francis, mas então logo seu olhar e de Junior se prenderam, e ela abriu um sorriso para o vampiro, que não foi retribuído e deixou a menina sem graça.

-Bom, antes de nos soltarmos e comermos, eu gostaria de dizer umas palavras… - começou Max, batendo em sua taça com licor de plasma. - Estou muito feliz de poder estar com vocês, Benja, Lucia, Marilyn, e principalmente com você, Belinda, depois de tantos anos. Faltou o Péricles, é claro, mas ele não vive mais no país, então seria impossível ele estar aqui. Eu quero que saibam que não é um reencontro para lavar roupa suja nem nada, é um encontro para nos conhecermos de novo e reatar nossos laços!

-Ai quanto sentimentalismo, Max, você não muda mesmo, hein! - exclamou Alejandro, que não saía de perto de Belinda, e fazia com que Zaira consequentemente não saísse de perto dos dois - Vamos gente! Vamos animar essa reunião com música, os comes e bebes, por favor!

-Sim, sim, ele tem razão, anda, Lynette, ajude o menino a trazer as coisas! - concordou Álvaro, empurrando a esposa, e recebendo uma ameaça de vamp-sopro.

Enquanto Ana colocava um CD de músicas mortais atuais para toca com seu vamp-poder, Daisy, Lucia, Belinda e Alejandro terminavam de arrumar a mesa com as comidas mortais e vampíricas para ficarem a disposição. Não demorou muito para os mortais se soltarem e interagirem mais com os vampiros.

Os mais jovens, Lupita, Alfonso e Diego formaram uma roda em torno de Ulisses e Ana, os surpreendendo com tantas perguntas curiosas. Daisy, Max, Lucia, Benjamim, Alejandro, Belinda e Marilyn com seu marido acabaram formando uma outra roda, onde relembravam e contavam sobre como havia sido a vida de cada um, e o não julgamento dos demais com Marilyn acabou deixando-a mais confortável de estar de volta com sua antiga turma. Mabel, com Luis e Francis ficaram conversando com seus avós Lynette e Álvaro, que estavam tentando disfarçar o quão encantados estavam de estarem finalmente conhecendo seus netos mortais.

E Isabella, Eleonora e Rafael acabaram formando uma roda com Junior, Mirco e Zaira, esses dois sem querer sendo excluídos da roda da amizade. Vampiros olhavam Mortais com tédio, enquanto que cada Mortal olhava os Vampiros num misto de apreensão (Rafael), um pouco de raiva (Isabella) e curiosidade (Eleonora).


Notas Finais


Não sei quando será o próximo post, mas prometo que tentarei ser rápida na atualização! Novamente, obrigada!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...