História Chicotes e correntes - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Bakugo Katsuki, Midoriya Izuku
Tags Bakugou Uke, Deku Seme, Fetiche, Kacchan Uke, Katsudeku, Midoriya Seme, Sadomaso
Visualizações 371
Palavras 1.382
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


NOSSA SENHORA, EU NÃO TENHO MUITO A DIZER AQUI.
MAS, BOA LEITURA!!!!

Capítulo 1 - Capítulo único - Posso ser mau, mas sou bom nisso


Por que eu fui me meter nisso mesmo? Ah é, eu e minha boca de praga. Eu tinha um relacionamento completamente saudável com meu esverdeado, ele era um pouco tímido, mas era uma graça. Tinha um jeito todo atrapalhado e eu era dominante em relação à ele.

Mas hoje de tarde eu tive que abrir o bico, tive que acordar a fera adormecida. Eu chamei meu bebê para uma noite de fetiches, seria um passo louco no relacionamento. Ele aceitou e eu esperava outra coisa, juro.

Dei a oportunidade de realizar seus desejos primeiros. E agora estou preso por correntes em minha própria cama, o quarto todo escuro, iluminado somente pela luz da lua. A janela aberta, por onde entravam brisas que me faziam arrepiar cada pelo que eu tinha no corpo. Afinal, eu estava completamente nú.

Meu namorado chegou com alguns chocolates, chicotes e algumas velas; indicando tudo que ele queria. Fiquei perplexo por alguns segundos, mas no fim não reclamei. Talvez eu goste um pouco de ser dominado pelo meu esverdeado, nunca pensei na relação desse modo, ora ora, não posso ser egoísta, preciso dar também, certo? Mas se eu era egoísta, o Deku era altruísta? Fica aí a dúvida.

POV Narrador

— Oi loirinho, esperou muito? — O mais baixo fala, queria dar para seu amado uma noite maravilhosa, mas do seu jeito.

— Claro que não querido, mas o que vai fazer com esse chocolate? — O mais alto pergunta, afinal, entendia o que ele queria com os chicotes e as velas, mas o chocolate fugia do alcance de sua mente.

— Eu vou fazer maravilhas. — O mais novo responde com grande ousadia, fazendo o loiro ficar um tanto balançado e admirado pelo seu próprio namorado.

O esverdeado acende as velas e as coloca de maneira que desse para formar um pentagrama se assim quisesse, Katsuki achou aquilo um marco em sua vida, transar como parte de ritual, de onde o menor tirava tais ideias?

O ambiente mudou um pouco com tais luzes ali, dava um ar mais romântico, mas o que o mais novo queria, era o ar de "sala de sexo ou tortura", com coisas que deixassem o local mais antigo. Bem parecido com os estilos medievais.

O mais velho espera pacientemente que seu amado acabe, até que o menor tira completamente sua roupa. Quando chegou perto o suficiente do loiro, ele já estava excitado só pela visão que estava tendo e pela sua situação. O esverdeado não pôde negar que se surpreendeu, não esperava que seu parceiro fosse assim.

— Isso quer dizer que eu posso ir com tudo, certo? — O menor indaga para seu parceiro.

— Vem, e vem com força! — O maior praticamente implorava, o que fez o outro esbanjar um sorriso.

A primeira coisa que o menor fez, foi acertar uma chicotada na coxa do loiro, que fez uma cara de dor e de prazer ao mesmo tempo, céus, não imaginava que seu namorado fosse de fato um masoquista; isso daria chances para ele se libertar e deixar aquele seu lado sádico aflorar um pouco, talvez um pouco demais...

Izuku segura com força o pênis do mais velho, ele tenta conter um gemido; mordendo o próprio lábio. Estava amarrado, não teria outra forma.

— Kacchan, amor, deixe que saia tudo, por favor. — O mais novo pedia com carinho, apesar de suas ações, suas falas ainda tinham a essência Izuku de ser.

Katsuki relaxou com a fala de seu namorado, acabou de ser seduzido.

— Vou fazer o que você quiser, Deku. — Pronuncia naquela noite, o apelido do menor pela primeira vez, um tesão invadiu o pequeno, ele não sabia nem o motivo. Talvez ele adorasse ser chamado por aquele nome.

A ereção do esverdeado que antes estava apenas semi dura, agora estava quase em seu auge, espantando o loiro.

— Gosta tanto assim quando pronuncio o apelido que te dei? — Inquere o mais o novo, que sorri com tal fala.

— Gosto, e vou fazer você gritar muito ele. — Ele responde à altura, queria proporcionar os melhores momentos para os dois.

Izuku larga o membro de seu namorado e dá outra chicotada, dessa vez na borda da coxa, próximo da bunda. Katsuki geme de satisfação, podia dizer o que fosse, mas estava adorando aquilo.

O menor pega o chocolate e se senta no peitoral do maior, Katsuki não teria avistado até agora o estado do chocolate, derretido; de propósito. O mais baixo lambuza seu próprio pênis com o chocolate.

— Você não está pensando em? — O loiro questiona as ações do outro.

— Estou sim, agora diga "A". — Então sem escolhas, o maior abre lentamente sua boca recitando a vogal A.

O mais novo põe o resto do chocolate na boca de seu amado. E enquanto ele mantinha a abertura, abusou de sua posição e adentrou a boca do loiro com seu pênis lambuzado de chocolate, além do maior já estar com o resto do mesmo em sua boca.

Izuku fazia movimentos de vai e vem, deixando o Katsuki sem saída; assustado. Medo esse que logo passou, o loiro nem percebeu, mas ele já chupava com gosto o membro de seu namorado atrás de tirar todo o chocolate. Izuku permanecia parado vendo o show.

O maior se dá conta quando deixa de sentir o gosto de chocolate. Ele olha para cima e vê o outro com uma cara de safado.

— Kacchan, melhor boquete que você me fez até hoje, vou até te recompensar com um. — O menor se manifesta e saí de cima do seu namorado.

O esverdeado se locomove para a borda inferior da cama, onde estavam as pernas do loiro. Dá um sorriso totalmente malicioso antes de abocanhar com tudo o pênis do maior, causando uma sensação que o mais velho considera indescritível, contudo; é apenas o prazer de estar dentro daquela boca maravilhosa outra vez.

Izuku é hábil em seus movimentos, fazia daquela cena quase um baile, levando o outro à loucura. Ele não saberia quanto tempo aguentaria, então achou um jeito de avisar ao menor, gritando com força.

— DEEEKUUUUU! — O mais baixo quase entra em um transe ali mesmo, sentia-se nas nuvens, apesar do ambiente. Desistiu do boquete, se o outro havia gritado, queria dizer que iria gozar em pouco tempo; o loiro sabia dos possíveis outros planos que seu amor poderia ter.

— Diz pra mim o que você quer, meu loirinho. — O esverdeado provoca o outro com tudo, precisava saber até onde ele conseguia levar isso para fazer ele implorar.

— Eu quero você, dentro de mim. — O mais alto pronunciava suspirando, o suor estava presente em todo o seu corpo. Izuku aplica outra chicotada em seu namorado, dessa vez na barriga.

— Diz com mais jeitinho. — O rosto do menor já mostrava satisfação, contudo, iria levar aquilo em outro patamar.

— Me fode. — Katsuki profere mordendo seu lábio inferior. Outra chicotada é ouvida, novamente na coxa.

— Está quase lá... — O mais baixo não deixava nenhuma provocação passar.

— ME FODE COM FORÇA USANDO ESSE TEU PAU DELÍCIA, DEKU! — O loiro grita ligeiramente, ele surpreende o menor com sua atitude, certamente estava muito mais que satisfeito.

— Com todo prazer, meu amor. — O esverdeado decreta.

— Você é mau, Deku. — Katsuki sugere. O menor prepara o maior levemente, não poderia ser tão fofo e piedoso agora; ainda mais que seu namorado ainda encontrava-se preso por correntes.

Izuku vai com tudo que tem, de uma única vez entrando completamente no outro; que grita de prazer e dor. Ele tentava se concentrar com tamanho prazer recebido.

— Posso ser mau, mas sou bom nisso. — O esverdeado se expressa com um sorriso descarado. O loiro se concentra em receber o menor como um todo.

Entretanto, Izuku não deixaria só por isso; pegou seu chicote e deferia vários golpes seguidos no outro. O mais baixo também ia fundo no seu loiro, atacava com todo o seu ser.

— DEEEEEEKUUUUUUUUUUUUUUU! — O mais alto levado à níveis absurdos de delírio, gozou; falando outra vez o apelido do menor, causando tamanha êxtase.

Como se fosse um incentivo, o menor bombardeia o maior, chegando rapidamente em seu ápice. Gozou ali mesmo, dentro do outro.

— Quer repetir a dose outro dia? — O menor inquere para seu parceiro.

— Sempre. — Katsuki responde por fim.

O menor se joga na cama e dorme com o maior ainda algemado, precisavam repor suas energias; possivelmente para outra rodada em um futuro próximo.


Notas Finais


SEGUNDO LIMÃO, OLHA O QUE EU FIZ, NOSSA SEM HORA!!
Dedico essa fic fortemente para a @LariValk, ela tem um dedo nesse Deku seme aí!!
Se acharam algum erro, avisem, plox. S2
Eu tenho uma penca de fic de BnH em meu perfil, se quiserem dar uma olhada...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...