História Choices - Capítulo 19


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Castiel, Nathaniel
Tags Amor Doce, Castiel, Nathaniel
Visualizações 15
Palavras 2.860
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente vou postar esse capítulo e outro do futuro, se puderem comentar nos dois ao invés de só no último ficaria feliz
Boa Leitura

Capítulo 19 - Give Me Love


Fanfic / Fanfiction Choices - Capítulo 19 - Give Me Love

O homem nomeado como seu melhor amigo tentou aceitar a noticia que recebeu sem muito surto, mas aconteceu, ele saiu um pouco de órbita, abrindo e fechando a boca várias vezes sem saber bem como expressar sua incompreensão, Lysandre escutou o relato com certeza embelezado de Castiel sobre o pedido que fez a Mia, porque não, não havia como ter sido tão romântico, se bem que a parte mais inacreditável era que ele tinha acontecido. Castiel pediu alguém em casamento e não era o dia da mentira.

—  Você vai casar com Mia Grey. —  conseguiu colocar voz nessa afirmação. —  Por que você vai casar com Mia Grey? —  nada contra a pessoa Mia Grey, nada contra a ideia de uma cerimônia clichê, nada contra alguém se unir em um casamento, Lysandre só não conseguia ligar o conceito de comprometimento com votos aCastiel e Mia.

—  Por que as pessoas se casam? —  retrucou antes de tomar seu suco. 

—  Porque elas tem um plano. Elas vivem sua vida desde o começo decididas a segui-lo, ao longo do caminho encontram alguém que queira fazer parte desse plano e o cumpre. Você não é uma dessas pessoas, você quer fugir dos planos, Mia odeia esse planos realmente. —  explica e Castiel ri da confusão do amigo.

—  Você foi me disse que eu estava apaixonado por ela, você me fez enxergar que eu estava apaixonado por ela, e o que eu sentia naquele dia é uma pingo perto do oceano que sinto nesse momento. Lysandre, eu vou falar algo agora que poderá me fazer ser zoado para o resto da vida mas os caras apaixonados estão certos, amar alguém te transforma, não é que te muda, você não deixa de ter seus defeitos horríveis, mas as suas qualidades elas aumentam, gostava de quem eu era antes, gosto mais de quem sou agora e é por causa da Mia. Eu não preciso de um casamento. Mia precisa, porque ela tem medo das pessoas deixarem ela então sutilmente eu quero que ela veja essa decisão como um ponto de certeza sobre nós, não quero pela simbologia de que por casar com ela vou ficar com ela para sempre, quero pelo fato de que a Mia vai parar de ter medo e eu só quero que ela pare, porque ela vai ser muito feliz se parar e eu quero fazer ela feliz. —  No restaurante que os dois mais frequentavam Lysandre teve uma certeza sobre Castiel, ele nunca tinha sido a pessoa horrível que ele achava que ele era. Castiel podia ser bom. Podia amar alguém com tanta sinceridade.

—  Ela te ama também. Mia, ela vai te dar o coração dela se é o que você quer. —  não tinha dúvidas sobre isso, e queria realmente iniciar seu apoio com uma mensagem de que estava ao seu lado, só que ele estava no de Mia dessa vez, porque ele via partes dela que ninguém tinha dado trabalho de olhar durante as vezes que se encontravam.

—  Seu tom foi como se fosse algo ruim. —  notou sem temer exigir que ele falasse mais.

—  Ela é realmente livre, leve e descomprometida com o mundo, pode parecer que é porque ela chegou em um patamar incrível que nenhuma outra mulher chegou, o de não se importar com as idiotices fúteis, mas ela só é sozinha, não importa como qualquer um veja a situação, Mia é sozinha, ela tem consciência da sua solidão, então case com ela, seja feliz, só não ignore o fato de que se ela se entregar você vai assumir a responsabilidade de preencher todos os vazios que ela traz. —  foi verdadeiro.

—  O que está tentando me falar? —  quer o resumo direto ao assunto.

—  Eu sinto que você pode acabar com ela a dando esperanças, e acho que se você acabar de quebrar Mia Grey quem nunca vai se recuperar vai ser você. —  o clima acabou por ficar frio. Castiel piscou como se tentasse se controlar para não agredir Lysandre e sua face indiferente.

—  Você fez esse ser o pedido de padrinho  mais ridículo do mundo Lysandre. —  só falou para fugir, porque seu coração sofreu com a mera suposição insana que o que Lysandre sugeriu pudesse acontecer.

Ele havia escolhido dar o mundo a Mia.

Ele daria o mundo a Mia.

Castiel só não sabia que ele deveria se incluir nele.

 

 

...

—  É um épico dia no universo, quem pensaria que esse dia chegaria? Quero beijar Castiel por fazer esse milagre acontecer... Ou não porque seria estranho beijar seu noivo. Mas... Mia Grey vai se casar. Eu amo esse dia. —  essa foi a reação que Chani teve ao escutar Mia debochar de como tinha feito uma noite memorável ser engraçada e dramática. Suas amigas estavam no quarto dela e enquanto Chani parecia  pronta para mandar fogos de artifícios soarem lá fora Rosalya estava cautelosa e um tanto incomodada.

Mia sorriu como nunca não se focando nessa última, ainda não estava acreditando que aceitou, que iria se casar, que ia se dar uma chance, talvez ter uma família, um futuro que não incluía gatos e morar em uma mansão sozinha, digo se a felicidade fizesse alguém brilhar ela estaria cintilando como o diamante em seu dedo.

—  Eu vou casar. Eu vou casar com Castiel. E de quebra vou irritar a mãe dele. Eu amo esse dia também,Chani, eu amo esse dia. —  se abraçaram os gritos e Mia procurou em sua memória um dia que tivesse sido tão surpreendente e feliz. Não encontrou.

—  Eu vou ser uma dama de honra linda, esse casamento fica cada vez melhor. Podemos ter uma despedida de solteiras em Las Vegas, um chá de lingerie na Victoria's Secret, eu vou tirar mil fotos desse casamento, eu vou te comprar uma ilha de presente para a lua-de-mel. Eu estou excitada e animada como se fosse meu casamento, eu te amo tanto sua vaca, não acredito que vai se casar. —  Mia quase foi as lágrimas com uma demonstração tão animada.

—  Eu meio que estou sentindo um orgasmo emocional agora que finalmente compreendi que vou ter sexo garantido com aquele homem para o resto da vida. —  Mia era a pessoa mais inconstante do EUA. Tanto que após isso sua próxima ação foi estourar o champanhe que pediu para Chani trazer ao falar que tinha uma ótima noticia.

Enquanto Chani ria a ponto de chorar enchendo a cara também, Rosalya permanecia calada sem dar sua opinião. 

—  Estão tratando esse pedido como se casamento fosse só uma festa que envolve preparações com muito dinheiro e luxo. Você vai ter que prometer a alguém que vai estar ao lado dele para o resto da vida. —  quando falou foi algo dessa forma. As outras duas pararam e encararam ela. Chani ficou incrédula, Mia não, só esperava quando essa nova Rosalya iria dar emoção a sua atitude não habitual. A de ser feliz.

 

—  Não vou deixar você fazer isso, não hoje, não me colocar no lugar de quem parece que faz tudo por capricho, eu nunca pensei que merecia algo desse tipo, um namorado que seja sincero sobre seu amor, um pedido de casamento, uma chance, e eu tenho agora, e eu vou segurar e quero que segure comigo, mas se você acha que eu sou tão superficial para não saber arcar com um casamento então por que é minha amiga? —  desabafou exausta dela.

—  Seja sincero sobre seu amor? Castiel começou isso por uma transa ocasional, o que acha que em você inspirou ele a virar um homem apaixonado? Sua estabilidade emocional? Você nunca teve uma, sempre no limite entre considerar pessoas objetos e conquistas vitais, você é um poço de desinteresse ambulante e quando notar que esse casamento não é para você vai acabar com ele. —  ela não saiu como da outra vez, na verdade continuou a olhar Mia que tomou uma decisão que nunca pensou que tomaria sobre Rosalya.

—  Está certa. Sou assim. Porque eu posso. Porque tenho tudo e terei o que não tenho. E você é só... Você... E ninguém vai olhar para você enquanto eu estiver na frente, deve ser horrível saber que ninguém saberá quem Rosalya é enquanto Mia Grey existir, não está preocupada com o que restará de Castiel depois de mim está aterrorizada com o que sobra para você se eu pegar todas as coisas que você quer. Porque você quer ele não quer? Eu sei que quer, e não porque ele é gostoso milionário ou algo do tipo, você o quer porque ele me quer e você quer trocar o gosto dele. —  e todas as partes afiadas que já machucaram os outros se encontraram direcionadas para ela.

—  Mia, o que você está falando? —  foi a vez de Chani entrar na discussão. Rosalya segurou suas lágrimas, suprimindo toda raiva que sentia naquele momento por Mia, mas não falou, não fazia o tipo dela brigar de volta.

—  Isso nunca aconteceu. Você nunca foi hostil e eu nunca te ofendi. É meu perfeito dia e você não vai estragá-lo. Então amanhã eu vou continuar fingindo que acredito na sua amizade como fiz todos esses anos, você interpretará o papel de boazinha que nunca me odeia e nós duas saímos como somos. —  Mia propôs. Fazendo Chani arregalar os olhos.

—  O que isso deveria significar? —  fingimentos? Interpretações? Essa amizade, essa confiança nunca foi sincera? Quando Mia falava que estava sozinha falava a verdade? Espera, nunca considerou nem ela sua amiga?

—  Um jogo que eu e Rosalya adoramos. —  esperou que ela confirmasse. Rosalya suspirou.

—   Sim. Eu fico muito feliz com seu pedido Mia, espero que sejam felizes. —  Mia enxugou uma lágrima que escapou dela e sorriu.

—  Boa garota. —  elogiou.

 

 

 

...

O que estava acontecendo naquele jantar não costumava acontecer. Seu pai resolveu fazer parte dele, então por hora Mia também já que nunca se juntava a Ruby, fez de tudo para esconder o anel que mostrava sua nova realidade e buscou no meio daquele silêncio desconfortável o momento que anunciaria o que esperou.

—  Para alivio de vocês logo mais sairei da mansão. —  falou como se não fosse nada. Ruby quase engasgou, seu pai ergueu o olhar para ela e esperou que fosse mais explicativa. Mia riu. —  Vou me casar, tenho namorado esse cara por 7 meses, por isso passo tantas noites fora de casa, não que eu fosse explicar a você Ruby ou não que você tivesse notado pai porque para isso precisaria estar em casa. Mas, é a novidade do ano. —  os dois continuaram chocados. —  Hesitava sobre sair para proteger você da Ruby, mas agora acho que se merecem.—  foi o que afirmou antes de tomar seu suco. —  Tentei por anos fazer você ter um pouco de afeição por mim, mas acho que é hora de abrir mão de algo desse tipo. — continuou.

—  Tem certeza que esse rapaz não só a quer pelo dinheiro Mia?—  fazia tanto tempo que não ouvia o pai se referir a ela que a voz a deixou surpresa.

—  Obrigada por dar a entender que não tenho nada de interessante e que um cara só se casaria comigo pelo meu dinheiro, mas, não. Ele é rico. Nos casaremos com separação de bens. —  foi com ironia que falou. Seu pai suspirou.

—  Como pode se casar com alguém que sua família nem conhece? Esse rapaz nunca nem jantou aqui. —  Mia riu, só podia ser uma piada.

—  Minha família? Vocês são minha família? Pai você não janta nem comigo que sou sua filha, e falando com sinceridade nunca precisei da sua autorização para nada, só quis informar sobre meu casamento, nem é como se eu tivesse convidando vocês. —  depois disso o jantar perdeu o pouco de civilidade que tinha.

 

...

Mais tarde naquela noite depois de conversar com Castiel no celular combinando de dormir na casa dele algo que deixou Mia chocada aconteceu, seu pai foi ao quarto dela, para conversar com ela, para falar algo para ela, para notar que ela existia. Nem parecia que algo do tipo poderia acontecer.

—  Por que vai casar com esse garoto? —  parecia que tinha pensando extremamente nessa pergunta simples.

—  Porque ele é uma ótima opção. —  essa era a resposta fútil, a verdadeira era que estava se afogando e acreditava que Castiel era seu bote salva-vidas, ela só queria poder respirar sem dificuldades.

—  Ruby me falou que nunca conseguia levar nada a sério. —  Mia poderia ficar feliz por saber que ele perguntava dela para Ruby, mas ficou triste por a palavra de Ruby valer tanta coisa. Suspirou exausta de tanta dor e rejeição sobre quem deveria amá-la.

—  Ruby te conta meus defeitos porque ela só os vê, porque só demonstro isso a ela, mas eu tenho qualidades e você nunca quis saber deles, nunca quis saber de mim. —  seu pai a olhou como se falasse que não ia perder tempo com uma briga. —  Eu amo ele. —  a afirmação foi rápido mas ele captou tanto que olhou para ela surpreso demais. —  Eu acho que amo. Eu nunca fui amada ou amei, ninguém nunca me ensinou, mas o que sinto por ele me salva de mim mesma as vezes e o amor deve ser dessa forma, bom, compensador, amo Castiel por quem sou com ele. Feliz. —  e foi com quem menos merecia que foi sincera.

— Certo. —  essa foi a forma dele de falar que ouviu.

—  Eu sinto muito. —  afirmou e ele não entendeu. Mia chorou. —  Sentindo agora o que sinto porCastiel entendo porque me odeia, eu matei a mulher que você amava, e eu sinto muito e pode ficar aliviado com a minha culpa, ela está presa aqui. Eu entendo como se sente sobre essa parte. Mas, se eu tiver filhos, se eu começar a amá-los independente do quanto temerei ser como você eu vou te odiar, vou te odiar por me odiar por tê-la matado mais do que me ama por seu sua filha.— Mia avisa.

Ele suspira.

—  Certo. —  e ele some dali pela milésima vez.

...

Castiel não tinha experiência em notar quando alguém não estava bem, porque no fim ele nunca gostou muito de reparar nas outras pessoas, mas quando falou com Mia percebeu que sua voz demonstrava uma fragilidade que ela raramente entregava aos outros, então foi um noivo atencioso quando falou com ela outra vez pedindo que ao invés de vir para o apartamento dele os dois se encontrassem no endereço que ele enviou.

Era praticamente no fim da cidade, um lago localizado abaixo da ponte principal do lugar, sentados em frente a ele nas pedras exibidas ali podiam observar o local que nasceram se iluminar pelas luzes nos prédios, Castiel abraçava Mia por trás e no silêncio daquela noite só podia sentir a respiração dela ressoando em seu peitoral.

Ela mal podia falar o quanto agradecia por aquele momento tão simples e significativo, achava que era por decisões como esta que aceitou se casar com ele, por poder se sentir segura em seus braços olhando uma imagem nada romântica.

Estava frio mas o corpo dele a aquecia de todas as formas, ele não pediu por um desabafo ou clamou por sua voz apenas apoiou seu queixo na cabeça dela e vez ou outra beijava seus cabelos e rosto querendo a confortar sobre qualquer temor que pudesse ter passado antes de encontrá-lo.

—  Você ama a pessoa que você é?  —  Mia sussurrou olhando fixamente para as águas, Castiel precisou de um tempo para entender. —  O que você mudaria em você? —  aquilo soava mais complicado do que parecia.

—  Hum...Eu acho que me importaria mais com os outros.  —  queria ser inspirado dessa forma.

—  Você se importa comigo?  —  se virou e perguntou calma.

—  Eu só me importo com você.  —  foi sincero. Mia deveria ficar feliz, mas ela não compreendia.

—  Eles estão certos, nos casarmos é insano, não é como se pudéssemos sermos para sempre um do outro, não é quem somos, não somos um casal como... Não sei ser menos do que sou. Eu sou quebrada, Castiel, e não sei se posso me consertar.  —  refletiu com lágrimas nos olhos, talvez fosse melhor desistir agora.

Castiel a ignorou, fingiu que não ouviu.

—  Meu pai me ofereceu uma vaga na empresa agora que vou me casar.  —  falou mudando a conversa.

Mia se irritou e estava prestes a interromper.

—  O que acha que devo fazer?  —  indaga de modo calmo.

—  Acho que deve cair fora de uma relação comigo.  —  retruca o que estava tentando fazê-lo entender.

—  Mia, o que acha que eu devo fazer?  —  pergunta outra vez.

—  Acho que deve parar de ser tão infantil e me escutar.  —  tenta.

—  Mia, o que acha que devo fazer?  —  não desiste

Mia suspira como se se rendesse a questão.

—  O que quiser fazer, minha opinião não deve sobrepor sua escolha. Quer trabalhar com ele?  —   Mia fica confusa quando Castiel começa a rir alto. Olha para ele como se quisesse agredi-lo.

—  Esse é motivo para eu ter te pedido em casamento, tudo em você é sobre deixar os outros decidirem o que querem, respeita quem eu sou e o que eu quero e ninguém se deu ao trabalho de perguntar o que quero ou não me odiar se a resposta for diferente do que acham que será. Somos perfeitos. Juntos. Não separados.  —  Mia ri também.

Então o beija, com a lua de testemunha, sabendo que aquele instante estaria em sua memória como o que Castiel lhe deu tudo que precisava e queria.

 

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...