História Chuva na cobertura - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Black Pink, Got7
Personagens Jackson, Lisa
Tags Chuva, Vazio
Visualizações 11
Palavras 1.328
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Literatura Feminina
Avisos: Álcool, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Respire fundo.
Seus pés estão cansados por causa dos sapatos novos.
Mantenha os olhos abertos.
Você mora sozinha nesse apartamento estranho, pinte a parede de vermelho.
Faça seu coração bater firme de novo.
Seus vinhos estão acabando.
No vazio sempre cabe um monte de coisa, não o preencha com chuvas de outono de novo.

Capítulo 1 - Just paint it again


Fanfic / Fanfiction Chuva na cobertura - Capítulo 1 - Just paint it again

Você chegou do trabalho depois de horas falando com pessoas entediantes, tirou os sapatos dos pés cansados, suas pernas doem e está sentindo um pouco de sede. Tomou um banho demorado na confortável banheira, a qual você tem á anos, mas nunca consegue trocar por achar que ela é “perfeita para o seu tamanho”. Acabou o banho e vestiu uma roupa qualquer e decidiu terminar uns trabalhos pendentes. Encheu uma taça com vinho e pegou alguns cigarros, as únicas coisas que queria no momento.

 As luzes da sala de estar estão desligadas, mas ainda está claro lá fora, é possível enxergar pela luz que vem através da janela. Não está conseguindo se concentrar em seus papéis, então começa a passar seus olhos vazios pelo  redor da sala, observando tudo, mas sem foco algum. “Por que está tudo tão sem graça?”.- Você pensa enquanto bebe um pouco do vinho.

Uma chuva leve se inicia repentinamente deixando a leve claridade que vinha da janela diminuindo cada vez mais, a sala começa a escurecer e seus tons de cores que antes já não eram tão claros, começam a ficar acinzentados. A janela com o vidro molhado pelas gotas da chuva lhe dá um sentimento melancólico. Você então começa a lembrar de sua infância: “quando eu era criança, gostava de correr na chuva...”.

Você se levanta do chão frio de madeira com um pouco de dificuldade, suas costas doem. Anda lentamente em direção á janela e se apoia na parede olhando através do vidro molhado. A cidade está em movimento, é possível ver apenas os faróis dos carros em uma avenida congestionada pelos mesmos e os tons metalizados e meio cinzentos dos prédios. “Seria tão legal correr na chuva de novo...” – pensa, agora com um ar meio nostálgico. Então, decide fazer algo, ninguém iria poder lhe ver mesmo...

Calça algo nos pés e abre a porta do seu apartamento e sem querer, não se lembra de fechar de volta. Você corre em direção as escadas, “ainda bem que não há ninguém pelos corredores” – pensa enquanto abre a porta da escadaria e começa a subir pulando degraus com velocidade, parecia que sua vida estava dependendo disso.

Finalmente chega onde queria: a cobertura do prédio. Ainda chove e agora está caindo mais forte que antes, mas você não se importa e começa a andar em passos lentos. Respirou fundo, sentiu a chuva molhar lentamente seus cabelos longos e bagunçados, sente a água escorrer por seu nariz e queixo, sua roupa agora está encharcada. Parecia que a chuva estava lhe dando vida, bem, era o que sentia.

Começa a se aproximar de vagar do suporte isolador da cobertura do prédio, é um tipo de muro, porém pequeno o suficiente para conseguir subir e se sentar, mesmo sabendo que tem o risco de se desequilibrar e cair. Abaixa a cabeça lentamente e olha para baixo, a cidade está viva, carros e pessoas apressadas passam pelas ruas, a chuva caindo era gelada e o vento estava forte.

 “Ninguém iria notar...” – começa a pensar em algo, parecia estar inconsciente.

Começa a pensar em sua vida, nada de especial, mas não tinha motivos para reclamar, sempre teve uma boa condição financeira e pessoas legais ao seu redor - que nunca se importaram realmente – e que quando a enxergaram de verdade, viram que era tão vazia quanto elas próprias, não tem como preencher o vazio com vazio, então simplesmente  sumiram de sua vida, exceto uma...

De repente, saindo de seu “transe”, sente algo a puxando para trás com força, até que seu corpo é segurado e colocado delicadamente no chão molhado.

_ Você está maluca, Lisa?! Você poderia ter caído! – a pessoa parecia preocupada.

_ Ahm, o que?  Quem é você? - ainda está meio atordoada, a chuva não lhe permite ver exatamente quem é a pessoa.

_ Não se lembra de mim? Ah... Acho que não, mas enfim, não tem importância, eu só passei por um corredor e vi a porta de um apartamento aberta, então percebi que era o seu.

_ E porque você está aqui? Não deveria se importar comigo. – fala olhando para baixo, seu cabelo molhado caído pelo seu rosto esconde algumas lágrimas que resolveram cair espontaneamente.

_ Sou eu, Jackson Wang, seu amigo se lembra? Eu sei que faz muito tempo que a gente não se vê, mas estou aqui agora, não chore. – ele te abraça firmemente, como se quisesse demonstrar segurança, você demora um pouco para entender a situação, mas logo o retribui com leveza.

_ Me desculpa... Eu não sou ninguém especial, vá embora... – você fala em um tom tão baixo que mais parece um sussurro.

_ Você é especial, sempre foi agora se levante e vamos sair daqui. – ele te levanta segurando na sua mão e enxuga delicadamente suas bochechas molhadas com lágrimas, mesmo que não adiantasse nada, pois estava chovendo.

_ Você não está me entendendo... Não mereço que ninguém me ajude. Você apenas está perdendo seu tempo.

_ Não estou perdendo meu tempo, você sabe que sempre estive ao seu lado, mesmo que você nunca tenha notado ou se importado com minha presença em sua vida, mas eu me importo com a sua.

_ ...agora não foi mais capaz de segurar as lágrimas teimosas.

_ Venha, você pode ficar doente se passar muito tempo na chuva. – ele te segura pelos seus ombros e começa a te puxar delicadamente para uma área coberta por um teto.

_ Não... Eu quero ficar na chuva...

_ Me ouça agora... Eu sei que você se sente uma pessoa vazia, sem motivação para estar em qualquer lugar, já faz algum tempo que nada lhe parece existir para fazer você sorrir de verdade novamente, mas chuvas de outono não irão mudar nada. A vida é como uma pintura numa tela, no início dela sempre vai estar disponíveis cores claras e vívidas, mas com o passar do tempo, nos é entregue outras cores também, e estas já são de tons escuros e frios. Cabe a você escolher com quais cores irá pintar seu próprio quadro e fazer dele uma obra prima. - ele lhe diz isto, enquanto tira a sua franja encharcada do rosto.

_ Mas a tela desse quadro está borrada, deixei-o na chuva por muito tempo... Então, o que eu posso fazer agora? Ajude-me... Por favor... - você fala olhando-o nos olhos, quentes e intensos, os quais você sempre admirou toda vez que os via.

_ Pinte ele de novo. Por cima pode ficar uma bagunça ou também pode ficar manchado pela pintura antiga, então limpe-o e recomece-o novamente. – ele te diz olhando nos seus olhos de volta.

_ Não aguento mais esta tela... Não tenho capacidade de pinta-lo de novo, agora ele já está estragado, não tem mais jeito, se eu tentar limpa-lo, pode ser que eu termine de destruir a tela.

_ Você não vai. Creio que não precisará da minha ajuda também. Agora tenho que ir, adeus. - ele abre a porta da entrada da escada para descer.

_ Diga-me apenas isto, onde estão as tintas de cores vívidas? Onde eu posso encontra-las? – você o segura pelo pulso antes dele começar a descer os degraus.

_ Quando a chuva passar e as nuvens dispersarem, sua visão estará mais clara, então apenas levante os olhos para cima e veja o arco-íris, inspire-se nas cores dele, seu quadro então será maravilhoso. Agora apenas tenha paciência que em breve a tempestade passará, então, depois de toda chuva, o arco-íris virá.

A chuva começa a ficar cada vez mais fraca. Sua respiração está calma, seu olhar está pacífico e suave. Jackson já se foi, agora você está sozinha de novo, mas agora, tem a esperança de ter um arco-íris esperando pelo seu olhar.

Então o arco colorido por cores vibrantes e alegres aparece entre as nuvens. Você sorri, como á muito tempo não fazia.  Se sente uma criança de novo, é tão maravilhoso o arco-íris.

_ Finalmente encontrei as cores. Que agora sejam minha inspiração.


Notas Finais


Espero que tenham gostado dessa One-shot ^-^. Obrigada por lerem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...