História Ciclone: A Origem dos Reverses - Capítulo 39


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Ação, Drama, Fantasia, Ficção Cientifica, Mistério, Romance, Suspense
Visualizações 1
Palavras 1.939
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Suspense, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


NÃO PERCA NENHUMA POSTAGEM!!!!! Adicione este livro à sua lista de leitura e fique por dentro 😘😍😊

Capítulo 39 - Busca


      Maxim e Spike caminham por uma estrada estreita e poeirenta. O tempo está esfriando e as nuvens estão começando a cobrir os céus. O silêncio permanece intacto no ambiente, até que Spike o quebra passando a dizer:

 

      — Vi o que você fez na arena...

 

     Spike para de caminhar de repente e se vira de frente para Maxim. Ocorre uma breve pausa.

 

      — Minha irmã passou por muita coisa ao meu lado, Maxim. Eu sempre tive medo de que algo a machucasse. Eu tive medo de ver ela sucumbir ao mal, igual aconteceu com os nossos pais — comenta Spike. — Eu me dediquei muito, e sempre me esforcei para protegê-la de tudo que nos cercava. Afinal, era só eu e ela naquele tempo. Ninguém mais poderia protegê-la além de mim, nem mesmo o nosso amigo Gayber, porque, ao meu ver, ele já estava ocupado demais tentando proteger os pais.

 

     Maxim desvia um olhar para Spike e permanece em silêncio. Ocorre uma pausa antes de Spike prosseguir seriamente:

 

      — Na verdade, sempre acreditei que só eu poderia mantê-la segura, porque não confiava a mais ninguém essa missão. Porém, hoje você me provou que se importa com ela tanto quanto. Você se arriscou por ela, e devo admitir que estou surpreso. Muito obrigado. 

 

      Maxim se surpreende com o agradecimento. Como resposta, ele assente com a cabeça. Um pequeno sorriso brota em seu rosto. Momentos depois, Maxim se sente na obrigação de pedir desculpas a Spike por causa do que aconteceu quando os dois se conheceram.

 

      — Mano, peço desculpas pelo que aconteceu no primeiro dia que a gente se viu. Eu fui um babaca por ter implicado contigo.

      — Tranquilo. Também peço desculpas por ter te chamado de Olívia Palito — retruca Spike, abrindo um sorriso divertido.

      — Wow! Me lembro disso. Foi bem ofensivo, realmente. Mas você está se esquecendo de ter usado outro nome também: graveto ambulante.

      — Ah, mas esse combina direitinho contigo. Você já viu a finura dos seus braços? Acho melhor você comer mais para ficar carnudo — brinca Spike.

      — É ruim, héin — manifesta-se Maxim, divertido. — Tem gente que come mas não engorda de jeito nenhum.

 

      Os dois trocam olhares divertidos, com sorrisos brincalhões. Maxim observa o olhar sério de Spike, com a expressão tranquilizada apenas pelo leve sorriso amigável, e se lembra da primeira vez que o viu: o seu olhar rígido e negro penetrado nos olhos de Maxim, encarando-os por um tempo. O olhar de Spike é inevitável e intimidador, mesmo quando a expressão dele se tranquiliza e ele demonstra simpatia.

 

      — Você é um cara bacana, Spike... Só precisa parar de encarar muito as pessoas. Isso dá medo.

 

      Spike abre um sorriso divertido no canto da boca, tentando disfarçar, e os dois apertam as mãos. Um tempo depois, retornam a caminhar.

      Maxim e Spike chegam em um hospital. Os dois passam pela recepção hospitalar e caminham por um corredor que leva-os aos quartos dos pacientes. Ambos entram em um quarto individual, o quarto onde Veloce permanece internado. 

      Maxim o observa. Veloce está deitado no leito hospitalar, usando uma vestimenta longa e branca do hospital por cima da roupa normal e com alguns aparelhos à sua volta. 

 

      — Fala, companheiros — cumprimenta Veloce, com dificuldade. Sua voz fraca. — O que estão fazendo aqui? São quase onze horas da noite, sabiam?

      — Não podemos esperar para fugir — retruca Maxim.

      — É muito bom ver vocês. Na moral, eu achei que ia morrer — alega Veloce.

      — Que bom que você está bem, cara. Graças a Deus — diz Spike.

      — Será melhor ainda quando a gente te ver fora desse hospital — diz Maxim dirigindo-se a Veloce.

      — Nem fala. Eu odeio hospitais — retruca Veloce.

 

      Há uma pausa. Veloce pergunta:

 

      — Mas e o lance do Félix?

      — Deu tudo certo. O Mex conseguiu resgatar a mina dele, e nós já temos um plano em ação para fugir daqui direto para Carrex — responde Spike.

      — É por isso que estamos aqui. Nós viemos te buscar — completa Maxim.

      — Demorou. Mas eu ainda não recebi alta — alega Veloce.

      — Não podemos esperar. Temos que fugir agora. Depois nós vemos o que podemos fazer por você — diz Maxim.

      — Beleza, então. O importante é sair dessa joça. Já não estava mais aguentando ficar nesse lugar — argumenta Veloce.

      — Bora, então. Vamos ralar peito — diz Maxim.

 

      Spike e Maxim ajudam Veloce a se levantar e caminhar disfarçadamente até a saída do hospital.

 

                                 *

 

      Enquanto isso, um pouco longe dali...

      Mex passa em casa para buscar o tio. Logo depois, ele caminha pelas ruas rumo à casa de Bianca, ao lado de Moe e de Kall. Cada passo, uma tensão. Eles não sabem o que poderá acontecer depois de fugir e se esconder. Não sabem qual será a consequência disso.

      Ao chegarem em frente à casa de Bianca, os três param e observam a residência, hesitantes. Eles se aproximam e entram na casa. Ao entrarem, não encontram ninguém. Eles caminham e observam cada canto.

 

      — Ele deve estar dormindo a essa hora, cara — diz Kall, se referindo a Eric.

      — Não podemos esperar até amanhã para vir aqui, e não vamos embora sem ele — retruca Mex.

 

      Acontece uma breve pausa.

 

      — Eric! Aqui é o doutor Moe, o psicólogo da Bianca — chama Moe.

 

      Escuta-se alguns ruídos pelos cantos, e Mex estica os dois braços para os lados, barrando Moe e Kall, fazendo-os parar de caminhar, dizendo:

 

      — Espera! Acho que escutei alguma coisa.

 

      Os três observam cada canto, girando a cabeça em várias direções. 

      Mex tira uma arma de fogo de dentro da calça e a posiciona contra sua coxa, a fim de escondê-la antes que alguém os veja.

 

     — O que você vai fazer com isso, Mex? — murmura Moe, não gostando nada da ideia de Mex portar uma arma. Mas esta não é arma de Mex, e sim de Gayber, que é da polícia. Mesmo assim, Moe não gosta nem um pouco disso. — Cuidado!

      — Quietos, por favor! Pode ter mais alguém aqui além de nós que não seja o Eric — sussurra Mex.

 

      Mex pede silêncio após escutar barulhos e rumores vindo de um aposento ao lado.

      Todos ficam quietos e Mex se encosta na parede ao lado da entrada da cozinha. Após alguns segundos tensos, Mex entra no cômodo, a arma de fogo em punhos, braços estendidos e esticados para frente.

      Ao entrar, Mex se depara com Félix segurando Eric pelo braço ao lado de Gringo.

 

      — Ora, ora, ora. Veja quem está aqui — diz Félix com um sorriso perverso no rosto. — Não vou negar que fiquei ansioso para a sua chegada, Mex.

      — Solta ele, Félix — pede Mex, abaixando a arma. 

      — Claro que não! — repentinamente e com um movimento rápido, Félix apanha a arma que está dentro de sua calça e dispara dois ou três tiros na direção de Mex. Por sorte, Mex e todos que estão com ele se protegem atrás da parede e não se ferem.

 

      Ao girar e entrar na cozinha, onde Félix e Gringo estavam com o refém, Mex não os encontra. Félix e Gringo fugiram há pouco, levando Eric, pai de Bianca.

      Mex gira o corpo para trás, olhando para Moe e Kall, dizendo:

 

      — Bora! Vamos atrás deles!

 

      Todos eles correm e saem pela porta detrás da casa, atrás de Félix, de Gringo e de Eric — tarde da noite, chovendo, e as ruas estão praticamente desertas. 

      Félix olha para trás, observando Mex, Moe e Kall por cima do ombro. Ao ver que eles estão bem atrás seguindo-os, Félix olha para frente e, caminhando apressadamente, passa a dizer a Gringo:

 

      — Segura ele! — manda Félix, dirigindo-se a Gringo e soltando Eric. 

 

      Gringo segura fortemente Eric pelo braço enquanto Félix desidrata seu corpo humano e se materializa em forma de carro, freando em seguida. Gringo abre a porta do carro mutante, empurrando Eric para dentro e entrando logo depois. Eric se assusta e, surpreendido, começa a dizer:

 

      — O quê?! Como assim?! Você se transforma em carro?! Como isso pode ser possível?

 

      Félix arranca e passa a correr muito rápido, ainda revertido para modo carro. 

      Ao ver que não conseguirão alcançar Félix, Mex resolve reverter-se, desidratando seu corpo humano e materializando-se em forma de carro, dirigindo-se em direção a Félix em alta velocidade. 

      Ao chegar bem perto de Félix, Mex ultrapassa ele, freia e curva na frente dele. Félix freia para não bater, estando bem perto de Mex, e curva, evitando mais uma vez bater em Mex, pois o estrago seria grande. Mas Félix acaba derrapando por causa do solo úmido, capotando logo em seguida.

      Eric abre a porta do carro mutante e sai correndo de lá de dentro, um pouco ferido.

      De repente surgem Maxim, Spike e Veloce, ambos convertidos em forma de carro, em movimento. Ao chegarem perto de Mex, Moe, Kall e Eric, todos os três voltam para suas formas humanas.

 

      — Maxim?! Por que vieram aqui? Eu disse para buscar o Veloce e ir direto para a nave! — repreende Mex.

      — Quem são vocês? — pergunta Eric, interrompendo a repreensão de Mex em cima de Maxim.

 

      Mex e Maxim trocam um olhar indeciso, pensando em como responder.

 

      — Somos amigos da sua filha — finalmente, Maxim responde.

      — Como posso acreditar em você? Como posso saber se vocês falam mesmo a verdade ou se são apenas mais uns comparsas do Félix? — pergunta Eric, desconfiado.

      — O nome da sua filha é Bianca Santos Burke, e eu sou Mex Russell, primo da melhor amiga dela: Amanda — alega Mex.

      — Espera! Eu me lembro de você! Você é o Mex, amigo da minha filha — lembra Eric. — E quem são esses caras que estão com você?

      — Prometo que explico tudo no caminho, mas preciso que você confie em mim — Mex começa a dizer. — A Bianca está ferida, e uma de nossas aliadas também está. Precisamos que você venha conosco para que nos ajude. Não se preocupe, você vai ficar seguro.

 

      Eric permanece um momento ali, observando-os em silêncio, pensando se deve mesmo confiar neles.

      Félix, ainda convertido em forma de carro, começa a mexer as rodas, e a porta do carro começa a abrir. Ao ver que Félix pode voltar ao normal a qualquer momento, Kall dá as costas e começa a caminhar, dizendo:

 

      — Bora logo! Temos que vazar daqui agora.

 

      Maxim, Moe, Veloce e Spike dão as costas junto com Kall e começam a caminhar. Mas, quando Mex e Eric passam a dar as costas também, Gringo desce do carro mutante, e Félix volta para sua forma humana e se levanta com dificuldade. Gringo começa a caminhar até Mex, raivoso e mancando, mas Félix segura ele pelo braço, impedindo-o de dar mais um passo, e começa a dizer, chamando Mex:

 

      — Ô Mex!

 

      Mex para de andar e se vira, olhando para Félix. Há um silêncio tenso, e Félix encara Mex.

 

      — Eu vou deixar você ir dessa vez, mas não pense que vou dar moleza na próxima — Félix começa a dizer. — Pense, Mex. Se tu fugir agora e levar a garota contigo, vai condenar todos os seus aliados à morte, porque eu vou atrás de vocês. Mas, se você me levar até a Bianca e entregá-la a mim, eu vou acabar logo com tudo isso... e podemos até esquecer o lance da lei.

 

      Silêncio. 

 

      — É só você me entregar a Bianca para resolver aquele negócio do acordo... e acabamos por aqui — diz Félix. 

      — Não! Eu nunca entregaria a Bianca a você! Jamais!

      — Pense! Será bem mais fácil para todos. Ninguém vai precisar pagar por isso.

      — A resposta é não, Félix! Não vou entregá-la! 

      — Você quem sabe. Mas eu vou atrás de você e vou fazer tu se arrepender! Me aguarde! E lembre-se, você foi avisado! — diz Félix com um olhar sério e penetrante.

 

      Mex e Félix se encaram por um tempo. Após isso, Mex e Félix se viram em lados opostos e vão embora. Todos eles, inclusive Gringo.


Notas Finais


Oiiieeee. 😊 Se você está gostando da história, peço pra que adicione esse livro aos favoritos e deixe seus votos(estrelas) e comentários. Seu incentivo é extremamente importante pra mim. ❤ Valeu aí, doce leitor. 😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...