História Ciclone: A Origem dos Reverses - Capítulo 40


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Ação, Drama, Fantasia, Ficção Cientifica, Mistério, Romance, Suspense
Visualizações 1
Palavras 695
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Suspense, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


NÃO PERCA NENHUMA POSTAGEM!!!!! Adicione este livro à sua lista de leitura e fique por dentro 😘😍😊

Capítulo 40 - A partida


      Mex, Kall, Eric, Moe, Spike, Veloce e Maxim caminham em direção ao bosque em frente à casa de Moe. Eles encontram a espaçonave onde estão Gayber, Bianca e Andressa, e sobem. A nave decola até Carrex. Dentro dela, Mex está sentado numa poltrona ao lado de Bianca. Ele está pensativo olhando distraído para o lado de fora da janela. Bianca encosta a cabeça no ombro dele, sonolenta, adormecendo rápido. Mex olha para Bianca e abre um sorriso fechado. Ele encosta a sua cabeça na cabeça dela e a envolve em um abraço, de lado.

      A nave pousa em frente ao esconderijo criado pelo pai de Mex. Todos os Aliados descem da nave e caminham em direção ao esconderijo. Eles param a uns dois metros do esconderijo e o observam. 

 

      — Pois é... Esse agora é o nosso novo lar — comenta Maxim, quebrando o silêncio.

 

      Todos eles ficam pensativos e sérios olhando para o esconderijo.

 

      — Vamos chamá-lo de Casa dos Heróis. Lutamos por nós agora, mas, futuramente, lutaremos por quem precisar e merecer — diz Mex. — Essa é a nossa nova casa. A casa de todos nós: Aliados.

 

                     *

 

      Mais tarde... De madrugada, a chuva cai. Alguns dos Aliados dormem em suas camas.

      Moe, Maxim, Mex e Spike dormem juntos, no mesmo quarto, mas em camas diferentes; Kall, Veloce, Gayber e Eric dormem em outro quarto, também em camas diferentes.

      Amanda, Bianca e Andressa combinaram o quarto em que iriam dormir juntas. Mas, a essa hora, apenas Bianca se encontra no quarto, deitada em uma das camas, tentando cair no sono. As outras duas permanecem acordadas na sala, assistindo à televisão.

      Bianca se vira de um lado para o outro em cima da cama e não consegue dormir. Sua perna ferida lateja e a dor é agonizante.

 

      — Filha? — se escuta alguém dizer.

 

      Bianca dá um pulo da cama para ver Eric, seu pai, parado diante dela. Ele se aproxima de Bianca e ela o abraça de lado, ainda sentada na cama, dizendo:

 

      — Que bom que está aqui!

      — Você ainda está chateada comigo?

      — O mais importante é que você está bem.

      — Deixa eu ver esse ferimento — pede Eric, acendendo a lâmpada do quarto.

 

      Bianca põe o cobertor de lado, e Eric analisa o ferimento de sua perna.

 

      — Vou ter que dar pontos na sua perna — alega Eric.

      — E a Andressa? Como ela está?

      — Tive de pôr uma bota ortopédica na fratura. Ela só torceu o tornozelo. Vai ficar bem.

      — Onde arranjou equipamentos médicos?

      — O Gayber arranjou. Não me pergunte como — alguém responde.

 

      Bianca desvia o olhar na direção da voz para ver Mex parado na porta de seu quarto. Ele se encosta na parede e olha para Bianca.

      Bianca sorri para Mex, e ele devolve o sorriso. Ela fica surpresa, pois pensou que Mex ainda estivesse dormindo.

      Eric usa uma anestesia para o ferimento da perna de Bianca e começa a utilizar as ferramentas necessárias para dar pontos no local. Quando termina de dar os pontos, Eric usa morfina para amenizar a dor do ferimento. Logo, ele se retira do quarto depois de se despedir da filha e do rapaz parado na soleira da porta. Quando Mex dá as costas e fica perto de retirar-se também, Bianca o chama:

 

      — Mex! Fica um pouco aqui comigo, por favor.

 

      Mex se vira e olha para Bianca. Ela estende uma das mãos para ele, e ele se aproxima dela.

 

      — Eu estou tendo muitos pesadelos desde quando tudo isso começou. Tenho medo deles — alega ela com um olhar distante. — Você pode ficar? Por favor, Mex — suplica Bianca.

 

      Mex se senta ao lado dela. Bianca continua sentada na cama. Ela deita a cabeça no peito de Mex, agarrando-se a ele. Mex dá um beijo em sua testa, dizendo:

 

      — Nada mais vai te machucar, minha boneca. Eu prometo que sempre estarei aqui, tentando te proteger.

 

      Com tais palavras tranquilizadoras, Bianca consegue se acalmar e rapidamente cair no sono. Mex a admira fixamente, acariciando o rosto dela distraidamente enquanto ela dorme. 

      Antes de sair para dormir em seu próprio quarto, Mex pensa em como fazer para mantê-la mais segura, para que ele mesmo não precise se sentir mal ou culpado toda vez que ela se fere.


Notas Finais


Fala aê. Tudo na paz? 😌 Se você curte esse livro, peço pra que divulgue-o em suas redes sociais, com amigos e familiares, e deixe seus votos(estrelas) e comentários nos capítulos. Todo e qualquer bom incentivo é sempre bem-vindo. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...