História Ciclone: A Origem dos Reverses - Capítulo 41


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Ação, Drama, Fantasia, Ficção Cientifica, Mistério, Romance, Suspense
Visualizações 5
Palavras 1.369
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Suspense, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


NÃO PERCA NENHUMA POSTAGEM!!!!! Adicione este livro à sua lista de leitura e fique por dentro 😘😍😊

Capítulo 41 - A casa em Giguex


      Tornado leva o restante dos Aliados para uma casa, um abrigo: a residência da mãe dele. Enquanto isso, Moe permanece internado no hospital.

      Todos os Aliados estão de frente para uma casa enorme e bonita, de cor verde-água. Tornado se aproxima de Maxim, dizendo:

 

      — Essa é a casa da minha mãe, a Terrena. Vocês vão ficar aqui. Tem mais espaço para todos vocês.

      — Beleza. Valeu por tudo o que você está fazendo por nós — agradece Maxim.

 

      Tornado abre um sorriso grande e amigável, olhando para Maxim.

      Todos entram na casa, e Terrena os recebe com um grande sorriso no rosto. Ela se aproxima deles, dizendo com uma voz profunda:

 

      — É muito bom recebê-los aqui. Estou feliz em poder ajudar.

 

      Terrena é uma giguex com a cor da pele um pouco esverdeada, assim como todos os outros giguexs, olhos com formato de losango amarelos, magra e de uma aparência agradável. Com feições femininas, cabelos longos e pretos, e com o formato do rosto oval.

 

      — É muito bom poder te conhecer. Valeu por nos receber aqui — agradece Mex.

      — Com maior prazer. Vocês podem ficar o tempo que precisarem! — diz Terrena.

      — Muito obrigado, senhora — agradece Maxim.

      — Por favor, querido, não me chame de "senhora". Eu sou amiga de vocês agora, não precisamos de formalidades. Me chame de "você" — responde Terrena.

      — Está bem — retruca Maxim.

 

      Tornado passa a dizer de repente, alto e para todos os Aliados escutarem:

 

      — Quero apresentar a vocês o meu primo. O nome dele é Gigante. Ele é médico, e também já foi militar um dia.

 

      No canto, Veloce se aproxima de Kall e sussurra bem discretamente:

 

      — Por que todos eles têm esses tipos de nomes, como "Tornado" e "Gigante"? — pergunta Veloce, estranhando.

      — Deve ser um costume. Creio que os pais dão esses nomes por causa de suas habilidades — responde Kall.

      — Mas é tão esquisito.

      — Se liga, Veloce. O seu nome também não é lá muito normal.

      — É, tem razão.

 

       Alguém se aproxima deles. É o primo de Tornado, chamado Gigante. Ele tem a aparência de um humano, é um giguex misturado com ameto — aquele que nasce em Meteor é chamado de "ameto", — mas vive em Giguex e possui poderes. O poder dele é a capacidade de aumentar de tamanho, ficar gigante, no máximo até uns quatro metros, mais ou menos. Possui pele branca, cabelo preto arrepiado, olhos verdes e é um jovem robusto.

 

       — Muito prazer em conhecê-los, Aliados.

 

                                    *

 

       Enquanto isso, Bianca ainda está ali naquele cômodo, um pouco distante de todos. Ela resolveu se isolar para meditar um pouco. Nesse momento, Bianca caminha até a porta da frente, se encosta nela e passa a olhar distraída para o lado de fora, com os olhos dirigidos ao céu, o qual ela olha pensativa e séria. Alguém se aproxima por trás dela. Ela vira a cabeça para o lado para ver Eric, que está olhando também sério e pensativo para o céu.

 

      — Filha, eu me arrependo por ter entregado você como serva para aquele criminoso. Me desculpe.

      — Você queria o melhor para nós, e acho que esse realmente foi o melhor. 

      — Como assim? — questiona ele, confuso.

      — Porque pelo menos você não perdeu a vida. Pelo menos ainda estamos juntos.

      — E eu nunca vou te abandonar, minha filha. Eu prometo! — diz Eric, abraçando Bianca após terminar a frase.

      — Obrigada por ficar do meu lado, pai. Eu te amo! 

 

      Os dois param de se abraçar e Eric começa a dizer:

 

      — Deixa eu te contar uma coisa: Depois daquilo que aconteceu com a sua mãe, eu passei a beber muito. Me embebedava tanto que tinha vezes que eu ia pro trabalho bêbado. Uma vez acabei arrumando confusão no trabalho por causa da bebida, e foi por isso que eu perdi a minha licença. Mas disso você já sabe; Eu estava desempregado e desesperado por um emprego, mas não conseguia nenhum. Com o tempo, fui ficando sem dinheiro, então comecei a fazer empréstimos. Consegui arranjar um emprego tempos mais tarde, mas eu ainda gastava muito com bebida e a dívida por causa de empréstimos era grande. Foi então que eu ouvi falar sobre o Félix. Eu estava com o nome sujo. Precisava fazer algo imediatamente. Estava desesperado. Foi então que eu... cedi ao desespero.

 

      Bianca não abre a boca para comentar nada. Somente olha para o lado, pensativa.

 

      — Me desculpe mesmo, filha. Eu me arrependo de verdade! — diz Eric.

      — Está tudo bem, pai. Eu te perdoo — diz Bianca. 

      — Muito obrigado, filha.

      — Mas não posso mentir e dizer a você que estou bem. Eu ainda estou bastante abalada com tudo isso.

      — É claro. Eu imagino. Mas saiba que eu me arrependo de coração. Todos nós pecamos, não somos perfeitos. Mas cabe a cada um de nós se arrepender ou não.

 

      Bianca responde em silêncio, pensando nas palavras dele. Eric dá as costas e volta para dentro da casa. 

 

                                 *

 

      Mais tarde... Mex está na varanda do primeiro andar da casa de Terrena. Ele está distraído, pensando em tudo o que aconteceu até ali. Todos os Aliados já estão dormindo e Mex resolveu aproveitar o silêncio da casa para refletir um pouco. Ele está devaneando quando Gigante repentinamente aparece em sua presença.

 

      — E então, você é o líder da equipe dos Aliados. Não estou certo?

      — Líder?! Nunca pensei dessa maneira, mas acho que é válido.

 

      Ocorre uma pausa.

 

      — Bem... — começa dizendo Gigante. — Me conta como foi ter que ir atrás da facção do Félix para resgatar a Bianca. 

      — Hum, não sei bem como dizer isso a você.

      — Me diga como você ganhou tanta coragem para ir até lá sozinho. 

 

      Mex fica um momento longo em silêncio, passando por um devaneio. Gigante pensa que Mex não vai responder, até ele começar a dizer:

 

      — Eu não podia deixar que alguém machucasse a Bianca. Precisava fazer alguma coisa, nem que isso me custasse a própria vida; Não pensei direito e, na hora, já estava decidido. Eu já tinha o objetivo de resgatar ela.

      — Você é amarradão naquela garota. Não é?

      — O que eu sinto por ela... Eu nem sei como explicar.

 

      O silêncio domina o ambiente. Os dois observam a paisagem afora, distraídos. Mex se lembra de quando sentiu-se enfraquecer profundamente em meio ao jogo psicológico de Félix. Algo a mais parece ter acontecido além da agressão verbal. Algo dentro dele não parecia estar certo.

 

      — Aconteceu uma coisa estranha comigo enquanto estive lá — diz Mex, de repente.

      — Como assim, cara? — pergunta Gigante, curioso.

      — Quando eu entrei na arena, o Félix surgiu e começou a falar um monte de coisas que fez eu me sentir fraco e impotente. Uma das coisas foi ele ter comentado sobre o desentendimento entre mim e Bianca por causa do pai dela.

      — Como você reagiu a isso?

      — Eu me senti culpado e fraco, como disse antes. Senti a força dos meus poderes me abandonar e não consegui lutar contra os comparsas do Félix quando eles começaram a me bater, pois não tinha forças para me levantar. O problema maior é que não tive o controle sobre isso, e tudo aquilo parecia afetar as minhas habilidades especiais. Eu tentava fortalecer os meus poderes, mas me sentia enfraquecer cada vez mais. Eu nunca me senti assim antes.

      — Conheço casos de pessoas com o mesmo problema que você — Gigante alega. — Em que momento você se sentiu enfraquecer?

      — Acho que foi no instante em que vi a Bianca em perigo e sabia que não podia fazer nada. Além disso, também pareço me sentir fraco quando alguém fala algo que faz eu me sentir mal ou culpado.

      — Pelas minhas análises, você está sofrendo de um distúrbio psicológico. Sua mente é afetada quase todas as vezes que você se sente dominado por culpa ou impotência — conclui Gigante, compreendendo o quadro dele. — Sua fraqueza é a Bianca, Mex. Ela quem faz sua mente reagir assim.

 

      Mex olha para Gigante, surpreso.

 

      — Você está sofrendo de Crise de Impotência — continua Gigante. — É um tipo raro de doença crônica, e é um problema que você carregará pelo resto de sua vida. Essa crise mexerá com o seu psicológico que, por sua vez, afetará os seus poderes.

      — Tem tratamento ou algo do tipo?

      — Não. O único jeito é lutar contra ela. Com o tempo você vai aprender a controlar, mas isso pode demorar muitos anos.


Notas Finais


Eu já disse que hoje é meu aniversário? 🙃 Votos e comentários seriam ótimos presentes. 🤔😅 Que tal presentear a autora do seu livro favorito, héin? Espero que o seu livro favorito seja o meu, ou eu quebro seu pescoço (ignora ela. É maluca). Mentira! Kkk. Adoro cada um de vocês. 😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...