1. Spirit Fanfics >
  2. Ciências ( BakuDeku - KatsuDeku ) >
  3. Quando algo dá certo

História Ciências ( BakuDeku - KatsuDeku ) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Opaaaaa sz
Tudo bom meus bebês?
Espero que estejam ótimos nhaaa sz
Eu estou demorando?
Sim?
Claro?
LIDEM COM ISSO, EU ESTOU ESPERANDO 5 MESES POR UMA ATUALIZAÇÃO DE UMA FIC!
Ok
Ok
Ok
Sem irritação!
Sem estresse!
Sem problemas!
Sim, eu sou uma péssima pessoa
Sim, eu sou uma pessoa muito má
Eu sei que o Deku está sendo machucado, é por querer?
Não!
Porém, entretanto, mas, todavia, vocês precisam entender que esse sofrimento é necessário por agora, ok?
NÃO ME MATEM!
Ah, mas eu amo fazer um drama
A
D
O
R
O
!
É só isso mesmo sz
Espero que gostem nhaaa sz
Desculpem erros meus amores nhaaa
Tenham uma boa leitura sz beijinhos sz

Capítulo 7 - Quando algo dá certo



Abriu os olhos lentamente os acostumando com a merda da claridade que está invadindo o seu quarto, quando irá tomar vergonha na cara e comprar cortinas pra esse maldito vão? Ah, claro, nunca, afinal não tem vergonha nessa porra que chama de cara, espriguicou-se preguiçosamente na cama estalando alguns ossos de seu corpo, porém há algo preso a si, há algo lhe impedindo de se movimentar com mais liberdade, olhou para baixo e quis socar a própria cara ao se deparar com um arbusto em forma de gente grudado em si, soltou o ar pesadamente demonstrando a sua frustação consigo mesmo, essa é a segunda vez que dorme com ele e dessa vez fora ainda pior, o motivo? Dormiram na mesma cama e está apenas de cueca, analisou a moita humana por alguns segundos atentamente, ele realmente está dormindo de modo bastante calmo, o seu peito está subindo e descendo em um ritmo lento, porém constante, ele dorme de um modo tão bonito, O QUE CARALHOS ESTÁ PENSANDO? Levou a mão direita até a testa alheia logo afastando alguns fios verdes de tal local, ele parece um anjo! Ok, ok, ok, agora está surtando de vez, agora está precisando ser jogado em um manicômio, chamar ele de anjo? O que caralhos tem em mente? O que porra está pensando? 

Engoliu em seco tentando limpar sua garganta, porque não pode simplesmente retirar ele da sua cama e só? Ele parece ser tão frágil, tem medo de o jogar no chão e ele perder todos os membros, sim, está totalmente diferente de antes, analisou com atenção o rosto dele e porra, onde está a coragem de o acordar nesse exato momento? Porque tudo com ele é tão difícil? Deslizou a mão direita pelos cabelos dele e ok, agora não sabe mais o que fazer, não sente vontade alguma de o jogar ao chão, aproximou o rosto ao do outro devagar, ele tem sardas e olhos verdes, tem a pele pálida e o corpo franzino, ele é pequeno e gentil, ele é legal e educado, ele é tão diferente de si, ele é o tipo de filho que toda mãe pede a Deus, bem, talvez se fosse igual ele sua mãe lhe amasse, é, talvez o problema não seja sua mãe, talvez o problema seja consigo, não quer parar pra pensar nisso agora, pois sempre que para o seu peito dói, deslizou o indicador pela bochecha alheia bem devagar, a pele dele é suave e macia, ok, está ficando louco, sim, sabe perfeitamente disso, mas ama o tocar, talvez seja por ele ser o único ser que lhe trata de um modo fodidamente gentil, não sabe o porque, só ama e ponto, não quer encontrar uma resposta pra isso agora, pois a resposta pode ser bem louca, mas o que caralhos está pensando? É melhor acordar ele de uma vez por todas.

- ei Izuku!? Izuku!?... - observou ele franzir as sobrancelhas um pouco, mas logo normalizou a expressão, ou seja, ele possuí o sono um tanto quanto pesado, que ótimo, afinal é a " melhor " pessoa para acordar alguém, não é mesmo? Claro que é! - acorda arbusto! - soltou o ar pesadamente demonstrando a sua frustação consigo mesmo e com a sua incompetência pra acordar alguém, odeia ter que o fazer, odeia com todas as suas forças, pois quando alguém lhe acorda sente vontade de socar a sua cara, as pessoas podem sentir o mesmo, respirou fundo e com a maior delicadeza do mundo tentou - ACORDA LOGO INFERNO! - conteu as possíveis expressões faciais ao ver ele saltar na cama, os olhos arregalados enquanto procura algo incontrolavelmente, ok, esse é um ótimo método de acordar alguém, irá o usar mais vezes com certeza, afinal ele se mostra muito útil, observou ele coçar os olhos com calma logo largando um bocejo um tanto quanto longo, agora lhe deu sono, puta que pariu, porque bocejos tem que serem tão contagiantes assim? Que inferno!

- bom dia Katsuki... - fez um aceno de cabeça para o mesmo e automaticamente um enorme sorriso surgiu nos lábios do mesmo, ok, confessa que não estava preparado para o ver sorrindo desse modo em plena manhã, não justo quando acordou e porra, ele tem o sorriso lindo demais, afinal o que caralhos está acontecendo dentro de si? Porque está ficando tão estranho perto dele? Será que o seu corpo está tentando lhe pregar uma peça? Ok, tem que voltar ao normal agora mesmo.

- você é uma praga pra acordar, puta que pariu! - toda a reação dele fora alargar ainda mais o fodido sorriso que, já estava fodidamente largo segundos atrás, porque cabe um sorriso tão grande em uma boca tão pequena pra começo de conversa? Isso nem deveria ser possível, na verdade isso lhe deixa incrivelmente confuso, tenta procurar uma resposta, porém nunca a encontra, ok, irá parar de pensar tanto nessas coisas, irá apenas deixar as coisas impossíveis tornarem possíveis, irá parar de tentar entender o que não precisa.

- você dormiu bem? Q-quero dizer... você dorme sozinho, certo?... b-bem... e-eu não sei se você dorme com alguém, mas... e-eu atrapalhei o seu sono? - negou devagar analisando por alguns segundos atentamente o seu rosto rubro, ele sempre cora por algo fútil, ele sempre fica da cor de um tomate por algo completamente sem sentido, ele é tímido demais! De certa forma isso é fofo, ok, já chega - entendo... - correu os olhos até as mãos do mesmo, essas estão apertando a calça com força, não tivera reparado nisso hoje, faz tempo que notou tal mania, quando ele cora, ele aperta a peça, quando ele começa a gaguejar, ele também aperta a peça, quando ele lhe olha por muito tempo, ele aperta a peça ainda mais, tipo muito mais, muitooooooooo mais mesmo, não sabe o motivo, mas também não irá tentar entender, como disse a si mesmo, irá deixar as coisas fluirem como tem que ser.

- hoje também não tem aula, certo? - um " hurum " ecoou por seus ouvidos na mesma hora, não sabe o que irá fazer hoje, passar o dia inteiro não fazendo nada é enlouquecedor demais para si, largou um suspiro alto e cansado o ouvindo se alastrar pelo vão igualmente por seus ouvidos, precisa encontrar algo pra fazer urgentemente, pois se não o fizer irá pirar, nunca fora do tipo que consegue ficar parado em um local por muito tempo e, não está nenhum pouco diferente agora, precisa fazer algo, nem que esse algo seja brigar com alguém.

- você tem algum compromisso, é isso? - negou prontamente o vendo corar levemente, fixou os olhos no despertador sobre a escrivaninha, 07:20, ok, hoje tivera acordado mais tarde e sinceramente, isso não lhe importa nenhum pouco, mesmo se tivesse aula não iria se importar, na verdade às vezes prefere dormir o dia inteiro - entendo... pensei que tivesse planejado algo, ontem você disse que quando alguém chegasse era pra lhe chamar - automaticamente toda a conversa que teve com o seu pai por celular voltou a sua mente em um piscar de olhos, como podera ter esquecido disso, Deus? Pegou o aparelho às pressas, ligou o Wi-Fi, abriu o Whatsapp logo abrindo a conversa com o seu pai, porém não há mensagem alguma dele, mas tudo bem, não é como se ele tivesse esquecido de si, certo? Claro que não! Ok, agora está ficando um tanto quanto nervoso, precisa ficar calmo, pois tudo irá ficar bem, como se a sua ansiedade lhe deixasse ficar calmo ou bem.

- não é como se ele tivesse esquecido de me, só porque não mandou mensagem, certo? - fixou os olhos nas esmeraldas ao seu lado, ele irá dizer que não, certo? Engoliu em seco tentando limpar sua garganta ao notar que, ele está demorando segundos demais para lhe responder tal pergunta, isso é tão fácil de responder, certo? Certo! Após mais alguns segundos ele negou de forma lenta, ok, isso realmente lhe deixa mais calmo, sabe perfeitamente que ele não tem como afirmar isso, mas mesmo assim lhe serve como conforto por enquanto.

- não entendo como alguém possa te esquecer, ok? Ele só está longe de você à um dia, calma! - franziu o cenho em pura confusão, como assim " ele só está longe de você à um dia "? O seu pai está longe de si à vários dias, na verdade fazem meses que não o viu, dá até raiva, pois sente no fundo do coração que a culpada disso tudo é a sua mãe, ela sempre deixou bem claro que queria lhes deixar longe um do outro, soltou o ar pesadamente, mas logo sorriu de canto, ele sempre tenta lhe deixar calmo, ele sempre tenta lhe deixar otimista, deve mais uma ao arbusto em forma de gente.

- valeu Deku! - automaticamente o som de uma mensagem chegando se fez presente, piscou estático e fixou os olhos na tela do celular no mesmo instante, na mesma hora, sorriu internamente ao ver que a mesma é do seu pai, não pode sequer ditar o tamanho da sua felicidade quando recebe algo do mesmo, principalmente pelo fato da mensagem ter animado mil vezes o seu dia, o único que consegue fazer tal proeza é o seu pai, ele também consegue lhe deixar calmo em meio a uma crise de ansiedade.

Pai/banana : 07:29 : daqui a 30 minutos estarei aí 

- bem, tenho que tomar banho - levantou-se as pressas ignorando o menor sentado em sua cama, ele não é do tipo que se machuca com alguém passando por cima dele sem aviso algum, é? Fitou o mesmo por alguns segundos para checar e não, ele não demonstra está machucado, não é como se fosse um brutamonte, certo? Tudo bem que é mais alto e mais forte que ele, entretanto ele também não deve ser tão fraco quanto pensa que ele é, ele deve ter um pouco de força em seu corpo, é, não pode pensar que ele é fraco demais.

- eu também... - imediatamente o rosto dele ficou igual um tomate, o que caralhos houve agora? Não tivera feito nada e ele está corado novamente, qual o sentido da vida desse arbusto? Ok, confessa que não entende absolutamente nada dele, mas por alguma razão desconhecida quer entender - q-q-quer d-dizer... n-no meu quarto... nn-não aqui... e-eu!?... e-eu já vou indo... a-até mais... - fez um aceno de cabeça para o mesmo, ele levantou-se devagar e sem jeito, o acompanhou com o olhar ir até a porta, a abrir, sair e fechar, tudo isso de forma rápida e desorganizada, fora aí que não pôde aguentar mais, soltou o riso espontaneamente, que tipo de reação fora essa? Ele simplesmente corou por achar que, iria pensar que ele disse que ia tomar banho consigo? Sinceramente, ele é um arbusto totalmente diferente dos outros, meneou a cabeça sorrindo e fora até o banheiro, chegando no mesmo, retirou a roupa e tomou um longo banho, é, será um longo dia.

           ~ 26 minutos depois ~

- você deveria está me agradecendo por ter voltado um dia antes, cara, você não é nada sem mim - revirou os olhos ao ouvir tais palavras saindo da boca do ruivo, qual a chance de socar a cara dele? Além do mais, onde está o Pikachu de Genebra? Ele simplesmente sumiu do mapa, se o espeto está aqui, ele deve está também, certo? - mas conta vai... sentiu muita saudade? - ergueu uma sobrancelha confuso e curioso ao mesmo tempo, isso é sério? Se responder tal coisa ele irá ficar com cara de choro, bem, não pode negar que não sentiu falta desse espeto dos infernos lhe atormentando, mas não irá simplesmente dizer isso à ele, pois ele iria ficar bem mais grudento em si, correu os olhos pelos rostos lhe fitando, esses são um espeto, um pavê, um morto-vivo e um arbusto, que ótimos seres estão lhe rodeando, não é mesmo?

- a sua mãe perguntou por mim? - ele apenas assentiu com um sorriso largo revelando todos os seus dentes pontiagudos, ama a mãe do ruivo, ama muito, ela é gentil e muito legal, é, ele herdou a personalidade dela, eles dois juntos são os melhores seres do mundo - estou com saudade dela, lembro do dia que ela colocou pimenta na torta pra me agradar - não pode conter um sorriso ao lembrar da cena, ela realmente lhe trata como um filho, ela é perfeita, ela lhe deu mais carinho do que a sua própria mãe, ok, não irá pensar nisso agora, pois sempre que lembra acaba chorando e isso é bem foda, teve um dia que chorou em frente a mãe dele  - ela tem um abraço tão fraternal - imediatamente braços rodearam a sua cintura lhe apertando com força, piscou estático e confuso ao mesmo tempo, o que porra está acontecendo? Porque caralhos o ruivo está lhe abraçando de um ahora pra outra? Largou um " tsh " ao ser apertado no abraço, esse filho de uma ótima mãe, é forte e o seu corpo parece ser feito de ferro igual a porra, ele sabe perfeitamente disso, então porque ele está lhe apertando tanto assim? Que idiota! 

- não fica assim cara, sua mãe não sabe o filho maravilhoso que está perdendo, você é incrível, se eu fosse a sua mãe iria cuidar de você todo dia, iria te mimar tanto que você iria ficar com raiva de mim - fora aí que entendeu o que está acontecendo, rodeou os braços em volta ao pescoço do mesmo e deitou a cabeça sobre a dele, o cabelo dele é espetado, porém é macio, tivera descoberto isso à tempos, mas está tudo bem, o abraço apertou de ambos lados, gosta desse ser irritante, ele é como um irmão, às vezes até deseja ter nascido na mesma família que esse idiota, por que porra, a mãe dele tem um coração enorme e ela mesmo disse que, coração de mãe sempre cabe mais um, por outro lado à ele, mesmo agora ele está lhe abraçando pra lhe confortar.

- senti saudade espeto, na verdade eu estava quase indo te buscar, acredita? - a risada do mesmo ecoou por seus ouvidos lhe fazendo sorrir também, ele é sincero demais, gentil demais, ele é o seu oposto, mas desde que se viram se deram bem, é como dizem por aí, os opostos se atraem, porém sem a parte da química e algo assim, o ama, o ama muito, porém como um irmão, simples assim e nada mais, tem muitos que até pensam que ele é seu namorado, mas não dá, não dá mesmo, nunca tentaram nada, pra falar a verdade a idéia é constrangedora, dá até vergonha de pensar.

- deveria ter ido, hoje dorminhamos lá e só voltávamos amanhã, iria ser legal, né? Iríamos dormir até tarde como todas as vezes - rapidamente o afastou de si o vendo franzir o cenho em pura confusão, estreitou os olhos como se estivesse fazendo um enorme esforço para o enxergar e realmente está, agora perdeu toda a sua vontade de ir dormir na casa do ruivo outra vez, o motivo? Exatamente por ele querer dormir tarde, não é o real motivo, o real motivo é o modo como ele irá dormir tarde, como ele quer ficar acordado até tarde, dá uma raiva quando ele faz isso, dá vontade de levantar da cama ao lado e o espancar.

- dormir até tarde o caralho, toda vez é o seu viço de sempre, vai tomar no cu espeto, sua mãe já reclamou comigo por causa dos teus gemidos e frases totalmente desnecessárias, eu que não coloco mais os pés naquela casa pra dormir com você - cruzou os braços em pura irritação, esse fodido fica fazendo sexo por telefone, tem coisa mais ridícula que isso? Se tiver ainda não lhe apresentaram! Ele simplesmente liga para o Pikachu e, em algum ponto da conversa ele se excita com algo, aí já viu, ninguém segura os dois lazarentos, ainda bem que a mãe dele soube como era que funcionava tudo, pois não soube onde enfiar a cara por ele achar que... bem, estava fodendo com o filho dela.

- não é viço, são os hormônios querido - pensou em falar algo, porém parou ao notar um arbusto com uma carinha de choro olhando para si, ergueu uma sobrancelha confuso e curioso ao mesmo tempo, o que caralhos está acontecendo com ele? Porque ele está com uma expressão tão triste assim? Agora está mal! O toque do seu celular ecoou por seus ouvidos juntamente pelo vão, pegou o aparelho às pressas logo sorrindo ao ver que, quem está lhe ligando é nada mais, nada menos que o seu pai, atendeu de imediato sentindo o seu coração aquecer.

- oi pai!?...

- eu já estou aqui! - conteu as possíveis expressões faciais ao ouvir tais palavras, só quer explodir de felicidade agora, só quer gritar para o mundo inteiro que, finalmente algo está dando certo em sua vida, sem que percebesse ou pudesse impedir um sorriso bobo surgiu em seus lábios, uma mão bastante conhecida afagou suavemente os seus cabelos, o ruivo realmente quer apenas o seu bem, porém o esverdeado continua muito triste, o esverdeado continua muito apagado, porque? Qual o motivo disso?

- estou indo! - encerrou a chamada após ouvir um " ok " do outro lado da linha, afagou os fios ruivos arrancando um sorriso largo do mesmo e automaticamente correu até os portões da Universidade, sua felicidade quadriplicou ao ver um homem de óculos do outro lado dos mesmos, ok, agora a sua vida está mil vezes melhor - está tudo bem, ele é meu pai, relaxa - se tem algo que a U.A é, esse algo é segura, quem não tem cartão só entra com um conhecimento de algum aluno, de certa forma isso irrita um pouco, barrar o seu pai assim? Mas tudo bem, ele irá entrar agora e isso é tudo que importa, acompanhou com o olhar um dos portões se abrirem e automaticamente o seu pai adentrou na Universidade, até que enfim! Agora pode finalmente dizer que tudo está bem, afinal é o que está acontecendo.

- Katsuki! - braços rodearam sua cintura lhe puxando para si com força, sim, tivera morrido de saudade desse abraço, tivera morrido de saudade do seu pai, mesmo agora está morrendo de saudade, rodeou os braços em volta ao pescoço do mesmo, são da mesma altura, mas tudo bem, não se sente superior à ele, sempre fora do tipo egocêntrico quando está com outras pessoas, porém ele é uma exceção, jamais irá pensar que, ele é inferior a si, jamais mesmo, ele é muito superior, ele está muito acima de si.

- pensei que teria que morrer pra que você viesse aqui - um leve belisco fora depositado em sua cintura lhe fazendo sorrir pelo feito, sim, ele continua o mesmo de sempre, ele é do tipo que tenta castigar, porém é doce demais para o fazer, ele é tão diferente de si, ele tem uma gentileza e uma calma enorme, admira isso dele, admira muito, pois só de olhar algumas pessoas sente vontade de matar, ele é um guerreiro, não que esteja afim de falar isso em voz alta, não quer que ele fique se achando, não é mesmo?

- onde está o Kirishima? Eu o vi hoje de manhã, mas ele não me viu - se separaram de forma lenta e rapidamente fez sinal para que ele lhe siga, ato esse que fora atendido na mesma hora, ele nunca fora de lhe questionar antes de lhe seguir, nunca mesmo, ele confia em si cegamente, se isso lhe incomoda? Isso lhe deixa incrivelmente feliz, isso lhe faz ser o ser mais feliz desse mundo, pois o melhor desse mundo confia em si, fora até a sala de ciências e rapidamente abriu a porta da mesma, todos os olhares se fixaram em ambos, sim, além do ruivo ninguém o conhece.

- TIO MASARU! - o ruivo não veio, ele simplesmente voou encima do seu pai, meneou a cabeça sorrindo de canto, eles dois se dão muito bem, isso lhe agrada, pois isso só prova que tivera escolhido o ser certo para ser o seu melhor amigo, o seu pai tem a intuição boa pra isso, soltou o ar pesadamente e ele largou o seu pai, sim, ele entendeu o recado, afinal o seu pai veio aqui pra lhe ver, ele veio aqui para ficar consigo, então ele tem que ficar apenas consigo, certo? Certo! Porra, ficaram muito tempo lonhe um do outro.

- eu também senti saudade de você Erijou - só bastou isso, só bastou dessa frase para que o ruivo sorrisse igual um idiota, descansou as mãos nos bolsos da calça, está com tanta vontade de fazer coisas, coisas que não precisa pensar agora, apenas quer passar o dia inteiro com o seu pai, quer ser feliz com ele, quer fazer coisas como antigamente - ah, Katsuki, preciso te contar uma novidade, mas não sei se você irá gostar, foi meio inesperado então... bem, eu vou contar - fitou o fundo dos olhos do mesmo, como assim? Irá lhe dizer de uma hora para outra? Sem preparo nenhum antes? Ok, agora está fodidamente nervoso, ele sempre de lhe dá uma  notícia, lhe abraça, lhe acalma antes para só depois falar tudo que quer, então dessa vez deve ser algo sério, porque não quer ouvir? Porque já está ficando um tanto quanto suado de tanto nervoso? Engoliu em seco tentando limpar sua garganta para falar algo, precisa ficar calmo por enquanto.

- claro... qual foi!? - sentiu uma gota de suor deslizando por suas costas vagarosamente, sim, está muito nervoso, tem medo de sair uma notícia ruim da boca dele, sua ansiedade está a mil por hora agora, fixou os olhos nas esmeraldas que lhe fitam atentamente, não sabe o que está acontecendo aqui, não sabe de absolutamente nada do que há na mente de seu pai, na verdade quer que ele desembuche de uma vez, quanto mais ele enrola, mais os seus nervos descontrolam, então ele precisa falar de uma vez por todas, pois não quer ter uma crise agora.

- me mudei para o lado da Universidade!


Notas Finais


Obrigada por lerem sz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...