1. Spirit Fanfics >
  2. Cinco maneiras de conquistar Alec Lightwood. >
  3. Capítulo cinco: Demonstrando meu interesse..

História Cinco maneiras de conquistar Alec Lightwood. - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


o bom da quarentena é que vou colocar as fanfics em dia :)
Logo tem mais 💗

Capítulo 5 - Capítulo cinco: Demonstrando meu interesse..


--Xx -- 

  

O primeiro olhar que Alec lançou, ao perceber que havia alguém debruçado em sua mesa, foram para as mãos dele e antes mesmo de olhar para cima todo o corpo de Alec já o tinha reconhecido.  

Parecia que tudo a partir daquele momento tinha sido encaixado em seu cérebro em câmera lenta fazendo com que sentisse a sua pele se arrepiar ao perceber Magnus olhando diretamente em seu rosto.  

Foram nas mãos, subindo por seu braço contornando o paletó com aqueles músculos definidos e finalmente a surpresa para um rosto que Alec conhecia muito bem. E no íntimo compreendia que aquele momento iria chegar quando sua melhor amiga o alertou sobre as flores, porém Alec não estava preparado para aquele tipo de iniciativa.  

Também não tinha controle de como seu coração reagia quando captava lentamente aquela beleza masculina em frente a sua mesa. Alec achou que estava sonhando e com certeza iria acordar a qualquer momento com uma baba na boca abraçado com as suas flores.  

Mas o cheiro daquele perfume e a presença de Magnus Bane era muito marcante para supor que aquilo de fato não estava acontecendo.  

Seu rosto se esquentou e suas pernas mesmo em sua posição ficaram moles com a intensidade daqueles olhos penetrantes olhando fixamente para seu rosto. Magnus sorriu de lado e tudo que Alec pensava era como se respirava direito com o coração começando a disparar.  

Magnus por si estava se sentindo nas nuvens olhando diretamente para aquele rosto bonito que havia despertado sensações incríveis dentro do seu peito. Ficou ainda mais animado que por mais que Alexander parecia estar tímido com a situação inusitada ainda mantinha seus olhos em seu rosto. Com aqueles olhos azuis que Magnus queria mergulhar ainda mais refletindo em uma expressão confusa e adorável o fazendo regozijar de apreciação.  

Então aconteceu. Eles ficaram presos no olhar fazendo a atração entre ambos começar a ser palpável. Cada um em seu lugar daquele escritório podia observar e sentir a atmosfera entre eles ficarem eletrizantes.  

O sorriso de Magnus se perdeu quando sua respiração também ficou presa com aqueles olhos azuis duvidosos olhando diretamente em seu rosto. Isso fazia com que pensasse se Alec estava ciente das suas ações ou estava paralisado em algum tipo de choque por estar na frente dele.  

Qualquer que fosse a resposta nenhum dos dois conseguia desviar os olhos para que a procurasse porque sabiam que aquele momento era o mais certo entre eles.  

Catarina começou a rir internamente sem conseguir esconder o quão engraçado aquela situação parecia e ao mesmo tempo sentia que estava invadindo uma privacidade com aqueles olhares intensos de arrancar a pele um do outro. Ela tinha quase a certeza que Magnus iria pular aquela mesa e agarrar Alec se o seu amigo continuasse a olhar daquela maneira.  

Podia até pensar que Alec poderia fazer o mesmo, porém ela conhecia o amigo muito bem para supor tal ato. Com certeza Alec desmaiaria de emoção antes ou pensaria mil e uma coisas para sabotar o que estava acontecendo.  

Ficou olhando de um para o outro suspirando batendo a mão na testa tentando não rir ainda mais da nova situação. E pelo jeito deveria ir de socorro para seu melhor amigo.  

— Senhor Bane? - Catarina chamou displicente – O Senhor deseja alguma coisa? 

Magnus escutou a pergunta, mas não desviou seu olhar na direção de quem estava a fazendo. Como poderia? Alec ainda sustentava seu olhar e isso fazia a adrenalina disparar e era incrivelmente bom.  E ele desejava sim alguma coisa, ou melhor uma pessoa como nunca desejou ninguém, mas não poderia sequer dizer com todas as palavras o que sua mente gritava.  

Mas também não deixaria de dizer a verdade em seu coração. 

— Ah? - Magnus sorriu disfarçando e suspirou as palavras certeiras - Estava de passagem... e de repente vi algo do meu completo interesse... 

Alec abriu os lábios quando a voz de Magnus alcançou sua mente que já havia pifado de vez enquanto aquele homem ainda olhava para seu rosto dizendo claramente que o seu interesse era ele. 

— Gostou das flores, Alexander? - Magnus perguntou não conseguindo mais reter o que estava sentindo. Agora que compreendia que Alec estava com os mesmos sentimentos não queria mais perder tempo.  

Mas o cérebro de Alec tinha sido drenado para uma gosma porque tudo que ele conseguia ver era Magnus com sua beleza fazendo seus sonhos se tornarem reais e sua voz perdida.  

Catarina pigarreou para ele fazendo uma careta e Alec de repente percebeu que estava sendo ridículo e Magnus aguardava a resposta. O movimento de sobressair do transe foi tão intenso que as mãos de Alec esbarraram no copo de água em sua mesa e derramando todo o líquido dentro dele.  

— Oh! - Alec levantou mais que depressa tentando limpar a sujeira. 

Que vergonha! Alec pensava se debatendo internamente. 

Magnus sentiu algumas gotículas dispararem em seu terno, mas nada tão relevante assim. Saiu da sua posição e ficou ainda observando seu garoto notando que ele estava nervoso e aquilo o deixava ainda mais irresistível aos seus olhos. 

Já Alec queria se enfiar em qualquer lugar e fugir daquele desastre. Receios que Magnus o achasse um completo louco e desistisse antes mesmo de começar, porém quase foi para trás com a surpresa de vê-lo ao seu lado segurando uma das suas mãos. 

Aquele toque fez a pele de Alec se arrepiar inteiramente. 

— Está tudo bem... - Magnus ainda sorria amavelmente - Alguém pode limpar isso, não se preocupe...  

Alec olhou para Magnus e para suas mãos unidas e não a largou. Magnus sorriu ainda mais porque por algum momento pensava que Alexander iria sair correndo e soltar sua mão, porém ele ainda estava no mesmo lugar e isso era bom demais. Era um desses motivos que Magnus nunca tinha ido atrás dele antes de saber sobre as conquistas e ter a certeza que o seu garoto não iria se assustar com sua aproximação.  

Percebeu que Alec olhou para os lados sabendo que estavam chamando a atenção. Magnus reparou também seguindo os olhos dele que Camille segurava o riso, mas de alegria por estar onde estava.  

Magnus então tomou a iniciativa e puxou Alec para mover-se dali. Não adiantava nada ficar esperando com um público os olhando sabendo que Alec poderia surtar pensando besteira sobre sua amiga. E reparando em sua expressão com certeza passava coisas na sua mente que Magnus iria provar estarem erradas.  

Será que ele ainda não entendeu que só tenho olhos para ele? Eram os pensamentos de Magnus enquanto Alec o seguia ainda segurando sua mão quando entraram na sala de Ragnor. 

Alec só tinha uma certeza que seus pés flutuavam seguindo Magnus, porém deixou de flutuar quando entrou no escritório do seu chefe se escorou na parede com receios que Ragnor pudesse cortar sua cabeça como a rainha vermelha.  

Magnus fechou a porta rapidamente e buscou Alec com seus olhos ansiosos por ter largado a mão dele por um momento. Encontrou Alec encostado na parede parecendo acuado e Magnus sorriu um pouco pensando que tinha se apaixonado por um dos garotos mais interessantes e tímido do mundo. 

Ele não se aproximou tanto dessa vez e ficou na frente de Alec mantendo uma certa distância. Colocou as mãos no bolso que estavam tremendo pela emoção de estar ao lado dele, porque Magnus nunca havia sido tímido, porém as emoções encontradas em seu coração também o deixavam nervoso.  

Ele esperou um tempo até que Alec se acalmasse ou até em dúvidas se aquela abordagem estava sendo certa, porém a voz do seu garoto chegou a ele o fazendo sorrir outra vez.  

— Eu gostei das flores... são lindas, obrigado. - Alec ainda escorado na parede com receios das suas pernas vacilarem, mas consciente que não poderia ignorar mais. 

— Estou feliz que tenha gostado. Não sabia quais eram suas preferidas... 

— Gosto de rosas...- Alec sorriu fazendo Magnus ser arrebatado por aquele sorriso.  

Magnus sentindo que Alec estava mais relaxado assim o fazia ficar também mais descontraído se aproximou em direção a ele enquanto notava as suas reações e nenhuma delas eram negativas. Ficou perto dessa vez e encostou sua mão na parede como se fizesse uma armadilha de amor para que Alec não escapasse.  

Seus olhos se encontraram mais uma vez, próximos, e ambos podiam ver a queimação dentro deles. Magnus sentia-se completo quando percebeu aqueles olhos azuis claros indo para a intensidade os escurecendo como um desejo secreto de tê-lo por perto.  

— Então eu acertei na escolha... - Magnus sussurrou fazendo Alec prender a respiração por um instante sentindo o hálito dele perto do seu rosto – Gostei muito de mimar você...  

Alec sorriu baixando um pouco os olhos sentindo a emoção daquelas palavras.  

—Você leu as conquistas? - perguntou sentindo a vergonha ganhar espaço. Onde ele estava com a mente quando as escreveu e principalmente enviou a Ragnor, nem ele tinha a menor ideia.  

Magnus levantou as mãos e arrumou os fios dos cabelos de Alec com uma carícia de leve.  

— Sim... - respondeu sincero.  Mas reparou que Alec desviou o olhar outra vez colocando aquela mente em processo distante.  

—Você não precisava...  

Alec iria dizer que não precisava ter seguido aquela lista boba por sentir algum tipo de pena dos seus sentimentos, porém antes que a linha fosse atravessada Magnus segurou seu queixo o fazendo olhar bem em seus olhos. Alec percebeu que Magnus parecia que conseguia ler sua mente e isso o fascinava ao mesmo tempo que aquele olhar o alertava de falar bobagens. 

— Meu lindo garoto... - Magnus sorriu ainda com suas mãos na pele de Alec. Incrível que parecia que estava eletrizado dos pés à cabeça - A lista foi apenas uma desculpa... Alexander... eu já olhava para você antes de as ler... a maneira que você entrou na minha vida, invadindo minha corrente sanguínea e se instalando bem aqui... - apontou para o coração - É intenso demais... você não percebeu ainda? 

Alec o olhava com seus olhos brilhando do sentimento avassalador em seu peito queimando por Magnus.  

— Eu também olhava você... - Alec admitiu enquanto fechava os olhos sentindo os dedos de Magnus brincar com seu rosto.  

Magnus apreciava todas as reações dele com algo se movendo lentamente dentro do seu corpo. Aquilo trazia tanta felicidade que ele poderia começar a sair gritando pelo escritório feito um louco.  

—  Me desculpa não ter percebido... - Magnus soltou uma sonora risada que bateu no rosto de Alec o fazendo sorrir também.  

— Você não precisa seguir as conquistas... - Alec gaguejou um pouco enquanto olhava aqueles olhos o seguindo – Você não precisa delas...  

Magnus sorriu quando acariciou as bochechas de Alec. Ele entendeu completamente o que ele quis dizer, não era bobo para não ver nas entrelinhas. Alec já estava conquistado e isso fazia o coração de Magnus voar muito alto em adrenalina pura.  

— Eu gosto de você... - Magnus se declarou não querendo mais nenhuns pormenores e fazer Alec entender que também já estava conquistado – Desde a primeira vez que te vi entrando no saguão do escritório... Lá eu parei e desde aquele momento não tenho parado de olhar você... 

—Desculpa não ter percebido também... - Alec sorriu porque estava tão feliz em saber dos sentimentos dele, pois agora compreendia que batia com os seus.  

Catarina sempre teve razão quando dizia que Magnus o olhava e não outra pessoa.  

Magnus se aproximou um pouco mais de Alec sentindo a vibração daquele contato. Agora eles estavam muito perto e Alec colocou uma das suas mãos no peito de Magnus como um abraço e o sentir mesmo por cima da camisa fazia sua pele se arrepiar. Era como se ninguém mais existia naquele lugar, não se importava mais se estava dentro do escritório de Ragnor ou que tinham uma plateia lá fora esperando que eles saíssem. 

Só importava o que eles sentiam um pelo o outro.  

— Olho, mimo e quero você... - Magnus sussurrou de encontro com as orelhas de Alec com a respiração pesada – E agora? Você já me conquistou também... o que vai fazer quando você prendeu esse homem aqui em suas mãos? 

Alec arfou com o contato dos lábios de Magnus indo para frente encostado seu rosto nos ombros dele. Todo o corpo de Magnus vibrava naquela sensação de ter Alec em seus braços e se sentindo mais aliviado de finalmente colocar suas emoções para fora. 

—  O que posso fazer? - Alec sussurrou também de encosto a ele sentindo o perfume impregnando seu sistema nervoso e o fazendo relaxar – Eu também gosto de você, gosto muito... muito mesmo, Magnus...  

Magnus sorriu e o abraçou sendo correspondido, os dois se apertaram com suas mãos carinhosas e curiosas. Alec soltou a respiração presa por todo aquele momento sentindo que seu coração agora batia depressa, mas alegre com seu sentimento sendo recíproco.  

Ele sentiu Magnus se afastando um pouco quando seus rostos ficaram próximos outra vez. Alec subiu suas mãos nas costas dele e as outras foram para seus cabelos perto da nuca, Magnus fechou os olhos com a intensidade do toque sendo bem recebido o deixando em êxtase.  

— Você disse que posso esquecer as conquistas? - Magnus perguntou ainda de olhos fechados.  

Alec sorriu divertido olhando para a expressão de deleite de Magnus com seus toques se sentindo incrível. Assentiu positivamente e que se dane as conquistas porque estava onde sempre quis estar.  

Magnus o puxou quando segurou o rosto de Alec mais firme em suas mãos e encostando seus dedos naqueles lábios carnudos entreabertos o esperando, ansiando por seu beijo. Os olhos que Magnus percebeu que mudavam para um azul mais escuro quando Alec o desejava estava mais presente fazendo seu garoto ficar ainda mais bonito. Isso o fazia se sentir no topo do mundo comparado as coisas banais que nunca tinha feito ter aquela sensação poderosa.  

Encostou os seus próprios lábios nos de Alec primeiro sentindo a maciez daquela boca e depois encostou outra vez, lentamente para que seus lábios se acostumassem com os seus fazendo seu garoto suspirar por mais. Alec apertava o terno de Magnus em suas mãos ansiosas por mais contato se debruçando ainda mais nele.  

Magnus sorriu entre o beijo quando sugou os lábios de Alec para os seus. O beijo começou lento se intensificando, sentindo a língua desbravar e a respiração os moldar como um só. Magnus gemeu rouco quando as mãos de Alec foram para seus cabelos e isso fez com que sua boca agisse mais rápido querendo tudo que aquele garoto pudesse lhe dar naquele beijo intenso.  

Alec movia sua boca no mesmo ritmo, ansiando por aquele beijo por semanas e nenhum de seus sonhos poderia chegar aos pés de Magnus o beijando com tanta paixão.  

Ragnor abriu a porta com tudo porque não tinha a menor ideia do que estava acontecendo ali e seus olhos rapidamente focaram no casal se amassando em beijos eufóricos no canto do seu escritório.  

— Caramba... - ele gesticulou sem saber o que fazer.  

Ia para frente, voltava para trás e no final bateu com o corpo na porta fazendo um grande barulho tentando sair dali despercebido. Inutilmente, é claro.  

Alec separou seus lábios de Magnus notando seu chefe totalmente perdido tentando sair dali e ficou roxo de vergonha.  

Magnus ainda estava inerte naquele beijo querendo mais e indo para frente para ter os lábios de Alec outra vez que tentava se esconder em seus braços.  Então percebeu o que estava acontecendo e olhou seu amigo que estava com uma expressão que Magnus começou a rir da situação.  

— Ah! Você voltou em péssima hora... - revelou para o amigo que não sabia o que dizer.  

Ragnor suspirou coçando a cabeça, estava bem feliz que finalmente Magnus agarrou o que queria, porém porque ele tinha que fazer justamente dentro do seu escritório? 

Só estava pensando que um dia iria se vingar disso, mas sorriu dando de ombros para Magnus.  

 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...