1. Spirit Fanfics >
  2. Cinquenta Tons de Incesto >
  3. Capítulo 35 - A conversa

História Cinquenta Tons de Incesto - Capítulo 35


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capítulo está ENORME, então não esqueçam de deixar seu comentário ok? 😘

Capítulo 35 - Capítulo 35 - A conversa


Ana se prende no braço de Christian e o mesmo entrelaça os dedos em sua mão. Ela está com medo, mas para ficar com Christian ela passa por tudo, até enfrentar as duas pessoas que cuidaram dela durante esses anos quando não existia mais ninguém de sua família biológica.

— Mãe... pai – Christian cumprimenta os dois com um movimento de cabeça e Ana dá um sorriso para os dois.

Carrick dá um passo à frente e o coração de Ana se acelera.

Que ele não bata em Christian — Ana pensa e repete essa frase até Carrick parar na frente dos dois e observando os filhos juntos como se fossem um casal.

— O que está acontecendo? – Carrick pergunta ainda observando os dois.

Ana abre a boca para responder mas Christian é mais rápido.

— Estamos namorando – Christian responde de uma vez e Ana o encara com repreensão. Ele poderia começar o papo devagar e com cuidado, mas não, vai logo soltando a bomba na mão dos pais e eles que se recuperem.

Grace arfa alto e Ana a encara.

Ah não.

— Desde de quando vocês estão... assim? – Carrick pergunta e Ana vê Grace sentar no sofá e seus olhos estão grudados nela e em Christian, Grace ainda está séria.

— Na verdade... – Christian começa e Ana o encara e ele a olha de volta – Desde quando eu vi ela entrar enrolada naquele lençolzinho quando você e Grace a trouxe, eu amo Ana desde aquele dia e não vai ser agora que eu vou me separar – Christian diz e Grace suspira.

— Mãe, pai... – Ana começa – Isso não é...errado, sabe? Eu e Christian podemos ter crescido na mesma família, mas somos de pais diferentes, somos de sangue diferentes, isso não é incesto, até porque se eu não tivesse sido adotada por vocês o meu relacionamento com o Christian ia ser normal, eu amo vocês e sempre irei agradecer por me ter adotado, porque era possível que eu passasse minha infância em alguma instituição, mas a gente não escolhe quem amar, eu sei que é difícil para vocês entenderem, eu sei que muita gente vai cair matando em cima de nós dois por causa desse relacionamento, mas... eu só quero que entendam que eu amo Christian como homem, para mim ele nunca foi um irmão, mas sim um amor que foi evoluindo durante o tempo em que eu fui amadurecendo – Ana explica e consegue a atenção de Carrick e Grace.

— Mas o que as outras pessoas vão pensar? Eu criei vocês como irmãos – Grace diz se levantando e caminhando até Ana e Christian.

— Eu nunca vi Ana como uma irmã – Christian responde – Eu sempre a vi como uma pessoa que eu devia proteger e amar incondicionalmente, mas eu era uma criança e não sabia que aquele sentimento era amor, eu encontrei nela o meu porto seguro, quando eu ficava perto dela todos os meus traumas de infância desapareciam, vocês perceberam isso, vocês viram que só Ana conseguia me tocar, me fez querer se incluindo na nossa família, ela me deu vontade de esquecer tudo de ruim que aconteceu comigo – Christian diz e puxa Ana pela cintura e a abraça de lado.

Os pais dos dois observam eles, Carrick é o mais calmo, mas Grace ainda parece estar com o pé atrás.

— Mãe... – Ana tenta falar, mas Grace nega.

— Quero um tempo para pensar, por favor – Ela diz e sai em direção a porta e vai embora. Todos observam aquela cena e Ana engole em seco.

— Nós desconfiávamos, mas Grace era a que mais dizia que vocês não estavam juntos, mas eu sentia isso desde quando vocês eram crianças, eu sempre soube, por isso que coloquei o seu quarto do lado de Christian, porque sabia que só você o acalmava quando tinha pesadelos ele acordava e ia observar você dormindo eu vi um dia e ele se acalmava, depois você, Ana, que acordava para ver se ele estava bem, desde pequenos eu via a ligação que vocês tinham e tem até hoje, e vocês tem meu apoio, sempre – Carrick diz e Ana corre e o abraça com força.

— Obrigada, papai – Ela diz e Carrick a aperta entre seus braços.

— Você pode não ser minha filha de sangue, mas eu amo e a considero minha garotinha, afinal o que importa é o amor que eu tenho pelos dois – Carrick diz – Quero que vocês sejam felizes e se vocês se sentem felizes juntos, que seja assim então – Ele diz e Ana o abraça mais ainda. Assim que ela se afasta, Christian se aproxima e dá um abraço em Carrick.

— Obrigado, pai – Christian diz e Carrick faz uma cara surpresa ao ver que pela primeira vez o filho demonstrou carinho por ele, afinal Christian sempre tinha sido fechado a toques e carinhos, sempre foi assim, mas parece que Ana conseguiu derrubar essa barreira também.

— Vou tentar conversar com a mãe de vocês, ela está confusa, mas no final ela vai aceitar, vocês vão ver, ela sempre quer a felicidade de vocês – Carrick diz e se despede e vai embora.

Ana encara Christian e solta um suspiro, ela pensou que ia ter pancadaria, gritos e xingamentos. Mas não, graças a Deus.

— Acho que já passamos pelo o mais difícil – Ana diz e Christian a encara e deposita um beijo na testa da mais nova.

— Também acho. Vamos, você tem que descansar, não quero ver você nunca mais em um hospital – Christian diz e se baixa e passa o braço pelo joelhos dela e a segura no braço, Ana dá um grito e depois ri quando se vê sendo carregada por Christian.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Se passaram pelo menos uns nove dias e até agora Christian não tocou novamente em Ana e isso estava a deixando totalmente frustrada. Mas ela tem um plano e dos bons.

Ela já tinha melhorado muito e nem sentia mais fortes dores de cabeça.

Grace ainda não tinha falado com ela, mas Ana resolveu deixar isso pra lá, estava dando o tempo necessário para que ela tentasse digerir tudo o que ouviu sobre ela e Christian.

Kate e José ainda não falaram com ela, mas Elliot disse que Kate está bem.

Christian ficou mais protetor e Ana não faz a mínima idéia do porque.

Ela está morando com ele e isso ajuda muito a colocar o plano dela em ação.

Ana estava sentada no sofá da sala de Christian e estava lendo e-mail em seu notebook, ela tinha pelo menos uns 20 e-mails da Summer para fazer ensaio fotográfico e se interessou muito por um, Ana estava animada com o rumo de sua carreira. No dia seguinte ela marcou um ensaio e o tema seria algo que a chamou atenção.

Christian estava em um sofá na frente, também lendo e-mails no notebook. O celular de Ana toca e ela atende sem ver quem é.

— Anastasia Grey – Ela diz ainda olhando para a tela do notebook.

— Ana, aqui é o Thomas – Tom, seu estilista, diz do outro lado da linha.

— Oh, olá Tom, como vai? – Ana diz colocando o notebook de lado e presta atenção na conversa. Christian ergue o olhar e a encara, mas Ana não nota.

— Tudo bem, linda, só liguei para dizer que amanhã não vou poder comparecer, mas suas roupas estão lá esperando por você, mas como eu sou ciumento em relação a elas, as roupas estão trancadas no guarda roupa e a chave está de baixo do jarro de planta na mesinha de canto – Tom diz e Ana ri.

— Porque todo esse ciúme? – Ana pergunta olhando para seus pés.

— Porque já tentaram sabotar minhas roupas e não quero vacilar dessa vez, principalmente quando quem vai usa-las é você – Tom diz em um tom de voz carinhoso.

— Agradeço muito, Tom – Ana diz.

— Muito bem então, já avisaram que vai ocorrer uma festa para os estilistas mais famosos dos Estados Unidos? – Tom pergunta.

— Não, ultimamente ando desinformada – Ana responde.

— Pois bem, eu fui convidado e você será minha musa e tem que vir comigo – Tom diz e Ana fica feliz com o convite.

— Mas é claro que eu vou, quando vai ser? – Ana pergunta.

— Hum, acho que daqui à uma semana, já fiz sua roupa – Ele diz e Ana fica boquiaberta.

— Nossa, pelo visto você pensou em tudo – Ela fala.

— Claro, como minha convidada, você tem que ir usando uma de minhas criações, e claro que será a mais bela de todas – Thomas diz e Ana ri.

— Tudo bem, quando nos encontrarmos de novo, você me mostra esse seu bem tão querido – Ana diz e os dois se despedem e desligam.

Christian parou de digitar e fica encarando Ana, que volta a mexer em seu notebook.

— Quem é esse tal de Tom? – Christian pergunta ainda encarando Ana com seus olhos cinzas.

Ana ergue o olhar para ele e coloca novamente o notebook de lado e caminha até Christian.

— É o meu estilista – Ana responde sentando ao lado dele.

Christian assente.

— Ele queria tirar as minhas medidas novamente, você sabe, daqui... – Ana diz segurando os seios – E aqui... – Ana diz colocando as mãos na cintura. Christian a encara e Ana vê aos poucos os olhos deles se encherem de um tipo de chamas raivosas e ciumentas e Ana sorri por dentro por ter conseguido deixá-lo assim.

— Anastasia – Ele diz colocando tudo de lado e se aproximando dela.

— Christian – Ela diz com um sorriso sapeca no rosto e em seguida morde o lábio inferior.

Christian já está totalmente em cima de Ana e ela passa a mão pelos braços dele que está cada um ao lado de sua cabeça.

— Talvez eu deva ir com um conjunto de lingerie mais pequena, para não poder alterar as minhas medidas – Ana diz com um sorriso mais ousado.

Christian rosna e ataca a boca de Ana com força e ela geme quando sente a língua de Christian a invadir sem pedir permissão.

Eles se beijam com tanto ímpeto que Ana sente sua calcinha ficar molhada, apenas com um beijo de Christian. Ela passa as mãos pelas costas dele, coberta apenas por uma camisa branca de linho e ela abre as pernas para ele se conchegar entre elas, e é isso que Christian faz. Ela sente o membro duro dele contra o tecido de sua calça. Ana geme e morde o lábio de Christian. Quando Ana vai retirar a blusa dele, ela escuta o celular dele tocar e geme em total frustração.

— Porra – Ela reclama baixinho e Christian dá um sorriso e sai de cima dela.

Ana se levanta e arruma sua roupa.

— Isso ainda não acabou, Grey – Ana diz de mal humor e pega suas coisa e sobe para o quarto deixando Christian com um sorriso enorme do rosto.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Christian sabe que Ana está doida para ser fodida, mas ele quer brincar um pouco mais com ela. Ele adora ver o rosto dela com raiva e isso o diverte, mas ele não sabe se irá aguentar provocações dela por muito tempo. Ele precisa dela mais rápido possível.

O mais velho, pega o celular que está jogado no chão por causa da pequena brincadeira que teve com Ana agora à pouco e o atende sem olhar para ver quem é.

— Grey – Ele fala sério.

— Senhor Grey, aqui é Steve – Um dos funcionários de Christian responde com a voz totalmente profissional.

— Sim, Steve, alguma notícia? – Christian pergunta.

— Senhor Grey, acabamos de descobrir quem foi as pessoas que atropelaram a Senhorita Grey – Steve diz e Christian respira fundo.

Finalmente.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ana subiu as escadas realmente muito frustrada com tudo, ela pensava que ia acontecer algo naquele sofá, mas não, tem que ter alguém para atrapalhar tudo.

Ela retira a roupa e vai até o banheiro e entra no box, liga o chuveiro e deixa a água cair em sua pele quente, mas não adianta nada. Será que o Christian vai resistir muito?

Acho que não, mas vou ter que colocar meu plano em ação mesmo assim — Ana pensa e dá um sorriso sapeca.

Assim que termina de tomar seu banho, ela se enxuga e vai procurar uma roupa, ela vai passar no apartamento dela e pegar algumas roupas e alguns produtos. Principalmente os seus anticoncepcionais, que são essenciais nesse momento, ela começou o tratamento para não ficar infértil com a doutora à três dias atrás, mas Ana não quer ter filhos agora. Ela pega sua calça jeans e sua blusa preta com estampa de rosas e uma lingerie. Assim que se veste, calça o sapato e faz a maquiagem, que é apenas seu batom vermelho e um rímel, Ana coloca brincos pratas, uma pulseira e passa seu perfume, que Christian ama, sai do quarto e desce as escadas.

Assim que a mais nova chega no último degrau vê Christian passando as mãos no cabelo acobreado e conversando no telefone com um raiva que deixa Ana com um pouco de medo e olhe que ele nem está falando assim com ela. Logo Christian percebe a presença de Ana.

— Steve, quero todos os dados dos dois e quero saber quem os mandou - Christian diz e Ana franze o cenho em completa confusão.

Christian desliga e guarda o celular no bolso da calça social.

— Algum problema? – Ana pergunta caminhando até ele.

— Não... – Ele diz sorrindo fracamente e beijando os lábios macios de Ana – Aonde você vai? – Ele pergunta desconfiado.

— Então, eu vou até meu apartamento para pegar algumas roupas e meu remédio – Ana diz colocando a alça da bolsa sobre o ombro.

— Remédio? – Christian pergunta franzindo o cenho o deixando até... fofo.

— Meu anticoncepcional – Ana responde e Christian assente – Não vou parar de tomá-lo até... bom até quando eu quiser realmente ter um filho.

— Você? – Ele pergunta.

— Sim.

— E eu? - Christian pergunta com um sorriso.

— Você quer ter um filho... comigo? – Ana pergunta arregalando um pouco os olhos.

— Claro que sim, meu amor, eu nunca vou me perdoar pelo o que eu fiz com você antes – Christian responde e dá outro beijo em Ana, a segurando pela cintura com uma mão e a outra passando carinhosamente pelas costas da mais nova.

Ana ficou tão feliz que retribui o beijo com mais voracidade. Christian morde o lábio dela suavemente mas o bastante para deixá-la acessa. Ela percebe que ele está animado, então Ana resolve por seu plano em ação. Ela corta o beijo do nada e sai andando até a porta de saída do Escala, deixando Christian surpreso e embasbacado no meio da sala.

— Bom, tenho que ir agora, volto na hora do almoço – Ana avisa com um sorrisinho no rosto. Christian se recupera, mas não cem por cento.

— Taylor vai levá-la – Christian diz e Ana assente e no minuto seguinte o segurança de confiança de Christian aparece na sala já preparado. É incrível a eficiência de Taylor.

— Srta Grey – Taylor diz abrindo a porta do apartamento e Ana passa sorrindo e agradecendo.

— Obrigada, Taylor.

— Por nada, Srta Grey.

Os dois estão no Audi indo em direção ao apartamento de Ana, quando o celular dela toca.

— Alô?

— Olá irmãzinha linda do meu coração – Elliot fala animado do outro lado da linha.

— Lelliot, que bom ouvir a sua voz horrível – Ana diz sorrindo.

— Bom, não é isso que sua amiga Kate diz quando estamos fazendo sacanagens – Ele diz e Ana faz careta.

— Me poupe de detalhes, por favor –Ana responde.

— Você que pediu, mas eu liguei para contar uma ótima noticia – Elliot diz realmente animado.

O que esse garoto aprontou? — Ana pensa.

— É para eu ficar com medo? – Ana pergunta.

— NÃO – Elliot meio que grita e Ana ri.

— Ok, conta logo – Ana pede já curiosa.

— Bom, eu e Kate estamos noivos – Ele diz e Ana deixa sua boca cair pela surpresa.

— Meu Deus, como assim? – Ana pergunta.

— Pois é, já estamos noivos há dois meses – Ele diz e Ana sente seu coração afundar com essa notícia.

— Elliot estou tão feliz por vocês dois, quero muito que vocês sejam felizes – Ana diz e dá um sorriso sincero.

— Obrigada, maninha, tenho que desligar agora, estou no meio do trabalho, sabe como é, ser engenheiro é complicado – Elliot responde.

— Ok, toma cuidado para um tijolo não cair na sua cabeça – Ana diz e Elliot força uma risada.

— Isso nunca vai acontecer e só para constar eu uso um capacete – Ele diz e desliga.

Ana realmente ficou feliz por Elliot e Kate, mas porque Kate não contou para Ana? Elas são melhores amigas, deviam confiar uma na outra e contar a maioria das coisas, compartilhar momentos da vida, mas parece que Kate resolveu não fazer isso, e há dois meses atrás elas nem tinham brigado. Ana até porquê Elliot não contou, afinal o irmão é meio perdido no mundo da mente dele, mas Kate iria correndo contar pra ela sobre o noivado.

Ana estava muito séria quando finalmente chegou em seu apartamento. Ela pegou as chaves e Taylor a acompanhou, claro que Christian pediu isso.

Ela entrou no elevador ao lado de Taylor e rapidamente os dois estavam em frente a porta do apartamento dela. Ana abriu a porta e não viu ninguém, pelo menos o lugar estava limpo. Ela respira fundo, entra no local, Taylor fecha a porta e fica parado ao lado da mesa, esperando.

— Vou tentar ser rápida, Taylor, depois daqui vou até uma farmácia – Ana diz e Taylor assente.

Ela caminha até a escadas e sobe. Assim que chega no topo dá de cara com José e Kate. Ana encara os dois e uma tsunami de emoções invade seu coração. Carinho. Confusão. Tristeza. Raiva.

— Olá – Ana diz e passa pelos dois e entra no seu quarto. Ela sente os dois atrás dela.

Kate parece ótima para alguém que não fala mais com a melhor amiga e nem se importou muito quando a mesma sofreu um acidente. José está a mesma coisa.

— Ana... você está bem? – José pergunta preocupado.

— Oh, apenas fui atropelada, tive um traumatismo e depois uma parada cardíaca, meus amigos se viraram contra mim, não me apoiaram sendo que eu sempre apoiei eles em tudo, mas tirando isso eu estou ótima sim – Ana diz totalmente irônica.

José e Kate engolem em seco e abaixam a cabeça. Ana anda pelo quarto abrindo malas e enfiando roupas dentro tentando ser mais rápida possível, essa conversa com eles não está fazendo bem pra ela.

— Eu queria pedir desculpa – José diz e Kate encara ele.

— Hum – Ana apenas diz isso.

Ela se vira para Kate e a encara.

— Parabéns pelo seu noivado com meu irmão, quando pretendia me contar? Sinceramente, você ainda vai ficar com uma raiva idiota de mim por querer ficar do lado do homem que EU amo? Ora, por favor, Kavanagh - Ana diz encarando Kate e a mesma abaixa o olhar e entrelaça os próprios dedos.

— Ana, me desculpe, por favor, eu só fui perceber a burrada que eu fiz assim que você saiu desse apartamento, eu não sei o que deu em mim, eu falhei com você de uma maneira que eu me culpo todos os dias, eu fui visitar você no hospital várias vezes, mas você sempre estava dormindo e Christian ficava me encarando com aqueles olhos cinzas super intimidantes, como se fosse me bater, me desculpe, pequena – José diz se aproximando e Ana o encara. Ele pode fazer tudo errado, mas José nasceu pra ser irmão de coração de Ana, ela simplesmente não consegue ficar sem ele, o seu braço direito. Ana o abraça apertado sentindo falta dos braços fortes e quentes dele.

— José, eu te amo, eu sempre vou perdoar você – Ana diz e dá um beijo na bochecha dele.

Ela volta a arrumar as malas.

Kate continua lá encarando o chão. 

Mas do nada ela sai e não volta.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Depois de ter feito duas malas e uma mochila com seus objetos pessoais, Ana sai do apartamento se despedindo de José. Kate está trancada no quarto dela.

Taylor e Ana descem juntos e chegam até o estacionamento e Ana vê seu carro alugado que agora nem precisa mais usá-lo já que Christian tem um monte, que são os xodós dele, mas Ana sabe que se ela pedir ele deixa ela dirigir um deles. Taylor dirige até a farmácia e assim que chegam, ele estaciona e Ana desce para comprar o seu anticoncepcional e alguns para dor de cabeça. Assim que termina, ela volta para o carro e Taylor dirige até o Escala.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Christian está andando de um lado para o outro na sala do Escala, ele está mais ou menos a vinte minutos sem receber nenhuma informação sobre os dois homens que atropelaram Ana, a única coisa que ele sabe é que os dois foram contratados e que fizeram isso para ganhar dinheiro. Ele não sabe o nome, mas Steve ia contar, mas Ana chegou na hora. Droga, agora ele está se remoendo de vontade de saber logo os nomes desses filhos da puta para pode esmagar a cara dos dois com seu punho. Ninguém toca em Ana, ninguém a machuca.

Ele já está perdendo a paciência. Mas no segundo seguinte seu celular toca e rapidamente Christian o pega do bolso de sua calça e atende sem nem olhar quem é.

— Grey – Ele diz curto e grosso.

—Olá, meu menino – Elena diz do outro lado da linha – Senti saudades, da última vez você me tratou tão mal – Ela diz com um falso carinho.

— Elena, não estou com paciência para te aturar hoje – Christian responde furioso.

— Ora, esse seu comportamento merece um castigo severo, querido – Ela diz.

— Porque você não vai se foder Elena? – Christian perde a paciência.

— Porque eu prefiro que você me foda – Ela responde.

— Pois vai morrer esperando – Ele responde, desliga, respira fundo e deixa o celular em cima da mesa, se senta de frente para essa mesa e fica encarando o celular tocar.

Minutos depois o celular retorna a tocar e Christian o atende.

— Grey.

— Senhor, Grey, aqui é o Steve.

— Diga, Steve, qual é o nome desses homens – Christian manda.

O funcionário diz e Christian fica estático.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ana chega ao Escala e Taylor vem atrás dela com as malas. Ela entra na sala e vê Christian sentando no sofá com o rosto apoiado na mão encarando o nada, mas os olhos deles estão em chamas em fúria. Aconteceu algo.

Ela joga a mochila no sofá desocupado e encara o homem furioso a sua frente.

— Ok, eu juro que não fiz nada – Ana diz levantando as mãos.

Christian a encara e dá um sorriso.

— Pelo menos você não fez nada, senão teria que castigá-la – Ele diz e Ana sorri maliciosa.

— Não seria má idéia – Ela responde e Christian respira fundo – O que aconteceu?

— Nada

— Christian, não esconda nada de mim, por favor – Ana pede sentando ao lado dele e Christian se levanta.

— Hoje... eu recebi uma ligação – Ele começa.

— Aquela que estragou o nosso clima? – Ana pergunta carrancuda.

— Sim... meu funcionário, Steve, me ligou e disse que descobriu quem foi os homens que lhe atropelaram – Christian fala e Ana arregala os olhos e o encara.

— Quem foi? – Ana pergunta.

— Tyler Jackson e Henry King – Christian reponde.


Notas Finais


( Pra quem não lembra: Tyler é o modelo amigo da Elena, que a Ana já beijou ele na balada. E o Henry foi aquele fotógrafo amigo do José que a Ana quase foi pra cama com ele)

Espero que tenham gostado ♥️ mandem muitos comentários e deixem seu favorito 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...