1. Spirit Fanfics >
  2. Cinquenta Tons de Incesto >
  3. Capítulo 8 - A história começa

História Cinquenta Tons de Incesto - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Aqui tudo começa, e quem tinha lido antes quando a fanfic estava postada na minha outra conta, sabe o que está por vir.

Capítulo 8 - Capítulo 8 - A história começa


Já é janeiro e se passaram duas semanas depois do ano novo e 4  meses desde daquele acontecimento na festa dos empresários.

Ana está se arrumando para ir ao aeroporto, junto com Kate que não teve nada com Elliot depois daquela festa, incrível, eles brigaram feio e ela está sem falar com ele até agora e pelo que Ana pode ver, Kate nem vai querer falar com ele. Talvez eternamente.

Ana fecha o zíper de sua mala e vai tomar um banho antes de sair da casa de seus pais e se veste com as roupas que separou. Ela olha para seu quarto para guardar as lembranças daquele lugar, onde passou a maior parte de sua vida depois que foi adotada. Ela sente lagrima inundarem seus olhos mas se repreende e respira fundo.

Não vou chorar — Ana repete esse mantra em sua cabeça.

Ana pega a mala de ombro e sai de seu quarto.

Desce as escadas e encontra Grace, Carrick e Kate esperando por ela.

Kate vai viajar junto com Ana, afinal as duas querem muito se tornar modelos profissionais.

— Estão prontas? – Carrick pergunta. Ana olha pro lado e para o outro para saber se Christian está lá, mas não.

Ele voltou semana passada para o apartamento dele, tinha acabado as obras e estava tudo bem. Isso deixou Ana meio infeliz, mas teve que aceitar.

Depois do acontecido no banheiro da festa, e o acontecido no dia de Ano Novo onde ela teve um belo orgasmo, não teve mais nada entre eles mas Ana deixa isso de lado e foca na sua viagem.

— Sim, estamos – Ana responde sorrindo.

— Então vamos lá – Carrick diz e manda os empregados pegarem as malas das duas meninas. Eles caminham até o carro, onde vão os quatro. Os empregados colocam as malas lá atrás e o motorista da a partida e sai da mansão da família indo em direção ao aeroporto.

São sete horas da manhã e Ana se sente triste por deixar a família que tanto ama, mas ela está indo realizar um sonho. As vezes Anastasia se pergunta, e se ela não fosse adotada, e seus pais verdadeiros tivessem sobrevivido ao acidente, será que ela conseguiria realizar seu sonho? Será que teria conhecido Christian? Bom, provavelmente Grace teria adotado outra menina, e ela teria muita sorte, assim como Ana tem.

O tempo passa e eles param em frente ao aeroporto, o motorista desce e abre a porta, Kate é a primeira a sair, depois Grace, Carrick e por último ela. Os quatro marcham em direção ao portão de embarque enquanto o motorista leva os carrinhos com as malas de Ana e Kate leva as delas.

Eles esperam dar a hora da entrada. Ana vê Elliot chegando e dá um sorriso pra ele e Kate vira o rosto emburrada.

— Maninha – Ele diz pegando Ana nos braços e rodando ela.

— Elliot, vou sentir saudades – Ana diz o abraçando e segurando forte.

— Eu também, pequena Ana – Ele diz o apelido que fazia anos que ele não pronunciava.

— Você nunca mais me chamou de “pequena Ana” – Ela diz ficando com os olhos marejados.

— É porque, não sei se você notou, você não é tão pequena agora – Elliot diz e Ana dá uma risada.

Elliot solta Ana e acena para Kate que está ainda emburrada e ela vira de costas pra ele. Ana dá uma risadinha da cena.

Se passam alguns minutos e Ana ainda quer que Christian venha dar o adeus a ela, mas parece que ele não vem mais.

Até o momento que ela vê uma cabeleira acobreada chegar andando e parar na sala. Ela ergue os olhos e encara Christian, vestido de terno, pronto para ir trabalhar e seu cabelos bagunçado, como se ele tivesse passado a mão ali muitas vezes e seus olhos cinzas triste.

Ana se levanta e vai na direção dele. Kate, Elliot, Grace e Carrick, saíram para tomar um café.

Ele a agarra e a prende com seus braços fortes.

— Vou sentir saudades de você, Christian – Ana fala com a voz embargada e deixa seu rosto repousar no peitoral de Christian.

— Também vou sentir muitas saudades – Christian fala e sente seu coração ficar apertado. Ele não quer que ela vá embora, mas também não pode a prender aqui.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Christian acordou muito cedo, umas quatro horas da manhã, sentindo seu peito apertado, ele não tinha sonhado, então porque está sentindo como se fosse perder algo importante?

Ele se levanta da cama e lembra que hoje a sua menina está indo embora, para a Europa. Então é por isso que ele está assim? Não, ele não sentiu isso por ninguém antes, não pode começar a sentir isso agora. Deve ser porque está sem submissa, já que o contrato de Sophia acabou e ele não quis renovar e depois de Sophia ele teve por poucos meses outra submissa, mas foi passageiro.

Christian toma um banho quente e se arruma. Ele fica fazendo hora no escritório dele no Escala até dá a hora de ir trabalhar. Mas uma questão martela em sua cabeça. Ele vai ou não se despedir de Anastasia? Todo o seu ser está dizendo que ele vá antes que seja tarde de mais.

Ele decide ir vê-la antes que não possa mais. Christian toma o café da manhã e caminha até o elevador e quando chega, vê Taylor já o esperando.

Christian entra no carro e Taylor entra no lugar do motorista.

— Quero que vá para o aeroporto – Christian diz e Taylor assente.

— Sim, senhor – Taylor responde.

Se passa o tempo e Taylor para na frente do aeroporto e Christian desce.

Ele caminha apressado até a sala de espera, e se ela já tiver embarcado? Não, ela não embarcou ainda. Christian corre pelo aeroporto até vê uma pequena mulher sentada no banco sozinha olhando o celular, ela está linda, como sempre. Ana, a sua Ana. Ele para de corre e respira fundo e aparece na frente dela, ela ergue o olhos e os encara. Os seus lindos olhos azuis o hipnotizam.

Ela chega perto dele e Christian a puxa para seus braços a aninhando nele. 

Só de pensar que essa é a ultima vez que ele faz isso, corta o seu coração.

— Vou sentir saudades de você, Christian – Ela diz e deixa seu rosto tocar o seu peito e ele não liga, até gosta desse contato.

— Também vou sentir muita saudade de você – Christian diz respirando o perfume de Anastasia. Ele falou a verdade, ele irá sentir falta dela, mais do que pensa. Ele tem que fazer algo que deixe uma lembrança viva em sua memória.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ana abraçou Christian até sentir ele levantar seu rosto e ele descer o dele e selar seus lábios com o dele. Ela permite que a língua dele entre em seu boca e logo os dois estão se beijando de maneira voraz, podendo ser pegos ali por sua família.

Ana sente Christian passa a mão por sua cintura e busto. Ele para segurando seu rosto. Ela não fica pra trás e passa a mão pelas costas dele, pela cintura e pelo peitoral bem definido. Ela solta um gemido quando ele morde o seu lábio inferior. Eles se separam com vários selinhos.

Ana abre os olhos e encara Christian que está já de olhos abertos, soltando faíscas de desejo.

— Christian – Grace fala chegando e Ana rapidamente se solta de Christian e se olha no vidro pra ver se está tudo bem com sua aparência.

Está tudo bem, graças a Deus.

— Olá, mãe – Christian diz.

— Meu filho, fico feliz por ter vindo – Ela diz o abraçando e ele retribui.

Se passa os minutos e o voo de Ana e Kate é anunciado. Grace começa chorar e Ana deixa algumas lágrimas caírem, ela se despede de todos e dá um último abraço em Christian. Ela se vira e vê Kate com um sorriso.

— Inglaterra, aí vamos nós – Kate pega na mão de Ana, que dá uma risadinha e as duas entram no avião.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Se passa o tempo e a temporada de Ana e Kate em Londres está sendo muito produtiva, elas terminaram o curso e saíram já empregadas, elas conseguiram posar para várias revistas londrinas, estão ganhando muito bem, todos dizem que as duas são as novas modelos mundiais, o que deixa as duas amigas radiantes. O curso durou apenas um ano, e as duas foram empregadas com 18 anos, maiores de idade. Elas curtem festas para qual são convidadas Vip, tem o próprio apartamento de luxo em Londres. Tem amigos e muitos trabalhos pela frente.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Se passam dois anos, Ana está com 20 anos e Christian está com 26 anos.

Ana está indo muito bem com sua carreira. Christian é o novo maior bilionário dos Estados Unidos. Ana é a modelo mais cobiçada pelos homens e pelas revistas. Christian é um dos solteiros mais cobiçados dos Estados Unidos.

Durante todo esse tempo, Ana não recebeu nenhuma ligação de Christian, isso deixou ela muito deprimida, só recebia ligações de seus pais e de Elliot. Elliot ligava para pedir que depois apresentassem as amigas modelos dela para ele. Ana sempre revirava os olhos quando ele pedia isso.

Kate sempre aparece com os ficantes dela no apartamento e por incrível que parece até hoje Ana nunca conseguiu se entregar a ninguém. Só ficava, mas não partia pro finalmente e Kate fazia graça com ela por causa disso.

Até que um dia Kate ficou importunando Ana para saber o porque e Ana resolveu contar.

— Kate você jura que não irá contar para ninguém e também não vai me julgar? – Ana pergunta e Kate franze o cenho e assente.

— Tudo bem – Kate diz fervorosamente.

— Eu estou apaixonada por meu irmão Christian – Ana diz de uma vez.

Kate abre a boca de surpresa e encara Ana se falar nada e passa o tempo e ela está com a mesma expressão.

— AI MEU PAI, KATE, FALA ALGUMA COISA – Ana grita e sacode Kate com força.

— Eu... não sei o que dizer – Kate diz.

— Por favor, por favor, não me julgue uma pessoa horrível, simplesmente aconteceu, eu... eu não podia evitar, porque toda vida ele esteve lá, aquele sentimento de carinho, desejo e amor, sempre esteve lá... por favor, Kate, tente entender – Ana diz com lágrimas nos olhos já imaginando a melhor amiga se afastando dela por ter nojo.

— Ana, Ana, tudo bem, vai ficar tudo bem, eu não vou julgar, eu entendo – Kate diz segurando Ana pelos ombros e abraçando.

— Ah Kate, muito obrigada – Ana diz chorando de felicidade por Kate não a ter deixado.

— Agora me conte tudo, desde o começo – Kate pede e Ana faz, ela conta tudo o que aconteceu entre os dois só não contando os detalhes.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Se passa dois meses e Ana e Kate recebem a proposta de trabalhar nos Estados Unidos, e elas escolhem em que cidade e é claro que as duas escolhem Seattle, Ana não vê a hora de voltar para a cidade que tanto ama e onde passou a infância toda e onde ela pode finalmente reencontra Christian Grey.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Londres

— Vamos, Kate, senão chegaremos atrasadas no aeroporto – Ana diz levando as malas para fora de seu quarto.

— JÁ ESTOU INDO – Kate grita do seu quarto e Ana revira os olhos.

Depois de todos esses três anos, Kate continua a mesma, a única coisa que mudou foi a sua forma física, ela está com os cabelos loiros curtos em cima do ombro, o que a deixa mais alta e tem o corpo com curvas que deixam a maioria dos homens londrinos babando. Mas Anastasia não ficou para trás, seus olhos extremamente azuis conquistaram a todos, Ana com seu cabelo castanho longo que chegam até a sua cintura e com seu corpo cheio de curvas generosas, seu sorriso encantador, fez com que ela fosse a escolhida por várias revistas londrinas, mas agora ela e Kate estão dando um novo passo, dominar as revistas americanas.

Esses anos todos fizeram muito bem a Ana agora ela tem 20 anos e um trabalho promissor e um amigo super querido que vai junto com ela para os Estados Unidos, José. Ele é um modelo e é gay, ele é simplesmente perfeito, você pode contar todos seus segredos para ele, e ele morrer e nunca irá contar para ninguém, a não ser que você deixe.

Kate aparece na sala do apartamento carregando umas mil malas. Bom, nesse tempo em que ela passou em Londres, Kate comprou roupas em quase todas as lojas.

— Estou pronta, vamos? – Kate pergunta respirando com força.

— Sim – Ana diz e liga para a recepção do prédio para algum funcionários vir pegar as malas delas.

— Está com a passagem? – Kate pergunta pegando a bolsa dela que estava em cima do sofá da sala.

— Claro que sim – Ana diz mostrando as passagens.

— Cadê o José? – Ela pergunta.

— Já está esperando nos duas no aeroporto – Ana responde e pega sua bolsa e guarda as passagens.

Depois de alguns minutos elas já estão dentro do carro e estão indo em direção ao aeroporto.

Ana contou a sua mãe que voltaria para Seattle e Grace quase chorou no telefone de tanta alegria, mas Ana comprou um novo apartamento em Seattle, lá ela ficará junto com Kate e José, já que o local tem quatro quartos e é bem espaçoso e ainda sobra um para ela fazer um escritório para poder administrar sua carreira e da Kate. Sim, Ana é sua própria empresária e a empresária de Kate também. Ela não confia muito a sua carreira nas mãos de outras pessoas.

Quando ela chegar em Seattle vai ser de tarde então vai dar tempo de ela descansar e em seguida partir para uma festa que é uma comemoração a volta de Kate e da dela.

O motorista para em frente ao aeroporto e as duas empurram os carrinhos com suas malas em direção ao portão de embarque. Elas vêem que estão atrasadas e correm pelo aeroporto e despacham as malas e correm novamente a para o local onde vão embarcar.

Elas entram no avião e vão até a primeira classe onde José está com as pernas cruzas saboreando um delicioso champanhe. Assim que ele as vê, dá um sorriso e elas se sentam ao seu lado.

E o avião decola.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Durante esses três anos, Christian Grey, conseguiu o que mais almejava, ser um dos maiores bilionários dos Estados Unidos, mas ele sentia como se algo falta-se, Christian sabe o que é mas não quer pensar nisso, afinal tem outra submissa e já faz dois anos que tem ela.

Leila.

A submissa que encontrou um ano depois da ida de Anastasia para Londres. Christian encontrou Leila em um clube de submissão e se interessou por ela. Mas ela não consegue tirar Ana de seus pensamentos. Christian nunca mandou uma mensagem ou ligação para Ana, porque ele queria que ela o esquecesse e que ela tivesse uma vida e encontrasse um homem que ela merecesse, ele não era certo para ela. Por mais que o seu desejo por ela ainda permaneça ali, intacto.

Em uma tarde em seu escritório, Christian recebe uma ligação de sua mãe. Ele a atende.

— Christian? – Grace fala com uma voz animada.

— Sim, mãe – Ele responde.

— Ah, querido, Ana vai voltar para Seattle, ela chega amanhã a tarde e faremos uma festa amanhã a noite para ela e Kate – Grace fala com a voz doce.

— Que notícia boa – Christian fala.

— Sim, mas quero saber se você vai aparecer? – Grace pergunta.

Christian deixa rolar alguns segundos e respira.

— Sim, eu vou, mãe – Christian responde passando a mão pelo cabelo.

— Ótimo, filho, tenho que desligar, bom trabalho, beijos – Grace desliga e Christian desliga o celular.

Christian respira e abre a gaveta de sua mesa e retira uma revista com Anastasia na capa, ela está vestida com roupas de frio e com sua deliciosa boca pintada de vermelho bastante chamativo e está com uma feição totalmente sexy. Christian não tem apenas uma revista dela, ele tem todas as revistas em que ela estampou. Ele gosta de ver as suas fotos, mas de certo modo é como se fosse uma maneira de ter ela perto dele.

Durante esse tempo sem ela foi muito difícil para Christian, mas Elena disse para que ele esquecesse ela.

— Esqueça essa garota, ela já deve estar com outro em Londres, deve ter vários ficantes por aí – Elena disse – Não perca o seu tempo pensando nela, se ela tivesse com saudades teria mandado uma mensagem para você, mas ela não mandou – Ela disse um certo dia quando foi visitar ele um ano depois de Ana ter partido.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Finalmente o avião chega em Seattle, Kate, José e Ana desembarcam e pegam as suas malas, Ana vê o motorista dos seus pais a esperando. Ela dá sorriso e caminha até lá. Eles caminham até o estacionamento onde entram no carro e rumam para o novo apartamento de Anastasia.

Chegando lá, Ana observa o prédio e vê que ele é bem bonito e imponente.

— Gente, é aqui que vamos morar? – José pergunta colocando a mão na boca arrancando risadas de Ana e Kate.

— Sim, meu amor, é aqui – Ana diz o abraçando – Vamos? – E eles assentem.

Os três pegam o elevador e chegam no ultimo andar onde fica a cobertura. Ana digita uma senha e as portas do elevador se abrem revelando o enorme apartamento que ela adquiriu.

— UAU – José diz olhando para todos os detalhes do lugar.

— Isso é muito grande – Kate diz animada.

— Bom, meu quarto é lá em cima, tem dois quarto aqui em baixo e outro lá em cima – Ana diz subindo com algumas malas.

— Eu fico com o de baixo – José diz sorrindo e caminhando para o quarto dele.

— Vem, Kate, quero mostrar o seu quarto – Ana fala e Kate a segue saltitando.

— Ele tem que ser lindo e grande – Kate fala sonhadora e Ana dá uma risada.

Assim que chegam ao segundo andar elas param.

— Aquele do outro lado e no fim do corredor é o seu quarto, o meu fica do outro lado também no fim do corredor, ao lado do seu quarto tem um local como se fosse um mini escritório que deixei pra você usar, o meu vai ser o outro quarto sem ninguém – Ana fala esclarecendo as coisas.

— Ok, obrigada – Kate agradece com um sorriso enorme estampado no rosto.

— De nada, vai ver seu quarto e depois me conta se gostou ou não – Ana diz caminhando para o seu lado do corredor.

Ela entra no enorme quarto e coloca suas malas no chão e se joga na cama. Ela pega o celular e coloca para despertar umas seis horas da noite para poder se arrumar para a festa.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Ana acorda com seu celular berrando. Ela desliga o despertador e se levanta da cama e sai do seu quarto e bate na porta do quarto de Kate.

Ela abre só com uma toalha e uma escova de dentes na boca. Ana dá uma risada.

— Bom, vejo que não preciso te apressar para se arrumar – Ana diz e Kate revira os olhos – Bom, vou me arrumar.

Kate assente e Ana sai e escuta ela fechando a porta.

Anastasia toma banho e sai do banheiro e abre a sua mala a procura de alguma roupa para a festa de boas vindas.

Ana se veste e passa a maquiagem e calça a sapato e deixa o cabelo solto e coloca só um brinco e pega a sua bolsa e saí do que quarto em direção a sala, ela desce as escadas e vê José, já pronto, sentado no sofá assistindo um filme.

Ele olha pra ela.

— UOU, vai para matança? – Ele pergunta e Ana ri alto – Olha se eu fosse hétero eu te pegava na hora – José diz e Ana se senta ao lado dele.

— Obrigada, José – Ela diz colocando a cabeça em seu ombro.

— Kate vai também? – Ele pergunta.

— Sim, só falta ela – Ana diz e logo escutam ela descendo as escadas.

Kate aparece linda, como sempre, e com o vestido aberto na cintura. Ela me olha e abre a boca.

— Aonde você comprou esse vestido? Ele é lindo – Kate diz.

— Comprei em Londres, semana passada – Ana responde – Vamos? - Ana pergunta e todos assentem.

Eles descem pelo elevador e o motorista está lá esperando por eles. Ele dirige pelas ruas de Seattle e a cada minuto que passa Ana sente ficar mais tensa, ela vai reencontrar Christian hoje, só se ele for.

— - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - * * * - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

O motorista entra na garagem da mansão e logo ele desce e abre a porta pros três. Kate desce, logo depois José e ele ajuda Ana descer.

Kate saltita em direção a Ana e fala no ouvido dela:

— Vai ficar tudo bem, apenas respira e... ah Ana você virou uma mulher dona de si, não fiquei nervosa por causa dele.

— Kate, eu sei que você também está nervosa por causa de Elliot – Ana diz e Kate a encara e depois sorri timidamente.

— Eu gosto dele, mas depois falamos sobre isso – Ela diz e corta o assunto.

— Então, divas, vamos parar de cochichar aí e vem comigo – José fala e cada uma das duas pegam um braço dele e sobem as escadas para a entrada da mansão.

Depois de três anos, Ana finalmente voltou para o lar onde passou bons momentos e momentos com Christian que nunca vai esquecer.

— Onde é a festa? - José pergunta quando vê a casa vazia.

— É lá no jardim, todos estão lá – Ana diz e eles rumam para as portas ao fim da casa.

Assim que param no jardim, todos os convidados olham para os três. Ana passa os olhos por todos e vê seus pais, Elliot e... Cadê Christian?

Ana e Kate correm pros braços de suas respectivas mães. Ana abraça Grace e ela a abraça de volta com vontade e toda chorosa.

— Ah minha linda, senti tantas saudades de você – Grace diz e a afasta e a olha de cima pra baixo – Você se tornou uma mulher muito linda – Grace diz e Ana cora.

Carrick aparece e abraça a filha.

Todos dão as boas vindas as duas e José fica atrás delas e ele é apresentado para todos.

Elliot aparece e roda a irmã em seu abraço.

— ELLIOT – Ana grita rindo e se segurando nos braços do mais velho.

— Senti saudades – Ele para e abraça a irmã com força.

— Também – ela diz e o abraça apertado.

Logo eles se largam e começam a conversar. Ana nota uma figura sentada na mesa de sua família. Elena Vadia Lincoln.

Sério que ela está na minha festa? – Ana pensa olhando para ela.

— Olá, Anastasia – Elena a cumprimenta.

— Olá, Senhora Lincoln, os anos mudaram você muito, deveria usar algum produto para esconder as rugas – Ana diz. Uma coisa que Ana ganhou durante o tempo em que passou fora, foi ser mais irônica e mais corajosa. Ela nota Elena se engasgar e a olhar como se fosse matar ela ali mesmo.

— Mais respeito comigo – Ela avisa.

— Só respeito quem merece ser respeitado, você no caso, nunca me deu motivo para te respeitar – Ana diz sorrindo malignamente. Ana sai deixando Elena com uma cara de trouxa e vai atrás de sua mãe.

— Mãe, Christian está aqui ? – Ana pergunta com quem se não quer nada.

— Sim, ele deve está no jardim ao lado da casa – Grace aponta sorrindo.

— Bom, vou falar com ele – Ana diz e Grace assente. Ana sai praticamente correndo.

Chegando lá, ela vê a cena que mais odiaria ver em sua vida.

Christian com uma mulher. Ele está presando ela na parede e na visão dela os dois estão quase se beijando, mas a mulher está de cabeça baixa. Ana abre a boca em surpresa.

ANA, eles estão tendo um momento de casal sai daí – Seu lado consciente avisa.

— Oh meu Deus – Ana diz e os dois a olham surpresos e os olhos de Christian se prendem nela com uma força incrível, fazendo ela estremecer – Me... me desculpem, falo com você depois, Chris... – Ana sai do local apressadamente e escuta Christian chamando por ela logo atrás. Ela engole em seco e sente como se tivesse levado uma facada no coração.


Notas Finais


Espero que tenham gostado e por favor NÃO ESQUEÇAM dos comentários e favoritos ♥️🙏


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...