História City of bones (Taekook, Baekmin e Namjin) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Bleach, EXO
Personagens Baekhyun, Isshin Kurosaki, Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Masaki Kurosaki, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Baekmin, Instrumentos Mortais, Namjin, Taekook
Visualizações 30
Palavras 1.346
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Vou postar só nos finais de semana.

Sábado e capaz de eu n poder postar por ter um evento de armys na minha cidade.

Open city of bones♡

Capítulo 2 - ENTRADA PROIBIDA!




- E aí - disse Baek -, a música é boa, não é? 

  

Tae não respondeu. Estavam dançando, ou fingindo que estavam, tinha um casal brasileiro se beijando apaixonadamente. Um menino com piercing labial e uma mochila de ursinho de pelúcia estava distribuindo maçonaria. Tae não estava prestando muita atenção aos arredores imediatos _estava de olho no menino de cabelos azuis que havia passado uma conversa no segurança para entrar na boate. Ele estava passando pela multidão como se estivesse procurando alguma coisa. Havia algo familiar na maneira como se movia...


- Eu por exemplo - continuou Baek -, estou curtindo bastante.

  Isso parece improvável. 


- A - hã. - Tae sabia perfeitamente bem que ele só tinha ido para o pandemônio porque Tae gostava, e que na verdade ele achava chato. Tae nem sabia porque gostava _ Tudo fazia aquele lugar parecer um sonho. Mas Tae era sempre tímido demais para falar com qualquer outra pessoa que não fosse Baek.


  O menino de cabelo azul estava saindo da pista de dança. Ele parecia um pouco perdido, como se não tivesse encontrado a pessoa que estava procurando. Tae ficou imaginando o que aconteceria se ele fosse até lá e se apresentasse. Talvez ficasse olhando só para ele. Ou talvez fosse tímido demais. Talvez ele só sentisse grato e gostasse, e então tentasse não demonstrar, como os meninos faziam.


  De repente o menino de cabelo azul se recompôs, evitando atenção, como um cão de caça preparado. Tae seguiu o olhar dele, e viu o garoto com roupas brancas.


 "Fazer o quê?", pensou taehyung, tentando não se sentir como um balão de festa murcho. "acho que e isso". O garoto era lindo, o tipo de garoto que tae gostaria de ter desenhado _ baixo e esbelto, com cabelos negros que se destacavam com a sua roupa. Mesmo a essa distância, tae podia ver a joia vermelha em volta de seu pescoço. pulsava sob as luzes da boate como um coração fora do peito.


- Eu acho que - continuo baek - o DJ Bat está fazendo um trabalho particularmente excepcional esta noite. Você não acha?

 

Tae revirou os olhos e não respondeu; Baekhyun detestava música trance. Taehyung estava com a atenção voltada para o garoto de branco. através da neblina artificial, seus olhos brilhavam. Não era de estranhar que o menino de cabelo azul o estivesse seguindo como que enfeitiçado, distraído demais para perceber qualquer outra coisa ao redor _ até mesmo as duas criaturas sombrias que o seguia, atravessando a multidão. 


Tae diminuiu o ritmo da dança e encarou as criaturas. Ele só conceguia identificar que eram meninos altos e que usavam roupas escuras. Ele não sabia dizer como percebera que estavam seguindo o outro garoto, mas tinha certeza disso. Dava pra perceber pela maneira como acompanhavan o ritmo dele, pelo cuidado com que pbservavam tudo, pela graciosidade de seus movimentos sinuosos. Uma leve apreensão começou a tomar conta de seu peito.


- Enquanto isso - acrescentou baek -, eu queria te dizer que ultimamente tenho me vestido de mulher. Além disso, estou transando com a sua mãe. Achei que você deveria saber. 


  O garoto chegou à parede e estava abrindo uma porta que dizia ENTRADA PROIBIDA. Tae deu uma olhada para o menino de cabelo azul atrás dele, e eles entraram. Não era nada que taehyung nunca tivesse visto, um casal entrando sorrateiramente em um dos cantos escuros da boate para dar uns amassos, mas issk só fazia o fato de estarem sendo seguidos larecer mais estranho.


  Tae ficou na ponta dos pés, tentando enxergar por cima da multidão. Os dois rapazes tinham parado na porta e pareciam estar consultando um ao outro. Um deles era moreno, enquanto o outro tinha cabelos escuros. O moreno colocou a mão no casaco e alcançou um objeto longo e afiado que brilhava sob as luzes estroboscópicas. Uma faca.


- Baek! - Tae gritou, e agarrou o braço dele.

- O quê? - Baek parecia alarmado. - Eu não estou transando com a sua mãe de verdade. Só estava tentando chamar a sua atenção. Não que sua não seja uma mulher muito atraente para a idade dela.

- Você está vendo aqueles caras? - tae apontou fervorosamente, quase atingindo uma curvilínea menina negra que estava dançando ali perto. A menina lançou um olhar furioso a tae. - desculpe, desculpe! - Taehyung voltou a atenção para Baekhyun. - Você está vendo aqueles dois caras ali? Perto da porta?

 Baek cerrou os olhos, depois deu de ombros.


- Não estou vendo nada.

- Aqueles dois. Eles estavam seguindo o garoto do cabelo azul...

- o que você achou bonitinho?

- É, mas a questão não é essa. O moreno pegou uma faca.

- você tem certeza? - baek estritou o olhar para enxergar melho, balançando a cabeça - continuo não vendo nada.

- tenho certeza.

 

  Repentinamente sério, Baek alargou os ombros.


- vou chamar um daqueles seguranças. Você fica aqui. - ele se afastou, empurrando a multidão. 


  Tae virou bem a tempo de ver o menino moreno e trar sorrateiramente pela porta que dizia ENTRADA PROIBIDA, com o amigo logo atrás. Tae olhou em volta; baek ainda estava tentando atravessar a pista de dança, mas sem muito êxito. Mesmo que taehy gritasse agora, ninguém escutaria, e até Baekhyun voltasse, alguma coisa horrível já ter acontecido. Mordendo o lábio inferior com força, Taehy começou a correr pela multidão.


~dentro do depósito~




- Qual é o seu nome?

 Ele se virou e sorriu. A pouca luz que havia no depósito entrava pelas grandes janelas com grades completamente sujas. Pilhas de cabos elétricos, juntamente com pedacinhos de bolas de discoteca espelhadas e latas vazias de tinta suavam o chão. 

- Jimin. 

- É um nome bonito. - Ele caminhou em sua direção, passando cuidadosamente pelos fios, caso algum deles estivesse ativo. Sob a fraca luz, o garoto parecia semitransparente, desprovido de cor, envolto de um branco como anjo. Seria um prazer derrubá-lo... - Eu nunca te vi por aqui.

- Você está me perguntando se eu venho aqui sempre? - o garoto sorriu, cobrindo a boca com a mão.

  Ele tinha uma espécie de pulseira em torno do pulso. Então, ao se aproximar dele, viu que não era uma pulseira, mas um desenho marcado na pele, um emaranhado de linhas entrelaçadas. 

  O menino congelou.

- Você...

  

  Ele não terminou. O garoto se moveu com a potência de um raio, atacando-o com a mão aberta, um golpe no peito que o derrubaria e o deixaria sem fôlego se ele fosse humano. No entanto, ele apenas cambaleou para trás. Logo depois havia algo na mão do garoto, um chicote que brilhava dourado enquanto golpeava, enrolando os tornozelos dele fazendo com que seus pés saíssem do chão. O menino caiu, contorcendo-se, o metal penetrando sua pele. O garoto riu, de pé sobre o menino que, completamente tonto, pensou que deveria ter percebido. Nenhum garoto humano usaria uma roupa que jimin estava usando. Ele o estava vestindo para cobrir a pele _ toda a pele.

  

  Jimin puxou o chicote com força, segurando-o. Tinha um sorriso que brilhava como água venenosa.


- ele e todo de vocês, meninos.


  Uma risada baixa soou atrás dele, e agora mãos o agarravam, erguendo-o, lançando-o contra um dos pilares de concreto. Ele podia sentir a pedra úmida sob a coluna. Estava com as mãos presas atrás do corpo, atadas com um fio elétrico. Enquanto se debatia, alguém circulou o pilar, aparecendo em seu campo de visual: um menino, tão jovem e bonito quanto Jimin. Seus olhos castanhos-amarelados brilhavam como pontas de âmbar. 


- Então - disse - Há mais algum com você? 


  O menino de cabelo azul podia sentir o sangue se acumulando sob o metal excessivamente apertado, deixando-o com os pulsos escorregadios. 


- Mas algum o quê? 

- Ora, vamos! - O menino de olhos castanhos-amarelados levantou as mãos, e as mangas escuras desceram, mostrando os símbolos que tinha tatuados nos pulsos, nas costas e nad palmas da mãos. - você sabe o que eu sou.

 

  No crânio do menino algemado, o segundo grupo de dentes dele começou a ranger.


-Caçador de sombras- sibilou.

O outro menino sorriu.

- Te peguei - disse ele.


Notas Finais


End♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...