História Ciúmes - ONESHOT - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Damon Salvatore
Tags Damon, Damon Salvatore, Klaus, Mikaelson, Niklaus, Salvatore
Visualizações 58
Palavras 1.683
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Literatura Feminina, Sobrenatural
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi amores esse oneshot é bem curtinho mas eu achei ele tão fofinho que eu decidi postar aqui então espero que gostem e curtem o Damon Salvatore com ciúmes hahah

Capítulo 1 - Ciúmes


Fanfic / Fanfiction Ciúmes - ONESHOT - Capítulo 1 - Ciúmes

- CANSEI DAMON!! CANSEI DESSA CONVERSA! – Você exclamou indo para dentro da sua casa.

- Você não tem o direito de cansar! – Damon entrou atrás de você e nesse momento você se arrependeu de ter convidado ele para sua casa.

Você e Damon estavam namorando iria fazer cinco meses. Cinco meses de pura loucura, e o mundo que você conhecia, deu um giro de cento e oitenta graus, deixando de cabeça para baixo, eram vampiros, lobisomens, híbridos, estripadores, vampiros sem emoções, lobisomens em plena lua cheia sem conseguir se controlar, idiotas e bruxas.... no caso você é uma, e isso também estava te deixando de cabelo em pé.

- Ah eu tenho o direito sim!! Você ta imaginando coisas dessa sua cabecinha que você consegue viajar nela!

- Ahh é e porque você estava com Klaus no meio da floresta? – Você respirou fundo.

Sim essa era uma cena incomum que já estava se tornando comum. Klaus aquele híbrido mal, com um alter ego enorme, ele tinha se apaixonado por você. Não era que ele e era feio, porque tinha horas que você realmente o achava sexy, mas você estava feliz com Damon, e não queria trocar isso por nada, mais cedo você estava enérgica e precisava treinar feitiços cuja você teria que usar com alguns rituais, e então foi pega de surpresa quando Klaus te observava.

**flashback on **

"Apenas o som das árvores, vento e natureza” sua mente estava repetindo e vagando, enquanto seus olhos estavam fechados e você começou a repetir as palavras em latim.

Quando abriu os olhos ficou decepcionada, era para que tudo ao seu redor estivesse pegando fogo, era uma coisa simples e você tinha conseguido isso antes quando a Bonnie te ajudou.

Você levantou seus olhos pronta para se levantar e ir para casa, quando levou um susto ao ver o híbrido encostado na árvore a sua frente com o olhar fixo em você

- Oi, (S/N). – Ele não conseguiu esconder o sorrisinho ao ver que te assustou.

- Oi. – Você disse secamente, geralmente quando Klaus aparecia era apenas para ameaçar.

- O que você precisa fazer para seu feitiço dar certo é canalizar com alguém.

Você pegou o grimório que estava te auxiliando nos treinos se levantando. – Ahahn eu sei, mas nesse processo eu posso matar alguém, então quero ser poderosa o suficiente para poder fazer sozinha até o meu limite.

Klaus gostava do seu autoritarismo e autenticidade ele sorriu meio torto.

Você começou a andar, e Klaus te acompanhou. - Mas não se dar pra se tornar vampiro sem passar pela transição... - Klaus e suas metáforas... você revirou os olhos.  

Você parou e virou para poder olha-lo. – Vá direto ao ponto.

Klaus se aproximou de você, bem perto, mais perto do que ele seria ousado a chegar, já que ele sabia que você estava namorando Damon, tirou seu cordão uma das coisas preciosas dele e colocou em volta de seu pescoço. – Canalize com a criatura mais poderosa viva no mundo. – Ele disse, quase sussurrando, ele estava tão perto de você que você podia sentir o hálito quente em seu rosto.

Você se afastou um pouco. – Ok. – Você sorriu meio sem graça, a final ele não estava ali para ameaçar nem matar mas, estranhamente para te ajudar. – Mas... não agora, eu tenho um compromisso, eu preciso ir. – Você disse já tirando o cordão que ele colocou em você. Ele interrompeu antes que fizesse

- Não... fique, use quando precisar.

Você deu um meio sorriso e guardou o cordão por dentro de sua blusa. – Obrigada Klaus.

Klaus te olhava com uma intensidade, ele não conseguia te ver namorando Damon mas com toda monstruosidade dele, ele ainda podia respeitar pessoas, as que mereciam ser respeitadas ao olhar dele e você felizmente ou infelizmente estava nessa lista. – Bem eu vou indo. – Você disse e se virou sorrindo, talvez abobadamente com o grimório contra seu corpo, quando se deparou com Damon com o rosto que você já conhecia. Ciúmes...

**Flasback off**

- Eu vou repetir pela milésima vez Damon, eu estava treinando meus feitiços. Quando eu percebi que não estava bem e me preparava para voltar para sua casa, ele estava lá, ele conversou comigo, e ai você chegou e deu seu ataque de ciúmes.

- O que ele estava fazendo perto de você daquele jeito. Conversando que não foi. – Aquilo só aumentava já que Damon sabia que Klaus tinha uma queda por você.

- Estava sim. O que você acha que estava fazendo? Te traindo?

- E porque não? – Ele disse arregalando os olhos esperando sua resposta.

Você se recusou ao ouvir aquilo, segurando toda a sua raiva e as lágrimas que iriam cair, você estava paralisada, em cinco meses você nunca deu motivos para ele desconfiar de você e nem você dele, era uma confiança total, ouvir aquilo foi como uma porrada em seu estômago.

- Porque você ficou quieta? Perdeu a fala? – Ele ainda retrucou.

Naquele momento que você se recusou. E falou baixo, sabia que se gritasse, coisas iriam começar a voar na cara dele com seus poderes. – Eu nunca te trairia, eu nunca te dei motivos para pensar isso. Do mesmo jeito que eu tenho confiança em você, porque eu sei que você não vai sair por ai no momento que eu desaparecer da sua visão para pegar qualquer vadia. Eu acho que você deveria ter um pouco de consideração, e começar a confiar na sua namorada. – Você pegou a bolsa que você tinha acabado de largar ali, junto com o grimório e disse saindo de casa, mas não antes de dar um empurrão em Damon para que saísse da sua frente, você foi para único lugar que ele não era bem vindo, nem se você o chamasse para entrar. A casa das bruxas.

            ***

Você já estava exausta, mas sair dali não era a melhor opção agora já que não queria encontrar com Damon. Você estava rodeada de grimórios e velas que você tinha acendido manualmente, você segurava o cordão de Klaus, fazendo como ele disse sobre canalizar.

Você se desconcentrou no minuto que seu celular tocou. Abriu um olho e reconheceu o telefone.

Damon, ele não tinha mandado mensagem ele não tinha falado com você desde a briga de vocês de manhã. Você pensou bem antes de atender, e prometeu para si mesma que se ele te ligasse para discutir, iria queimar os miolos dele onde quer que ele esteja.

- Que foi...? – Você disse ríspida.

- Ahn, oi, você pode vir aqui fora? – Você suspirou.

- Damon o que você quer?

- Que você venha aqui fora... por favor. – tinha alguma coisa diferente na voz dele. Você apenas suspirou.

- Ok to subindo. – Você disse e desligou. Tomou folego antes de subir, já pensando nas próximas perguntas que você sabia que ele iria questionar.

Quando você saiu, se surpreendeu. Damon estava encostado no camaro, segurando em uma de suas mãos o que aos seus olhos pareciam ser chocolates e uma garrafa de whisky e uma rosa na outra mão.

Por dentro você desarmou, mas por fora apenas manteve sua postura, cruzando os braços. – Ahh oi. – Ele parecia meio sem graça.

- Oi.

- Ahh eu trouxe bombom e whisky, Bonnie disse que você gosta. – Damon Salvatore estava na sua frente e sem graça. Isso não acontecia todos os dias. – Ahh ok eu vou falar logo, me desculpa.

- Eu exagerei um pouquinho. – Ele disse desviando os olhos dos seus olhando a rosa que ele iria te dar. Você ia falar, mas nem sequer abriu a boca. – Eu descobri que tenho um excesso de ciúmes por você.

Você se segurou para não rir, mas descruzou os braços, enquanto Damon voltou a olhar nos seus olhos. – Eu não devia ter desconfiado, sei que você não me trai, mas Klaus, ele consegue o que quer quando ele quer então...

- Ele não vai me conseguir. Eu já falei com ele. Sei quando alguém extrapola.

Damon suspirou e se aproximou de mim estendendo a flor. – Eu só queria mesmo pedir desculpas. – Olha você tinha conseguido ver o impossível, Damon pedindo desculpa com sinceridade. – Eu não devia ter desconfiado de você, mas por outro lado não tem como ter ciúmes de você, parece que todos te olham e te querem, e depois de tudo o que eu passei por amor ser enganado por uma vadia fria. – Ele relatava de Katherine. – Foi difícil abrir meu coração para alguém. Você foi a única que conseguiu abrir meu coração, ciúmes é pouco perto do que eu tenho de você quero te dar toda a felicidade do mundo que você me deu esses cinco meses, e você com outra pessoa, para mim, significa que eu falhei, e eu não quero falhar, não com você. No momento que eu falhar, não sei o que será de mim.

Você já tinha se quebrado por dentro, por fora você estava derretendo como um sorvete no sol com aquelas palavras. – EU a amo incondicionalmente a tal forma, que eu não penso em falhar com você, porque se eu tiver falhando com, você vou estar falhando comigo, sabendo que não sou suficiente para poder te fazer feliz. Eu quero te fazer feliz mais que tudo nesse mundo. – Ele segurou a sua, mão. – E eu quero mostrar ao mundo que você é feliz comigo, que eu consegui atingir meu objetivo.

Você sorriu, seus olhos sorriam e brilhavam, e os de Damon totalmente imersos em arrependimento a fizeram chorar silenciosamente. – Eles veem que eu tenho você... obrigada pela rosa.

Ele sorriu torto o tipo de sorriso que você ama nele. – Eu trouxe whisky e bombom.

- Não to ligando para o bombom. – Você sorriu e o beijou, intensamente e apaixonadamente. As mãos dele passaram em sua cintura os virando e logo você sentiu o capo do camaro atrás de você. Damon mordeu seus lábios a olhando sexy. Agora ele estava provocando e com ciência disso.

- Eu te amo,(S/N). – Ele sorriu.

- Eu também te amo, Damon Salvatore. – você sorriu e seus lábios se encontraram de novo. Você sabia que a vida era de altos e baixo, uma completa montanha russa, e com Damon Salvatore tudo era mais intenso, ele era intenso, vocês eram intensos, e tudo isso porque vocês se amavam inteiramente.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...