História Classe 309 - Capítulo 35


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Dr. Archie Hopper (Jiminy Cricket), Emma Swan, Henry Mills, Lacey (Belle), Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Regina Mills (Rainha Malvada)
Tags Emma Swan, Jennifer Morrison, Lana Parrilla, Once Upon A Time, Ouat, Regina Mills, Swanqueen
Visualizações 1.858
Palavras 10.497
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Antes de iniciar o capítulo de hoje eu gostaria de agradecer a todos aqueles que tiveram paciência durante o período mais triste da história. Entendo que tenha sido bastante sofrido para a maioria de vocês, pois também foi pra mim enquanto escrevia. Eu sou muito apegada às minhas histórias e aos personagens que crio. Vocês podem ter absoluta certeza que há muito sentimento em cada linha escrita, e até mesmo nas capas que crio para os capítulos. O amor é de dentro pra fora.
Obrigada novamente a todos que souberam esperar e também aos que apreciaram essa fase tão importante para a construção do enredo. Acredito que a felicidade que irá tomá-las agora será ainda maior do que a que já existia, pois sentiram na pele a dificuldade de lutar por aquilo que mais se quer.
Gostaria de agradecer, também, a todos os comentários recebidos no capítulo anterior. Sem mencionar as constantes mensagens que vocês me enviam através das minhas redes sociais. Vocês não imaginam a quantidade de sorrisos que colocam em meu rosto. Obrigada por isso, de verdade. É uma enorme gratificação dividir essa história com todos vocês.

No capítulo de hoje haverá um momento em que a Regina colocará uma playlist pra tocar em seu celular. Quem quiser ouvir as músicas que elas estarão ouvindo, deixarei a playlist que criei no spotify nas notas finais desse capítulo. Sendo assim, peço que todos aqueles que quiserem ouvi-la no momento "certo" clique no link ANTES de começar a ler o capítulo. Estará nas notas FINAIS porque é apenas lá que o spirit permite o uso de links.

No mais... Boa leitura!

Capítulo 35 - Capítulo 35


Fanfic / Fanfiction Classe 309 - Capítulo 35 - Capítulo 35

  "O gato comeu a sua língua, senhorita Swan?" Regina carregava um suave sorriso em seus lábios altamente marcados de vermelho carmesim.
  As pernas de Emma pareciam querer fraquejar naquele momento. Seu coração batia em um ritmo tão acelerado, que parecia querer saltar para fora de seu peito. Respirar havia se tornado uma tarefa difícil para ela, assim como raciocinar. Swan não conseguia acreditar no que seu par de esmeraldas avistavam. Sua mente ainda não compreendia que ela havia voltado.
  "Regina... Eu...Eu...Eu não acredito!" As mãos de Emma tremiam e seus olhos estavam banhados d’água. Ela lançou-se na mulher à sua frente e envolveu os braços em torno de seu pescoço. "Você está aqui, você voltou pra mim." Murmurou de maneira apressada próximo ao ouvido de Regina ao mesmo tempo em que a apertava contra seu corpo.
  A mais velha recebeu Emma em seus braços e a envolveu de maneira apertada pela cintura. "Eu voltei, meu amor, eu disse que voltaria." Murmurou carinhosamente em resposta. Regina possuía muita emoção em sua fala. “Feliz aniversário!”
  Swan apertou fortemente os braços sobre os ombros de Regina para senti-la ainda mais. Ela se permitiu permanecer algum tempo naquele enlaço enquanto aspirava o perfume da mulher que tanto amava. Emma queria fazer sua mente acreditar que a morena realmente estava ali. A alegria lhe transbordava.
  Regina, por sua vez, buscou as mãos de Emma com as dela e as segurou com força. Ela sorriu ao constatar que as mãos da jovem estavam quentes; diferente da frieza sentida por ela na despedida.
  "É quase impossível acreditar que você está aqui." Comentou ao olhar no fundo daquele par de olhos castanhos que a encarava com intensidade. O sorriso não largava os lábios da mais nova.
  "Mas eu estou, minha garota. Eu jamais perderia o dia de hoje." Disse com suavidade ao encostar as costas da mão contra a face de Swan. "Você consegue sentir?" Perguntou ao acariciar o rosto de Emma, que fechou os olhos por breves segundos e sorriu.
  "Sim... Que saudades eu senti." Respondeu com suavidade em sua voz. Emma envolveu a cintura da professora com os braços e uniu o corpo ao dela. Esse pequeno gesto da jovem atraiu alguns olhares curiosos de alunos. "Você se importa?" Questionou, referindo-se às pessoas que as olhavam.
  "Não. Deixe que olhem. Estou mais interessada nisso aqui; você e eu." Comentou ao alternar o olhar entre os olhos e lábios da loira.
  "Ainda bem que não se incomoda, pois com toda a certeza irão nos olhar muito hoje." Respondeu ao, também, alternar o olhar entre os olhos e boca de Regina.
  "Estou com saudade do seu beijo." Murmurou  com os lábios próximos ao ouvido da mais nova, voltando a olhá-la de frente logo em seguida.
  Emma sentiu um arrepio percorrer a pele de seu corpo com o murmúrio recebido. "E eu estou louca pra beijar você de novo."
  Swan pressionou os lábios contra os de Regina por longos instantes e a sentiu pressionar os lábios contra os seus repetidas vezes. Ambas as mulheres sorriam com os olhos e com a boca enquanto distribuíam incontáveis "selinhos" pelos lábios e face da outra. Elas ansiavam por um contato mais íntimo de suas bocas. Queriam e precisavam sentir novamente o gosto que a parceira oferecia. No entanto, esperariam para quando não estivessem em público. Não que Regina ou Emma devessem alguma satisfação para as pessoas ali presentes, mas sim porque não se sentiam à vontade para dividir suas intimidades com mais alguém.
  "Acho que você ainda não respondeu minha pergunta, senhorita Swan." Comentou ao prender a pulseira de flores no pulso de Emma.
  "Não teria outro alguém que eu quisesse como meu par hoje à noite." Sorriu ao observar a mais velha prender o corsage. "Agora que eu estou caindo na real...  Você não presta, Regina! Por que me enganou dizendo que só vinha amanhã? Desde quando está aqui? Eu estava enlouquecendo de ansiedade!" Disse em um só fôlego, arrancando uma risada da mais velha.
  "Eu não perderia a sua cara surpresa por nada nesse mundo." Respondeu. "Cheguei logo após o almoço." Explicou. "Você não imagina o quanto me segurei pra não procurar você e estragar a surpresa. Essa pulseira eu comprei hoje à tarde."
  "Isso não se faz!" Retrucou Emma. "Como sabia o local do baile? Não me lembro de ter mencionado em algum dos e-mails."
  "Archie."
  "Oh, eu devia imaginar! Há quanto tempo programava me pegar de surpresa assim? Meu coração poderia não ter aguentado e você morreria de remorsos por isso." Dramatizou, fingindo-se de vítima.
  "Acreditaria se eu dissesse que comprei há pouco mais de um mês? Eu não quis correr o risco de não conseguir vôo. Mas, se por ventura sua formatura adiantasse, eu iria até o inferno pra trocá-la. Eu só não vim antes porque eu não aguentaria estar de volta e não procurar você. Então decidi chegar exatamente no dia. Só precisei me conter por algumas horas."
  "Ainda está difícil de acreditar que você está aqui." Emma, de maneira aleatória, distribuía inúmeros beijos pela face e lábios de Regina enquanto conversavam. Ela não estava conseguindo conter a felicidade que a transbordava. Foram meses de espera e agora ela finalmente a tinha bem ali ao alcance de seus braços.
  "E eu nem acredito que estou aqui, finalmente, após longos meses..." Regina tentava controlar as emoções para que seus olhos não banhassem d’água, principalmente diante daquele sorriso que ela esperara tanto tempo para ver novamente.
  "Eu quero saber tudo sobre a viagem, cada detalhe!"
  "Eu vou contando tudo aos poucos, tudo bem? Mas agora eu quero apenas matar minha saudade de você que está imensa!" Regina enlaçou a cintura de Emma e a guiou com seu corpo para próximo da mesa principal.
  "Muito grande mesmo?" Perguntou com um sorriso nos lábios.
  Regina pegou uma unidade de doce que estava sobre a mesa, ofereceu na boca da loira e depositou um beijo naqueles lábios rosados e macios que ela tanto ama. "Muito grande! Gigantesca!" Respondeu posteriormente ao beijo.
  "Será que finalmente nós vamos poder ser um casal de verdade? Assim como todos os outros?" Perguntou ao mesmo tempo em que olhava a mais velha.
  "É tudo o que eu mais quero." Regina sorriu.

  "Professora Mills?" Indagou Bella ao avistá-las. A jovem estava acompanhada da presença de Killian e Rose.
  "Olá, boa noite." Respondeu ao soltar a cintura de Emma e interromper o momento carinhoso que compartilhavam.
  "Regina me fez uma surpresa e retornou antes do combinado." Explicou Emma aos amigos que as olhavam surpresos.
  "Acredito que já não há necessidade de me chamarem de professora." Disse suavemente.
  "Professora Mills, senhorita Mills, é... Acho que não sabemos como chamá-la. Ainda é tudo meio estranho." Comentou Killian.
  "Regina é o suficiente." Ela respondeu.
  "Você e a Emma estão namorando?" Perguntou Rose enquanto tentava conter a euforia.
  "Sim, nós estamos." Regina olhou para Emma e sorriu. Em seguida, voltou a atenção para seus ex alunos.
  "Já que você não é mais nossa profressora, posso contar na sua frente que trouxe bebiba para misturar ao ponche. Vou fazer isso agora! Aproveitem!" Disse ele com empolgação.
  "Killian!" Bella repreendeu. "A senhorita Mills vai pensar o que de nós? Não nos queime dessa forma!"
  "Ah, qual foi amor? Vamos nos divertir um pouco! Será a última vez que todos os alunos estarão reunidos assim. Vamos aproveitar nossa formatura!" Exclamou ele segundos antes de se direcionar para a mesa portando dois cantis de bebida alcóolica escondidos em seu terno.
  "Ele sempre faz isso." Comentou Rose.
  "Nos desculpe, professora Mills. Quer dizer, senhorita Mills." Disse Bella.
  "Pelo o quê? Eu não estou sabendo de nada." Regina piscou para as jovens ali presentes e se direcionou para a mesa onde o ponche estava localizado; servindo-se de um copo da bebida logo em seguida.
  Bella, Rose e Emma se olharam, sorriram e também serviram-se de um copo.

  "Regina! Como senti sua falta!" Archie, ao avistar a amiga, caminhou em sua direção e a envolveu em um carinhoso abraço.
  "Também senti sua falta, meu amigo." Sorriu ao abraçá-lo.
  "Como foi a viagem? Como está Cora, Henry e todos?"
  "A viagem foi ótima. Meus pais estão melhores que sempre!" Ela respondeu. "Minha mãe me partiu o coração na despedida. Ela chorou muito. Há tempos nós não passávamos tanto tempo juntas. Acho que desde quando completei dezoito ou dezenove anos e retornei para Nova Iorque."
  "É compreensível. Ela acostumou-se com sua companhia novamente. Afinal, foram cinco meses." Disse ele. "E você, Emma? Como está?" Perguntou o homem ao direcionar o olhar para a mais nova. "A propósito, feliz aniversário!"
  "Estou ótima e você? Oh, obrigada!" Respondeu, segundos antes de receber um abraço de seu professor.
  "Eu estou bem. Melhor agora que Regina está de volta e feliz." Sorriu. "Eu vim apenas cumprimentar minha amiga e felicitar você. Agora vou me juntar aos outros e deixá-las a sós, pois tenho absoluta certeza que vocês têm muito que conversar e matar a saudade."
  "Não deixe de experimentar o ponche. Aposto que está a seu gosto." Disse Regina ao piscar para o amigo.
 "Nós também vamos dar uma volta pela festa, Emma." Comentou Bella e seus amigos. "Depois nos reencontramos!"
  Emma e Regina assentiram positivamente.

  "A decoração da festa está linda." Comentou Regina enquanto circulava pelo lugar de mãos dadas com a loira. "Aposto que há muitos dedos seus aqui."
  "Alguns." Respondeu a mais nova. "Assim como na festa da escola, também me encarreguei de ajudar na formatura."
  "Eu adorei as lanternas japonesas que estão no teto." Disse ao direcionar o olhar para cima. "Você adora luzes, tenho certeza que foi ideia sua."
  "Realmente foi. Você já conhece meus gostos assim?"
  "Mais do que você possa imaginar." Sorriu.
  As duas mulheres caminhavam de mãos dadas por todo o clube ao mesmo tempo em que atraíam incontáveis olhares curiosos. Quase todo o colégio, se não todo ele, soubera do romance.
  "Ei! Por falar em dedos, como você sabia o tamanho da minha aliança?"
  "Ainda está pensando nisso? Não acredito!" Regina soltou uma curta risada e a respondeu. "Você esqueceu um anel no meu banheiro na última vez em que esteve lá."
  "Oh..."
  "Por quê? De qual outra maneira eu saberia, Emma?" Perguntou ao exibir um sorriso cínico nos lábios.
  "Eu prefiro não comentar." Respondeu, compartilhando uma prazerosa risada com sua namorada. "Por falar em aliança... É lindo ver nossas mãos assim, juntas." Comentou ao buscar a mão de Regina que possuía o anel.
  "Sabe o quê é ainda mais lindo?" Regina tocou a face de Emma com a mão livre e acariciou-a enquanto aprofundava o olhar no brilhante par de olhos verdes à sua frente.
  "O quê?"
  "Você." Regina olhava para a mais nova com encantamento e admiração. "Obrigada por confiar em mim quando eu disse que retornaria." Os lábios da professora sorriram e tocaram os de Emma uma vez mais.
  "Oh céus, eu preciso te beijar de verdade." Murmurou Emma próxima à boca da mulher. "Vem." Swan segurou a cintura da morena e começou a caminhar com ela para o grande jardim que havia no clube. Porém, durante o caminho, foram interrompidas pela presença de Elizabeth.
 
 "Olá, senhorita Mills." Disse a diretora.
  "Boa noite, Swan." Comentou ao alternar o olhar para a loira.
  "Boa noite." Emma respondeu suavemente.
  "Boa noite, Elizabeth. Como está?" Perguntou Regina.
  "Bem. Parabéns pelo trabalho, Swan. Essa festa não teria ficado tão bem estruturada se não fosse você e os outros representantes." Elogiou.
  "Não foi nada." Respondeu calmamente.
  "Eu não pretendo tomar o tempo de vocês. Apenas gostaria de dizer que Regina faz muita falta no nosso corpo docente. A sua saída foi uma lástima e uma grande perda. Eu realmente sinto muito que as coisas tenham tomado esse caminho."
  "Eu entendo o posicionamento que o colégio tomou, e eu mesma já havia decidido me demitir. Sinto falta, afinal, foi mais de nove anos lecionando no mesmo lugar. No entanto, entendo que as atitudes tomadas por ambas as partes foram corretas." Disse de maneira calma e serena.
  "Não sei se minha opinião pessoal serve de algo, mas gostaria que soubessem que eu desejo felicidades a vocês."
  "Obrigada!" As duas responderam quase ao mesmo tempo.
  "Aproveite o baile, Swan. Foi um prazer ter uma aluna tão dedicada como você entre nós. Boa noite!"
  "Boa noite!"
  "Boa noite!"

  "Você acha que os votos dela são verdadeiros?" Perguntou Emma assim que Elizabeth se foi.
  "Talvez. Acho que pessoalmente ela não tem motivos pra não gostar. Acredito que estava apenas fazendo o seu trabalho."
  "Pode ser..." Disse de maneira vaga. "Bom, vamos esquecê-la. Quero focar minha atenção em você."
  Emma guiou Regina pela mão e a levou até o jardim que se localizava na parte de trás do clube. Ele era vasto e contava apenas com a iluminação de algumas luzes coloridas que haviam sido colocadas ali como parte da decoração.
  "Droga, já tiveram a mesma ideia que eu." Resmungou Swan ao observar que havia um casal no ambiente.
  "Deixa eles pra lá, vem..." Regina encontrou um canto onde não era possível serem avistadas, se localizava na lateral do jardim. "Eu senti tanta saudade, tanta..." Sussurrou ao encostar o corpo de Emma contra uma pilastra que ali havia.
  O suave e agradável cheiro das flores se misturava ao perfume que emanava da pele das duas mulheres. Aquele aroma somado à pouca luz do ambiente estava deixando o clima ainda mais prazeroso, sensual e romântico.
  "E eu a sua..." Respondeu ao sentir os lábios de Regina começando a roçarem contra os seus.
  O beijo iniciou de maneira lenta. Regina depositou uma das mãos sobre o peitoral de Emma e usou a outra para segurá-la na região da nuca. Swan, por sua vez, deslizou as duas mãos pela lateral do corpo da morena e as estacionou no quadril.
  "Que saudade do seu gosto." Sussurrou Regina entre o beijo. Sua língua entrava e saía da boca de Emma de maneira suave e lenta.
  "Hum..." A mais nova emitiu um curto gemido abafado ao sentir a maestria dos movimentos que os lábios da mulher exerciam contra os seus. Os lábios de Regina eram macios e sua língua deliciosamente quente e úmida.
  A mais velha apertou a nuca de Emma com mais pressão ao mesmo tempo em que segurou com força em seu blazer. Swan possuía o mesmo gosto excitante do qual recordava.
  "Que delícia provar sua boca de novo." Sussurrou, segundos antes de morder o lábio inferior de Emma.
  As mãos da loira começaram a passear por aquele corpo curvilíneo até alçançarem a bunda. "Você é tão gostosa..." Disse ao apertar com força aquela região por sobre o vestido.
  Entre beijos lentos e mãos que exploravam simultaneamento os corpos, o clima começou a criar uma nova atmosfera. Os lábios de Regina se arrastaram pelo maxilar da jovem até alcançarem seu pescoço alvo, onde beijou e traçou um curto caminho com a língua, tornando a respiração da loira ofegante.
  "Oh porra, Emma..." Comentou ao sentir uma das mãos da loira alisando a parte interna de sua coxa por dentro do vestido.
  Swan expressou um sorriso sacana e apertou a coxa da mulher com força, a fazendo emitir um baixo gemido com os lábios próximos aos seus. "Estou louca pra sentir você." Disse a mais nova com a voz embriagada de desejo.
  "Não me provoca dessa forma. Não aqui. Eu estou no meu limite de desejo por você." Respondeu roucamente ao tocar a mão de Emma e tirá-la de entre suas pernas.
  "Que ótimo, Regina. Pois eu também estou no meu limite." Emma alcançou um dos seios da mulher e o apertou por cima da roupa. "Você não quer fazer amor comigo, hum? Diz, meu amor. Estou louca pra ser sua de novo." Swan provocava com as palavras ao mesmo tempo em que massageava o seio da morena, tornando-a ofegante à sua carícia.
  "Sim, eu quero muito fazer amor com você..." Respondeu com sensualidade na voz. "Não apenas amor." Continuou a dizer. Regina depositou a mão no cós da calça da loira e murmurou algumas palavras contra seu ouvido enquanto mexia seus dedos ali.
  "O que mais você quer fazer comigo?" Instigou, excitando-se com os dedos da mulher indo de um lado a outro na peça de sua roupa.
  "Eu quero transar com você ." Regina falava com firmeza e sensualidade na voz, e até um pouco de autoridade. "Quero fazer amor e foder você bem gostoso."
  "Por que não começa agora?" Swan dobrou o joelho e encostou o pé contra a pilastra, de modo a sustentar e equilibrar o corpo. Feito isso, puxou Regina e a acomodou entre sua perna dobrada e a que estava esticada.

  Regina depositou a mão entre as pernas de Emma e pressionou o sexo da loira por cima da calça. "Isso é tão perigoso..." Murmurou com a voz arrastada enquanto apertava aquela região.
  "Oh sim." Respondeu enquanto se deliciava com os prazerosos movimentos da mulher. "Nós sempre estivemos envolvidas em algo perigoso. Acho que gostamos disso."
  "Com certeza nós gostamos." Regina estava travando uma luta árdua contra seus próprios impulsos para não tirar a roupa de Emma ali mesmo.
  "Põe sua mão dentro da minha calcinha." Sussurrou contra o ouvido de Regina. "Eu sei que você não gosta de fazer essas loucuras na ru-" A mais nova calou-se ao ser surpreendida pela mão da mulher deslizando para dentro de sua peça íntima.
  Tendo em vista que o lugar estava vazio e a iluminação quase nula, Regina permitiu-se ceder ao pedido irresistível de Emma. O reflexo dos cinco meses longe da loira a estava impedindo de pensar. Sua pele queimava de desejo, sua respiração se alterava e o vão entre suas pernas gritava por um contato mais íntimo.
  Swan se viu envolvida pelo beijo de Regina. A mulher a beijava lentamente, acompanhando os movimentos que fazia em seu sexo. A intensidade que Regina usava no beijo era a mesma que seus dedos exerciam em Emma. Eles subiam e desciam devagar por toda a região externa.
  "Regina..." Emma segurou a nuca da mulher e começou a arranhá-la em um impulso para conter o desejo que arrebatava seu corpo. Quanto mais ela arranhava aquela pele com suas unhas, ainda mais excitada a mais velha ficava.
  Regina pressionou dois dedos contra o ponto de prazer e o massageou. Quando o fez, recebeu uma mordida em seu pescoço. "Eu adoro quando você morde." Comentou. "E gosto ainda mais de morder você." Ela usou a mão livre para afastar a gola da camisa de Emma e depositou alguns beijos e mordidas na curva do pescoço.
  A morena começou a perder o controle das ações quando envolveu Swan em um beijo mais intenso e profundo. Sua boca devorava a da loira ao mesmo tempo em que sua mão a masturbava de uma maneira mais intensa. Ela desejava invadi-la imediatamente.
  "Eu não consigo ficar apenas nisso, Emma." Comentou ao mesmo tempo em que foi parando lentamente as carícias. "Se não interrompermos agora eu sou capaz de tirar sua roupa aqui mesmo."
  "Não..."Resmungou a mais nova quando ela deslizou a mão para fora de sua calcinha. "Esperei cinco meses pra ter você de volta, não faz assim."
  "Eu estou tão louca quanto você pra isso. Mas, ou me controlo agora, ou depois eu não consigo mais. Vem, vamos voltar pra festa."
 "Eu vou te provocar durante toda a noite pra ver até onde você aguenta."
  "Você não precisa fazer isso, os meus pensamentos já são o suficiente." Regina passou os dedos nos lábios de modo a limpar algum possível borrado de batom e voltou para dentro com Emma.

                           
                                                               ***

  Após o retorno ao salão, as duas amantes beliscaram um pouco da comida servida e beberam alguns copos de drinks sem álcool. Tentavam acalmar os ânimos a todo custo.
 
  "Vem tirar algumas fotos, Emma!" Gritou Killian.
 Ele e alguns colegas se divertiam em um espaço do clube que era reservado para fotografias. Havia uma cortina ao fundo, uma caixa com acessórios divertidos; incluindo máscaras, chapéus, plaquinhas divertidas, dentre outros.
  "Vai lá com seus amigos. Registra esse momento! Vou trocar algumas palavras com meus ex colegas de trabalho enquanto isso."

  A mais velha embarcou em uma conversa que não durou mais que dez minutos. Ao retornar, encontrou a jovem posando para mais uma foto. Emma portava um chapéu, que mais parecia uma cartola, e uma gravata.
  "Vem tirar uma foto comigo, Regina!" Exclamou de onde estava. "Eu tenho o acessório ideal pra você!"
  A mais velha uniu-se a ela e deixou que amarrasse uma máscara de olhos em sua face. Ela era delicada, bem trabalhada e possuía um pouco de gliter prateado.
  A loira, por sua vez, tirou a cartola e se manteve com a gravata. Gravata esta, que Regina segurou e puxou na hora da fotografia.

 
 "Boa noite a todos!" Uma voz soou ao microfone. "Como estão todos vocês? Espero que se divertindo muito! Me chamo Isadora, sou estudante do terceiro ano e agora vou anunciar um dos momentos mais esperados de hoje: o rei e a rainha da noite!"

  Gritos e aplausos foram ouvidos no lugar. Quase todos ali presentes se dirigiram para frente do pequeno palco onde aconteceria a nomeação. O rei e a rainha do baile de formatura fazem parte de uma antiga tradição e, por vezes, é o momento mais esperado da noite. Perdendo apenas para a dança romântica com o par.

  "Por que não se candidatou à rainha, Emma? Tenho certeza que ganharia em disparada." Sorriu, acariciando carinhosamente os fios loiros da mais nova.
  "Eu? Ah não, sem chance. Esse tipo de coisa não tem nada a ver comigo. Mas é a sua cara! Aposto que nos tempos de escola você concorreu."
  "Acertou! Fui rainha por dois anos consecutivos."
  "Eu sabia! Realmente consigo imaginar você em um palco como aqueles portando uma coroa na cabeça."
  "É tão a minha cara assim?" Perguntou enquanto carregava um sorriso nos lábios.
  "Totalmente." Disse em resposta. Swan também expressava um sorriso.
  "Era sempre muito especial pra mim. Me sentia imensamente prestigiada pelo colégio."
  "Aposto que todos queriam um momento pra dançar com você após a nomeação. Os meninos deviam babar!"
  "Alguns, confesso. Mas eu não era de dar bola. Dançava apenas com meu par da noite e com meus amigos. Foi uma época maravilhosa."
  "Está se sentindo nostálgica?" Perguntou suavemente.
  "Um pouco. O tempo passa sem que nos demos conta. Deixou uma agradável saudade."
  "Isso foi há muito tempo, não sei com ainda lembra." Brincou Emma. "A propósito, você aniversariou nessa viagem, ficou ainda mais velha. Já nasceram os cabelos brancos?"
  Swan mexia nos cabelos castanhos da namorada em uma falsa procura pelos fios brancos.
  "Eu não tenho cabelo branco, ok?" Resmungou com uma de suas sobrancelhas arqueadas.
  "Não precisa ficar preocupada, eu ainda vou te amar mesmo quando sua cabeça estiver lotada deles." Emma entrelaçou os dedos nos fios da mulher, os jogou para trás e os observou retornarem para frente.
  "Mesmo quando eu tiver rugas?"
  "Sim. Mesmo quando você estiver cheia de ruguinhas." Disse de maneira carinhosa. "Amarei cada uma delas."
  "Eu quero só ver isso!" Riu.
  "Você quer assistir a essa nomeação de rei e rainha?" Perguntou ao alternar o olhar entre o palco e Regina.
  "Não faço questão. Nós sequer estamos prestando atenção."
  "Que bom! Poderíamos fazer outra coisa enquanto estão todos entretidos nisso."
  "Na verdade... Eu estava querendo ir lá fora fumar um pouco. Estou sentindo uma vontade absurda faz alguns minutos. Meu vício diminuiu, mas ainda não consegui me livrar."
  "Oh, tudo bem. Eu acompanho você."

  Emma e Regina se direcionaram para o lado de fora e caminharam por alguns poucos minutos pela rua do clube até alcançarem o veículo da morena que estava estacionado entre tantos outros. O carro da professora era o penúltimo, quase ao fim da rua. De lá ela tirou sua carteira de cigarros e um isqueiro.
  "Agora sim..." Comentou após dar a primeira tragada e soltar a fumaça para cima. A mais velha estava encostada no veículo e Emma à sua frente.
  "Eu não deveria dizer o que vou dizer agora. Mas... Você fica muito sexy fumando."
  "Eu deveria tomar como um elogio?"
  "Acho que sim. Quer dizer, não gosto que fume, não acho legal, mas fica ainda mais desejável." Comentou ao observar atentamente Regina. "Oh droga, o que eu estou falando?" Resmungou mais pra si que pra morena.
  "Emma, não se preocupe. Eu entendi!" Regina soltou uma risada ao ver a loira atrapalhada em suas palavras. "Meus pais vão te adorar. Você é uma graça! A propósito, estão loucos pra te conhecer. Falei muito a seu respeito e mostrei fotos suas."
  "Sério?" Comentou com empolgação. "O que falou a eles sobre mim?"
  "Contei nossa história, tudo o que aconteceu e o quão adorável você é."
  "Eu não sou adorável. Você mentiu pra eles."
  "Teria mentido se dissesse o contrário. Você é uma garota única."
  "Nunca vou entender o que você viu em mim, Regina."
  "Então deveria olhar mais vezes para dentro de si mesma e perceber o quão interessante você é. Se bem que... Olhando para o lado de fora também encontrará algo muito interessante." Disse ao depositar malícia na última frase.
  "Ainda bem que você gosta."Sorriu. Emma aproximou-se da mais velha ao perceber que o cigarro já estava no fim.
  "Não gosto, eu amo." Disse com firmeza na voz ao mirar de perto os olhos da mais nova.
  Regina apagou a ponta do cigarro no cinzeiro de bolso que havia em seu carro e resmungou por não ter trazido nada no veículo que camuflasse o cheiro de cigarro em seu hálito.
  "Não se preocupe, acho que tenho algo aqui." Swan mexeu em seus bolsos e de lá tirou uma pastilha de hortelã. "É a minha preferida." Comentou enquanto abria a embalagem e pegava uma unidade.
  Emma depositou a bala na própria boca, deu alguns passos adiante para se unir ao corpo da mulher e a beijou de maneira lenta, transferindo a pastilha para ela.
  "Faz parte da provocação? Porque se faz, obteve êxito." Regina segurou a nuca de Swan e a tomou em um beijo lento, molhado, daqueles que torturam e aquecem.
  Suas línguas se acariciavam e se provavam entre gemidos abafados. Estava imensamente difícil conterem o desejo em meio a um beijo tão saboroso e perfeitamente encaixado.
  Com as bocas entreabertas, Regina provocava Emma com a ponta de sua língua; ameaçando introduzi-la e recuando lentamente algumas vezes seguidas.
  Sorrisos não largavam seus lábios. Aqueles momentos compartilhados iam além de uma troca física de carinho e desejo; eles significavam uma nova fase, uma nova chance, renascimento e liberdade. A união de suas bocas anunciava a quebra de muitas barreiras.
  "Você está ouvindo?" Comentou Swan ao gesticular com o dedo pra cima, interrompendo o beijo. O som da música havia se feito presente onde estavam.
  "Estou. Acho que a nomeação acabou."
  "Sim! Vão liberar toda a pista de dança agora!" Disse com empolgação.
  "Então vamos dançar." Sorrindo, Regina ofereceu o braço para que a mais nova pudesse encaixar o dela ali.

  A música estava alta. Todos os alunos e alguns convidados extras estavam reunidos no centro do salão. Em suas cabeças, alguns globos de luz giravam dando mais diversão ao momento. E sob seus pés acenderam-se luzes de led colorida na pista de dança.
  "Eu amo essa música!" Gritou Swan. A loira sorria abertamente. A felicidade não cabia em seu peito e transbordava por todos os lados.
  Regina também se sentia imensamente feliz, principalmente por ter a liberdade de ter um espaço na vida de Emma e poder compartilhar com ela momentos como aquele. Finalmente ela e a loira poderiam ser um casal normal. Pela primeira vez viveriam tudo que antes lhes foi negado.
  As duas mulheres gargalhavam e se acariciavam enquanto dançavam todas aquelas músicas agitadas. Alguns olhares estavam sendo direcionados a elas, mas não se importaram com quaisquer julgamentos que neles pudesse conter. Apenas queriam viver aquele momento tão feliz de suas vidas.

  "Ai! Não olha por onde pisa?" Uma voz falou atrás de Emma.
  "Desculpe." Respondeu ao virar-se, deparando-se com a imagem de Estela.
  "Ora, ora... Vejam só se não é o casal sensação!" Estela possuía cinismo em sua fala.
  "Que desprazer." Emma murmurou a si mesma. "Sim, somos nós." Disse com firmeza na voz.
  "Qual é a sensação de pegar a professora? Acho que ainda não entendi bem. Ela te dava pontos extras?"
  "Eu não vou permitir que você fale assim com Emma!" Regina elevou e engrossou a voz ao se direcionar a garota.
  "Ela agora é a sua mãe também, Swan? Não sabe se defender?"
  "Olha aqui, Estela! Isso tudo é dor de cotovelo porque eu não quis você? Porque se for, já está na hora de passar. Ou eu deveria dizer que você se balançava pela professora Mills e agora não se aguenta de ciúmes?"
  "Você é louca! Não sabe o que está dizendo!"
  "Oh, pelo seu estado alterado eu acho que acertei em cheio, não foi?"
  "Vai se foder, Emma!"
  "Certamente ela vai, só que mais tarde."  Regina se manifestou de maneira debochada, fazendo Estela sair pisando forte contra o chão.
 
 "Eu adoro a forma como você irrita as pessoas com suas respostas sem precisar ofendê-las."

    "Não vale à pena se igualar a esse tipo."
    "Essa garota é uma ridícula! Eu tenho tanta raiva dela, Regina. Se dependesse da minha vontade eu a arrebentaria todinha."
  "Ei, ei..." Regina segurou o rosto de Emma com as duas mãos. "Já passou. Não deixe que uma pessoa sem importância como ela estrague a sua noite."
  "Eu vou tentar deixá-la pra lá. Mas se cruzar meu caminho novamente essa noite, vou partir pra agressão física."
  "Que loira mais furiosa eu tenho aqui."
  "Você está debochando? Cuidado, que eu posso descarregar tudo em você."
  "Não estou debochando. E se quiser descontar, vai em frente. Seria um prazer ter você raivosa em cima de mim."
  "Você gosta de mulheres raivosas sobre você, Mills?" Emma enlaçou a cintura da mulher com seus braços e a olhou dentro dos olhos.
  "Amo." Respondeu com um sorriso sacana nos lábios.
 
  Antes que o clima entre elas esquentasse novamente, uma nova música começou a tocar no ambiente. Havia chegado o momento dos pares unirem seus corpos para uma dança lenta. Era costume que todos os casais se beijassem até o final da canção. Esse costumava ser o momento onde os sentimentos e declarações vinham à tona.
  A mais velha depositou os braços sobre os ombros de Emma e uniu delicadamente sua testa à dela. Seu corpo e o da jovem se moviam com leveza, suavidade, seguindo o ritmo da melodia. Regina sentia o próprio coração batendo descontroladamente dentro do peito. Era quase sempre assim quando tinha a loira tão próxima de seus braços.
  "Estou tão feliz que esteja aqui. Tão feliz..." Murmurou com a boca a poucos milímetros da boca de Regina.
  Aquela noite estava proporcionando tanta felicidade, que Emma não estava conseguindo conter. Ela sentia como se o seu corpo fosse explodir e se transformar em poeira estelar.
  "Não houve um dia em que eu não pensasse em você e desejasse estar assim como agora." Disse ao roçar a ponta do nariz contra o de Emma. "Ainda não sei como suportei a distância. Acho que meu combustível era saber que toda a espera valeria à pena."
  "Você ainda me ama do mesmo jeito de quando partiu? Não conheceu nenhuma italiana charmosa e se encantou por ela?" Emma arrancou um riso da mais velha com a última frase.
  "Conheci muitas italianas charmosas, mas elas não me encantaram como você."
  "Regina!" Emma deu um tapa no ombro da mulher.
  "Isso machuca!" Reclamou em tom de brincadeira. "Eu estou brincando, sua boba. Não havia italianas charmosas. E eu amo você ainda mais que antes."
  "Hum... Sei." Emma esboçou um pequeno sorriso bobo. "Eu quero fazer tantas coisas com você! Quero ir ao cinema, viajar, passar tardes de domingo juntas, tirar fotos de casais naquelas cabines fotográficas, comemorar o dia dos namorados, te fazer bolos nos aniversários, namorar debaixo das cobertas, assistir ao pôr do sol, sair pra jantar."
  "Comer uma enorme porção de algodão doce de uma só vez, inventar sabores de pizza que não existem."
  "Isso também!" Riu. "Você nunca vai esquecer esse dia da pizza, não é?"
  "Não mesmo." Sorriu.
  "E você, Regina? Tem algo que queira muito fazer comigo?"
  "Sim! Além de te acompanhar em todas as suas lutas de boxe, quero poder fazer muitas viagens e compartilhar vivências novas com você. Quero experimentar um pouco de tudo ao seu lado."
  "Eu também gostaria disso. Espero ser sempre o que você quer e precisa, e que minha pouca idade nunca se torne um problema."
  "Você sente muita insegurança por ser tão mais nova, não sente?"
  "Às vezes, sim. Você nunca esteve com um alguém tão mais novo, não é?"
  "Nunca. As mulheres costumavam ter minha idade. E os homens quase sempre eram mais velhos."
  "Quando você cita que se relacionou com homens é engraçado. Às vezes eu esqueço."
  "Incomoda a você?" Perguntou suavemente.
  "Não, de maneira alguma. Eu apenas esqueço, pois você é tão... Lésbica." Riu.
  "E o que seria ser tão lésbica pra você?" Perguntou curiosa.
  "É, você sabe..."
  "Não, eu não sei. Por que não me diz?"
  "Hum... É que você tem tanto desejo por mim e tem um domínio maravilhoso na cama." Respondeu. "Não era exatamente isso que eu queria dizer, mas acho que você entendeu." Sorriu sem jeito.
  "Não sei se isso teria a ver, mas eu me sinto muito mais atraída por mulheres." Explicou. "E você? Sempre foram apenas meninas?"
  "Sim. Eu sempre me achei diferente e os meninos nunca me interessaram. Eu já beijei alguns, mas nunca foi o que eu gostava."
  "Cem por cento sapatão, então." Brincou a mais velha, arrancando um riso de Emma. "Adoro ver você assim, feliz. Nossa despedida foi péssima. Passei meses com a última lembrança que tive sua."
  "Foi muito difícil pra mim. Doeu tanto. Não quero me sentir daquela forma nunca mais. Espero que nosso caminho seja mais fácil a partir de agora. Eu te amo tanto, Regina." Emma apertou as mãos no quadril da mulher e alternou o olhar entre seus castanhos e boca.
  "Eu amo te ouvir dizer meu nome, soa doce e provocante ao mesmo tempo." Regina cruzou os braços na nuca da jovem e a puxou lentamente para um beijo carinhoso, pressionando os lábios contra os delas muitas vezes seguidas, parando apenas quando a música chegou ao fim.

  "Acho que já permanecemos tempo demais nessa festa." Murmurou Emma.
  "Concordo plenamente." Regina esboçou um curto sorriso de lado.
  "Havia combinado com meus amigos de nos reunirmos para uma pós festa. Mas, devido à nova situação, acredito que eles compreendam se eu desaparecer com você." Sorriu.

  As duas mulheres saíram de mãos dadas do clube, entraram no carro e seguiram destino à casa de Regina. Chegando ao imóvel, Swan foi recebida por Bóris, que roçava entre suas pernas.
  "Oi, amigão! Que saudades de você!" Disse de maneira carinhosa ao tomar o gato em seus braços. "Como foi o passeio até a Itália, hein? Você está chique, bichano! Eu nunca nem saí da cidade!" Comentou enquanto interagia com ele.
  "Bóris disse que também sentiu sua falta, que os seus braços é o melhor lugar pra se estar, e que ele não os trocaria por país algum."
  "Oh, eu estou tão importante assim?" Sorriu.
  As duas mulheres deixaram os saltos na área de serviço e seguiram para a cozinha. Durante o trajeto Bóris as acompanhou com seu rabo erguido. Ele era um gato extremamente charmoso e possuía mistério em seus olhos âmbar.
  "Ignore a bagunça da casa. Eu ainda não tive tempo de arrumá-la."
  "Bagunça? Onde?" Comentou ao olhar para os lados em uma falsa procura. "Sua casa está impecável como sempre. Não tem uma agulha fora do lugar."
  "Se você observar bem irá encontrar. Tem muitas coisas fora de ordem." Explicou a morena.
  "Então espera até você ver o meu quarto. Aposto que cairia pra trás."
  "Você é muito bagunceira?" Perguntou enquanto abria a geladeira.
  "Um pouquinho." Riu. "O que você está pegando aí? Perguntou a loira ao vê-la sutilmente inclinada.
  "Um aniversário não é um aniversário sem um bolo, certo?" Respondeu ao tirar uma torta da geladeira. "A fiz com minhas próprias mãos." Disse ao depositar sobre a bancada da cozinha e tirar a cúpula de proteção que a recobria. "É uma receita italiana, se chama torta caprese."
  Emma sorriu de orelha a orelha ao observar o quão atenciosa a morena era. Até mesmo velas ela havia comprado e depositado de forma espalhada sobre a torta.
  "Agora faça um pedido em silêncio!"
  "Hum...Ok!" Swan fechou os olhos por breves segundos, pensou em seu desejo e assoprou as velas. "Espero que se realize." Comentou.
  "Você me conta o que foi quando realizar?"
  "Conto, sim." Sorriu. "Agora vamos provar essa... Como é mesmo o nome?"
  "Torta Caprese."
  "Isso. Torta Carprese."
  "É Caprese, Emma." Corrigiu ao soltar um pequeno riso, rindo da graciosidade da loira ao tentar pronunciar a palavra italiana.
  "Que seja." Disse a loira ao dar de ombros.
  Regina partiu duas fatias e as depositou em dois pratos de sobremesa. "O que achou?" Perguntou ao observar a mais nova provar um pedaço.
  "Acho que quero passar o resto da minha vida provando as coisas que você faz. Tá muito bom!"
  "Isso é um alívio. Fiquei meio receosa quanto a não ser uma receita tradicional. Fico feliz que tenha gostado. É uma das minhas tortas favoritas. "
  Swan levou mais um pedaço do doce à boca, depositou o prato sobre a bancada e uniu o corpo ao de Regina. "Obrigada por isso. Obrigada por ser tão carinhosa e atenciosa comigo. Hoje é um dos dias mais felizes da minha vida. Eu não conseguiria por em palavras tudo o que estou sentindo no dia de hoje. Mas eu consigo dizer que meu amor por você é tão grande, que eu esperaria o tempo que fosse pra te ter uma vez mais. Nem que fosse pela última vez."
  "Me esperaria nessas circunstâncias? Mesmo se só tivéssemos mais um momento juntas? Por quê?" Perguntou suavemente ao acariciar as ondas douradas de Emma.
  "Porque estar com você, mesmo que por poucos instantes, vale qualquer espera. Não há preço que pague sentir seu cheiro e a sua pele."
  "Dessa forma eu vou me apaixonar ainda mais por você, garota."
  "Garota?"
  "Sim, garota." A morena implicou. "Não gosta de ser a minha garota, hum?"
  "Talvez. É, talvez eu goste sim de ser a sua garota. Mas, só um pouquinho." Emma se segurava para não sorrir. Ela detestava dar o braço a torcer.
  "Quer beber uma taça de espumante comigo?" Ofereceu a mais velha.
  "Você me oferecendo bebida com álcool?" Perguntou incrédula.
  "Me sinto mais à vontade pra fazer isso agora. A propósito, agora posso fazer isso e outras coisas mais." Disse com malícia em sua última frase.
  "Ah é? E qual seriam essas coisas mais?" Perguntou enquanto observava a mais velha pegar a garrafa.
  "Posso levar você a uma viagem, a um bar, e até mesmo para um motel." Regina estourou a garrafa de champanhe e depositou o líquido em duas taças compridas de vidro.
  "Seria interessante ir a um motel com você." Respondeu ao tomar uma das taças em mãos e aproximar-se da mais velha. "Vamos fazer um brinde a nós?"
  "A nós!" Regina sorriu e encostou a taça contra a da mais nova. "Eu tenho presentes pra você lá em cima. Vamos subir?"

  Swan pegou a garrafa de espumante e subiu com ela para o quarto de Regina. Cada mulher ainda portava sua taça em mãos. Chegando lá, Emma se deparou com algumas bolsas ao pé da cama.
  "Comprei pra você enquanto estive na Itália."
  "Meu Deus, Regina! Tudo isso?" Exclamou enquanto abria as bolsas.
  "Não tem muita coisa aí, Emma. Mas espero que goste de tudo. Foi escolhido com muito carinho." Disse com suavidade na voz.
  A mais nova verificava todos os presentes enquanto bebia o champanhe com Regina. Dentro das bolsas haviam coisas distintas;  elas iam de tênis esportivo para os treinos a objetos decorativos inspirados na cultura italiana.
  "E então, como fiquei?" Perguntou ao experimentar um boné em frente ao espelho que havia no quarto.
  "Um charme!" Respondeu com um brilhante sorriso. Ela muito apreciava quando a loira usava boné. Sendo assim, não resistiu em trazer um de presente.
  "Olha... Eu não sei se foi a bebida ou se a temperatura subiu, mas comecei a suar de repente." Comentou ao tirar o boné e devolvê-lo para uma das bolsas.
 "Você quer que eu ligue o ar condicionado?"
  "Oh, não precisa, o calor está agradável, diferente."
  "Diferente?"
  "Sim. Acho que realmente foi o espumante." Respondeu ao abrir os primeiros botões de sua camisa branca e receber a atenção dos olhares da mais velha.
  Regina caminhou até a loira e depositou sutilmente as mãos sobre seu blazer. "Por que você não o tira, hum?"
  "Gostaria de me ver sem?" Instigou.
  "Sim. Estou há horas querendo ver você sem ele. Tira pra mim."
  Swan esboçou um pequeno sorriso sacana e deslizou o blazer para fora de seu corpo, ficando apenas de calça e sua camisa branca parcialmente aberta. "Estou melhor assim?"
  A morena a olhou de cima a baixo e esboçou um curto sorriso de lado ao mesmo tempo em que acenou positiviamente com a cabeça. "Comprei um top preto lindo pra você usar nos treinos. Eu não me importaria se você o experimentasse pra mim agora." Regina sugeriu.
  "Eu faço o que você quiser. Mas com uma condição."
  "Qual?"
  "Que você me deixe sentir o gosto do champanhe na sua boca."
  "Por quê?" A mais velha instigou Emma a falar. Ela gostava de ouvir todos os detalhes vindos da boca da loira; a estimulava.
  "Porque é muito mais gostoso assim." Respondeu. Emma pegou uma das taças que havia sido deixada de lado, aproximou-se de Regina e a entregou.
  "Não faz assim comigo. Estou no meu limite a noite inteira." A professora sorveu o líquido e travou seu olhar nos olhos da jovem.
  "O que eu mais quero é te ver perdendo esse limite."
  Swan mordeu o lábio inferior de Regina e o puxou delicadamente para logo em seguida iniciar um beijo lento, movimentando suavemente sua língua na boca da mulher e provando o gosto do álcool que ainda residia ali. Regina não conteve um gemido abafado contra os lábios da jovem. Todo seu corpo pedia uma entrega.
  "E o que eu quero é ver você na minha frente, se exibindo pra mim." Regina interrompeu o beijo, sentou-se na beira da cama com as pernas cruzadas e sua taça de espumante em mão. Seu olhar sobre Emma estava intenso e dominador, acompanhando cada mínimo movimento que a jovem fazia.
  Sem quebrar o contato visual com Regina, Swan abriu um por um dos botões de sua camisa e a jogou em um canto qualquer. Ela conseguia sentir a energia que vibrava naquele par de olhos castanhos que a encarava com desejo.
  A morena observou Emma se livrar do sutiã e vestir-se com a peça que ganhara de presente. O top era justo e deixava todo o abdômen definido da loira à mostra. Antes de se levantar e caminhar até a namorada, Regina deixou uma playlist tocando em seu celular e apoiou a taça sobre o criado mudo.
  "O quê achou?" Perguntou ao sentir o calor do corpo da morena em suas costas.
  Regina segurou os cabelos de Emma com a mão esquerda e os colocou para o lado de modo a deixar a nuca da mais nova de fora. "Linda. Você é linda, meu amor." Murmurou ao pé do ouvido, causando arrepios naquela pele clara que tanto sentiu falta de tocar. "Acho que devíamos continuar com a brincadeira de mais cedo." Comentou ao envolver a cintura de Emma por trás.
  A jovem pôs um dos braços pra trás e alcançou a nuca da morena. "Qual?" Perguntou ao virar sutilmente o rosto para o lado.
  "Aquela onde minha mão desliza para dentro da sua calcinha." Respondeu ao mesmo tempo em que abriu o zíper da calça.
  "Hum... Então agora você quer brincar disso?" Comentou enquanto sentia a mão da mais velha entrando em contato com seu sexo.
  "Sim. Eu quero agora." Respondeu ao depositar a mão sutilmente entre as pernas de Emma e iniciar um estímulo naquela região.
  "E se agora eu não quiser mais?" Provocou, contendo-se para não deixar transparecer o prazer que estava sentindo com aquela massagem.
  "Então você vai ter que me pedir pra parar." Ainda com os cabelos de Emma em suas mãos, Regina começou a distribuir algumas mordidas no pescoço, nuca e ombros. "Estou louca pra fazer amor com você de novo." Disse roucamente entre as mordidas.
  "Porra Regina, você pega pesado."
  "Porra Regina." Disse a mais velha, repetindo o que a loira dissera. "Falando meu nome assim, me enche ainda mais de desejo."
"Você continua suja como sempre."  Comentou ao virar de frente para a mulher. A voz da loira estava carregada de desejo.
  "Shhh..." A morena largou os fios loiros e depositou dois dedos sobre os lábios rosados à sua frente. "Cala a boca, pois eu sei que você gosta."
  "Não me manda calar a boca, que isso me enlouquece." Emma mordeu as pontas dos dedos de Regina e os umedeceu sutilmente com a ponta da língua em um gesto provocativo.
  "Você sabe que hoje eu vou querer sem pausa, não sabe?" Comentou ao guiar o corpo da loira e encostá-la contra um móvel de madeira.
  "Então você já pode começar." Swan segurou a mão da mais velha e a colocou novamente dentro da sua calcinha, pressionando.
  "Como você é gostosa..." Murmurou com o rosto mergulhado no pescoço da jovem enquanto deslizava o dedo do meio para cima e para baixo ainda na região externa do sexo.
  "Como eu senti falta disso, você faz tão bem..." Swan percorria as mãos por todos os lugares que conseguia alcançar, deliciando-se com todas as curvas do corpo da mulher.
  "Eu passaria meus dias aqui, provando você com meus dedos."
  Regina ajudou Swan a livrar-se da calça, do top, e posteriormente voltou a deslizar a mão para dentro da calcinha. Agora ela alternava entre acariciar o sexo da jovem e apertar um dos seios enquanto fazia pressão com o corpo.
  As mãos ágeis de Emma encontraram o extenso zíper que havia nas costas do vestido da mulher e o puxou, fazendo a roupa de Regina deslizar entre as pernas. Ela começou a perder o controle sob os estímulos da mais velha entre suas pernas e a puxou para um beijo voraz. As bocas se buscavam, se beijavam e se mordiam em um nítido reflexo do desejo que habitava os corpos de ambas as mulheres.
  A vontade de se fundirem e provarem do íntimo uma da outra era tanta, que seus corpos não conseguiam ficar parados. Elas saíram da cômoda, fizeram uma pausa na parede e agora estavam em uma cadeira executiva que havia no quarto. Emma sentou-se e recebeu o corpo de Regina de frente sobre o seu. A morena estava com uma perna para cada lado, em um encaixe perfeito com a parceira.
  Swan uniu os dois seios de Regina, que ainda estavam cobertos pelo sutiã, e os beijou. Sua língua passeou entre o vão entre eles e subiu por toda pele do pescoço da mulher, tornando Regina extremamente ofegante.
  "Saudade da sua boca neles." Sussurrou em um pedido para que a jovem tirasse seu sutiã. E assim Emma o fez; abriu a peça e depositou seus lábios e língua nos mamilos já enrijecidos.
  Regina segurou a parte de trás dos cabelos da loira enquanto a sentia trabalhar em seus seios. A jovem alternava entre brincar com a língua e chupá-los.
  "Gostosa." Disse Emma, segundos antes de capturar os lábios de Regina em um beijo curto.
 
  Swan observou a mais velha sair de seu colo e ajoelhar-se à sua frente. E antes que pudesse se perguntar o que ela faria, a sentiu afastando sua calcinha e depositando a língua em seu sexo.
  Emma segurou firme nos braços da cadeira e jogou a cabeça para trás. Os movimentos que Regina fazia a estavam levando à loucura. Ela subia e descia com a língua por todo seu sexo, depositando alguns beijos e também mordidas na região. E quando pediu para que Regina a chupasse, quase teve um orgasmo com a intensidade depositada na execução.
  Após dedicar-se um tempo entre as pernas de Emma, Regina começou a fazer o caminho inverso. Ela desceu os lábios pela perna da loira até chegar a seu pé.
  "Não sei se você já percebeu, mas tenho certa tara por pés." Disse, segundos antes de segurar o de Emma e esfregá-lo eroticamente em seu rosto.
  Na posição em que estava,  Swan olhava para baixo e se deliciava com a figura de Regina deslizando a língua por todo ele e beijando. Nas vezes anteriores em que fizeram amor ela já havia observado que a morena se demorava bastante nessa região. No entanto, hoje ela estava ainda mais dedicada.
  "Acho que já percebi, sim." Sorriu. Swan levantou-se da cadeira e depositou as mãos nas alças da própria calcinha em um gesto de que iria retirá-la, porém, foi barrada.
  "Nem pensar. Eu não vou deixar você fazer isso." Regina a interrompeu. "Essa parte é a mais gostosa e você não vai tirar de mim esse prazer." A mais velha segurou a calcinha da loira com força e ela própria a puxou de maneira agressiva pra baixo.
  "Eu não te dei permissão pra tirar." Comentou Swan.
  "E desde quando eu preciso da sua autorização?" Disse séria. "Sabe que eu faço o que eu quiser com você entre quatro paredes."
  Emma adorava entrar naqueles jogos com Regina. Ela sentia que seria capaz de atingir o orgasmo apenas com as palavras da mulher. "Como você é cachorra, Regina."
  "A cachorra aqui é você." Regina caminhou até a cama e apoiou as costas sobre enormes almofadas, ficando parcialmente na horizontal. "Agora seja obediente e vem de quatro por cima de mim."

  Emma mordeu o lábio inferior ao avistar a expressão sacana que a morena esboçava enquanto a olhava. Ela caminhou lentamente até a cama, se inclinou e subiu. Feito isso,  obedeceu e foi até Regina com a palma das mãos e os joelhos sobre o colchão. Quando Emma chegou na altura das pernas da mulher, a mais velha a viu jogar os cabelos dourados para trás de maneira sensual e os viu retornarem para frente formando graciosas camadas em questões de segundos.

  Assim que Swan já estava inteiramente sobre a altura de seu corpo, Regina deslizou a mão por todo aquele abdômen duro e alcançou o sexo da loira. Com a mão livre, segurou-a no quadril e a fez sentar-se sobre sua mão.
  "Rebola pra mim?" Pediu.
  Swan se inclinou pra frente, depositou as mãos nos ombros de Regina e começou a rebolar de maneira provocante sobre ela. Seu quadril se movimentava para frente e para trás. Entre um movimento e outro, ela abaixava o rosto até a altura da face da mulher e murmurava algumas palavras para ela.
  "Me deixa te sentir dentro de mim."
  Assim que murmurou o pedido, Emma sentiu a mulher penetrar um dedo. Nesse momento, gemer foi involuntário. Swan já estava quase explodindo de desejo. Os movimentos sobre a mulher tornaram-se mais intensos e precisos. Seu corpo se mexia de acordo com o vai e vem do dedo de Regina.
  A mais velha apertava a coxa e a bunda de Emma enquanto a estimulava a rebolar sobre ela. O peso da loira sobre sua mão deixava os movimentos mais limitados, porém, não menos prazerosos. Ela não conteve a vontade e deslizou o segundo. Agora ela sentia o sexo de Swan molhar, englobar e apertar seus dois dedos.
  Os gemidos de Emma começaram a se tornar audíveis. Ela fazia conexão visual com os castanhos de Regina ao mesmo tempo em que ia para frente e para trás.
  "Que delícia, amor." Disse em uma das vezes em que alcançou a face da mulher.
  Regina esboçou um sorriso sacana e inclinou a cabeça para frente de modo a observar o movimento de seus dedos entrando e saindo. O prazer visual que sentiu com a cena potencializou ainda mais seus desejos, a fazendo empurrar o corpo da loira para trás e montar sobre ela.
  "Não..."Resmungou  quando os dedos da mulher deslizaram pra fora.
  "Shhhh." Regina circundou os lábios de Emma com o polegar. "Não acabou, eu só quero que você sinta o quanto me deixa molhada." A morena encaixou-se entre as pernas da jovem e uniu o sexo ao dela.
  "Regina..." Gemeu ao sentir a professora colar e esfregar o sexo no dela.
  Ambas estavam tão úmidas, que deslizavam deliciosamente uma na outra, emitindo um baixo som que deixava a mais velha ainda mais excitada.
  "Porra, que gostosa..." Murmurou ao levar os lábios até o ouvido de Emma, referindo-se ao sexo macio e deslizante que ela tinha.
  "Você gosta?" Emma a instigou.
  "Gosto, me enlouquece de tão gostosa." Disse com rouquidão. A voz rouca de Regina possuía efeito afrodisíaco sobre Swan.
  "Porra, não fala assim..." A voz de Emma saiu manhosa. "Sou capaz de gozar só em ouvir você."
  "Então se permita. Tenho todo o tempo do mundo pra fazer você gozar várias vezes pra mim hoje."
  Ambas rolaram por cima da outra por entre os lençóis e iniciaram uma troca agressiva de beijos, arranhões e mordidas. Regina mordia o maxilar, pescoço e ombros de Emma enquanto esta arranhava sua nuca e costas com força. Alguns puxões de cabelo também estavam inclusos na troca selvagem de carícias.
  Regina enlaçou as pernas na cintura de Emma e agarrou firme nos cabelos da loira na parte de trás enquanto a sentia preenchendo seu interior. Ela estava tão excitada, que pediu para a loira iniciar com força.
  "Isso Emma, assim!" Disse ofegante. Ela fechava as pernas com cada vez mais força na cintura da jovem enquanto apertava seus cabelos. "Quero sentir você me invadido com força."
  Swan movimentava o corpo contra o da mulher de modo a fazer seus dedos entrarem e saírem com mais pressão. "Você é uma vadia, Regina Mills."
  "Sou? Então me fode como uma." Disse ao expressar o sorriso mais promíscuo de todos.
  "Vou fazer exatamente do jeito que eu sei que você gosta." Emma a pegou no colo, a manteve com as pernas em sua cintura e a encostou contra uma das paredes do quarto. Essa era uma das posições favoritas da mulher.
  Suspensa nos braços de Emma, Regina fazia contato visual com a mais nova enquanto a sentia devorando seu sexo. A frieza da parede na pele de suas costas serviu como um estímulo a mais para o prazer. Ela muito apreciava os mais diversos estímulos sensoriais em sua pele.

  "Não para!" Exclamou ao dar um tapa na cara da loira.
  Swan abriu um sorriso sacana e permaneceu penetrando-a sem pausa. Seus dedos curvavam até o final e saíam repetidas vezes. Eles já estavam inteiramente lambuzados da umidade de Regina, o que permitia um deslize ainda melhor.
  "Você gosta assim, hum?" Perguntou ao empurrar com força, arrancando gemidos em resposta.
  "Oh porra, Emma. Mais rápido, mais rápido!" Regina alternava entre pedir por mais e distribuir tapas nos dois lados da face da mais jovem, deixando-a completamente vermelha. Os movimentos tornaram-se tão rápidos e fortes, que uma deliciosa ardência se fez sentida entre suas pernas.
  Quanto mais tapa levava, ainda mais excitada Emma se sentia. Ela podia chegar ao ápice ali mesmo. Provar sua mulher ao mesmo tempo em que sentia a pele aquecer com os tapas era extasiante.
  Alguns minutos depois, quando o desejo já estava lhe consumindo, Swan desceu a mais velha de seus braços, mas a manteve contra a parede. Ela precisava senti-la diretamente com a boca.
  "Emma..." Gemeu ao sentir a boca da loira chupando entre suas pernas sem quaisquer cerimônias. Regina estava ofegante e não conseguia racionar com clareza. O único pensamento que vinha em sua mente era a respeito dos movimentos que a língua fazia em seu sexo. Movimentos esses, que a fazia morder os lábios de prazer. “Emma... Em-“ Regina segurou os cabelos da loira e a guiou a chupá-la cada vez.
  Assim que Swan sentiu o corpo da mulher se tornando trêmulo, alcançou seus lábios e a fez provar do próprio gosto, iniciando com ela um beijo inteiramente erótico e voraz. Suas bocas se buscavam com desejo enquanto suas mãos exploravam os corpos suados e quentes.
 
  Emma e Regina percorreram pontos distintos do quarto sem interromperem o elo do beijo. Ora a loira prendia a mais velha contra a parede, ora Regina encurralava a jovem contra algum móvel. Objetos iam ao chão enquanto guerreavam pelo domínio do prazer.

  "Toma um banho comigo?" Murmurou Regina entre o beijo.
  "É apenas banho ou você quer algo mais?" Perguntou, segundos antes de morder o próprio lábio inferior.
  "Na verdade é uma desculpa pra encurralar você no meu box."
  "Hum... E o que você vai fazer comigo quando eu estiver lá?"
  "Nada que você não irá gostar."  Sorriu.

  A água morna do chuveiro caía e banhava os dois corpos nus, proporcionando a eles ainda mais sensibilidade. Seus seios roçavam-se uns nos outros provocando arrepios por todo o corpo. O beijo era lento, assim como as carícias que compartilhavam. Swan depositou as mãos nos fios molhados de Regina e os jogou para trás de modo a ter  total visão do rosto da mulher.
  "Você é linda." Disse ela, recebendo um lindo sorriso em resposta.

  Regina depositou uma mínima quantidade de sabonete líquido em sua mão, espalhou com contra a outra e começou a massagear lentamente o corpo de Emma. Ela deslizou as mãos pelos ombros, braços, abdômen, coxas, bunda e seios da jovem, demorando-se aqui. A morena depositou cada mão em um peito e os massageou de maneira erótica, fazendo a mais nova soltar baixos gemidos.
  "Você gosta?" Perguntou sensualmente.
  "Sim..." Respondeu ofegante.
  "E quando eu faço assim?" A morena apertou os mamilos rígidos entre o polegar e o dedo indicador, provocando uma gostosa dor em Emma.
  "Ai Regina..." O resmungo fora quase um gemido de prazer.
  "Ai Regina." Repetiu a morena na tentativa de imitar a voz da jovem. "Que delícia essa sua voz."
  Quando a água caiu sobre o corpo de Emma, a morena traçou um caminho com a língua pelos seios da mulher e brincou com os mamilos molhados, chupando-os com força.

 A playlist que a mais velha colocara pra tocar ainda envolvia o ambiente, proporcionando a elas uma atmosfera ainda mais sedutora e envolvente. O olhar de Regina se fazia forte, intenso, penetrante e devorador. E Emma estava adorando absorver toda aquela energia e desejo.
  Regina guiou o corpo da loira com o dela e a fez encostar contra o vidro embaçado do box. Feito isso, uniu e ergueu os dois braços da jovem acima de sua cabeça de modo a deixá-la imobilizada.
  "Diz pra mim o que você quer eu faça."
  "Eu quero você dentro de mim."
  "Você me quer dentro de você? Te preenchendo em um vai e vem gostoso? Então diz o meu nome."
  "Vem, Regina." Chamou ao dobrar e apoiar uma das pernas na cintura da morena
  Regina massageou o ponto de prazer de Emma com o polegar e em seguida forçou dois dedos em sua entrada, fazendo a loira se desmanchar em um gemido arrastado bem próximo a seus lábios.
  "Geme Swan, geme pra mim." Ela distribuía beijos no pescoço de Emma ao mesmo tempo em que mexia seus dedos com maestria dentro dela.
  "Ah, ah..." A loira gemia de maneira ofegante. Ela soltou-se da mais velha, depositou as mãos em suas costas e a puxou ainda mais pra si, causando uma sensação eletrizante com o choque de seus corpos. “Você me fode tão gostoso, Regina.”
  "Vem, vem pra mim." Sussurrou contra o ouvido de Emma.
  A professora apertava a coxa suspensa da jovem e fazia pressão com o corpo na tentativa de ir mais fundo e com mais força. Os dedos molhados entravam e saíam de maneira incessante, fazendo Emma ir ao delírio com as estocadas de Regina, e esta gemer de prazer ao sentir as paredes do sexo de Emma se contraindo ao redor deles.
 
  Os gemidos da loira começaram a se tornar constantes, assim como os de Regina, que gemia baixo e abafado ao escutá-la. Suas unhas cravaram nas costas da mais velha com tanta força, que deixou linhas vermelhas. Swan estava em órbita tamanho era o prazer que sentia. Um pouco mais de força e certamente as costas de Regina sangrariam. Controlar-se era algo que não sabia fazer quando se tratava do sexo com aquela mulher. E Regina muito apreciava que a loira não tivesse pudores. Bater, arranhar e gritar possuía passe livre.
  A mão que apertava a coxa de Emma, agora, estava em seu pescoço. Essa foi a maneira que Regina encontrou para conseguir conter a grande excitação que tomava conta de seu corpo e mente. Estar dentro de sua mulher era tão gostoso, que teria seu segundo orgasmo naquela noite.
  Emma, ao sentir a mão de Regina em seu pescoço, chegou à beira de explodir. Palavras desconexas começaram a sair de sua boca, assim como um gemido que mais parecia um choro. A música ao fundo, a água do chuveiro, os murmúrio de Regina, os atritos de suas peles e o aroma local se fundiram e tornaram-se um só quando Emma atingiu seu limite máximo de prazer.
  Tendo percebido que Swan atingiu o orgasmo, Regina a puxou para um beijo lento e carinhoso, dando tempo para que ela e a namorada recuperassem as forças antes de darem continuidade.
 
  Poucos minutos se passaram e Regina já estava aprofundando as carícias novamente. O tempo longe de Emma a deixara insaciável.
  "Quero compensar todo o tempo que passamos longe." Disse ao olhar no fundo das íris verdes.
  "Ainda estou com tanta saudade, Regina..."
  "Eu também, meu amor. Muita..." A mais velha distribuiu beijos pelo maxilar, pescoço e ombros de Emma.
  "A gente não quer mesmo tomar banho agora, não é?" Comentou a loira, arrancando um riso baixo da parceira.
 "Não mesmo." Concordou com rouquidão em sua voz. "Nós queremos fazer amor, transar, trepar a noite inteira, Emma."
   "Puta que pariu." Disse pausadamente. Swan ergueu Regina, a fez abraçar sua cintura com as pernas e a levou para fora do banheiro, jogando-a molhada sobre a cama. "Trepar foi pesado, hum?" Comentou ao sentar-se sobre a mulher, com uma perna de cada lado, e segurá-la pelos pulsos.
  "Foi pesado, ou te deixou excitada, Emma? Eu sei que você adora quando sou bem baixa."
  "Oh sim... Eu gosto." A loira abaixou a cabeça, mordeu o lóbulo da orelha de Regina e sussurrou: quer sem pausa a noite inteira? Então terá que me deixar excitada o suficiente pra isso.
  "Isso é um desafio, garota?"
  "É. Será capaz de cumprir?" Emma provocou.
  "Hum... Não sei. Eu tenho uma posição nova pra brincar com você hoje. Quer?"
  "Oh porra, já me excitou."

                       

 

                                               ***


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...