1. Spirit Fanfics >
  2. Classic l noart. >
  3. Desde moleque, sim, sempre foi amor.

História Classic l noart. - Capítulo 13


Escrita por:


Notas do Autor


a Sabina se fosse loira shdjskdhdjajjsjd

Capítulo 13 - Desde moleque, sim, sempre foi amor.


Fanfic / Fanfiction Classic l noart. - Capítulo 13 - Desde moleque, sim, sempre foi amor.


Urrea.


Bom, depois de apanhar de Josh Richards, e chorar como uma viúva de guerra, a monitora me achou jogado no chão do corredor, ligou para a minha mãe, que me levou ao médico.


Resumindo o drama, ele quebrou meu nariz, meu braço direito, e acho que arrancou um dente meu.


Sem falar que escrevo com a mão direita, e também não vou poder tocar mais meu violão por dois fucking meses.


Na verdade, é por três semanas, mas minha mãe tirou o violão de mim por dois meses.


Nada que eu já não tenha passado antes.


Isso é normal para os "losers", como diz Lisa.


O único lado ruim de ser loser, é que somos excluídos e ignorados. 


Mas o lado bom de ser loser, é que somos excluídos e ignorados.


Tudo tem seus dois lados da moeda.


— E aí, cara? Como você está? — Josh e Sina entram em meu quarto, me fazendo suspirar.


— Como você acha? — Pergunto, fazendo ele suspirar, enquanto se aproxima. — Eu só fiquei sem meu violão, minha mãe sabe que eu tento tocar, mesmo com o braço engessado. — Dou de ombros, apagando a televisão.


— Isso é ruim mesmo. — Ele diz, sentando em minha cama. — Quem sabe eu possa trazer o meu pra você e... — Eu o interrompo.


— Josh, não força. — Eu digo, e ele assente, ficando em silêncio. — Veio fazer o que aqui? — Pergunto, e ele suspira, sentando ao meu lado.


— Gayzinho? — Ele pergunta, me fazendo rir, enquanto Sina senta na poltrona de meu quarto.


O que ela faz aqui?


— Bichinha de merda. — Sorrio sem mostar os dentes, limpando uma lágrima solitária que escorreu por minha bochecha. — Ele perguntou também porque eu não como alguém, ao invés de ser comido. — Rio, e Josh suspira. — Ele chamou você de "vadia". — Aponto para Sina, que dá um sorriso amarelo, dando de ombros. — O que você faz aqui? — Pergunto a ela, que se aproxima, sentando na ponta da cama.


— O Josh pode vir, mas eu não posso? — Ela brinca, se aproximando de mim.


— O Josh é meu amigo, diferente de você que se acha melhor que todo mundo. — Sorrio para ela, que fecha os olhos, suspirando.


— Noah, eu... — Ela começa, mas eu a interrompo.


— Você não tem que me dizer nada, tudo bem. — Dou de ombros, apoiando a cabeça no ombro de Josh. — Eu sou só um bichinha de merda. — Choramingo, e Josh acaricia meus cabelos.


— Porra, Noah, não faz assim. — Ela diz, segurando minha mão. — Eu tô aqui porque me preocupo com você, tá legal? Só com você. — Ela acaricia minha mão, com um sorriso reconfortante.


— Mas eu não preciso de você aqui agora, não preciso que faça caridade. — Retiro minha mão de perto dela, que suspira.


Josh levanta da cama.


— Vou deixar o casal conversar em paz. — Josh sorri, bagunçando meus cabelos. — Se ser grossa com o Noah, eu vou bater em você. — Josh ameaça Sina, fazendo a mesma sorrir, assentindo.


Josh sai do quarto, e Sina senta ao meu lado.


— Não precisa fazer isso. — Eu digo, e ela suspira, deitando a cabeça em meu peito, levando minha mão a seus cabelos.


Porra, Sina, não faz assim.


— Não consegue ter raiva de mim, certo? — Agora ela me observa, com aquelas duas bolas azuis, me intimidando um pouco.


Eu fito nossas mãos perto uma dá outra.


— Mas deveria sentir, muita. — Fecho os olhos, escorando a cabeça na parede. — Eu deveria odiar você. — Abro os olhos, voltando a observá - la.


— Por quê? — Ela pergunta, fitando meus lábios.


Calma, ela quer me beijar?


Que porra tá acontecendo aqui? 


— Porque sim, devo ter motivos para odiar as pessoas agora? — Pergunto, vendo ela se aproximar de mim.


— Não precisa ter motivos pra odiar pessoas más, já pessoas boas... — Ela diz, levando as mãos ao meu pescoço.


— Nossa, pessoas boas beijam pessoas más, ferindo os sentimentos de outras pessoas boas? — Eu desabafo, e ela sobe em meu colo, deixando uma perna de cada lado.


É, irmão, agora não tem mais volta.


— Isso tudo é ciúmes por Noah Beck ter me beijado? — Ela sorri, me fazendo revirar os olhos.


— Foi Noah Beck que beijou você, ou você que beijou Noah Beck? — Pergunto, levando minha mão esquerda a cintura dela.


— Achei que não ia se tocar. — Ela enrola os dois braços em meu pescoço, me fazendo sorrir.


— Eu sou um loser, mas não sou burro. — Eu digo, e ela ri, se aproximando.


— O Beck me beijou pro Richards poder... Bater em você. — Ela sussurra, me fazendo suspirar. — Ele sabe que quando estou com você, te deixo mais... — Ela parece pensar na palavra mais "adequada". — Corajoso. — Diz baixinho, me fazendo rir baixinho. — Não foi nada mais que isso, ele não significa nada pra mim. Já você... — Ela sussurra, fazendo meu corpo arrepiar inteiro.


Ela sempre vai ter esse efeito sobre mim.


— Me beija logo. — Sussurro, e ela ri, se aproximando mais, até que...


— PORRA! — Josh grita, levando as mãos aos olhos, assim que abre a porta do quarto, fazendo Sina pular de meu colo, e eu enfiar a cara na primeira almofada que vejo. — POR QUE A PRIMEIRA VEZ QUE PEGO ALGUÉM ENFIANDO O DEDO NO SEU CU, TEM QUE SER COM A MINHA IRMÃ? — Ele grita, ainda com as mãos nos olhos. — Sina, eu queria que você e o Noah ficassem juntos, queria sobrinhos e toda aquela baboseira. Mas eu não queria ver ele sendo feito! — Josh exclama, me fazendo rir baixinho.


— Que vergonha, meu Deus. — Sina exclama, descendo da minha cama.


— Bom, eu vou embora. — Josh diz, me fazendo rir. — Você, — Ele aponta para mim. — Concerta esse braço antes de engravidar a minha irmã. — Ele diz, me fazendo rir alto, já Sina, fica com as bochechas violentamente coradas.


— Josh, cala a boca, socorro! — Sina exclama, se aproximando. — Até amanhã. — Ela sorri, beijando minha bochecha, me deixando meio desnorteado.


— E você, — Ele aponta para Sina, que se aproxima dele. — Sai da minha frente, Matusalém. — Ele diz, saindo do quarto, me fazendo rir novamente.


— Até amanhã. — Digo a Sina, que corre até mim, me dando um selinho.


Foram os cinco segundos mais emocionantes da minha vida.


— Até. — Ela acena, saindo do meu quarto.


Os lábios dela são tão macios...


Foi o melhor beijo da minha vida.



Notas Finais


o jojo interrompendo é a minha nova coisa favorita KKKKKKKKKKKKKKK💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...