História Clichê - Capítulo 2


Escrita por:

Visualizações 31
Palavras 2.997
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei eeeeh
Eu nem enalteci TaeWoon nesse cap magina
Eu quero avisar antecipadamente que eu atraso pra escrever (devia ter avisado no outro cap burra)
Então por favor tenha paciência comigo <3
Boa leitura ^^

Edit do edit editado que eu editei e to editando de novo: já é a terceira vez que eu edito essa merda e nunca da certo
Cof cof
Gente, explicando o meu sumiço:
"amas Islainy você demora um século pra atualizar e quando atualiza é cap repetido"
Eu tive um leve bloqueio de criatividade e logo em seguida um surto de inspiração então eu tive que reescrever quase todo o 2° cap
A história do Rowoon e do Juho continua a mesma, eu só acrescentei mais detalhes sobre os outros personagens
Atencão! Esses detalhes são importantes portando perdoem a lerda aqui e leiam o cap
Boa leitura e até as notas finais ^^

Edit²: agora vai

Capítulo 2 - O início de um novo ano.


Fanfic / Fanfiction Clichê - Capítulo 2 - O início de um novo ano.

-Pela última vez... para de me seguir! – Já era a quinta... não, sexta... talvez a nona vez que Juho se segurava para não gritar e socar o garoto a sua frente. Saíram do vestiário alguns minutos depois da revelação de Rowoon a qual não surpreendeu nenhum pouco o inabalável Juho.

                -Para de ser chato! Se eu não te seguir vou ficar perdido na escola e os professores vão me pegar. Você acha mesmo que eu quero encarar o meu pai no trabalho dele? Ele pode ser um amor em casa, mas é o demônio no trabalho. – Resmungou correndo para alcançar Juho. –Você agora tem a responsabilidade de me proteger porque se alguma coisa acontecer comigo eu culpo você e nós dois vamos ser punidos. – Juho o encarou com ódio cerrando os punhos.

                -Escuta aqui... eu to pouco me fodendo pra quem você é ou quem é o seu pai! – Se aproximou colocando Rowoon contra a parede. –Fica. Longe. De mim. – Falou pausadamente saindo em seguida sem olhar para trás.

              Sozinho no longo corredor vazio Rowoon suspirou frustrado. Sua primeira tentativa de fazer amigos falhara desastrosamente. Não que ele realmente estivesse tentando conquistar a amizade do outro, mas algo em Juho o intrigava e ele sentia a necessidade de descobrir o que deixara o rapaz tão arrogante.

         -Woon? O que ta fazendo aqui? – Um garoto loiro saiu do banheiro atrás de Rowoon o encarando com as sobrancelhas franzidas

            -Taeyang! Graças a deus! – Se expressou aliviado ao ver o amigo se aproximar. –Eu me perdi na escola e acabei trombando com um babaca que não fez nada além de me fazer perder a aula e ainda me abondou sozinho aqui no corredor. – Resmungou com uma careta olhando para onde Juho havia ido.

Taeyang era seu melhor amigo desde a infância, sempre podia contar com ele para tudo. Desde criança Rowoon o protegia e em troca Taeyang o amparava nos piores momentos. Se conheceram no Primário e não se separaram mais e se dependesse dos dois, não se separariam nunca. Para Rowoon, Taeyang era seu barco seguro, onde ele se refugiava nos dias de tempestade, mas que mesmo em dias de sol não o abandonava. Para Taeyang, Rowoon era sua primeira e única paixão, o moreno surgira em sua vida em busca de um amiguinho com quem ficar no recreio e transformara sua infância triste e solitária em um oceano de cores e sabores onde tudo o que tinha de fazer era sorrir e brincar sem se preocupar com os problemas em casa. Rowoon o salvara e o amara, apesar de saber que os sentimentos do amigo eram diferentes do seus, Taeyang nunca se importou, tudo o que ele queria era ficar ao seu lado para sempre. Mesmo que só como amigo.

-Aquele era o Juho? – Taeyang perguntou inclinando a cabeça na direção que Rowoon olhava.

-Você o conhece? – Questionou Rowoon surpreso. Desde quando o outro se relacionava com pessoas daquele tipo?

-Ouvi falar. Dizem que não é uma boa pessoa, mas para mim ele só parece... perturbado. - Taeyang sempre fora muito bom em avaliar pessoas, ele sabia descrever alguém só de olhar em seus olhos. Por ser solitário na infância ele aprendera a observar o comportamento das pessoas ao seu redor e examiná-las. Adultos, adolescentes, crianças e até mesmo bebês. Nada passava desapercebido a seus olhos, mesmo tão jovem, já tinha a maturidade de alguém que passara por diversas experiências. Exceto por algo... alguém... Rowoon o deixava desconcertado, era tão diferente das outras pessoas, mas ao mesmo tempo tão normal. Taeyang se perdia sempre que olhava na imensidão de seus olhos, as vezes tinha de lembrar a si mesmo de respirar perto dele. O sentimento de amar Rowoon era bom, mas também machucava...

-Também acho... não é melhor voltar para sua sala? O professor vai brigar com você por minha culpa. Eu vou no segundo horário. – Assim que Rowoon terminou de falar o sinal tocou indicando a troca de professores.

-Vamos juntos então. – Sorriu puxando Rowoon pelo braço avançando pelo corredor. –Estamos na mesma sala de novo, pela nona vez em nove anos – Soltou uma risada seguindo em frente. Nada os separaria, nem mesmo a escola ou o trabalho.

 

 

 

***

 

 

-Só pode ser sacanagem.

-O que?

-Eu não acredito que você conheceu o filho do diretor e o deixou plantado no meio da escola! – Juho olhou indiferente para o amigo sentado em sua frente. –Cara, essa era a nossa maior oportunidade. Pensa um pouco, você se torna amigo do filho do diretor e ele nos livra de qualquer punição ou até mesmo das provas bimestrais! – O garoto só podia estar viajando. Juho não era um exemplo de aluno, mas suas notas eram excelentes. Apesar de tudo ele até gostava de estudar, o que não gostava era que o subestimassem. Por isso, cabulava a maioria das aulas e no fim do bimestre ainda tirava a nota máxima. Nenhum professor ousava repreendê-lo, a única obrigação deles era ensinar os querem aprender e não os que já sabem.

-Eu não preciso. – Respondeu seco voltando a atenção para seu caderno onde fazia o esboço de um desenho.

-Você não pensa nos seus amigos? Como nós vamos sobreviver a esse ano se você não nos ajudar? – Resmungou garoto indignado com a falta de sensibilidade do amigo.

-É só você estudar Dawon. – Uma voz vinda da porta o assustou.

-Vai se fu- O QUE VOCÊ FEZ COM SEU CABELO? – Dawon se levantou correndo até o outro.

-O que foi? Não ficou bom? – O mais alto perguntou passando os dedos pelos fios recém-pintados.

-Jaeyoon seu cabelo está... DEMAIS! – Dawon não perdeu tempo e já foi bagunçando os cabelos rosados. –Quando você fez isso? Cara, você raspou do lado e ainda riscou a sobrancelha! A mamãe viu isso? Ela vai pirar quando descobrir que o bebê dela está parecendo um badboy. Quanto foi pra pintar e raspar? A sobrancelha você fez sozinho? Em que salão você foi? Como-

-Dawon! Depois eu te conto tudo, vamos sentar que o professor já ta vindo. – Jaeyoon saiu para ir para seu lugar antes que o outro começasse a falar novamente. Dawon era como a maré, se não tomar cuidado você se afoga.

Os irmãos Lee tiveram uma infância difícil com a quase total ausência do pai e as brigas constantes sempre que este estava em casa. Desde pequenos tiveram que aprender que o mundo não é um mar de rosas cheio de arco-íris. Filhos de pais diferentes os dois sempre receberam todo o amor e carinho da mãe, do pai (de Jaeyoon), nem tanto. Depois do divórcio dos pais os garotos foram separados. Jaeyoon ficou com o pai e Sanghyuk (Dawon) com a mãe. Apesar da separação isso não impediu eles de crescessem juntos, a ideia de seus pais nunca fora cria-los separados, mas as circunstâncias não eram favoráveis. Por isso, durante toda a via escolar dos filhos eles foram colocados nas mesmas escolas e sempre que podiam visitavam um ao outro. A situação fez com que os garotos se tornassem muito unidos, sempre se apoiando e ajudando quando precisavam.

Qualquer um que olhe para os dois não imagina o passado perturbador de alguns anos atrás.

Dawon é o mais alegre dos dois, sempre fazendo o possível para atrair atenção e arrancar risadas. Ele teve de aprender cedo a como superar certos traumas, então sempre que podia colocar um sorriso no rosto de alguém o fazia com muito prazer.

Jaeyoon fora o mais afetado, depois da separação ele não era mais a criança divertida que amava brincar com seu irmãozinho. Na adolescência se envolvera com drogas e causara uma tremenda confusão colocando até mesmo seu irmão no meio de tudo. Dawon o tirara do fundo do poço e o trouxera de volta a realidade. Ele era muito grato ao mais novo e provava isso ao seguir em frente tentando colocar sua vida de volta nos trilhos.

-Você ta morto e eu vou rir muito enquanto você apanha da mamãe. – Jaeyoon seguiu para o fundo da sala com Dawon em seu encalço e se sentou ao lado de Juho que já estava afundado na mesa dormindo.

-Acha que meu cabelo está extravagante? É porque você não viu o do Youngbin hyung. – Como se tivesse ouvido a deixa para entrar no palco, Youngbin passou pela porta acompanhado de um garoto sorridente.

-Eu não acredito. – Dawon olhava estupefato para os hyungs que acabaram de entrar e se dirigiam até eles.

-Tive a mesma reação. – Jaeyoon também os olhava.

-Mas que merda é essa? – Juho que acabara de acordar se expressou sensível como sempre.

-Olá crianças! – Inseong, o mais velho dos garotos se aproximou com um sorriso de orelha a orelha. Apesar de ter repetido o segundo ano, Inseong era de longe um dos melhores alunos que a escola já teve. Infelizmente seus problemas pessoais o afetaram ao ponto de fazê-lo perder o interesse pela escola no ano anterior.

-Hyung, que tipo de animal mitológico foi sacrificado pra fazer isso? – Dawon apontou para o cabelo de Youngbin que se mantinha calado até então.

Diferente de Inseong, Youngbin havia repetido o nono ano não por escolha própria. A mãe adoecera e como só havia ele para cuidar dela fora obrigado a deixar a escola e se dedicar ao trabalho para pagar o tratamento. Depois de quase 9 meses de luta o câncer venceu a batalha e agora sua mãe repousava abaixo da terra. Apesar disso o garoto não perdera o foco e nem se deixou abalar muito. Ele havia aprendido com sua progenitora que tudo nessa vida é passageiro e que era preciso ser forte para sobreviver em meio a tanto caos. Por causa disso ele se tornara um tipo de líder em seu grupo de amigos, era sempre ele o primeiro a falar o que fazer quando algum conflito surgia. Os garotos confiavam inteiramente na capacidade intelectual de Youngbin e ele agradecia o apoio que eles sempre lhe deram desde o início do Ensino Médio.

-Não gostou do meu trabalho? Estou magoado. – O mais velho fez um bico demonstrando falsa tristeza.

-Foi você quem fez isso? – Jaeyoon encarou incrédulo enquanto o amigo passava os dedos pelo cabelo de um azul extravagante de Youngbin. –Que pecado o Youngbin hyung cometeu pra receber um castigo desses? Ele já não passa vergonha suficiente sendo normal?

-Ei, não fale como se eu não estivesse aqui! Isso é culpa de vocês! – Youngbin proferiu irritado.

-Culpa nossa por quê? – Questionou Dawon confuso.

-Por que-

-Todos aos seus lugares! Baek Juho nem pense em deitar a cabeça na mesa, na minha aula você não dorme! – A professora de História já chegara dando sermão em seus alunos, aquela sala era sem dúvida o motivo das suas piores dores de cabeça.

Todos se sentaram enquanto a professora jogava um livro pesado em cima da mesa.

-Peguem os livros. Eu quero-... mas o que? – Ela cortou a própria fala encarando os 5 garotos no fundo. –Jaeyoon...Youngbin...o que é isso na cabeça de vocês? – Youngbin se encolheu na hora escondendo o rosto atrás do livro. Sempre fora um aluno exemplar e agora sua reputação estava sendo manchada por uma aposta idiota.

-Eeerr... cabelo? – Respondeu Jaeyoon com um sorriso irônico sendo fuzilado com os olhos pela professora.

-Eu já esperava algo assim de você, mas Youngbin... sinceramente, estou decepcionada. Todos sabem as regras da escola e cabelos descoloridos, pintados de cores diferentes ou penteados extravagantes são extremamente proibidos! Só está faltando algum de vocês ter tatuagens. – Dawon que até então estava quieto quase derrubou todos os livros da mesa arregalando os olhos. –Eu já imaginava...

-Qual é professora, nenhum aluno nunca obedeceu essas regras e até hoje ninguém foi punido. – Dawon se defendeu apontando o óbvio. Infelizmente para a professora, a escola não se importa muito com a aparência de seus alunos, desde que eles estejam estudando, a forma como se vestem ou o que fazem com seu corpo não é relevante.

Mesmo frustrada e irritada com a situação ela se dirigiu a sua mesa abrindo o livro que havia depositado ali.

-Peguem os livros. Eu quero um resumo do primeiro capítulo para a semana que vem e não se atrevam a dizer que é muita coisa porque este ano está só começando e vocês ainda não viram nada de tudo o que precisam aprender. – Pegou um canetão em sua bolsa e se dirigiu ao quadro-branco.

Assim que ela se virou os irmãos se viraram eufóricos para o amigo de cabelo azulado.

-Hyung, por que você deixou ele fazer isso?

-Foi alguma aposta?

-Até quando vai ficar?

-Foi ele mesmo quem fez ou vocês foram a um cabeleireiro?

-Quando vocês fiz-

-Chega! Vocês vão me deixar louco. – Youngbin se exaltou assustando os garotos. –Me desculpem... – Pediu ao perceber que havia se alterado e se encolheu novamente em sua mesa.

-Não liguem pra ele, só está irritado por ter perdido a aposta. – Inseong piscou sorrindo para os dois.

-Qual foi a aposta? – Perguntaram quase ao mesmo tempo. Eles podiam não ser irmãos de sangue, mas eram como se fossem gêmeos.

-Qual de vocês três quebraria as regras da escola primeiro. – Sorriu travesso encarando o amigo irritado. –Ele disse que seria o Dawon.

-Mas não foi? –Jaeyoon perguntou confuso fazendo Inseong sorrir mais ainda.

-E eu disse que seria o Juho. – Na mesma hora os dois se viraram encarando o outro que já estava dormindo sobre a mesa.

-Ah... como eu não percebi que ele havia descolorido?? –Dawon encarou o irmão surpreso.

-Deve ser por que loiro combina com ele. – Jaeyoon deu de ombros e se voltou para Inseong. –Mas por que resolveram fazer essa aposta?

-A gente estava no tédio na casa dele então só fizemos.

-Ah... o que você tava fazendo na casa dele? – Dawon sorriu malicioso encarando os dois hyungs.

-Estudando, seu pervertido. – Deu um peteleco na testa dele recebendo um resmungo em resposta.

-Eu acho que fui bem clara quando disse queria um resumo do 1° capítulo do livro, não é? – A voz irritada da professora log atrás de Dawon quase o fez pular da cadeira.

-S-sim professora...

-Então o que os três bonitos estão fazendo que ainda não pegaram nem o caderno? – Imediatamente os garotos se viraram para a frente pegando os cadernos e abrindo os livros.

Depois de acordar Juho com um soco na mesa a professora retornou ao quadro voltando a anotar tudo o que seria feito naquele bimestre sem notar que assim que dera as costas Juho voltara a deitar a cabeça na mesa e dormir.

 

 

***

 

 

-Jae, já viu o aluno novo? Alto, bonito e filho do diretor. – Dawon cutucou o irmão na sua frente sorrindo travesso enquanto olhava na direção do garoto do outro lado da sala.

-O que será que o atraiu pra esse fim de mundo aqui? Com certeza ele estudava em uma escola bem melhor que essa. O que você acha Juho? – Puxou uma mecha dos cabelos loiros de Juho e sentiu seu pulso ser esmagado pela mão do outro.

-Eu acho que você ficaria muito bem com um gancho no lugar da mão. – Assim que levantou a cabeça seus olhos se encontraram com os do moreno do outro lado da sala. O garoto sorriu falso, mostrou o dedo do meio e virou para frente lendo o que a professora acabara de escrever.

-E ainda é educado. Parece que ele gostou de você Juho, por que não chama ele pra sair? – Dawon perguntou irônico.

-Por que você não cala a maldita boca antes que a cale por você? – Juho já estava perdendo a paciência com os dois garotos.

-Isso é uma promessa? – Uma caneta passou voando rente ao rosto de Dawon que levou um susto calando a boca na hora.

-Mas que diabos?! – Uma voz irritada do outro lado da sala foi ouvida e um certo moreno alto lançava olhares flamejantes para Juho que apenas deu de ombro ao ver que o havia acertado com a caneta.

-Eu não to entendendo que ta acontecendo aqui. – Novamente a professora olhava furiosa para seus alunos que se encolheram (ou dormiram) nas cadeiras.

-Desculpa professora... mas é que ALGUÉM jogou uma caneta em mim. – Rowoon lançava olhares acusadores para Juho que se negava a levantar a cabeça da mesa por mais nenhum minuto.

A professora já estava tão irritada com o loiro dorminhoco que não conseguiu nem falar nada. Retornou à frente da sala batendo a mão no quadro.

-PRESTEM ATENÇÃO AQUI!

 

 

***

 

 

“Prova no fim do bimestre

Matéria: 1° e 2° cap do livro de História”

Ela só podia estar de brincadeira. Rowoon acaba de chegar para o seu primeiro dia de aula naquela escola e já tinha de fazer o resumo de um capítulo inteiro. O que os professores de todas as escolas tinham contra ele? Aquela mulher só podia ter enlouquecido, ela havia começado a gritar dentro da sala e estava dando uma palestra de quase 1 hora sobre como todos ali seriam uns fracassados na vida. Rowoon não sabia se ficava preocupado com ela ou com os alunos que já estavam quase se fundindo com a mesa.

-Tae, eu não vou conseguir... quero voltar pra minha antiga escola. – Rowoon já estava se arrependendo de ter seguido o conselho do amigo e se matriculado na escola de seu pai. Aquilo era o inferno.

-Woon você está exagerando, mal chegou e já quer sair? Dê uma chance pro seu pai. – Taeyang ria do desespero do garoto. Era engraçada a maneira como Rowoon sempre reclamava da escola, mas sempre tirava as melhores notas.

-Meu pai é um demônio quando o assunto é escola. – Resmungou com um bico nos lábios fazendo Taeyang quase derreter na cadeira.

Tão fofo, tão perto, mas tão longe de seu alcance.

-Ele não é tão ruim. Você vai ver, esse vai ser o melhor ano de nossas vidas! –Expressou sorrindo animado. Realmente ele sentia que esse último ano tinha muito a oferecer a eles. E se seu instinto estivesse certo, algo de muito bom iria sair disso tudo.

-Eu espero que sim...


Notas Finais


Finalmente ficou como eu queria, amém.
Então, quem vocês acham que merece o coração do Rowoon?
Eu é claro, mas aqui estamos falando entre Taeyang e Juho kkkk
Obrigada por ler e até o próximo cap ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...