1. Spirit Fanfics >
  2. Cliff's edge >
  3. 01

História Cliff's edge - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - 01


Fanfic / Fanfiction Cliff's edge - Capítulo 1 - 01


I: @minatozakisana respondeu seu tweet


Em momentos de desespero extremo nós comumente nos questionamos sobre os pilares que nos sustentam e agimos de maneira impulsiva. E com “nós” eu quero dizer “Kim Dahyun”.

Cá estou: completamente confusa perante a folha da prova de anatomia. Minha visão já é ruim, e para completar esqueci as lentes de contato hoje, tendo que usar os óculos da Jeongyeon. Por falar nisso, hoje tem sido o pior dia desde que decidi cursar fisioterapia na Universidade de Seul, vamos lá: esqueci as lentes, ralei o joelho num tombo e eu estou morrendo de fome no meio de uma prova surpresa da matéria em que sou um lixo. Como se não bastasse eu ser ruim, a professora não colabora — as vezes penso que ela me odeia.

Minatozaki Sana é uma médica renomada, ensina anatomia para os alunos do último ano de fisioterapia e trabalha num grande hospital particular. Foi uma prodígio durante a escola e continua brilhando até hoje.

E quando digo que ela não facilita, é eufemismo, porque na verdade ela dificulta as coisas. Está sempre com um mau humor terrível e acaba descontando em nós, pobres plebeus, através de seminário em cima de seminário, teste surpresa em cima de teste surpresa e grosseria gratuita.

A atitude imponente e prepotente dessa mulher em sala de aula me irrita tanto quanto me deixa excitada; vamos ao fatos, ela é linda pra um caralho.

Ah, e ao citar que ela me odeia, me refiro aos olhares que ela me dá. A menos que não me queira mortinha num caixão, ela não me olharia com aqueles olhos castanhos, penetrantes e redondos como uma goiaba madura. 

Eu perco o foco muito fácil.

— Cinco minutos. Quem já acabou, deixe a folha na minha mesa e saia. - poucas pessoas se levantaram e obedeceram a ordem.

Senti meu suor descendo pela coluna.

Levantei a cabeça para olhar em volta: muita gente concentrada nas questões, alguns terminando de sair da classe e a professora de braços cruzados observando tudo. Nossos olhares se esbarraram e eu tratei de voltar a folha.

Três de quinze questões respondidas sem certeza nenhuma, fodeu.

Respirei fundo e apanhei minha caneta; olhei para Srta. Minatozaki e a vi no mesmo lugar, do outro lado da sala, recostada em sua mesa, olhando para um canto qualquer.

Foi então que uma ideia mirabolante me surgiu a cabeça e, sem pensar muito, resolvi acatar meu lado sem ética: uma olhadinha na internet não mataria ninguém.

Utilizando de uma furtividade desconhecida por mim, puxei o celular da bolsa discretamente e abri o navegador — não parei para prestar atenção mas posso afirmar com 80% de certeza que meus olhos estavam vesgos nesse momento; um na professora e outro no celular.

Digitei, trêmula, o assunto de uma das questões. Algo sobre a nomenclatura de músculos e ossos.

Respondi e analisei a próxima.

— Três minutos.

Com o nervosismo a flor da pele, minha jornada se estendeu por mais duas questões, até eu ouvir, ao pé da minha orelha, num tom baixo e rouco, aquela voz macia da professora Minatozaki dizer:

— O tempo acabou, Srta. Kim.

Meus pêlos se arrepiaram, minha boca secou e num segundo de inconsciência, soltei:

— Fala meu nome de novo, vai.

E saiu. Assim, involuntariamente, como um suspiro. Um quase gemido bem audível pedindo pra professora sussurrar meu sobrenome em meu ouvido. Parabéns, Dahyun.

Antes de sofrer por antecipação pelo DP em anatomia, me permiti checar o mundo ao meu redor, apenas para reforçar minha vontade de sumir. Alguns tentavam disfarçar, outros prendiam o riso, enquanto a maioria me olhava com descrença, talvez vergonha alheia. Compreensível.

Srta. Minatozaki se afastou depois de puxar a prova da minha mesa e murmurar algo que eu não entendi. O sinal indicando término das aulas fez com que todos se retirassem apressados, ainda que grande parte se ocupasse em olhar para mim e a professora.

Joguei tudo na mochila de qualquer jeito e saí voando da sala com a cabeça baixa. 

Puta merda, puta merda!

Quando passei na frente da porta da sala da Jeongyeon não hesitei em puxá-la de sua rodinha e continuar rumando para fora daquele prédio a passos largos. Misericórdia que vergonha.

— Ei, ei, ei, o que foi?! Para de me arrastar, eu estava falando com a Nayeon, sabia?

Só parei perto de uma vitrine, depois de atravessarmos o portão e a avenida. 

— Está tudo bem? Você parece vermelha. Febre? Se estiver com febre e tosse, nossa amizade termina aqui.

Revirei os olhos.

— Não estou doente, idiota. Eu fiz uma burrada. Ou melhor, eu fiz A Burrada. - comecei, já roendo as unhas.

— Não leve as mãos à boca, você não vê jornal?! - me deu um tapa — Enfim, desembucha.

— Eu meio que… como é que eu vou dizer…? Sabe a Sana? Minatozaki Sana.

— Sei, sei. Ela é aquela professora charmosa e rude que você fala, não é?

Assentindo freneticamente eu continuei, ainda mais envergonhada:

— Eu… durante a prova, ela… Jesus.

— Fala, mulher!

— Ah! Não grita! Calma, eu tô constrangida. - inspirei profundamente antes de dizer de uma vez — A professora me pegou colando na prova e sussurrou meu nome e eu quase tive um orgasmo e acabei pedindo pra ela repetir. Nossa. - me senti mais leve após soltar tudo.

Pois bem, passou.

— Você tem noção da bosta que eu fiz, Jeong?! Caramba, estamos falando de Minatozaki Sana, ela vai me reprovar e me denunciar por assédio, e com toda a razão! Minha carreira nem começou… - quando pendi meu corpo para cair dramaticamente nos braços da Yoo, a própria me segurou pelos ombros.

— Ok, respira. Agora já foi. Não acho que ela queira te ver presa por assédio, mas você deve pedir desculpas. - após dizer de maneira firme, ela me abraçou  e perguntou serena: — A sala estava vazia pelo menos?

Fechei os olhos para respirar no abraço quentinho dela por um instante; eu adoro muitas coisas no mundo, e o amaciante que a Jeongyeon usa é uma das principais.

— Não.

— Talvez você sofra bullying pelo resto do semestre, então.

— Você é tão sensível.

— Mas isso é bom, porque se você tiver que ser zoada pelos seus colegas significa que você ainda vai ter colegas e que não foi explusa do curso. - nos separei.

— Você tem um ponto.

— Eu sempre tenho. - uma piscadela — Agora me deixe ir porque tenho um encontro com Im Perfeita Nayeon.

— É um trabalho, não é? - Jeong me olhou, mesmo se afastando, e negou.

— Prefiro chamar de encontro. - deu de ombros — Não morre, e até amanhã tampinha.


[•••]


São nove da noite e eu sou uma jovem adulta sozinha em casa, e o que eu escolhi fazer foi hidratar cabelo e pele.

Me atirei no sofá e apanhei meu celular, havia mensagens de ofertas, cobranças e Taeil me avisando que iria dormir fora. Nada de novo sob o mesmo sol.

Entediada e com a expressão congelada, me lembrei do ocorrido de manhã e resolvi abrir o Twitter. O lado bom de ser flop é que ninguém vai te condenar e você desabafa, super recomendo.

dubu @dahyuuun

eu meio que pedi pra professora chata fodidamente sexy me tocar no meio da turma hj :))))

243 comentários 81 retweets 400 likes

.sana @minatozakisana

em resposta a @dahyuuun chata fodidamente sexy

dubu @dahyuuun

em resposta a @minatozakisana KEU DEUS DO DEU VX N LEU ISSSO AJABDUqie`%2wHW0O!!AVSAVAV77A2



Notas Finais


dahyun hitou men

caso tenha algum erro, dps eu arrumo
e a sinopse vai ficar essa bosta até eu criar vergonha na cara pra colocar algo melhor, bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...