História Close To You - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Johnny Depp
Personagens Johnny Depp, Personagens Originais
Tags Johnny Depp, Lolita, Romance, Veneza
Visualizações 73
Palavras 1.002
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Ei pessoal, venho pedir desculpas pelo sumiço. Passei meses com um bloqueio gigantesco, mas agora acredito que conseguirei retomar as fics. Agradeço a todos de coração que ainda não desistiram das minhas fanfics, sei que vocês são muito pacientes. Obrigada ^-^
Boa leitura!

Capítulo 6 - Um novo lar


Fanfic / Fanfiction Close To You - Capítulo 6 - Um novo lar

 

— Que droga Johnny já não te disse tudo!? — Falou irritada e se levantou do sofá. 

— Não, não me disse mocinha e fale mais baixo! — Ordenou alterando a voz e se levantando também — Se quiser ficar aqui vai ter que me falar mais sobre você. — Enfatizou com a voz alterada, já estava nervoso com ela. 

Ana se virou de costas e cruzou os braços emburrada, tinha a respiração acelerada. 

— Vamos Ana, me diz alguma coisa. — Andou para de trás dela. 

A garota se virou, mas continuou de braços cruzados, lhe encarou séria e respirou fundo, tomou fôlego tentando ter um pouco mais de paciência afinal ele estava querendo lhe ajudar. 

— O que quer saber? — Questionou mais calma. 

O ator pensou bem e organizou as perguntas que queria que fossem respondidas. 

— Como entrou no quarto?  

— A porta estava apenas encostada, foi a única que estava assim. — Respondeu rápido. 

— Por que fugiu de casa?  

— Bom... — Soltou o ar dos pulmões em uma lufada extensa. — Eu não queria mais viver daquele jeito, estava cansada de ter que participar dos planos dele. 

— Ele quem?  

— Bertrand. — Revirou os olhos ao pronunciar o nome masculino. 

— Existe algum problema entre vocês?  

— Sinceramente não sei, ele estava nervoso no dia em que fugi. 

— Ana, qual era a relação de vocês? — Desconfiou. 

— A gente vivia junto, só isso. 

— Eu vou ter problemas com isso? 

— Não Johnny, fique tranquilo quanto a isso. Vou precisar ficar aqui só por alguns meses e depois te deixo em paz. — Tinha a expressão cansada quando falou. 

— Ei não foi isso o que quis dizer, pode ficar aqui o tempo que precisar, só não quero encrencas para o meu lado. Você sabe, sou uma pessoa pública e qualquer coisa é motivo de uma manchete sensacionalista. — Explicou fitando-a. 

— Eu sei... — Baixou o olhar e ficou em silêncio.  

— Acho que já sei o suficiente sobre você, pelo menos por enquanto. Amanhã você vai buscar seus documentos novos, ok?  

— Ok. — Balançou a cabeça simultaneamente a fala quase inaudível.  

— Pegue esse dinheiro também. — Tirou uma quantia do bolso e lhe entregou. 

A garota deu uma olhada na quantia e se assustou, era muito mais do que já havia ganhado de alguém. 

— Eu não posso aceitar tanto dinheiro. 

— Claro que pode. — Sorriu doce e voltou à outra sacola que deixara no aparador. — Compre roupas, sapatos e o que mais precisar, hoje só trouxe essas roupas para ir quebrando um galho, mas amanhã você pode sair e escolher o que quiser. 

Ana sorriu com o gesto dele, aquilo era tão gentil e amável que não imaginava como poderia retribuir tamanha bondade. Ficou a admirá-lo enquanto o mesmo se ocupava em retirar algumas coisas da sacola, voltou para ela e lhe entregou um pacote marrom vedado.  

Ao abrir seu sorriso ficou ainda maior, dentro do pacote da padaria haviam cannolis recheados que ele gentilmente havia comprado em resposta a brincadeira boba que ela lhe fez antes que saísse.  Nem imaginou que ele se lembraria ou se renderia a brincadeira, mas Depp estava provando ser mais atencioso do que pensava. 

— Achei a sua cara. — Brincou e entrou para o quarto. 

Do lado de fora, quis saber o que ele estava fazendo no cômodo, se aproximou da porta e ouviu o som d’água do chuveiro cair, ouviu de longe alguma música ser cantarolada. Se voltou ao doce e devorou metade deles guardando a outra parte para o anfitrião.  

Alguns minutos depois e o ator já estava pronto, tinha tomado banho e se perfumado, tanto que o aroma do perfume podia ser sentido do outro lado onde a outra se encontrava. Assim que deixou o quarto encheu o ambiente com aquele cheiro gostoso e fresquinho, sem prestar muita atenção nela ou tentando disfarçar, pegou os pertences e distribuiu em cada bolso das roupas o que verdadeiramente necessitava carregar. 

— Vai sair? — Interpelou com voz tímida e receosa. 

— Ah sim, eu combinei de ir a uma exposição de um amigo no museu, mas não vou demorar. Fique à vontade, assista e peça o que quiser na recepção.  

— Tudo bem. — Concordou enquanto o observou colocar o cinto na calça e ajeitar alguns fios de cabelo que caíam em seu rosto, em seguida pôs o chapéu e pegou o celular. 

— Vou deixar um segurança na frente da porta do quarto, qualquer coisa é só chamá-lo. — Saiu apressado com dois seguranças o acompanhando. 

A menina olhou em volta e viu que não havia nada para fazer por ali, a não ser alugar um filme e assistir. Assim fez. 

Se aconchegou na cama e relaxou, há anos não sabia o que era descansar de verdade sem preocupação alguma. Havia uma diferença muito grande em estar morando com Johnny, não era só o conforto que ele poderia lhe proporcionar, talvez o mais importante era a segurança que sentia ali e principalmente com ele. 

Desde o primeiro momento em que conversaram sentiu-se segura e tranquila, podendo agora ter um momento de relaxamento e descontração. Algo que seu antigo lar não lhe ofereceu. 

Embora tivesse passado o dia todo no quarto, comido bem e tomado banho, Ana sentia demasiado cansaço e aquela cama tão macia e confortável foi determinante para que embalasse no sono meia hora depois do filme ter iniciado.  

Deste modo, quando Depp chegou e a viu dormindo em sua cama não teve coragem de acordá-la para jantar, mas a deixou descansar merecidamente. Sabia que seu dia havia sido cheio de mudanças e emoções e que muito provavelmente esta era a primeira noite em que dormia em uma cama desde que fugira. 

Sobre a tal fuga ele ainda se preocupava, ciente de que quem quer seja que ela deixou para trás um dia a procuraria, o homem temia não estar por perto para defendê-la quando isso acontecesse.  

No entanto, logo que ouviu o suspiro e o remexer de seu corpo na cama tratou de parar de mirá-la enquanto dormia. Improvisou sua cama no sofá que havia no quarto e deitou, respirou devagar e passou o restante dos minutos acordado observando-a até pegar no sono também


Notas Finais


Obrigada a quem leu até aqui, irei responder aos comentários e as atualizações serão com um espaço de tempo mais curto.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...