1. Spirit Fanfics >
  2. Close your eyes >
  3. Dois; mirabolante.

História Close your eyes - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


HM HM MH

espero que gostem!
boa leitura!
perdão por qualquer errinho! <3

Capítulo 2 - Dois; mirabolante.


— Tem... algum motivo específico para vocês estarem usando máscaras?

Nathalie questionou, um tanto confusa.

Os dois jovens adultos de dezenove anos em sua frente estavam usando máscaras de Ladybug e Chat Noir. Marinette sendo aquela com a mascara do gatuno e Adrien com a máscara da joaninha.

— Claro! — Chat sorriu abertamente, enquanto mantinha a mão escondida sob a toalha de mesa, sobre a mão de Ladybug. — Eu... vou levar a Marinette em um evento privado sobre Ladybug e Chat Noir!

— E não me comunicou? — A secretaria fechou a cara.

Chat riu e engoliu em seco.

— Ele esqueceu. O Adrien está muito cabeça oca esses dias! Acho que não está dormindo direito, você deveria rever os horários dele.

Nathalie acabou suspirando, antes de massagear as têmporas. Acabou anotando algo no tablet e sem mais objeções, saiu andando. Deixou ambos os adolescentes ali.

Ladybug grunhiu quando o almoço fora servido, o que atraiu a atenção totalitária de Chat para ela. O gatuno franziu o cenho, deveras curioso e um pouco nervoso. Tinha medo de não ter agradado.

— Não.. gostou dos pratos?

Ela acabou rindo.

— Me parecem deliciosas, o problema é que... eu não sei comer com a mão direita.

Chat sorriu.

— Eu te ajudo.

Ela tentou negar, porém, não tinha porquê. Acabou assentindo, com um sorriso um tanto envergonhado.

Chat tratou-a muito que bem, colocando colheradas de comida com delicadeza em sua boca diminuta e macia e com cuidado para que nenhum deles ficasse sujo. Ela até mesmo achou proveitosa aquela situação.

— Prontinho, bem alimentada ‘pra luta.

Ela riu com a brincadeira, limpando os canto da boca no guardanapo. Ofereceu-o um doce sorriso.

— Obrigada.

Ele piscou.

— Sempre as ordens, My Lady. — Ele se levantou com cuidado, segurando a mão dela de modo a disfarçar o laço que os unia. — Agora vamos, temos uma cidade a salvar.

[...]

— Estão dispensados!

A professora anunciou, o que tirou Marinette de seus devaneios. Sua mente durante toda a aula de design da faculdade ia e voltava no dia anterior. Chat e ela no banheiro, o modo que ele caiu sobre ela sem querer, o modo que ele a tratou de modo doce e delicado. Ela nem mesmo percebeu que desenhou uma porção de coraçõezinhos na folha do caderno.

Sim, ela estava um tanto rendidinha pelo herói.

Chat era adorável, ela não podia dizer ao contrário. Era doce, fofo e terno. Deu-a um delicado beijo na bochecha quando venceram o akuma e deixou-a com um enorme sorriso no rosto ao dizer que havia sido adorável passar aquelas horas junto com ela. Suas palavras fizeram seu pobre coração dançar animado no peito.

Estava tão aérea que saiu da sala pensando naquilo, o que ocasionou um belo encontrão no corredor da faculdade. Caiu sentada, com seus poucos livros esparramando-se ali, o que atraiu um pouco de atenção.

— Ai! — Ela choramingou. — Desculpa...

— Eu quem devo desculpas, estava aéreo e... — Levantou o rosto ao ouvir a voz parecida. Seu olhar cruzou-se com o do loiro. — Marinette?

— Adrien! Q-Que coincidência... — Ela riu, um tanto nervosa. — O que faz aqui?

— Meu pai foi convidado pela reitoria para algum evento, eu vim de bônus. — Ele sorriu de um modo tão fofo que arrancou suspiros da Dupain-Cheng. — Está em aula?

— Tenho alguns minutos livres antes da próxima. Quer comer algo na lanchonete? Os bolos daqui são incríveis.

Adrien levou as mãos aos bolsos da calça. Deu de ombros.

— Somente se você não contar que estou furando a dieta.

[...]

— Caramba, isso é divino!

Adrien murmurou, a voz meio engambelada, o que fez Marinette rir. A mestiça meneou a cabeça em negação, buscando por um guardanapo na mesa do refeitório. Assim que encontrou, surpreendeu-o ao segurar-lhe o maxilar, deslizando o papel pelos lábios espessos do loiro.

— E você fez uma lambança.

— Eu tenho uma quedinha por bolos.

— Percebi. — Marinette fez uma bolinha com o papel, deixando no canto da mesa para jogar no lixo quando estiverem saindo dali. — E não te julgo.

— Nathalie disse que você esteve lá em casa comigo ontem.

Marinette engasgou-se com a própria saliva.

— E-Eu? Acho... acho que você está meio... uh...

— Bem, eu sei que não foi exatamente você. Chat Noir me contou que ele e Ladybug precisavam usar o meu quarto, não me disse porquê... — Ele deu de ombros, e Marinette sorriu nervosa. Que Adrien não pensasse algo errado! — Contudo, Nathalie acredita que éramos nós e...

— E...?

— Adrien, você está ai.

Ambos saltaram com a voz repentina de Gabriel Agreste, que invadiu o refeitório de forma respeitosa. Ao lado do loiro, estava o reitor responsável pela universitário, parecendo deveras satisfeito por qualquer coisa que tenha acontecido dentro do escritório.

— Pai. — Adrien sorriu, levantando-se. — Encontrei Marinette e... ela me chamou para comer algo com ela.

Gabriel encarou o filho antes de voltar o olhar cético para Marinette. Estendeu a mão para um cumprimento, que ela – surpresa – aceitou.

— Senhorita Dupain-Cheng.

— S-Senhor Agreste.

— Fiquei sabendo que foi almoçar em minha residência ontem com Adrien.

O loiro empalideceu, e Marinette sentiu-se repentinamente tensa.

— É... ele passou mal e...

— Nathalie me contou os detalhes. — Gabriel soltou uma espécie de sorriso convincente. — Queria agradecê-la pela postura perante meu filho, por ele não ter passado bem e você ter estado disposta em ajudá-lo. O que acha de jantar lá em casa novamente? Como um jantar de agradecimento.

Marinette engoliu em seco, olhando para Adrien que esboçou um sorriso.

— Eu... preciso... ver se estou livre, mas... pode ser.

— Ótimo, essa noite. Caso não possa comparecer, avise Adrien e ele repassará a Nathalie. — Gabriel Agreste ajustou a própria gravata. — Agora... preciso ir.

— Pai, quer que eu te acompanhe?

Adrien ofereceu-se. Gabriel negou.

— Vou resolver umas papeladas na secretaria. Você ainda tem alguns minutos. Te mando uma mensagem quando estiver indo.

— Certo. — Adrien sorriu amarelo e viu o pai se distanciar. Suspirou. — Ele me amedronta as vezes.

— Achei que fosse seu pai.

— Isso o faz ainda mais intimidante. — Adrien riu. — Sobre o jantar...

— Precisamos falar com Chat Noir.

Adrien franziu o cenho.

— Como assim? Por que?

— Se seu pai está convencido de que eu e você estivemos juntos, ele vai perguntar alguma coisa. Pode pensar algo errado, que estamos namorando, que transamos e por ai vai! Não sabemos o que Chat e Ladybug disseram, então não podemos participar do jantar!

— Não podemos coletar informações?

— Não! Vai dar muito na cara! Precisamos de Ladybug e Chat Noir!

Adrien suspirou, um pouco resignado.

— Eu posso conversar com Chat...

— Eu falo com a Ladybug.

— Você a conhece?

— N-Não! É que... Alya, sabe? Posso... pedir para Alya dar um jeito!

A careta curiosa do Agreste fez com que Marinette sorrisse nervosa.

— Certo... — Ele cruzou os braços. — Onde eles vão se encontrar?

— Chat no seu quarto, e... eu levo Ladybug ao encontro. Chat a encontra e recebe ela no portão ok?

Adrien assentiu.

— E como eles vão fazer com as máscaras?

Marinette mordiscou o próprio lábio.

— A gente... a gente dá um jeito, tudo bem? Só... avise Chat.

O loiro assentiu e suspirou quando o celular vibrou no bolso.

— Preciso ir.

O sinal tocou.

— Eu também...

Trocaram um rápido sorriso cumplice e saíram da lanchonete após jogarem suas embalagens fora, com planos mirabolantes em mente para que não fossem descobertos e para que tudo não saísse dos conformes.


Notas Finais


KKKKKKKKKKKKKKKKKKK VAI SER FODA HEIN

espero que tenham gostado!
obrigada por lerem!
comentáriox sempre bem vindox!
beijão! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...