História Closer - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Albert Spencer (Rei George), Alice, Anastasia (Rainha Vermelha/Rainha Branca), Anna, August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Cruella De Vil, Cyrus, Daniel, David Nolan (Príncipe Encantado), Dr. Archie Hopper (Jiminy Cricket), Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Elsa, Emma Swan, Fa Mulan, Hades, Henry Mills, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Isaac (O Autor), Lacey (Belle), Liam Jones, Lilith "Lily" Page, Madre Superiora (Fada Azul), Malévola, Marian, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Mérida, Milah, Neal Cassidy (Baelfire), Paige (Grace), Personagens Originais, Peter Pan, Princesa Aurora, Príncipe James, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sidney Glass, Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Ursúla (Bruxa do Mar), Violet, Vovó (Granny), Wendy Darling, Will Scarlet, Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Swan Queen
Visualizações 52
Palavras 2.329
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Orange, Romance e Novela, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, desculpa a demora!! De verdade! Ta corrido aqui pra tia que ainda estuda e vira babá de irmãos nas férias🤣🤣
Não desistam de mim..
Boa leitura nenês❤❤❤

Capítulo 6 - Xerife?


Falava tudo no automático, não sabia o motivo de ter aceitado sair com quem saiu. Tomava sua xícara de café e respirava fundo, afim de suportar aquele encontro fadado ao fracasso. 

- Onde estávamos? Algo sobre você ter quinze crianças? - o homem a sua frente a tira do transe. 

- A... Não, não... - diz Mary sem graça, o fazendo rir pela sua falta de atenção em si. - Eu quis dizer a minha classe, onde eu dou aula, vai conhecê-los, eles vão no hospital pelo programa de voluntários.

- Ah é... Esse é um ótimo programa. - Whale responde, olhando fixamente no corpo de Ruby, enquanto a jovem limpava a mesa atrás de Mary. 

- Obviamente, eu não quero ter quinze crianças, não que eu não queira ter filhos, eu quero filhos, casamento, um amor de verdade, eu quero tudo isso. - Mary falava tropeçando nas palavras até perceber a distração do rapaz. - Mas é claro que.. Não pega bem falar disso no primeiro encontro. - o rapaz assente a cabeça sem quase nem ouvir. - Ruby? 

- O que? Mary Margareth? 

- A conta por favor. 

- O que? Porque? Ainda está cedo! 

- Estou cansada. - fala calmamente, não daria satisfação a ele, não depois de presenciar seu ato cafajeste. 

- Então tudo bem. 

Após pagar seu café, Mary são do Granny's refletindo sobre o encontro. Claro que não ficaria bem depois daquilo. Será que era mesmo tão incomum querer um amor verdadeiro. Deixou de ir no hospital visitar os enfermos, coisa que gostava de fazer, para ter um encontro com Dr. Whale, o que não iria mais acontecer. Andou mais um pouco, distraída, até um carro lhe chamar a atenção. Um fusca amarelo se encontrava parado do outro lado da rua, carro novo na cidade, já que não havia visto igual. Aproximou-se do carro e logo reconheceu a cabeleireira loira. 

- Oi? - Emma lia um jornal com uma lanterna numa não e a caneta em outra. - Você está bem? 

- Ah, eu já estive em tantos lugares apertados que dormir no meu carro não é tão ruim. - responde a loira largando a lanterna. 

- Ta dormindo aqui? - Mary pergunta preocupada com os braços abraçando o próprio corpo. 

- Até eu encontrar um lugar. 

- Então decidiu ficar... - a loira não responde e Mary toma como um sim. - Pelo Henry? 

- É, eu acho que sim. - Emma sai do carro com o jornal nas mãos. - Essa cidade quase não tem vagas, nenhuma, na verdade. - encostou-se na porta. - Isso é normal? 

- Deve ser a maldição. - brinca a moça e as duas riem. 

- Ta, o que foi fazer que estava tão apressada? - Emma puxa assunto. 

- Sou professora, não freira. Tive um encontro... - disse com pesar. 

Parece que correu tudo bem... 

- Sim, como sempre. - revira os olhos. 

- Pelo menos ele pagou a conta? - Mary fecha os olhos e nega. - Homens... 

- Se o amor verdadeiro fosse fácil, todos teriam um. - Emma a olha. - Se as coisas não estiverem boas, óbvio que não estão, eu te convido para dividir quarto comigo. - a loira sorri de lado. - Não me sentirei bem sabendo que está apertada e no frio nesse carro...

- Não sei não, eu acho que me viro melhor sozinha. - no fundo, estava com medo de nada dar certo. 

- Pode ficar o tempo que quiser. - Mary sorri, mesmo estando preocupada com a loira. - E então, podemos ir? 

- Podemos. - antes da moça dar a volta no carro, Emma toca em seu braço. - Obrigada. 

- Não há de que. 

O caminho inteiro foi regado de conversa, afinal iriam conviver uma com a outra. Emma falava de como era sua vida em Boston e Mary fazia planos de como viveria ali. Chegando no apartamento, a moça solicita que a loira tomasse um banho, enquanto escolhia uma roupa emprestada. Estava com fome, mas não faria comida aquela hora da noite, estava muito tarde e a loira deveria estar cansada. 

- O que esta fazendo? - diz a loira saindo do banheiro enrolada na toalha com os cabelos molhados. 

- Macarrão instantâneo com temperos selecionados. - diz Mary segurando a risada. 

- Miojo? - diz a loira em tom de piada fazendo a moça gargalhar. 

- É isso ai, e eu espero que você não seja fresquinha com comida, é o que tem pra hoje. - a loira ri enquanto pega as roupas que a moça separou. 

- Posso vestir? - Mary acena com a cabeça enquanto prova o miojo. - Enquanto a comida, não se preocupa o que tiver eu como. - retoma rindo, não era de se abrir ou rir fácil com as pessoas, mas Mary era tão amigável que a fazia se sentir confortável, como se já a conhecesse. 

- Emma, eu só tenho a cama e o sofá, o quarto lá em cima está uma bagunça e não quero a mocinha espirrando de madrugada pela poeira. 

- Não tem problema, eu fico com o que você achar melhor. - torcia pelo sofá, afinal estava chegando agora pra dormir na casa de uma conhecida, e não queria chegar querendo tudo na mão. Sem comodismo. 

- Então tabom, vamos comer. - Mary entrega o prato para a loira e se senta na cama, indicando que a mesma sente também. 

- Porque me deixou ficar? - a loira pergunta curiosa, não iria fazer desfeita da estádia mas queria saber porque tanta confiança aquela moça tinha em si. 

- Ah, Emma. Eu imagino o quanto é difícil ficar apertada desse jeito, sem ter lugar pra ficar, vivendo dentro de um carro. Entende? - a loira acena e ela continua. - Se eu sinto que posso ajudar as pessoas, porque não? Não é? 

- É verdade. Muito obrigada pela ajuda, você é um anjo. - a loira fala. Estava realmente criando um laço com alguém tão rápido, talvez fosse o jeito da moça, ou a necessidade de que queria tudo certo. 

- Minha mãe me ensinou assim, ela falava que independente do lugar ou com quem, deveria ajudar se puder. Por isso oro aqui, em Storybrooke. - Emma ouvia com atenção, queria ter tido uma mãe desde sempre. 

- Eu morei no abrigo quase minha infância inteira, sempre sonhei em ter uma família. Fui adotada a primeira vez aos três anos, mas o casal conseguiu ter um filho e depois me devolveram. - Mary ouvia tudo com atenção, mas triste. Não sabia que Emma havia vivido por isso. - E a mulher que eu queria que fosse minha mãe adotiva não tinha estruturas para me criar, mas nunca me deixou de lado. Ela teve que ir embora mas mesmo assim deixou o endereço guardado nos meus registros, queria que eu a procurasse mesmo se não pudesse ficar comigo. 

- Sinto muito, Emma. Eu não fazia ideia. - Mary responde com os olhos lacrimejando. - Isso não vai mais acontecer, agora tem onde ficar e não precisa se preocupar em te deixarem de lado. Você tem a mim e ao Henry, nos nunca iremos te deixar. 

- Eu agradeço muito Mary. Muito mesmo. - diz a loira, olhando nos olhos da moça, passaram a noite conversando até o sono as pegarem.Aindrteza, não iria ficar sozinha. Nunca mais. 

~°~


- Eu sei que odeia as reuniões do conselho tanto quanto eu. Mas eu realmente preciso ir. - Mills arrumava seu cabelo e o batom no espelho enquanto falava. 

- Tabom. - Henry estava triste, sentado numa cadeira vendo a mãe se arrumar, sabia que ela iria voltar tarde, e isso o deixava mais triste ainda. 

- Já sabe as regras, certo? - Regina se aproxima do garoto. 

- Sim ao dever de casa, não à TV. - Henry repetia seus deveres. 

- Isso mesmo, e nada de sair. Sabe o quanto fico preocupada. - apesar de tratar o menino daquele jeito, Regina o amava. 

- Para eu não ver minha mãe. 

- Ela não é sua mãe, é só uma moça de passagem. - determina, dando um passo a frente. - Eu chego as 17h00. Me espere para o jantar. - a morena se aproxima do garoto e lhe beija a testa. Após ver o fechar da porta e ouvir o carro ligando, Henry sobe as escadas correndo, vai até seu quarto e pega sua bolsa. Checando se a mãe tinha ido, logo sai pela porta dos fundos, indo direto à casa de quem iria lhe ajudar. 

- Srta. Blanchard! - o menino batia na porta na esperança que a moça estivesse em casa. 

- Henry? Aconteceu alguma coisa? - Mary abre a porta e Henry entra feito um furacão. 

- Aconteceu, minha mãe saiu e eu preci... - a frase do menino morre ao ver quem havia acabado de sair do banheiro. 

- Garoto? 

- Emma! Você ainda está aqui! - Henry corre para os braços da loira a abraçando. 

- Sim, garoto. Ainda tô aqui, sabe que não pode sair sem a permissão da sua mãe. - "Ela vai querer me matar!" Pensou. 

- Eu sei, mas ela não vai saber. Está numa reunião que ela diz ser importante. - a loira pensa. O garoto não merecia aquilo. Pelo visto Regina não lhe dava atenção e Henry estava carente, iria aproveitar para se aproximar ainda mais do menino e procurar emprego. 

- Tabom, Garoto. Mas só porque eu gosto muito de você. - afirma mechendo nos cabelos escuros. Henry abre um longo sorriso enchendo o coração da loira de alegria. 

- Mary, você me encobre? - Emma aponta para o menino puxando sua mão e a moça sorri. 

- Claro, Emma. Aproveitem o tempo juntos. - diz a morena sorrindo e acenando com a mão. 

Os dois iam conversando pela rua. Emma iria levar Henry no Granny's pra fazer o que eles mais gostam: tomar chocolate quente, isso iria repercutir no seu ranço com Regina, já que a mesma não aproveita o filho. No meio do caminho um carro para os dois. Era o Xerife. 

- Pra que tudo isso? - a loira pergunta, enquanto o menino encara Graham descer do carro. 

- É difícil chamar sua atenção. 

- Conseguiu. - a loira responde e Henry aperta sua mão, num chamado silencioso de "vamos andando?".

- Já que esta aqui, quero lhe fazer uma proposta. Aceita ser minha assistente na delegacia? 

- Olha, eu estava à procura de emprego. Pelo visto não precisei procurar. Eu nunca trabalhei com isso, não sei como funciona. Talvez outra hora? 

- Claro. Tome, qualquer coisa me liga. - Graham puxa um cartão do bolso e entrega na mão de Emma, para logo depois entrar no carro e dar partida sem esperar a loira responder. 

- Aceita, já que esta precisando. - o menino fala tirando Emma de seus pensamentos. 

- A sua mãe tá no meio disso, eu sei. - ao chegar no Granny's, o menino foi indo logo no banheiro enquanto a loira fazia os pedidos.

 Depois de poucos minutos que o pedido chegou, o menino tava quase voltando pra mesa quando, de longe, viu Regina por uma das janelas, acabando por dar meia volta. A loira esperava o menino com o dedo no creme de seu chocolate quando uma figura vestida de preto senta na sua f.

- Como vai, Srta Swan? - realmente não a interessa, mas se for pra faze-la ir embora. A Prefeita jogaria. 

- Vou bem. 

- Gostando da estádia? - Regina e seu tom  irônico. 

- Se quer saber já arrumei onde ficar. - Emma não queria ficar por baixo. 

- Com a Srta Blanchard, é claro. - a loira olha para a morena esperando mais alguma coisa. - Para algo crescer precisa ter raízes, Swan. E você não tem raízes aqui, não pelo que eu saiba. 

- Você não me conhece... 

- Acho que conheço sim. - Regina a corta. - Só peço que, enquanto sua estadia durar, o que não vai demorar muito, pense no que é melhor pro Henry. Talvez uma ruptura, o que vai acontecer de qualquer jeito. - apesar de com muita raiva e uma vontade imensa de avançar em Regina e lhe dar umas bofetada na cara, Emma se mantém firme diante da morena. - Proveite seu chocolate quente! 

Logo após a morena sair e a loira se levanta para chamar o menino no banheiro para ir embora, a xícara com o líquido doce caí todo em cima da blusa e calça, sujando tudo. "Inferno!! Que mulher insuportável!" Pensa, indo a passos largos até o banheiro. 

- Saia dai garoto. Temos que ir! - Henry abre a porta do banheiro masculino devagar até achar a loira parada, com as mãos fechadas e a blusa manchada. 

- Ela fez isso com você? 

- Pode se dizer que sim. Vamos... - a loira sai do Granny's o mais rápido possível. Henry estava assustado, se sua mãe descobrir que ele esteve lá com a loira irá lhe matar, além de deixar de castigo pela vida inteira. Ao chegar na casa de Mary, a loira abre a porta e já vai tirando a blusa, indo direto pro banheiro. 

- Ai que ódio, era minha única blusa! Ela me pagaa!! 

- Emma, não se preocupa eu deixo uma nova pra você. - Mary preocupada logo corre e pega uma camisa que nunca usou e joga pra loira no banheiro. 

- Eu to cansada disso, ela vai parar por bem ou por mal! - Henry sentado no sofá só pensava num jeito de se livrar da situação e achar uma boa explicação se sua mãe perguntar. A loira sai do banheiro com a camisa azul claro tirando o papel do bolso e riscando o número de telefone. 

- Alô, Xerife? Eu mesma... - a loira estava determinada matar a Prefeita de raiva, e iria começar criando raízes. 




- Quero dizer que aceito a vaga... 


Notas Finais


Eu sei, se estiver ruim me avisem, por favor.. Eu estou muuuuito ansiosa mesmo😆😆😆😆
Eu espero real que vocês tenham gostado❤❤❤
Até o próximo capítulo pessoal❤❤❤❤😍😍😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...