História Closer - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Albert Spencer (Rei George), Alice, Anastasia (Rainha Vermelha/Rainha Branca), Anna, August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Cruella De Vil, Cyrus, Daniel, David Nolan (Príncipe Encantado), Dr. Archie Hopper (Jiminy Cricket), Dr. Whale (Dr. Victor Frankenstein), Elsa, Emma Swan, Fa Mulan, Hades, Henry Mills, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Isaac (O Autor), Lacey (Belle), Liam Jones, Lilith "Lily" Page, Madre Superiora (Fada Azul), Malévola, Marian, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Mérida, Milah, Neal Cassidy (Baelfire), Paige (Grace), Personagens Originais, Peter Pan, Princesa Aurora, Príncipe James, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Roland, Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sidney Glass, Sr. Gold (Rumplestiltskin), Tinker Bell, Ursúla (Bruxa do Mar), Violet, Vovó (Granny), Wendy Darling, Will Scarlet, Xerife Graham Humbert (Caçador), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Swan Queen
Visualizações 47
Palavras 2.027
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Orange, Romance e Novela, Violência, Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu espero que tenham gostado do último capítulo! ❤
Pretendo fazer um capítulo por dia, (ou pelo menos tentar) O que acham?
Boa leitura amores❤❤

Capítulo 7 - Tempo juntos


Fanfic / Fanfiction Closer - Capítulo 7 - Tempo juntos

- Queria dizer que aceito a vaga... 


- Sério? - Graham não podia acreditar, achava que Emma iria demorar pra aceitar, afinal não trabalhava como xerife nem sabia como funcionava. - Quer dizer... Que ótimo! 


- Sim, preciso me estabilizar por mim e pelo Henry. - Swan tem um lugar pra morar, um emprego, e a confiança do garoto, nada nem Regina iria estragar aquilo. 


- Certo, apareça na delegacia amanhã, Srta Swan. Darei as instruções de seu cargo. - queria não transparecer tal felicidade, não iria assustar a loira antes mesmo dela ir trabalhar. 


- Obrigada, Xerife Graham. 


- De nada, Swan. Até amanhã. - a loira desliga o celular e direciona o olhar para Mary Margareth, que a fitava com curiosidade. 


- A vaga ainda ta aberta, Emma? - o garoto e a moça olhava a loira com a mesma cara. 


- Está! - todos se juntam num abraço coletivo, fazendo a loira esquecer Regina e sua arrogância de minutos atrás. Todos riam juntos se separando para logo fazerem uma dancinha de vitória. - Pelo que eu percebi, já começo amanhã! - o menino para de dançar e olha fixamente para a loira. 


- O que foi garoto? Não ta feliz? - o menino continua encarando Emma como se ela fosse uma estranha, a fazendo parar de dançar também. Fica na altura do garoto para falar olhando nos seus olhos. - Com esse emprego vou poder te dar as coisas, Henry. A gente vai se divertir muito! - a loira abraça o garoto, que a afasta pelos ombros. - Não é? 


- Você vai me deixar de novo? - pergunta para a loira, fazendo-a franzir o cenho com aquela pergunta. 


- Não, Henry. Porque eu faria isso? - Emma da uma leve sacudida nos braços do menino, o fazendo levantar a cabeça para encará-la. 


- Porque estaria ocupada de mais trabalhando, e não tem outra Salvadora para me salvar do tédio de ficar em casa olhando pro teto, esperando a minha mãe chegar. E ainda tem a maldição. 


- Eu não faria isso, Garoto. Estarei trabalhando no seu horário de escola, ou você pode ir comigo amanhã na delegacia discutir meus Horários. - o menino da um leve sorriso. - Quanto a maldição, daremos um jeito. 


- Então tabom, Emma. Fico feliz com você feliz! - abraça a cintura da loira, fazendo-a pensar que não conseguiria ficar longe de Henry nem se quisesse. 


- Cortando! Eu tô de fora, gente! - Mary depois de presenciar a cena entre os dois, se pronuncia. Emma olha pra Henry, e os dois atacam a moça com cosquinhas na barriga. - AI, AI! PAREI, É SÉRIO!! 


- Eu falei que ela tinha cosquinha. Ta devendo um chocolate. - o menino brinca, convencido. 


- Vai sonhando garoto, vai sonhando até sua mãe descobrir que você come doce comigo. 


- Eu tava pensando em assistirmos um filme, desenterrar a TV que eu guardei por não usar. Que tal? - Mary da ideia e os dois pensam, Henry deveria cuidar com o tempo, para não ficar de castigo. 

- Quanto tempo eu tenho? 


- Temos umas... 3 horas antes de sua mãe chegar em casa, garoto. 


- Então vamos! Onde a TV Esta enterrada, Srta Blanchard? 


- Mary, Henry. Não estamos na escola. - quase toda vez insistia para o garoto lhe chamar pelo nome fora da escola. - A TV está naquela bagunça no quarto da Emma. 


- Você poderia me ajudar a arrumar, né? - a loira aponta o dedo na direção de Henry, e o menino recua, prendendo a risada. - Vocês dois... - fazendo cara de falso choro Mary tenta fazer um teatrinho com Emma. 


- Se ninguém me ajudar a arrumar meu quarto, ninguém assiste. - a moça e o menino se olham. - E eu nem coloco minha conta do Netflix... 


Os dois saem correndo em direção a escada do quarto da loira, achando várias caixas do que parece ser o resto da mobília de Margareth. A cama e o guarda roupa estavam cobertos por lonas de plástico e a TV estava numa caixa ainda fechada do lado do criado mudo. 


- Você nunca mecheu aqui? - pergunta a loira andando pelo quarto e separando algumas caixas num canto. 


- Eu vivi em Storybrooke, mas não faz um ano que me mudei pra cá. Eu viveria com Ruby, mas ela preferiu morar com a Granny. A casa já era  mobilhada, então só teria que pagar o aluguel e manter. - explicava tudo enquanto tirava as lonas dos móveis e pegava a vassoura para varrer, enquanto a loira segurava a TV para logo abrir. 


- A casa tem muito haver com você, o dono desistiu dela? - pergunta a loira apoiando a TV num canto,antes, ndo o suporte para a mesma já preso na parede. - Olha, já tem um lugar pra TV, de frente pra minha cama. 


- Acontece que ele viajou para Boston e disse que se não voltasse mais a casa era minha. Dito e feito. Depois de uns 2 meses eu parei de pagar e enfeitei ela do meu jeito, tanto que esse era meu quarto antes, por isso o suporte. 


- Mary, essa caixa estão cheias de livros. Você vai jogar fora? - o menino pega uma caixa um tanto quanto pesada e a moça arregala os olhos. 


- Achou meu esconderijo, Henry! Esses eram os livros que eu te daria depois daquele. São seus. 


- Sério? Não vai ficar chateada de eu levar? 

- Não, eles são seus. Só não leve tudo de uma vez se não sua mãe me mata e depois mata a você. - A moça termina de varrer e bagunça o cabelo do menino. - Emma, você me ajuda com a internet? 


- Claro, foi o que eu percebi, já que sua TV usa Wifi e não tem roteador aqui. - responde a loira colocando a TV no suporte, ligando-a e configurando. - se tiver algum dispositivo, pegue que eu tento colocar. 


- Certo! - Mary e Henry terminaram de ajudar a loira limpando o quarto, enquanto ela colocava internet na casa. Foram conversando sobre que filme assistir depois de terem feito tudo. Emma, depois de Henry ir pra casa, iria para Boston buscar suas roupas e o necessário para se mudar, já que não tinha nada aqui. 


- Madagascar! - Henry falava. 


- Diário da Princesa! - Mary contrariava. Enquanto a loira, sorria vitoriosa colocando Caminhos da Floresta. Fazendo um barulho com a garganta, chama a atenção dos dois. 


- Que filme é esse? - Henry pergunta curioso. "Caminhos da Floresta" É legal? - o menino senta na cama do lado da loira interessado. 

- Do que se trata? - Mary pergunta. - Queria filme de princesas... 

- E eu de procuras... - Henry rebate. 

- É de princesa, mas também de procuras. Olha só. - a loira solta o Play e todos ficam atentos na TV, logo os atores começam a cantar uma música alegre, fazendo-os rir. - Todos procuram seus "pertences" dentro de uma floresta. - Emma dá uma pequena Sinopse, deixando o filme rolar. 


Por entre risadas e muita cantoria, foi o tempo que tinham assistindo. A vida de Emma estava começando a seguir os trilhos. Tinha uma pequena família, ela e Henry. Por mais que parecesse estranho, considerava Mary também, era uma grande amiga, não havia palavras para agradecer sua ajuda. Mas Ainda havia um erro, não tinha o direito de Henry e ainda tinha Regina, isso ela queria resolver, se não fosse isso, tudo seria perfeito. Como o filme tinha longa duração, acabaram por assistir metade, pois metade do tempo gastaram arrumando o quarto da loira. Depois de muito se divertir aquela tarde, Henry se sentiria mais leve, inclusive tentaria se aproximar de Regina, mesmo a contragosto, faria porque precisava. Emma e Henry saíram de casa, deixando Mary assistindo. O caminho inteiro foram cantando as músicas do filme, Henry abraçou um dos braços de Emma e os dois foram saltitantes até a casa da prefeita. 


- " Into the street to my mother's house." - Henry cantava sorridente. 


- " Into the street to your mother's house." - Emma o acompanhava sorrindo igualmente. 


- "The way is clear, the light is good. I have no fear nor no one should. The woods are just trees, the trees are just wood. No need to be afraid there... My mother maybe coming here." - Henry completa, rindo com o improviso dos dois. Eram quase 17h00, e já estavam na casa da Prefeita. 


- Obrigada pela tarde, Emma. Eu gostei muito! - diz o garoto segurando uma das mais da loira. 

- Eu também, garoto. Sua mãe tem que sair mais vezes. - cochicha para Henry, o fazendo rir e concordar. 


- Depois disso a ideia das reuniões não são ruins assim né? - o menino estava adorando ter espaço com sua "mãe". Não se sentia mal por ela tê-lo deixado, sabe que foi por querer o melhor pra ele. 


- Vai garoto, antes que sua mãe me veja aqui. - o menino sorri e vai andando até o portão da casa, quando a loira se preparava para entrar no carro sente dois braços envolta de sua barriga. - Até amanhã, mãe. 

No mesmo momento, os olhos da loira encheram de água, não esperava por isso. - Até, Garoto... - lhe da um beijo na testa e o observa correr casa adentro, logo arrancando o carro dali, indo pra casa. 

~°~

- Eu tenho que ir, Henry me aguarda as 17h00. Nos vemos outra hora. Em outra reunião. - se vestia na frente de um espelho. - Não se esqueça, seus sapatos estão embaixo da cama. 

~°~

Ao chegar em casa, Emma ajuda Mary na janta enquanto conversava com a moça. Criaram um laço que agora seria impossível desatar. As duas confiavam uma na outra, o que era muito bom, mas mesmo assim a loira tinha medo, medo de se aproximar e sofrer com o que perder. Mas não pensaria nisso agora, tinha sua amiga e seu filho. Não precisava de mais nada. Por hora. O som estridente de seu celular a fez despertar de sua animada conversa com Mary. Era Graham. 


- Swan? Pronta para amanhã? - falava no telefone enquanto secava os medianos cabelos castanhos na toalha. 


- Sim, Xerife. Que horas devo ir? - Mary só observava enquanto a loira se distraia. 


- Às 08hrs, pode ser? - vestia sua calça e camisa, estava ansioso pelo primeiro dia da loira. 


- Pode. Nos vemos amanhã. - a loira desliga sem dar tempo do rapaz responder. Do outro lado da ligação recém acabada, Graham arrumava seu cabelo e barba por fazer na frente do espelho. Pensava o porque de estar fazendo o que faz, refletindo se era uma pessoa ruim por não sentir. Determinado em acabar com tudo aquilo, se abaixa e pega seus sapatos em baixo na cama, os calçando e indo direto pra casa. 

~°~

Aproximadamente dois minutos depois de Emma sair da frente da casa da Prefeita, a mesma chega, assustando Henry que estava sentado na escada e segurava um dos livros que ganhou de Mary na mão. Pego de surpresa, o garoto se levanta com suas coisas na mão e sobe correndo escada acima, deixando um sapato cair sem querer. Entra em seu quarto e guarda duas coisas embaixo da cama, já escutando sua Regina lhe chamar. 


- Henry? - o menino pega um livro de casa que já havia lido e deita em sua cama, tirando o sapato que sobrou. - Henry! - Regina gritava o nome do menino, imaginando que ele havia saído. 


- Não acredito! - já estava se preparando para dar um castigo no garoto - Você não pode... - a voz da mulher ficava cada vez mais perto. Abrindo a porta e vendo o menino deitado na cama lendo, a morena desiste da bronca. - Deixar seu sapato jogado na escada... - o menino a olha tentando esconder o nervosismo, sorrindo. 


- Alguém pode cair e se machucar. - Regina solta o sapato do menino no chão e se retira do quarto, deixando-o respirar aliviado.


 

"Ufaa!"


Notas Finais


Emma e Henry são muito fofos, o que vocês estão achando até agora? 😊
Se tiverem alguma sugestão sobre algum relacionamento, ou teorias sobre a família de Emma, deixo nas mãos de vocês 😉
Até o próximo capítulos nenês❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...