1. Spirit Fanfics >
  2. Cloud 9 >
  3. Oscilação

História Cloud 9 - Capítulo 7


Escrita por: mienope

Notas do Autor


Boa tarde, denguinhos! Como vocês estão?
Estou postando esse capítulo para trazer algumas informações IMPORTANTISSIMAS, então peço que leiam as notas finais com muita atenção, por favor! Esse capítulo também não está betado, mas assim que a betagem for finalizada eu atualizo o capítulo com o oficial.
Quero agradecer também pelos comentários dos capítulos anteriores, eles são minha maior força! Vocês não tem ideia da minha tamanha gratidão, amo vocês! <3333333

Boa leitura!

Capítulo 7 - Oscilação


Como combinado, aos sábados Chanyeol não participaria de nenhum ensaio. Por mais que a turnê estivesse na reta final, o comprometimento dos membros em continuar os ensaios era verdadeiro; cerca de duas vezes na semana, sem exceções, os membros se reuniam em algum estúdio próximo ao hotel que se hospedavam e então começavam a repassar as notas e melhorar alguns arranjos nas músicas escolhidas para uma apresentação mais sofisticada. Entretanto, Chanyeol não aparecia nem ao menos para dar um oi.

No começo, para os membros da Cloud 9, foi um pouco difícil de se acostumar com a ausência do Park nos dias sagrados de treino, já que estavam acostumados com o ritmo puxado e todos se esforçando ao máximo para obter resultados ainda melhores. Porém, assim como o tempo foi passando, todos passaram a entender que era uma questão pessoal de Chanyeol e que, pra ser sincero, o substituto não precisava se esforçar tanto já que por si só ele era bom demais; é claro, se o Park comparasse em todos os ensaios seria excelente, mas também não podiam reclamar da qualidade do rapaz, que por sinal tinha de sobra.

O mais estranho nesta situação é que Baekhyun também aparentava não querer ensaiar naquele final de semana em questão. Pela terceira vez no dia Sehun precisava bater a baqueta três vezes uma na outra para ditar o início do ensaio e então recomeçar novamente; Baekhyun estava tão aéreo que facilmente errava a letra, entrava em um tom diferente, perdia o tempo para entrar ou simplesmente não fazia nada. Estava totalmente perdido em seus próprios devaneios e, pela primeira vez desde a estreia da banda, sendo o motivo do ensaio não fluir como deveria — algo que,  particularmente, nunca aceitou vindo dos outros membros e agora estava indo contra seu próprio julgamento —; Baekhyun atrapalhava tudo com sua falta de concentração.

Mas para isso estar acontecendo, evidentemente tinha um motivo plausível. Era uma tarefa extremamente difícil não se levar pelas lembranças da noite a qual passou na companhia do ex-namorado quando os toques e apertos de Chanyeol ainda estavam bem vivas em sua carne, seu corpo respondia como se estivesse prestes a entrar em combustão e o resultado era Baekhyun não conseguir se segurar, não ter o foco necessário nas suas responsabilidades a serem realizadas.

E não somente isso. Por mais que esse fosse o lado bom das justificativas de Baekhyun para estar tão distraído, naquela manhã em questão o líder da banda acordou se sentindo debilitado quanto a sua saúde; era como se estivesse carregando um fardo pesado em seus ombros e que o impossibilitava de ser pró-ativo, o mal estar era constante e vez ou outra sofria com fortes dores de cabeça.

Baekhyun não estava bem, dava para notar, sendo assim não adiantava querer forçar o ensaio porque, de fato, ele não iria acontecer.

— Foi mal galera, não "tô" conseguindo me concentrar direito. Minha cabeça tá cheia e não estou me sentindo muito bem, também tô com dor de cabeça fodida… Acho que estou com um mal-estar. — Baekhyun coçou a nuca totalmente sem graça, odiava quando qualquer assunto da banda não dava certo por sua causa. Se sentia um líder impotente e um péssimo exemplo. Detestava a sensação de estar mostrando, mais uma vez, seu lado de fraqueza para os membros da banda.

Sabia que podia contar com eles, ah como sabia. No entanto, em seus momentos de fraqueza, não queria mais envolver seus membros e deixá-los preocupados, foi um trato que fez consigo mesmo da última vez que se sentiu debilitado. Para qualquer integrante da Cloud 9, Baekhyun estar com uma simples gripe já era motivo para alarde e, sinceramente, o Byun não gostava nada daquilo.

Por isso, tentou se fazer de durão e soar um pouco mais convincente: — Vocês querem começar de novo?

E ainda que quisesse que uma resposta positiva viesse ao seu encontro, ninguém parecia apto o bastante para continuar jogando aquele jogo cheio de game over de Baekhyun. Talvez, possivelmente ele não quisesse reconhecer os próprios limites, todavia os demais nunca extrapolavam.

— Acho que podemos deixar pra outro dia. — Sehun comentou, cauteloso para não irritar o líder mas cansado pelas tentativas sem sucesso. — Já estamos nos shows finais mesmo, não tem problema. Ensaiamos o bastante já.

— Também acho. — Jongdae se espreguiçou enquanto falava e, acidentalmente — ou não —, gemia em satisfação pelo corpo desatando os nós nos nervos. — Vou jogar mais uma partida de Lol então. — Evidenciou o que iria fazer a seguir com bastante gosto, como se a boca estivesse cheia igual quando um felino vê sua presa.

— Você e seus joguinhos. — Jongin reclamou revirando os olhos, não entendia qual a graça que Jongdae via em League Of Legends e achava patético a forma que Jongdae parecia endeusar aqueles jogos tão banais em sua humilde — e um pouco inconveniente, na opinião do tecladista — opinião.

— Foi mal mesmo, gente.

Baekhyun estava chateado por ter sido a razão do cancelamento do ensaio, já que suas reais convicções o faziam querer continuar treinando e treinando, cada vez mais. Porém, no fundo do estúdio, Yixing, que até então estava quieto e apenas observando os amigos tocarem, pressentiu que algo estava errado. Não era possível que apenas aquilo estivesse afligindo Baekhyun, já que pela lógica o Byun deveria estar puto e xingando tudo o que visse pela frente ao invés de se portar de maneira tão amuada. Nem de longe aquilo se tratava apenas de um mal-estar.

Não disse nada no momento, porém procuraria Baekhyun para saber e entender o que estava se passando.

— Que bom então que não teremos ensaio, vou aproveitar para sair. — A voz de Jongin fez com que todos voltassem a atenção para ele, findando então o clima estranho que pairou sobre o estúdio. Bastou aquelas palavrinhas para que piadas nada indiscretas surgissem, por um instante fazendo o Kim se arrepender amargamente por ter falado.

— Por acaso vai se encontrar com o Kyungsoo, Jongin? — Jongdae provocou, ultimamente Jongin estava dando tanta atenção para o melhor amigo de Chanyeol que chegava a ser suspeito demais.

Isso porque, em outros casos, se realmente não estivesse interessado, nem se importaria de dar tanta atenção assim; no máximo tiraria uma foto, faria uma call e vida que segue — Jongin não costumava a envolver sua vida pessoal com trabalho, ele separava totalmente os dois lados e, até onde se sabe, Kyungsoo era um grande fã da Cloud 9 e tinha como preferido o próprio Jongin.

Talvez. — Ele sorriu de uma maneira que já evidenciava a resposta real.

— Ainda não entendi todo esse grude com o novato. — Baekhyun fez uma careta desgostosa, ainda se sentia estranho em relação ao Do por sua primeira impressão que teve dele. Mesmo sabendo que ele era apenas o melhor amigo do ex-namorado, ainda era estranho encará-lo como se não fosse uma ameaça. Mesmo não devendo sentir ciúmes do Park, quando envolvia Kyungsoo parecia algo tremendamente impossível.

— Prefere que eu saia com a Taeyeon? — Jongin arqueou a sobrancelha. — Eu posso muito bem mandar uma mensagem pra ela e…

— Faça isso e amanhã você acorda sem suas bolas. — Baekhyun foi ríspido, mas a resposta fez o mais alto dar risada e levantar as mãos em sinal de redenção.

Após a pequena provocação de Jongin, aos poucos os membros foram deixando o estúdio. A primeira coisa que fizeram foi guardar os instrumentos em suas respectivas bags e organizaram-os para ter um espaço considerável, e ainda fizeram uma limpeza por cima no estúdio para finalizar o expediente. Cada um estaria ocupado com seus próprios deveres e logo a sala estava vazia.

Somente Baekhyun e Yixing ficaram para acertar alguns pontos de pagamento — já que o manager precisava dar uma saída rápida para algum lugar. Já fazia alguns dias que o chinês não estava tão enturmado na banda por conta do machucado em seu braço, por segurança nem sempre o manager o deixava participar das apresentações do show — ainda que fosse passar a apresentação sentado — e, de certa forma, privou-o de várias coisas; dava para perceber que ele sentia falta, Baekhyun até entendia o lado da direção da empresa não querer expor o guitarrista nos palcos, mas predominantemente achava a situação encarada de forma extrema demais, já que se tratava apenas de um braço quebrado e não uma doença em seu estágio final.

Contudo, por tudo o que vinha acontecendo desde a estreia da banda e por todas as situações difíceis que precisaram enfrentar no sigilo, no fundo os membros eram gratos por terem contrato com uma gravadora de boa gestão, que se preocupava com a saúde de seus funcionários e que levava a palavra família como termo sagrado. Baekhyun se lembrava que foi através de um amigo — que conheceu através de seu pai — que conseguiu o contrato na KKB Entertainment, ele se chamava Junmyeon e atualmente era um dos atores mais famosos do país — e sobrinho do CEO. Ele já chegou a participar vez ou outra de alguns MV's da banda e era um grande amigo de todos.

Deixando o assunto para outra hora, Baekhyun se aproximou do chinês para bater um papo e ver como ele se sentia. Devia ser chato não poder fazer o que tanto amava e Baekhyun até chegou a pensar se Yixing não se sentia impotente por isso.

— Está tudo bem? — perguntou ao chinês, sorrindo para que ele se sentisse confortável o bastante para poderem conversar.

— Comigo sim. Quer dizer, meu braço fica coçando às vezes e é bem ruim, dá vontade de gritar. — Yixing sorriu de volta, Baekhyun nunca se acostumou com aquela covinha do chinês e talvez nem iria. Era muito fofa. — Provavelmente nessa semana irei ao hospital para o médico avaliar, talvez eu até tire o gesso e possa voltar às atividades normalmente.

— Fico feliz em saber disso, Xing. — O líder acabou bagunçados os fios de cabelo do chinês, aproveitando que ele não poderia fazer muito para tentar se defender. — Mas eu estava perguntando sobre você e a banda, sabe? Se essa distância está te fazendo bem ou não.

— Ah… — A animação de Yixing foi morrendo aos poucos, algo que preocupou Baekhyun. — Eu estou lidando bem. Chanyeol tem desenvolvido um bom papel me substituindo, ele toca muito bem e os comentários na internet sobre ele são ótimos. Fico feliz que tenha escolhido a opção perfeita para me cobrir na banda.

— Isso não é sobre o Chanyeol, Yixing. Isso é sobre você. Não quero saber o que acha de Chanyeol e você muito menos precisa elogiá-lo por ele ser meu ex-namorado, pelo contrário, se tem algo que está te incomodando é só me dizer.

Baekhyun sabia que algo não estava de acordo quando Yixing aparentemente queria dar rodeios em suas respostas, normalmente ele era um dos, se não o mais objetivo do grupo. Isso, em todo caso, preocupava Byun já que sabe-se lá o que poderia estar passando na mente de Yixing, e o líder não iria permitir que nada o deixasse com pensamentos depreciativos justamente pelo chinês ser um membro muito carinhoso com todos.

Yixing é o tipo de pessoa que todos querem por perto, que sempre está sorrindo para todos e que dificilmente você o vê em um momento de tristeza. Sempre foi conhecido por ser a ponte de comunicação entre todos os membros, além de que facilmente poderia ser atribuído a si o título de aconselhador da Cloud 9. Não tinha inimizades e ninguém, exatamente ninguém era capaz de odiá-lo.

Por conta de tantas qualidades, Baekhyun tinha certo receio de que um momento como aquele a fragilidade do guitarrista começasse a atrapalhá-lo.

— Eu… só tenho receio de que ele seja tão melhor assim e que fique no meu lugar. — confessou o chinês em um tom de sussurro. Baekhyun sorriu, por fim entendendo os medos que tiravam o sossego do amigo. O engraçado é que, uma conversa que era pra ser Yixing dando um ombro amigo ao Byun, tornou-se em um diálogo onde o próprio chinês estava sendo amparado. — Chanyeol é um cara legal, gosto muito dele, mas não consigo não me sentir ameaçado por ele, saca?

— Yixing, não seja besta. — Baekhyun riu e puxou o amigo para um abraço delicado. — Você nunca vai ser substituído. O lugar de guitarrista na Cloud 9 é apenas seu e de mais ninguém. Eu nunca abriria mão de você numa formação que desde o começo esteve junto, não se preocupe com isso.

— Parece meio idiota o que disse, né? Mas, sei lá, às vezes me bate essa insegurança.

Yixing retribuiu o abraço, um pouco sem jeito, sentindo as bochechas queimarem pela vergonha de uma confissão com aquela. Não entendia porque se sentia tão vulnerável e descartável para os membros da banda, todavia não conseguia evitar sentir-se dessa forma quando os via se divertindo com alguma brincadeira de Chanyeol.

Cloud 9 era sua vida, sem exageros. Era a realização de um sonho pessoal, que desde de muito novinho foi semeado por seu avô, que nos dias atuais já não estava mais presente em vida. Yixing se esforçava ao máximo justamente por isso, para orgulhar o avô de onde quer que ele estivesse o olhando. Ser trocado pela C9 era como viver o pior pesadelo possível.

— Chanyeol nunca vai ser uma preocupação pra você. — Baekhyun disse calmo e decidido, transparecendo um nível de certeza tão grande que era até suspeito sua postura. — Principalmente agora. Acabando o último show, Park Chanyeol voltará para a vida anônima dele e nós seguiremos tendo um sucesso atrás do outro como sempre foi, entendido?

— Aconteceu alguma coisa? — Yixing foi cauteloso e manso na hora de perguntar.

— Nada que não fosse preciso. — O líder respondeu antes de se afastar de Yixing para virar o corredor a esquerda. — Chanyeol ficou no passado, onde é o lugar dele.

E, após dizer isso, Baekhyun simplesmente foi embora, deixando para trás o guitarrista que, até então, nem imaginava o que tinha acontecido entre ele e o ex-namorado.

Baekhyun, aliás, mudou totalmente o seu comportamento após falar de Chanyeol. Se outrora reclamava de dores no corpo, bastou tocar no assunto de Chanyeol para que ele se transformasse, era quase como se ali houvesse um episódio de teletransporte e então um novo Baekhyun tomou conta do recado. Que Byun era uma pessoa forte isso todos sabiam, mas que ele tinha a capacidade de virar um outro alguém dependendo do assunto era algo novo; Yixing se perguntava por qual motivo o Byun falava tão convicto de que Chanyeol voltaria para a vida de anonimato que levava antes, ele não acompanhava as redes sociais? Certamente não, porque porra, os comentários que mais surgiram desde que ele colocou os pés em um palco foi sobre o quão bom ele é e até então já tinham sido criadas várias fanbases para o tão falado Loey.

Algo estava errado, porém não iria se esforçar tanto assim para descobrir, em breve logo descobriria. Sua intuição o alertava sobre isso e dificilmente ela falhava. Com menos preocupações agora, Yixing seguiu seu caminho para o corredor a direita, ainda tinha algo a planejar e uma surpresa para fazer a um grande amigo.

 

[...]

 

Os fones de ouvido foram colocados assim que o "chamando" apareceu na tela de seu celular. Chanyeol estava um pouco ansioso, já fazia um tempo que não via sua mãe e esperava que ela atendesse logo, queria matar a saudades o quanto antes e a dar um abraço apertado, todavia como no momento não era possível, iria se conter com apenas uma ligação.

Nunca ficou tanto tempo longe da mais velha, normalmente saía para dormir na casa de Kyungsoo e logo estava de volta. Também não era de sair muito de casa, então sua mãe nunca teve muitas dores de cabeça por conta do horário que chegava de madrugada — até porque era uma vez a cada vinte que isso acontecia e quando ocorria sua genitora era devidamente avisada —. No entanto, desde que recebeu o pedido de socorro de Baekhyun e a turnê teve seu início, as coisas ficaram um pouco diferentes do que o normal: Chanyeol estava longe, há quilômetros de distância de sua casa e sem previsão exata de volta, já que a empresa já havia dado um parecer de que, possivelmente, após a turnê eles ainda teriam que passar por algumas entrevistas, programas de variedades, fazer uma visita na rádio e assim por diante.

Portanto, não tinha tempo certo para voltar para casa.

O mais engraçado de tudo isso é que quando lembrava desse pequeno detalhe sentia muita vontade de rir, há alguns dias que selou um acordo com Baekhyun de se manter o mais longe possível e que só falariam de trabalho, porém o destino não parecia concordar com aquilo e tentava de todas as formas fazer com que aquele acordo fosse findado. É claro, Chanyeol fez tudo a contragosto, apesar de ser o responsável pela ideia; no entanto, é como sempre dizem por aí, quando você está nervoso com algo ou irritado o bastante com uma determinada situação você acaba falando o que não deve e, depois disso, tem que ter culhão o bastante para sustentar seus dizeres e aguentar as consequências.

Não que Chanyeol não o tivesse, muito pelo contrário, ele tinha. Chanyeol não costumava quebrar suas promessas por questão de honra, sua avó lhe ensinou que promessas são dívidas e dívidas precisam ser pagas. A questão é que ele simplesmente não queria lidar com elas, e Baekhyun era a única pessoa no mundo — além de sua mãe — que conseguiria fazer Chanyeol mudar de ideia.

E ainda que não fosse algo que o Byun queira, bastava ele dizer um "a" numa entonação diferente para que Chanyeol mandasse o acordo para puta que pariu e voltasse a beijar aquela boca com sabor de cereja.

— Oi, meu filho! — O sorriso de sua mãe estava tão radiante do outro lado da tela que foi impossível não acompanhá-la no sorriso. Costumavam dizer que Chanyeol era a cara de sua mãe e ele sempre levou isso como ser detentor de uma sorte enorme. — Que saudades que estou de você.

— Oi, mãe. A senhora está tão bonita hoje. — Chanyeol fez o elogio, o sorriso da mais velha aumentou. — Posso saber a causa disso tudo?

Preciso de um motivo especial para ficar bonita?

— A senhora sempre foi. Está mais jovem do que o normal, aliás, facilmente iam pensar que você é minha irmã mais velha.

Não era uma mentira, de fato. Como foi mãe muito nova, facilmente poderia se passar como irmã de Chanyeol.

Não seja puxa saco, garoto. Não foi assim que te eduquei. — Ela logo advertiu, simulando com as mãos um movimento imitando palmadas. — Vou sair com algumas amigas para um barzinho da terceira idade, quem sabe não encontro um novo marido.

— A senhora é exagerada demais. — Chanyeol riu. Sua mãe ainda estava muito longe de chegar na terceira idade e encontrar um marido? Era muito improvável.

Desde que Chanyeol se entende por gente, se dissesse que viu sua mãe sair com mais de quatro homens durante todo o seu crescimento com certeza foi muito; ela já havia conquistado a própria independência, se podemos nomear assim, não costumava a se ver dependente de um companheiro e não encarava a "solidão" como algo ruim, ela até gostava pra falar a verdade. E em seus momentos de carência, se ocupava com algo que fosse interessante o bastante.

Apesar de tudo, Park Yoon era uma mulher feliz. Tendo o seu filho, seu maior tesouro, saudável e feliz como sempre quis, já lhe bastava de forma inexplicável. Ela vivia pela vida de Chanyeol.

Além disso, Yoon também sempre foi muito esperta. Conseguia ler e entender Chanyeol apenas com o olhar, até brincava dizendo que Deus a abençoou com um dom maravilhoso, pois nada passa batido por aqueles olhos atentos. Chanyeol podia se esforçar o quanto fosse para se esconder mas sabia que era em vão, que de nada adiantaria. Pensava que era algo de mãe mesmo e até já se viu orando pra qualquer ser divino que pudesse ter um sexto sentido como o de sua genitora.

O guitarrista suspirou, um pouco cabisbaixo, diferente da áurea que carregava há alguns instantes e olhou ao redor do lugar onde estava, tentando tomar coragem o suficiente para conversar com sua mãe a respeito do trato selado com Baekhyun. Queria um conselho, saber se fez o certo, saber se foi inconveniente… Queria um ombro amigo, um colo, e o de sua mãe sempre seria o seu lugar preferido no mundo.

Chanyeol estava em um parque, as árvores estavam carregadas de flores e frutos bonitos, algumas crianças brincavam com seus animais de estimação pelas redondezas do banco onde estava sentado, pessoas caminhavam em meio a sorrisos, como se não tivessem problemas para lidar no dia a dia e mais a frente estava um pequeno rio, que dividia todo o território do parque. Se levantou do banco e foi andando até o parapeito da pequena ponte que dava acesso ao outro lado.

O que o Baekhyun fez?

A voz da mais velha falando o nome do ex-namorado foi um tiro certeiro no alvo, deixando Chanyeol estático por alguns longos segundos. Ele não tinha a menor noção de como ela previu que o que tirava seu sono era justamente o Byun, mas era de se arrepiar quando Yoon mostrava que sempre estaria em seus palpites.

— Ele não fez nada. — Engoliu em seco. — Fui eu quem fiz.

O olhar de sua mãe continuava imparcial, deixando a entender que ela ouviria todas as aflições do filho antes de o dizer qualquer coisa.

— Eu acho que assinei a minha própria sentença, mãe.

Chanyeol disse tudo o que aconteceu desde que os shows iniciaram. Disse sobre seus pressentimentos de que algo não estava batendo na história do término dos dois, disse às vezes que esteve perto até demais de Baekhyun, de quando quase o beijou, da vez em que se encontrou com Taeyeon e a forma com o que ela disse lhe deixou com uma pulga atrás da orelha… Falou até que teve seu momento com Baekhyun depois de tanto tempo.

O guitarrista fez um desabafo tão enorme que sentia-se como o garoto chorão do ensino fundamental um, estava expondo para sua mãe incertezas, medos e receios tão pessoais que era até um pouco constrangedor, mesmo ela sendo sua maior confidente desde sempre. Tudo na cabeça do Park estava uma tremenda bagunça e sua mãe era a única apta a lhe ajudar a colocar cada pecinha no lugar; aquela mulher era sábia demais para deixar qualquer pergunta sem uma resposta.

A pontinha do nariz do Park já estava vermelha, demonstrando o quão mal lhe fazia aquele turbilhão de sentimentos embaralhados um no outro. Yoon  imediatamente quis abraçar o filho, contudo sentia em si que aquilo também tinha uma parcela de culpa sua; talvez se tivesse se atentado um pouco mais, se tivesse aconselhado mais ou pelo menos amparado o filho quando ele precisava mais que tudo saber a verdade, Chanyeol não estaria naquele estado.

Como mãe, falhou. Mas como protetora, agiu do modo correto.

Era especificamente esse ponto que Yoon e Baekhyun tinham em comum. A questão de pensar no melhor pro outro, ainda que as consequências dessa proteção não pudessem ser calculadas de maneira antecipada. Mesmo não querendo admitir e querendo forçar-se a ter algum rancor de Baekhyun por tudo de mal que proporcionou a Chanyeol na época do fim do relacionamento, teria que sentir-se assim consigo mesma.

Se porventura odiasse Baekhyun, teria que conviver com o peso do próprio ódio também.

Ninguém é perfeito, Chanyeol. Nós nunca vamos viver uma vida de só acertos, em algum momento vamos ser falhos. — Yoon podia dizer aquilo sobre si mesma, mas o autoaprendizado ficaria para depois. Era importante e prioritário acalmar seu filho, os demais detalhes podiam ser tratados posteriormente. — Não pressione as coisas e muito menos as pessoas. Há tempo para tudo nesse mundo, isso é fato, é como sua avó sempre lhe diz: dê tempo ao tempo, ele é o melhor remédio. Dois corações machucados, quando em contato, não vão se curar se a mente também não se dispor a entrar em harmonia.

— O que eu devo fazer, mãe? Eu não quero perdê-lo de novo.

Para perder Baekhyun novamente, primeiro você precisa voltar a tê-lo. Só que, de maneira impensada, você só o fez voar para mais longe. — A senhora Park suspirou, era uma verdade que precisava ser dita e que talvez Chanyeol não quisesse escutar.

— E o que eu podia dizer? O que precisava fazer? Como tinha que agir? Eu estava cansado de sempre ser tratado na defensiva, como um detalhe que precisava continuar no escuro!

Mas se você queria ser um detalhe visível, por qual razão transformou a circunstância em um grande erro? — A pergunta foi certeira para Chanyeol se calar. Parando para avaliar a cena daquela noite, onde estava com a cabeça quando julgou que se afastar de Baekhyun seria a melhor das saídas? Era contraditório até mesmo com o que sua mãe e avó lhe ensinaram durante toda sua vida. Se desde o começo, quando ainda era muito novinho, aprendeu a ser paciente, respeitoso, ter resiliência e não desistir nunca, por que se atreveu a abrir mão de sua certeza?

Podia passar-se anos e mais anos, Chanyeol continuaria amando Baekhyun incondicionalmente. Essa era uma de suas poucas certezas da vida e ele a deixou se tornar em uma possível dúvida. Agora, repensando em suas atitudes, Park Chanyeol não conseguia entender como pôde se deixar fraquejar tanto e ao menos se esforçar como era devido para voltar a ter Baekhyun para si.

Como Baekhyun mesmo havia dito, Chanyeol era a única pessoa generosa possível que perdoaria e ajudaria até seu pior inimigo. Por um tempo Baekhyun foi inimigo de seu coração, porém, o amor que sentia sempre se sobressaiu dentre todos aqueles contextos.

Meu amor, você é muito novo ainda, e infelizmente agiu de uma maneira impulsiva. Agora, é necessário esperar a maré de consequências abaixar e torcer para que ela não seja um conjunto de reações incontroláveis.  — Houve um suspiro da parte da mãe de Chanyeol. Pelos céus… O que Chanyeol foi arrumar pra cabeça? Ele parecia estar tão desesperado que sequer estava raciocinando como deveria. Sempre ponderou se era uma boa ideia ou não permitir que o filho aceitasse a proposta feita pelo ex-namorado, todavia Chanyeol já era adulto e não podia o proteger como se fosse uma criança. O Park tinha que ser responsável e, de certo modo, respondia por si só, cabendo a Yoon apenas aconselhá-lo. Será que não o aconselhou como deveria? Se importava, é claro, Chanyeol nunca deixaria de ser o seu bebê e Yoon nunca deixaria de ser uma mãe urso. — Não fique pensando nesse assunto, está bem? Por hoje, apenas distraia a mente. Faça como eu, chame alguém da banda e saia para dar uma volta, deixe tudo se resolver como tem que ser, como te disse, o tempo te dará respostas.

E Chanyeol resolveu seguir aquilo, sua mãe tinha razão. Não dava para voltar ao passado e mudar o rumo de sua história com Baekhyun e talvez nem fosse o ideal, se caso pudesse. Chanyeol estava perdido, com um sentimento de angústia dentro de si, todavia, iria passar. Algum dia, mas iria. E só o tempo poderia lhe dar a resposta que almejava, não pressionaria mais. Errou uma vez, não precisava cometer o mesmo pela segunda.

Ambos os Park se despediram, salientando o quanto se amavam e estavam com saudades. Chanyeol precisava liberar sua mãe para sair com as amigas, vê-la tão feliz já era um efeito anestésico enorme e momentaneamente o fazia se esquecer da imagem de Baekhyun. Não ignorando os conselhos da mãe, a primeira coisa que o guitarrista substituto fez ao desligar a chamada foi entrar em seu aplicativo de mensagens e procurar o nome de Jongdae, talvez não caísse mal jogar algumas partidas de League Of Legends com o rapaz tatuado.

Tentando frisar isso em sua mente de uma vez por todas, precisava dar tempo ao tempo.

 

[...]

 

Algo estava errado em Baekhyun.

Ele sentia uma indisposição absurda naquela noite repleta de boa energia advindo dos fãs, o que era totalmente estranho. Além disso, seu corpo clamava por socorro, mesmo que sua boca não dissesse nada a respeito. O peitoral de Baekhyun evidenciava uma respiração pesada e ele sequer havia corrido tanto em comparação aos demais membros, que corriam animadamente pelos corredores que interligava o palco aos fãs, brincando com todos e recebendo diversos presentes; na verdade, se ele tivesse corrido por dez metros era muito. O líder estava com uma forte enxaqueca e ela parecia piorar a cada vez que as batidas das músicas soavam mais altas pelas caixas de som espalhadas no estádio onde faziam o show, era algo tão forte que, de certo modo, causava até tonturas em Baekhyun.

Maldito dia que resolveu não se alimentar direito.

O líder da banda não comeu praticamente nada o dia inteiro: sua única refeição foi um lanche natural pela metade no horário do almoço e um copo pequeno de suco de melancia, após isso, limitou-se a chicletes e água. Ele não estava sendo nada saudável, isso era claro, e obviamente sua alimentação só ficou dessa forma porque não estava perto dos outros membros da Cloud 9, se eles o vissem sendo descuidado de tal forma, certamente o levariam para o hospital e isso não era preciso. Não queria dar trabalho para os amigos de novo.

Desde o dia de sua despedida com Chanyeol, o clima ficou estranho em todos os sentidos. Os ensaios eram silenciosos, não tinham a mesma energia caótica de antes, e Baekhyun ao menos se atrevia a olhar os outros nos olhos; sempre com a cabeça baixa, olhar distante, pensamentos na lua… ser Baekhyun consistia viver em uma dimensão com corpo presente em outra. Era, no mínimo, incomum ver alguém tão rigoroso nos ensaios, que sempre busca o auge da perfeição ao que se refere a banda, se contentar com qualquer resultado obtido; Baekhyun já não ligava mais se o som do baixo de Jongin estava baixo demais, se Jongdae perdia o compasso da bateria de Sehun e acabava tocando uma tecla errada em seu teclado. Não ligava se Chanyeol fazia um solo por conta própria ou se não se esforçava para entregar algo tão excelente quanto Yixing.

Baekhyun não estava ligando para mais nada.

Era como se sua alma tivesse se esvaído de seu corpo e ali jaz apenas sua carcaça. Baekhyun nunca pensaria que o ponto final de uma história incompleta e mal contada acabasse o sugando daquela forma; quando aceitou a condição de Chanyeol, imaginou que seus problemas poderiam enfim ser enterrados a sete palmos abaixo da terra, no entanto todos os efeitos foram contrários aos desejos de sua mente. O corpo de Baekhyun implorava para que a situação, de alguma forma, fosse revertida. Ele sentia a necessidade em ter Chanyeol por perto e os reflexos da ausência de Park eram o estado debilitado que se encontrava. Mas, o que estava acontecendo consigo naquela noite, só podia ser uma consequência da má alimentação. Baekhyun estava fraco, provavelmente sofrendo uma queda de pressão, todavia nada com o que tivessem que se preocupar.

Definitivamente, era uma mentira.

Do outro lado do palco, Yixing prestava atenção em cada movimento que Baekhyun fazia. Ainda que estivesse andando ao lado dos outros colegas, sua visão não desgrudava de Baekhyun nem por um segundo. Desde o início da tarde, quando eles começaram a se arrumar e algumas orientações foram repassadas pelos staffs, ele notou que Baekhyun tinha um tom de palidez alarmante. Os demais integrantes da Cloud 9 podiam até terem acreditado no que o líder da banda alegou, uma palidez pelo calor excessivo que fazia, contudo Yixing não sentiu verdade em tais palavras.

Após o episódio em que Baekhyun disse que Chanyeol não seria uma preocupação, Yixing começou, em silêncio, a observar e interpretar a postura de ambos quando estavam juntos em um mesmo lugar, o jeito que falavam, o modo de agir… Tudo ficou exatamente diferente do que costumava a ser outrora. Das duas, uma: ou eles tinham brigado feio e não chegou ao conhecimento de mais ninguém ou algo consideravelmente "proibido" aconteceu e o afastamento veio como uma tentativa de que nada fosse exposto.

Yixing aprendeu que quando se tratava de Baekhyun e Chanyeol, várias hipóteses podiam ser colocadas sobre a mesa. Ambos eram como o oposto um do outro, porém sendo como duas esferas que se conectam de uma forma perfeita. Pareciam pré-moldados e talvez fosse exatamente esse ponto que os tornavam difíceis de se entender.

O chinês olhou para Baekhyun e se afastou de Sehun, andando lentamente para perto do líder enquanto acenava para alguns fãs. O Byun agachou-se no chão, colocando a cabeça entre seus braços, e lá permaneceu por alguns segundos; nesse exato momento Yixing pressentiu que algo de ruim estava prestes a acontecer, então logo apertou o passo, chegando a ignorar — mesmo que sem querer — algumas garotas que tentavam chamar sua atenção.

— Você está bem? — O chinês se agachou ao lado do líder, colocando sua mão direita sobre as costas estranhamente suadas. — Parece meio fraco, não quer se sentar?

— Estou, Lay. — Baekhyun o respondeu após se manter em silêncio por alguns segundos. A demora em responder apenas evidenciava que as suposições de Yixing estavam certas. Contudo, antes que o chinês pudesse argumentar qualquer outra coisa, Byun se levantou e sorriu fraco, passando a costa da mão por sua testa. — E não quero.

— Baek…

— O show precisa continuar. — Foi tudo o que disse antes de se pôr a andar há alguns passos.

No entanto, o que era pra ser a continuidade de um show incrível, transformou-se em uma noite repleta de preocupação e medo.

Baekhyun não aguentou dar mais cinco passos completos, ele não teve muito o que fazer pois, repentinamente, seu corpo estava fraquejando e por pouco se colidindo ao chão, se não fosse o chinês lhe segurando pelo único braço "bom" e gritando por ajuda. Os fãs que estavam por perto e visualizaram a cena em todos os ângulos ficaram sem reação, quietos, e as cenas posteriores pareciam estar como num delay de um filme, tudo passava lentamente e após um reflexo pode-se ver uma grande muvuca que se instalava nos palcos.

De repente, tudo ficou em mais completo silêncio.

Os staffs pegavam Baekhyun no colo como se ele fosse uma pena e, antes que mais esclarecimentos fossem ditos, corriam com o corpo do cantor para os bastidores do palco, deixando uma única ordem para que o show acabasse de alguma forma e que fosse, no mínimo, da melhor possível. O que não era nada capaz de acontecer, uma vez que os próprios membros estavam com o coração palpitando mais rápido em puro nervosismo. Não demorou para que a banda inteira estivesse perto de Lay perguntando o que tinha acontecido, mas o guitarrista em si estava em um total estado de choque, não conseguindo formular frases com as palavras certas.

O único que se manteve estático no lugar foi Chanyeol, seu olhar estava longe e as mãos tremiam sem que ele percebesse. Olhou ao redor, vendo todos quietos e um frio se acomodou na boca de seu estômago, o corpo se arrepiando fortemente conforme a realidade ia voltando até si. Chanyeol estava tentando assimilar tudo o que estava acontecendo, foi tudo tão rápido que tornou-se oco por dentro: em uma hora estava perto de Jongin, brincando com alguns brinquedos jogados pelas fãs e tirando fotos, e logo depois o clima tornou-se pesado, o desespero estava nas íris dilatadas de todos os presentes ali e o corpo desacordado de Baekhyun era levado por outros homens.

O que tinha acontecido com Baekhyun, por acaso?

Não se deu ao luxo de ficar pensando por tanto tempo, pois logo que voltou a realidade, deixou qualquer objeto que estivesse em suas mãos cair e saiu correndo atrás do ex-namorado enquanto gritava pelo nome dele.

Pela primeira vez na história da Cloud 9 um episódio como aquele acontecia. Pela primeira vez ninguém sabia o que fazer ou falar. Pela primeira vez, as notícias da manhã seguinte estariam com os rostos dos integrantes, principalmente Baekhyun, estampadas em suas manchetes perguntando o que tinha acontecido com o líder, qual foi a causa do ocorrido, se seria uma negligência da empresa e qualquer especulação imaginável. Tudo se voltava para a banda de uma forma negativa, algo que Baekhyun sempre lutou muito para que não acontecesse, embora não pudesse simplesmente mandar em seu próprio estado de saúde. Porém, o líder sabia como as matérias podiam ser tendenciosas e como qualquer distorção em uma única palavra poderia colocar qualquer integrante ou a banda como um todo em risco de hate.

 Baekhyun não queria aquilo para a banda e para sua família.

E ao invés de rasgar elogios às apresentações da banda, o mundo pararia para tentar entender e cobrar da imprensa o que levou Baekhyun a desmaiar em seu local mais sagrado, os palcos.


Notas Finais


IMPORTANTE:
— pode ser que a fanfic comece a demorar para ser atualizada por questões de falta de tempo da minha parte e da parte da beta, mas tentarei ao máximo adiantar alguns capítulos para não ficar mais de um mês (como dessa vez) sem atualização;
— estou passando por problemas familiares muito complexos, então minha motivação para escrever está quase nula. peço que orem/rezem, independente da crença, para minha avózinha que está doente :c
— muitas coisas estão sendo preparadas para a fanfic, estou ansiosa para revelar, mas pra tudo há seu tempo!

Esses são alguns pontos que eu queria deixá-los avisados sobre Cloud 9 e aproveito para pedir que não desistam de mim e nem da história! Estamos entrando em um momento delicado, mas que vai render muita coisa boa ainda!

Comentem o que acharam, lembrando que comentários são sempre MUITO bem-vindos! <3

Obrigada pela atenção, denguinhossssss.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...