História Clube para Fracassados (Jungkook) - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Monsta X, Neo Culture Technology (NCT)
Personagens Jaehyun, J-hope, Jimin, Joo Heon, Jungkook, Min Hyuk, Personagens Originais, Suga, Taeyong
Tags Bangtan Boys, Chinelos De Dedo, Embustes, Fracassados, Humanas, Jimin, Jungkook, Minhyuk, Monsta X, Nct U, Romance, Taeyong
Visualizações 353
Palavras 1.653
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá chibis, quem tá postando hoje é a @hoseopy, no próximo será a Marcy a postar.

Boa leitura ☽

Capítulo 2 - Embustes e afins


CHOHEE

— Vamos lá, acorde logo. — TaeYong me cutucava. — Aish garota, parece que tá morta. — resmungou consigo mesmo.

Me mexi um pouco para o lado ignorando totalmente os seus chamados, estava mortinha só esperando para ser enterrada. Hoje eu trabalharia apenas meio período, por isso ainda dormia apesar de serem exatas 06:30 da matina.

— Aigoo, estamos atrasados sua lontra. — o ouvi novamente, suspirei abrindo um dos meus olhos.

— Lontra é a senhora sua mãe, vá se arrumar primeiro. — resmunguei enquanto tentava sair do conforto da minha linda cama. Tae saiu enrolado em seu roupão enxugando aquela palha seca ora seu cabelo.

Uma força maior me ajudou a sair do meu ninho, fui resmungando para o banheiro, tranquei a porta e despi meu pijama, deixando-o no cesto de roupas, as cuecas de Tae estavam deixando o banheiro com mau cheiro.

Aish.

Ajustei a temperatura da água então fui para de baixo dos jatos quentes que me despertavam e relaxavam ao mesmo tempo. Lembrei que estava para ficar atrasada, acelere o meu banho.

Já pré-vestida, passei hidratante após o protetor solar, vesti uma calça jeans, uma camiseta e por cima um suéter azul. Fiz uma leve maquiagem para não assustar as pessoas na qual irei atender, entretanto a minha expressão de tédio e desinteresse não sumia nem com todo o barroco. Arrumei minha bolsa e fui preparar o café-da- manhã, já que Taeyong não irá mover um dedo. Deve estar se arrumando ou assistindo doramas melosos. Já o encontrei abraçado à minha almofadinha do Winner enquanto se afogava em lágrimas e acabava com o meu pote secreto de guloseimas.

— Já se decidiu sobre o clube? — perguntou pegando uma torrada e passando geléia pela superfície.

— Uhum — murmurei entediada, beberiquei meu café.

Tae me olhou como se falasse "é só isso, porra?" 

Revirei meus olhos antes de prosseguir:

— Irei dar uma chance para esse clube tosco, não que isso irá fazer diferença na minha vida, não acho que posso ficar ainda mais na merda. — declarei e dei uma mordida no meu bolinho.

Escandaloso do jeito que é, começou a bater palmas e se engasgar com o suco que bebia.

— Calma colega, sabe eu tenho que trabalhar, ainda tenho contas para pagar; um cachorro e um furão para sustentar, se me der licença. — sorri falso para ele e me levantei.

— Ya, eu também trabalho! Não faça isso, Cho-ah! — resmungou ofendido.

Ri pegando a minha bolsa que estava ali do meu lado, fui ao banheiro para escovar novamente os meus dentes, lembrei de pôr a comida do Chibi e do Draco então sai antes de levar uma panelada na nuca.

Hoje estava um pouco ensolarado, as pessoas pareciam mais leves sem tantos casacos, a parada do busão também não estava cheia. 

Amém.

Ao adentrar aquele inferno, ops, local de trabalho, acabei dando de cara com meu chefe — ou melhor, embuste —, o que me fez ter certeza de que meu dia não iria ser um dos melhores.

— Atrasada de novo “senhorita” ChoHee? — O embuste, quero dizer, meu chefe DongSun diz irritantemente como sempre.

— Não acho que eu esteja atrasada…

— Como ousa falar assim comigo? Sou em quem sabe a hora de entrar e sair daqui! — fritou praticamente cuspindo sobre mim, e eu desejei ter um guarda-chuva no momento.

— Desculpe — falei completamente contra a minha vontade, mas era o que precisava ser feito, ser demitida neste momento não iria ser uma coisa muito boa.

— Tem documentos para você separar, ande logo pois preciso de tudo pronto daqui a uma hora!

Me sentei na mesa praguejando o velho gordo mais ou menos umas mil vezes e o chamando de todos os nomes possíveis mentalmente. Ok, agora você precisa focar nestes malditos papéis ChoHee, foco. Comecei a organizar um por um, esse trabalho realmente é um saco, mas é o que eu tenho e seria difícil encontrar outro. Depois de organizar quase tudo, faltando somente um, ouço batidas na porta. Só pode ser aquele velho rabugento…

— Minhyuk? — quase pensei em correr até a janela e me jogar daquele prédio ao ver meu ex-namorado parado em minha frente.

— Gostou da minha visitinha? — sorriu cinicamente e adentrou a sala sem minha permissão.

— Eu deixei você entrar aqui por acaso? Que eu saiba eu estou trabalhando e não preciso de visitas — semicerrei os olhos mais irritada do que já estava antes.

— Ah minha querida, se eu entrei aqui é porque tenho um motivo né — sentou-se sobre minha cadeira girando na mesma. — Vim te ver.

— Se já viu pode ir embora — o puxei pelo braço tentando retira-lo dali.

— Calma, calma. Olha só, você está organizando tão bem, imagine só se tudo isto se desorganizasse  novamente? — riu sarcasticamente observando os papéis sobre a mesa.

— Você nem pense em fazer…

Tarde demais. Eu não tive nem mesmo a chance de empurra-lo antes que a tragédia ocorresse. O babaca simplesmente espalhou todos os papéis organizados com tanto esforço pela mesa, eu devo estar completamente vermelha de tanto ódio nesse momento. Essa praga vai me pagar!

— Olha aqui seu... — avancei para cima do mesmo pronta para acertá-lo com um tapa, mas fui interrompida pela porta se abrindo.

— O que está acontecendo aqui? — essa não, meu chefe!

O que ele vai pensar de sua secretária estar em cima de um garoto, com a mão preparada para acertar a cara do indivíduo? Estou praticamente ferrada.

— Não é nada que está pensando senhor DongSun, eu posso explicar…

— O que é isto? Por que ainda não organizou os papéis? Você está brincando em serviço ChoHee! — gritou escandalosamente fazendo com que eu sentisse uma vontade imensa de enfiar todos aqueles papéis dentro de sua boca.

Olhei para Minhyuk, que estava com os olhos arregalados, esse palerma. Antes que eu pudesse dizer que era tudo culpa dele, o idiota sai correndo deixando-me sozinha com um chefe completamente enfurecido.

— Eu posso explicar! — tentei falar em um tom mais calmo possível.

— Você não vai explicar nada, eu já sei de tudo. Serviço não é lugar de namorar! Como punição você irá lavar o banheiro. — saiu da sala pisando duro e eu me sentei na cadeira completamente exausta e irritada. Tem como meu dia piorar mais do que isto?

(...)

Lá estava eu, carregando esse esfregão junto a um balde em direção aquele banheiro imundo. Droga, eu realmente sou uma pessoa sem sorte alguma. Abri a porta daquele local quase vomitando, agora eu entendo o sofrimento das funcionárias da limpeza.

— Aish, que vida miserável, Minhyuk só veio aqui para me arrumar encrenca. Esse pivete. — resmungo comigo mesma enquanto colocava o balde para encher na pia.

Se eu fosse rápida conseguiria sair dali o mais depressa  possível. Força Chohee, você consegue. Desliguei o registro assim que o balde encheu-se completamente e o coloquei no chão, misturei um pouco da mistura de detergente e limpol na água então mergulhei o esfregão ali logo o retirando e começando a passá-lo por todo o piso, o cheiro estava ruim e vinha direto das duas cabines com as sanitas.

Aigoo, eu só posso estar sendo castigada e amaldiçoada pela minha mãe lá em Daegu, não duvido nada. Suspirei passando as costas da minha mão em minha testa onde já se formavam pequenas gotículas de suor, o lugar estava abafado e o dia estava calor. Choraminguei querendo fugir dali, porém se eu o fizesse seria despedida sem direito a FGTS ou Décimo Terceiro.

O banheiro estava ficando limpo e o meu braço já doía de tanto ser movimentado, amanhã irei trazer uns doces para as tias da limpeza, elas merecem.

— Certo, agora só faltam as cabines. — exclamei indo determinada até a primeira cabine.— Você consegue. Fighting!

Empurrei a porta e quase caí para trás com o odor que  atingiu em cheio o meu olfato. Aiai, eu irei arrancar as orelhas de Minhyuk por me fazer passar por isso.

Comecei dando descarga na sanita, passei o esfregão pelo piso dali, joguei um pouco de detergente no fundo do vaso e tive de passar uma escova no fundo para tirar as sujeiras.

(...)

— Aigoo, eu estou quebrada. — murmurei manhosa enquanto guardava meus pertences.

Após limpar o banheiro, o senhor Dong foi lá para conferir, achou defeito em tudo e quase me fez limpar tudo novamente se eu não estivesse esperneado consigo. Todavia, ele não estava satisfeito e me mandou ir reorganizar os documentos de horas atrás, maldito seja o meu ex. Sempre sou rodeada de embustes.

— Pare de preguiça, eu não lhe pago para que fique reclamando pelos cantos. — Senhor DongSun adentrou a minha sala com sua careca lustrosa e me fitou sob suas sobrancelhas cerradas.

— Ya, não estou  reclamando, o senhor só me maltrata — choraminguei.

— Aish, está liberada antes que eu decida lhe pôr no olho da rua. — disse e se retirou de seguida me fazendo suspirar em alívio.

Fiz uma pequena dancinha da vitória, mas acabei batendo a minha mão na parede, gemi com dor e acabei de guardar as minhas coisas para ir embora, finalmente.

Encontrei Taeyong escorado em sua moto em frente ao meu prédio, ergui minhas sobrancelhas; ele estava vestido em um jeans escuros, camisa clara e uma jaqueta de couro que dava contraste com seus fios platinados. Tae fazia estudantes, mulheres e até homens suspirarem ao passar por si.

— Ya, o que está fazendo aqui? — o cutuquei assim que cheguei em seu encalço, percebendo que ele estava sonhando acordado. — Não estamos em um filme de Hollywood, acorda pra vida.

— Hey, sua tonta, eu vou te dar uma carona até o seu clube e não estou sonhando acordado, eu já sou um sonho completo. — gabou-se me fazendo ficar carrancuda.

— "O seu clube" uma pinoia, só irei lá para conhecer e nada mais. Se algo acontecer comigo Jooheon irá te processar! — ditei procurando o capacete e o colocando assim que o encontrei.

Subi na garupa da moto me apoiando no ombro de Taeyeon, quase me estatelei no chão, por sorte ninguém viu, mas o meu querido amigo não deixaria de me alfinetar por isso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...