História Coffee - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Tags Jercy
Visualizações 62
Palavras 4.438
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey,everybody... Desculpe a demora, eu tive muitos problemas para escrever o capitulo 10, porque é nele que as coisas realmente começam a funcionar e a história toda é realmente contada de forma direta, então eu tive que tomar cuidado com muitos detalhes e dar um bom contexto as decisões que tomei, mas vou parar de enrolar.
Fiquem a vontade e boa leitura.

Capítulo 8 - Capitulo 7 -


Ethan estava deitado no sofá com maçã mordida e agora amarronzada na mão quando o barulho de chave o fez se erguer. Ele já havia guardado a foto, colocou a maçã sobre a mesa de centro e ajeitou a postura mantendo a cabeça baixa. Sua cabeça estava um bagunça, seus sentimentos se misturavam e enquanto ele queria chorar ele também queria pular e gritar, enquanto tinha medo ele também estava feliz com a mensagem atrás da foto.

Confuso, perdido, esperançoso. Era difícil acreditar que o que ele achava que havia perdido, havia ressurgido em seu peito de forma rápida e lhe queimava o coração o fazendo estar disposto a lutar um pouquinho mais e isso lhe assustava. Lutar contra alguém como Bryce lhe deixava com medo.

- Sr. Ethan - O garoto se virou pela voz sabendo que não era Bryce, Ethan sorriu ao reconhecer Travis que entrou dentro do apartamento com uma sacola na mão - Chefe Bryce não vai voltar essa noite, pediu para eu te entregar seu jantar -

- Obrigado Travis - Ethan se ergueu animado por não ser Bryce e caminhou até o outro de forma mais relaxada do que naturalmente faria quando era Bryce a chegar em casa - Ficará comigo? -

- Sim, perdão - O mais novo disse desconfortável - Chefe Bryce pediu para ficar contigo essa noite e leva-lo a faculdade amanhã pela manhã -

- Certo, vou preparar o quarto de hóspedes para você,  quer comer algo? Tenho certeza que encheu demais essa marmita, não vou conseguir comer tudo - Ethan comentou animado sorrindo largo ao mais novo que parecia desconfortável enquanto lhe entregava a sacola.

Travis tentou negar, mas Ethan o ignorou indo até a cozinha e abrindo a sacola tirando de lá as caixas de isopor e os talheres de plástico, uma garrafa de suco também comprada foi aberta e posta sobre a mesa, não tinham copos, mas não se importavam de beber na própria garrafa, haviam passado dos momentos de estranheza. Pelo menos Ethan pensava que sim. Os dois se sentaram a mesa e Ethan sorriu feliz levando o garfo a comida e logo depois Travis fez o mesmo.

A conversa começou de forma suave, faculdade, escola, cafeteria...

- Porque não vai lá na cafeteria um dia desses depois da faculdade? - Ethan convidou sorrindo - Posso finalmente te fazer o Frappuccino de brigadeiro que te prometi a algum tempo atrás -

- Não acho que seja uma boa ideia - Travis comentou olhando a comida com cuidado - Chefe Bryce provavelmente não ficaria feliz -

- Porque não? - Ethan perguntou confuso mantendo o sorriso nos lábios - Pode dizer apenas que passou para me vigiar, ah, vai, por favor -

Travis suspirou pegando um pedaço de carne e o levando a boca.

- Ok -

Ethan sorriu mais animado pegando uma batata frita e a colocando na boca.

Após o jantar, o mais velho colocou tudo numa sacola entregando a Travis e agradecendo por ele colocar para fora, ele não poderia sair do apartamento de qualquer maneira, e enquanto limpavam tudo os dois riram de alguma notícia que saiu na televisão sobre algum show de um artista que nenhum dos dois conheciam. Quando o mais novo saiu do apartamento para jogar o lixo, deixando a porta aberta, Ethan olhou a saída por alguns segundos rindo baixo depois, se virando e caminhando para dentro do apartamento, indo até o quarto de hóspedes e o arrumando. A confiança que Travis tinha em si o deixava feliz.

Quando o outro retornou Ethan já estava sentado no sofá e ofereceu que assistissem um filme juntos, pedindo desculpas por não ter pipoca, o mais novo não se importou de não ter o que mastigar, apesar de ter relutado em aceitar assistir o filme.

O mais velho não sabia se era respeito por si, cuidado por saber o que Bryce lhe fazia ou apenas medo de Bryce, todas as alternativas pareciam plausíveis, mas Ethan não se importava. Estar com Travis era divertido, o mais novo era sempre educado, gentil e cuidadoso consigo.

- O que quer ver? - O mais velho perguntou passeando entre os canais da televisão.

- Algo engraçado por favor - Travis pediu cansado retirando a touca que escondia os cabelos pintados em branco.

- O que fez a tarde toda? - Ethan perguntou curioso enquanto continuava passeando pelos canais da televisão, porque só passava filmes de terror?

- Trabalhando para Bryce - O mais novo respondeu não confortável e Ethan assentiu não fazendo perguntas, mesmo que fizesse o outro não poderia lhe responder se quisesse voltar vivo para casa.

- O que acha desse? - Ele perguntou entregando o controle ao mais novo que sorriu.

- Meu preferido -

Deitaram no sofá da sala, Travis se levantou puxando o mesmo para estica-lo e transforma-lo em uma cama os deixando mais confortável ali. A televisão ligada e o filme de comédia passando em um canal qualquer foi o suficiente para os dois rirem e se divertirem por algumas horas. Quando o mesmo terminou outro começou e Ethan sequer percebeu quando deitou a cabeça sobre o ombro do mais novo, esse que deslizou a mão para trás de seu pescoço e deixou os dedos tocarem o cabelo do outro fazendo carinho enquanto via o filme. Travis ficou tenso por um segundo com o contato, mas não estavam fazendo nada de errado, certo?

Ethan dormiu.

Travis deslizou o olhar por Ethan, vendo alguns arranhados no pescoço do garoto, e suspirando olhando a pele branca dele com alguns roxos nos braços e coxas. Bryce era um babaca, um idiota e Travis odiava a si mesmo por apenas poder olhar o modo como Bryce destruia o outro sem poder fazer absolutamente nada para ajuda-lo.

Sou um fracote, Ele pensou de si mesmo voltando a olhar o filme que passava na televisão.

A televisão foi esquecida ligada, os corpos se ajeitaram juntos deixando a posição mais confortável, os dois dormiram de forma calma e relaxada. Que bom que Bryce tinha seus compromissos para ver, caso contrário aquilo poderia dar um imenso problema.

(...)

- Um minuto - Jason pediu se afastando do casal e da irmã indo até o lugar onde ele olhava segundos atrás. 

Percy agora tinha Zoe as suas costas enquanto conversava com Charles e nenhum dos dois percebeu sua presença até o momento em que limpou a garganta, já parado bem próximo deles.

- Jason - Charles pareceu surpreso ao vê- lo, mas logo sorriu erguendo a mão para cumprimenta-lo - O que faz aqui Bro? -

- Thalia me chamou para vir - Jason respondeu sorrindo - Não sabia que ia correr hoje -

- Mudei de ideia no último segundo - Charles respondeu sorrindo e voltando a se sentar sobre o carro.

- Seu patrocinador parece ter ficado feliz com isso - Jason comentou e Charles riu assentindo -  Hey Zoe, olá Percy -

- Olá - Percy corou lhe respondendo enquanto Zoe lhe acenava feliz e sorridente.

- E você, o que faz aqui? - Jason perguntou como quem não queria nada de maneira suave e calma. 

- Sou babá da Zoe - Percy respondeu nervoso, era óbvio o corpo tencionando enquanto falava - Não tinha nada pra fazer em casa e ela queria ver o Char correr -

- Char, acho que nem sua ex te chamava assim - Jason comentou sorrindo divertido e Percy corou envergonhado enquanto Charles ria do amigo.

- Ela costumava me chamar de amor, depois me chamou de bastardo, e finalmente admitiu que tenho chifres na cabeça, me chamando de corno - Charles mostrou a língua não parecendo afetado pela história. 

- Bem, só vim desejar boa sorte na sua corrida - Jason sorriu voltando a cumprimentar com um toque o amigo que se levantou para o cumprimentar - Boa sorte -

Zoe mexeu as mãos, ganhando a atenção de todos e Percy riu divertido.

- Ela disse que ele é talentoso não precisa de sorte - O moreno traduziu ao ver que Jason não entendia a linguagem de sinais.

- Com uma fã que acredita tão cegamente assim em mim é impossível perder - Charles se gabou puxando a tutelada para si e a abraçando fazendo os dois garotos ao seu lado sorrir com a cena fofa.

...

Charles ganhou a corrida.

Jason não viu Percy pelo resto da noite.

Contudo isso não importava, sua curiosidade sobre o maior antes esquecida um pouco por conta da correria, havia voltado e ele estava disposto a invadir alguns sites para ter informações descentes, por isso quando chegou em casa entrando no seu quarto ligou o notebook o conectando ao malware no celular do moreno. Sua curiosidade estava grande e ele queria saber quem era o loiro que havia visto Percy beijar e de onde o moreno conhecia Charles, porque Jason tinha certeza que o moreno não era babá de Zoe. A menina nunca teve isso, Charles não tinha dinheiro para pagar e a mais nova tinha todo o seu dia ocupado com atividades, assim como Percy.

Não havia ligações, mas havia três mensagens. Duas de Rachel e uma de Octavian.

Rachel:

Eu estou bem baby

Obrigado por pedir para ela ficar comigo essa noite peixinho

Ela quem? Jason se perguntou contudo suspirou, aquilo não lhe daria respostas já que já sabia que a menina estava no hospital por um acidente de carro, provavelmente Percy havia pedido para alguém de sua família permanecer com a amiga.

Octavian:

Vai voltar comigo essa noite Honey

Honey... Jason achava aquilo ridículo, mas ele também se lembrava de chamar Piper lhe por apelidos idiotas e amorosos como aquele quando estavam juntos.

Espera, o loiro que o Percy estava beijando podia ser o noivo, certo? Era o mais lógico.

Colocar um malware em um celular não era tão difícil, agora se utilizar de um número de telefone para chegar a alguém gastou alguns minutos a mais de Jason, mas depois de hackear a conta dos pais aquilo não era a coisa mais difícil que havia feito.

Se o pai não fosse um babaca que lhes negava dinheiro até para comprar comida ele não precisaria invadir a conta de ninguém, pelo menos a madrasta era uma boa pessoa e os encobriu dizendo que havia pegado o dinheiro e os entregado ao dois. Ele amava Hera.

Octavian Smith... Walter... Jackson... Havia um zilhão de sobrenomes para o que Jason rapidamente pode perceber ser a mesma pessoa. Loiro, olhos castanhos escuros, pele clara, corpo esguio e forte, alto... Lhe lembrava o homem que viu junto a Percy na corrida de carros, mas ele nada podia confirmar, afinal estava longe demais. Contudo, ele não precisava já que com um pouco de dificuldade encontrou uma foto de Percy, junto aos pais e de Octavian... Provavelmente no noivado do moreno.

Conseguir uma imagem real e depois daquilo encontrar mais sobre o Octavian, com vários sobrenomes, não se tornou mais fácil. Formado em administração, faixa preta em judô e karatê, pais mortos em um acidente de carro quando tinha 16 anos... E então as coisas pareciam sumir e as noticias sobre o garoto de atualmente 21 anos e pouco sem redes sociais e cartões de crédito ou débito se tornavam rarefeitas dando num beco sem saída.

- Idiota - Jason empurrou o computador para o lado irritado - Quem você é? -

Ele iria descobrir, podia demorar, mas ele iria.

(...)

Percy entrou no carro de Octavian e colocou o cinto se ajeitando no banco do carona enquanto Octavian dizia algumas ordens a Héstia e então entrava no carro escuro fechando a porta e soltando um suspiro enquanto colocava o cinto e ligava o carro.

- Quanto ganhou essa noite? - Percy perguntou apenas de curiosidade.

Charles não era o único corredor de Octavian naquela noite, mas com certeza era a corrida que Octavian já considerava ganha pois o outro nunca havia perdido uma corrida.

- O suficiente para te comprar algumas estrelas, me diga qual quer - Octavian respondeu em tom de brincadeira enquanto acelerava para longe dali.

Percy não respondeu, ele não queria estrelas, queria um pouco de paz e sossego. Queria abraçar a mãe, conversar com o pai, jogar algum jogo com os irmãos e ter sua vida de volta para quando os pais dele cuidavam daquilo e ele fingia que não sabia e conseguia viver sua vida o mais perto da normalidade.

- O que está pensando? - Octavian perguntou quando parou em sinal vermelho levando uma das mãos que antes estavam no volante para a coxa do noivo fazendo um carinho suave.

Percy olhou para a mão em sua coxa, e focou nos dedos finos e longos do noivo por um tempo, antes de desviar a atenção ignorando o movimento em sua coxa, como se a mão do mesmo sequer estivesse ali.

- No quanto eu gostava de fingir que meu pai não era o que era - Percy respondeu e  olhou para Octavian, respirou fundo o vendo acelerar quando o sinal abriu - Podemos parar para comer? -

- Claro, o que gostaria de comer? - Octavian perguntou sincero, e completamente calmo.

Ele geralmente cedia a aquele tipo de pedido inocente e desinteressado de Percy.

- Pipoca - Percy respondeu e viu o loiro sorrir, o moreno sempre pedia pipoca quando podia - Eu quero café -

- Café e pipoca - Octavian repetiu - Melhor combinação -

- Obrigado - O moreno respondeu e o mais velho apenas riu suave parando em uma mercearia perto de onde estavam.

Os dois desceram do carro e Percy entrou sem esperar o outro pegando um cesto e caminhando pelos corredores sorrindo e pegando os pacotes de pipoca doce. Octavian não demorou a parar ao seu lado colocando dentro da cesta em sua mão um pacote de biscoito com gotas de chocolate e então eles caminharam em direção as bebidas. Café gelado e... A latinha de cerveja que Octavian pegou, Percy pegou das mãos do mais velho antes que ele pudesse colocar na cestinha em seus braços.

- Sem álcool por favor - Ele pediu e com um suspiro Octavian largou a bebida aceitando quando o mesmo pegou uma latinha de chá de limão o mostrando e então sorrindo o colocando na cesta.

Octavian pagou e Percy entrou no carro abrindo o pacote de pipoca e as jogando da boca enquanto Octavian entrava e pegava seu pacote de biscoitos e logo mordendo um enquanto afastava o banco para poder relaxar com mais espaço.

Silêncio.

Eles não se importavam com o mesmo, aquela tranquilidade era o que ambos queriam e nada mais que ela.

- Posso ver Tyson? - O moreno perguntou abrindo sua caixinha de café gelado e tentando parecer desinteressado no assunto, apesar de o coração estar acelerado em nervoso.

- Escolha um dia e peço para Bryce te levar -

- Qualquer um menos Bryce - Percy implorou, ele não gostava do homem.

- Ok, Perséfone o leva até ele - Octavian respondeu abrindo a latinha e dando um gole fechando os olhos para apreciar o momento e a bebida.

- Obrigado - Percy respondeu suave.

Ele não podia saber onde o irmão mais novo estava, por isso se encontravam sempre no mesmo lugar onde ele não ficava e estava tudo bem com isso, pelo menos sabia que o outro estava vivo, era tudo o que precisava em alguns momentos. Saber que não era o único de sua família que ainda respirava e estava vivo, e não precisava estar fingindo estar morto.

O loiro nada disse apenas deixou o silêncio voltar a se instaurar, esse que permaneceu até ouvir o barulho de pneu queimando o asfalto. Um carro prata passou ao lado deles e Octavian demorou um segundo a mais para perceber o que acontecia, os vidros do carro se abaixaram e Octavian empurrou Percy para baixo enquanto sentia os disparos da R 15 contra o carro.

Blindado.

Contudo não forte o suficiente, para suportar a rajada de tiros por muito tempo. A comida foi jogada para trás, sem se importar de sujar o carro carro onde estavam, antes dele puxar o banco de Percy para trás e voltar a ligar o carro.

- Se mantenha abaixado - O loiro ordenou.

Percy deixou as comida sobre o banco enquanto ele se encolhia mais contra o chão, o máximo que podia, sentindo o corpo doer pela posição desconfortável. Octavian engatou a primeira marcha no momento que em que a blindagem do carro começou a falhar, o vidro de trás quebrou e o loiro acelerou queimando pneu e olhando para fora. O carro prata acelerou o seguindo, os tiros haviam cessado, mas não por muito tempo.

- Pegue a arma no porta luvas - Octavian pediu sentindo o outro carro o seguindo, os tiros haviam cessado, mas o loiro sabia que era temporário. 

Percy com dificuldade e apreensão pegou a arma a estendendo para Octavian. O metal era frio, ela era mais pesada do que imaginava, parecia mais brilhante de perto e realmente se adequou ao contorno de sua mão... Como seria atirar?

- Quer atirar em mim, essa é sua chance -  O loiro comentou sarcástico ao ver o moreno ajeitando a arma em sua mão o tendo sobre a mira, provavelmente Percy nem tinha percebido o que fazia.

O moreno estendeu o metal ao loiro que tirou uma mão do volante o pegando, e então virando o volante entrando em uma rua que os levaria a interestadual abandonada a aquele horário.

- O que vai fazer? - Percy perguntou - Sei que não tem medo da morte, mas eu tenho -

- Isso é bom - Octavian respondeu olhando pelo vídeo retrovisor - Por favor se mantenha com medo, porque é isso que vai nos manter vivos, vá para o banco de trás, se conseguir tire a capa e se esconda no porta malas, vai ter pouco tempo pra fazer isso sem eles verem, eu vou virar a esquerda em duas quadras, terá pouco tempo pois vou ficar apenas uma quadra até virar para a interestadual, quando chegarmos lá vai ter iluminação e campo aberto - 

- Ok, duas curvas, entendi - Percy respondeu olhando o loiro que parecia muito calmo - Fique vivo, porque estou com medo por você também - 

Octavian ficou surpreso, contudo apenas continuou com o plano e virou a esquerda vendo com habilidade o moreno pular para o banco de trás. A natação o havia dado um corpo flexível e isso era bem útil naquele momento.

- Merda - O moreno resmungo puxando com mais força e conseguindo tirar a capa do porta malas enquanto se mantinha abaixando atrás do banco, seus braços arranharam de leve pelo vidro que estava sobre o banco traseiro.

Seus dedos estavam vermelhos, e ele tinha certeza que a dor em três deles era porque os havia cortado, mas isso não importava no momento.

O loiro virou novamente e o moreno puxou a proteção se jogando ali e então com dificuldade a puxando de volta, tendo que o puxar com força para baixo, para conseguir o colocar de volta no lugar. Sentindo dessa vez os pequenos cortes aumentarem e o sangue deslizou suave por seus dedos, seus olhos se focaram no leve vermelho e ele suspirou, era idiota se machucar com algo tão idiota quando tinha caras armado atirando contra o carro.

Porque o porta malas?

Era mais difícil alguém vê-lo ali, havia armas abaixo do carpete e também, bem, havia um telefone descartável ali junto a uma mala. Ele poderia ligar para alguém e também havia o fator de que se precisava de chave para abrir o porta malas e mesmo assim havia uma trava interna, de alguma forma, aquele porta malas era bem seguro.

Percy percebeu que estava na interestadual quando os tiros recomeçaram o fazendo se encolher, ele sentia o impacto na lateral esquerda, sabia que o vidro ao lado de Octavian estava prestes a quebrar e realmente não entendia o que o loiro faria para os tirar daquela.

Ele sentiu a mudança brusca de direção, Octavian tinha batido contra o outro carro, e não demorou e repetir o feito fazendo seu corpo balançar naquela espaço não tão apertado. O barulho de vidro estilhaçado o fez tremer de medo pela vida de Octavian, os tiros se tornaram mais altos, era o loiro que estava atirando e Percy se encolheu um pouco mais.

Um novo impacto e o o moreno sentiu o carro desacelerar e o cheiro de pneu queimado chegou ao seu nariz bem rápido. O barulho da porta foi ouvido com facilidade, foi bem alto e então depois de um silêncio e alguns barulhos de estalos, mais tiros e então ele ouviu uma barulho forte. O coração dele parou por um segundo ao imaginar o porque da explosão.

Percy relaxou com o silêncio que se seguiu, apenas o crepitar do fogo podia ser ouvido e era baixo. Ele esperou que o loiro viesse abrir o porta malas, mas o tempo continuava passando e  ninguém tocava no veículo. Seu corpo se encolheu com o barulho de uma nova explosão e mesmo não querendo puxou de debaixo do carpete uma arma completamente tenso. O metal frio contra sua mão não parecia tão estranho, mesmo que fosse apenas a segunda vez que encostasse em uma arma, talvez aquilo fosse realmente coisa de família. Ele ouviu os passos, ouviu o baque suave sobre o metal do carro e então ouviu a chave ser virada, e o lugar começou a ser aberto. Percy mirou a arma na pessoa e o loiro riu.

- Você realmente está a fim de atirar em mim hein? - Octavian comentou de forma divertida e sorridente.

- Céus - A arma foi deixada de lado e Percy aceitou a mão estendida se levantando e abraçando Octavian que ficou surpreso - O que aconteceu? -

- Eles estavam atrás de mim, nada muito espetacular - O loiro comentou vendo Percy se afastar e olhar o carro afastado deles em chamas, então foi isso a explosão que ouviu - Da próxima vez, quando seu irmão tentar me matar, o diga para não tentar te matar também - 

- O que? - Percy perguntou confuso vendo o loiro caminhar até o porta malas procurando algo ali e tirando um celular.

Aquilo no ombro e costas do loiro era realmente o sangue dele? Ou era dos homens do carro?

- Havia um tridente preso ao espelho retrovisor, o motorista tinha um tatuado no braço e o atirador um no pescoço, avise seu irmão para tomar mais cuidado da última vez - Octavian manteve os olhos no celular digitando algo e então o levando ao ouvido.

- Meu irmão está morto - Percy respondeu tenso e o loiro lhe apontou a arma irritado, os últimos minutos não haviam sido bons.

- Podia força lo a me dizer, mas não vou, então apenas me poupe de suas mentiras - Octavian disse voltando a abaixar a arma - Charles, dê meia volta, estou na interestadual, tem dois minutos -

O celular foi desligado e jogado de volta para dentro da carro.

Foi nesse movimento que Percy viu buraco nas roupas do loiro. Ele estava realmente, e provavelmente seriamente machucado.

- Está machucado - Ele se aproximou nervoso tocando a camisa encharcada pelo sangue quente e fresco.

- Não se preocupe, alguém vai tirar a bala e costurar isso - Octavian deu de ombros, fazendo careta ao encher com o machucado.

- Atlantis domum mea est, et custodiat in sanguine meo - Percy disse e ganhou toda a atenção do loiro, os olhos castanhos focando nos olhos verdes - Atlantis é minha casa, e a protegerei com meu sangue... Eles não vão desistir, e não se importam de morrer por isso -

- Você desistiu - O loiro respondeu sorrindo sarcástico, mas esse se perdeu ao ver o moreno não se afetar com as suas palavras, ser de Atlantis e desistir significa perder seu orgulho e ego, deveria deixar o moreno no mínimo frustrado.

- Eu nunca lutei - O moreno respondeu calmo, sabendo que o loiro entenderia o que disse.

Ele entendeu.

O revólver foi segurado de forma mais dura enquanto seus olhos focavam um no outro, em uma muda batalha na qual Octavian sabia que perderia, porque Percy podia nunca ter lutado, mas assim como alguém de Atlantis ele não desistiria e defenderia sua casa com seu sangue. Talvez por isso tortura-lo para o fazer falar sobre o irmão ou Annabeth fosse inútil, inconscientemente Octavian sabia que o outro morreria antes de falar. Percy podia não ser o cara que puxaria sua arma e atiraria em si, mas seria aquele que sobreviveria ao seu lado até o momento que alguém puxasse a arma e atirasse.

A Ferrari branca, virou quase girando, Charles abaixou o vidro, mas não saiu do carro. Rápido.

- O leve pra casa - Octavian ordenou sério.

O moreno apenas respirou fundo caminhando até a Ferrari e entrando no banco ao lado de Charles que subiu o vidro o fechando e então acelerou para longe, sem outras perguntas ou esperas.

Octavian engoliu a saliva, fechando o porta malas com raiva tirando o celular do bolso e ligando para Bryce enquanto olhava o carro em chamas. Ele não se importava da dor de ter uma bala presa as costas e nem dos rasgos em seus braços por puxar o idiota de dentro do carro, para ter certeza que o desenho cravado em sua pele era o tridente. O mesmo que Percy carregava em um colar, o que Tritão tinha gravado no peito, o que Poseidon tinha desenhado nas costas, e Sally na lateral da barriga, o mesmo que estava na pulseirinha que Tyson sempre tinha em seu braço.

Aquela tentativa idiota e falha não era para o matar, sequer seria a intenção machucar, Octavian tinha quase certeza daquilo, era uma missão de resgate. Eles haviam feito aquilo para resgatar o moreno, e provavelmente leva-lo para longe de si.

- Não tão fácil - Octavian comentou irritado olhando o carro em chamas - Interestadual, tem 6 minutos para chegar aqui com ajuda, e quero um dos meus melhores homens 24h por dia seguindo Percy, e ele não precisa se esconder, quero que vejam que ele sempre tem alguém - Octavian disse ao telefone e sem esperar a resposta o desligou.

Sua paciência e bom humor haviam se esgotado.

- Dá próxima vez, vou fazer o trabalho por mim mesmo - O loiro disse olhando o carro estalar com o fogo - E vou garantir que todos vão morrer -


Notas Finais


O Percy é confuso não? kkkk
Bem, ele não é confuso, isso vai ser explicado no capítulo 10, aí vão entender porque ele é tão bipolar em relação a Octavian.
Então até a próxima, dessa vez não vou dar tempo, porque vou entrar em semana de provas e meu nível de ansiedade e frustração está maior do que o aceitável kkk
Então... Até o próximo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...