1. Spirit Fanfics >
  2. Coffee and Cream - Johnny, NCT.

História Coffee and Cream - Johnny, NCT.


Escrita por:


Fanfic / Fanfiction Coffee and Cream - Johnny, NCT.
Sinopse:
Dono de uma cafeteria no sul de Seul, John Suh vive uma rotina caótica por escolher ter poucos funcionários. Quando decide contratar uma jovem estrangeira para compor sua equipe, a vida do rapaz muda de um jeito inexplicável.

Capa por @Niiwa
Iniciado
Atualizada
Idioma Português
Visualizações 2.538
Favoritos 141
Comentários 70
Listas de Leitura 43
Palavras 18.173
Concluído Não
Categorias Neo Culture Technology (NCT, NCT 127, NCT U, NCT Dream, WayV)
Personagens Haechan, Johnny, Mark, Yuta
Tags Cafeteria, Donghyuck, Haechan, John Seo, John Suh, Johnny, Johnny Seo, Yuta

NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama / Tragédia, Ficção Adolescente, Literatura Erótica, Literatura Feminina
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de difamar ou violar as imagens dos artistas.

Lista de Capítulos

Capítulo
Palavras
1.
Prólogo
7
489
1.390
 
2.
Cappuccino
4
370
2.397
 
3.
Machiato
9
329
2.163
 
4.
Latte
11
333
2.228
 
5.
Frappé
9
290
2.226
 
6.
Espresso
11
295
2.599
 
7.
Americano
7
245
3.235
 
8.
Mocha
12
187
1.935

Gostou da História? Compartilhe!

Comentários em Destaque

Postado por neowa
Capítulo 1 - Prólogo
Usuário: neowa
Usuário
Olá! Nova leitora aqui. Encontrei a tua fanfic por acaso enquanto scrollava as atividades dos meus amigos e abençoada a pessoa que favoritou este texto antes de mim.

Normalmente sou do tipo de pessoa que gosta de ir lendo e comentando o texto, porém, como não te conheço, decidi ler primeiro o capítulo antes de começar o meu comentário. (não sei porque é que preciso de dizer isto, mas preciso lmao)


Podemos começar este comentário por falar o quão descrições são importantes e uma das minhas partes favoritas quando estou ler? Pois ainda bem porque é por aí que vou começar. Eu adoro, eu amo, eu venero descrições. São, para mim, uma parte crucial para escrever-se uma boa história. Descrições ajudam o leitor a inserir-se melhor dentro do mundo do autor, dá-nos mais peças de um puzzle que começamos às cegas e precisamos de o fazer com a ajuda da única pessoa que sabe concretamente a solução.

Eu li literalmente as duas primeiras linhas e soube que ia gostar desta história. Pelo menos no quesito de me satisfazer nos parametros de narrativa. Enquanto plot, não sei, terei que continuar a ler!


O teu Johnny parece ser o tipo de patrão e pessoa que muita gente gostaria de ter e ser. O amor que ele tem pelo seu espaço é visivel logo no inicio, a forma como ele trata com carinho o espaço enquanto se relembra de outros tempos (que a voz do narrador nos dá) é tão bonitinho. A forma como ele fala dos seus dois empregados (só dois, o desastre quando está tudo cheio!)

O Yuta é do tipo trabalhador que arregaça as mangas e faz de tudo o que pode para sobreviver. Seja trabalhar num club e num café ao mesmo tempo, estudar e trabalhar no café, e quiça algumas vezes os três não se juntam numa avalanche de cansaço. O que, de certa forma, é preocupanete. Mas acredito que overall ele será o tipo de personagem que dá apoio e receberá apoio quando mais precisar.

Eu e o Haechan temos uma história engraçada, ele faz-me pensar tanto, mas tanto no meu irmão. Tipo fisicamente nada a ver, mas o seu sentido de humor e peripécias que ele prega todos os dias, sim é tão o meu irmão. Então consigo ver a sua personalidade extrovertida a ser um atendente fantástico, que além de sorrisos e gargalhadas consegue trocar alguns gracejos com clientes mais antigos, até algumas partidas se forem intimos. Também o vejo a causar uma ou duas dores de cabeça por mês ao Johnny quando as suas partidas fazem o orçamento sair da linha. Mas essa é a minha opinião de leitora. :X

Eu sei que me vou repetir, mas estes momentos em que a história pausa para se falar e envolver o leitor na história são tão bons! Falar dos clientes, dos rostos, das outras histórias que são contadas lentamente e suavemente, que não são o foco da história principal, mas trazem camadas realistas ao desenvolvimento desta. É tão bom. Consigo imaginar o casal que parecerem irmãos a chegar a confundir meio mundo e não se importarem nem um pouco com isso. A senhora velhinha num sobretudo rosa pálido e um colar discreto, de cabelo sempre bem arranjado. Falar dos pedidos, dos gostos deles dá carácter ao Johnny, ele é alguém que se preocupa com os clientes, mas é também alguém que ama de paixão o que faz.

E ao escreveres os outros parágrafos continuas a afirmar isso. Falando dos tempos de quando ele começou ali a trabalhar e de como gostava do local. O seu coração um pouco triste com a incerteza do seu futuro naquele local. E depois uma luzinha de um patrão de bom coração. Deve ser daí que o John tira as suas bases para ser o patrão que é- Teve claramente um excelente exemplo.

Eu basicamente, nem sempre, gosto de ir comentando paragrafo a paragrafo porque tem histórias que faz sentido. lmao



Nem o Haechan tem sorte na vida, logo a chover quando ele queria ir embora para casa. Porém é uma pessoa como deve ser e ficou para ajudar o seu cool patrão a tomar conta do povo que decidiu todo que ali era a única cafetaria de jeito até a chuva passar. Bem, uma coisa é certa, para o negócio é coisa boa.


Gosto que não tenhas introduzido a personagem feminina logo pelo nome. Dá-lhe um certo ar de mistério, mesmo tendo acesso à sua situação, que vem de outro país, a financeira etc. A parte importante do puzzle continua a criar um certo mistério. Ficamos aqui a tentar adivinhar que tipo de pessoa ela é. Como se um nome pudesse revelar mais sobre uma pessoa do que aquilo que se pensa.

Ela sendo uma estudante é ideal, porque cafetarias adoram estudantes e assim interligas bem o caso. Acho engraçado ando a ler outra fanfic com o Johnny e uma OC e também se passa num café, mas no caso os papéis estão trocados e é a mocinha que trabalha na pastelaria. Gosto que Johnny e café rima em todo o lado fora da vida dele lmao


A história de vida da menina dá-nos logo uma certa empatia. Ela é uma pessoa partida, alguém que veio para o outro lado do mundo em busca de uma forma de cura. Seja ela qual for. Uma viagem espiritual atreveria-me a dizer. A busca pela sua paz interior que perdeu nos ultimos anos e numa idade tão jovem.

O momento dela a olhar para o vazio sem se tocar na realidade, no caos, na vida que passa ao seu redor faz-me pensar um pouco em mim própria. Que, quando estamos concentradas em algo, esquecemos-nos que um mundo inteiro continua a girar à nossa volta. E parece que acabamos de acordar, quando sempre estivemos tecnicamente despertas lmao

E no final forma-se os primeiros traços de uma história bonita, talvez de um romance, uma amizade por certo. Com um toque de comédia (por favor), mas sei que irei continuar a ler e a acompanhar.


Slice of Life é dos meus géneros favoritos de ler, apesar deste ter todos os clichés certos, adoro o toque doce que ele tem. É leve, mesmo tendo alguns temas pesados, foi tão fácil de ler e continuar sem parar. Mesmo demorando a comentar (normalmente demoro bem mais, tem vezes que são dias lmao este aqui só demorou algumas horas.)


Obrigada pelo texto. Obrigada por o escreveres de forma tão cativante e até ao próximo capítulo!