História Colégio Hermann Hill - Capítulo 7


Escrita por: e squipz

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescência, Colegial, Fanfic Interativa, Interativa, Interativas, Problemas
Visualizações 48
Palavras 6.171
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, FemmeSlash, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Slash, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa Leitura

Apreciem

Capítulo 7 - Capitulo VI: O Baile De Primavera


Fanfic / Fanfiction Colégio Hermann Hill - Capítulo 7 - Capitulo VI: O Baile De Primavera

 

O Baile de Primavera

 

20 de fevereiro, quarta-feira

Passar as aulas extracurriculares na sala de recriação já eram comuns para Jessica, ela e Amore se tornaram colegas muito rápido, e se davam muito bem com os preparativos. Vladimir havia conseguido uma licença para trabalho, e não precisava mais participar das extracurriculares, apenas duas vezes na semana, para contabilizar as horas. O que deixava Jessie sozinha, Zach tinha suas aulas, e bem, Simon não estudava mais com eles.

Atualmente as duas finalizavam de contar o arrecadado do bingo e rifas vendidas para arrecadar dinheiro, não era muito dinheiro, pois nem todos colaboravam, mas era suficiente, a maioria do material para decoração eles compravam com o dinheiro do próprio bolso ou reciclavam dos bailes anteriores.

Amore, junto algumas outras garotas se empenhavam no painel do baile com o tema, usando tinta, o painel era o mesmo de anos, sempre sendo repintado e repintado com um tema diferente. Jessica estava montando com outros ajudantes os enfeites de crepom. Numa pilha ao canto, estava a caixa com os picotes do papel brilhante espelhado que seria jogado durante o baile, quase a semana toda os cortando, deixara-os com calos.

– Cheguei! – Alina entra a salinha com uma caixa em mãos, ela para no meio da sala, e coloca a caixa no chão. Logo abrindo e mostrando os vários adereços rosados que ela havia comprado. – Aqui, de nada.

– O que é isso? – Jessica pergunta já querendo retirar a outra do local.

– Decoração, decoração de verdade e de qualidade. – Ela diz sorrindo.

– Estamos fazendo já. – Anne uma das garotas que ajudavam, responde.

– Esses lixos? Tiraram isso de onde? Estiveram revirando as caçambas? – Alina reclamou avaliado o crepom. – Medíocre. Nosso último baile aqui, antes de nos formarmos, não pode ser esse monte de lixo.

– Não é lixo, é reciclagem, e compramos isso, e vamos usar. – Amore fala dessa vez.

– Pena, mas como decoradora, eu não vou usar nada dessas tralhas de vocês. – Alina sorri.

– Decoradora? – Jessica cruza os braços já irritada.

– Sim, pedi a coordenadora, quando ela viu que não precisaria gastar nada com a decoração, pois eu a tinha. Permitiu que eu, fosse a responsável pela decoração. – Alina sorriu olhando para Jessica. Todos ficaram em silencio, era consenso que Alina destruiria o tema da festa.

– Nada do que você trouxe se encaixa com o tema do baile. – Amore volta a falar. – Você não vai decorar nada a não ser que condiza com o tema votado. Caso contrário você se livra da sua tralha. – As duas se encaram por muitos momentos.

– Vou chamar a coordenadora. – Jessica diz, saindo da sala. Novamente Alina estava lhe provocando, querendo se meter em tudo. Ela entrou na sala da coordenadora, que logo fez uma careta ao vê-la.

– Não. – Ela diz.

– Não falei nada. – Jessica diz. Pronta para começar seu discurso, sendo interrompida pela mão em riste da coordenadora Helen.

– Não quero ouvir, deixe Alina e pronto, ela tinha todo o material, devia estar contente que não vão gastar mais tempo e dinheiro.  – Helen fala.

– Bem, eu não diria nada se Alina trouxesse algo que valesse apena usar, tivemos uma votação, o colégio votou, e temos nosso tema, e Alina não respeita isso! – Jessica falou. – Estamos trabalhando duro nisso! Não pode descartar isso!

 – Deus.... Jessica não tem um dia que desse baile você não me traz um problema. – A mulher suspirou. – O quer que eu faça, Jessica? Se não for você me importunando será Alina, e ela é bem pior de lidar.

– Quero ela fora da comissão, já falei isso! Você não pode ficar dando liberdade para aquela surtada com síndrome de Leoni! – Jessica grita irritada. – Fazem apenas alguns meses que Leoni morreu e já temos outra garota agindo e querendo ser a Leoni! Não percebe esse absurdo? Ou vocês pouco se importam com o que os alunos passam nessa droga!

Helen senta-se em sua cadeira e cobre o rosto, ninguém disse que seria fácil trabalhar em um colégio público, depois dos ocorridos no semestre passado, e várias substituições no Hermann Hill, a prefeitura lhe resignou para o colégio, tirando-a do conforto do outro colégio que trabalhava.

– Farei o que posso. Agora volta para sua aula, e faça o que estavam fazendo. E tente aproveitar algo de Alina lhe trouxe.

– Farei o que posso. – Jessica fala com sarcasmo. – Mas se não resolver vou a diretoria. – Jessica ameaça. E ir à diretoria para resolver tal trivialidade, seria dizer que Helen era incompetente.

 

 

As líderes de torcida dançavam, treinando seus paços, Sunshine estava distraída, mas Jake estava toda hora ali a cutucando para ela focar, as meninas treinaram e fizeram um intervalo.

– Qual o problema? – Jake pergunta em quanto tomava agua.

– Nenhum. E não é da sua conta se tivesse.

– Escute aqui, Sun Hee, estou pouco me importante, mas se isso afeta o treino é problema meu sim. Quer que eu chame a Alina para treinar as garotas? Por que parece que você não está muito disposta hoje! – Jake grita para ela, ele odiava a grosseria dela.

– Não é da sua conta, Jake. – Ela diz apenas. – E repita isso de novo e te jogarei para que aquela cadela te coma vivo. – Ela diz saindo, Jake suspira e revira os olhos, dê-lhe paciência.

 Alisson estava sentada com duas amigas das líderes, as duas conversavam, quando no campo entra Zachary, o garoto de óculos tímido, e fofo, as meninas cochicharam e ficaram em silencio quando ele se aproximou de Alisson.

– Oi.... Alisson. – Ele diz.

– Oi. – Alisson sorri o olhando.

– Eh... eu queria saber se você ia... iria... gostar de ir comigo no baile de primavera. – As duas amigas de Alisson riem atrás dela, Alisson sorri gentilmente.

– Adoraria. – Ela diz sorrindo. – Se tudo der certo, podemos sim ir juntos. – Ela diz. E Zach assente, então saindo timidamente, Manuela, então faz um som engraçado debochando de Alisson.

– Pobrezinho, Ali! – Penélope, umas das amigas diz. As meninas continuam rindo e fazendo piadas do garoto. – Oh, Alisson, por favor me ame!

– Ai, dá até pena... – Manuela diz.

 

– Você não acha isso horrível? – Cleo pergunta a Cassidy que está ao seu lado, elas viram tudo.

– Sim, era melhor ela dizer logo não... – Cassie concorda com Cleo. – Você tem par para o baile?

 – Não, vou com minhas amigas só.... Sabe você não precisa de par para ir. – Cleo diz.

– Sim, eu sei, mas.... Ter alguém para ir é tipo tradição né.... – Cassie fala.

– Se não tiver com ir, pode vir comigo e minhas amigas – Cleo sorri. Cassie agradece.

O time de futebol então adentra o campo para fazer uma partida, uma última. Louise acena do meio dos garotos, junto as outras duas garotas com quem ela joga no time, para Cleo.

– Você conhece muitos no colégio... – Cassie observa.

– Acho que sim, sabe, você conhece alguém, e ela conhece outras pessoas, e assim vai, quando vê você já conversou e fez amizade com todos. – Cleo explica. – Posso te apresentar o pessoal depois, ser novata é complicado.

– Adoraria.

 

 O time joga, por meia hora, quando o sinal bate, eles tinham cerca de quinze minutos para banhar-se e ir embora. Os garotos suando retiraram suas camisas, fazendo algumas meninas das líderes rirem e darem gritinhos, eles foram para o vestiário, e as meninas para o delas. As lideres também se trocavam com as jogadoras, Natalie, Nagisa e Louise se trocavam quando o grupo de líderes adentra o banheiro.

– Ei, Cleo. – Louise se aproxima. – Como você está?

– Indo... Você sabe, ainda posso ouvir cochichos.... – Cleo fala baixo.

– Eles vão parar. – Louise diz.

– Bem, deixe-me apresentar a aluna nova, Cassidy. Essa Louise. – Cleo apresenta Cassie que sorri.

– Oi. – Louise diz. – Entrou nesse semestre? – Cassie diz que sim. – Natalie e Nagisa também. – As meninas acenaram. Cassidy sorriu, aumentando seu ciclo de amizades, ela conversou com as garotas mais um pouco, e foram embora.

 

– Brown! – Louise corre até ele, junto com Christopher. – Brown! Não esperou a gente por que? – Louise pergunta ao amigo. Ele dá de ombros e os deixa para trás seguindo seu caminho.

– Vai ligar para a tia dele? – Chris pergunta.

– Acho que sim. – Ela vê o amigo sumir na rua, numa rua que obviamente não levava para a casa dele. – Estou preocupada, ele não fala comigo direito e mal responde minhas mensagens. – Louise diz, Chris passa o braço pelos ombros da amiga.

– Também estou, mas a hora que ele quiser, ele vem falar conosco. – Christopher diz, mas ambos sabiam que Bronwen não falaria. Ele nunca falava. Louise temeu que ele ainda tivesse raiva dela pelos acontecimentos do semestre passado, acusa-lo na polícia de ter feito algo contra Leoni. – Não fica se preocupando com isso, não esquenta a cabeça. – Chris fala, quando se espedem para seguir separados caminhos.

 


 23 de fevereiro, sábado.

 

Sair com suas pessoas preferidas sempre o animava, a semana havia sido péssima, sua mãe piorando, sua avó surtando com tudo em casa, seu pai pouco se importando, e Katheryn investigando a esposa do pai, para ver o momento certo para ir atrás dela. Ir num buffet livre de sorvete, com Kath, sua namora e seu melhor amigo Chez era maravilhoso.

Mas Jamie também não era idiota, e percebeu os olhares entre ambos, algo havia acontecido. Nenhum dissera nada ainda e estavam apenas comendo o sorvete e concordando com ele.

– Vou pegar uma garrafa de agua. – Jamie diz se levantando, ele deixa os dois a sós, e de longe os observa, eles nada dizem, mas se encaram, Katheryn com seu olhar mortal, e Chez com raiva. Eles terminam o sorvete alguns minutos depois, eles saem para andar, Jamie está de braços dados com Katheryn, e Chester está ao seu lado, eles chegam na praça onde começam a caminhar, Jamie olha a volta, meio vazio. Ótimo.

– O que há de errado com vocês dois. – Ele se solta de Kathy, e fica de frente para ambos. – Estão quietos e so ficam se encarando!

– Nada aconteceu, Jamie. – Kathy logo fala.

– Nada mesmo. – Chez repete. Jamie cruza os braços olhando para ambos.

– Não mintam para mim, não é de hoje que vocês têm agido estranho. – Jamie fala. – Eu Exijo saber o que é.

– Você já tem coisa demais para se preocupar, Jimmy. – Katheryn fala. – Não é nada, vamos continuar o passeio...

– Não. Já chega. – Chester fala. – Você fica toda hora dizendo o que ele tem ou não o que fazer! Dizendo como ele deve se sentir! Você é controladora! – Ele aponta para Katheryn. Então olha para Jamie. – Esse relacionamento não é saudável!

– O que.... – Jamie fala quase sem voz chocado.

– Você está com ciúmes! – Katheryn o acusa. – Com sua paixãozinha tola pelo Jamie, quando você vai superar isso? – Kath o encara, os dois frente a frente.

– Isso é passado, há muito tempo! – Chester responde. – Jamie é meu amigo e me preocupo com ele, e passo tempo suficiente vendo vocês dois para ver como seu relacionamento é problemático!

– Ninguém pediu sua opinião sobre nosso relacionamento! Isso não é sobre você e sua opinião, é sobre apenas eu e Jamie!

– Você só está com ele por pena. – Chester diz. – Admita, ele sempre gostou de você, e você nunca o quis assim! Só aceitou por pena e insistência! – Eles gesticulavam durante a briga, e Jamie apenas assistia em choque. – Admita! Fiquei durante anos ouvindo ele falar sobre você e você nunca se importou com ele!

– Você não sabe nada disso. Eu amo Jamie. – Katheryn fala seria.

– Ama? Desde quando psicopatas sentem algo? A não ser se importar consigo mesmos! – Chester finaliza, mas assim que nota o que diz se arrepende. Jamie está com lagrimas nos olhos. O silencio paira.

– O que é isso.... – Ele diz finalmente. – Chester.... É verdade? – Chester o fita.

– O que?

– Você gostar de mim... mais do que amigos....

– Era. Não é mais, isso foi há muito tempo. – Chester diz com pesar.

– Então por que está tentando acabar com o nosso relacionamento.... – Ele diz sobre Kathy e ele. Chester olha descrente. – Você é meu amigo....

– Sou seu amigo, e não estou tentando acabar com seu relacionamento! Você não ouviu uma palavra do que eu disse? Você não percebe nada do que aconteceu? – Chester o encara.

– Kathy não me obriga a nada.... – Ele diz segurando as lagrimas. – Como pode dizer que nosso relacionamento é ruim....

– Ela te sufoca! – Chester tenta novamente argumentar. – Você está sempre pensando no que ela ia querer, em como agir como ela quer, você não pensa em si! Só pensa por ela!

– Ela é minha namorada! É claro que vou pensar nela! – Jamie se aproxima. – Você não sabe nada disso! Você nunca teve ninguém!

– Não preciso ter alguém para notar que esse relacionamento não é saudável... Jamie....

– Ele ainda sente algo por você – Katheryn fala, Jamie olha dela para o amigo.

– Isso, ouça ela, Jamie, faça dela as suas palavras, deixe que ela pense por você! – Chester provoca. Jamie o empurra e ele cai no chão.– Eu sinto muito mesmo, Jamie, que você não possa ver isso. – Chester agora é quem também chora.

– Achei que fossemos amigos!

– E somos! E é isso que amigos fazem, a gente alerta! Avisa! – Chester grita de volta, algumas pessoas os olham.

– Você não sabe o que é melhor para ele, Chester. - Katheryn volta a falar. – Nós crescemos juntos, conhecemos um ao outro melhor do que ninguém, sou eu que está lá sempre que ele precisa, e ele quem sempre está lá para mim. Mas você não sabe disso, sempre teve ambos seus pais ali com você. Permito que digam tudo sobre mim, a esquisita do colégio, a psicopata, mas nunca duvide que meus sentimentos por Jamie são reais.

Eles ficam em silencio, Chester ainda no chão, enxuga as lagrimas, não adiantava, Jamie jamais o ouviria, eles cresceram juntos e as ações de Kathy eram normais para ele, ele não via o quão ruim era tudo isso, e isso doeu, por que ele não podia fazer nada sobre isso, por que Jamie não deixaria se ajudar.

– Sou seu melhor amigo, e provavelmente o único. – Chester se levanta. – Também sempre estive lá, para vocês dois..., mas eu não posso continuar vendo você se afundar nisso e nem sequer cogitar e olhar a verdade. – Ele olha para Jamie uma última vez, ambos os garotos chorando. As lagrimas escorrendo. – Espero que sua mãe melhore, que as coisas se resolvam para você. Eu sempre estarei disposto a ajudar. Mas não com ela. Você vai ter que ver por si mesmo. – Chester vira as costas e parte.

– Não ligue para ele. – Katheryn fala. – Ele tem ciúmes, inveja, sinto muito que sua amizade acabou assim. – Ela o puxa para um abraço. E Jamie o retorna. Afundando o rosto no pescoço de Katheryn, em quanto ela observava Chester subir a rua. – Vamos para casa. Você não tem que ficar remoendo isso, Jimmy. Vai ficar tudo bem.

 

...

 

27 de fevereiro, quarta-feira

 

Brown sumira por quase três dias inteiros, e deixou sua tia de cabelos em pé como uma louca atrás do garoto, era complicado e cada vez estava mais difícil lidar com ele. Ela ligou para Louise, mas nem ela conseguia entrar em contato com ele, junto a Christopher, Lou e ele rodaram o bairro atrás do amigo. Ele ressurgiu pior que tudo na segunda à tarde em casa, tomou um banho e se trancou no quarto. Na calçada da rua onde Louise e Chris ficaram na frente da casa, puderam ouvir os gritos da tia do amigo.

Nagisa ainda estava lidando com os problemas da sua mãe, e fazendo o máximo para conseguir sair o convento, fazia vários bicos, ajudava onde podia, ganhava apenas alguns trocados, mas ela guardava cada tostão.

Chester e Jamie não estavam se falando desde o fim de semana, Alina ainda perturbava Jessica, mesmo sendo tirada da decoração, Sunshine e Jake ainda brigavam entre si, e brigavam com Alina, os rumores sobre Cleo ainda rolavam, alguns ainda apontavam, uns diziam que ela conseguiu convencer os jogadores a dizer nada, ficando novamente com eles.

Faltando apenas alguns dias para o baile, esse era o assunto do momento, todos ansiosos, animados, querendo arranjar um par, impressionarem com suas roupas. O grupo, que ainda podia se dizer popular estava reunido na cantina. Louise, Chris, Brown, Mawie, arrastada por Louise, Sun Hee, Jake, Nicholas e Henry. Cleo se juntara a eles por alguns momentos.

– É bom já terem decidido suas respectivas roupas. – Sunshine diz olhando para os garotos, eles estavam sentados pelos bancos e pela mesa. – Jake e eu vamos fazer a última prova amanhã.

– Vou ver isso hoje com minha mãe. – Louise fala. – Brown você vai?

– Não sei. – Ele diz. – Provavelmente. – Lou sorri fracamente.

– Sabe, seria ótimo se sua irmã nem desse as caras lá. – Jake então fala, olhando para Nicholas. Henry olha para Jake também.

– Como se eu pudesse impedir, realmente. – Nicholas revira os olhos.

– Ninguém suporta ela. – Sun Hee diz.

– E ela espalhou por aí aquilo sobre mim. – Cleo comenta. O silencio paira.

– Se ela provocar no baile, vou acabar com ela, Nicholas. – Sunshine se levanta. – Fique avisado. – Ela ameaça, e então sendo seguida por Jake eles partem.

– Bem, nós vamos também. – Chris diz, e Louise assente, puxando Nagisa e Brown eles saem. Deixando Cleo com Nicholas e Henry.

– Minha irmã não me ouve, você sabe. – Nicholas olha para Cleo.

– Eu sei. – Ela diz complacente. – Até mais, para vocês. – Cleo se despede e vai encontrar suas amigas.

– O que Alina pensa que está fazendo? – Henry pergunta ao primo, Nicholas suspira. Nem ele sabia.

– Vou ficar de olho nela. – Ele diz.

 

Uma das melhores aulas extracurriculares era natação, na opinião de James, ficar ali nadando era ótimo, é claro que ele praticava para competição, mas as vezes a aula era livre. Ele ficou um pouco surpreso ao sair da sala e encontrar novamente só Chester o esperando para irem embora. No começo achou que era algo com Katheryn, mas logo percebeu que Jamie e Chez não estavam se falando. Ele não ousou perguntar até então.

No caminho para casa, como de costume, Sabrina ia conversando com Chester sobre tudo e sobre nada importante. Quando chegaram na rua onde seus caminhos juntos terminava, James pediu para Sabrina ir indo.

– Chez... posso fazer uma pergunta. – Jim fala.

– ... Sim? – Chez parece incerto.

– Olhe, não é da minha conta, o que tenha acontecido entre você e o Jamie. Mas.... Só quero saber se está tudo bem, e que se quiser conversar, podemos conversar.

– Não está nada bem, mas nada para com que você se preocupar. – Chester diz.

– Tudo bem.... Então até amanhã. – Jim se despede e corre em direção a irmã.

– Até.

 

...

 

2 de março, sábado.

 

O convento como sempre, estava movimentado no sábado. Mas Mawie ficava no quarto pequeno sozinha, já que não podia ser vista na igreja. Sua mãe estava na missa logo cedo. Nagisa tinha feito amigas na escola, e Louise definitivamente era uma delas. E acabara contando um pouco sobre sua vida para a mesma, que estava a ajudando sempre que podia.

Inclusive conseguiu um vestido para o baile para si, era simples, azulado, de alças final, rodado, indo quase até os joelhos. Sua mãe so voltou ao quarto após o almoço com um prato para a filha.

– Aqui. – Ela entrega o prato. E observa a filha comer.

– Vou passar a tarde com Louise. – Ela diz entre colheradas.

– Você passa tempo demais com uma garota, Mawie. – Sua mãe fala baixo e calma.

– O que quer dizer? – Nagisa abaixa o prato.

– Você joga futebol, fica para lá e para cá com essa garota, algumas pessoas comentam.... – Sua mãe baixou a cabeça culpada. – Sei que não fiz nada além da minha obrigação como mãe....

– Para. Para com isso agora. Isso não é sobre você, e sobre mim. – Nagisa vocifera. Sua mãe permanece calada. – Escute, vou passar o fim de semana na casa de Louise, não vou lhe causar problemas voltando tarde da noite hoje.

– Mawie.... Pelo menos deixe-me ver o vestido? – Sua mãe perguntou, e Nagisa baixou a guarda, terminou de comer e foi experimentar o vestido. Ela o pôs, e viu as lagrimas nos olhos da mãe. – Você está tão bela... – Sua mãe se virou, e abriu uma gaveta em seu armário, tirando um grande lenço de tom parecido com o vestido. Passou-o por cima dos ombros da filha e o ajeitou. – Para não ficar com frio.

– Obrigado. – Ela beijou a testa da mãe, terminou de arrumar suas coisas para ir para casa da amiga ficar dois dias. – Domingo a tarde estarei e volta.

– Se cuide, fique com Deus, Ele olha por você. – Sua mãe orou ao final, em quanto ela partia.

 

Na casa de Amore, estavam as três garotas se arrumando. Vestidos, cabelo, maquiagem, unhas, uma tremenda bagunça e festa para as três amigas que iriam juntas ao baile.

– Alguém viu o meu brinco? – Camilie andava pelo quarto, ajoelhando-se e olhando em tudo com sua lanterna do celular. Amore arrumava os cabelos, e Cleo terminava de passar os vestidos a seco.

– Cleo, aquela Cassie ira conosco? – Amore quis saber.

– Acho que não. – Cleo fala concentrada.

– Ela é amiga da Alina. – Millie se mete. – Cuidado com ela, Cleo.

– Isso é, também a vi passeando com Alina e as outras duas meninas, para todos os lados. – Amore diz.

– Ela parecia simpática quando conheci. – Cleo senta na cama.

– Tudo mundo parece, principalmente se planeja te apunhalar as costas depois. – Camilie diz, finalmente achando o brinco. – E digo isso por experiência própria. Não esqueça do que aconteceu comigo.

– Ouça a Millie, Cleo. – Amore diz. O silencio se faz. – Bem, mudando desse assunto chato. Hora de nos vestir? Já são quase seis. Tenho que chegar antes para ver se Jessie tem tudo sob ordem.

– Jessica é uma pessoa de paciência incrível, ter aguentado Alina todo esse tempo provocando ela.... – Camilie retorna ao assunto.

– Sim.... Sun Hee ameaçou ir para cima de Alina se a provocar de novo.... – Cleo relembra a conversa.

– Sun Hee provavelmente fará isso mesmo. – Amore comenta. – Não esteja por perto, ou aquele grupo vai te meter em confusões.

– Eu sei.... – Cleo diz. – Eles são legais, pelo menos comigo. Ali, ao menos todos parecem realmente amigos.

– São colegas, eles se aturam, quando o ano acabar, e alguns se formarem, nunca mais irão se ver. – Camilie diz, lembrando de suas próprias amigas na Itália. – Como fizeram com Seige, até aprece que ela nunca fez parte do grupo.

– Ela era a mais próxima da Leoni.... – Cleo diz.

– E voltamos a esse assunto. Os vestidos garotas! Os vestidos! – Amore se levanta em quanto ordenava suas amigas se mexerem e se trocarem logo.

 

...

 

Na casa dos Grimhilde, os primos também estavam lá para se arrumarem e irem todos juntos ao baile. Alina estava trancada em seu quarto, Manuela e Catherina se arrumavam juntas. Os rapazes já vestidos com seus ternos, ou blazers estavam na sala aguardando as primas e irmãs.

– Todos tão lindos. – Luz fala olhando as crianças.

– Cavalheiros. – O sr. Mallory fala. – Agora esperar as damas descerem. – Manuela e Catherine logo em seguida. – Olhe que lindas minhas princesas.

– Para, pai! – Cath ri envergonhada.

– Estão encantadoras. – A tia Luz fala. Não demora muito até Alina descer com um vestido vermelho e batom de tom igual. – Oh, está maravilhosa, filha! – Ela vai até a mesma e abraça a loira.

– Parece pronta para causar no baile. – Nicholas fala.

– E se for, nada que seja da sua conta, irmão. – Alina diz. – Prontos para irmos? Vamos?

 

...

 

Chester estava quieto, não havia dito a mãe ainda sobre Jamie, mas não iria começar sobre isso agora.

– Está bem mesmo, filho? – Rebecca pergunta. Chez assente. – Pode falar comigo, você sabe disso....

– Eu sei mãe... só que.... Podemos fazer isso após o baile? – Ele pergunta e sua mãe responde que sim.

– Vou avisar seu pai que está pronto para ir, ok. Você está lindo. – Ela beija sua testa e sai. Chez suspira em frente ao espelho, ele não fazia quase nada sem o seu melhor amigo, e a semana tinha sido péssima, ele suspirou, não se arrependia do que falara, sabia que estava certo, so esperava que Jamie percebesse antes que se machucasse.

Ele desceu as escadas seu pai o aguardava.

– Olha lá! Se não é o meu garoto! Olhe que cavalheiro! O próximo James Bond, senhoras e senhores!

– Pai... – Chez fala.

– Venha para cá, Chester, deixa eu tirar uma foto! – Ela chama o filho, e tira a foto. – Não esqueça de tirar fotos com Jamie.... Você tem certeza que ele tem alguém para levar eles?

– Sim, a avó deles está na cidade para ajudar por um tempo. – Chester fala.

– Ok, mande um abraço para a Lucy para mim. – Ela diz, ele entra no carro com o pai e se distrai conversando sobre qualquer coisa aleatória.

 

...

 

Na sala, escuro, silencio, Kathy e Jamie aguardavam, no andar de cima os gritos, Lucy, sua avó.

– Ela tem que ver os filhos! Eles tão indo para algo importante para eles, e ela não está nem ai! Você tem que levantar Michelle. – Eles ouvem a mãe grunhir, e talvez chorar, gritando para deixa-la.

– Ela está doente! Ela não consegue! – Lucy grita para a avó.

– Ela não quer! Ela não quer! – A avó retruca. – Michelle! Você quer ver ao menos os seus filhos aqui?

– Não... – Michelle responde, chorando e se enfiando na cama mais ainda.

– Eles são seus filhos! Michelle! – A avó continuava gritando com a filha, e Lucy com a avó. Demora uns vinte minutos, mas elas saem de lá ainda gritando.

– Ela não se esforça, ela não faz nada, vocês acostumaram ela no comodismo, se ela quer melhorar tem que fazer as coisas! – A avó continua.

– Ela não aguenta mais! – Lucy grita de volta. – Você não consegue compreender isso!? Ela tem depressão, ela não consegue! Ela não aguenta mais! Ela desistiu! Desistiu! – Lucy continuava gritando. – Ta ouvindo mamãe, a gente sabe que você desistiu! – Lucy chorava ao gritar tais palavras, e sua avó apenas a abraçou. Elas ficaram longos minutos na escada chorando.

Na sala, Jamie e Kathy ouviam música no celular, Kathy confortando Jamie. Sua avó surge então, entregando o cartão de credito para Katheryn.

– Venham e vão de taxi, ok? Comprem algo para jantarem.... Amo vocês, se cuidem lá. – Eles se levantam e abraçam a mulher e se despedem, partindo. O carro não demora muito e eles vão para o colégio em silencio.

 

...

 

Na casa de Louise, Nagisa e Louise se arrumavam e conversavam. Bronwen que havia entrado pela janela sem a mãe de Lou ver estava ali também deitado na cama da amiga mexendo no celular.

– Brown.... Brown! – Ele levanta num solavanco. – Você tem que descer, estamos saindo já, Chris está chegando... – Louise fala.

– Finalmente. A mochila? – Louise suspirou, e Mawie estava confusa. Ela entregou a mochila para ele. Ele havia chegado antes de Nagisa e ficou na casa de Louise o dia todo escondido. Ele puxou a janela e correu abaixado para fora para encontrar com Chris lá fora.

– Lou... O que tem na mochila.... – Mawie perguntou preocupada, ela não gostava de Brown, ela desconfiava dele.

– O que você acha? – Louise sorriu. – Bebidas, Mawie, nada de mais, no máximo um pouco de erva.... Essas coisas que usam na festa....

– Isso não é perigoso...?

– Não se te pegarem. – Louise sorriu. – Ninguém nunca foi pego, nem na época da Leoni. Ela escondia em bolinhos e biscoitos, que ela fazia com a Seige, a polícia nem desconfiava, e nem achou nada no dia.... Se não estaríamos todos juntos, todos daquela noite em um reformatório. – Mawie arregalou os olhos surpresa. – Relaxa! Vai ficar tudo bem, você não precisa usar, se não quiser. Só dizer não.

Elas descem alguns minutos depois, sua mãe tira fotos, e enquanto Nagisa saia, a mãe de Louise a segurou.

– Não consuma nada que possa cortar os efeitos dos seus medicamentos, Louise. – Sua mãe falou severa.

– Eu sei... – Louise se solta, e sai.

– Me mande mensagens, Louise! – Sua mãe fala. – Tenho o contato do seu pai, Christopher, lembre-se disso! – Ela diz vendo a filha entrar no carro do amigo.

– Pode deixar Sra. Beaufort! – Chris diz acelerando o carro logo em seguida.

 

...

 

O baile estava lindo, com as decorações rosadas e cerejas, e além dos detalhes na cultura japonesa espalhados, a música estava agradável, o painel simplesmente lindo.  Jessica estava com Zach e Vlad, extremamente orgulhosa do seu trabalho.

– Ficou lindo, Jessie. – Vlad beija sua bochecha.

– Vai ficar na história do Hermann Hill. – Zach diz abraçando a amiga, eles riem. Até ouvirem palmas. Vários alunos já estavam ali.

– Realmente encantador. Quem diria que você tinha capacidade! – Alina diz, os três amigos se viram para encara-la.

– Obrigado. – Jessica diz com deboche. Em seguida ela se retira, Vlad e Zach logo atrás.

– O que foi isso? – Zach pergunta chocado.

– Não darei esse luxo a Alina, de me provocar e me intimidar hoje. – Jessica diz. – Vamos aproveitar o baile, quem liga para a Leoni 2.0?

 

O baile começa, uma banda local toca, os alunos dançam, escondido misturam bebidas nos sucos e ponches, dançam, se encontram atrás do estádio para fumar ou usar algo. Alguns se perdem nos banheiros e bem, faziam o que jovem com hormônios a flor da pele e na puberdade fariam.

Jamie e Kathy dançam juntos, com outros casais, Camilie, Amore e Cleo dançam juntas animadas, Christopher, Brown, Louise e Mawie também. Brown obviamente já está bêbado logo no início. Sabina e James dançam num outro canto com Chester, lhe fazendo companhia.

Henry fica de olho nas irmãs a maior parte do tempo, Alina está com Cassie, Aurora e Katherin, Nicholas não quer lidar com isso, ele sai, andando pelos pátios, corredores, ele acaba indo para o estádio a céu aberto. Sentando na arquibancada. Ele mal havia notado outra pessoa ali.  Nêmesis sai da escuridão e senta ao lado de Nicholas, lhe oferecendo um cigarro.

– Achei que tinha parado. – Nicholas fala. Ele dá uma baforada e devolve. – Como você está?

– O de sempre. – Nêmesis fala, a voz grave e baixa. – Você?

– O de sempre também....

– Encontrei com a tia dela. – Nêmesis fala, não há muito o que dizer, eles trocam mensagens de vez em quando, a aproximação deles vem de Leoni e tudo o que aconteceu. Eles não falavam dela, era um entendimento mútuo que doía falar dela.

– Como está a menina....

– Crescendo... – Outro compartilhamento do cigarro e silencio. Nicholas olha para as estrelas. – Por que está aqui, e não na festa?

 – Minha irmã.... Ela está causando o terror como Leoni....

– É o que ouvi dizer. – Nêmesis diz. – Vi sua irmã no presidio outro dia....

– O que você estava fazendo lá? – Nicholas olha para a garota.

– Costumo ficar andando por aí, sem rumo. – Ela dá de ombros. – É seu pai?

– Sim... – Nicholas responde. – Reputação de família.

– Ouvi dizer.... – Nêmesis termina o cigarro, tirando uma garrafinha da bolsa. – Energético, quer? – Nicholas assente, eles compartilham a bebida, Nicholas se acomoda e fica esticado nos bancos olhando para o céu, Nêmesis logo faz o mesmo. Eles ficam lá, olhando para as estrelas e bebendo, trocando em algumas ocasiões algumas palavras.

Lá dentro o tumulto só estava para começar. Mas ainda era cedo, o baile continuou como sempre. Nagisa e Louise dançam cada vez mais próximas, Louise sente a tensão e o nervosismo. Ela estava gostando de Nagisa, mais do que pretendia. Camilie, relutante aceitou o convite de dança com Christopher, o relacionamento passageiro do passado nada rendera, mas era bom se divertir um pouco. Cleo continuou dançando com Jake, e Sunshine havia sentado um pouco e conversava com Henry.

Sentado num canto estava Chester, tomando um suco aqui e ali, Amore que havia cansado e perdido suas amigas de vista decide se sentar.

– Sozinho?

– Sim... – Chez responde.

– Por que? – Amore fala ofegante ainda depois do agito, ela olha para o garoto com curiosidade, ela o vira no início, mas notara que ele estava sozinho a maior parte do tempo. – Não queria ter vindo?

– Queria, mas só não é o que eu esperava eu acho.... – Silencio.

– Sabe dançar? – Ela pergunta então.

– Que? Eu.... Não, definitivamente. – Chez ri.

– Ah! Qual é, esteve ai a festa toda olhando os outros dançando, deve ter aprendido algo! – Amore diz sorrindo, Chez ri. – Vamos? Não quer perder o baile ficando aí o resto da noite?

– Não quero.... – Ele diz, Amore se levanta estendendo a mão para ele. Ela obviamente havia bebido não apenas suco, e a animação era justificada, mas, por apenas aquele momento, Chez poderia curtir um pouco. Ele pega a mão dela, e ambos vão para pista dançar animadamente.

Depois de uma dança romântica com Alisson, Zach não podia estar mais animado que nunca, finalmente conseguindo conquistar a sua garota. Ele saiu por um instante, para pegar alguma bebida, mas ao voltar, Alisson havia sumido, ele saiu a sua procura, vendo-a de longe rindo com suas amigas, ele se aproximou devagar, para cuidar com a bebida, mas não esperava ouvir o que ouviu....

“Viu o jeito dele, oh, que garoto grudento! ” – Alisson ria com suas amigas. “Pobrezinho, ele gosta de você! ” As meninas riam. “Nerrrrd!” – Elas fizeram piadas e riram dele, e Alisson ria também. Zach saiu às pressas de lá, sem querer esbarrando em alguém, ele correu para fora, Jessica notou a movimentação e logo viu o amigo, e puxou Vlad com ela atrás de Zachary.

Alina sabia que estava perto de Sunshine, mas a outra nem notara, nem mesmo seus amigos, ela nem fez questão de ser notada hoje, pois queria pegar Sun Hee de surpresa, só estava esperando a hora de esbarrar nela “sem querer” e fazer a garota revidar. Ela só não esperava que alguém esbarrasse em si antes, e em seguida fizesse ela quase derrubar Sunshine de verdade.

Foi tão rápido, Alina ficou furiosa com o garoto que a derrubou e fez sujar seu vestido, mas a essa altura, Sunshine já havia olhado para ela, e metido um soco em seu rosto, fazendo-a cair como fruta madura no chão. Todos se afastaram e uns gritaram, o tumulto estava feito.

– Você quebrou o meu nariz! – Alina gritou, ela não parou de gritar desesperada, e pela dor. Rapidamente ela tirou o sapato e tacou em Sunshine, e a guerra havia começado, as duas começaram a se bater, e puxar os cabelos, o nariz de Alina sangrava sem parar, e ela tentou rasgar o vestido de Sun Hee, Jake e Cleo tentavam afastar Sun Hee, e as três amigas de Alina faziam o mesmo.

– Vadia! – Alina gritava. – Vou acabar com você!

– Eu avisei ao seu irmão que se ele não fizesse algo eu ia dar um jeito em você, sua surtada! Nem que eu mesma te mate que nem fizeram com Leoni! – Sunshine estava descontrolada, e com uma cotovelada derrubou Cleo, e fez Jake a soltar por medo, e novamente ela estava em cima de Alina.

Demorou alguns minutos até a música parar e os garotos do futebol separar ambas, a guarda regional foi chamada, a festa foi finalizada, todos foram dispensados, os pais foram chamados, as bebidas alcoólicas e drogas foram rapidamente escondidas, e assim que a guarda parou no colégio eles já saíram correndo.

Amore levou Cleo e Camilie para casa, se despediu de Chester e foi-se. Jake acabou ficando com Sunshine. Alina acabou sendo levada de ambulância para o hospital, ela perdera muito sangue.

– Sun Hee Kim, não me importo quantos problemas e Srta. Grimhilde tem, quantas vezes vocês duas vão parar na diretoria! – A diretora falava. – Mas você quebrou o nariz da sua colega com apenas um soco. Vou ter que pedir um novo encaminhamento ao psicólogo, obviamente seus medicamentos não tem surtido efeito. – Sunshine ouvia em silencio, sem reação. – Se algo como isso voltar a se repetir vai levar a expulsão.

Longe de lá a mãe de Alina exigia expulsão de Sunshine, querendo colocar sua filha como uma vítima santa. Nicholas surge nessa hora com Henry que fi o procurar após a briga.

 – Expulsão? Se alguém tem que ser expulsa aqui é a própria Alina, que vem provocando todos desde a volta às aulas! Causando brigas e intrigas! – Nicholas chega falando para mãe e diretora. – Alina causou isso!

– Você nem estava aqui! Você não viu nada! – Aurora fala acusadora.

– Estava com a esquisita da Nêmesis! – Katherin diz.

– Não me importa. – A diretora volta a falar. – Se eu pudesse expulsar todos os alunos que fazem isso como Alina, eu mal teria estudantes nesses corredores!

– Sua irmã está no hospital! Tenha sensibilidade! – Sua mãe fala.

– Tia ele tem razão. Alina vem provocando Sun Hee há muito tempo, isso ia acontecer, uma hora ou outra, é culpa da Alina. – Henry fala. – Culpa dela tia, você sabe muito bem a filha que tem. – Luz fica furiosa, mas nada diz. Ela puxa Guilherme com ela, e exige que Nicholas venha unto.

A guarda acaba levando Sunshine e Jake para suas respectivas casas.

– Sun.... Me ligue ok? Quando chegar na sua casa.... – Jake fala. – Pro favor?

– Vou ficar bem, Jake. – Sun Hee fecha a porta do carro e ele parte. No hospital Alina ri e chora, ri pois conseguiu ferrar com Sunshine, chora pois seu nariz está quebrado, ela machucou as unhas, e tem todo seu rosto inchado e roxeado pelo nariz.

– A próxima, é a Jessica.... – Alina diz num sussurro no silencio sozinha de volta ao seu quarto em casa. – Papai ficaria orgulhoso.

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


O que acharam?

Alina ainda aprontado, mas levou uma da Sunshine, as coisas não vão bem para Jamie e Chez quanto tempo isso dura?

Deixe-me saber suas opiniões as mesmas são sempre bem-vindas!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...