História Colin e a Herdeira de Éthera - Capítulo 20


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Ação, Aventura, Colin, Fantasia, Ficção, Magos, Violencia
Visualizações 3
Palavras 3.850
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, LGBT, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 20 - Ascensão e Queda


A temperatura estava tão baixa, Colin sentia um excessivo frio, quase não sentia suas próprias mãos, os flocos de neve banhavam ele e os seus companheiros e o conjunto dos tais no chão não permitia uma corrida muito rápida.

O retrato do colossal dragão estava ali em amostra, maior do que todas construções da Broken Staff Street, propagando o terror com as chamas e o exército de dragões.

A preocupação de Colin girava em torno de seus amigos que lá ficaram, onde estaria Ashley e Asirin nesse momento? Enterrados na neve junto com todo o Kansas ou ainda vivos? O que seria melhor um pensamento pessimista ou otimista? Sem responder alguma das próprias perguntas ele sabia que a única certeza, era que nada terminaria muito bem mesmo que o bruxo ganhasse no final.

Quando finalmente chegaram na Broken Staff Street, Luna ainda fazia comentários nada importunos e aleatórios, Colin olhava para todos os lados a procura de um sinal dos seus companheiros e não demorou muito para achar Aluns sendo arremessado contra a parede.

- Vocês foram pegar a joia em qual país? – Asirin fez o comentário enquanto se escondia de um dragão azulado e com espinhos.

- RAIO CÓSMICO! – Wendy gritou, matando o dragão e salvando Asirin.

- Oi Kodart! – Luna disse olhando para Asirin, ele fez uma cara de desentendido.

- Mantenha ela longe daqui. – Colin disse para Kodart, ele assentiu e puxou a menina pelo pulso para o fundo das casinhas tortas da cidade.

Colin correu até Asirin, o mago estava todo sujo e seu rosto cortado, além disso, havia outro corte na região da canela, em consequência Asirin com certeza estaria capeando.

- Onde está Ashley? – Colin perguntou se sentando junto com o amigo encostando-se na parede de um grande prédio.

- Eu estou bem obrigado. – Respondeu com desdém. – Eu não faço a mínima ideia.

A pergunta de Colin foi respondida quando viu o corpo de Ashley caindo sendo salva por Spitilsen.

- Conseguiu a joia? – Asirin perguntou depois de verem a cena.

- Sim. – Colin sentiu finalmente um motivo para esperanças.

- Ótimo e agora? – Asirin perguntou já sabendo que Colin não responderia.

E não respondeu, também não deu tempo para isso, um segundo depois o prédio em que estavam apoiados explodiu e foram jogados no meio da rua, onde Colin foi visto por Drakon.

- LEED.... – Disse Drakon, abrindo um sorriso assustador.

Colin com dificuldade se levantou, não conseguia mais ficar em uma postura correta, seu cajado, assim como ele, foi arremessado para longe, e a bola de fogo de Drakon seria mais rápido que o voo do cajado.

O dragão se virou quebrando tudo por onde passara, ficou olho a olho com Colin, ele conseguia sentir a respiração forte do Black Dragon.

- Você perdeu Drakon... – Colin disse baixinho, o dragão riu.

- PERDEU??!! – Drakon começou a falar. – OLHE ESTE LUGAR! OLHE O KANSAS! TEM CERTEZA QUE VOCÊ GANHOU?

- Eu não disse que ganhei, perdi muito por sua culpa, mas eu irei devolver. – Colin agora tentava enrola-lo, avistou seu cajado não estava tão longe assim, talvez com mais aproximação ele o alcançasse antes que o Black Dragon o matasse.

- EU NÃO VOU PERDER TEMPO COM VOCÊ COLIN... – Mesmo que Drakon falasse baixo, sua voz parecia estar numa altura absurda.

- Sua mãe... Ela te amava. – Colin disse, andando até seu cajado lentamente, sem que Drakon o notasse.

- MUITA GENTE AMAVA VOCÊ TAMBÉM E VEJO QUE ESTÃO NO MESMO LUGAR QUE MINHA MÃE. – Drakon disse e Colin sentiu uma pontada de raiva, mas não poderia perder o controle, não era uma batalha de farpas era de fogo.

- Eu não matei nenhum deles. – Colin falou, já muito perto.

- E NEM OS AJUDOU EM MOMENTO ALGUM, ME DIGA LEED, COMO É SER UM FRACASSADO? E DEPOIS QUE ACABAR, DIGA-ME, COMO É SER DERROTADO! – Drakon falou, e Colin falou baixinho “Te mostrarei da pior forma.” Sem perder tempo ele rolou e puxou o cajado com o poder mental, Drakon respondeu com uma gigantesca bola de fogo.

- TAZITA! – Colin falou e foi para trás das casas por meio do teleporte, ele se virou e viu a grande explosão que aquela bola causou. Naquelas condições, se fosse acertado uma vez seria fatal.

Drakon girou e destruiu todos as construções com as asas e o rabo, Colin conseguiu desviar de tudo por muito pouco e conseguiu avistar Shun, mesmo um pouco fora de forma, ele desviada dos destroços com demasia destreza.

Colin viu Ludwig chamar a atenção de Drakon com Correntes Mágicas, ele sabia que era inútil para machuca-lo mas era uma ótima distração de dragões.

- Colin venha aqui. – Shun falou bem baixinho encostado em um destroço segurando o braço direito.

Colin correu até o homem e agachou.

- Cadê as peças? – Shun disse antes que Colin pudesse falar algo.

Ele tirou sua bolsa e junto tirou duas peças.

- Falta uma. – Colin falou, agora que havia percebido, onde estava Wally? E a terceira peça? O dente?

- Procure Wendy ou Victória. – Shun disse. – E mande Júlia para cá.

Colin assentiu, pegou a mochila, as peças e então correu pelos escombros procurando Júlia, Wendy ou Victória, o que viesse primeiro estavam bom para o bruxo naquele momento do jogo.

- FEIXE VERMELHO! – Disse Colin, matando um dragão com o feixe que parecia um laser, nesse momento ele se perguntara do que adiantava parar de usar o Raio Cósmico se ele continuava matando com outros feitiços.

Colin avistou Wendy quando passou para outro pedaço gigante de casa, ela também estava se escondendo junto com outros magos que o bruxou julgou serem moradores que decidiram lutar, poucos tinham essa coragem na Broken Staff Street.

- WENDY! – Colin gritou, a menina se virou e checou bem furtivamente se algum dragão ainda perseguia-a. Sabendo que não, ela correu até Colin muito rápido.

- Como vai? – Perguntou se jogando sentada no chão.

- A terceira peça? – Colin ignorou a pergunta.

Wendy tirou da própria bolsa um dente afiadíssimo e sujo, Colin abriu a sua bolsa, pegou o chifre e a joia vermelha.

- E agora? – Wendy perguntou, mas Colin sabia que ela leria sua mente e sem dizer nada ele saiu. – Entendi.

Ela correu atrás de Júlia, que nesse momento estava regenerando as feridas de alguns moradores.

Colin se agachou mais, agora procurava Spitilsen, olhava para um lado e para o outro mas não o avistava, devia estar tentando se recuperar dos ferimentos em algum lugar.

Ele não poderia perder tempo procurando, talvez devesse voltar a Shun e perguntar o que faria agora, mas sua sorte mudou quando viu Aluns todo machucado e com os longos cabelos loiros bagunçados cair de pé ali perto.

- ALUNS! – Colin gritou, esperando que Drakon não ouvisse.

Aluns se virou para Colin e correu até ele.

- Você demora demais para fazer as coisas, sabia? – Aluns disse.

- Tenho as três peças, o que eu faço agora? – Colin perguntou ignorando a ironia de Aluns.

- Pega o dente e coloca em cima do dente, eles se transformarão respectivamente em lâmina e cabo, no cabo terá uma abertura e nela você vai botar a joia, depois que fizer isso jogue a espada para mim. – Aluns falou e Colin ignorou a última parte. Colocou seu cajado nas costas e pegou as peças, no seguinte ato ele correu. – O QUE VOCÊ TÁ FAZENDO??!!!! – Disse Aluns.

Colin correndo sobre a pesada neve juntou o dente e o chifre, uma metamorfose nojenta aconteceu entre as peças e uma lâmina torta se formou, junto com um cabo também torto que portava uma abertura octogonal perfeito para entrada da joia, e então, nela, Colin botou a joia, e nesse momento a espada ficou entrou em incêndio, não queimou as mãos de Colin mas causou uma ardência desconfortável.

Ele viu Ashley matando um dragão, pensou em parar e dizer adeus caso tudo desse errado de alguma forma, mas preferiu outra coisa:

- ASH! DEGRAUS! – Colin disse sem perder tempo e Ash entendeu quando viu um pedaço de chamas na mão do garoto.

Ela esticou a mão em direção aos pés de Colin, isso fez com que subisse uma pequena torre de pedra, e logo depois ela formou outra, e outra e outra... Fazendo o que parecia uma escada que levaria direto para o dragão.

Ash precisava acompanha-lo para fazer as escadas, Aluns, raivoso com Colin por sua decisão “Idiota” fez a proteção da filha contra os dragões, Ludwig e Spitilsen lutavam contra Drakon junto com alguns moradores, mas logo Drakon trocou de alvo quando viu que estava sendo cercado por torres de pedra.

- NÃO TENTE LEED! – Drakon disse e rapidamente cuspiu uma bola de fogo tão perto de Colin que não daria tempo desviar, ele pediu ao destino para que não morresse ali.

- ESCUDO DE FOGO! – Colin ouviu a voz de Wendy.

Ele olhou para a menina ofegante, agradeceu com uma piscada e continuou a subir as torres que Ash fazia, sendo acompanhada por Wendy que protegia Colin com o Escudo de Fogo.

Drakon sairia dali e ainda poderia levar a vida de Colin se fizesse, o bruxo não sabia disso, e novamente pediu ao destino para que alguém tivesse outra ideia genial.

- NÃO! – Ouviu a voz de Ludwig quando viu Drakon levantar as asas, o acorrentou novamente mas não faria efeito. Spitilsen viu e repetiu, mas ainda não daria.

Logo após, Drakon virou a outra asa tentando acertar os magos que lhe acorrentaram, possesso de raiva ele tentava girar mas os moradores que restavam ainda ajudavam.

O Black Dragon estava completamente imobilizado, mas ainda faltava a cabeça. Drakon rugiu, e avançou em direção ao garoto para comê-lo, mas quando os dentes se fecharam bem perto de Colin, surgiu o Death Byte, que puxou o dragão com duas correntes de fogo, novamente Drakon rugiu.

Colin saltou, todos prenderam a visão nele, o bruxo sentiu a espada crescer mais e sua mão queimar de dor, e rapidamente ele atravessou as escamas negras com a arma flamejante.

Drakon novamente rugiu, dessa vez de dor, as suas escamas negras começaram a esquentar, e então explodiu.

Todos próximo foram arremessados longe, e Colin foi jogado para cima, a espada se desmontou e as Sentenças caíram, o bruxo viu do céus os corpos de Guerreiros, moradores, todos caídos, ele pediu a Éthera para que nenhum estivesse morto mas era óbvio que estavam. Não tinha visto nenhum Guerreiro na batalha, estavam todos ali, mortos.

Colin sentiu o poder da gravidade, e junto com os flocos de neve ele caiu, viu o dragão se contorcer de raiva e dor, sentiu o cansaço de não dormir e não se alimentar, sentiu a dor de exigir mais do que o possível do próprio corpo, tudo aquilo ainda demoraria para acabar?

No momento em que ele pensou isso, Victória o salvou com Ronan, o unicórnio alado.

- Te peguei. – Victória disse abrindo um sorriso.

- Éthera te abençoe. – Colin brincou

Victória pousou num prédio de topo quadrado, Colin desceu de Ronan e a bruxa desconjurou o animal.

- Ele ainda não caiu. – Victória disse, ao ver que o dragão ainda rugia, andava pelos prédios causando destruição, estava com as escamas vermelhas, suas reais escamas.

- Mas agora sabemos que ele é mortal. – Colin falou, fitando o dragão.

- Aluns disse que o corpo dele é mortal, mas a alma viverá para sempre. – Victória disse, com a expressão exaurida, cheia de cortes e sujeira, com o chapéu cônico banhado pelos flocos, como o cabelo de Colin.

- É, isso é um problema. – Colin falou. – Vamos acabar com isso. – E então ele correu e pulou do prédio. – INVOCAÇÃO DE FOGO!

Hopkins, a fênix, se materializou do cajado, Colin caiu em cima do animal e levantou voo.

Colin estava na maior velocidade que podia, voou para o lado direito de Drakon e antes que ele notasse, o bruxo agiu.

- CORRENTES MÁGICAS! – Colin falou e as correntes prenderam o pescoço do dragão. Com a velocidade do voo a força foi mais forte, e Drakon foi puxado para o lado direito e caiu dos prédios em que andava.

- RAIO CÓSMICO! – Aluns falou, mas Drakon mesmo com aquele tamanho foi mais rápido, levantou voo e como consequência destruiu prédios, pisoteou e lançou pessoas longe.

Colin pousou novamente ao lado de Spitilsen em cima de escombros da Catedral.

- Colin suponho que você leve Drakon de volta ao lar... – Spitilsen disse e Colin não entendeu nada. – De volta ao nosso antigo lar...- Ele terminou, e Colin assentiu.

Novamente subiu em Hopkins e voou atrás de Drakon, pegou a pedra venusiana do seu bolso e encostou a mão no dragão. Então ele pensou: “Kansas”.

Colin e Drakon foram teleportados para 2 quilômetros de onde estavam antes, era possível ver a Broken Staff Street de longe, em incêndio e ruínas, não estava tão diferente do Kansas, escuro total, pedaços de pessoas queimadas, esmagadas, dilaceradas... Apenas iluminada pelo gigantesco e flamejante dragão.

- NÃO ME LEVE PARA VISITAR SUA ANTIGA CASA COLIN. – Drakon disse. – VOCÊ CAUSOU TUDO ISSO, ESSAS DESTRUIÇÕES, TODAS AS DESTRUIÇOÕES! E AINDA ME CHAMAM DE MONSTRO! ONDE VOCÊ ESTAVA QUANDO PRECISAVAM DE VOCÊ? VEJO QUE LEED ASSUMIU A PROFISSÃO DE COVEIRO, SÓ CHEGA QUANDO ESTÃO TODOS MORTOS! – Drakon disse.

- Não tente me irritar, Drakon... Apenas aceite sua derrota. – Colin não se importou com as farpas de Drakon.

- DERROTA? ESTOU EM MEIO A MINHA ASCNEÇÃO! CONHEÇA O INFERNO, COLIN! – Drakon falou e sua pupila ofídica dilatou.

Colin ficou com os olhos vermelhos, ficou perdido de si, começou a ter visões de fogo, sua mãe e seu pai sendo assassinados, seu irmão matando Oliver Noor, Colin com Noor nos braços, Colin com Ash nos braços, a Escola para Magos sendo queimada...

- DEIXE MINHA MENTE EM PAZ! – Colin gritou e se ajoelhou segurando a própria cabeça enquanto o dragão dava gargalhadas.

Drakon cuspiu um jato de fogo na direção de Colin, e sem que notasse Wendy chegou e usou o escudo de fogo para proteger o amigo. O dragão rugiu de raiva.

- Por sua culpa meu irmão morreu! – Falou Wendy, muito alto. – Agora é a minha vingança.

Ela levantou um cajado e duas laminas avermelhadas começaram a orbitar na ponta superior que tinha um formato de lua minguante.

- CORTE ATÔMICO. – Wendy disse e apontou o cajado para Drakon, as laminas gêmeas foram aumentando cada vez que chegavam perto do seu alvo. Drakon não foi tão rápido agora, foi acertado pela magia de Wendy em cheio, pela primeira vez Colin viu o dragão sangrar.

Ele rugiu, o resto das pessoas que ainda queriam lugar apareceram e apontaram o cajado para o Black Dragon. Drakon em resposta bateu o pé no chão, fazendo-o com que estremecesse, e de alguns lugares saíram vários dragões menores, que começaram a atacar todos que ali estavam.

- São dragões da Dimensão Dragônica. – Aluns disse. – Ele abriu um portal de lá direto aqui, por isso o ataque foi rápido.

- VÃO EMBORA TODOS! – Colin ouviu uma voz conhecida, era Kalidan Montesquieu, o ministro, acompanhado por um exército de Guerreiros que mais pareciam clones uns dos outros. – O que faz com toda essa gente, Vladmir Spitilsen?

- Eu estou protegendo a cidade, e onde estava você? – Spitilsen perguntou e Kalidan não respondeu.

- Está dispensando. – Kalidan falou, com fúria no os olhos. Spitilsen o ignorou.

- Vamos acabar com isso. – Spitilsen disse se virando para ajudar todos na batalha contra os dragões.

- VOCÊS ESTÃO SURDOS? VÃO EMBORA DAQUI ESTÃO EM PERIGO! – Kalidan gritava mas ninguém o ouvia, ele tentou culpar o som das magias, mas no fundo sabia que pouco ligavam para ele. – Ataquem, retirem os cidadãos e me tragam Colin Leed.

Os Guerreiros correram por entre os escombros, colocaram fogo em alguns pedaços para o espaço ficar mais iluminado. Várias vezes todos ali se deparavam com corpos caídos, o que dificultava as passagens e a contagem de mortos era exorbitante.

- Lá está ele! – Disse uma Guerreira para um companheiro ao seu lado quando viu Colin lutando contra um dragão.

- DELÍQUIO! – Os Guerreiros disseram juntos.

- ESCUDO DE VENTO! – Ashley conjurou um escudo antes mesmo que Colin notasse os lampejos, defendendo-o. – FÚRIA LUMINOSA! – Ash estava extremamente irritada, ela nunca tinha se visto assim, até conjurar uma esfera de luz e controla-la com o cajado, toda vez que essa esfera encostava na carne humana queimava e quando atravessava-a era como ser acertado por uma pedra. Ash repetiu o movimento diversas vezes até os Guerreiros caírem.

- ASHLEY! – Colin gritou, não pela tortura exacerbada da menina, e sim pela aproximação de uma bola de fogo atirada por Drakon.

Tudo explodiu naquela área, Ash caiu, Colin correu até ela temendo o pior.

- ASH! – Asirin disse ao ver o corpo da irmã estirado na cratera que a bola de fogo havia feito. Ele correu até lá, mas um dragão passou voando e o arremessou com as garras para mais longe.

Colin botou a mão no coração de Ash, ainda conseguia senti-lo bater, ele precisava tira-la dali, mas a Mercury já poderia estar evacuada....

- Kodart... – Colin disse, ao avistar Kodart correndo e atirando “Delíquios” Para vários lugares diferentes ao mesmo tempo que segurava Luna pelo pulso. – KODART!

O mago se virou, olhou para os dois lados e correu até Colin.

- O que foi? – Disse Kodart, todo ofegante.

- Ash desmaiou, preciso que fique com ela e lute de longe. – Colin não quis dar muitos detalhes, quando ele acabou de falar, Ash abriu os olhos.

- Eu estou bem! – Ash disse se levantando e tirando a neve da capa e dos cabelos.

- Ash... – Kodart não terminou e Colin nem tentou falar nada, sabia que ela era teimosa o suficiente para escutar um pedido daqueles.

- DRAGÃO ELEMENTAR! – Ash disse, e seu dragão de água voou pelos escombros, tinha como alvo Drakon. Kodart sabia que tinha perdido aquela discussão.

Drakon não sentiu o dragão de água, Ash chegou a rápida conclusão que o dragão era imune a água.

Black Dragon voou em direção aos quatro magos, mas várias correntes o pararam.

- IMPACTO DIVINO! – Ash gritou e o espadão de luz distorcido desceu dos céus em cima do dragão, Drakon rugiu de dor. – ADAGAS DE LUZ! – Várias laminas luminosas se criaram em sua volta e foram na direção do dragão, depois explodindo em pequenas proporções.

Drakon se auto explodiu, se livrando das correntes e voando na direção de Colin.

- Tazita! – Colin falou e se teleportou para cima do dragão, para não cair, o bruxo usou as Correntes Mágicas e então Drakon levantou voou.

- VAMOS VOAR UM POUCO! – Drakon disse mexendo o grande pescoço tentando tirar Colin dali.

Colin apontou o cajado com muita dificuldade para o pescoço de Drakon, não conseguia se segurar direito, toda vez que apontava o dragão mexia de novo.

Em um momento ele caiu, se segurou pela corrente e agora estava tão próximo de cair na profunda escuridão que sentia a gravidade mais forte do que era realmente.

Ele se soltou.

- INVOCAÇÃO DE FOGO! – Colin falou e invocou Hopkins.

- ASSIM É MAIS DIVERTIDO! – Drakon disse voando em direção a Colin, o bruxou subiu e deixou que passasse reto, o dragão o seguiu e Colin desceu novamente em alta velocidade.

Era muito rápido a velocidade de queda de Colin, desconjurou Hopkins e agora a queda era livre, Drakon descia mais rápido ainda, o bruxo tinha medo de tudo dá errado e acabar sendo comido.

Colin já podia ver o chão, ele puxou a pedra venusiana do seu bolso e pensou: “Kansas” Então o bruxo foi teleportado para perto de onde estava, enquanto Drakon chocou-se no chão atirando Colin muito longe.

- Colin! Você tá bem? – Ash disse se ajoelhando na neve para ajudar Colin a se levantar.

- Ele morreu? – Colin perguntou virando-se para trás, a nuvem de neve escondia o corpo do dragão, mas o bruxo viu sua silhueta além dos olhos vermelhos se abrirem.

- Ainda não. – Ash disse puxando o garoto mais para trás.

Drakon rugiu, o Death Byte pulou os dois magos e colocou a mão no chão, a neve no chão começou a ficar totalmente sólida nos pés do Black Dragon. Após prendê-lo, o Death Byte juntou os pulsos e mirou na direção de Drakon.

-  RAIO CÓSMICO! – Pela primeira vez, Colin ouvira a voz do mago misterioso.

Drakon com últimas forças se soltou tentando se jogar para a esquerda, porém o Raio Cósmico atingiu sua asa e ela se partiu, ele rugiu de dor.

Drakon bateu os pés no chão e todos caíram, jogou o Death Byte um pouco longe com um assopro de fogo, levantou a gigantesca pata e ali mataria Ashley e Colin.

Ele rugiu novamente e a unha desceu na direção de Colin, totalmente esgotado, ele jogou novamente a vida na sorte, fechando os olhos.

- NÃO! – Ouviu o grito de Ash, novamente Colin abriu os olhos e viu na sua frente o Death Byte, atravessado pela unha do Black Dragon, depois de fita-lo por um segundo, ele disse:

- Por que?

Os cabelos sujos, longos e negros do Death Byte ficaram soltos e ruivos, sua máscara havia caído e Colin reconheceu o rosto, era Arthur Mitra.

- Sua imprudência me matou duas vezes, garoto. – Ele disse e sorriu.

Drakon tirou a unha e Arthur caiu, com ajuda de Colin ele se levantou. Era notável o cansaço do próprio Black Dragon. Já não conseguia voar, nem fazer mais bolas de fogo, Colin tentava aproveitar mas estava tão cansado quanto o inimigo, contudo, havia mais pessoas ao seu lado, aquela batalha estava terminada.

Colin se sentiu culpado pela morte de Arthur, mas antes de tudo ele estava surpreso, como sobreviveu? Como roubou a Death Byte? Por que escondeu a própria identidade? E por último, por que fez isso por Colin?

Arthur se virou e disse:

- RAIO CÓSMICO! – O Feixe negro foi rápido, rasgou o pescoço do dragão e ele deu seu último rugido.

A queda de Drakon jogou neve para todo lado, Arthur se ajoelhou e Colin deduziu que estava esperando a chegada de Éthera para leva-lo para o mundo dos mortos.

Mas não era isso, Arthur fez um sinal de cruz com os dedos, ao mesmo tempo que uma figura fantasmagórica e laranja saía do corpo do Black Dragon, era sua alma imortal.

Rapidamente Colin entendeu, como a cartada final, Arthur estava manipulando a direção da alma de Drakon, mas para onde? Ele se perguntava.

- Desculpe, Colin. – Arthur disse e então apontou para Colin, a alma d dragão obedeceu e rapidamente voou e entrou no corpo do bruxo, Colin caiu e desmaiou.

- O QUE VOCÊ FEZ! – Ashley gritou, e desmaiou também, sem motivos.

Arthur também caiu, dessa vez morto de verdade, olhando para as estrelas no céu, a Pristin, que agora havia assumido uma eterna forma dragônica, abriu um sorriso de dever cumprido, derrotar o Lorde dos Dragões pela última vez, e sela-lo para sempre. Assim nunca mais, Drakon atormentaria a Magnólia de novo.

Então, enquanto o seu sangue banhava a branca neve, Arthur fechou os olhos, e morreu.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...