História Collision - Dramione - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - 05 - What they did to you


As aulas haviam passado rapidamente naquele dia. O tempo pareceu voar após McGonagall comunicar que, no horário de aula, as crianças ficariam sob a responsabilidade de um elfo, esvaindo a preocupação dos pais.

Era a última aula do dia e Hermione estava determinada. Poções, com a sonserina, e consequentemente, com Draco Malfoy. A castanha avistou os inconfundíveis cabelos loiros e caminhou até lá, não se importando com os sussurros acusadores, nem com o olhar alarmado do garoto quando ela se sentou ao seu lado.

- O que pensa que está fazendo?

- Você vai falar com Isaac. - Ordenou, inexpressiva. - Vai se desculpar com ele.

Draco apoiou a cabeça sobre as mãos, sorrindo debochado. - E quem vai me obrigar a fazer isso?

- O seu bom senso, se é que você tem. Foi cruel demais, até mesmo para você.

O olhar debochado se transformou em uma instantânea expressão tristonha, que passaria despercebida se Hermione não estivesse olhando tão compenetradamente para o sonserino.

- Já ouvi coisas piores. - Deu de ombros, fazendo pouco caso. - Ele supera.

Hermione olhava-o, impassível.

- Pode dizer isso agora Malfoy. Mas aposto que doeu quando ouviu, não engana ninguém além de si mesmo.

O menino se irritou. Ela tinha razão, para piorar tudo.

- Saia daqui sangue ruim, não vê que estão comentando?

- Pro inferno com os comentários, seu idiota. Não saio daqui até ter certeza que vai se desculpar com Isaac!

- Então fique aí, eu saio, sua insolente.

E levantou-se, se sentando com Pansy Parkinson. Hermione o seguiu com o olhar, distraída demais para notar Rony ao seu lado.

- O que há com você, está ficando louca? - Hermione deu um pulo ao ouvir a voz do ruivo, que olhava pra mesma direção que ela, recentemente.

- E o que há com você? Está tentando me matar de susto? - Irritou-se, tentando ganhar tempo. Pensou se Harry ou Gina tinham contado para o amigo sobre os últimos acontecimentos, mas a julgar pela surpresa dele, teve certeza que não.

- Por que estava falando com Malfoy?

- Apenas algumas amenidades sobre a aula.

- Amenidades sobre a aula, por quê? - Indagou, exasperado, Hermione tentou formular uma resposta, mas foi interrompida por Snape.

- Página 167, Weasley, Granger, queiram calar a boca.

A grifana deixou escapar um suspiro de alívio, deixando Rony ainda mais intrigado.

• • •

- Não vai mesmo falar com ele?

Draco revirou os olhos, não precisava levantar o olhar para saber de quem se tratava.

Olhou em volta, notando a sala vazia, estava tão absorto em seus pensamentos que sequer notou quando a aula chegou ao fim.

Sabia que estava errado, não que não dissesse coisas infinitamente piores do que o menino ouvira, mas o fato dele ser uma uma criança e seu futuro filho, pesava bastante.

Decidiu contra-argumentar com sarcasmo, o que melhor sabia fazer.

- O que há Granger? Quer passar um tempo sozinha comigo? Sinto muito, você não faz meu tipo.

- O que quero, Malfoy, é que tenha responsabilidade emocional pelo menos com seu... - Hermione hesitou, olhou em volta para se certificar que ninguém estivesse lá para ouvir. - Filho!

- Você não...

- Eu não dou a mínima se é um mimado orgulhoso, ou se é um imaturo, ou se já ouviu coisas piores, como você mesmo disse... - Desatou a falar, interrompendo o sonserino.

- Cale a boca!

- Sabe, acho que isso explica muito coisa na verdade. O fato de você ser uma pessoa horrível, por exemplo.

- Uma pessoa horrível? - Ficou em pé, cruzando os braços, próximo a grifana. - Rico, bonito, sangue puro, sonserino, um excelente jogador de quadribol... Isso é horrível para você?

- E do que adianta a pureza do sangue, a riqueza, sua qualificação em quadribol ou sua beleza...

- Então me acha bonito! - Pontuou O loiro, com diversão.

Hermione ignorou, retomando sua análise.

- Do que adianta isso tudo Malfoy, se você desconhece o amor. Pode rir, eu sei o quanto é clichê, mas é a verdade. Sua família é do mal, e para compensar a falta de carinho, te encheram de mimos. Sua superficialidade é patética, você é patético.

Draco sorriu, dando um passo a frente. Segurou o queixo da castanha, delicadamente, fazendo com seus olhos se encontrassem.

- Pro inferno, com seus comentários, Granger. - Repetiu a frase que ela usara no início da aula.

Naquele momento, olho no olho, Hermione notou a mágoa disfarçada por um sorriso irônico. Talvez tenha sido dura demais. A culpa se apossou da garota.

Era do conhecimento de todos a frieza dos Malfoy, a forma como Lucius Malfoy era rígido e arrogante, e como Narcisa era submissa. Devia ser difícil para Draco a situação familiar. A grifana foi baixa ao jogar tudo aquilo na cara dele.

Quando o sonserino deu as costas, movida pela coragem tão característica de sua casa, Hermione sussurrou.

- Desculpe. - O loiro parou, conseguiu ouvir a menina, por mais baixo que tenha dito. Sentiu ela se aproximando, mas em nenhum momento virou-se para a olhar. - Não quis ser maldosa. E agora, não estou querendo ser inconveniente, nem evasiva, mas é por Isaac que peço: Não seja o que fizeram com você, Malfoy.

E então, ela se foi.

Draco a acompanhou com o olhar, até que desaparecesse de seu campo de visão.

Ela não estava errada, em nenhuma de suas colocações.

E o encontro que ele teria com o pai daqui a poucos minutos, reforçaria ainda mais o que Hermione Granger falou.


 


Notas Finais


Hellooo, como estão?
Esse capítulos está meio pequeno e monótono, estou pensando em postar mais um hoje, o que acham? Comentem
O próximo vai ser bem fofinho até hahaha, mas vocês notarão uma certa diferença cronológica com relação a saga, mas nada muito absurdo, só achei que ficaria melhor pra história.
Bom, é isso, até logo, se vocês quiserem, claro. Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...