1. Spirit Fanfics >
  2. Colors >
  3. .one; little miss perfect

História Colors - Capítulo 1


Escrita por: e morukko


Capítulo 1 - .one; little miss perfect


Se você perguntasse a Catalina Phersan o que ela achava da frase “os opostos se atraem” ela começaria uma explicação de física, a famosa lei da atração de Columb: “A força entre dois corpos será atrativa se os mesmos tiverem cargas opostas, e será repulsiva se eles possuírem carga de mesmo sinal”.

Se você perguntasse a Catalina, o que ela acha dessa frase em relação a relacionamentos amorosos, ela reviraria os olhos e diria que isso é algo estúpido. Não tem como duas pessoas completamente diferentes uma da outra se apaixonarem, quer dizer, tem, mas a chance é pequena, existem milhares de artigos de psicólogos sobre isso, as pessoas tendem a se apaixonar por pessoas que compartilham os mesmos gostos que elas. 

Essa frase é apenas uma invenção de pessoas para criar cenários românticos improváveis. Seja em filmes, livros ou peças.

É algo irrealista no mínimo. Não faz sentido.

Catalina Phersan não acredita na frase “os opostos se atraem.”



 

Ela mantinha uma rotina diária.

Acordava uma hora e meia antes da escola começar, no seu quarto excessivamente grande na sua casa excessivamente grande. Os Phersan eram ricos, uma família de advogados influentes na cidade, com poder o bastante para comprar um casa luxuosa. Ela se arrumava sem pressa, escolhendo suas roupas com atenção, tinha um cuidado com sua aparência e sempre se via uma, duas ou três vezes no espelho antes de sequer sair de seu próprio quarto. Tinha uma mesa perto de sua cama onde mantinha suas agendas e livros da escola arrumados. Livros era o que não faltavam, ela estava no ensino médio e seu quarto parecia o de um universitário. 

Haviam pequenos sinais de que não tinha um calouro ali e sim uma jovem garota, talvez seu teclado, com partituras de música dentro do caderno, onde nem todas eram clássicas.

Quando acordava, normalmente seus pais já haviam ido embora para o trabalho, ambos no tribunal, o que a deixava com seu irmã mais velha Wilona e os dois empregados da casa. Não que durasse muito tempo. Wilona sempre saía cedo para a faculdade de direito, era algo que corria na família. 

Enquanto era lhe servido um café da manhã que consistia basicamente em frutas e cereais, Wilona tomava banho e saia com pressa para dirigir até a faculdade. Ela passou pela mesa com rapidez segurando uma pasta e as chaves do carro.

— Até mais. — Se despediu sem olhar para trás, fechou a porta de casa e a mais nova voltou a comer seu café. 

Assim que acabava ainda faltava quarenta minutos para as aulas começarem, mesmo assim ela se arrumava e ia para o carro, era deixada por um dos motoristas na frente do colégio, com mais de meia hora antes do da escola começar. Praticamente vazio e silencioso.

Havia algo de interessante em ver as pessoas chegando uma por uma, e mesmo com bastante tempo e a tolerância de 15 minutos ainda havia pessoas que chegavam atrasadas. E ela não entendia isso. Pouco antes da aula começar, Thomas e Felicity entraram pela porta, atrasados, eles acenaram e ela acenou de volta, não conseguiram se falar pois o professor chegou logo atrás deles.

Suas manhãs eram sempre assim, chegar cedo, observar os outros alunos chegando, e então estudar. Simples e organizado.

A aula de matemática estava chegando ao fim e Catalina fazia as últimas anotações em seu caderno, assim que o sinal bateu ela ouviu um suspiro coletivo de alívio vindo da sala, se continuar assim ninguém passa de ano. Ela começou a arrumar seu material para a próxima aula quando alguém se sentou na cadeira ao seu lado.

— Vamos ao shopping hoje. — Thomas disse.

— Fomos ao shopping, semana passada. — Não era como se ela realmente se importasse.

— Isso, semana passada, precisamos ir de novo. — Argumentou o garoto com um sorriso, mostrando seus dentes pontiagudos.

— Vai ser divertido, podemos parar e tomar sorvete, não vai acabar com seu precioso cronograma de estudos. — Felicity falou atrás de Thomas, era um complô contra ela, porque ambos sabiam que para convencer Catalina era preciso mais de uma pessoa.

— Eu tenho que voltar antes das 18:30.

Os dois sorriram.

Amizade sempre foi um assunto complicado para Catalina. Ela que fazia contas em segundos, tinha um cronograma de estudos digno de uma faculdade, tocava piano e lia livros mais pesados do que ela não sabia como fazer amigos. Patético não é?

Quando pequena Catalina sempre quis fazer parte de um grupo de amigos, mas existiam dois grandes problemas, um, ela era uma das nerds da sala, dois, ela...não sabia como se aproximar de pessoas, salvo as vezes onde a pediram para copiar seu dever de casa.

Thomas e Felicy eram filhos de amigos de seus pais, isso tornou as coisas mais fácies, os três se viam com frequência, em uma das tediosas festas de adultos, os três escaparam para o jardim, e enquanto Thomas corria atrás de Felicity e Catalina com um inseto fazendo as duas quase chorarem, os três formaram uma amizade.

— Opa, eu tenho que pegar uns matérias do clube de basquete no armário do ginásio. — O de cabelos vermelhos falou. Felicity e Catalina iam abrir a boca para reclamar mas ele as interrompeu. —  Sim, eu esqueci de novo, não comecem.

— Eu vou com você para ver se não se atrasa. Cat? 

— Eu salvo os lugares de vocês na aula. Deus, tem dias que me sinto babá de duas crianças.

— A culpa é do Allen que não deixa nada no lugar, sobra para mim no final. — Ele reclamou do colega de time sendo arrastado por Felicity pelo corredor para cumprir a missão o mais rápido possível. 

A de cabelos azuis, andava calmamente pelos corredores em direção a outra sala, precisava arrumar o material de estudos para mais tarde, depois do intervalo teria uma conversa com o professor James e-

Catalina deu um quase salto para o lado, surpresa pelo barulho alto e pela lata de lixo caindo ao chão.

— Tome cuidado! — Repreendeu, então notou os cabelos brancos e o sorriso afiado. 

“Ah, que maravilha.”

Todo mundo no colégio conhecia Blanche Lewis,  por bem ou por mal, significava que você estava no lado bom dela ou ela já brigou com você — e ganhou. Haviam várias histórias inacreditáveis e provavelmente ilegais sobre as confusão em que ela se metia, Lewis passava parte das aulas fumando atrás da escola, e quando comparecia às aulas era para criar confusão. Tinha um histórico impressionante de detenções pela coisas mais ridículas, pegadinhas, brigas no corredor….

Blanche Lewis não é alguém com quem você quer envolver, de qualquer maneira.

Mas ali estava a garota frente a frente com ela. Vendo a outra chutar propriedade escolar, sua mente dizia que ela deveria evitar Blanche, mas a mais alta abriu a boca: 

— O que foi, eu estraguei sua roupa de grife? — Disse com um sorriso debochado no rosto.

E Catalina é Catalina, e tinha que reclamar sobre a má conduta. Ela cruzou os braços, encarando a delinquente.

— Isso é um corredor não um ringue de luta. Você não pode ficar derrubando propriedade da escola.

— É só uma lata de lixo, não é como se você fosse morrer por causa disso.

Ela deveria continuar o seu caminho, porque a aula de física iria começar e ela não queria se atrasar, porque ela nunca se atrasou para nenhuma aula em toda sua vida. Seria melhor apenas ignorar a presença irritante em sua frente.

— Você é um perigo para a saúde dos estudantes Lewis. — Ela revirou os olhos e saiu dali, ouvindo a risada irritante atrás dela.

É impressionante como tem gente com tanto tempo livre e ideias tão bestas em mente.


 

 

Depois da aula de física, era intervalo, o refeitório estava lotado como de costume, Felicity voltou para a mesa trazendo pacotes de doces que apenas ela conseguia da moça da cantina. Ela tem um poder de persuasão incrível.  

— Não acredito que você decidiu virar professora. — Thomas reclamou enquanto tomava seu suco.

— São apenas aulas de tutoria. Vão me dar mais crédito para faculdade, e é uma boa maneira de passar o tempo.

— Está mesmo nos trocando para ler livros para outro pobre jovem? — Felicity disse, a voz fingindo estar magoada.

— Falando assim parece que eu odeio vocês. — Catalina bufou.

— As vezes tenho minhas dúvidas...Ai! — O garoto soltou quando a amiga deu um tapa leve em seu braço e caiu na risada.

— Já sabe quem você vai ensinar? —  Felicity perguntou.

—  Vou descobrir depois do intervalo.

— Imagina se você acaba ensinando o Lorenzo.

— Credo Felicity! 

— Se esse for o caso mande mensagem, vamos te resgatar. —  Thomas riu junto.

— Alguém como o Lorenzo é literalmente a última pessoa no mundo que poderia me afetar de alguma maneira. — Catalina disse ouvindo de longe as risadas e xingamentos aleatórios que os jogadores de futebol faziam em uma mesa mais distante onde Lorenzo Alencastro estava com seus amigos. Tão barulhentos.

Felicity empurrou o celular no rosto de Catalina, a assustaria se não fosse algo tão comum.

— O Magister Gossip acabou de publicar que a Eden sai para baladas aos domingos. Logo ela que fala tanto sobre a igreja.

— Esse tumblr ainda existe? É incrível como não foram processados ainda...Espera a Eden? Lowell?

— Ela mesma.

Magister Gossip é um tumblr de fofoca, ele existe desde o final do fundamental, ninguém sabe quem criou, se ao menos o criador faz parte da escola, mas o site está lá, despejando segredos e notícias polêmicas sobre qualquer um. Vários exposed e fotos de festas onde tal pessoa não deveria estar beijando tal pessoa comprometida. 

Entretenimento barato e desnecessário.

— Se vocês um dia parassem no Magister Gossip, sobre o que seria o exposed de vocês? — Thomas apoiou a cabeça em umas das mãos, deixando a embalagem vazia de suco em cima da mesa.

— Vejamos… — Felicity se recostou na cadeira. — Provavelmente não gostar do Helia.

— Eeh? Por que? O cara é praticamente um filhotinho de cachorro de tão puro.

— E isso é estranho! Ele deve ter algum podre! Alguma conexão com chefes da máfia por parte do avô super poderoso dele que por acaso é diretor da escola!

— Oh, pare. Passou dos limites da imaginação. O Helia é ok. — Catalina comeu um pouco mais de seu lanche, achando as acusações ridículas.

— Acho que eu seria cancelado por ter sido misógino na quinta série.

A declaração de Thomas fez as duas o encararem.

— Eu disse que meninas não podiam jogar basquete quando tinha 10 anos.

Felicity jogou um pedaço de seu sanduíche no garoto.

— Mas e você Catalina Phersan? Que motivo a levaria a sofrer um exposed do Magister Gossip? — Com a pergunta da amiga, os dois a observaram, com sorrisos ansiosos no rosto.

Catalina é bem discreta quanto a sua vida pessoal dentro de casa, do lado de fora sua família era conhecida por todos na cidade por causa do trabalho e riqueza, mas apesar de tudo não tem muito o que esconder de verdade, nenhum segredo avassalador que valha a pena ser publicado em uma página de fofocas. 

— Absolutamente nada.

Ouviu Thomas suspirar decepcionado.

— Como sempre.

Ela terminou seu lanche, o alarme de seu celular tocou e ela o desligou se pondo de pé.

— Preciso ver o professor James.

Depois de ouvir “boa sorte com o aluno.” e “não assuste o pobre coitado.” ela foi em direção a sala do professor de história.

Algo do qual Catalina se orgulhava eram suas notas.

Nada além de noves e dez em quase todas as fileiras de seu boletim e prêmios de melhor estudante, beirando a perfeição, perto del, como deveria ser e poderia melhorar.

Em Magister, existia um sistema de que alunos com notas altas poderiam ensinar os que estão com dificuldade em certas matérias. Assim que se aproximaram dela com a oportunidade ela não pensou duas vezes antes de aceitar, não apenas oferecia créditos extras para faculdade mas ela gostava de ensinar os outros, era boa nisso, ela ganha, o aluno ganha, todos ganham.

Catalina bateu na porta da sala e ouviu um “entre.”. Professor James estava sentado em sua mesa revisando os exercícios da aula passada, quando viu a garota ele sorriu.

— Catalina, sente-se. Veio por causa das aulas de tutoria certo? 

— Sim, eu gostaria de saber quem vou ensinar.

— Claro, claro...É bom ver que alunas aplicadas como você estão se dedicando a esse projeto da escola. Ajuda bastante…

Procurou a lista de jovens envolvidos no programa de estudos e analisou o papel, demorou um pouco para achar o nome e a matéria. 

— Aqui, bem…

Ele deixou o café que tomava de lado.

— Você vai dar aulas para…Blanche Lewis.

Houve um silêncio que pareceu durar horas, mesmo que não fossem nada além de segundos, Catalina piscou.

— Desculpe?

Não é a pessoa mais expressiva do mundo mas seus olhos estavam arregalados em surpresa, deve ter ouvido errado, não é possível que o universo a odeie tanto assim.

— Você vai dar aulas para Blanche Lewis.

Ok, o universo realmente a odeia.

— O que?

— Sim eu tive a mesma reação. — O professor de história disse. ─ Desculpe por isso, querida.

Catalina quis se levantar e andar pela sala, mas achou que isso seria demais, entretanto a ajudaria a acalmar os nervos, como é possível que de todas as pessoas nesse colégio ela vai dar aula justo para Blanche Lewis? Por que ela não pode ensinar alguém que...sabe...ao menos se importa em aparecer na escola? 

— Professor James, eu tenho duas aulas com a Blanche, literalmente o ano inteiro só a vi comparecer em quatro dias. Ela é encrenqueira, mesmo se eu der a aula ela não vai prestar atenção. Vai ser tempo jogado no lixo. — Fez o melhor para soar neutra, porém sua voz estava um pouco mais alta que o normal, e mais rápida. 

— É o que você acha?

— Sim, com todo o respeito.

James tombou a cabeça para o lado, suspirando.

— É uma pena, eu achava que você seria a pessoa certa para isso…

Se existia que Catalina odiava mais do que desordem, seria ter alguém a dizendo que ela não é capaz de realizar alguma coisa. — por mais comum que seja. entretanto isso não é relevante para a garota citar no momento. — Então assim que James falou aquelas palavras ela inconscientemente gritou.

— Não!

Ela mordeu o lado de dentro da bochecha e apertou a alça de sua mochila.

— Não será um problema, eu consigo.

O homem imediatamente mudou suas feições para uma mais animada.

— Que bom! Aqui está o passe para ficar na biblioteca e o cronograma! Vai ser uma hora e meia de reforço, ok? Sabia que podia contar com você! — Ele entregou os papéis para ela alegremente. 

E assim que Catalina pisou para fora da sala, percebeu no que ela tinha acabado de se meter.

Céus...

Vai ser um desastre.


Notas Finais


Hey! Postando um Au novo, amaram? Essa fanfic é baseada no universo da interativa Academia Magister da @Heliantheas

Espero que gostem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...