1. Spirit Fanfics >
  2. Colors on Mirror >
  3. Singularidade

História Colors on Mirror - Capítulo 20


Escrita por:


Notas do Autor


Espero que gostem do meu final, se não gostarem tbm paciência
Nem Jesus conseguiu agradar todo mundo

Capítulo 20 - Singularidade


Jungeun estava ansiosa.

Andava de um lado para o outro esperando por Yerim, havia combinado com a garota de fazer algo de extrema importância nesta tarde, e a mesma já estava dois minutos atrasada. Olhava o celular a cada segundo para contar os minutos, suas unhas já se encontravam no talo de tanto que foram roídas em puro desespero seu, por algo que muitos diriam ser exagero, mas para si era algo inestimável.

Estava prestes a começar a puxar os cabelos quando ouviu a campainha de sua casa ecoar por toda a residência, não tardou em correr e atender a porta.

—Finalmente você chegou, Yerim!— Choi abriu a boca para falar mas um puxão seguido de um empurrão para fora da residência enquanto Jungeun se enrolava para ajeitar uma mochila em suas costas.

—Quanta pressa! Não me deu nem oi...— A mais nova fez um pequeno drama enquanto sentia seu braço ser levemente apertado ao que Jungeun lhe empurrava para fora de seu terreno.

—Sem tempo pra isso, Choi Yerim, temos algo importante para ser feito agora.— Disse Jungeun tentando soar séria mas seu nervosismo era evidente.

—Você ainda não me disse que coisa importante era essa, me fez desmarcar um encontro com a Yeojin e não me explicou nada.— Disse a mais nova emburrada, há poucas horas atrás havia recebido uma mensagem de emergência vinda de Jungeun, alegando que precisariam fazer algo importante mas sem dizer o quê.

—Todos os dias às seis da tarde Jinsoul e eu nos encontramos no parque Nakseongdae para passear com o Atticus, lá é um lugar muito especial para nós... E eu quero pedir ela em namoro hoje!— Jungeun disse com as bochechas rosadas, acreditava der um passo muito importante em sua vida.

—Mas ué, eu pensei que vocês já estivessem namorando há, sei lá, seis meses.— Yerim estava genuinamente confusa, já que ambas estavam sempre juntas e agiam como um casal meloso.

—Não era oficial... Ninguém fez um pedido bonitinho para marcar uma data, então eu farei isso hoje e a senhorita vai me ajudar!




_/_/_/_/




Choi Yerim nunca teve tanto trabalho com um pedido de namoro, nem mesmo com o seu. Praguejava e xingava mentalmente Kim Jiwoo por estar visitando os avós no interior esta semana e não estar ali em seu lugar ou no mínimo ajudando, nunca imaginou que Kim Jungeun, sua amiga ogra, grossa e lerda, fosse romântica ao ponto de enjoar.



—Acho que está quase pronto.— Disse a Kim ao descer de uma das árvores do parque e checando as horas em seu celular, faltavam vinte minutos para Jinsoul chegar.— Só falta organizar as fotos e estará perfeito!

—Ahn... Mais coisa no alto... Meus braços vão cair, unnie.— Yerim reclamou com razão, já estava há duas horas com os braços levantados ajudando Jungeun, e quando não era isso, estava com os joelhos flexionados de cócoras arrumando coisas no chão. Com toda certeza amanheceria dolorida apenas por ser uma boa amiga.

—Por favor, Rimmie, falta pouco!— A Kim correu para sua mochila e tirou de lá um pequeno álbum de fotos polaroid que veio tirando durante esses últimos seis meses. Algumas fotos eram de si mesma, outras de Jinsoul, de Atticus, e a maioria era das duas juntas em momentos considerados marcantes o suficiente para serem pausados em um pequeno pedaço de papel reforçado e plastificado. Jungeun também puxou de sua mochila uma caixinha com pregadores pequenos para prender as fotos e logo entregou uma boa quantidade para Yerim.



Ao que o sol começou a se pôr as fotos foram sendo terminadas de ser penduradas, Jungeun sentia-se eufórica e orgulhosa por ver todo seu planejamento em prática, e Yerim por mais que estivesse cansada, estava satisfeita também.

—Você viu a power bank por aí?— Jungeun perguntou ao se afastar para olhar tudo como um todo e logo a mais nova lhe estendeu o objeto desejado. Andou em pequenos paços até uma tomada que se destacava na madeira escura da árvore da qual descia e logo conectou a mesma em seu power bank, e no mesmo segundo toda a grande cerejeira brilhava.

—Será que ela vai gostar?— Jungeun perguntou mordendo a parte interna da bochecha sentindo um nervosismo lhe consumir como uma avalanche. Yerim abriu a boca para comentar o quanto a Kim era idiota por duvidar, mas um latido interrompeu sua fala e logo um grande Border Collie preto com uma prótese na pata correu em sua direção. Não fora preciso nada além de um olhar para a Choi saber que deveria ir passear com o cachorro o mais longe que conseguisse, e assim fez.

—Lip...— Jinsoul estava sem fôlego e com as pernas bambas, todo o cenário diante de seus olhos era um completo deleite. Fosse pelo crepúsculo ao fundo tornando o céu em tons de laranja e rosa, fosse pela luz branca e fraca iluminando as pequenas flores de cerejeira ou fosse pela imagem de Jungeun em meio a tudo isso. Cada pequeno detalhe precisaria ser guardado com carinho e cuidado em seu coração, não se permitiria esquecer nada do que estava vendo. Aproximou-se da menor não contendo um sorriso ao ver nervosismo em sua postura.— O que é tudo isso?

—Eu pensei em fazer algo especial hoje... Você gostou?— Perguntou esperançosa.


Jinsoul respirou fundo e olhou tudo com um pouco mais de atenção. A árvore de cerejeira não era muito alta, porém seu tronco não era reto em relação a sua copa, o que deixava um grande espaço de baixo da mesma, onde se encontrava uma toalha estendida com um verdadeiro banquete preparado. Em cima de sua cabeça haviam várias cordas com pequenas luzes de led na cor amarelada, o fato de não estarem piscando parecia deixar o ambiente calmo e agradável, em cada corda haviam presas polaroids com seus momentos mais especiais ao lado de Kim Jungeun, bom, os que puderam ser registrados ao menos.

A Jung esticou a mão direita e passou levemente os dedos por uma foto onde estava junto de Jungeun à beira do rio Han, ambas estavam vendadas e se beijando, foi uma ideia de Jungeun alegando que gostaria de aguçar seus outros sentidos também, Jinsoul não segurou um riso anasalado ao se lembrar de como a mais nova havia ficado dez vezes mais desastrada com uma venda nos olhos.


—E-eu não sei nem o que dizer, Lip...

—Que tal me dizer apenas sim?— Disse a Kim, e de primeira Jinsoul não entendeu, mas quando virou-se de frente para a mais nova e viu a mesma com duas alianças prateadas em uma caixinha aveludadas, seus olhos se marejatam e seu coração pareceu parar por mais que um segundo.— Eu sei que estou um pouco atrasada na nossa relação, já estamos juntas há bastante tempo... Mas eu quero apenas oficializar tudo e ter a certeza de que você é minha, assim como sou sua.— Jungeun disse tentando não transparecer todo o nervosismo que sentia.— Bom, eu havia preparado um belo discurso com palavras bonitas e difíceis mas, agora com você me olhando assim, eu o esqueci completamente.— Confessou sem graça.— Então aqui vai meu discurso improvisado porém verdadeiro.— Jungeun segurou uma das mãos de Jinsoul e guiou a mais velha para o meio da toalha estendida no chão, fazendo a mesma sentar-se para logo acomodar-se em sua frente. — Jung Jinsoul, já faz quase um ano desde que te conheci, e posso dizer que mesmo em pouco tempo, foi a melhor coisa que me aconteceu. Passamos por tantas coisas juntas e agradeço que cada uma delas tenha sido ao seu lado e de mais ninguém. Sei que demorei bastante para finalmente estar aqui para te pedir em namoro, mas eu queria algo especial que você pudesse de lembrar para sempre.— Jungeun estava abrindo seu coração naquele momento e esperava genuinamente que seus sentimentos e intenções estivessem à altura de alguém tão bom para si quanto Jinsoul. Havia ficado um bom tempo pensando em como tornar isso cem por cento memorável e do jeito mais visual possível, já que enxergar era uma conquista para a mais velha.— Eu amo você, Jung Jinsoul, e cada dia que passa só me apaixono mais por você, isso é normal? De qualquer maneira, espero que sinta o mesmo por mim e que me aceite como sua, agora oficialmente, namorada.— Jungeun terminou de falar sentindo, não apenas borboletas, mas qualquer animal voador em seu estômago revirando tudo, poderia explodir de felicidade ali mesmo. Jinsoul tentou falar, mas sua garganta estava travada e acreditava que se tentasse dizer um "a" que fosse, começaria a chorar sem uma previsão do fim, então apenas acenou positivamente com a cabeça sentido seus olhos se embassarem mais devido lágrimas.

—Eu amo você, Kim Jungeun.— Jinsoul disse com a voz trêmula eu que a mais nova colocava o anel prateado em seu dedo, logo em seguida a mais velha repetiu o ato. Para Jinsoul tudo isso era muito surreal, pensar que num dia estava sozinha no jardim da Eichen House tateando flores e no outro estava se apaixonando por alguém. Talvez o fato de tudo ter sido inesperado por si tivesse tornado tudo tão especial, não ter hesitado em tentar e ter entrado nisso de cabeça, conseguia sentir no peito a leveza de não carregar nenhum arrependimento.


Jungeun levou seus lábios até os da Jung, iniciando um ósculo calmo sem medo algum já que o lugar onde estavam era uma parte mais afastada do parque, havia pensado em tudo. Era possível sentirem a paixão uma da outra através do beijo, a necessidade de estarem tão próximas ao ponto de se fundirem em um ato como esse.

O que florecia ali jamais se encontraria igual em outro lugar, tamanha era sua singularidade, não poderia ser estragado e nada jamais iria se comparar.



O amor entre Jinsoul e Jungeun era tão puro e belo, que até mesmo um cego poderia ver.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...