1. Spirit Fanfics >
  2. Colvill - Sasusaku - Short Fic >
  3. Epílogo

História Colvill - Sasusaku - Short Fic - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Olá pessoal, aqui estou mais um dia para postar mais um capítulo que infelizmente é o último... Eu amei muito escrever essa historia que foi basicamente toda romântica e eu jurava que não iria conseguir escrever algo tão fofo e bonito.

Eu fiquei muito feliz, mesmo, com o feedback de vocês e isso me motivou a continuar escrevendo, muito obrigada ^^
Espero que gostem desse capitulo e que possamos nos encontrar em uma outra historia.

Boa leitura!

Capítulo 5 - Epílogo


Passaram-se seis meses desde que Sakura partiu para o Canadá. Sasuke não achava que ela iria demorar muito e por isso estava sofrendo. O seu coração estava partido e com isso o desânimo o abateu. Agora ele podia compreender um pouco a dor do irmão, claro que a esposa de Itachi não iria voltar e que sua situação era diferente da dele, mas quando um Uchiha ama é para sempre, não há voltas e muito menos outras pessoas que possam tomar aquele lugar.

O movimento no Motel estava tranquilo, algumas pessoas, que tinham a mesma ideia de Sakura, pernoitavam por lá. A cada som de carro era uma esperança frustrada, às vezes ele nem ao menos gostaria de se levantar da cama e de tão para baixo que estava. Itachi tentava animar o irmão de todas as formas possíveis, sentia-se culpado por incentivá-lo a se envolver com Sakura e por fim acabar se magoando dessa forma.

Era o início da primavera e as flores já estavam desabrochando. Sasuke estava vestindo uma blusa de mangas curtas e uma bermuda preta por conta do calor que estava fazendo. Sentado na recepção ficou mexendo no celular em busca de um restaurante que estivesse contratando. Talvez tudo o que ele precisasse era sair de Colvill e voltar para a sua vida antiga e sem amor. Suspirou ao ver um monte de oportunidades boas como Chef e não Sub-Chef.

—Se eu fosse um irmão ruim, teria te dito para se jogar no meio da estrada. O que tá vendo ai?

—Vagas de emprego em Mineápolis.

—Alguma interessante? –Sasuke assentiu. —Acho que deveria se candidatar, sei que só está aqui por minha causa e não ganhamos muito como eu achei que iríamos ganhar... —Falou baixo essa última parte. —Mas não vou te impedir de partir se é isso o que está impedindo.

—E se eu for e ela voltar? Sei que estou sendo trouxa, mas já tive tempo o suficiente para avaliar os meus sentimentos e veja só, eu descobrir que amo aquela garota mais do que imaginei. É como você disse irmão, os Uchihas quando amam não podem deixar de amar.

Sasuke não quis soar melancólico, mas esse sentimento já fazia parte dele desde o dia em que ela partiu. Fechou a tela do celular e encarou o irmão.

—Irmãozinho tolo, já faz seis meses e não temos notícias dela. –Tocou no ombro de Sasuke. —Sabe, eu te incentivei a conquista-la porque achei que ela gostava de você, que vocês estavam na mesma sintonia, mas se ela não voltou pode ser que os sentimentos dela não eram tão fortes como seus, ou não quero te deixar paranoico, nem nada, mas pode ser que no Canadá ela tenha sofrido algum acidente..

—Itachi, nunca, jamais mencione essa possibilidade, para mim é mais fácil aceitar que os sentimentos dela não eram tão verdadeiros do que pensar no pior.

—Eu sei... Bem, preciso comprar mantimentos no centro, volto mais tarde.

Sasuke apenas assentiu, Itachi pegou as chaves do carro e saiu da recepção. O Uchiha mais novo voltou a olhar as vagas de emprego, respondeu algumas mensagens do seu melhor amigo, Naruto, que estava o convidando para o casamento dele daqui uma semana em Mineápolis, e outras “besteiras” como perguntando se o moreno gostaria de ser padrinho.

—Tão próximo do casamento, aquele dobe.

Aceitou de bom grado mesmo tendo pouco tempo para ajudá-lo nas coisas importantes, como a compra das alianças, o tipo de despedida de solteiro e quais as bebidas deveriam estar no casamento. Quando Itachi voltasse Sasuke contaria a propostas do amigo e faria a proposta de deixar o Motel fechado nessa semana, assim o mais velho não ficaria sozinho, o que era a segunda maior preocupação do Uchiha mais novo.

Conversou com o amigo por um tempo, levantou-se e começou a preparar o almoço; ouviu o som dos sinos indicando que alguém havia chegado. Desligou o fogo e correu para atender o cliente. “Pode ser ela!” Pensou animando-se com a ideia, mas ao ver um cara barbudo, controlou sua feição de desapontamento e atendeu o homem que gostaria de um quarto, pagou à diária e Sasuke lhe entregou a chaves do quarto 7. Voltou para a cozinha e terminou o almoço.

À noite, quando Itachi chegou, Sasuke contou a ideia que teve sobre eles tirarem esse período de férias, mas o mais velho negou, disse que só poderia ir no dia casamento, visto que de vez enquanto aparecia clientes e ele não podia deixar o seu querido Motel para trás. Mas o mais velho incentivou o mais novo a ir e se divertir na cidade grande, afirmando que ficaria bem. Mesmo a contra gosto, o moreno de cabelos curtos concordou.

Na manhã seguinte, Sasuke preparou uma mala para seguir para Mineápolis ainda naquela tarde. Conversou com o irmão sobre ligar para ele sempre que possível e principalmente se Sakura desse ‘as caras’ por lá. Itachi assegurou que tudo ficaria bem e que Sasuke poderia partir sem nenhum problema. O Uchiha mais novo pegou as chaves do carro destrancando o porta-malas, colocou a mala e entregou no veículo, despediu-se do irmão e partiu.

...

A semana passou muito rápido, Sasuke ficou tão concentrado em ajudar o amigo, seja na escolha do bufê, como na escolha das alianças e até mesmo do terno, sim Naruto tinha a capacidade de deixar as coisas para a última hora e mesmo que isso irritasse um pouco o Uchiha, ele não ligou, simplesmente focou ao máximo para que tudo desse certo. Com isso a imagem da rosada desapareceu um pouco da sua mente.

 —Sasuke, o que acha desse nó? –Naruto apontou para o nó borboleta que tinha feito.

—Acho que se você quer parecer um barmen escolheu o nó certo. –O Uchiha disse terminando de colocar o seu blazer azul marinho, a cor escolhida para os padrinhos.

—Então o que sugere, Senhor estraga vibes? –O loiro disse desatando o nó. —Eu quero que essa noite seja perfeita, então me ajude!

—Ah.. ok, ok. Me dê a gravata.

Naruto entregou para o Uchiha que começou a fazer um belíssimo nó triplo, que aprendeu vendo Youtube, quando terminou colocou no pescoço do loiro. O Uzumaki gostou bastante e depois de insistir para que Sasuke lhe ensinasse direito, terminou de se arrumar. Faltava agora apenas uma hora para o casamento começar. Como um padrinho dedicado, ele levou o amigo até o local onde haveria a troca de votos e a festa.

Naruto havia decidido que um juiz de paz seria bem melhor, assim poderiam assinar os papeis na frente de vários amigos, familiares e conhecidos e logo depois não precisariam se deslocar para a festa, pois a ali já seria o local. Sasuke achou essa ideia bem inteligente e prática, ir apenas para um lugar. Chegaram ao grande salão onde seria realizada a cerimônia, o McNamara Alumni Center. A decoração do lugar estava impecável, a mesas estavam todas bem coordenadas de uma maneira que no centro tivesse espaço para dança. Ao fundo era onde a banda contratada, Alvins, iria tocar.

Naruto juntamente com Sasuke conferiram se tudo estava realmente pronto; quando terminaram foram o local de espera. O som da música do noivo ressoou, Kushina guiava seu filho até o altar, em frente onde a banda iria ficar, beijou-lhe a testa e sentou a sua mesa. Em seguida, os padrinhos começaram a entrar, Sasuke entrou com a melhor amiga de Hinata, Ino.

A loira fez questão de entrelaçar seu braço no braço de Sasuke, que a guiou até o altar, Ino se dirigiu para o lado esquerdo, enquanto o Uchiha estava no lado direito, onde Naruto estava. Em seguida entrou Shikamaru com Temari, Neji, primo de Hinata, com a Tenten e por fim Hanabi entrou com Konohamaru. A música mudou, a marcha da noiva ressoou e logo a futura Uzumaki adentrou o salão.

Hinata estava lindíssima e reparando bem, o Uchiha pode notar o motivo pelo qual o casamento havia sido adiantado. Quando Hiashi entregou a sua querida filha a Naruto, o loiro terminou de limpar as suas lagrimas de felicidades. A cerimônia começou, Sasuke estava concentrado nos noivos, mas por ouvir um leve assobio, que ele reconhecia por ser do seu irmão, olhou para o grande salão.

Havia muitos convidados, mas conseguiu achar a mesa que o irmão estava, mas ele não quis acreditar no que estava vendo. Talvez aquele momento romântico do casamento estivesse mexendo com a sua cabeça e criando ilusões. Era impossível que ela estivesse ali, mas Itachi estava apontando e sorrindo para ele como se fosse real. Virou o rosto focando no casal a sua frente.

—Eu vos declaro, casados! –O juiz declarou depois de ouvir os votos feito pelo casal e pela troca de alianças. —Pode beijar a sua esposa.

Naruto não pensou duas vezes e selou os lábios da esposa num beijo romântico e apaixonado, mesmo tímida ela retribuiu a altura. Assim que foram “liberados”, Sasuke quase correu até a mesa que o irmão estava, mas não encontrou a rosada.

—Onde ela está? –Perguntou um pouco nervoso.

—Ela foi ao banheiro, eu acho que ela estava...

Sasuke não ouviu o restante da fala do irmão e saiu correndo em direção aos banheiros. Respirou fundo, ele não poderia simplesmente entrar no banheiro feminino, principalmente porque ele não sabia se havia outras mulheres lá dentro. Num dilema, resolveu esperar até que ela saísse de lá. Escorou-se na parede ao lado da porta e mordeu os lábios.

Vendo a demora dela resolveu entrar, sua sorte é não havia outras mulheres, mas a sua rosada estava limpando as lágrimas, ela o encarou e Sasuke trancou a porta atrás de si.

—O que aconteceu? –Perguntou preocupado.

—Casamentos me fazem chorar. –Ela soltou uma risada. —Aqui é o banheiro feminino, Sasuke...

—Não ligo, você está aqui há quanto tempo? Em Mineápolis, quero dizer.

—Desde ontem, eu estava em Colvill, mas você não estava lá. –Os olhos de Sasuke se arregalaram. —Seu irmão me convidou para o casamento e eu vim para...

Sasuke não esperou que ela terminasse de falar, ele a abraçou forte; Sakura fez o mesmo, agarrou-se a ele com se sua vida dependesse disso, de estar nos braços dele.

—Senti muito a sua falta. –Ela confessou primeiro. —Desculpa pela demora!

—O que importa é que você está aqui agora, dessa vez é pra ficar, não é?

Sakura assentiu selando os lábios de Sasuke. Ela sentia falta do toque dele, da forma carinhosa que ele a tratava, basicamente de tudo. Esses seis meses longe foram os mais complicados para ela, a viagem havia sido bem recompensadora, conseguiu pensar nos seus sentimentos e organizou sua cabeça, mas ao mesmo tempo ela desejava voltar a cada minuto para os braços de Sasuke e não podia, pois resolveu fazer negócios em Toronto. Por isso voltou tarde.

Sasuke a colocou em cima da pia beijando o pescoço dela sem se importar com a festa que estava acontecendo, tudo o que ele desejava era a rosada na sua frente. Sakura começou a retirar o paletó dele derrubando no chão, afrouxou a gravata dele enquanto os lábios do Uchiha subiam para a orelha dela e em seguida iniciaram um beijo cheio de desejo. As línguas brincavam uma com a outra; as mãos ágeis do moreno apertavam a cintura fina da rosada e se moviam em direção aos seios medianos dela.

—Sasuke... e a festa?

—Eles não vão notar a nossa falta.

Sakura retirou a gravata e a blusa de Sasuke, enquanto ele desceu o zíper do vestido dela; começou a beijar o ombro dela indo em direção aos seios. O clima dentro daquele banheiro esquentou e os dois começaram um sexo bruto e prazeroso. Quando os dois chegaram ao um orgasmo, os vidros do espelho estavam todos embaçados, eles respiravam com dificuldade, mas estavam completos.

Arrumaram-se de forma rápida, prontos, saíram do banheiro tentando disfarçar o que tinha ocorrido ali. Chegaram à mesa de Itachi, Sasuke puxou a cadeira para Sakura que se sentou agradecendo o moreno que logo sentou ao lado dela. O mais velho que não era bobo nem nada, percebeu o que tinha ocorrido naquele banheiro feminino, mas para não constrangê-los deixou de soltar sua piada tradicional.

—Então o que pretendem fazer agora?

—Voltar para Colvill.

 

Um ano depois

—Está preparado irmão? –Itachi perguntou enquanto ajudava Sasuke a colocar o paletó.

—Quem diria que Uchiha Sasuke estaria se casando. –Naruto comentou sorridente. —Nervoso?

Sasuke não queria estar nervoso, mas a todo o momento ele se recordava que Sakura tinha mania de fugir de casamentos, afinal foi dessa maneira que os dois acabaram se conhecendo e se apaixonando. Arrumou a gravata olhando para o espelho.

—E se ela fugir? –Perguntou a si mesmo, mas seu irmão e seu melhor amigo ouviram.

—Não tem como ela fugir, Hinata está com ela e também colocamos o Neji para vigiar a porta e impedi-la de comentar essa burrada. –Naruto disse.

—Não se preocupe Sasuke, ela não vai te deixar. –Itachi tentou tranquilizar o mais novo.

Sasuke apenas assentiu e terminou de arrumar sua gravata; preto definitivamente era a cor do Uchiha e a gravata vermelha tendo destaque no visual o deixava ainda mais esplendoroso. Arrumou o que faltava no cabelo e caminhou em direção a porta de entrada do salão de festa. A ideia do casamento de Naruto foi tão boa que o Uchiha deu a sugestão para Sakura, que prontamente aceitou, afinal era bem mais prático.

Mas diferente do casamento do amigo que foi num grande salão em Mineápolis, o casamento de Sasuke e Sakura seria em Colvill no enorme galpão do senhor Malcon, os convidados, eram os amigos e familiares próximos tanto de Sasuke e de Sakura, e claro os seus vizinhos da cidade. O clima estava agradável, nem quente demais e nem frio, os convidados já estavam postos em suas mesas, o juiz de paz estava no altar preparado para ocasião.

A banda começou a tocar a marcha do noivo, Sasuke entrou com a mãe de Sakura, visto que a sua havia falecido. Mebuki estava muito feliz com a decisão da filha, ela sabia que o Uchiha era o certo e o amava como a um filho, não somente ele como também a Itachi. A Haruno beijou a testa do genro antes de voltar para o seu lugar. Os padrinhos, Naruto e sua esposa, Itachi e Ino entraram no local, agora estava próximo de Sakura entrar.

Sasuke estava nervoso e muito preocupado, eles viveram muitas coisas boas no decorrer do ano e o amor que sentiam um pelo outro só crescia, mesmo assim ele ainda tinha certo receio. A marcha nupcial que indicava que a noiva estava entrando ressoou no ambiente. O Uchiha focou a visão para onde a sua amada iria entrar. Com as mãos tremula, ele viu um ponto rosa e sorriu.

Sakura estava nervosa, era o seu segundo casamento, certo que o primeiro ela não chegou nem ao menos ir, mas mesmo assim era o segundo. A rosada tinha certeza dos seus sentimentos; vivenciou várias emoções em um ano com Sasuke que nunca tinha sentindo na sua vida e por isso a certeza que ele era o certo. Dessa vez não haveria fuga. Caminhou ao lado de seu pai, viram as pessoas se levantarem, mas o seu foco estava no homem a sua frente, seu futuro marido.

O Uchiha chorava de emoção e ela quis chorar também. A emoção que ele sentia, ela sentia também, os dois estavam conectados com suas almas e desejos. O amor que sentiam um pelo outro era maior do que o Monte Everest. Naquele momento ambos tinham a certeza de que seus pedidos lançados aos céus havia se cumprido.

“Que seja verdadeiro e para sempre”.

“Que eu encontre o meu verdadeiro lugar e amor”.

Fim.


Notas Finais


Um agradecimento especial a @Julie_Dial pela betagem da historia...

Até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...