História Com quem eu passei a noite? - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias VIXX
Personagens Hyuk, Leo, Personagens Originais, Ravi
Visualizações 16
Palavras 2.810
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Festa, Lemon, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi anjos!! Mais uma nova fanfic, dei duro nessa. Kkkkkk
Enfim, espero que gostem.

Capítulo 1 - Se solte!


- eu sei mãe, mas eu estou muito ocupado. - fazia de tudo pra que ela tirasse aquela idéia maluca da cabeça.- eu estou sem tempo, e cheio de reuniões. A senhora entende?

- não. Você acha que se lotar de trabalho, te fará esquecer o Ravi? - esse assunto de novo?! - meu filho, você não pode esquecer uma pessoa, de uma hora pra-.

- e eu não estou fazendo isso! Se ele preferiu a faculdade de dança ao invés de mim, tudo bem! Além do mais, já faz um ano que aquele imbecil foi embora; ele não ligou; não mandou mensagem... Quem se importa? Eu não me...

- não minta!- ela me interrompe, e pela cara, com certeza vai me dar uma bela bronca. - tudo bem, se você não quer sair, só diga, não invente bobagens, ok? - ela se levanta e segue em direção à porta. - se eu soubesse que você iria preferir o trabalho ao invés da sua mãe, eu não teria vindo aqui!

- mãe, a senhora não precisa fazer...

Ela se retira fechando a porta com uma força, isso só pode ser sacanagem! Eu não quero sair, é pedir demais? Ela faz todo esse drama e eu acabo passando por insensível, desobediente e o filho que só pensa em si, aja paciência!

E que história é essa de eu querer esquecer o Ravi? Eu Já esqueci à muito tempo! Até parece que eu ia ficar me corroendo por causa dele, nem pensar! Fora que ele quis seguir a vida dele sem mim, então eu vou seguir sem ele! Um ano Ravi, um ano... Será que você me esqueceu? Você está com outro ou outra? Aí mais que droga! Por que eu estou pensando nele?  Ele com certeza deve estar se divertindo, enquanto o idiota aqui, fica se remoendo, é melhor eu parar e voltar à trabalhar.

[...]

É eu realmente sou um idiota. Por que a mamãe foi falar no Ravi? Que merda!

Eu acabei cancelando a última reunião do dia, eu já estava sem cabeça pra qualquer assunto que fosse.

Legal Ravi, muito obrigado. Idiota!

" eu vou ter que ir viajar, vou estudar dança no estados unidos, isso não é legal?!" Eu poderia ter falado que não era, mas não disse. Eu o amava tanto, pra ser sincero... Acho que ainda o amo!

Eu não queria que ele fosse embora, mas o bonzinho aqui, resolveu não ser egoísta. Mãe... me lotar de trabalho, foi o único jeito que achei para poder apagar- pelo menos tentar - as lembranças maravilhosas que eu tenho do Ravi.

- com licença, Leo, eu terminei tudo aqui, então eu já vou indo. - Sarayu, entra e me tira daqueles pensamentos sufocantes.

- tudo bem Sara, eu também já vou indo. Você quer uma carona?

- sério? Ok então, vamos.

Eu não disse nada, apenas à seguir para fora da minha sala. Bom, pelo menos eu não vou precisar ficar quase uns vinte minutos sozinho, ou talvez, pensando no Ravi.

Quando entramos no carro, e seguimos viagem, começamos a falar de coisas aleatórias. Era Bom ficar com a Sara, além do mais, nos conhecemos desde de nossa adolescência, fico feliz por continuarmos amigos.

- aí, ele pediu pra mim sair com ele e adivinha só, eu tive que pagar a conta! - ela reclama do  péssimo encontro que ela teve no final de semana. Eu não resistir e cair na gargalhada, consequentemente ganhando um belo tapa no braço. - não fique rindo da minha cara!

- me desculpe, mas eu não posso negar, essa foi muito engraçada. - vejo o sinal vermelho e paro, ainda achando graça da situação que minha amiga teve que passar.

- você rir, porque não é com você. Só por que você tem sorte, não pode jogar na cara de quem não tem!

- o que você quer dizer?

- do Ravi. - sério isso? Hoje com certeza é o dia pra falar do Ravi.

- o que tem ele? - fiz de tudo para manter firme e não demonstrar alguma expressão, que pudesse me acusar.

- por que você é assim?- eu a olho não entendendo do que ela estava falando. - e não me olhe assim! Você sabe no que estou me referindo, se você não fosse tão cabeça dura!

- do que você tá falando, Sara? - o que ela quer dizer?

- Leo, eu sou sua amiga e te amo, como se fosse meu irmão. - apenas concordei com a cabeça. -O Ravi ligou ontem pra mim e me disse que você terminou com ele, isso é verdade?

- o que ele disse pra você? - eu não acredito nisso!

- eu escutei o que você disse pra sua mãe, me desculpe por isso, mas... - ela suspira e me fita. - foi você que acabou, não foi?

- olha Sara, eu não sei o que ele disse, mas-.

- o quê? Por acaso ele mentiu?- ela me coloca " contra parede", já é chato ter que lidar com os sermões da minha mãe, ainda tenho que escutar a bronca da Sara, hoje com certeza deve ser o melhor dia da minha vida! - eu conheço muito bem ele e você, e deu pra ver que pela voz dele, ele parecia muito triste.

- então você está com pena dele?! Ele que me deixa,ele que vai embora e eu sou o...- antes que eu explodisse, escuto buzinas apitando freneticamente, o sinal abriu. - que tal, se formos em um restaurante? - pergunto após acelerar e indo em direção à qualquer restaurante. - você não precisa ficar com raiva, ok?

A viagem toda foi silenciosa e isso era o que mais me incomodava, além do mais, se ela ficar nessa mudez, juro que me jogo desse carro.

- você vai ficar calada? - pergunto e vejo que chegamos ao meu restaurante favorito.

- então você quer que eu continue te brigando? - ela fala saindo do carro. Mulheres, por isso que prefiro homens!

- não, eu não quero. Boa noite, será que você pode nos indicar uma boa mesa? - pergunto à um dos garçons que passava perto de nós. Ele apenas assentiu e nos indicou um bom lugar, calmo e bem reservado.

Depois que escolhemos a nossa refeição, começamos a falar sobre assuntos banais. Aquele clima chato foi embora e dei graças à Deus, já que não quero continuar com aquela discussão desnecessária.

O garçom trouxe as nossas refeições e comemos tranquilamente, que bom que o assunto Ravi acabou!

- você bem que poderia pedir desculpas. - até agora o assunto tinha morrido, porquê Deus?!

- eu não vou pedir nada! E é melhor você esquecer isso, ok? - falo bebendo um pouco de vinho.

- esquecer? Você está brincando, né?

- Sara, preste atenção, pra quê continuar com isso? Acabou! Eu não quero falar mais nisso. Se não é você, é minha mãe, o Hyuk, que mesmo estando longe fica nesse assunto também, sinceramente, eu já sou maior de idade; formado e bem sucedido, e não preciso ficar lembrando de alguém que não faz parte da minha vida.  A melhor coisa é eu ficar trabalhando e levar minha empresa pra frente, então para! - dava meu máximo pra não falar auto demais. - além do mais, pra quê ficar insistindo? - perguntei levando uma quantidade generosa da sobremesa, que havia chegado depois de terminar a refeição, até a boca.

- tudo bem, então tá...- ótimo, agora sim ganhei a noite. Ela fez uma cara, que ao meu ver estava extremamente dramática.

Nada mais foi dito. Graças a Deus!

Finalmente terminamos e eu paguei a conta, eu até brinquei perguntando se ela queria pagar a conta e " não é você o trabalhador? Então pague", recebendo essa bela e gentil resposta. Qual é!

Enfim, a ida pra cada foi tranquila, na verdade meio incomoda, mas nada assustador. Enxergo a casa da Sara e estaciono o carro enfrente ao imóvel.

- você vai fazer alguma coisa amanhã?

- sim, trabalhar, por que?

- eu não acredito que você esqueceu! - eu franzi o cenho tentando entender do que, agora, ela estava falando. Creio eu que ela viu a dúvida estampada na minha testa, destravando o cinto de segurança, ela responde: - Parabéns. Amanhã é o seu aniversário. - ela me lembra abrindo a porta do carro. - incrível você ter esquecido, mas saiba que o Hyuk vai encher tua paciência lá no escritório, até ela explodir, Tchau.

Ela me joga um beijo e acena me dando um Tchau.

Seguir pro meu apartamento com a frase que me matava " como pude esquecer meu aniversário?". Como eu pude esquecer.

Então foi por isso que a mamãe foi me convidar pra sair? Claro, ela sempre faz isso é bom, não foi culpa minha ter esquecido, né?além do mais, eu estive um pouco ocupado, como eu poderia lembrar?

Quando entrei no meu quarto, fui direto pro banheiro, tomei uma bela duche, que relaxou meus músculos. Comi alguma bobagem que encontrei na geladeira e fui pra sala assistir, qualquer coisa. Eu não conseguia dormir, meus pensamentos estavam bastantes turbulentos.

Escuto o 'plin do meu celular e vi que havia acabado de receber uma mensagem:

- Oi Leo! O que você quer de aniversário?

- Oi Hyuk, não precisa comprar nada. Não irei comemorá-lo.

- não importa, vou passar na empresa de manhã, não direi o horário, será surpresa. Até mano.

-Não, amanhã estarei ocupado!

... ele não leu a mensagem. Filho da mãe!

Da mesma forma, não adianta insistir, aquele cabeça de nuvem vai vim, eu querendo ou não. Mas até que fico feliz por eles terem lembrado do meu aniversário, porém quem eu queria que lembrasse, não mandou  se quer um sinal de fumaça! Do que eu estou falando? É melhor eu tentar ligar pra mamãe, antes que eu esqueça.

- alô

- Noona, tudo bem? A mamãe está ai?

- está sim, então você ligou pra se desculpar? Meu pequeno, ela ficou bem chateada, sabia?

- eu imagino, mas poxa Noona, eu estive e estou ocupado, entenda por favor!

- eu sei pequeno, mas se você trabalhar demais, vai acabar se matando e não quero isso, ok? Não se desgaste muito, você é jovem e precisa viver a vida é não se trancar em um escritório, onde você namora com a cadeira e dá atenção à uma tela de computador. Você sabia que ainda estou viva? Quando vem nos visitar? 

- eu sei, eu sei... eu vou visitar você, ok? Mas agora eu preciso falar com a mamãe.

- tudo bem criança, irei chama-la.

A Noona é outra dramática, mas fazer o quê? Eu amo ela como se fosse minha mãe. Ela é governanta de casa, e pelo que eu sei, ela já está com a família até mesmo antes de eu nascer. Ela é uma ótima pessoa; carinhosa, atenciosa, amiga e acima de tudo, ela sempre foi uma pessoa presente em todos os momentos da minha vida.

Meus pais trabalhavam muito, mas sempre foram atenciosos e presente, porém com o tempo, a empresa foi crescendo e com isso, reuniões em cima de reuniões. Entretanto, quando eu ficava triste por causa dessa situação, Noona sempre me dizia que eles estavam trabalhando para me me dar em uma boa vida, por isso ela se fez mais presente em qualquer coisa que estivesse relacionada ao bebezão aqui.

- filho, você se lembrou que deveria me pedir desculpas, foi?

- mãe, não faz assim! Mas você bem que poderia ter me avisado que amanhã é meu aniversário!

- eu? Tá de brincadeira, né? Como alguém pode esquecer o dia que nasceu?

- eu sei, mas eu estava com pendências e não podia me dar ao luxo de deixar tudo inacabado. A senhora entende?

- entendo... entendo que preciso te dar uns cascudos, isso sim!

Ao fundo podia escutar Noona dizer algo, como " não seja assim com ele senhora". Noona como não amar esse ser?

- me desculpe, por favor!

- poxa filho! Você sabe que um dia antes do seu aniversário,nós dois sempre saímos.

- eu sei...

- tudo bem, então depois de amanhã nós sairemos ou melhor, vamos viajar por três dias, ok?

- três dias? Mas mãe, dois dias...

- não quero um, nem dois. Eu já disse, três dias e ponto final! Ou você não quer ficar com a sua mãe?

Aquela voz!!

- eu já entendi, três dias...ok.

- é assim que se fala! É por isso que te amo filho! Eu já vou reservar as passagens, nós vamos à Europa, Estados Unidos, que tal Japão? Não importa, quem vai decidir sou eu, então até depois de amanhã bebê e não ouse se atrasar, tá bom?

Como ela consegue mudar o tom de voz tão rápido? Um momento tá manhosa e choro na, depois brincalhona e alegre, e logo fica firme e amedrontadora, vai entender!

- ok, pra qualquer lugar que a senhora desejar.

Logo desligo o celular me despedindo das mulheres que eu mais amo. Vou para o meu quarto e não demoro muito pra pegar no sono.

[...]

Me desperto aos poucos com o brilho que se fazia presente no quarto. Aos poucos fui abrindo os olhos, logo os fechando, pois a luz do sol bateu contra minhas orbis. Droga!

Não demoro muito na cama e levanto indo direto pro banheiro. A água fazia o favor de levar a ler dez a do meu corpo,me revigorando e despertando o meu corpo. Não demoro muito, e vou trocar de de roupa. Me admirei por encontrar minha roupa, para ir pro trabalho, estendida sobre a poltrona. Não me lembro de ter colocado aqui. Pensei.

Não fiz rodeios e me vestir rapidamente. Quando sair do quarto,um cheiro maravilhoso de comida bate contra mim, me dando água na boca. Vou em em direção ao aroma, que me chamava, me deparando com a pessoa que até hoje  consegue conquistar meu estômago.

- Noona!

- aí menino! Que susto. Você quer me matar no dia do seu aniversário?

Eu não respondi e corri em sua direção, lhe dando um abraço bem apertado.

- tudo isso é porque estava com saudade de mim?- confirmei com a cabeça.- ou da minha comida?

- não vou negar, gosto da sua comida e de dependesse de mim, comeria e engordaria feliz.

- eu sabia! - ela finge e chutar lágrimas e se afasta um pouco de mim. - quer dizer, que durante esses vinte e sete anos, você só amou minha comida? Que maldade!

- claro que não, Noona! Eu gosto da comida e amo muito quem à faz.

- que bom, se não eu ia embora e levaria a comida comigo. Vem senta aqui,eu fiz um bolo.

- sério?

- sim. A da,você deve estar com fome.

- tá, mas você vai comer comigo, né?

Comemos alegremente e conversamos sobre várias coisas. Pelo menos, o assunto desagradável de ontem se findou. Amem!

- Noona, eu preciso ir. Esta ficando tarde.

- eu sei, tenha um bom trabalho. - ela se levanta e eu faço o mesmo. - me dá um beijo, e cuidado ok?

- eu vou cuidar e obrigado por isso.- ela me dar um abraço extremamente terno. - agora tenho que ir. - dei um beijo rápido no seu rosto e corri em direção à porta.

Rapidamente peguei minha bolsa e escuto Noona gritar " não corra pela casa moleque!"

[...]

Quando cheguei na empresa, fui recebido com cumprimentos e parabenizações por ser meu aniversário. Até bolo fizeram, eu sei, eu não queria, mas ele estava delicioso!

- obrigado pessoal, eu não sei o que dizer. Muito obrigado, mas não precisava. - Sarayu chega perto de mim e sussurra.

- não seja mau agradecido. Todos fizeram isso com carinho!

Eu agradeci mais um pouco, e comi só mais um pedaço de bolo. Além do mais, eu já comi o bolo da Noona, se eu continuar assim, vou ter que procurar uma academia. Fui para a minha sala e quando abri, dei de cara com um folgado, jogado no sofá da minha sala.

- levanta, tira os pés de cima do sofá, Hyuk! - falei num tom autoritário e ele abre os olhos, que estavam fechados.

- mano... feliz aniversário! - ele se levanta e vem correndo na minha direção. Eu não pude impedi lo e se não fosse por mim, quase vamos ao chão. - aí desculpa, eu não queria empurrar você.

- o que você está fazendo aqui?

- eu? Mano você ainda pergunta? Hoje é seu aniversário, e a noite é nossa!

- Hyuk eu realmente...

- adorou? Eu sei, realmente adorou, não adianta fugir, hoje você vai se soltar!

-mas...

- nada de mas! Você vai sim, mano, você trabalha muito, por isso você terá um folga.

- você não vai mudar de idéia, né?

-Não.

- ok, então você vai levar essa mala lá pra casa e as nove horas da noite eu saio daqui, e vamos pra onde quiser, ok?

Ele concordou. Conversamos um pouco mais e depois ele foi embora.

Hyuk estava fora da Coréia faz dois anos, porém durante esse tempo, me ligava, mandava mensagem. Ele é como um irmão pra mim. Ele tem razão, eu devo me divertir, pelo menos no dia do meu aniversário.

- Leo, estão esperando você na sala de reuniões. - Sara entra me avisando.

- tudo bem, já vou.- me levanto e vou para a sala de reuniões.

Hyuk tem razão, é melhor eu me diverti, esquecer o problema e me soltar, pelo menos por hoje.


Notas Finais


Se tiver erros, desculpa!!
Vamos ter mais um capítulo, desculpe se ficou grande, até uma próxima.♡
Beijos da vick


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...