1. Spirit Fanfics >
  2. COMBATCHY (jikook) >
  3. Seven

História COMBATCHY (jikook) - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - Seven


Surtada pt.2


O barulho incessante de pessoas gritando, o alvoroço, os pulos de animação. Tudo isso por causa de uma certa mulher de cabelos azuis que chegou ao palco, sendo uma das convidadas para a inauguração da Scorpion.

— E AÍ MACEIÓ! — Tati Zaqui gritou, começando a tocar “Rebelde e abusada”.

Jimin estava ali no meio com seus amigos, todos com bebidas sem álcool, curtindo do momento, aproveitando que pegaram um local muito bom próximo ao palco.

— Dale Dale Tati! — Jimin gritou, e mesmo com pouco espaço ali, começou a remexer o corpo rebolando e aproveitando da boa música com seus amigos.

Taehyung segurava a cintura de Jimin, enquanto Hoseok deslizava suas mãos pelo peitoral de Jimin, todos envolvidos na batida, de olhos fechados, remexendo os corpos suados e esfregando um no outro com um sorriso, como de costume em rolês.

Jimin saiu do meio deles dois, e ficou atrás dos mesmos, tocando ambas às cinturas, enquanto sorria e beijava a nuca de ambos, que se esfregavam em seu corpo.

Enquanto Jimin tocava ambos os quadris bem feitos, Hoseok e Taehyung se inclinaram e descansaram suas mãos em seus joelhos, começando a rebolar contra Jimin, que sorria aproveitando do momento.

— TÁ LINDO MACEIÓ. — Tati Zaqui disse no microfone, assim que a música terminou, e os meninos sorriram se afastando um do outro. 

Assim que ouviram “Água na boca” um dos sucessos de Tati Zaqui, os meninos e várias outras pessoas ali gritaram, recompondo a energia, recomeçando a dançar novamente.

— Eu preciso ir no banheiro. — Jimin disse alto, no ouvido de Taehyung e Hoseok.

— O que foi? Nosso rebolado te deixou duro, líder? — Taehyung soltou, sorrindo safado.

— Não pira. — Jimin sorriu, e revirou os olhos.

Esperou uma resposta de Hoseok, mas este já estava dançando com um garoto qualquer, próximo ao palco. Jimin sorriu, revirou os olhos e foi até o banheiro.

Afastadas dali, estavam Carol, Valeska, Emyle e Christine dançando. Emyle e Christine estavam em um esfregado só, um pouco distante das meninas. Não demorou muito para que, Carol arrumasse uma garota para dançar também, enquanto Valeska tentava flertar com uma loirinha qualquer, segurando seu copo de Vodka sabor Blueberry.

Os lábios de Valeska iam em direção ao pescoço da garota, que já estava com às mãos na sua cintura. Estaria tudo certo se o seu maior desafio não tivesse entrado pela porta da boate, com os braços entrelaçados ao do garoto anterior da RF, que parecia ter uma rixa com o loirinho.

Valeska se afastou aos poucos da loirinha, e observou a garota com um vestido vermelho brilhoso colado ao corpo, um salto da mesma cor, porém de veludo, os cabelos mais enrolados e um batom vermelho vinho que faria Valeska delirar um pouco mais, senão fosse pelas mãos macias da loirinha que atraiu toda sua atenção para ela.

— Ei babe, olha pra mim. — A loirinha sorriu, Valeska retribuiu o sorriso. Mas mesmo que o rostinho e corpo da garota fossem tão tentadores, era inevitável não retribuir o olhar da garota difícil que estava do outro lado da boate, sentada no colo daquele garoto.

Jéssica, por mais que tentasse focar no rosto lindo de Jungkook lhe dando selinhos e tudo mais, ainda assim, não conseguia não olhar para a figura do outro lado da boate, aquela que lhe causava um frio na barriga por ser apenas tão... Ela mesma.

Mesmo com os braços entrelaçados no pescoço de Jungkook, Jéssica não exitou em dar um sorriso fraco em negação quando Valeska deu-lhe uma piscadela e um sorriso cafajeste.

Seus olhares foram interrompidos, quando a garota que estava com Valeska a roubou um beijo de língua.

Jéssica sentiu um pouco enojada com aquilo. Tudo bem, ela gostava dos flertes e tudo mais, quem não gosta de ser cobiçada? Mas nunca, em hipótese alguma beijaria uma garota, estava certa disso. Achava nojento... E tinha certeza de que, se ao menos beijasse, ainda sim sentiria-se suja.

— Eu vou ao banheiro, amor. — Jungkook disse, próximo ao ouvido da garota que estava perdida demais em pensamentos pra perceber alguma coisa.

Então, Jungkook apenas a tirou de seu colo com cuidado e a colocou sentada no estofado de couro. Jéssica pediu uma bebida, e não demorou muito para ser servida. Tomou alguns goles do seu drink, olhando seu telefone. Estava sozinha, já que os amigos de Jungkook estavam espalhados pela boate.

— Que pecado, abandonaram uma princesa.

Jéssica ouviu a voz conhecida e levantou a cabeça, observando às bochechas vermelhas da outra, o cabelo bonito como das outras vezes, uma calça rasgada preta e uma camisa preta grande... Aqueles poucos segundos serviu para que os olhos de águia de Jéssica notasse cada detalhe daquela “brutamontes”.

— Que bom que está falando. — Jéssica revirou os olhos, voltando sua atenção ao celular.

— Não entendi. — Valeska se sentou ao lado da outra, nem tão perto, nem tão longe.

— Pensei que a peituda tinha arrancado sua língua. — Jéssica sorriu, e a olhou.

— Não acredito que encontrei um defeito em você. — Valeska zombou.

— Como? Qual? — Jéssica cruzou os braços.

— Não sabia que era tão enxerida e gostava de olhar a vida dos outros. — Valeska prendeu o riso, quando recebeu um tapa fraco da outra em seu ombro. — Que baixinha malvada em.

Jéssica sorriu negando, e revirou os olhos.

Valeska se levantou, e Jéssica a seguiu com o olhar, interessada nos movimentos da outra.

— Vem cá, vamos dançar. — Valeska estendeu a mão.

— Você acha mesmo que eu vou dançar com você? Tsc. Eu estou acompanhada, obrigada.

— Vamos, é a sua última chance huh? Ele te deixou sozinha, e só porque eu te chamei pra uma dança, não quer dizer que fique comigo todo o resto da noite... Quer dizer... Se quiser. — Valeska deu de ombros e sorriu safada.

— Você vai parar de encher meu saco depois dessa dança? — Jéssica levantou às sobrancelhas, sugestiva.

— Tudo bem princesa. Vamos fazer um trato, se depois dessa dança você não querer mesmo me conhecer, eu desisto. Mas... Se você realmente gostar de como eu te envolvo nos meus braços, terá que fazer o que eu quiser. — Valeska continuou com a mão erguida para a outra.

Não podia negar, Jéssica adorava um desafio. Então não demorou muito para segurar a mão da brutamontes e ser puxada até o corpo da outra, quase colando os lábios. Ficaram se olhando por um tempo, com às respirações um pouco descontroladas.

— Ei campeã, uma dança... E só. — Jéssica se afastou dando um sorriso confuso, ainda meio desnorteada. Se afastou de Valeska sorrindo, a olhando de ombros. Valeska a seguiu com o olhar, e não demorou muito para ter suas mãos nos quadris da garota, enquanto podia escutar a música “Pique de novela” começar a ser cantada.

Enquanto tudo acontecia, Jimin arrumava seus cabelos no espelho. Estava mais aliviado que tivera feito seu xixizinho, estava realmente apertado, e pra piorar, Hoseok e Taehyung não melhoraram a situação quando começaram a sarrar em cima de sua intimidade. Aquilo só serviu para um quase ereção, e um xixi preso e lutando pra sair.

O loiro podia ouvir a voz abafada da música que vinha de lá de fora, Jimin começou a cantar baixinho, enquanto ajeitava seus brincos. Quando viu que já tivera pronto novamente, andou até a porta do banheiro, quando puxou a porta pra sair, imediatamente a porta foi direto em seu rosto, o fazendo cair no chão.

— Porra... — Jimin tocou sua testa, sentado de bunda no chão.

— Que caralho... — Jungkook resmungou, sem saber o que tivera acontecido, mas quando deu de cara com Park Jimin a sua frente, seus olhos quase saiam do lugar, por conta da revirada de olhos que deu.

— Só podia ser esse babaca. — Jimin resmungou, tentando levantar, mas ainda estava muito desconcertado pra isso. Tanto que, quase caiu, senão fosse pelos braços fortes o apoiando.

Mesmo resmungando com a mão sob a testa. Aquela situação era um perigo... Jungkook estava tão próximo dele, do rosto, podia sentir o cheiro forte e inebriante, o maxilar bem marcado e os lábios avermelhados feito uma maçã em sua época boa para colher. 

— Já pode me soltar agora. — Jimin resmungou baixinho, o olhando.

— Claro que sim, você não é nada leve, e tá bom de olhar por onde anda! — Jungkook disse, depois de sair de sua briga interna entre a razão e Park Jimin.

— Você que deveria parar de ser um karma. Toda vez que estou em uma situação ruim, você está lá. — Jimin resmungou tocando sua testa, indo até o espelho, se analisando. Por sorte não ficaria um galo, mesmo assim se sentia meio desnorteado, então acabou limpando uma parte da pia de mármore do banheiro com papel higiênico, se sentando ali.

— Um karma? Eu tô mais para o seu salvador. Se não fosse por mim, você cairia como um jaca podre no chão e poderia ter acontecido algo bem pior. — Jungkook franziu às sobrancelhas, rindo de lado. Jimin apenas revirou os olhos.

Jungkook entrou dentro de uma das cabines do banheiro e não demorou muito pra sair, lavou às mãos, e olhou diretamente para o loiro que resmungava baixinho de olhos fechados, com a cabeça encostada na parede vermelha.

— Tem certeza que está bem?

— Claro que não, está doendo. — Jimin disse o óbvio, bufando.

Jungkook revirou os olhos. Por mais que sua razão o pedisse pra sair daquele banheiro, seu corpo ainda sim gritava para que ele o ajudasse.

Ajudasse seu pior inimigo e rival...

Resmungou alguns palavrões, abriu a torneira, molhou um pouco do papel higiênico ali, e abaixou a mão de Jimin devagar da testa, deslizando o papel ali devagar. O loiro ainda meio relutante, acabou cedendo. Sentiu o papel gelado em sua pele e se assustou um pouco. Mas acabou fechando os olhos.

O contato entre o papel gelado em sua testa e a respiração quente próxima ao seu rosto... Jimin não sabia qual das duas sensações era a mais gostosa. Por isso mesmo abriu os olhos e encontrou os lábios finos e vermelhos lhe chamando. Engoliu em seco meio confuso com sua própria mente e afastou Jungkook de si assim que às lembranças do passado e sobre a sua corrente atingiu sua mente.

— Hm, valeu. Mas não preciso da sua ajuda. — Jimin limpou sua testa e saiu do banheiro rapidamente. 

Jungkook apenas revirou os olhos e suspirou. Lavou suas mãos e saiu do banheiro.

A multidão estava muito mais eufórica que antes, a boate estava totalmente lotada. Iria ser um baita trabalho chegar do outro lado da mesma.

— AÍ GALERA! MUITO BOM ESTÁ COM VOCÊS, A ENERGIA DE VOCÊS É INCRÍVEL. MAS... O SHOW JÁ ESTÁ PRESTES A ACABAR... POR ISSO, QUERO FAZER ALGO DIVERTIDO COM ESSA ÚLTIMA MÚSICA... UMA DISPUTA DE PASSINHO. FIQUEI SABENDO QUE DOIS DOS SELECIONADOS PARA O RODRIGO FARO ESTÃO AQUI, QUE TAL UMA AQUECIDA NO PALCO? — Tati disse animada. A multidão foi a loucura chamando pelo nome de Jungkook e Jimin.

Jimin, que já estava ao lado de seus amigos, não sabia como reagir. Mas também não deixou de segurar forte na mão do segurança que se aproximou pra saber se ele iria participar. O loirinho foi até o palco, e foi muito aplaudido e sentiu seu ouvido ficar sensível do tanto que às pessoas gritavam e gritavam animadas.

— ÓTIMO, UM JÁ ESTÁ AQUI, MAS CADÊ O OUTRO! JUNGKOOK? — Tati o chamou, e todos às pessoas fizeram o mesmo. Não demorou muito para que Jungkook alcançasse o palco e subisse também. — AGORA SIM GALERA, VAMOS FAZER ÀS COISAS GERAR NESSA BOATE. — Tati animou o pessoal. — VAMOS FAZER ASSIM, ELES VÃO DISPUTAR, E NO FINAL, VOCÊS VÃO ESCOLHER O MELHOR.

Depois que toda galera concordou, os primeiros toques de “Surtada” foram ouvidos, e a galera foi a loucura com a música do momento.

“Safada como é que tem coragem de falar na minha cara, que só faz comigo o que tu fez lá em casa...”

O primeiro que tivera atitude foi Jimin, que se aproximou e tocou o queixo de Jungkook, debochando, e em seguida tocou o próprio rosto. Deu uma volta observando o corpo de Jungkook.

“Tava lembrando de você em cima de mim, surtada.”

Jimin ficou na sua posição, e apontou pra Jungkook, passou a a mão pelo seu corpo e começou a fazer o passinho, enquanto o pessoal ia a loucura. 

“Hoje eu só quero te ver feliz pelada, não importa a hora pode ser de madrugada, você sabe que eu me amarro na sua sentada...”

Jungkook invadiu o espaço de Jimin, o fazendo ir pra trás, quando deu uma sarrada. Jungkook sorriu mexendo os ombros, e fez um gesto com às mãos mostrando todo o corpo do loiro. Se aproximou dele, tocando sua cintura, e em seguida se afastou, voltando a fazer o passinho. O público foi à loucura.

“Menina levada, sinto seu perfume quando eu tô na estrada, quando eu não resisto a tua cara de safada. Fuma aqui comigo, eu quero te ver chapada.

Jimin fez o passinho, mexendo seu belo corpo, levando o público e até mesmo a própria Tati Zaqui a loucura.

“Safada como é que tem coragem de falar na minha cara, que só faz comigo o que tu fez lá em casa, uh... Tava lembrando de você em cima de mim, surtada, ela é uma diaba!’

Jungkook foi mais frente, subindo em cima de uma caixa de som enorme que tinha ali fazendo o passinho, enquanto Jimin apenas fazia em baixo.

Jungkook desceu lá pra baixo, e levou a multidão a loucura.

“Eu sou uma diaba, cê me liga toda hora até a de madrugada, manda foto, manda vídeo me deixa instigada. Saio da minha cama e broto logo na sua casa. Cé tá ligado, que eu sento, sento, sento, sento, seu safado. Cê me olhando com essa cara de chapado, é minha brisa que te deixa todo lombrado, uh.”.

Jimin empurrou Jungkook com o polegar, para lhe dá espaço no palco. Fez sinal de telefone perto da orelha, e passou às mãos pelo corpo. Pôs às mãos no joelho e começou a quicar, conforme o ritmo. Se aproximou de Jungkook, e deu tapinhas fracos no rosto do mesmo. Pegou a Oakley que estava no topo da cabeça do garoto, e pôs em si, lançando um beijinho de ombros. 

“Safada, como é que tem coragem de falar na minha cara, que só faz comigo o que tu fez lá em casa uh... Tava lembrando de você em cima de mim, surtada!”

Jungkook se aproximou de Jimin ficando por trás dele, e tirou a Oakley do rosto do mesmo. Ficou do lado de Jimin, e ambos se olharam, antes de fazer o passinho e terminarem a música juntos.

— É DISSO QUE ESTAMOS FALANDO PESSOAL! ISSO SIM É RIVALIDADE DE VERDADE! — Tati Zaqui aplaudiu os garotos junto com a multidão que foi a loucura, um lado gritavam o nome de Jimin,e do outro Jungkook. — AGORA CHEGOU A HORA DE ESCOLHER! QUAL FOI O MELHOR... ESSE! — Levantou o braço de Jimin, e muita gritaria foram escutadas. — OU ESSE! — Levantou o braço de Jungkook, que deu seu sorriso ao público. A gritaria foi a mesma da de Jimin.

— EMPATE, EMPATE, EMPATE! — O pessoal começou a gritar.

— A VOZ DO POVO É A VOZ DE DEUS, ESTA DISPUTA ESTÁ EMPATADA! — Tati gritou, levando o pessoal a loucura. — PENA QUE NÃO PODEMOS MAIS CONTINUAR A DISPUTA, POIS VAMOS ESPERAR POR ELA NO RODRIGO FARO EM BREVE, BOA SORTE GAROTOS. — Tati os abraçou, desejando felicitações, e deu a ambos uma camisa sua autografada.

— Quanta perda de tempo. — Valeska disse, já com os braços entrelaçados ao pescoço de Jéssica.

— Não sabe do que tá falando. O passinho é tudo... E é por causa dele que os meninos foram escolhidos e estão concorrendo. — Jéssica a olhou, com às sobrancelhas juntas.

— Não falo da dança em si. Falo do alvoroço que fazem... Torna algo que era pra ser legal, em uma briga de “Quem é o melhor” sempre. Eu só acho que cada um tem seu jeito de dançar, e que seria muito mais divertido se todo mundo se juntasse pra dançar, e não pra competir. — Valeska tirou seus braços de Jéssica, e tocou-lhe o rosto. — E sempre na maioria dessas disputas, o ódio que os líderes sentem um pelo o outro, é só desejo reprimido. Por que acha que eu aceitei competir contigo? — Valeska sorriu de lado, tendo os olhos de Jéssica fixados em seus lábios. Os olhos de Jéssica subiram até os olhos negros e perfeitos da outra, ficou um tempo imóvel e entregue, tanto que o resultado disso foi sentir os lábios de Valeska tocarem o canto dos seus devagar.

Jéssica apertou a camisa da brutamontes entre seus dedos, fechando os olhos. Não sabia do por quê está tão entregue ao momento, e a ela daquele jeito. Mas não importava muito. Se decepcionou quando a brutamontes se afastou, e segurou uma de suas mãos.

— Eu preciso ir, vi que minha prima e as colegas já foram, só aceitei vir pra cuidar delas, e me divertir um pouco. Enfim, quer que eu te leve em casa? — Beijou a mão de Jéssica.

— Hm, eu não sei se é uma boa ideia. — Jéssica corou, se afastando.

— Só queria deixar você segura. Eu não confio naquele idiota. — Apontou com a cabeça, para Jungkook que já se aproximava.

— Eu não sei... — Jéssica abaixou seu vestido, revezando em olhar para a garota a sua frente, e o garoto que veio consigo, se aproximando.

— Tudo bem, princesa. A gente se ver por aí. — Valeska se aproximou e deu um beijo na bochecha da garota, se afastou devagar, e virou às costas, se perdendo entre a multidão.

Jéssica olhou em direção a ela, até a mesma sumir. Estava tão indecisa, e odiava ficar desse jeito.

Algo a levava até a brutamontes, e Jéssica necessitava descobrir o porquê.

Por isso, quando Jungkook se aproximou, não demorou muito pra se despedir dele, avisando-o que falava com ele na escola.

Mesmo que tenha sido difícil passar por aquelas pessoas com o passo apressado, Jéssica fez o possível. Chegou a portaria da boate e saiu do estabelecimento completamente. Olhou para os lados e logo pôde avistar a brutamontes, prestes a sair com o carro. 

— Valeska! — Gritou.

Valeska ouviu a voz conhecida, e olhou para a bela garota de vestido vermelho. Ficou sem entender do porquê sentiu um frio na barriga quando ambas ficaram se olhando por um tempo.

Jéssica tirou os saltos e olhou para os lados, atravessou a pista apressada. Descansou às mãos na porta do carro.

— Espero não me arrepender. — Jéssica disse sorrindo, com a respiração descompensada.

— Vem princesa, entra. — Valeska sorriu e destravou a porta do passageiro, para Jéssica entrar. A mesma o fez, e Valeska deu partida dali.

Enquanto isso, Jimin tivera se perdido dos seus amigos, por mais que tivesse procurado o quanto podia, não conseguia achá-los.

Bufou em desistência, queria ir pra casa, e o faria. Às coisas na boate estavam começando a ficar intensas demais, e ele não queria ficar ali pra ver o resultado.

Saiu da boate, e pegou seu celular para pedir um Uber.

Estava descarregado.

— Merda, eu sempre tomo bolo. — Resmungou e se sentou na calçada, passando às mãos nos seus cabelos.

Uma luz forte bateu em seu rosto, olhou para o carro conhecido e revirou os olhos.

— Tá de sacanagem. — Resmungou baixinho.

— Ei, entra aí. — Jungkook pediu.

Jimin o olhou, seus amigos pareciam não estar com ele.

— Por que eu faria isso?

— Pense como um pedido de desculpas.

— Desculpas? Jeon Jungkook pede desculpas? — Jimin sorriu de lado, o encarando.

— Sim, pelo banheiro. Não queria te machucar... Enfim, você aceita? — Olhou para o loiro, o analisando.

Jimin suspirou, ele não estava mentindo. Conhecia Jeon Jungkook... Sabia muito bem quando ele mentia.

— Tudo bem. — Jimin levantou, e foi até a porta do passageiro, a abrindo, e se sentando ao lado do garoto.



Eu sei, o capítulo ficou extenso. Mas em minha defesa, eu falei que a boate ia gerar!  Eu ainda tô pensando se continuo com a continuação dessa noite, ou se eu deixo no ar pra vocês verem às consequências depois...




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...