1. Spirit Fanfics >
  2. Come out and play. Vkook-Taekook. >
  3. Juntos e...

História Come out and play. Vkook-Taekook. - Capítulo 14


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura!!
✨🍍✨

Capítulo 14 - Juntos e...


Fanfic / Fanfiction Come out and play. Vkook-Taekook. - Capítulo 14 - Juntos e...

E beijando a testa suada e bonita do menor Taehyung respondeu a frase que apesar de bastante conhecida, e pouca vivida, ela daria tudo para garantir de que sua missão na terra fosse baseada nela.

— Eu te amo Gukkie.

Os rapazes se olhavam com devoção. Jungkook trouxe a cabeça de Taehyung para descansar em seu peito, a adrenalina de terem vivido aquele momento, ainda presente no corpo de ambos.

Jungkook fazia um carinho gostoso nos fios molhados do pintor, o peito quente de felicidade e amor, faziam que flash's dos momentos agora poucos vividos por eles, se eternizassem em sua mente. O fotógrafo teve os  pensamentos interrompidos pela risadinha sapeca de Taehyung.

— Do que você está rindo seu bobinho?— O menor questionou risonho. Ouvir aqueles sonzinhos do noivo era como pedir para se derreter de amor por dentro.

— Eu estou tão feliz Gukkie.— O pintor disse tímido, escondendo o seu rosto no vão do pescoço do menor.— Você foi tão bom pra mim...— O rapaz disse baixinho.

— Você também, não vou mentir que...as vezes...quando meu corpo...é...desejava você, minha mente criava vários cenários, mas esse momento com você foi muito além da minha imaginação.

— Yah! Gukkie, não diga essas coisas eu ainda sou tímido.— Taehyung gritou, escondendo seu rosto mais e mais no pescoço pálido do fotógrafo.

— Mas foi você quem começou com essa conversa.— Jungkook disse rindo, as mãos passeando de forma carinhosa por todo o tronco do maior, a suavidade daquela pele sendo gravada em seus sentidos e memória.— Hyung, eu tenho uma pergunta.

— Humm.— Taehyung respondeu com um murmúrio, ainda escondendo o rosto no pescoço macio de Jungkook. O cheiro bom que provinha do estava o inebriando.

— Você disse que faziam alguns meses que você passou a me desejar, quantos meses mais ou menos?

— Ãn...acho que uns 2 meses. Jin hyung percebeu que tinha algo me incomodando, o que no caso era a minha timidez pra te contar como eu estava me sentindo em relação a você, então ele me chamou pra conversar e me explicou sobre tudo. Eu sabia algumas coisas, outras não.— O Kim disse baixinho, as bochechas corando violentamente, devido às lembranças da conversa que tiveram com Jin e Jimin.

— Céus! Eu sou o pior noivo desse mundo? Como eu não li os seus sinais?!

— Não Jungkookie, você é o melhor noivo do mundo todo, hun?!— Taehyung disse exasperado, colocando as duas mãos nas bochechas do menor e fitando os olhos de constelação, ele queria que o fotógrafo sentisse a sinceridade de suas palavras.— Não duvide disso, você é o melhor pra mim.

— Óh meu amor, me desculpe, eu prometo agora prestar atenção em todos os seus sinais, eu vou aprender a lê-los hyung. E o meu futuro marido nunca mais vai passar vontade, aqui vai ser serviço 24 horas.

— Yah!— O pintor deu uma leve batidinha no peitoral do menor.— Não diga isso em voz alta, já disse que sou timid-

Taehyung foi interrompido de sua reclamação por um par de lábios macios que atacou sua boca com um beijo carinhoso, não tinha língua, era apenas um deslizar envolvente dos lábios que pareciam insaciáveis e prontos para beijarem um mar inteiro.

— Agora nós vamos tomar um banho quentinho na banheira, comer alguma coisa e dormir juntinhos. O que me diz da proposta?

— Proposta aceita Gukkie.— Taehyung sorriu largo com a ideia de agora estreitar os laços e poder tomar banho com Jungkook sempre que quisesse.— Ai..

Taehyung sentiu o corpo dolorido, mais precisamente na região do bumbum, então levantar da cama não era uma opção.

— Tá doendo né hyung?!— Jungkook questionou preocupado, os olhos sempre atentos no maior.

— Jungkookie não pergunte isso.— Taehyung respondeu choroso, enquanto tapava o rosto com as mãos, totalmente envergonhado.

— Não fica assim meu amor, olhe, vou encher a banheira, e volto pra te buscar, tudo bem?!— Jungkook disse enquanto se aproximava do rosto alheio e distribuía selares nas bochechas coradas de seu noivo.

Taehyung não respondeu, apenas balançou a cabeça em concordância e deixou-se sentir o carinho bom que o menor fazia em seu rosto. Sempre tão cuidadoso.

O pintor assistiu Jungkook ir para o banheiro, o corpo nu andando pela suíte, fazia o interior do maior se derreter, como podia ser tão lindo?! Um escultura cuidadosamente esculpida, buscando retratar a cópia fiel de um deus. Taehyung sentia que estava vivendo um sonho.

—Aii.— O maior sentiu outra dorzinha, enquanto tentava se mexer na cama, ele finalmente conseguiu se deitar e esperar o menor vir avisa-ló. E enquanto aguardava, o pintor se permitiu voar em seus pensamentos, alisou a própria pele e de olhos fechados imaginou o contato delicado e forte de Jungkook em sua pele, os beijos quentes e apaixonados.— Céus! Taehyung eu não acredito que você fez isso, eu não acredito.

O rapaz cochichou para si mesmo, em um misto de felicidade e orgulho, porque afinal, ele foi quem disse a Jungkook o que estava sentido.

— Ah! Me sinto um garoto rebelde.— Taehyung cochichava para si, a felicidade de saber que estava aos poucos crescendo e perdendo o medo de falar sobre suas escolhas e vontades o deixava vibrando de orgulho.— Você é um bom garoto Taehyung...

— Prontinho amor, a água está morna e agora vou levar meu bebê pra banheira.— Jungkook disse entrando no quarto. Sua nudez não parecia ser um incômodo, talvez ele desconfiasse que Taehyung tinha uma adoração demasiada por seu corpo e por isso a ideia de exibi-lo para o maior era, para si, demasiadamente prazerosa.

Taehyung sorriu, e logo Jungkook estava o pegando no colo como se fosse uma noiva, e o levando com cuidado para a Jacuzzi luxuosa do hotel.

Jungkook buscou colocar o maior com cuidado na banheira, a água quente reconfortando toda a tensão dos músculos, Taehyung se sentia no céu.

Ambos estavam na água, e Jungkook não tardou em molhar com cuidado os fios negros do maior. Também limpou a pele com adoração e zelo. O cheiro bom dos sais minerais imundava o ambiente, e transformava aquele momento em algo bom para se guardar na mente.

— Yah! Jungkookie, deixa eu lavar seu cabelo também.— Taehyung não esperou uma confirmação, apenas molhou os fios naturalmente negros, e fez uma massagem capilar que fez o menor viajar nas sensações, o pintor tinha dedos muito bem delineados e que faziam milagres, era como estar no paraíso.

O casal fez guerra de água, se abraçaram, se declararam um para o outro e se beijaram muito, tudo isso na banheira, era como se de modo inconsciente eles gravassem o seu amor em cada canto daquele lugar.

Jungkook foi o primeiro a sair da água, aproveitou para dar privacidade ao maior e também para limpar a bagunça que fizeram no quarto.

O menor assim que trocou os lençóis e organizou tudo o que estava fora do lugar, e avisou o noivo de que iria sair para comprar algo leve para o jantar deles.

Taehyung saiu do banheiro renovado e feliz, Jungkook é tão cuidadoso, o coração do maior palpitava sempre que se de dava conta do tamanho da sorte de ter alguém como Jeon Jungkook. Parecia mentira ele acordar todos os dias e se deparar com um anjo ao seu lado, a pele tão macia e pálida, os cabelos negros como a noite e um baixinho ressonar que mais parecia um ronronar de gatinho, Jungkook em cada detalhe era perfeito para Taehyung, era alma perfeita para caminha para a eternidade com o amante das borboletas, era o amor da vida do maior, o amor.

— Oi meu bebê, você já terminou o banho?— O menor questionou enquanto retirava seus sapatos e adentrava a suíte com algumas sacolas.— Comprei frango frito e uma garrafa de vinho, a combinação parece perfeita, o que você acha?— O fotógrafo ergueu as sacolas em direção ao noivo, como um pedido de veredito final para o jantar deles.

Taehyung sorriu quadrado e confirmou. Nada melhor do que um bom frango frito, a fome já se fazia presente e sua boca salivava em antecipação.

— Ah, eu comprei uma pomada também. Pra você.

— Pra mim?!— Taehyung disse tentando se levantar, mas uma dorzinha incomoda o fez dar um grunhido, o maior ainda estava pouco acostumado com a dor.— Ai.

— Pois é, eu sabia que você ficaria dolorido, então eu trouxe pra você. Tá agora vira.

— O -que, o quê você disse?

— Eu pedi pra você virar meu anjo. Eu vou passar pra você.— Jungkook respondeu compreensivo e totalmente alheio ao embaraço do maior.

— Jungkook você ficou louco ou o quê? Eu não vou deixar você passar em mim, ainda mais lá.— O pintor estava corado em um nível extrato de tomate, suas orelhas denunciavam o embaraço pela situação.

— Mas por quê? Você talvez não consiga passar direito lá, eu já vi tudo, não precisa ficar tímido meu bebê. E se você se sentir seguro e confortável, eu quero muito mesmo cuidar de cada partezinha sua. Hun?! Você deixa?— O fotógrafo o olhava com olhos pedintes, era uma tática infalível.

— Aish...— Taehyung estava perdido, era óbvio que ele gostaria de ser cuidado pelo noivo, mas a situação ainda assim era embaraçosa. E como dizer não para aqueles olhos de constelações?

— Tudo bem. Mas só dessa vez, eu sei me cuidar, não sou um bebê. — O pintor disse já se virando com cuidado e resmungando, um bico fofo se formou em seus lábios, ele não gostava de ser perder nos argumentos, mas seu erro foi aceitar se casar com um homem que não os usa para convencer. Tsc...o destino...

— É sim o meu bebezinho, para sempre até quando tivermos 90 anos.— O menor dizia enquanto realizava a tarefa.

— Ai sim, quando tivermos 90 você vai ter que passar pomadas em mim. E vai ter que aguentar o fato de que eu vou esquecer de tudo.— Taehyung sorria ai  se imaginar um velhinho gagá ao lado do noivo.

— Eu vou te reconquistar todos os dias da minha vida, hyung.— O menor se aproximou para selar os lábios cor de cereja do maior com carinho, os olhos conectados transpassavam a sinceridade de cada palavra. Amar tinha dessas, você não percebe, e quando se dá conta, já se está perdidamente apaixonado, imerso em um oceano profundo de sentimentos e quando a escolha é certa, pode ter certeza, a escolha vem decorar na forma de corais, o seu mar de amor.

Enquanto Jungkook ia até o banheiro, o maior serviu as taças de vinho e separou as coxas crocantes de frango, não perdendo a chance de beliscar algumas.

— Yah! Eu estou vendo daqui, largue as coxas de frango Taehy.— Jungkook gritou do outro cômodo, e o maior apenas gargalhava, o clima de amor estava pairando em todo o lugar, e o pintor tinha quase certeza que Jeju inteira estava partilhando daquele amor também, porque "um amor verdadeiro é aquele que contagia até as pessoas ao redor".

Eles se alimentaram, tomaram a seiva Santa de Dionísio e sorriram a noite toda e no fim...bom, no fim eles voltaram para os braços um do outro, agora sendo a fortaleza de ambos, juntos...e fortes.

[...]

O final de semana chegou como na velocidade da luz, o portfolio da viagem estava gigante e eles ainda tinham mais uma semana de viagem por Jeju. Muitas aventuras e lugares para conhecerem.

Taehyung estava se arrumando, enquanto Jungkook o esperava no quarto, dali há algumas minutos eles finalmente jantariam com Moonbin e Eunwoo, amigos do menor.

— Prontinho.— O pintor disse já adentrando o cômodo e indo em busca de seus sapatos.

O menor apenas petrificou no lugar, como podia ser tão lindo aquele ser? Como Taehyung podia ser mais lindo que o Taehyung de ontem? Era como se reinventar, Jungkook não havia se acostumando a beleza do homem mais lindo do mundo.

— Que foi Gukkie? Tem alguma coisa estranha no meu rosto, alguma espinha?— Taehyung tocava o
a face de forma frenética em busca do motivo do espanto do noivo, a expressão dele era como se o maior estivesse com uma travessa de frutas na cabeça.

— Céus, como você pode ser tão lindo? Eu não tenho estruturas hyung.— O menor estava com medo de se aproximar e se perder todo, na beleza daquele ser, Taehyung era para Jungkook uma fonte sublime de beleza, divindade e amor.

— Para de ser bobo Gukkie.— As bochechas rosadas do maior ardiam em timidez, poderiam passar mil anos e o pintor ainda não se acostumaria com todos os elogios e galanteios do menor.

— Tsc...tarde demais, se tem uma coisa que eu sou por você é bobo de amor, apaixonado, perdidamente apaixonado por você e cada pedacinho adorável seu.— Jungkook beijou com carinho a pontinha adorável na ponta do nariz do maior, enquanto fingia arrumar a gola da camisa do noivo, apenas para ter um pretexto para tocar naquele pele macia. É...o Jeon era mais um soldado perdido.— Vamos?!— o menor estendeu o braço para o pintor.

— Vamos Gukkie.— Taehyung respondeu risonho, os olhos se fechando e formando pequenos riscos. Realmente um ser adorável.

[...]

— Uah!! Jungkook-ah quanto tempo.— Eunwoo disse enquanto abraçava de forma intensa o seu grande amigo. Os tempos de faculdade foram ótimos e os garotos passaram poucas e boas enquanto dividiam o apartamento.

— Moonbin certo?!— Taehyung questionou tímido, enquanto o noivo se debruçava de felicidade, matando a saudades do amigo.

— Sim, e você é Taehyung.— O rapaz disse convicto de sua afirmação.— Entre, esses dois não vão se largar a noite toda, sabe no tempo de faculdade eu até tinha ciúmes do Jungkook com o Nunu, é um grude que assustada.— Moonbin disse já direcionando Taehyung para a sala de estar da casa, o lugar era muito aconchegante, tinha um ar verdadeiro de lar, Taehyung estava amando o clima bom do lugar.

— Sério?!— O pintor questionou desacreditado, qual era o nível de chamego dos dois?!

— Seríssimo. Mas me fala de você, o que você faz?! Conheceu Jungkook na faculdade?

— Eu sou pintor, me formei em artes plásticas e sim, conheci Jungkook na uni.

— Acredito que o Eunwoo não estudava mais lá né?! Se não teríamos nos conhecido. Nunu sempre me levava para todos os cantos da Uni, e isso incluía o prédio de artes, eu queria ter me formado também.— O rapaz disse risonho, o sorriso dele era contagiante, e bom, dava para perceber que ele amava citar o nome de seu companheiro sempre.

— E porque você não tenta agora?!— O pintor disse totalmente compadecido do rapaz, era triste para si imaginar uma ser não podendo seguir seu sonho.

— Hum... fo-

— Yah! Vocês deixaram a gente lá fora.— Jungkook disse enquanto adentrava a sala de estar junto a Eunwoo.

— Mas é claro, vocês juntos esquecem do mundo.— Moonbin respondeu divertido, era seu maior Hoby encrencar com os dois amigos.

— Iii, olha aí. Tae, você sabia que Moonbin não vai com a minha cara, porque acha que eu iria querer esse namorado feio e tonto que ele tem.— Jungkook disse mostrando a língua para o rapaz enciumado.

É...seria uma noite longa.

[...]

O jantar foi muito divertido, os rapazes sempre encontravam um assunto que incluísse os 4 presentes na mesa, então ninguém ficava de fora.

Moonbin disse que tinha um amor muito grande por terrários, por isso Taehyung e o rapaz engajaram-se em um conversa, deixando Eunwoo e Jungkook na sala de estar, também imersos em conversas que envolviam o passado e as previsões para o futuro.

— Aaa, Moonbin-ssi, eles são tão perfeitos, como você conheceu essa técnica?— Taehyung questionou totalmente apaixonado pelos pequenos vasos personalizados.

— Ah, foi no ensino médio. Na nossa escola todo ano aconteciam pequenas feiras do empreendedor, aí uma professora falou que eu tinha um perfil bem criativo e que com toda certeza, eu me daria bem com a técnica dos terrarios. Inclusive foi através deles que eu conheci o Nunu, a sala dele teve que cumprir um desafio e eu fui professor dele, o ensinei a montar os pequenos vasos, mas o danado só sabia flertar, sempre tão sedutor...

Taehyung não sabia o que responder diante das divagações do rapaz, ele pareceu se teletransportar para outra era. O pintor então esperou que ele terminasse sua sentença.

O rapaz notando a falta de palavras de Taehyung, decidiu concluir sua resposta outrora interrompida por Jungkook e Eunwoo.— Sabe Taehyung, você me perguntou porque eu não tento novamente a concorrer no curso de artes, bom...eu até tenho vontade, e Nunu realmente quer que eu faça algo que me deixe feliz, e talvez eu retorne sim. Mas a nossa história foi tão complicada.— O rapaz indicou a poltrona da pequena edícula para que eles se sentassem.— Os pais dele no início até que aceitaram, porque achavam que Eunwoo estava confuso, que era apenas caso de escola, mas nós fomos crescendo, e o sentimento junto. Quando decidimos qual universidade iríamos escolher, os pais dele o obrigaram a terminar o namoro, para eles era um "desperdício" um rapaz tão bonito ser gay e não gerar nenhum filho, mas o Nunu não aceitou isso, disse que nada iria nos separar, e os pais dele tiveram que escolher outra forma de acabar com o nosso relacionamento, eles decidiram se mudar para Seoul, talvez na capital o Nunu achasse alguém "melhor", e assim foi feito. Meu namorado e eu não tínhamos independência financeira e tudo isso só piorava mais ainda a nossa situação.

Taehyung estava com o coração apertado, o quão longe iria  o preconceito e o desejo de transformar os filhos em robôs?

— Então eu e Eunwoo prometemos que iríamos ser fortes, eu guardei meu dinheiro para a faculdade, e comecei a trabalhar, meus pais não gostaram da minha decisão mas respeitaram. Enquanto isso Nunu fazia a faculdade de Ciências contábeis, os pais escolheram o curso, e ele procurava um emprego por lá, ficamos nisso durante dois anos, até Eunwoo dar um basta na situação e se impor para os pais, e em uma discussão intensa entre eles, Nunu foi embora da cidade e voltou para Jeju, meu coração apertou quando ele apareceu simplesmente sem nada, mas eu fiquei feliz de saber que ele manteve suas escolhas acima de tudo. Então desde daí nós estamos firmes, no começo foi difícil, mas aos poucos fomos organizando o nosso canto e hoje estamos aqui, muito felizes por sinal.— O rapaz ria com as lembranças, um sorriso naturalmente contagiante e que mostrava pouco do grande sentimento que ele tinha para com o namorado.

— Moonbin-ssi sua história é tão...— O pintor não conseguiu achar um adjetivo que representasse bem, a luta pela pleno exercício do amor entre Moonbin e Eunwoo.

— É eu sei,— O rapaz respondeu compreensivo e risonho— mas isso só serviu para nos fortalecer, eu passaria por tudo novamente, ah, não sei se você percebeu mas eu sou realmente muito apaixonado por aquele cara de mingau.

— Se eu notei?! De dez palavras que você diz, pelo menos 5 são "Nunu", eu acho isso tão lindo. Dá pra sentir a intensidade do amor de vocês.

— É vicio, não é porque eu amo ele não.— Moonbin ria de sua mentira mal contada. Um péssimo mentiroso.

— Uhun, deu pra notar.

Os rapazes conversaram um pouco mais e Taehyung fez Moonbin prometer que retornaria para a faculdade, o rapaz fez questão de presentear o novo amigo com um delicado terrário que havia montado há poucas semanas.

— Eu não disse Tae, é só se afastar um pouco e Jungkook já tá dando em cima do meu Nunu.— Moonbin disse alto, enquanto adentravam a sala novamente, flagrando o fotógrafo e Eunwoo em uma disputa de luta vergonhosamente perdida, dos dois lados.

— Olha, a sua sorte é que Taehyung existe, porque tá na cara que eu o Eun somos almas gêmeas. Não adianta tremer de ciúmes não.— Jungkook respondeu atrevido, a verdade é que ele tinha gosto em encrencar com o rapaz.

A noite foi finalizada com uma rodada de chás e biscoitos, e logo os rapazes estavam se despedindo daquela noite tão divertida, ao lado dos novos amigos.

[...]

Era a última noite do casal na cidade, nos dias que se passaram eles visitaram a linda caverna de Monjanggul, O parque temático de Teddyum e também o super museu de intentos da cidade. Também visitaram as Ajjumas mergulhadoras, e visitaram a praia Hamdeok.

A noite chegou e Jungkook fez uma proposta irrecusável, eles iriam ver as estrelas no céu.

Na praia Hyeopjal, tinha um espaço para turismo onde pequenas tocas eram alugadas, essas barracas eram temáticas e decoradas no estilo Vintage, um espaço deveras romântico e que para Jungkook, exalava Kim Taehyung.

E assim foi feito, o casal já havia preparado uma pequena cesta com lanchinhos, vinho e um cobertor para se protegerem do frio que a maresia trazia sempre.

As tocas ficavam em espaços afastados, tudo para garantir a privacidade dos casais e visitantes.

— Hum...mas essa viagem de noivado está ultra romântica, duvido a nossa viagem de lua de mel superar isso.— O pintor disse enquanto se enroscava mais e mais no noivo, o fato de estarem juntinhos só deixava aquele momento ainda mais especial.

— Eu sempre anoto tudo o que você fala. Você quer uma lua de mel super, hiper, ultra, big master, romântica?! Então é o que teremos.

— Você é sempre tão bobo.— Taehyung disse, enquanto descansava a cabeça no peitoral do menor. O silêncio bom, as palpitações audivelmente acessíveis mostrava o quão especial aquele momento estava sendo.

— Você gostou da viagem meu amor?— O fotógrafo questionou baixinho enquanto mirava as milhões de estrelas no céu, o brilho tão intenso e majestoso, mas que nunca chegariam aos pés da luz reluzente de Taehyung tinha através suas retinas.

— Eu amei cada detalhe Gukkie, nossas visitas aos lugares mágicos daqui, as trilhas, o hotel, amei tirar fotos na praia com você, eu amei tudo meu amor.— O pintor disse totalmente nostálgico, se lembrando dos pequenos detalhes que, de verdade, deram um toque especial naquela viagem tão importante para ambos.— Ah, quase ia me esquecendo, os espetos de carneiro também, ah foi maravilhoso.

— Nossa você realmente gostou dos espetinhos, quando chegarmos em Seoul, vamos pedir pro Jin-huubg fazer pra gente.— Jungkook respondeu com uma risadinha sapeca, abusar da boa vontade do seu hyung era a sua função na terra.

— E você Gukkie, o que mais gostou da viagem?

— Hum...além de você aqui comigo?

— É, seu bobo.

— Hum...deixa eu ver....Ah, ter você aqui comigo também, e você ao meu lado, e você se divertindo, você sorrindo, você comendo, você corando, a melhor coisa dessa viagem foi você.— O Jeon disse de olhos fechados, eternizando em sua memória cada sorriso meigo e dengoso que o maior lhe direcionava, era, de verdade, sua maior alegria.

— Não vejo a hora de  termos nossos filhos Gukkie, vou contar pra eles cada aventura nossa.

— Eu também, e eles vão ser tão inteligentes, educados e especiais quanto o pai artista deles.

— Aish, já estamos noivos, por que ser galanteador sempre?!— O maior disse corando violentamente enquanto escondia o rosto no peitoral alheio.

— É pra garantir que você nunca deixe de me amar. Eu não sei como seria a minha vida se não fosse ao seu lado, sentido o seu cheiro bom de chiclete, e sendo tão amado como eu sou, você me refez hyung.

Não foram necessárias respostas, era nítida a reciprocidade do sentimento, o silêncio era a trilha sonora, e a prova viva de que não existia palavras para descrever a intensidade daquele amor.

— Gukkie olha, estrelas cadentes.— Taehyung os sentou na pequena barraca e juntou as mãos em oração, eles precisavam fazer um pedido. — Não olhe pra mim Gukkie, olhe para a estrela, faça o seu pedido,Hun?!

— O pedido já se realizou hyung, muito antes de eu o fazer.— E mirando os rosto banhado pela cor dourada, Jungkook começou a desferir milhões de beijos por todo o rosto, pescoço e barriguinha do maior.

— O que você está fazendo? Menino maluquinho...— Taehyung questionou rindo freneticamente e sem entender a razão do ataque de beijos.

— Eu ia beijar o que amo em você e descobri que amo tudo.

E ali na praia, o casal fez planos para o futuro, passearam a beira mar, aproveitaram cada minuto e quando a noite despontou com majestade no céu, Jungkook e Taehyung se amaram sob as estrelas, os corpos se juntando e formando um só, fazendo que aquele contato íntimo gerasse um novo sistema de informações, um rede intensa de sentimentos, emoções e desejo, tudo isso se materializando em fluidos, sons de prazer e o olhar emocionado de quem ama tanto e de uma forma tão intensa, que o corpo não dá conta, pedindo auxílio para que as lágrimas banhasse aquele momento também, porque somente os fortes choram com orgulho, e Taehyung e Jungkook eram e sempre serão fortes no amor.

[...]

O retorno foi tão rápido quanto a ida, o casal trocou contatos com Moonbin e Eunwoo, estes que disseram esperar por uma segunda visita do casal de noivos.

Era Tardezinha em Seoul e Seokjin estava responsável de buscar o casal no aeroporto.

Taehyung e Jungkook não se demoraram no procedimento pôs voo, e ao longe puderam avistar a cabeleira loira do maior.

Jin acenava com alegria para os "pombinhos", era possível ver de longe a áurea apaixonada que rondava ambos, mesmo após anos de relacionamento. Tem coisas que nunca mudam...

E enquanto se dirigiam em direção a Jin, o fotógrafo se deu conta de um pequeno detalhe.

— Yah! Taehyungie, o que tinha na carta que o Jin-Hyung escreveu pra gente?
 


Notas Finais


✨🍍✨

Hey my little pineapples.^^

O que acharam do capítulo?
Este capítulo serviu como uma transição e agora estamos definitivamente na reta final de Come out an play (😫🥺)

Faltam apenas 2 capítulos e finalizaremos em partes, a história dos nossos bebezinhos.

https://br.pinterest.com/pin/616219161501705092/
https://br.pinterest.com/pin/616219161501705071/
https://br.pinterest.com/pin/616219161501705081/

Bebam água, lavem as mãos, se cuidem de verdade, e até mais 💛.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...