1. Spirit Fanfics >
  2. Come to me babe - Imagine >
  3. Compromissos

História Come to me babe - Imagine - Capítulo 5


Escrita por:


Capítulo 5 - Compromissos


Fanfic / Fanfiction Come to me babe - Imagine - Capítulo 5 - Compromissos

Chego ao edifício de escritórios pontualmente às 10:30. Meus saltos replicam no chão do saguão enquanto vou andando até as catracas. Passo meu crachá e minha entrada é liberada. Enquanto espero o elevador, olho o painel com as informações que preciso. "Setor Contábil - 12° andar". Entro no elevador e respiro fundo. Está na hora de começar o show.

A porta do elevador se abre no 12° andar e saio andando com confiança. Em uma rápida olhada, localizo João Paulo Coelho mais conhecido como JpC, auditor fiscal desta empresa. A cerca de três meses entrei em contato com ele para verificar umas atualizações que tinham diferenças pequenas e quase imperceptíveis. Cerca de uma semana depois ele me retornou, dizendo que realmente estava apresentando diferença, mas que aqueles valores estavam sendo repassados pelo gerente da empresa. Desde então estou acompanhando de perto a vida do gerente, mesmo que ele não saiba.

Enquanto vou andando pelo meio dos escaninhos, acabo atraindo os olhares das pessoas ali presentes, afinal nunca me viram aqui. Paro em frente a mesa de JpC e ele olha para mim.

- JpC? - pergunto

- Sim - ele responde se levantando e me olhando desconfiado.

- ____ - estico minha mão para cumprimentá-lo.

Ele rapidamente estica a mão me cumprimentando.

- Como posso ajudá-la srta? - pergunta ele - Não sabia que você viria.

- Visita surpresa - dou um sorriso. - Podemos conversar em particular?

- Cl-claro - responde ele - por aqui por favor. - aponta em direção a uma sala com paredes de vidro ao lado de onde está.

Entro na sala e ele fecha a porta.

- O senhor deve estar se perguntando o porque de eu estar aqui - falo antes dele me perguntar, sentando em uma das cadeiras ao redor da grande mesa de reunião - Gostaria de ver os livros fiscais do último ano da empresa, com todas as entradas e saídas. Também quero o rascunho do último balanço patrimonial e a prévia deste trimestre. Ah, claro já estava me esquecendo do motivo pelo qual estou aqui. Quero agora todos os gastos do gerente dessa unidade nos últimos dois anos.

Ele me encara boquiaberto. 

- Claro, claro, claro! Vou pegar tudo o que você precisa. Você aceita algo para beber? - diz ele esfregando os olhos e em seguida passando as mãos pelo cabelo grisalho. Ele parece ter envelhecido uns 5 anos apenas nesses últimos dois minutos.

- Água, por gentileza - digo para ele.

- Vou providenciar - me diz saindo da sala.

Retiro meu notebook da bolsa e o coloco na mesa. Se tudo der certo, ainda conseguirei comparecer a reunião que está marcada para às 11:00.

Um rapaz, talvez uns 4 ou 5 anos mais novo que eu, entra na sala me trazendo um copo de água, sendo seguido de mais 2 pessoas além do próprio JpC, todos carregados com caixas de papel e livros fiscais.

Olho em meu notebook qual foi a última pasta que consegui acessar. De 04 meses antes.

Abro a caixa com documentos do mês que não tive acesso e pergunto:

- Por que estes arquivos ainda não foram digitalizados? - ergo o olhar para os 4 pares de olhos que me olham curiosos.

- Peço desculpas, mas não tivemos tempo - responde JpC

- O que houve? - pergunto, fechando a primeira caixa e abrindo a caixa ao lado.

- Estamos sobrecarregados de serviço - me responde nervoso - os cortes de orçamento recentes nos afetaram bastante e a perda de noss... - ele continua, mas já não escuto mais.

- Desculpe, você pode repetir o que acabou de falar? - olho para ele

- Que o corte de orçamento está nos prejudicando? - me olha confuso.

- Isso. Que corte de orçamentos é esse? - pergunto enquanto vou analisar a terceira caixa.

- A alguns meses recebemos ordens de cortar pessoal do setor. Nos falaram que teríamos que nos virar e dar conta, pois as ordens eram da diretoria da holding.

Ergo os olhos para ele. Precisaria investigar isso também.

- Quantos colaboradores foram desligados da contabilidade?

- Três - diz ele. - Dois analistas e um estagiário.

- Certo - volto a analisar os papéis - quero que você contrate quatro pessoas para o setor. Dois analistas e dois estagiários.

- Mas...tivemos ordens para cortar - diz ele desconfiado.

- Posso te garantir que estas ordens não foram dadas por mim - fecho a última caixa e abro o primeiro livro fiscal. - Faça a contratação e providencie que todos estes documentos aqui - aponto para as caixas - estejam no sistema. Vocês tem 10 dias.

JpC e as outras três pessoas me olharam com olhos esbugalhados e bocas abertas.

- Claro, faremos isso o mais rápido possível. - Diz um JpC com olhos mais brilhantes. - Você precisa de mais alguma coisa?

- Sim - digo olhando em seus olhos. - Vou precisar dos valores detalhados de entrada e saída do RH. E quanto a isso aqui, preciso de uma cópia de todos estes documentos. - Falo entregando à ele a pasta com todas as despesas do gerente. - Ainda tenho mais uma aparição surpresa para fazer hoje, você consegue me entregar estas cópias até o término da reunião do gerente com a empresa de tecnologia?

- Cl-claro. Sim, claro! Consigo. Márcio, - diz ele olhando para o garoto que me trouxe a água - essa é uma tarefa sua.

O garoto pega a pasta de documentos e sai correndo da sala.

Olho para meu relógio e vejo que já são 10:55.

- Preciso ir - digo à JpC - Você poderia me informar em que andar será a reunião?

- 18° andar - responde ele. - Você tem mais alguma solicitação? - ele prende a respiração.

- Tenho - respondo. - Sempre que você receber uma "ordem da diretoria" me pergunte se procede. Você sabe como me encontrar - dou um sorriso. - Obrigada e aguardo os documentos - vou saindo da sala quando retorno e olho para eles. - Vocês tem 10 dias - faço sinal apontando para os três que continuaram na sala me olhando.

Entro no elevador e pressiono o botão do 18° andar. Chegando lá, a porta se abre em um amplo saguão. No canto do saguão, vejo uma moça em uma mesa. Vou andando em sua direção e o barulho dos saltos despertam a atenção dela.

- Bom dia - ela me cumprimenta. - Posso ajudá-la?

- Bom dia - respondo. - Onde será a reunião com a empresa de tecnologia?

- A srta. irá participar da reunião? - pergunta surpresa. - Achei que todos já haviam chego.

- Sim, irei fazer uma visita surpresa - respondo sorrindo e lhe mostrando meu crachá.

- Oh! - Ela exclama. - Claro! Eu levo a srta. até lá. Gostaria de um café, ou um chá? - diz ela se levantando.

- Aceito uma água e não precisa me levar ate lá - digo - apenas me diga onde é, por favor.

- Segunda porta a esquerda - ela aponta para um corredor - irei providenciar sua água.

- Obrigada - digo me afastando.

Entro na sala 10:59. Há cerca de 10 pessoas na sala, eu sou a única mulher.

- Bom dia - digo puxando uma cadeira próxima da porta - peço desculpas pelo atraso. Sento à mesa e olho para o rosto das pessoas ali presentes.

Ninguém me conhece aqui, com exceção do gerente que me olha com a boca aberta sem conseguir disfarçar a surpresa.

- Srta. ____ - o gerente finalmente fala. Ao mencionar meu nome vejo que todos ficam eretos em suas cadeiras. - Não sabia que a srta. viria.

- Estava por perto e resolvi dar uma passada para ver como estão as coisas - respondo sabendo que a mentira é óbvia. – Podemos começar?

- Claro! - responde o gerente - Podemos iniciar.

E assim começo a minha avaliação sobre a atual situação da empresa, enquanto escuto a apresentação e vou tomando notas.

 

 

_ND_ POV

 

O garçom entrega os pratos em nossa mesa e agradecemos. Estamos almoçando após duas entrevistas. Após o almoço iremos ao local do show, para fazer uma rápida passagem de som e nos prepararmos para o show mais tarde.

Estou tentando me concentrar no que está acontecendo ao meu redor, mas cada vez que fecho os olhos, eu vejo ela. As lembranças estão frescas demais. Talvez até o final do show eu já não tenha mais este problema, mas por enquanto tenho 101% de certeza de que irei subir até o quarto dela essa noite novamente.

Levo uma garfada da comida à minha boca e vejo um grupo de empresários passando e sentando do outro lado do salão.

Estou pensando em por que eles sempre tem esse hábito de fazer negócio durante refeições quando percebo que uma mulher se sentou a mesa junto com eles. 

- Eu devo estar delirando... - falo para eu mesmo.

É ela. Mesmo tendo passado poucas horas com ela, reconheceria aquelas curvas no meio de qualquer multidão. 

Ela não me viu. Está focada no cardápio que o garçom acabou de entregar. Observo ela fazendo o pedido e quando o garçom fala algo para ela fazendo ela sorrir, meu coração erra uma batida. 

- Hey _ND_ -  meu amigo me chama. - O que aconteceu?

- Desculpe, o que? - pergunto afastando o olhar dela.

- O que aconteceu? - repete ele. - Você está comendo devagar e está distante. Até parece que... - ele segue meu olhar e a vê. - Você esta comendo aquela moça com os olhos. Seja discreto pelo menos.

- Não tenho como ser discreto - respondo. - Eu conheço ela.

- Ah claro. De onde você conheceria uma empresária no Brasil?

- Passei a noite com ela - digo desviando o olhar dela para ele - e estava passando uma manhã muito agradável também até que fui forçado pelos nossos compromissos a sair do quarto dela.

Ele me olha de boca aberta. 

- Seu quarto sempre é invadido por adolescentes, mas nunca imaginei que um mulherão desse te daria chance.

- Ela falou que tinha que resolver uns problemas, mas não imaginava que me encontraria com ela em um restaurante. E aquele salto ali me surpreendeu. Ontem durante a janta ela estava de calça jeans, camiseta e tênis. E ainda assim era gostosa - falo para ele que está acostumado ao meu vocabulário.

- Para de encarar ela. Se ela perceber vai ficar sem graça - diz ele

Dou uma risada com o que ele falou.

- Se você soubesse a loucura que foram essas horas com ela, você não acharia que ela ficaria sem graça. Quer ver? 

 

 

____ POV

 

Após a reunião, o gerente e dois responsáveis pela empresa de tecnologia me convidam para o almoço. Passo rapidamente no setor contábil e pego a cópia dos documentos e guardo em minha bolsa antes que alguém mais visse.

Fomos a um restaurante próximo ao prédio. O restaurante estava cheio, mas encontramos uma mesa vaga de um lado do salão. Sentamos e faço meu pedido. 

Estou entediada, mas preciso ficar atenta para ver se escuto algo que possa me dar qualquer pista. Quero ir para o hotel, preciso arrancar esses sapatos e colocar meu pijama.

Meu celular que está apoiado em cima da mesa se ilumina e apaga. Não costumo mexer no celular quando estou à mesa, mas resolvo fazer.

Recebi uma mensagem de um número desconhecido. Pressiono na notificação e a leio.

 

"Você fica gostosa pra caralho nessas roupas e com esse salto alto, mas ainda prefiro você nua."

 

Mordo o lábio inferior para conter uma gargalhada. Espera, ele está aqui? Ergo o olhar, examinando melhor o local. Passo os olhos pelos rostos até que encontro os olhos dele, do outro lado do salão. Dou um sorriso e ele corresponde. Baixo meu olhar e respondo a mensagem

 

"Eu estava agora mesmo pensando que não vejo a hora de chegar no hotel e jogar esses saltos longe. Saltos são instrumentos de tortura."

 

Nossos pedidos chegam e começamos a comer.

Entre uma garfada e outra, enquanto os homens tentam tirar vantagem um sobre o outro, direciono meu olhar até a mesa dele. Ele continua olhando para mim.

 

- Então levei minha família para um passeio no meu novo iate. - fala o gerente

- Comprasse um iate novo? Em que marina você deixa ele? - pergunta um dos investidores.

- Angra - diz ele se gabando. - E você srta. ____, costuma navegar?

- Ah não - eu digo - enjoo facilmente.

- Eu fiz um cruzeiro a alguns meses... - começa o outro investidor, mas já não escuto mais. Adoro falar sobre viagens e experiências, mas não me sinto a vontade para fazê-lo naquela mesa.

 

Quando faço o pedido da sobremesa ao garçom, peço licença e vou ao banheiro. Preciso anotar em minha agenda algumas informações que consegui descobrir.

Iate, Angra, viagens para resorts de luxo com a família. Pelo que ele falou, parece que ele tirou várias férias no último ano.

Guardo minha agenda e lavo as mãos. Ao abrir a porta do banheiro vejo _ND_ encostado na parede, com as mãos no bolso.

Dou um sorriso e chego mais perto.

- Eu demorei pra acreditar que realmente era você - diz ele se afastando da parede - estava preparado pra muita coisa, menos pra te ver com uma roupa tão formal e sexy quanto essa - diz ele passando os braços pela minha cintura e me puxando pra mais perto. Envolvo meus braços em seu pescoço e o abraço.

- E eu quase dei uma gargalhada quando você me mandou aquela mensagem.

- Você parecia muito entediada naquela mesa - diz ele

- E de fato estou - suspiro - preciso voltar pra lá.

- Mas antes vem aqui - ele cola nossos lábios em um selinho demorado, me abraçando mais forte. Nos afastamos e sorrimos. 

- Te vejo mais tarde, gostosa. - diz ele apertando minha bunda. Dou um sorriso e volto para a mesa. 

Ao chegar na mesa, o garçom traz nossas sobremesas. Olho em direção a mesa dele e vejo que todos já estão levantados. _ND_ se junta a eles e vão embora.

Acabo de comer a sobremesa, pago minha parte e encerramos o almoço.

- Você voltará com a gente para o escritório srta. ____? Tem alguns projetos que eu adoraria que você visse - diz o gerente com pretensão.

- Adoraria, mas tenho outro compromisso agora e tenho que correr. Nos vemos em outra ocasião - digo me esquivando.

Nos despedimos e entro em um taxi. Enquanto o taxi se movimenta em direção ao hotel, pego meu celular. Recebi uma nova mensagem de _ND_

 

"E eu estava pensando agora mesmo que estou morrendo de vontade de chegar no hotel e transar com você a noite inteira."

 

Solto um suspiro e volto a lembrar da nossa noite.

 

 


Notas Finais


Compromissos profissionais finalizados com sucesso!
Agora vamos nos divertir novamente no próximo capítulo?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...