1. Spirit Fanfics >
  2. Coming Home To You. >
  3. Fria Despedida

História Coming Home To You. - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - Fria Despedida


-------------- Lua -------------

Abri meus olhos devagar e no mesmo momento pareceu que um martelo havia atingido a minha cabeça. Me sentei, acariciando minha nuca, enquanto meus olhos se acostumavam com a claridade do local.

Tive o sonho mais louco da minha vida.

Sonhei que conheci o Sysnyster Gates na praia... Ele vinha tomar banho no meu quarto de hotel e depois saímos para beber. – Comecei a rir sozinha. – Aiai, e aí toda banda apareceu... Cara, que sonho maluco!!!! Como eu queria que fosse real.

Me levantei e caminhei até o banheiro do meu quarto de hotel. Olhei no espelho e ainda estava de maquiagem, vestígios do que um dia foi um batom vermelho estavam espalhados pelo meu queixo e bochecha.

Não lembro de ter me maquiado ontem.

Na realidade, o que eu fiz ontem? Será que eu cheguei de viagem e desmaiei no quarto?

Estranho...

Escovei meus dentes e tomei um banho rápido. Saí do banheiro passando a toalha em meus cabelos e algo me chamou a atenção do lado da minha cama, embaixo do meu celular. Era um pedaço de papel dobrado. Fui até lá e abri. Pude ler a escrita com letras borradas:

“Lua, talvez você não vá se lembrar... Mas a noite se estendeu até você virar 4 shots seguidos de tequila com Shadows por perder uma aposta. Depois disso, você apagou. Te trouxe até o seu hotel, onde te coloquei na cama para dormir.

Espero que esteja bem!

Aqui está meu telefone: 1 55551289 – Por favor, me liga assim que acordar!

Com carinho,

Syn”

Eu cai sentada na cama.

Nada disso foi um sonho. Gente!!!!! Como eu virei 4 shots de tequila com o M. Shadows???????????? COMO? E que mico! Que mico!!!!!!!! Como eu pude desmaiar e ser carregada por Synyster Gates até meu hotel?

Deu 5 tapas seguidos na minha testa para entender se eu estava realmente acordada – o que só piorou minha dor de cabeça.

Lua, onde foi que você se meteu?

 

-------- Brian --------

 

- Cara, segura ela direito, espera só eu destravar meu carro... – Eu disse cambaleando até minha porta do motorista, enquanto Zacky equilibrava Lua no colo. – Cuidado com o vestido dela, man, ta subindo!!!! – Zacky tentou equilibrar Lua com um braço só para descer um pouco o vestido, mas sem sucesso. Johnny chegou correndo – pois tinha ficado para trás pagando a conta com Shadows – e ajustou o vestido dela.
- Man, tem certeza que não quer que eu vá com você? – Ele perguntou, enquanto ajudava Zacky colocar Lua no banco do carona. Eu dei a volta no carro e abracei Johnny.
- Muito obrigada, cara!!!! – Ele começou a rir, dando tapas nas minhas costas. 
Matt se juntou a nós correndo.
- Gates, me avisa se ocorrer tudo bem. Você vai passar a noite com ela? – Ele perguntou, a olhando pelo vidro do carro, pois a porta dela já estava fechada.
- Não... Talvez... Não sei. – Eu dei ombros, confuso, caminhando até a porta do motorista. Matt me seguiu.
- Man, eu te entendo. Ela é uma garota incrível mesmo! Aposto que se qualquer um de nós estivéssemos no seu lugar, sentiríamos a mesma coisa. Não se sinta mal... – Ele bateu a mão no meu ombro, como se estivesse me consolando.

Como se eu precisasse de conselhos amorosos esses horas da madrugada, enquanto Lua estava desmaiada no banco do meu carro.

- Tá bom... Tá bom... – Eu o empurrei um pouco, para fechar a porta.
- Gates... Se você desistir dela, passa meu telefone viu? – Zacky falou, mandando beijos. Eu mostrei o dedo do meio para ele.
- E o meu também!!!! – Johnny disse rindo, entrando em seu carro enquanto Matt e Zacky entravam também..

Dei partida e saí, sentido o hotel de Lua.

A olhei no banco de carona, dormindo tão pacificamente que nem parecia estar desmaiada de bêbada!

Cheguei no seu hotel e pedi para a recepcionista uma cadeira de rodas, pois minha amiga estava um pouco mal e não queria andar até o elevador. Claro que ela não acreditou – e provavelmente pelo meu cheiro de álcool, ela suspeitou estarmos bêbados. Mas joguei meu charme músico nela e ela me emprestou uma cadeira de rodas.

Subi empurrando a cadeira de Lua até o quarto dela, onde cacei nos bolsos de sua jaqueta onde estava a chave do quarto. Encontrei e abri.

A coloquei na cama com todo cuidado do mundo. – Deve ser muito desconfortável dormir de vestido – mas eu não vou tocar na roupa dela.
Fiquei apenas parado a olhando por alguns instantes... Linda demais!

Busquei algo que eu pudesse escrever algum bilhete – encontrei em cima de um dos móveis do quarto um bloco de notas e uma caneta, que eram brindes do hotel. Me concentrei ao máximo para conseguir fazer minha letra legível para que ela entenda quando acordar.

Saí de seu quarto pensando em como eu realmente estava na merda!

Passei um dia com essa garota! Um dia! Que parece ter passado duas vidas. Sinto que a conheço a tanto tempo... Sinto que me importo com ela. Já inclusive sinto sua falta.

Gates, como você pode ser tão bobão? Você nunca teve esse tipo de atitude com ninguém, com ninguém...

Ao entrar no carro, tive lembrança de quando a vi atravessando a rua. E desde então eu soube que eu a desejaria – de todas as formas que uma pessoa pudesse desejar outra pessoa.
 

-------------- Lua -------------

 

Claro que não vou ligar para ele, claro que não vou. – Pensei saindo do elevador e caminhando até a recepção do hotel.
O táxi de Billie me esperava.

- Billie! – Eu o cumprimentei sorrindo. Fizemos um Hi-Five.
- Olá Lua, tá indo aproveitar seu primeiro dia na Califórnia? – Disse enquanto abria a porta do carro para eu entrar.
- Que nada, Billie! Ontem já foi meu primeiro dia, você não tem ideia do tanto de coisa maluca que me aconteceu! – Comentei enquanto ele entrava no carro.

Claro que não contei os detalhes para Billie – geralmente não confio nas pessoas logo de cara. Só queria relaxar e esquecer a loucura que aconteceu comigo. Porque Brian queria que eu ligasse para ele? Sério, para mim não faz sentido. O que ele quer comigo? Me comer?

Ok, eu também quero que ele me coma.

Mas eu tenho medo, muito medo! Vai que isso me afete de tal forma que eu não suporte nem mais ouvir o som dele? – Digo, da banda.

Sacudi a cabeça só de pensar na possibilidade, prestando atenção no solo maravilhoso de Welcome to The Family imaginando o que esses dedos fariam comigo... – Eu só posso estar maluca mesmo!!!

Billie estacionou o táxi em frente ao Pacific Beach – um shopping famoso da cidade. Claro que iria torrar mais ainda meu suado dinheirinho – estou de férias e eu mereço. Preciso comprar algumas roupas novas.
Ao entrar nas lojas, percebi que a decoração estava mudando... Afinal, já estavamos na metade de Outubro e é claro que a cidade inteira ja entrava no clima de Halloween. Foi então que minha ficha caiu! Eu enfim vou viver meu sonho de sair por aí pedindo doces ou travessuras!!!! Bati palmas animadas até perceber que um casal passou por mim me olhando de uma forma estranha. Dei ombros e saí em caça de qual fantasia eu usaria para essa data tão especial.

Por um momento, meu pensamento foi até Brian. Porquê? Ele é só o guitarrista da sua banda preferida, Lua... Pare de se iludir?

Será que é só uma ilusão mesmo? Ele me tratou de uma maneira tão... Gentil. Ele me deixou no quarto de hotel, sem ao menos cogitar em trocar minha roupa – pois acordei com o mesmo vestido que eu estava na noite anterior.

Enfim – balancei a cabeça afastando o pensando. – Não vou mais vê-lo até o dia do show mesmo, onde à terra irá voltar ao seu eixo estrutural comum onde somos apenas guitarrista famoso gostoso e fan iludida babando nos solos de guitarra.

Só isso...

 

-------- Brian --------

 

- Papaiiiiiiii!!! – Nico correu até mim no momento que eu abri a porta. Pulou e eu o segurei, depositando diversos beijos em seu rosto.
- Fala garotãoooo! Sentiu saudade do papai? – Perguntei, ainda com ele no colo.
- Senti muita saudade, papai! Você tava tocando guitarra? – Ele perguntou, com um olhar inocente.
Eu dei um ultimo beijo em sua testa antes de aperta-lo com força. O tanto que eu amo esse garoto, não cabe dentro de mim.
- Estava sim! Você andou ensaiando? – Perguntei, fazendo uma manobra para coloca-lo em cima de meus ombros.
- Sim!!!! Eu estava apredendo tocar a bateria igual o tio Brooks... – Ele batucou minha cabeça. Eu ri e comecei caminhar sentido à cozinha, onde encontrei Michele alimentando Mon.
- Olá... – Disse simplesmente. Ela me ignorou.
Fui até próximo das duas e depositei um beijo na cabeça de Mon.
- Sua mãe vem hoje buscar as crianças. – Michele disse, se levantando e colocando as louças na pia. -  Você poderia por favor ficar aqui e entrega-las á ela?  -  Se virou para me encarar.

De certa forma, meu coração apertou. Olhei para Michele e tudo que eu podia sentir era gratidão – por todo tempo que passei com ela e por ela ser uma ótima mãe. Não gosto da sensação de sair dessa relação odiado por ela – mas eu sinceramente não entendo esse tipo de atitude.

Que nós não nos amamos mais – isso é fato. Mas temos essa parceria, intimidade e amizade. E sem contar que temos dois filhos lindos... Porque ela me odeia tanto?

- Fico sim, pode deixar. Você já vai? – Perguntei, descendo Nico, que saiu correndo no momento que seus pezinhos tocaram o chão.
- Preciso ir. Meu táxi chega em 40 minutos. Minhas malas estão prontas, só preciso tomar banho para me arrumar. – Disse enquanto passava um pano rapidamente para secar a pia.
Caminhei até Mon e a peguei no colo, ela sorria para mim com sua boquinha sem dentes. Dei um beijo em sua bochecha rosada e voltei a encarar Michele, que me olhava curiosa.

- Se cuida, Brian. E visite as crianças, por favor. Você sabe que é muito difícil para mim deixa-las dessa maneira...
- Eu sei. Sou o pai delas! E apesar de tudo... Sempre vou ser.
- Tudo bem... Bom, já estou vendo com meu advogado sobre os papéis do divórcio e também, resolvendo a papelada da casa, sinceramente a única coisa que quero levar desta aqui são meus filhos. – Ela deu ombros, saindo da cozinha.

Mon me olhava com um olhar brincalhão e eu suspirei.

- Bom mesmo é ter sua idade, princesa! – Dei outro beijo nela e fui até a sala atrás de Nico, que espalhava todos os seus brinquedos pelo cômodo. Sentei no chão junto com ele e coloquei Mon cuidadosamente sentada ao meu lado.

Peguei meu celular do bolso e havia uma mensagem. Meu coração disparou pensando na possibilidade de ser uma mensagem de Lua. Abri, mas era só Matt, querendo saber se eu estava bem. Ignorei. Eu posso responder mais tarde.

Alguns minutos depois eu e Michele demos uma fria despedida com um abraço rápido e a ajudei levar as malas para o táxi. Desejei boa viagem, enquanto assistia seu táxi arrancar com uma velocidade desnecessária – se bem a conheço, ela deve ter pedido ele fazer isso. Sacudi a cabeça, rindo sozinho.

Passei o restante do dia com meus filhos, os aproveitando o máximo que pude. No começo da noite, minha mãe apareceu para busca-los  e ficamos conversando por um tempo – sobre a vida, sobre meu divórcio, sobre a banda, as crianças.
E então ela se foi. E com ela, meus filhos.

Fiquei minha casa vazia e parei para pensar na referência que isso me causava, pois, era assim que me sentia quase o tempo todo.

Fui tomar meu banho para ver se eu voltava um pouco para o planeta terra – já que meus pensamentos voavam alto demais.

Me joguei na cama, ainda de cabelo molhado e olhei novamente o celular: nada. Nenhuma mensagem, nenhuma ligação de Lua.

Qual é Brian? Ta parecendo um adolescente bobão!!!! Qual o seu problema?

Não consigo resistir. Eu quero ela comigo! No momento, nada parece me consumir mais do que o pensamento de tê-la comigo. Flashs de ontem passavam pela minha cabeça como um tiroteio de informações: Ela dançando com Zacky, virando shots com Shadows - e  toda hora me olhava, com um olhar divertido. Eu só conseguia babar, só isso. Ela era muito agitada! O tempo todo, para lá e para cá - sem parar. Parece estranho pensar assim, mas ela me lembra muito o jeito do Jimmy. Sempre rindo, sempre agitado, sempre com alguma loucura na cabeça, sempre com atitudes loucas e inesperadas. Ele iria adorar conhece-la e eles se dariam muito bem! Tenho certeza que ele me incentivaria à sequestra-la e passar 15 noites seguidas transando com ela sem parar - ele tinha esses tipos de ideias malucas. 
Eu ri sozinho. A ideia não parecia tão mal assim! 

To ficando é doido, isso sim!

Senti uma euforia enorme no peito. Eu preciso vê-la de novo! Preciso! 
Liguei na recepção do Hotel e pedi para deixarem um recado para ela. Talvez ela esteja relutante em me ligar.

Fechei meus olhos por um instante e devo ter adormecido, pois, acordei em um pulo com meu telefone tocando. Era um número desconhecido, iniciado em +55. Atendi um pouco sonolento.

- Alô?
Demorou um instante para ter uma resposta.
- Olá Brian...

 


Notas Finais


Aposto que pelo nome do capítulo você deve ter pensado que era uma despedida entre Brian e Lua né?!!
A Lua tá muito relutante sobre o Brian!!!! Mas, sem spoilers - nós próximos ela estará bem mais soltinha.

E o Brian sendo papai? Awnnn, da vontade de morder!!! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...